FACULDADES ASSOCIADAS DE SÃO PAULO
CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMATICA
GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS
E CONTROLE DE FALHAS.
Gill...
RESUMO
Hoje em dia as empresas têm procurado excelência em serviços, como
existe um grande e rápido crescimento em empresa...
PREFACIO
“Se minha teoria estiver certa, os suíços me chamarão de suíço, os alemães
me chamarão de alemão e os franceses m...
SUMÁRIO
Resumo........................................................................................................ 02
...
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Figura 1 – Modelo Organizacional................................................................ 19
F...
CAPITULO I – INTRODUÇÃO
Com a atual demanda de tecnologia as redes de transmissão de dados
precisam evoluir quanto à quali...
1.1 JUSTIFICATIVA
Hoje vimos que a demora na solução de uma falha ocorre principalmente
por desconhecimento da estrutura d...
São incorporados sistemas de controle onde o inventário e a topologia
da rede sempre serão atualizados automaticamente e p...
CAPITULO II – REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
Antes de iniciar o estudo sobre gerenciamento de redes, faz-se
necessária à apresentaç...
aparecer todos os servidores, roteadores, switches e serviços. Com esta
interface garantimos um inventário sempre atualiza...
2.4 Configuration Management Data Base (CMDB)
" CA (2006) ...CMDB apresenta uma visão unificada de todas as
informações do...
O gerenciamento de mudança é uma proposta da metodologia de
melhores praticas do ITIL ela é responsável em colocar em ques...
2.8 Rede de Computador
“RUSSEL (2002), se você simplesmente conecta quatro computadores
em casa, você tem o que é chamado ...
O SQL é a linguagem mais comum para acesso a banco de dados, são
scripts de solicitação de informações de um banco de dado...
necessárias para a gerência da rede, possibilitando assim, a
automatização de grande parte das tarefas de gerência..” [15]...
O CRM é sistema utilizado para controle da qualidade dos sistemas
oferecidos pela área de IT, dentro do CRM é possível ide...
effectively coordinates operational activities with all customers and
vendors related to the function of the network..” [1...
CAPITULO III – GERENCIAMENTO
3.1 Estudo de Caso
Este projeto foi incentivado para melhorar o gerenciamento de serviços
de ...
Na Figura 1 é possível ver como esta estruturada a organização da
entre, áreas de Gerencia de Operação, Gerencia de Tecnol...
O sistema proposto se encaixa como uma central de troca de
informações, experiências e analise, assim é possível garantir ...
Figura 3 – Modelo do Projeto Proposto
Serão utilizadas técnicas modificadas do modelo ITIL (Information
Technology Infrast...
"Nagios", estas interfaces são responsáveis principalmente em garantir que o
suporte de primeiro nível tenha a documentaçã...
informações e fornecer relatórios gerenciais para garantir qualidade dos
serviços IT.
3.5 Atividades de Pesquisa
Do modelo...
- Pesquisa de como estruturar uma interface do KDB com o sistema de
CRM, o qual será responsável relacionar resoluções de ...
Com o resultado das pesquisas acima descritas o projeto esta pronto
para ser iniciado, os documentos gerados devem ser gua...
eficiente. É possível analisar eventos para que não exista uma nova ocorrência,
ter todas as informações relativas às oper...
Figura 5 – Relatório de Disponibilidade
27
CAPITULO IV – CONCLUSÃO
Com este projeto concluímos que para um eficiente, consistente e
constante atendimento de suporte ...
CAPITULO V – REVISÃO BIBLIOGRÁFIA
[1] Wikipedia, Outubro/2006. Principio da Gerência de Redes. Documento
digital HTML disp...
[10] NewsGeneration, RNP–Rede Nacional de Ensino e Pesquisa
Agosto/1997 Gerencimento de Rede Documento digital HTML
dispon...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gerencia de Serviços de TI

627 visualizações

Publicada em

O projeto visa preparar um modelo de fluxo de serviço que atua desde detecção de um evento seja manual ou sistemica até o encerramento e registro do evento, gestão de mudanças e atualização automática do ecosistema de TI.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
627
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gerencia de Serviços de TI

  1. 1. FACULDADES ASSOCIADAS DE SÃO PAULO CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMATICA GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS E CONTROLE DE FALHAS. Gilliard Silva Delmiro – gillydickinson@gmail.com Marcos de Benedicto – mbenedicto@gmail.com SÃO PAULO 2006
  2. 2. RESUMO Hoje em dia as empresas têm procurado excelência em serviços, como existe um grande e rápido crescimento em empresas de telecomunicações foi muito complicado adaptar a infra-estrutura e modificar o ambiente com a velocidade em que o mercado exige. É proposto neste projeto uma solução para integração de sistema e direcionamento de esforços, apenas com a empresa sendo orientada ao mesmo propósito é possível acompanhar o mercado e se manter com qualidade. Diferente de demais propostas o que é sugerido neste projeto é que para um crescimento com qualidade e excelência de serviços o primeiro passo é organização interna e garantia de que no momento de alteração de infra- estrutura a mesma seja encaixada nos processos e não o contrário. Com as técnicas sugeridas é possível crescer o ambiente ou diminuir mantendo a mesma qualidade de serviço, mantendo a relação entre áreas e mantendo o conhecimento sempre ao alcance de todos. 2
  3. 3. PREFACIO “Se minha teoria estiver certa, os suíços me chamarão de suíço, os alemães me chamarão de alemão e os franceses me rotularão de grande cientista; se minha teoria estiver errada os franceses me chamarão de suíço, os suíços me chamarão de alemão e os alemães me acusarão de judeu”.- Albert Einstein 3
