SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
“Estratégias de Leitura
           e
  Redação Técnica”




 Profa. Ms. Daniela Cartoni
Redação Técnica
Tipos de redação técnica:

- narrações procedimentais ou descritivas (manuais
de instrução, os pareceres, os relatórios, processos
técnicos, etc)

- trabalhos acadêmicos (teses e monografias
científicas, artigos, etc)

Critérios para a linguagem:
Objetiva, clara, precisa, imparcial, coerente e impessoal
com lógica e sustentação em dados e provas (não em
opiniões).
Objetividade
Depende da estrutura lógica da descrição e análise:
  Qual é o objeto/fenômeno a ser descrito (definição denotativa)?
  Que parte dele deve ser ressaltada?
  De que ângulo deve ser encarado?
  Que pormenores devem ser examinados de preferência a outros?
  Que ordem descritiva deve ser adotada (lógica, psicológica ou cronológica)?
  A quem se destina (a um leigo ou a um técnico/especialista)?


  Assim, uma máquina de lavar roupa podem ser descrita
  do ponto de vista:
  a) do possível comprador (legenda de propaganda);
  b) do usuário (manual de utilização e funcionalidades);
  c) do técnico encarregado da sua montagem ou conserto (informações
  técnicas sobre equipamento).
Redação Técnica
  O motor está montado na traseira do carro, fixado por quatro parafusos à
  caixa de câmbio, a qual, por sua vez, está fixada por coxins de borracha
  na extremidade bifurcada do chassi. Os cilindros estão dispostos
  horizontalmente e opostos dois a dois. Cada par de cilindros tem um
  cabeçote comum de metal leve. As válvulas, situadas nos cabeçotes, são
  comandadas por meio de tuchos e balancins. O virabrequim, livre de
  vibrações, de comprimento reduzido, com têmpera especial nos colos,
  gira em quatro pontos de apoio e aciona o eixo excêntrico por meio de
  engrenagens oblíquas. As bielas contam com maneais de chumbo-bronze
  e os pistões são fundidos de uma liga de metal leve.

  Manual de instruções (Volkswagen)




Trata-se de parágrafo de descrição que tem em vista o usuário em geral
(leigo) - pois o emprego de termos técnicos está reduzido ao mínimo
indispensável ao seu esclarecimento.
Qualidades da redação científica

Em um texto acadêmico espera-se que o seu autor emita
opiniões de maneira convincente, ou seja, que sejam
compreendidas e aceitas pelo leitor.

Para tanto, tais opiniões devem ser bem fundamentadas,
comprovadas, explicadas e exemplificadas.

O ideal é que o seu autor coloque no texto seus pontos de
vista de maneira impessoal, objetiva e sem prolixidade, de
forma clara e coerente e organizadas de maneira lógica.
Redação Técnica (Norgaard, 1994)

A redação técnica preza pela clareza, lógica e precisão –
bem como objetividade quanto ao ponto de vista -, sem
necessariamente excluir a imaginação.

No caso dos trabalhos acadêmicos, opiniões pessoais e
crenças não podem distorcer o assunto, mas além de
técnico, o texto também precisa ser atrativo.

Portanto, deve-se ter objetividade sem excluir a paixão
pelo assunto, pois o trabalho de leitura poderá ser penoso
e enfadonho, sem a marca da sua personalidade.
Redação Científica

 Lembrar que a redação técnica aplicada a trabalhos
  acadêmico-científicos deve obedecer às normas da
   ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)


NBR 14724:2005 –Elaboração e Apresentação

NBR 10520:2002 – Apresentação e citações em
documentos

NBR 6023:2002 – Referências bibliográficas
Redação Científica

A quem se dirige?

  Formalidade e impessoalidade
(usar 3a. Pessoa
ex.: Observa-se que...)
  Objetividade
(não valorativo)
 Informativa e técnica
 Clareza e
vocabulário técnico
 Cuidado com o plágio!!!
Redação Técnica

Descrição de processo:


• Exposição em ordem cronológica;
• Definição dos conceitos;
• Objetividade: nada de linguagem abstrata ou afetiva;
• Ênfase na ação, que deve ser suficientemente detalhada;
• Indicação clara das diferentes fases do processo e etapas
percorridas para as considerações;
• Ausência de suspense: ao contrário da narração literária,
a descrição é neutra e realística.
O que é um bom texto?

                       - Originalidade
- Forma
                       - Harmonia
- Simplicidade
                       - Acuidade
- Clareza
                       - Persuasão
- Precisão
                       - Interesse
- Concisão
                       - Cuidado com o “empilhar
- Imparcialidade
                       parágrafos” ou bricolagem
                       (sampling)!
Eu ou nós?

Usar a 1ª pessoa do singular (“eu acredito que...”, ou
1ª pessoa do plural (“nós pensamos que...”)?


Prevalece o caráter formal e impessoal da redação
científica.


Ex.: “Conclui-se que...”,
“Avalia-se que...”,
“percebe-se pela leitura
do texto...”, “etc.
Dicas para monografias

 Iniciar por 2 ou 3 “obras referenciais” que dêem
noção geral do tema.

  Não ler demasiadamente antes de organizar o
projeto


 Eliminar as idéias fora do
contexto do trabalho


 Não esqueça de
documentar tudo!!!
Técnicas de Argumentação
Para argumentar bem, o que é necessário?

