Poema

306 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
306
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poema

  1. 1. Ser fiel é uma escolha que não pode depender do outro! Por que ser fiel se nada me garante que o outro não está me traindo?... Essa é, sem dúvida, uma grande verdade. Jamais teremos certeza e nada pode nos garantir que a outra pessoa não vai nos trair, que ela está sendo fiel. E isso me faz lembrar de uma história: Todas as manhãs, a caminho do trabalho, João e seu amigo passavam pela banca de jornal do seu Joaquim. Ao pagar pelo seu jornal, João sempre agradecia com um sorriso nos lábios e desejava ao Sr. Joaquim um bom dia! Como resposta, recebia sempre o mesmo silêncio e a mesma carranca. Certo dia, seu amigo lhe perguntou: - João, por que você insiste em desejar bom dia ao seu Joaquim e tratá-lo de forma tão amável se ele é sempre grosseiro e sem educação? E então, sabiamente, João lhe respondeu: - Simplesmente porque não quero que ele decida como eu devo agir! Creio que essa seja a melhor e mais sábia justificativa para a fidelidade. Ser fiel é uma escolha pessoal; não pode depender da atitude e da escolha do outro. Ou você é, ou você não é! Obviamente, levando em conta que ninguém é perfeito e que todos nós estamos sujeitos aos equívocos, podemos escorregar. Mas o que defendo aqui é a postura de cada um. O
  2. 2. que você considera certo e errado? O que é característica sua e o que não é? Considero como verdade absoluta a seguinte assertiva: Não faça ao outro o que você não gostaria que fizessem a você. Creio que raríssimas pessoas diriam que não se importariam se fossem traídas. Assim sendo, não consigo entender porque tantas pessoas insistem em trair... Talvez, o fato não deveria ser encarado a partir da atitude: trair ou não trair; nem tampouco a partir da vítima: ser ou não ser traído. O fato deve ser encarado a partir de quem o praticou. Isto é: você é ou não é um traidor?!? Pode ser que a questão colocada desta maneira pareça acusadora demais, no entanto, acredito que por trás dela exista um sentimento mais profundo e importante que deveria ser levado em conta: a compaixão. Compaixão é um sentimento em extinção. Significa ser capaz de colocar-se no lugar do outro e conseguir sentir a dor que ele sente. Se pudéssemos fazer isso sempre, aposto que as atrocidades da vida diminuiriam consideravelmente. Especialmente a traição. Considero traição tudo aquilo que é combinado entre duas pessoas e uma delas não cumpre. Ou seja, se você, no seu relacionamento, assume a postura de estar só com aquela pessoa, supõe-se que você se sinta capaz de cumprir esse acordo. Caso contrário, deveria ser sincero o bastante para admitir que quer ficar com outras pessoas toda vez que sentir esse desejo, assumindo o risco de perder a pessoa que gosta. De qualquer maneira, independentemente de qual seja a sua escolha, o fato é que a verdade é sinônimo de fidelidade. Se a sua verdade vai ser aceita ou não, essa é uma outra questão com a qual você terá de lidar. Mas ser fiel é, acima de tudo, assumir somente os compromissos que se julga capaz de cumprir. E caso não consiga, independentemente dos seus motivos, o mais correto é não enganar e não mentir, ou melhor, ser sincero e contar ao outro que você quebrou o acordo. Saber lidar com as conseqüências de seus atos pode demonstrar uma grandeza admirável, uma coragem que poucas pessoas têm. Além disso, ser absolvido diante da
  3. 3. confissão é bem mais fácil do que ser perdoado diante da mentira e da tentativa de ludibriar a pessoa amada. Enfim, caio novamente numa frase que escrevo sempre: a vida é feita de escolhas! Imagine que a vida fosse um grande e requintado cardápio, repleto de deliciosas opções. Todos nós, apreciadores do prazer, podemos ficar em dúvida e titubear antes de fazer o pedido. No entanto, teremos de fazê-lo, abrindo mão das demais opções, se quisermos desfrutar o sabor. Quando vejo pessoas se dizendo fiéis, mas traindo a pessoa amada, imagino-as como se estivessem num belo restaurante, com o prato que escolheram diante de si, mas que de tempo em tempo, levantam-se da mesa pedindo licença para irem até o toalete e, enganando a si mesmas, correm até a cozinha se escondendo para não serem vistas e roubam colheradas de outros pratos, engolindo rapidamente e voltando correndo para seus lugares. Resultado: não saboreiam nem o que está à sua frente e nem o que está na cozinha. Perdem o sabor peculiar de sua escolha e não sabem aproveitar de cada opção o melhor que poderiam! Perdem a oportunidade maravilhosa de degustar o indescritível sabor do amor, porque não sabem que esse prato pede sensibilidade e entrega para ser apreciado de verdade... ...E quando chega a conta, pagam caro e certamente continuam com fome! Autora: Rosana Braga

×