  4. 4. SUMÁRIO Resumo........................................................................................................ 02 Prefácio........................................................................................................ 03 Sumário........................................................................................................ 04 Lista de Ilustrações..................................................................................... 05 Capitulo I – Introdução................................................................................ 06 1.1 Justificativa................................................................................... 07 Capitulo II – Revisão Bibliográfica............................................................ 09 2.1 Base de Conhecimento................................................................. 09 2.2 Banco de Dados Orientado a Objeto............................................ 09 2.3 Information Technology Infrastructure Library (ITIL)……………... 10 2.4 Configuration Management Data Base (CMDB)………………….. 11 2.5 Gerencia de Mudanças................................................................. 11 2.6 Change Management.................................................................... 12 2.7 Gerencia de Redes........................................................................ 12 2.8 Rede de Computador.................................................................... 13 2.9 Pooling........................................................................................... 13 2.10 Structured Query Language (SQL)……………………………….. 13 2.11 Interface……………………………………………………………… 14 2.12 Evento………………………………………………………………... 14 2.13 Management Information Base (MIB)......................................... 14 2.14 Sistema de Monitoração Nagios................................................. 15 2.15 Customer Relationship Management (CRM).............................. 15 2.16 Níveis de Escalonamento........................................................... 16 2.17 Network Operation Center (NOC)............................................... 16 2.18 Service Desk............................................................................... 17 Capitulo III – Gerenciamento...................................................................... 18 3.1 Estudo de Caso............................................................................ 18 3.2 Proposta........................................................................................ 20 3.3 Objetivos Gerais............................................................................ 22 3.4 Objetivos Específicos.................................................................... 22 3.5 Atividades de Pesquisa................................................................. 23 3.6 Execução...................................................................................... 25 3.7 Resultados Esperados.................................................................. 25 Capitulo IV – Conclusão.............................................................................. 28 Capitulo V – Referencia Bibliográfica........................................................ 29 4
  5. 5. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 – Modelo Organizacional................................................................ 19 Figura 2 – Resultado proposto com o Modelo de Gerenciamento................ 19 Figura 3 – Modelo do Projeto Proposto......................................................... 21 Figura 4 – Relatório de Atendimento............................................................. 26 Figura 5 – Relatório de Disponibilidade......................................................... 27 5
  6. 6. CAPITULO I – INTRODUÇÃO Com a atual demanda de tecnologia as redes de transmissão de dados precisam evoluir quanto à qualidade e o gerenciamento de seus serviços, hoje em dia a exigência de mercado obriga as empresas a acompanhar as necessidades dos usuários. “WIKIPEDIA (2006), a digitalização e a crescente integração e diversificação dos serviços oferecidos, implicam numa maior complexidade da rede e no aumento de capacidade dos equipamentos, originando requisitos novos e mais complexos de gerência”. [1] Estamos passando por uma fase em que as empresas se estabelecem cada vez mais como provedores de serviços e as empresas que não se adaptam a este novo conceito de atendimento e a demanda exigida pelos usuários pode causar em certas situações um colapso ao negócio. Pensando nesta demanda foi desenvolvido um projeto para garantir a qualidade na solução de falhas relacionadas aos serviços de tecnologia. Além de garantir controle do ambiente de rede o propósito deste projeto também é reduzir as falhas e garantir que os serviços sejam restabelecidos no menor tempo possível. É muito comum que documentos e procedimentos não tenham um local definido ou que áreas dentro da tecnologia da informação produzam documentos independentes criando mais de uma solução para o mesmo tipo de falha ou deixando o procedimento desatualizado no momento em que um suporte o utiliza para solucionar uma falha. 6
