Dinamica hidrografica

5.184 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.184
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.523
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dinamica hidrografica

  1. 1. Água: uso e problemas 1
  2. 2. HIDROSFERA• Cerca de 70% da superfície terrestre encontra-se coberta por água (a hidrosfera), que compreende os oceanos, os mares e as águas continentais (rios, lagos e geleiras). A maior parte dessa água, porém, é salgada, sendo menos de 3% de água doce, concentrada principalmente em geleiras (nos pólos e nas neves eternas das montanhas), restando menos de 1% de águas superficiais para atividades humanas. 2
  3. 3. Águas oceânicas• A plataforma continental é o prolongamento submerso dos continentes, com algumas modificações promovidas pela erosão marinha ou por depósitos sedimentares. Sua profundidade em geral não ultrapassa 200 metros. Dessa unidade de relevo extrai-se a das atividades pesqueiras.• Em 1993, foi promulgada a lei n 8.617/93, que define a soberania brasileira sobre sua plataforma continental. Ela delimita três regiões sobre as quais o pais tem direitos: mar territorial, zona contigua e zona econômica exclusiva.• O mar territorial brasileiro compreende uma faixa de 12 milhas marítimas de largura,a partir do litoral continental e insular.O Brasil tem soberania sobre essa faixa oceânica e seu espaço aéreo e acrescenta esse território ao restante da parte continental.• A zona contigua brasileira abrange uma faixa de mais de 12 milhas a partir do limite do mar territorial, em que o pais pode fiscalizar navios e reprimir as infrações cometidas,de acordo com as leis brasileiras.• A zona econômica exclusiva brasileira compreende uma faixa que se estende até 200 aproveitamento, conservação e gestão dos recursos naturais,das águas do mar e do subsolo,para fins econômicos e de investigação cientifica. 3
  4. 4. Correntes marinhas• As correntes marinhas podem ser comparadas com rios de água salgada, com temperatura diferente da massa de água oceânica por onde passam. Além disso, circulam em outra velocidade, em razão da diferença de temperatura e salinidade, que modificam a sua densidade. Essa diferença de densidade faz com que elas tenham velocidade própria e sigam sempre uma direção regular e relativamente precisa.• O movimento e a direção das correntes depende de ventos regulares ( com destaque para os alísios), do movimento de rotação da Terra e do contorno dos continentes. A importância pratica do estudo das correntes marinhas reside no fato de que são ricas em microorganismos (plâncton) e servem de base para a alimentação de muitos peixes. Por isso, as correntes constituem lugares favoráveis ao desenvolvimento de grandes cardumes e, conseqüentemente, á atividade pesqueira.• As áreas oceânicas próximas aos litorais da Noruega ( Gulf Stream), do Peru ( corrente de Humboldt) e do Japão ( corrente do Japão) são de grande importância para a atividade pesqueira, devido as correntes marinhas que as atingem. Quando se aproximam do continente, as correntes influenciam também o clima das regiões situadas junto á costa. 4
  5. 5. Consumo mundial de água doce O consumo mundial de água doce obedece, grosso modo, á seguinte distribuição: 70% da água consumida destinam-se a atividades agrícolas, 20%%, a indústrias e 10%%, a residências.• Na indústria, os ramos siderúrgico, petroquímico e petroleiro são os principais consumidores de água. Por exemplo: a produção de uma tonelada de aço requer 150 toneladas de água;para refinar uma tonelada de petróleo,são necessárias 180 toneladas de água;e para fabricar uma tonelada de papel,empregam-se 250 toneladas de água. Daí a importância da reciclagem,ou seja,do tratamento e reaproveitamento da água pelas industrias. No Japão, as industrias já reciclam 70% da água. 5
  6. 6. Abundância e desperdícioNas regiões onde a água doce é abundante, muitasvezes ela é desperdiçada, pois poucos têmconsciência de sua importância e dos seus limites desua capacidade de renovação. O desmatamento, acompactação do solo e a impermeabilização doasfalto e as edificações urbanas dificultam ainfiltração da água das chuvas e diminuem o volumede água das fontes. Áreas de mananciais sãoconstantemente ocupadas e poluídas pelos esgotosdomésticos. Lixo de todo tipo é lançado nos rios. 6