• Ter um conhecimento claro da ideia ou assunto que se vai
defender, buscando-se a informação e documentação
necessárias.
• Considerar as pessoas que se pretende convencer, a fim de
preparar ou selecionar as razões que se consideram mais
eficazes para cada caso concreto.
• Elaborar um guia ou roteiro com os principais dados e
argumentos aplicados.
• Prever possíveis réplicas dos leitores e preparar outros
argumentos ou respostas que possam convencê-los.
• Apresentar clareza os argumentos, procurando não apresentar
opiniões pessoais ou fazer juízo de valor.
Tipos de Argumentos
Entre os argumentos mais usuais empregados para
persuasão:

• A autoridade, isto é, basear-se na opinião de alguma pessoa,
entidade ou documento com prestígio.
• A universalidade, isto é, a aceitação generalizada. Por
exemplo: “Em todas as partes considera-se que...”.
• A experiência pessoal, desde que apoiada em fatos concretos
e justificados por um verificação e pesquisa. Por exemplo:
“Comprovei repetidas vezes...”
• A semelhança com algo que é aceito benevolamente pelos
receptores.
O texto persuasivo
O que é um texto persuasivo?
É todo aquele que conduz o indivíduo, para o qual foi escrito, a uma
aproximação ou aceitação das idéias ou conceitos expostos no texto.

Que argumentos evitar em trabalhos acadêmicos?
Todos aqueles que argumentos ou situações que levem ao confronto
de crenças e valores, que não possam ser objetivamente avaliados ou
comprovados.

Como convencer sem parecer "pedante"?
Persuadir não é convencer ou manipular, nem explicar tão
detalhadamente, cansando quem ouve ou lê.
Um bom argumento deve ser bem redigido, sem prolixidade, levando o
receptor por caminhos agradáveis, aproximativos e sucessivos,
permitindo-lhe compreender e avaliar as idéias, a mudar de atitude ou
a tomar uma determinada ação.
Princípios da Persuasão

1) O Princípio da Reciprocidade
As pessoas são melhores resultados/retorno se recebem aquilo que esperavam.
• Portanto, um bom trabalho deve levar em consideração o que o receptor
espera receber de informação.


2) O Princípio da Consistência
As pessoas perseguem argumentos claros e consistentes, que possam ser
verificados e validados.
• Portanto, os textos devem ser baseados em referências e em fatos que
possam ser comprovados.


3) O Princípio da Autoridade
As pessoas reconhecem o notório saber.
• Portanto, demonstrar a fonte das afirmações, em especial com o apoio da
literatura já reconhecida e aceita.
Princípios da Persuasão

4) O Princípio da Validação Social
As pessoas seguem caminhos abertos por semelhantes e os fatos devem ser
adequadas ao seu contexto ou realidade vivida.
• Portanto, o argumento deve apresentar aderência à realidade ou situações em
que o receptor perceba evidências de sua concretude e aplicação.


5) Princípio da Raridade
As pessoas precisam mais daquilo que elas têm menos.
• Portanto, ao buscar um texto, as perguntas buscam aquilo que ainda não
sabem ou não possuem. Evitar escrever sobre o que todos já exaustivamente o
fizeram.
Construção da
                      Argumentação

a) Construção por oposição: desenvolvimento do pensamento
dialético, baseado na apresentação de duas posições fundamentais
sobre o tema, das quais ressaltam-se oposições e contradições, cuja
função é comprovar ou rejeitar hipóteses (ou servir de argumentos
complementares a elas).

b) Construção por progressão: os elementos são relacionados de
acordo com uma seqüência lógica, de forma a evidenciar sempre a
relação entre um elemento e seu antecedente. Os aspectos positivos
ou negativos não devem aparecer um após o outro, mas entrelaçados
em relações comparativas.

c) Construção por cronologia: o desenvolvimento da idéia obedece
rigorosamente a seqüência temporal dos acontecimentos. É o menos
satisfatório dos tipos.
Desenvolvimento da argumentação

Métodos - alguns autores são mais explícitos, servindo-
se da denominação "Material e Métodos".

Resultados – entende-se como os resultados imediatos
da pesquisa, ou seja, o que realmente se apurou (dados,
evidências, etc).

Discussão - É a interpretação dós resultados (sua
importância, corolários e conseqüências).

O estilo a ser adotado é primordialmente argumentativo:
trata-se de convencer pela apresentação de razões, que
são os próprios fatos apurados e interpretados.
Fraseologia acadêmica

 Essência X aparência

 Tempo verbal

 Repetição de palavras

 Períodos e parágrafos

“Os autores apresentam duas tendências que devem ser
evitadas. A primeira, é representada pelo excesso de
parágrafos e a segunda ao contrário, a ausência de
parágrafos”. (SEVERINO, 2002)
VERBOS A SEREM UTILIZADOS PARA FAZER MENÇÕES A AUTORES

Verbos para APRESENTAR:        Verbos para REFORÇAR:

Afirma que (afirmar)           Enfatiza que (enfatizar)
Comenta que (comentar)         Destaca que (destacar)
Aponta que (apontar)           Reforça que (reforçar)
Identifica que (identificar)   Assinala que (assinalar)
Mantém que (manter)            Salienta que (salientar)
Sustenta que (sustentar)       Ressalta que (ressaltar)
Nota que (notar)               Aposta que (apostar)
Cita que (citar)               Acredita que (acreditar)
Argumenta que (argumentar)     Afirma que (afirmar)
Considera que (considerar)     Sustenta que (sustentar)
Identifica que (identificar)   Assevera que (asseverar)
Enumera que (enumerar)         Considera que (considerar)
Relata que (relatar)           Defende que (defender)
Menciona que (mencionar)       Entende que (entender)
...                            ...
Expressões de apoio

Expressões para iniciar uma idéia: Inicialmente; Em primeiro lugar;
Primeiramente; Por um lado.

Expressões para dar continuidade ao pensamento: Em seguida; Em
segundo lugar; Deve-se acrescentar; Por outro lado; Ainda; Além do
mais.

Expressões para finalizar: Além disso; Enfim; Finalmente; Logo;
Portanto; Pois (depois do verbo), Desta forma, Neste sentido.