  7. 7. 1.1 JUSTIFICATIVA Hoje vimos que a demora na solução de uma falha ocorre principalmente por desconhecimento da estrutura de tecnologia, falta de informação centralizada, falta de padrão de atendimento e por informações desatualizadas. “INFOLAB, existe falta de qualidade e demora no atendimento e na resolução de problemas; Reincidência de problemas; Descentralização de informações; Ausência de sistema de controle; Desconhecimento do perfil e problemas do cliente; Controle manual do hardware e software”. [2] O gerenciamento de rede baseado na gestão de falhas deve ser um material de consulta para todas as empresas que pretendem evoluir seu padrão de atendimento. Em relação a pesquisas anteriores este é um material que unifica as técnicas do ITIL (Information Technology Infrastructure Library) com ferramentas de monitoração, gerenciamento de mudanças e atendimento ao cliente. A demora e falta de qualidade do atendimento normalmente são representadas por falta de conhecimento, informações desatualizadas, falta de um local para armazenar eventos mais comuns e problemas de comunicação entre áreas dentro da empresa. O ITIL prevê um modelo de base de conhecimento, mas alem das metodologias do ITIL este projeto define interfaces que atualizam automaticamente o núcleo do sistema conhecido com KDB (Knowledge Data Base), este banco de dados mais inteligente que o CMDB tem interfaces com sistemas de CRM (Customer Relationship Management), monitoração e gestão de mudanças. Diferente do CMDB este é um banco alimentado por interfaces automatizadas o que garante a integridade e qualidade dos dados. A idéia destas interfaces é ser o mais simples possível a fim de serem operadas por técnicos com o mais básico conhecimento de tecnologia. Todo o controle de inserção de dados é feito por regras comuns e definidas por técnicos especializados, o que garante a operação do dia-a-dia sem a necessidade de técnicos de alto nível para uma operação. 7
  8. 8. São incorporados sistemas de controle onde o inventário e a topologia da rede sempre serão atualizados automaticamente e podem ser extraídos por interface de relatórios. Com o KDB (Knowledge Data Base) é possível ter um perfil do problema, do usuário, soluções anteriores e grupos solucionadores. 8
  9. 9. CAPITULO II – REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Antes de iniciar o estudo sobre gerenciamento de redes, faz-se necessária à apresentação de alguns conceitos básicos relacionados ou tema deste projeto, os quais servirão de base para a compreensão dos textos descritos no documento. Tais conceitos são apresentados a seguir. 2.1 Base de Conhecimento “PG SOFTWARE EUROPE (2005), a base de conhecimento atua como uma mídia efetiva de compartilhamento do conhecimento, aumentando a produtividade do suporte pelo alinhamento do conhecimento coletivo. Isto também ajuda com a redução significativa do tempo médio para solução de problemas, devido aos técnicos encontrarem respostas aos problemas rapidamente.” [3] A base de conhecimento funciona como uma fonte única de informação, é um banco de dados que recebe informações de interfaces. A base de conhecimento é um local que alem das informações dinâmicas sobre o ambiente funciona como um local de pesquisa para feed-back de atendimento e analise de qualidade de suporte de IT. Neste projeto é proposto um banco chamado KDB (Knowledge Data Base), é constituído por três principais interfaces com os sistemas de monitoração, gerenciamento de mudanças e atendimento a cliente, estas interfaces atualizam e consultam diretamente do KDB sem que seja necessária uma intervenção no banco de dados. Diferente do CMDB no KDB não é necessária intervenção no banco, ele deve servir de back-end e sua atualização sempre devem ser feitos pelas interfaces. O KDB é um CMDB dinâmico e orientado a objetos, existe uma quarta interface que é a interface de relatórios onde é possível solicitar informação, por exemplo, de uma localidade, basta solicitar "LOCAL_1" e lá dentro irão 9
  10. 10. aparecer todos os servidores, roteadores, switches e serviços. Com esta interface garantimos um inventário sempre atualizado do sistema. 2.2 Banco de Dados Orientado a Objeto “ESKELSEN (2005), Um banco realmente OO deve permitir que você faça suas consultas de forma orientada a objetos, como se estivesse pesquisando em uma Array, List ou qualquer outro container de objetos.” [4] Os Bancos de Dados Orientados são banco de dados que trabalham com a referencia de Objetos e Classes uma das principais diferenças para os Bancos de Dados relacionais é que não existem tabelas e sim classes onde são criados objetos, as classes funcionam como mascaras onde são definidos os campos globais para identificação de um grupo de objetos, os objetos é o produto final do BDOO onde são grupados por classes e mantém seu perfil original. 2.3 Information Technology Infrastructure Library (ITIL) “GODOY (200-?), ITIL é um grande aparato das “Melhores Práticas” utilizadas pelos grandes Gestores de TI documentadas em 7 livros, subdividida em 10 processos e uma função e que tem objetivo fazer com que a TI foque no Negócio da Empresa e para que entregue os seus Serviços aos seus clientes da melhor maneira possível e a um custo justificável.” [5] O ITIL é uma biblioteca de melhores práticas, são idéias de como organizar a área de IT, implantações, métodos de controle, etc. O ITIL ajuda a criar um padrão entre as empresas de ITIL para que a linguagem de infra estrutura seja comum a todas as empresas de IT. 10
  11. 11. 2.4 Configuration Management Data Base (CMDB) " CA (2006) ...CMDB apresenta uma visão unificada de todas as informações dos itens de configuração, mapeando esses dados para os serviços apropriados, simplifica e automatiza o gerenciamento de mudanças e configurações e contribui para a disponibilidade dos processos corporativos essenciais." [6] “BMC (2005), o Configuration Management Database - CMDB é uma idéia simples, mas de repercussões poderosas para o gerenciamento corporativo.” [7] O "Configuration Management Data Base" mais conhecido como CMDB é um banco de dados proposto pela metodologia ITIL, este banco de dados tem a responsabilidade de relacionar objetos, o que quer dizer isso, elementos de redes a localidades, elementos de rede a grupos responsáveis, localidades a equipamentos. Este banco de dados é à base de informações para metodologia do ITIL, todas as informações do ambiente devem estar neste banco que é considerado fonte única de informação. A diferença principal dele para o KDB proposto no projeto são as interfaces entre sistema de monitoração e gerenciamento de ambiente CRM e "Change Management", o KDB seria um CMDB dinâmico. O grande problema do CMDB é a atualização, com este projeto será proposta a solução. 2.5 Gerencia de Mudanças "Para o Centro de Computação Eletrônica da USP, gerenciamento de Mudanças é o processo de verificação e aprovação de pedidos de mudança, e também a coordenação de mudanças aprovadas a serem implementadas." [8] 11
