Bibliologia

563 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Bibliologia

  1. 1. “É inegável, por outro lado, que grande parte das distorções éticas, morais ou doutrinarias começam exatamente pela diminuição ou desvirtuamento da autoridade bíblica”. BÍBLIOLOGIA A DOUTRINA DAS ESCRITURAS 1. INTRODUÇÃO A.2 A palavra Bíblia, Derivado da palavra biblion (bibli,on), “rolo” ou “livro”. Portanto, a Bíblia é uma coleção de livros, sendo 66 ao todo. Uma singularidade muito forte da Bíblia é que ela foi escrita em um período de mais de 1.500 anos, por cerca de 40 autores diferentes. É um só livro, com uma única mensagem e não se contradiz naquilo que afirma. Se o nosso conceito de Escritura for errado, todas as outras Doutrinas serão afetadas de modo negativo. Não transmite com clareza a revelação de Deus, logo, é limitada no conteúdo salvifico, pois não influi no problema básico do homem (pecaminosidade). Em virtude da natureza pecaminosa nós acabamos por distorcer os efeitos esperados por ela, ao invés do homem adorar a Deus, ele adora a criatura (Rm 1.25). 1.1 Atitudes em relação à Bíblia Racionalismo. Em sua forma extrema nega a possibilidade de qualquer revelação sobrenatural. Romanismo. A Bíblia é um produto da Igreja; por isso a Bíblia não é autoridade única ou final. A tradição também é autoridade. Misticismo. A experiência pessoal tem a mesma autoridade da Bíblia. (Muitas igrejas evangélicas têm caído nisto) Neo-ortodoxia. A Bíblia é uma testemunha falível da revelação de Deus na Palavra, Cristo. Seitas. A Bíblia e os Escritos do líder ou fundador de cada seita possuem igual autoridade. Ortodoxia. A Bíblia é a nossa única base de autoridade. 2 B 2.1 B.1 B.2 A. Jesus como revelação. Is 7.14, 9.6; *Hb 1.3; Mt 11.27; *Jo 1.14,18; 14.9, *Cl 1.15-17. B. A Bíblia como revelação. *1Co 15.3,4; 2Tm 3.16; 2 Pe 1.20,21. B.3 O que a revelação geral diz sobre Deus? Glória (Sl 19.1). Poder (Sl 93.1-4) Majestade (Sl 148.3-13) Autossuficiência (At 17.24-29). Natureza Divina (Rm 1.20) Posições sobre revelação especifica Catolicismo: As Escrituras são revelação quando interpretada de acordo com os ensinos da única igreja verdadeira. Liberalismo: A expressão da mentalidade religiosa do povo de Deus. Neo-Ortodoxia: É subjetiva e relativa (A Bíblia é a revelação de Deus na medida que ela promove em mim um encontro com Deus). Karl Barth. Evangélicos o Ortodoxia: Está fechada, é a Palavra de Deus e Cristo. o Neopentecostalíssimo: Está aberta. Natureza (Sl 19.1-6; Rm 1.19,20). Providência (At 14.15-17; 17.24-28). Consciência humana (Rm 2.14,15) Senso de justiça. Seu poder e criação (Sl 19.1) Poder e majestade (Sl 29.4). Sabedoria (Sl 104.24). Bondade (Mt 5.45) Poder Supremo (Rm 1.20) Justiça (Rm 2.14-15). Bases bíblicas “Havendo Deus falado...muitas vezes...de muitas maneiras...pelo filho”. Hb 1.1,2 Meios de revelação Grandeza (Sl 8) Características A. É limitada a aqueles que têm os registros bíblicos. B. É eficaz em promover a redenção. A Geral: É o processo pelo qual Deus desvenda alguns de seus atributos ao homem de forma não escrita. A.1 Revelação especifica “É o autodesvendamento do Ser, das obras e dos propósitos de Deus em forma escrita, por meio da história de redenção, da pessoa de Cristo e do registro das Escrituras Sagradas”. REVELAÇÃO “Revelação é o processo pelo qual Deus desvenda ao homem seu caráter e seu eterno designo, bem como o resultado desse processo, ou seja, a verdade divina manifesta ao homem”. Limitações da revelação geral 3 INSPIRAÇÃO “É o processo através da qual Deus assegurou um registro inerrante e infalível através da supervisão dos autores humanos no momento em que de plena posse de suas faculdades registravam a Sua revelação nas palavras dos escritos originais”.