Expressões para indicar oposição de idéias: Mas; Porém; Contudo;
Apesar disso, Todavia, Contrariamente,

Expressões que explicam: que; porque;pois (antes do verbo), por
conseguinte, consequentemente,
Elementos de coesão textual
•       assim, desse modo – valor exemplificativo ou complementar
•       e – continuação, acréscimo de informação
•       ainda – introduz mais mais uma informação ou argumento
•       aliás, além do mais, além de tudo, além disso – introduzem um
        argumento ou informação decisiva (valor de acréscimo)
•       isto é, quer dizer, ou seja, em outras palavras – introduzem
        esclarecimentos
•       mas, porém, contudo- marcam oposição
•       embora, ainda que, mesmo que – estabelecem ao mesmo tempo uma
        relação de contradição e de concessão.
•       pronomes demonstrativos: este, esse, aquele
•       pronomes relativos: que, o qual, onde, cujo
•       pronomes possessivos: seu, sua
•       advérbios e expressões adverbiais: então, dessa feita, acima, atrás.

Referência:
LAKATOS, Eva; MARCONI, Marina de. A Metodologia do Trabalho Científico. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2001.
Redação científica
Evitar:


  Locuções
Ex.: Este artigo visa fazer uma análise

  Clichês
Ex.: Via de regra, de mão beijada, etc.

  Queímos
Ex.: que é, que foi, que era, ...

  Uso de termos genéricos
Ex.: O fato é relevante para a humanidade.
Exemplo de “verborragia”


“Segundo dados recentes da
Organização Mundial da Saúde
(OMS), estima-se que 60% da
população mundial não é fisicamente
ativa o suficiente a fim de garantir os
benefícios advindos dos exercícios
físicos.”
Exemplo de “verborragia”

“Segundo dados recentes da
Organização Mundial da Saúde
(OMS), estima-se que 60% da
população mundial não é fisicamente
ativa o suficiente a fim de garantir os
benefícios advindos dos exercícios
físicos é sedentária.”
Exemplo de “verborragia”


Agora mais simples:


“Segundo a Organização Mundial da
Saúde (OMS), 60% da população mundial
é sedentária.”
Exemplo de edição

“As mudanças pelas quais vem
passando a área de gestão em Recursos
Humanos têm suscitado o
desenvolvimento de novas práticas,
algumas ainda não validadas pela
ciência, há alguns anos atrás, seria
impensável o seu emprego como
ferramentas em gestão empresarial.”
Exemplo de edição

“As mudanças pelas quais vem
passando passa a área de gestão de
Recursos Humanos têm suscitado
suscita o desenvolvimento de novas
práticas, algumas ainda não validadas
pela ciência, há alguns anos atrás, seria
impensável o seu emprego como
ferramentas em gestão empresarial.”
Bloqueios na escrita



  Pretensões excessivas e
perfeccionismo

  Ansiedade de escrever

  Cognições

  Revisão prematura
Superando bloqueios na escrita
• Comece com o uso da escrita livre, sem se preocupar com o formato
do texto nesse momento. Coloque as ideias no papel, da forma que
surgem, pois os ajustes serão realizados depois.

• Substituir o hábito de escrever apressadamente com prazo apertado
pela prática de fazê-lo em ritmo moderado e regular. Isso faz com que
o escritor tenha que escrever qualquer que seja seu estado de
espírito, quer esteja inspirado ou não.

• Deve-se evitar o perfeccionismo e exercer a prática da leitura para
enriquecer o vocabulário.

• Buscar conhecimento sobre o assunto, ter curiosidade, criatividade,
integridade intelectual, sensibilidade social, humildade para ter atitude
autocorretiva, paciência e confiança na experiência.
Construindo um estilo de redação:

1 - Utilize linguagem direta, prefira frases mais curtas e que
contenham uma única idéia.

2 - Não se deixe levar pela subjetividade.

3 - Observar a coerência da argumentação e entre capítulos.

4 - Atenção ao significado semântico dos termos utilizados e
a univocidade da redação.

5 - Redija com simplicidade, sem resvalar para o supérfluo.

6 - Evite um texto hermético: sem excesso de vocabulário
técnico. Defina os conceitos (pense no leitor!).

7 - Técnica da “gaveta”.
Avaliação do trabalho

• Espera-se que o autor seja capaz de organizar idéias,
estabelecer relações, interpretar dados e fatos e elaborar
hipóteses explicativas para conjuntos de dados relativos a
quaisquer áreas de conhecimento da norma culta e com
adequação ao modelo de estrutura do trabalho (ex.: manual
de TCC).

• Deve demonstra uma boa capacidade de leitura e de
elaboração de dados e argumentos.

• Também deve revelar bom domínio das regras gramaticais
da língua culta, do sistema ortográfico, dos recursos de
pontuação e estrutura das frases.
Dicas para escrever melhor
        Dicas do escritor Gabriel Garcia Márquez:

1.      Uma coisa é uma história longa e outra coisa é uma história
        alongada.
2.      O final de um artigo deve ser escrito quando você estiver indo
        pela metade.
3.      O autor lembra mais facilmente como um artigo termina do
        que como ele começa.
4.      É mais fácil agarrar um coelho que um leitor.
5.      É necessário começar com a intenção de que se escreverá a
        melhor coisa jamais escrita, porque logo essa vontade
        diminui.
6.      Quando alguém se aborrece escrevendo, o leitor se aborrece
        lendo.
7.      Não force o leitor a ler uma frase novamente.
http://livroseafins.com/7-conselhos-de-gabriel-garcia-marquez-a-um-editor-de-blog/
Eliminando
bloqueios
na escrita



             Exercitando a
              criatividade
Técnica do Brainstorming



Técnica criativa, simples e
eficaz para coletar ideias
inovadoras de um grupo de
pessoas sobre como resolver
um problema, desenvolver
um projeto ou melhorar uma
situação existente.
Atividade


Vamos exercitar nossas habilidades???
Variação: “brainwriting”



“E ele vinha descendo a rua
          quando...”
Você está moribundo(a), já lutou muito para viver
  com dignidade, mas o momento de partir é
                  inevitável.