  12. 12. O gerenciamento de mudança é uma proposta da metodologia de melhores praticas do ITIL ela é responsável em colocar em questão as mudanças no ambiente, analisa, valida e solicita aprovações do time de liderança antes de serem implantadas. A ferramenta utilizada para este gerenciamento é conhecida como “Change Management”. 2.6 Change Management “De acordo com a Georgetown University, the complete set of processes employed on a project to ensure that changes are implemented in a visible, controlled and orderly fashion." [9] O “Change Management” é uma ferramenta responsável em registrar quais alterações estão sendo propostas ao ambiente e disponibilizar uma interface para aprovação da mudança. Como o “Change Management” é possível controlar melhora e divulgar quais as alterações propostas no ambiente, com a aprovação é possível exigir testes para garantir que as mudanças não causem impacto no ambiente produtivo. 2.7 Gerencia de Redes “RNE (1997), ...as redes de computadores e os seus recursos associados, alem das aplicações distribuídas, tem se tornado fundamental e de tal importância para uma organização, que elas basicamente "não podem falhar". [10] Gerenciar uma rede é principalmente prevenir, identificar e corrigir falhas antes que ocorra uma indisponibilidade dos serviços, alem de manter estabilidade e performance de aplicações e serviços. Existem diversas ferramentas para gerenciamento eficiente de uma rede e diversos protocolos, o SNMP (Simple Network Management Protocol) é o mais simples e um dos mais eficientes, a aplicação responsável pela monitoração de rede proposta neste projeto utiliza o SNMP com um de seus diversos protocolos de monitoração. 12
  13. 13. 2.8 Rede de Computador “RUSSEL (2002), se você simplesmente conecta quatro computadores em casa, você tem o que é chamado de LAN (Local Area Network, ou Rede Local). Se tudo está a uma caminhada de distância, então é geralmente chamado de LAN, não importando quantas máquinas estão conectadas, ou como você montou a rede.” [11] Uma rede de computador é um conjunto de elementos computacionais conectados por um meio comum, seja uma fibra óptica, fio de cobre ou até mesmo a atmosfera, alem da conexão física é necessário que estes computadores se comuniquem entre si por um protocolo comum. Atualmente o protocolo mais utilizado é o TCP/IP. 2.9 Pooling A informação que é útil para o monitoramento de rede é coletada e armazenada pelos agentes, e disponibilizada para um ou muitos sistemas de gerenciamento. Duas técnicas são usadas para disponibilizar a informação do agente, que servirá para o gerenciamento: polling e comunicação de falhas. Polling é uma interação de solicitações / respostas entre gerente e agente. O gerente pode questionar qualquer agente (para o qual ele tem autorização) e requisitar os valores de vários elementos de informação; os agentes respondem com informações de sua MIB. 2.10 Structured Query Language (SQL) "WIKIPEDIA (2006), Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (bases de dados relacionais). Muitas das características originais do SQL foram inspiradas na álgebra relacional." [12] 13
  14. 14. O SQL é a linguagem mais comum para acesso a banco de dados, são scripts de solicitação de informações de um banco de dados e emitem saida para arquivos. 2.11 Interface “WIKIPEDIA (2006), a interface possui implicitamente uma ligação com as camadas de regras de negócio que verificam e validam o conteúdo dos dados passados pela interface para, possivelmente, serem persistidos na base de dados do sistema, ou seja, serem gravados no banco de dados.." [13] A interface gráfica tambem conhecida como GUI é uma tela grafica onde serão feitas entradas de dados para inserção num banco de dados. A relação entre aplicação e banco de dados tambem pode ser chamada de interface, por exemplo, caso um sistema necessite de consulta em outros sistemas para fazer inserção na base de conhecimento. 2.12 Evento “PILEGGI (2002), nas aplicações de análise de risco, o evento inicial da árvore de eventos é, em geral, a falha de um componente ou subsistema, sendo os eventos subseqüentes determinados pelas características do sistema”. [14] Um evento no âmbito do projeto é uma alteração de estado de algum elemento dentro de uma rede, quer dizer, o momento em que é registrada uma falha ou uma recuperação de um elemento. 2.13 Management Information Base (MIB) “UFRGS, ...a MIB (Management Information Base) é o conjunto dos objetos gerenciados, que procura abranger todas as informações 14