  2. 2. 3.1 Ideias sobre inspiração Natural. Não há qualquer elemento sobrenatural envolvido. A Bíblia foi escrita por homens. Mecânica. Os autores foram apenas instrumentos passivos nas mãos de Deus, como maquinas de escrever com as quais Ele teria escrito. Deve admitir que algumas partes da Bíblia foram ditadas (Dez mandamentos). Extática. Os autores estavam em êxtase. Parcial. Somente o não conhecível foi inspirado (criação, conceito espiritual). Conceitual. Os conceitos, não as palavras, foram inspirados. Neo-ortodoxia. Autores humanos só poderiam produzir um registro falível. Verbal e plenária. Está é a verdadeira doutrina e significa que cada palavra (verbal) e todas as palavras (plenária) foram inspiradas no sentido da definição acima. 3.2        4 Prova da inspiração verbal e plenária 1 Tm 3.16, Afirma que Deus é o autor das Escrituras e que estas são o produto de Seu sopro criador. 2 Pe 1.20,21,– Homens “movidos” pelo Espírito Santo. Ordens especificas para escrever a Palavra do Senhor (Ex 17.14; Jr 30.2). O uso de citações (Mt 15.4; At 28.25). O uso que Jesus fez do A.T (Mt 5.17,18; Jo 10.35). O N.T afirma que outras partes do N.T são Escrituras (1 Tm 5.18; 2Pe 3.16). Os Escritores estavam conscientes de estarem escrevendo a Palavra de Deus (1Co 2.13; 1Pe 1.11,12). CANONICIDADE O cânon das Escrituras é a lista de todos os livros que pertencem a Bíblia A Igreja católica Romana no Concílio de Trento declarou oficialmente que os apócrifos fazem parte do cânon, Estes livros são: Tobias, Judite, Sabedoria, Baruc, 1 e 2 Macabeus, Eclesiástico. Eles declararam canônicos estes livros em resposta a Reforma Protestante. 4.1 O cânon do Antigo Testamento Alguns afirmam que todos os livros do cânon do A.T foram reunidos e reconhecidos sob a liderança de Esdras (quinto século a.C.). O N.T se refere ao A.T como Escritura (Mt 21.42; 22.29) O Sínodo de Jamnia (90 A.D). Uma reunião de rabinos judeus que reconheceu os livros do A.T. embora houvesse alguns que questionassem Éster, Eclesiastes e Cantares de Salomão. A divisão protestante pode ser diferenciar da divisão Judaica apenas com relação a disposição dos livros, porém o Antigo Testamento protestante é fidedigno ao Antigo Testamento judaico. 4.1 Os princípios da canonicidade dos livros do N.T. Apostolicidade. O livro foi escrito ou influenciado por um apostolo. Conteúdo. O seu caráter espiritual é suficiente? Universalidade. Foi amplamente aceito pela Igreja? Inspiração. O livro oferece prova interna de inspiração? 4.2 A formação do cânon do N.T a. O período dos apóstolos. Eles reivindicaram autoridade para seus escritos (1Ts 5.27; Cl 4.16). b. O período pós-apostólico. Todos os livros foram reconhecidos exceto Hebreus, 2 Pedro, 2 e 3 João. c. O Concilio de Cartago, 397, reconheceu como canônicos os 27 livros do N.T. 5 SUFICIENCIA Ela é suficiente para mudar a vida de um homem (Sl 19.7) Ela nos livra do Pecado (Sl 119.11) Ela ilumina o nosso andar (Sl 119.105) Ela nos Santifica (Jo 17.17) Ela aumenta a nossa fé (Rm 10.17) 5.1 Divisões gerais da Bíblia A. Antigo Testamento 1. Livros históricos – de Gênesis a Éster. 2. Livros poéticos – de Jó a Cantares de Salomão. 3. Livros proféticos – de Isaias a Malaquias. B. Novo Testamento 1. Evangelhos – de Mateus a João. 2. História da Igreja – Atos. 3. Epístolas – de Romanos a Judas. 4. Profecia – Apocalipse. APLICAÇÕES PESSOAIS 1. Escreva na folha abaixo todos os livros da Bíblia e procure durante a semana decorá-los. 2. Versículo para memorizar: Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. II Timóteo 3.16

×