   Você gostaria de deixar lembranças e uma
    mensagem a todos que fizeram parte de
      momentos especiais em sua vida.


 Escreva seu testamento e carta de despedida
Exercício – Dia e Noite

1.   Vamos criar soluções alternativas. Faça uma lista
     com 10 palavras comuns em uma coluna vertical.
     Por exemplo: noite, pesado, rápido, maçã.
2.   Ao lado escreva a primeira palavra de sentido
     oposto que vem à mente: dia, leve, lento e banana,
     por exemplo.
3.   Agora, como desafio, escreva pelo menos mais três
     palavras opostas para cada palavra inicial. Que tal:
     Noite – dia, sol, branco, acordado
     Pesado – leve, pena, nuvem, magro
4.   Simplesmente utilize sua criatividade para gerar
     novas idéias para resolver o problema. Comparece
     os resultados com o grupo.
Diálogos

Escreva uma breve história, simulando um diálogo entre:



1)   Presidente Lula encontrando com Spock, de
     Jornada nas Estrelas

2)   Rubinho Barichello e Dick Vigarista, da Corrida
     Maluca

3)   Karl Marx batendo um papo com Sérgio Mallandro
Outras técnicas:

•   Escreva uma biografia sua de 500 palavras.

•   Escreva uma descrição de 300 palavras de um local.

•   Escreva uma entrevista com você mesmo, como se fosse
    uma figura famosa ou um personagem de ficção. Faça
    isso no estilo de uma revista apropriada (ou não) para
    este fim, como a Veja, Exame, Você S.A., etc.

•   Sente em um restaurante ou local movimentado e
    escreva fragmentos dos diálogos que você ouve. Escute
    as pessoas à sua volta – como falam e quais palavras
    usam. Pratique tentando terminando os diálogos (escreva
    a sua versão do que vem a seguir na conversa).
O tema é...


        Globalização


Escrever um breve texto com
          15 linhas
Técnica de Persuasão

“Abrigo Subterrâneo”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaEtapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaCassio Meira Jr.
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaTEYSON VASCONCELOS
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaIsabella Marra
 
Aula como elaborar um artigo científico
Aula   como elaborar um artigo científicoAula   como elaborar um artigo científico
Aula como elaborar um artigo científicoLudmila Moura
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaDeborah Cattani
 
BIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientes
BIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientesBIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientes
BIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientesBizcool | Escola Aceleradora
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaLeticia Strehl
 
Tcc não é bicho papão
Tcc não é  bicho papãoTcc não é  bicho papão
Tcc não é bicho papãoItamar Faria
 
Estrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científicoEstrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científicoAlexandre Fidelis
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científicasheilamayrink
 
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e FormulárioTécnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e FormulárioUniversidade Federal do Ceará
 
Metodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos geraisMetodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos geraisJuliana Sarieddine
 

Mais procurados (20)

OSM : Formulários
OSM : FormuláriosOSM : Formulários
OSM : Formulários
 
Abnt
AbntAbnt
Abnt
 
Etapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaEtapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa Científica
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
Aula como elaborar um artigo científico
Aula   como elaborar um artigo científicoAula   como elaborar um artigo científico
Aula como elaborar um artigo científico
 
O Estudo De Caso
O Estudo De CasoO Estudo De Caso
O Estudo De Caso
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisa
 
BIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientes
BIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientesBIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientes
BIZCOOL - Grupos focais: entre fundo na cabeça dos clientes
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa Bibliografica
 
Tcc não é bicho papão
Tcc não é  bicho papãoTcc não é  bicho papão
Tcc não é bicho papão
 
Aula fontes de informação
Aula  fontes de informaçãoAula  fontes de informação
Aula fontes de informação
 
Normas da abnt
Normas da abntNormas da abnt
Normas da abnt
 
Assistente administrativo
Assistente administrativoAssistente administrativo
Assistente administrativo
 
Estrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científicoEstrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científico
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científica
 
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e FormulárioTécnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
 
Como fazer um Curriculum vitae
Como fazer um Curriculum vitaeComo fazer um Curriculum vitae
Como fazer um Curriculum vitae
 
Metodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos geraisMetodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos gerais
 

Destaque

Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentos
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentosMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentos
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentosDaniela Cartoni
 
Os sete pecados gerenciais
Os sete pecados gerenciaisOs sete pecados gerenciais
Os sete pecados gerenciaisDaniela Cartoni
 
Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]
Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]
Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]Daniela Cartoni
 
Apresentação em público
Apresentação em públicoApresentação em público
Apresentação em públicoLeoneide Garcia
 
Apresentacao(tec de apresentacao)
Apresentacao(tec de apresentacao)Apresentacao(tec de apresentacao)
Apresentacao(tec de apresentacao)Francalino Souza
 
Redação publicitária ii
Redação publicitária iiRedação publicitária ii
Redação publicitária iiAtitude Digital
 
Reforma ortográfica e redação técnica
Reforma ortográfica e redação técnicaReforma ortográfica e redação técnica
Reforma ortográfica e redação técnicaMaria Lina
 
TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)
TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)
TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)Motorola Solutions LatAm
 
Aulas 17 e 18
Aulas 17 e 18 Aulas 17 e 18
Aulas 17 e 18 lenamaria
 
Redação publicitária introdução - versão pública
Redação publicitária   introdução - versão públicaRedação publicitária   introdução - versão pública
Redação publicitária introdução - versão públicaErika Zuza
 
Relatorio Resumo
Relatorio  ResumoRelatorio  Resumo
Relatorio Resumoguesta96e9e
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abnt
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abntMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abnt
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abntDaniela Cartoni
 
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02Blogotipos - Diário das Marcas
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisa
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisa
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisaDaniela Cartoni
 
005 Redação Publicitária
005 Redação Publicitária005 Redação Publicitária
005 Redação PublicitáriaRafael Naruto
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio Cláudia
 