  15. 15. necessárias para a gerência da rede, possibilitando assim, a automatização de grande parte das tarefas de gerência..” [15]. A base de informação gerencial (MIB – Management Information Base) é o nome conceitual para a informação de gerenciamento, incluindo os objetos gerenciados e seus atributos, operações e notificações. Podem-se também considerar as informações para a configuração do sistema como também pertencentes a MIB. 2.14 Sistema de Monitoração Nagios “Conforme REBELO, o Nagios é um aplicativo para monitoração de serviços de rede, permite monitorizar vários serviços de rede e host para ver se estão ativos,serviços como HTTP, SMTP, POP3,..." [16] O sistema de monitoração Nagios é responsável por verificar a saúde da rede, indicar falhas ou problemas de performance, neste projeto o Nagios alem de fazer seu papel de monitoração de rede também faz interface com o KDB e participa do sistema de gerenciamento de falhas como um braço muito importante, alem do papel comum que seria notificar caso exista uma falha em um elemento ou serviço de rede o Nagios também irá fazer inserção de dados no KDB, dados que serão analisados pelo CRM e entrará no fluxo de chamados do KDB, mais um ponto importante é que o Nagios pode servir de referencia para futuras mudanças do ambiente, identificando quais pontos sofrem falhas constantes. 2.15 Customer Relationship Management (CRM) Para NAULT (2006) CEO da Atrion Networking Corporation, um sistema de CRM deve assegurar a transição entre a implementação de IT e o suporte ao produto: ”The project manager will clearly define this transition and all the necessary steps to make it as smooth as possible. Ongoing support used to mean "You have a problem, you call IT." It was largely reactive.” [17] 15
  16. 16. O CRM é sistema utilizado para controle da qualidade dos sistemas oferecidos pela área de IT, dentro do CRM é possível identificar chamados relacionados à falhas num ambiente de rede, erros, problemas de performance, preparar escalonamento e medir tempo de atendimento. Dentro do projeto proposto o banco de dados do CRM é substituído pelo KDB onde estas informações são compartilhadas não apenas com o CRM, mas com as outras interfaces de implantação e monitoração. 2.16 Níveis de Escalonamento Níveis de escalonamento são grupos separados por tarefas: - o primeiro nível ou NOC normalmente são grupos que tem um turno 24x7, o primeiro nível é responsável em monitorar a rede verificar falhas executar procedimentos de manutenção preventiva na rede e de tentar solucionar 98% das falhas em menos de 30 minutos e 100% em 2 horas; - o segundo nível é um grupo que tenta solucionar 95% dos problemas em 2 horas após re-direcionamento do primeiro nível e 100% em 24 horas, após a solução de uma falha os procedimentos são devidamente documentadas na base de conhecimento (KDB), este grupo também é responsável por identificar se um problema deve ser transferido ao terceiro nível, para que seja feita uma alteração de infra-estrutura; - o terceiro nível é responsável em programar uma alteração na infra-estrutura e documentar devidamente a alteração na base de conhecimento (KDB). 2.17 Network Operation Center (NOC) Para Indiana University (2001): “The NOC offers oversight of problem, configuration and change management, network security, performance and policy monitoring, reporting, quality assurance, scheduling, and documentation. The NOC provides a structured environment that 16
  17. 17. effectively coordinates operational activities with all customers and vendors related to the function of the network..” [18] O NOC é a central de comando de uma rede, responsável em detectar eventos, corrigir ou escalonar falha. O NOC também é responsável pelo acompanhamento da solução dos eventos e pela garantia de que os eventos sejam devidamente solucionados e documentados para futuras consultas. 2.18 Service Desk “De acordo com a empresa Allen, o Service Desk é uma central que oferece soluções para usuários finais, através de diferentes tipos de canais de comunicação, integrada com um Sistema de Gerenciamento de Chamados que possibilita estudos e manutenções pró-ativas.”. [19] O Service Desk é um centro de suporte a clientes, diferente do antigo Help Desk o Service Desk não se limita apenas a solucionar problemas de operação de IT ele também responsável por infra-estrutura deste de uma tomada até um servidor com defeito, podem agir em diversas áreas da empresa o Service Desk é uma inovação descrita na metodologia de melhores práticas do ITIL. 17
  18. 18. CAPITULO III – GERENCIAMENTO 3.1 Estudo de Caso Este projeto foi incentivado para melhorar o gerenciamento de serviços de uma empresa especifica que atua no mercado Internacional com sede em Reston (VA) e filial no Brasil, Chile, Argentina, Peru e México. Um total de 2500 funcionários na filial Brasileira o principal ponto de estudo, tem uma média de 270 elementos de rede entre servidores UNIX, Windows e equipamentos de rede, tem um parque de 40 lojas e 7 filiais espalhadas pelas regiões sul, sudeste, norte e nordeste. Com uma média de 5000 chamados abertos no Help Desk mensalmente, 87% são solucionados no primeiro nível e do restante 99% são solucionados no segundo nível em até 2 dias, para um atendimento mais eficiente pelo menos 98% dos eventos deveriam ser resolvidos em primeiro nível e 100% em segundo nível, no formato em que esta alguns chamados passam para terceiro nível. A empresa é organizada por três gestões, desenvolvimento, tecnologia e operações a área de operação é responsável e, manter a estrutura ativa, a área de tecnologia é responsável por projetos e implantações e a área de desenvolvimento pela fabrica de software. São aplicados alguns softwares para gestão de aplicações como CRM, Controles de Acesso e Monitoração de sistemas, mas até hoje sem uma devida integração. A empresa trabalha por setores sem que exista uma relação de colaboração entre as áreas o que causa um problema sério de comunicação e em algumas situações duplo ou triplo suporte para o mesmo problema. Pela organização é possível entender como problemas de comunicação ocorrerem, a gerencia operacional não participa efetivamente da implantação projetos, portanto a expertise da implantação fica em outra gerencia o que dificulta a manutenção do dia-a-dia; As implantações não são orientadas ao serviço, não é feita a devida avaliação da necessidade de uma implantação; As ferramentas atuais não contribuem para que exista a devida passagem de conhecimento entre as áreas, o que causa uma dispersão de conhecimento. 18