  7. 7. Bacias hidrográficas do Brasil• Bacia hidrográfica corresponde á área drenada por um rio principal, seus afluentes e subafluentes, que formam, dessa maneira, uma rede hidrográfica.• Os limites entre as bacias hidrográficas encontram-se nas partes mais altas do relevo e são denominadas divisores de água, pois separam águas de bacias. O declive entre o divisor de água e o rio principal, por onde correm as águas dos afluentes, chama-se vertente. As águas são depositadas no leito do rio que, em época de cheias, pode transbordar para as margens baixas e planas que o acompanham,as quais constituem a sua várzea.• Quando os níveis dos reservatórios estão baixos, em decorrência da falta de chuvas, as hidrelétricas limitam o fornecimento de água.• Esses grandes centros urbanos ficam distantes dos rios de maior navegabilidade, nos quais o transporte fluvial poderia contribuir uma excelente alternativa. Na bacia do Paraná,Sudeste _ que cobre boa parte dessa região _ ,estão sendo feitas obras para viabilizar a navegação nos 7 rios que cortam áreas economicamente importantes.
  8. 8. Aqüífero Guarani O aqüífero Guarani, a maior reserva subterrânea de água doce da América do Sul e uma das maiores do mundo, constitui importante reserva estratégica para abastecimento da população e desenvolvimento de atividades econômicas. Estende-se por uma área de 1,2 milhões de km,no subsolo dos países do MERCOSUL: 71% no Brasil,19% na Argentina,6% no Paraguai e 4% no Uruguai.• O aqüífero já e intensamente utilizado para abastecimento publico industrial, irrigação etc. Está localizado numa região de grande concentração populacional e intensa ocupação do solo. Sua conservação demanda uma política de manejo e gestão ambiental adequados,caso contrario,suas águas subterrâneas correm sérios riscos de contaminação pelo uso indiscriminado de agrotóxicos,por dejetos de animais,esgoto e resíduos industriais presentes nos rios da região,e pelo lixo despejado em aterros sanitários. 8
  9. 9. Aqüífero Guarani• Em 2003, foi lançado o Projeto Aqüífero Guarani com financiamento de Banco Mundial, do fundo para o Meio Ambiente Mundial e de outras instituições internacionais. Executado pela Organização dos Estados Americanos ( OEA),o projeto visa á adoção de uma política de gestão conjunta dos países do MERCOSUL com a finalidade de manter a qualidade de aqüífero. A cooperação multilateral entre os quatro países consiste principalmente em administrar a extração de água em limites adequados, de acordo com o reabastecimento natural, e reduzir a poluição.Essa iniciativa é fundamental, já que ações degradantes em apenas um dos países podem contaminar todo o sistema, anulando o esforço de conservação dos demais. 9
  10. 10. Poluição• Grande parte da poluição marinha é provocada por fontes terrestres. Em geral, ele é conseqüência da poluição da água dos rios, que correm para o mar. São industrias e residências que despejam toneladas de detritos nas águas dos rios; cidades que utilizam a água do mar como esgoto; lavouras que empregam fertilizantes e agrotóxicos, cujo excesso é transportado para o mar pelas águas dos rios; e áreas de criação que descartam em rios excrementos de animais. Elementos tóxicos utilizados nas atividades mineradoras e rejeitos das áreas de extração de minérios podem também atingir as águas do mar. 10
  11. 11. Poluição dos riosOs rios são de grande importância para a organizaçãodo espaço geográfico, trazendo enormes benefíciospara a sociedade. No entanto, sofrem asconseqüências negativas que afetam os ecossistemasfluviais e a própria sociedade, como o lançamento dedejetos de diversos tipos em suaságuas,transformando-os em esgotos a céu aberto.Essa é a situação em que se encontra a maioria dosrios, muitas vezes considerados subprodutos dasociedade urbano-industrial, que encara a naturezacomo fonte de matéria-prima ou depósito de resíduos. 11

×