Redação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividade
Redação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividadeRedação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividade
Redação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividadeVOZ Comunica
 
Cca0330 Redação Radio Web
Cca0330 Redação Radio WebCca0330 Redação Radio Web
Cca0330 Redação Radio WebDiego Moreau
 
A redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própria
A redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própriaA redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própria
A redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própriaMarcos Randall
 
Dicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação PublicitáriaDicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação PublicitáriaJoedes Ribeiro
 

Destaque (20)

Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentos
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentosMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentos
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 11 - resumos e fichamentos
 
Os sete pecados gerenciais
Os sete pecados gerenciaisOs sete pecados gerenciais
Os sete pecados gerenciais
 
Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]
Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]
Palestra da para_ser_feliz_no_trabalho [daniela_cartoni]
 
Apresentação em público
Apresentação em públicoApresentação em público
Apresentação em público
 
Apresentacao(tec de apresentacao)
Apresentacao(tec de apresentacao)Apresentacao(tec de apresentacao)
Apresentacao(tec de apresentacao)
 
Redação publicitária ii
Redação publicitária iiRedação publicitária ii
Redação publicitária ii
 
Reforma ortográfica e redação técnica
Reforma ortográfica e redação técnicaReforma ortográfica e redação técnica
Reforma ortográfica e redação técnica
 
TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)
TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)
TETRA and LTE public safety communications (brochure in portuguese)
 
Aulas 17 e 18
Aulas 17 e 18 Aulas 17 e 18
Aulas 17 e 18
 
Redação publicitária introdução - versão pública
Redação publicitária   introdução - versão públicaRedação publicitária   introdução - versão pública
Redação publicitária introdução - versão pública
 
Relatorio Resumo
Relatorio  ResumoRelatorio  Resumo
Relatorio Resumo
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abnt
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abntMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abnt
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 10 - normatização abnt
 
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisa
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisa
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 07 - tipos de pesquisa
 
005 Redação Publicitária
005 Redação Publicitária005 Redação Publicitária
005 Redação Publicitária
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio
 
Redação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividade
Redação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividadeRedação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividade
Redação Publicitária - Associação de ideias na publicidade: criatividade
 
Cca0330 Redação Radio Web
Cca0330 Redação Radio WebCca0330 Redação Radio Web
Cca0330 Redação Radio Web
 
A redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própria
A redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própriaA redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própria
A redação técnica se define por um estilo e por uma estrutura própria
 
Dicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação PublicitáriaDicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação Publicitária
 

Semelhante a Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica

Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos complementoindirecto
 
aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxZoraide6
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxFSCCarvalho
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoHelena Coutinho
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioAdriele Leal
 
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpertManual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpertFabio Frossard
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo7 de Setembro
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico iPaola Barbosa Dias
 
2 características da dissertação 9º ano 2009
2 características da dissertação    9º ano 20092 características da dissertação    9º ano 2009
2 características da dissertação 9º ano 2009Cristiane Paula Czepak Cris
 
A construção do projeto de pesquisa, metodologias
A construção do projeto de pesquisa, metodologiasA construção do projeto de pesquisa, metodologias
A construção do projeto de pesquisa, metodologiasLeticia Xavier
 
A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?
A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?
A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?Rosane Domingues
 
Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisJorge Barbosa
 

Semelhante a Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica (20)

Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
 
aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptx
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Oqseespera
OqseesperaOqseespera
Oqseespera
 
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpertManual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
Manual TCC Estácio disponível no site AlunoExpert
 
Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
 
90226300 redacao
90226300 redacao90226300 redacao
90226300 redacao
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico i
 
2 características da dissertação 9º ano 2009
2 características da dissertação    9º ano 20092 características da dissertação    9º ano 2009
2 características da dissertação 9º ano 2009
 
A construção do projeto de pesquisa, metodologias
A construção do projeto de pesquisa, metodologiasA construção do projeto de pesquisa, metodologias
A construção do projeto de pesquisa, metodologias
 
A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?
A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?
A construção do projeto de pesquisa- COMO FAZER?
 
Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
 
Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações Iniciais
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 

Mais de Daniela Cartoni

Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]
Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]
Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]Daniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigo
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigoMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigo
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigoDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projetoMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projetoDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisaDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidade
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidadeMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidade
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidadeDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologia
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologiaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologia
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologiaDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmesMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmesDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba mais
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba maisMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba mais
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba maisDaniela Cartoni
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografia
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografiaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografia
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografiaDaniela Cartoni
 

Mais de Daniela Cartoni (9)

Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]
Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]
Palestra como falar_em_publico [daniela_cartoni]
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigo
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigoMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigo
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 09 - estrutura do artigo
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projetoMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 08 - estrutura do projeto
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidade
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidadeMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidade
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 05 - cientificidade
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologia
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologiaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologia
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 04 - epistemologia
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmesMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba mais
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba maisMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba mais
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 02 - saiba mais
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografia
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografiaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografia
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 01 - bibiliografia
 

Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica

  • 1. “Estratégias de Leitura e Redação Técnica” Profa. Ms. Daniela Cartoni
  • 2. Redação Técnica Tipos de redação técnica: - narrações procedimentais ou descritivas (manuais de instrução, os pareceres, os relatórios, processos técnicos, etc) - trabalhos acadêmicos (teses e monografias científicas, artigos, etc) Critérios para a linguagem: Objetiva, clara, precisa, imparcial, coerente e impessoal com lógica e sustentação em dados e provas (não em opiniões).
  • 3. Objetividade Depende da estrutura lógica da descrição e análise: Qual é o objeto/fenômeno a ser descrito (definição denotativa)? Que parte dele deve ser ressaltada? De que ângulo deve ser encarado? Que pormenores devem ser examinados de preferência a outros? Que ordem descritiva deve ser adotada (lógica, psicológica ou cronológica)? A quem se destina (a um leigo ou a um técnico/especialista)? Assim, uma máquina de lavar roupa podem ser descrita do ponto de vista: a) do possível comprador (legenda de propaganda); b) do usuário (manual de utilização e funcionalidades); c) do técnico encarregado da sua montagem ou conserto (informações técnicas sobre equipamento).
  • 4. Redação Técnica O motor está montado na traseira do carro, fixado por quatro parafusos à caixa de câmbio, a qual, por sua vez, está fixada por coxins de borracha na extremidade bifurcada do chassi. Os cilindros estão dispostos horizontalmente e opostos dois a dois. Cada par de cilindros tem um cabeçote comum de metal leve. As válvulas, situadas nos cabeçotes, são comandadas por meio de tuchos e balancins. O virabrequim, livre de vibrações, de comprimento reduzido, com têmpera especial nos colos, gira em quatro pontos de apoio e aciona o eixo excêntrico por meio de engrenagens oblíquas. As bielas contam com maneais de chumbo-bronze e os pistões são fundidos de uma liga de metal leve. Manual de instruções (Volkswagen) Trata-se de parágrafo de descrição que tem em vista o usuário em geral (leigo) - pois o emprego de termos técnicos está reduzido ao mínimo indispensável ao seu esclarecimento.
  • 5. Qualidades da redação científica Em um texto acadêmico espera-se que o seu autor emita opiniões de maneira convincente, ou seja, que sejam compreendidas e aceitas pelo leitor. Para tanto, tais opiniões devem ser bem fundamentadas, comprovadas, explicadas e exemplificadas. O ideal é que o seu autor coloque no texto seus pontos de vista de maneira impessoal, objetiva e sem prolixidade, de forma clara e coerente e organizadas de maneira lógica.
  • 6. Redação Técnica (Norgaard, 1994) A redação técnica preza pela clareza, lógica e precisão – bem como objetividade quanto ao ponto de vista -, sem necessariamente excluir a imaginação. No caso dos trabalhos acadêmicos, opiniões pessoais e crenças não podem distorcer o assunto, mas além de técnico, o texto também precisa ser atrativo. Portanto, deve-se ter objetividade sem excluir a paixão pelo assunto, pois o trabalho de leitura poderá ser penoso e enfadonho, sem a marca da sua personalidade.
  • 7. Redação Científica Lembrar que a redação técnica aplicada a trabalhos acadêmico-científicos deve obedecer às normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) NBR 14724:2005 –Elaboração e Apresentação NBR 10520:2002 – Apresentação e citações em documentos NBR 6023:2002 – Referências bibliográficas
  • 8. Redação Científica A quem se dirige? Formalidade e impessoalidade (usar 3a. Pessoa ex.: Observa-se que...) Objetividade (não valorativo) Informativa e técnica Clareza e vocabulário técnico Cuidado com o plágio!!!
  • 9. Redação Técnica Descrição de processo: • Exposição em ordem cronológica; • Definição dos conceitos; • Objetividade: nada de linguagem abstrata ou afetiva; • Ênfase na ação, que deve ser suficientemente detalhada; • Indicação clara das diferentes fases do processo e etapas percorridas para as considerações; • Ausência de suspense: ao contrário da narração literária, a descrição é neutra e realística.
  • 10. O que é um bom texto? - Originalidade - Forma - Harmonia - Simplicidade - Acuidade - Clareza - Persuasão - Precisão - Interesse - Concisão - Cuidado com o “empilhar - Imparcialidade parágrafos” ou bricolagem (sampling)!
  • 11. Eu ou nós? Usar a 1ª pessoa do singular (“eu acredito que...”, ou 1ª pessoa do plural (“nós pensamos que...”)? Prevalece o caráter formal e impessoal da redação científica. Ex.: “Conclui-se que...”, “Avalia-se que...”, “percebe-se pela leitura do texto...”, “etc.
  • 12. Dicas para monografias Iniciar por 2 ou 3 “obras referenciais” que dêem noção geral do tema. Não ler demasiadamente antes de organizar o projeto Eliminar as idéias fora do contexto do trabalho Não esqueça de documentar tudo!!!
  • 13. Técnicas de Argumentação Para argumentar bem, o que é necessário? • Ter um conhecimento claro da ideia ou assunto que se vai defender, buscando-se a informação e documentação necessárias. • Considerar as pessoas que se pretende convencer, a fim de preparar ou selecionar as razões que se consideram mais eficazes para cada caso concreto. • Elaborar um guia ou roteiro com os principais dados e argumentos aplicados. • Prever possíveis réplicas dos leitores e preparar outros argumentos ou respostas que possam convencê-los. • Apresentar clareza os argumentos, procurando não apresentar opiniões pessoais ou fazer juízo de valor.
  • 14. Tipos de Argumentos Entre os argumentos mais usuais empregados para persuasão: • A autoridade, isto é, basear-se na opinião de alguma pessoa, entidade ou documento com prestígio. • A universalidade, isto é, a aceitação generalizada. Por exemplo: “Em todas as partes considera-se que...”. • A experiência pessoal, desde que apoiada em fatos concretos e justificados por um verificação e pesquisa. Por exemplo: “Comprovei repetidas vezes...” • A semelhança com algo que é aceito benevolamente pelos receptores.