  19. 19. Na Figura 1 é possível ver como esta estruturada a organização da entre, áreas de Gerencia de Operação, Gerencia de Tecnologia e Gerencia de Desenvolvimento. Figura 1 - Modelo organizacional Este projeto se propõe a manter a esta estrutura organizacional e criar interfaces entre as gerencias de operações e tecnologia através da centralização do sistema e base de conhecimento. A seguir é demonstrado o desenho proposto para solução do problema. Figura 2: Figura 2 – Resultado proposto com Modelo de Gerenciamento 19
  20. 20. O sistema proposto se encaixa como uma central de troca de informações, experiências e analise, assim é possível garantir que o conhecimento é passado entre áreas indiferente das gerencias. Este modelo de projeto foi estudado com base na empresa descrita mas pode ser utilizado em qualquer área de IT com necessidade de melhorar a comunicação entre as áreas operacionais e de implementação. 3.2 Proposta A proposta deste projeto é diminuir o tempo de atendimento e garantir a qualidade na solução e eventos, para isso o projeto se propões a criar um banco de dados vivo onde serão inseridos informações das três interfaces (Monitoração, CRM e Change Management) com este sistema será possível acompanhar as atualizações do ambiente, controlar eventos de falha, controlar níveis de serviços, garantir que dados sejam disponíveis a todos, melhor a comunicação entre equipes e ganhar tempo na resolução de falhas, talvez até prevenir futuros problemas. Hoje não é comum que as empresas tenham um local único para registrar e localizar informações relevantes ao serviço tecnológico, a idéia é unificar documentos e procedimentos de uma forma dinâmica, localizar falhas na topologia de rede e garantir fluxo correto de eventos, registrar alterações e evoluções na topologia, manter ambiente de monitoração atualizado e garantir a integridade nas informações com o mínimo de intervenção humana possível. O modelo proposto é mais bem visualizado no desenho a seguir onde podemos identificar quais serão as interfaces que se relacionaram com o banco de dados, as entradas e saídas do sistema e a interface de relatórios, também é demonstrado no desenho o atendimento por níveis de escalonamento. 20
  21. 21. Figura 3 – Modelo do Projeto Proposto Serão utilizadas técnicas modificadas do modelo ITIL (Information Technology Infrastructure Library) para automatização do sistema, será utilizado um banco de dados modelo CMDB (Configuration Management Data Base) com as devidas modificações para que exista uma iteração maior com as ferramentas "satélites" como o Nagios (Ferramenta de Monitoração), o CRM (Customer Relationship Management ) e o sistema de gerenciamento de mudanças. O banco de dados proposto no projeto o KDB (Knowledge Data Base) deve ser o ponto principal de registro e localização de informações, deve ser alimentado pelas interfaces de relacionamento com o cliente, monitoração e gestão de mudanças. Com a unificação das informações é mais simples encontrar a solução de problemas, proporem novas idéias e identificar eventuais alterações no ambiente. Para garantir a integridade dos dados apenas as interfaces serão responsáveis em inserir dados na base de conhecimento, estas interfaces serão o CRM, o "Change Management" e o 21
  22. 22. "Nagios", estas interfaces são responsáveis principalmente em garantir que o suporte de primeiro nível tenha a documentação necessária para resolver 99% das falhas de rede. Por um outro lado o suporte de segundo nível também é responsável por falhas que não foram solucionadas no primeiro nível, caso seja uma falha que não necessite de alteração na topologia deve ser solucionados e documentados de forma sucinta no sistema de CRM para que as próximas falhas relacionadas sejam identificadas facilmente, caso seja identificado que o problema necessita de uma alteração na topologia a falha é encaminhada ao terceiro nível responsável em programar uma mudança e documentar a alteração no sistema de gerenciamento de mudanças antes da efetivação da mesma, esta mudança deve passar por um comitê gestor que deve avaliar o impacto e liberar a execução, após a conclusão da mudança o sistema conhecido como “Change Management” deve atualizar o KDB. 3.2 Objetivos Gerais Em relação a objetivos gerais, O projeto visa preparar um modelo de fluxo de serviço que atua desde detecção de um evento seja manual ou sistemica até o encerramento e registro do evento, gestão de mudanças e atualização automática do ecosistema de TI, o maior ganho será no tempo de resolução de um chamado, concentração de informação de atendimento num local comum, prevenção do evento, atualização dinâmica de topologia lógica e física e centralização em informações gerenciais. 3.3 Objetivos Específicos No estudo de caso a empresa em questão tem diversos problemas quando a divulgação e atualização de informações. Os eventos, tempo de atendimento, relação entre sistemas (produção, desenvolvimento e teste) topologia e monitoração não são dinâmicos nem dos conhecidos de todos os analistas envolvidos no suporte. O objetivo é melhorar a produtividade, melhorar o trabalho em equipe mesmo com gerencias diferentes, organizar as 22