  • 15. O texto persuasivo O que é um texto persuasivo? É todo aquele que conduz o indivíduo, para o qual foi escrito, a uma aproximação ou aceitação das idéias ou conceitos expostos no texto. Que argumentos evitar em trabalhos acadêmicos? Todos aqueles que argumentos ou situações que levem ao confronto de crenças e valores, que não possam ser objetivamente avaliados ou comprovados. Como convencer sem parecer "pedante"? Persuadir não é convencer ou manipular, nem explicar tão detalhadamente, cansando quem ouve ou lê. Um bom argumento deve ser bem redigido, sem prolixidade, levando o receptor por caminhos agradáveis, aproximativos e sucessivos, permitindo-lhe compreender e avaliar as idéias, a mudar de atitude ou a tomar uma determinada ação.
  • 16. Princípios da Persuasão 1) O Princípio da Reciprocidade As pessoas são melhores resultados/retorno se recebem aquilo que esperavam. • Portanto, um bom trabalho deve levar em consideração o que o receptor espera receber de informação. 2) O Princípio da Consistência As pessoas perseguem argumentos claros e consistentes, que possam ser verificados e validados. • Portanto, os textos devem ser baseados em referências e em fatos que possam ser comprovados. 3) O Princípio da Autoridade As pessoas reconhecem o notório saber. • Portanto, demonstrar a fonte das afirmações, em especial com o apoio da literatura já reconhecida e aceita.
  • 17. Princípios da Persuasão 4) O Princípio da Validação Social As pessoas seguem caminhos abertos por semelhantes e os fatos devem ser adequadas ao seu contexto ou realidade vivida. • Portanto, o argumento deve apresentar aderência à realidade ou situações em que o receptor perceba evidências de sua concretude e aplicação. 5) Princípio da Raridade As pessoas precisam mais daquilo que elas têm menos. • Portanto, ao buscar um texto, as perguntas buscam aquilo que ainda não sabem ou não possuem. Evitar escrever sobre o que todos já exaustivamente o fizeram.
  • 18. Construção da Argumentação a) Construção por oposição: desenvolvimento do pensamento dialético, baseado na apresentação de duas posições fundamentais sobre o tema, das quais ressaltam-se oposições e contradições, cuja função é comprovar ou rejeitar hipóteses (ou servir de argumentos complementares a elas). b) Construção por progressão: os elementos são relacionados de acordo com uma seqüência lógica, de forma a evidenciar sempre a relação entre um elemento e seu antecedente. Os aspectos positivos ou negativos não devem aparecer um após o outro, mas entrelaçados em relações comparativas. c) Construção por cronologia: o desenvolvimento da idéia obedece rigorosamente a seqüência temporal dos acontecimentos. É o menos satisfatório dos tipos.
  • 19. Desenvolvimento da argumentação Métodos - alguns autores são mais explícitos, servindo- se da denominação "Material e Métodos". Resultados – entende-se como os resultados imediatos da pesquisa, ou seja, o que realmente se apurou (dados, evidências, etc). Discussão - É a interpretação dós resultados (sua importância, corolários e conseqüências). O estilo a ser adotado é primordialmente argumentativo: trata-se de convencer pela apresentação de razões, que são os próprios fatos apurados e interpretados.
  • 20. Fraseologia acadêmica Essência X aparência Tempo verbal Repetição de palavras Períodos e parágrafos “Os autores apresentam duas tendências que devem ser evitadas. A primeira, é representada pelo excesso de parágrafos e a segunda ao contrário, a ausência de parágrafos”. (SEVERINO, 2002)
  • 21. VERBOS A SEREM UTILIZADOS PARA FAZER MENÇÕES A AUTORES Verbos para APRESENTAR: Verbos para REFORÇAR: Afirma que (afirmar) Enfatiza que (enfatizar) Comenta que (comentar) Destaca que (destacar) Aponta que (apontar) Reforça que (reforçar) Identifica que (identificar) Assinala que (assinalar) Mantém que (manter) Salienta que (salientar) Sustenta que (sustentar) Ressalta que (ressaltar) Nota que (notar) Aposta que (apostar) Cita que (citar) Acredita que (acreditar) Argumenta que (argumentar) Afirma que (afirmar) Considera que (considerar) Sustenta que (sustentar) Identifica que (identificar) Assevera que (asseverar) Enumera que (enumerar) Considera que (considerar) Relata que (relatar) Defende que (defender) Menciona que (mencionar) Entende que (entender) ... ...
  • 22. Expressões de apoio Expressões para iniciar uma idéia: Inicialmente; Em primeiro lugar; Primeiramente; Por um lado. Expressões para dar continuidade ao pensamento: Em seguida; Em segundo lugar; Deve-se acrescentar; Por outro lado; Ainda; Além do mais. Expressões para finalizar: Além disso; Enfim; Finalmente; Logo; Portanto; Pois (depois do verbo), Desta forma, Neste sentido. Expressões para indicar oposição de idéias: Mas; Porém; Contudo; Apesar disso, Todavia, Contrariamente, Expressões que explicam: que; porque;pois (antes do verbo), por conseguinte, consequentemente,
  • 23. Elementos de coesão textual • assim, desse modo – valor exemplificativo ou complementar • e – continuação, acréscimo de informação • ainda – introduz mais mais uma informação ou argumento • aliás, além do mais, além de tudo, além disso – introduzem um argumento ou informação decisiva (valor de acréscimo) • isto é, quer dizer, ou seja, em outras palavras – introduzem esclarecimentos • mas, porém, contudo- marcam oposição • embora, ainda que, mesmo que – estabelecem ao mesmo tempo uma relação de contradição e de concessão. • pronomes demonstrativos: este, esse, aquele • pronomes relativos: que, o qual, onde, cujo • pronomes possessivos: seu, sua • advérbios e expressões adverbiais: então, dessa feita, acima, atrás. Referência: LAKATOS, Eva; MARCONI, Marina de. A Metodologia do Trabalho Científico. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2001.
  • 24. Redação científica Evitar: Locuções Ex.: Este artigo visa fazer uma análise Clichês Ex.: Via de regra, de mão beijada, etc. Queímos Ex.: que é, que foi, que era, ... Uso de termos genéricos Ex.: O fato é relevante para a humanidade.
  • 25. Exemplo de “verborragia” “Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 60% da população mundial não é fisicamente ativa o suficiente a fim de garantir os benefícios advindos dos exercícios físicos.”
  • 26. Exemplo de “verborragia” “Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 60% da população mundial não é fisicamente ativa o suficiente a fim de garantir os benefícios advindos dos exercícios físicos é sedentária.”
  • 27. Exemplo de “verborragia” Agora mais simples: “Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 60% da população mundial é sedentária.”
  • 28. Exemplo de edição “As mudanças pelas quais vem passando a área de gestão em Recursos Humanos têm suscitado o desenvolvimento de novas práticas, algumas ainda não validadas pela ciência, há alguns anos atrás, seria impensável o seu emprego como ferramentas em gestão empresarial.”
  • 29. Exemplo de edição “As mudanças pelas quais vem passando passa a área de gestão de Recursos Humanos têm suscitado suscita o desenvolvimento de novas práticas, algumas ainda não validadas pela ciência, há alguns anos atrás, seria impensável o seu emprego como ferramentas em gestão empresarial.”
  • 30. Bloqueios na escrita Pretensões excessivas e perfeccionismo Ansiedade de escrever Cognições Revisão prematura
  • 31. Superando bloqueios na escrita • Comece com o uso da escrita livre, sem se preocupar com o formato do texto nesse momento. Coloque as ideias no papel, da forma que surgem, pois os ajustes serão realizados depois. • Substituir o hábito de escrever apressadamente com prazo apertado pela prática de fazê-lo em ritmo moderado e regular. Isso faz com que o escritor tenha que escrever qualquer que seja seu estado de espírito, quer esteja inspirado ou não. • Deve-se evitar o perfeccionismo e exercer a prática da leitura para enriquecer o vocabulário. • Buscar conhecimento sobre o assunto, ter curiosidade, criatividade, integridade intelectual, sensibilidade social, humildade para ter atitude autocorretiva, paciência e confiança na experiência.
  • 32. Construindo um estilo de redação: 1 - Utilize linguagem direta, prefira frases mais curtas e que contenham uma única idéia. 2 - Não se deixe levar pela subjetividade. 3 - Observar a coerência da argumentação e entre capítulos. 4 - Atenção ao significado semântico dos termos utilizados e a univocidade da redação. 5 - Redija com simplicidade, sem resvalar para o supérfluo. 6 - Evite um texto hermético: sem excesso de vocabulário técnico. Defina os conceitos (pense no leitor!). 7 - Técnica da “gaveta”.
  • 33. Avaliação do trabalho • Espera-se que o autor seja capaz de organizar idéias, estabelecer relações, interpretar dados e fatos e elaborar hipóteses explicativas para conjuntos de dados relativos a quaisquer áreas de conhecimento da norma culta e com adequação ao modelo de estrutura do trabalho (ex.: manual de TCC). • Deve demonstra uma boa capacidade de leitura e de elaboração de dados e argumentos. • Também deve revelar bom domínio das regras gramaticais da língua culta, do sistema ortográfico, dos recursos de pontuação e estrutura das frases.
  • 34. Dicas para escrever melhor Dicas do escritor Gabriel Garcia Márquez: 1. Uma coisa é uma história longa e outra coisa é uma história alongada. 2. O final de um artigo deve ser escrito quando você estiver indo pela metade. 3. O autor lembra mais facilmente como um artigo termina do que como ele começa. 4. É mais fácil agarrar um coelho que um leitor. 5. É necessário começar com a intenção de que se escreverá a melhor coisa jamais escrita, porque logo essa vontade diminui. 6. Quando alguém se aborrece escrevendo, o leitor se aborrece lendo. 7. Não force o leitor a ler uma frase novamente. http://livroseafins.com/7-conselhos-de-gabriel-garcia-marquez-a-um-editor-de-blog/
  • 35. Eliminando bloqueios na escrita Exercitando a criatividade
  • 36.
  • 37.
  • 38. Técnica do Brainstorming Técnica criativa, simples e eficaz para coletar ideias inovadoras de um grupo de pessoas sobre como resolver um problema, desenvolver um projeto ou melhorar uma situação existente.
  • 40. Variação: “brainwriting” “E ele vinha descendo a rua quando...”
  • 41.
  • 42. Você está moribundo(a), já lutou muito para viver com dignidade, mas o momento de partir é inevitável. Você gostaria de deixar lembranças e uma mensagem a todos que fizeram parte de momentos especiais em sua vida. Escreva seu testamento e carta de despedida
  • 43. Exercício – Dia e Noite 1. Vamos criar soluções alternativas. Faça uma lista com 10 palavras comuns em uma coluna vertical. Por exemplo: noite, pesado, rápido, maçã. 2. Ao lado escreva a primeira palavra de sentido oposto que vem à mente: dia, leve, lento e banana, por exemplo. 3. Agora, como desafio, escreva pelo menos mais três palavras opostas para cada palavra inicial. Que tal: Noite – dia, sol, branco, acordado Pesado – leve, pena, nuvem, magro 4. Simplesmente utilize sua criatividade para gerar novas idéias para resolver o problema. Comparece os resultados com o grupo.
  • 44. Diálogos Escreva uma breve história, simulando um diálogo entre: 1) Presidente Lula encontrando com Spock, de Jornada nas Estrelas 2) Rubinho Barichello e Dick Vigarista, da Corrida Maluca 3) Karl Marx batendo um papo com Sérgio Mallandro
  • 45. Outras técnicas: • Escreva uma biografia sua de 500 palavras. • Escreva uma descrição de 300 palavras de um local. • Escreva uma entrevista com você mesmo, como se fosse uma figura famosa ou um personagem de ficção. Faça isso no estilo de uma revista apropriada (ou não) para este fim, como a Veja, Exame, Você S.A., etc. • Sente em um restaurante ou local movimentado e escreva fragmentos dos diálogos que você ouve. Escute as pessoas à sua volta – como falam e quais palavras usam. Pratique tentando terminando os diálogos (escreva a sua versão do que vem a seguir na conversa).
  • 46. O tema é... Globalização Escrever um breve texto com 15 linhas