  23. 23. informações e fornecer relatórios gerenciais para garantir qualidade dos serviços IT. 3.5 Atividades de Pesquisa Do modelo ITIL será pesquisado o CMDB pelos responsáveis pela implementação e a melhor plataforma para implementação deste banco de dados (KDB) tendo em vista que será um banco de dados orientado a objeto, terá interface comum com sistemas de monitoração, "Change Management" e CRM. A idéia é que os objetos dentro deste banco de dados sejam comuns a todos os ambientes. A segunda fase com um prazo de trinta dias é pesquisar a maneira de criar uma interface simples para administração do KDB onde não seja necessária uma intervenção via SQL para que sejam criados usuários para que seja possível limpar tabelas e demais tarefas administrativas, esta pesquisa deve ser feita por um programador com conhecimento de programação e banco de dados, a idéia e fechar o acesso ao banco de dados e criar uma forma simples onde um operador não precise necessariamente ter conhecimento em programação ou banco de dados para operar a interface. A terceira fase com um prazo de noventa dias para conclusão e dividida em quatro partes de trinta dias cada uma, caso seja executada serialmente, também deve ser executada por um programador conhecimento de banco de dados será: - Pesquisa de como estruturar uma interface do KDB com o sistema de "Change Management" o qual será responsável em alterar, incluir ou deletar toda a alteração da rede. Esta interface deve prever fazer relação com o banco de dados e com o sistema de CRM, todas as alterações exigidas pelo CRM devem ser aprovadas pelo time de liderança e quando executadas devem alterar os objetos do banco de dados e da topologia. 23
  24. 24. - Pesquisa de como estruturar uma interface do KDB com o sistema de CRM, o qual será responsável relacionar resoluções de eventos dentro do KDB, registrar eventos direcionados ao segundo ou ao terceiro nível, bem como registrar eventos identificados pelo sistema de monitoração ou eventos relacionados e atendimentos a usuário. Esta interface sempre deve relacionar um evento a um objeto e a um grupo no banco de dados, seja ele um servidor de rede, um equipamento de rede ou um desktop. - Pesquisa de uma interface do KDB com o sistema de monitoração, o qual será responsável em testar, criar e remover eventos dentro do banco de dados, neste momento será pesquisa uma forma do sistema de CRM ter uma interface dinâmica para receber informações do sistema de monitoração. - Pesquisa de uma interface com KDB para extração de relatórios, este relatórios devem prever buscas por objetos, por exemplo, localidade, elemento de rede, servidor ou grupo, esta pesquisa deve ser feita por um programador com conhecimento em banco de dados. A quarta fase com o prazo de trinta dias será a pesquisa por um programador com conhecimento em banco de dados uma relação em que o evento detectado pelo sistema de monitoração seja fechado pela interface do CRM e sua resolução fique disponível no KDB para futuras consultas. A interface deve atualizar o evento no banco de dados e relacionar o evento a uma resolução. Este passo fecha o ciclo quando o evento estiver entre o primeiro e o segundo nível. Ultima fase com um prazo de 40 dias, neste ultimo passo será pesquisado por um especialista de programação e banco de dados uma relação em que se fecha o ciclo do sistema quando o evento passar para o terceiro nível, a interface irá relacionar o evento de alteração da infra-estrutura ao sistema de "Change Management" e descrever a alteração no KDB onde este irá alterar os objetos e topologia de acordo com informação passadas pela interface. 24
  25. 25. Com o resultado das pesquisas acima descritas o projeto esta pronto para ser iniciado, os documentos gerados devem ser guardados como documentação e como referencia para construção do modelo. 3.5 Execução Para implantação do projeto de gerenciamento de serviços é sugerido que o inicio seja pela estrutura do banco de dados, onde serão criadas classes comuns entre os ambientes, após a estrutura do banco de dados é importante que o CRM seja o primeiro a atualizar os dados deste banco de dados, logo após o sistema de “Change Management” e depois o sistema de Monitoração. É importante frisar que este ultimo, o sistema de monitoração receberá atualização do banco de dados KDB, portanto no momento em que for feita esta interface e banco deve estar atualizado em relação as demais interfaces. 3.6 Resultado Esperado A conclusão da implantação deste projeto ocorre no momento em que não será mais necessária nenhuma intervenção manual no banco de dados e quando as interfaces enviarem e receberem informações do KDB, o sistema de monitoração deve se atualizar automaticamente de acordo com implementações pelo “Change Management”, o CRM deve receber alem das solicitações de suporte por telefone informações do sistema de monitoração, o segundo nível deve enviar solicitações de alteração de infra-estrutura ao terceiro nível e todos os atendimentos e escalonamentos devem ser registrados no KDB para geração de relatórios gerenciais. Com a consolidação das interfaces e centralização da topologia é mais simples minimizar eventuais alterações tecnológicas que o ambiente venha a sofrer, com o controle e analise das falhas é possível eliminar ou diminuir o tempo de recuperação e garantir a saúde dos serviços da rede. Com a centralização destas informações de suporte é possível diminuir o problema de comunicação entre as gerencias e garantir um suporte mais 25
  26. 26. eficiente. É possível analisar eventos para que não exista uma nova ocorrência, ter todas as informações relativas às operações de IT da empresa em apenas um local sendo possível à relação entre os objetos para definição de estratégias de implantação e suporte. Na Figura 4 é apresentado um relatório sobre os atendimentos atuais do Help Desk, este relatório será a ferramenta para controle do projeto. Os números de atendimento devem diminuir e a porcentagem dos valores de atendimento de primeiro nível devem aumentar, com estes indicadores será possível avaliar e controlar o desempenho do projeto. Figura 4 – Relatório de Atendimento Na Figura 5 é apresentado um relatório sobre a disponibilidade de aplicações, para o controle do projeto a disponibilidade deve ficar sempre acima de 99,95%, assim garantimos que os serviços oferecidos por IT estão de acordo com as expectativas dos clientes e com valores contratados em SLA. No relatório são apresentados os dez principais ofensores e a disponibilidade, este relatório é mensal e divulgado a toda a área de IT e seus clientes. 26
  27. 27. Figura 5 – Relatório de Disponibilidade 27
  28. 28. CAPITULO IV – CONCLUSÃO Com este projeto concluímos que para um eficiente, consistente e constante atendimento de suporte a informação deve ser precisa e estar centralizada. Como a grande maioria das empresas esta sempre em expansão, os ambientes são vivos e constantemente alterados tornando muito difícil conseguir manter a qualidade das informações para um suporte eficiente. O modelo adotado no projeto se molda a uma gerencia orientada a qualidade do serviço. O núcleo do projeto, um banco de dados com múltiplas entradas e saídas de dados consolida a informação garantindo que em qualquer condição de implantação, correção ou suporte a integridade da informação seja garantida. Foram pesquisadas ferramentas de monitoração, atendimento a cliente e gestão de mudanças, todos os sistemas que podem ter uma saída de dados adaptada ao banco de dados, assim indiferente da fonte a informação sempre deve se adaptar ao modelo, o que garante que todas as áreas envolvidas possam guardar ou consultar informação de uma maneira comum a todos. Mais uma vantagem neste modelo proposto é que não são exigidas ferramentas para o projeto, pode ser modelado com ferramentas freeware e implementado apenas com custo de mão de obra. Concluímos que pela relação custo por beneficio é o melhor modelo para empresas que estão constantemente em expansão e querem garantir a automatização e qualidade no atendimento de seus clientes. 28
  29. 29. CAPITULO V – REVISÃO BIBLIOGRÁFIA [1] Wikipedia, Outubro/2006. Principio da Gerência de Redes. Documento digital HTML disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Princ %C3%ADpios_da_Ger%C3%AAncia_de_Redes>. Acesso em Setembro/2006. [2] InfoLab, Help Desk. Documento digital HTML disponível em <http://www.infolab.com.br/helpdeskweb/index.html>. Acesso em Setembro/2006. [3] PG Software Europe. Base de Conhecimento. Documento digital disponível em <http://www.opmanager.com.pt/opmanager/knowledgebase-with- opmanager.html> Acesso em Novembro/ 2006 [4] Eskelsen, Cássio, Dezembro/2005. db4o - Banco de Dados Orientado a Objetos. Documento digital disponível em < http://www.linhadecodigo.com.br/artigos.asp?id_ac=875&pag=1> . Acesso em Novembro/2006 [5] Godoy, Leandro. ITIL - Information Technology Infrasctructure Library. Documento digital HTML disponível em <http://www.blogmind.com.br/archives/11/itil-o-que-e-isso-e-para-que- serve/96> . Acesso em Novembro/2006. [6] CA ISLANDIA, N.Y., Julho/2006. CMDB - ITIL. Documento digital HTML disponível em <http://www.ca.com/br/cainf02.htm>. Acesso em Setembro/2006. [7] BMC, Network Magazine, Maio/2005. CMDB - Configuration Management Data Base. Documento digital PDF disponível em <http://www.cscbrasil.com.br/folhetos/2005/Lamina_BMC %20Atrium_premio.pdf> Acesso em Outubro/2006 [8] USP, Centro de Computação e Eletrônica, Fevereiro/2005. ITIL - Gerência de Mudanças. Documento digital MS PowerPoint disponível em <http://www.usp.br/cce/qualidade/downloads/IIIEncontroGerentes_parteII .pdf?PHPSESSID=44c0d105c0a32feb8e44400c785a94fe#search= %22gerencia%20de%20mudan%C3%A7as%22>. Acesso em Setembro/2006. [9] Georgetown University, University Information Services UIS. Change Management. Documento digital HTML disponível em <http://uis.georgetown.edu/departments/eets/dw/GLOSSARY0816.html>. Acesso em Setembro/2006. 29
  30. 30. [10] NewsGeneration, RNP–Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Agosto/1997 Gerencimento de Rede Documento digital HTML disponível em <http://www.rnp.br/newsgen/9708/n3-2.html>. Acesso em Outubro/2006 [11] Russel, Rusty, Agosto/2002 Redes de Computadores. Documento digital HMTL disponível em <http://br.geocities.com/cesarakg/conceitos- rede-HOWTO-2.html>. Acesso em Outubro/2006 [12] Wikipedia, Novembro/2006. SQL - Structured Query Language. Documento digital HTML disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/SQL>. Acesso em Setembro/2006. [13] Wikipedia, Novembro/2006. Interface. Documento digital HTML disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Interface>. Acesso em Setembro/2006. [14] Pileggi, Valneo, Outubro/2002. Técnicas de Analise de Eventos. Documento digital no formato MS Word disponível em <http://professores.unisanta.br/valneo/apoio/tecnicasdeanalisederisco.do c>. Acesso em Setembro/2006. [15] Otsuka, Joice Lee UFRGS, de BRISA. Makron Books do Brasil, 1993 Gerenciamento de Redes- Uma abordagem de Sistemas Abertos. Documento digital HTML disponível em <http://penta.ufrgs.br/gr952/trab1/2conceit.html>. Acesso em Outubro/2006 [16] Rebelo, João . Nagios. Documento digital HTML disponível em <http://linuxeiros.planetaclix.pt/software/nagios.html>. Acesso em Setembro/2006. [17] Nault, Charles, October/2006. CRM Customer Relationship Management. Documento digital em <http://www.destinationcrm.com/articles/default.asp?ArticleID=6361>. Acesso em Novembro/2006 [18] Indiana University, March/2001. NOC - Network Operation Center. Documento digital HTML disponível em < http://www.indiana.edu/~uits/telecom/noc/index.html>. Acesso em Novembro/2006. [19] Allen Informática. Service Desk. Documento digital disponível em <http://www.allen.com.br/faq.asp?fase=resp&id=3&fid=11> Acesso em Outubro/2006 30

×