Pentateuco. prof. david rubens

3.799 visualizações

Publicada em

Introdução ao Pentateuco
Prof. David Rubens

Publicada em: Educação
0 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.799
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
385
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pentateuco. prof. david rubens

  1. 1. IntroduçãoO Pentateuco é fruto de tradições e carrega em si as marcas das diversas épocas do povo de Israel. Plantado no mais remoto início do povo, o Pentateuco foi crescendo, até a forma que hoje possui, nos cinco livros de Moisés. O Pentateuco é como um tapete que se ia enrolando atrás do povo, à medida que este caminhava para a frente.
  2. 2. EscritoresA partir de Salomão (972-932), passou a existir na corte dos reis, tanto de Judá quanto da Samaria (reino cismático desde 930 a.C.) um grupo de escritores que zelavam pelas tradições de Israel, era os escribas e sacerdotes. Do seu trabalho surgiram quatro coleções de narrativas históricas que deram origem ao Pentateuco:
  3. 3. Fontes 1. Coleção ou código Javista (J), onde predomina o nome Javé. Tem estilo simbolista, dramático e vivo; mostra Deus muito perto do homem. Teve origem no reino de Judá com Salomão (972-932). 2. O código Eloista (E), predomina o nome Elohim (=Deus). Foi redigido entre 850 e 750 aC, no reino cismático da Samaria. Não usa tanto o antropomorfismo do código Javista. Quando houve a queda do reino da Samaria, em 722 para os Assírios, o código E foi levado para o reino de Judá, onde ouve a fusão com o código J, dando origem a um código JE.
  4. 4. Fontes 3. O código (D) Deuteronômio Teve origem nos santuários do reino cismático da Samaria (Siquém, Betel, Dã,...) repetindo a lei que se obedecia antes da separação das tribos. Após a queda da Samaria (722) este código deve ter sido levado para o reino de Judá, e tudo indica que tenha ficado guardado no Templo até o reinado de Josias (640-609 aC), como se vê em 2Rs 22. O código D sofreu modificações e a sua redação final é do século V aC, quando, então, na íntegra, foi anexado à Torá. 4. O código Sacerdotal (P) – provavelmente os sacerdotes judeus durante o exílio da Babilônia (587-537aC) tenham redigido as tradições de Israel para animar o povo no exílio. Este código contém dados cronológicos e tabelas genealógicas, ligando o povo do exílio aos Patriarcas, para mostrar-lhes que fora o próprio Deus quem escolheu Israel para ser uma nação sacerdotal (Ex 19,5s). O código P enfatiza o Templo, a Arca, o Tabernáculo, o ritual, a Aliança. Tudo indica que no século VaC, um sacerdote, talvez Esdras, tenha fundido os códigos JE e P, colocando como apêndice o código D, formando assim o Pentateuco ou a Torá, como a temos hoje.
  5. 5. Teologias do ATJavista = Teologia antropomórficaEloísta = Teologia do mediadorSacerdotal = Teologia da Palavra de DeusDeuteronômio = Teologia da Aliança e do nome de Deus Outras fontes Livro da Aliança = Êx 20.22,23 Código de Santidade = Lv 19.2
  6. 6. Fontes
  7. 7. Fontes Javista (J) Sacerdotal (P)Eloísta (E) Redator (R)
  8. 8. RepetiçõesNarrativas da Criação (Gn 1,1-2,4a; 2,4b-3,24)Descendências de Adão e Eva (4 e 5)Narrativas sobre Hagar e seu filho (Gn 16; 21,8-21)Mulheres no harém do rei (Gn 12,10-20; 20; 26)Alianças de Deus com Abraão (15 e 17)Narrativas da vocação de Moisés (Ex 3,1-4,17; 6,2-13)Decálogos (Ex 20,2-17; Dt 5,6-21)Festas (Ex 23; 34; Lv 23; Dt 16)
  9. 9. Histórias Fundidas Dilúvio (Gn 6-9; compare 6,20 com 7,2e 7,17 com 7,24) Evento junto ao mar: Ex 14,21ab.26-27  24-25  21c-23.28ss
  10. 10. Anacronismos Gn 12,6; 13,7 Gn 21,34; 26,14.15.18; Ex13,17 Gn 36,31
  11. 11. Diferenças e oposições Caos inicial nas narrativas da criação (Gn 1 e 2) Homem-Mulher (Gn 1 e 2) Um ou sete casais na arca (Gn 6,19-20 e 7,2) Ismaelitas ou madianitas? (Gn 37,28.36; 39,1) Maná: milagre ou fato natural? (Ex 16,14-35; Nm 11,6-9) Arca: no centro ou fora do acampamento (Ex 33,7; Nm 2,2) Nuvem, Arca ou Hobab? (Nm 9,17s; 10,29-32; 10,33) Altar ou cidades de refúgio? (Ex 21,12s; Nm 35,9-24; Dt 19,1-3) Festa das tendas: 7 ou 8 dias? (Lv 23,36; Dt 16,15)
  12. 12. Pentateuco
  13. 13. O CânonTorá = Séc. IV a.CLivros proféticos = Séc. II a.CEscritos = Séc. I d.C
  14. 14. Cânon do Antigo TestamentoSéc. IIMarcião e os gnósticos = recusa o ATJustino e Irineu = defendem a importância do AT para o conhecimento de Cristo.
  15. 15. Tema do ATLeiPromessasHistória
  16. 16. Maneira de InterpretarAlegóricaTipológicaHistórica
  17. 17. Origem do nome: Antigo TestamentoPaulo = 2 Co. 3.14Jeremias = Jr 31.31-34As antigas promessas de Deus, distintas das novas, mas não separadas.
  18. 18. FormasAs formas do Pentateuco estavam mais na natureza de confissão de fé do que de história no sentido estrito.
  19. 19. História de IsraelTrês grandes períodos:Pré-monárquicoMonárquicoComunidade religiosa judaica
  20. 20. História patriarcalAo começar a história de Abraão, o escritor inspirado deixa para trás a história primitiva da raça em geral para relatar a de uma família. Reúne as lembranças que se conservam dos grandes antepassados de Israel: Abraão, Isaque, Jacó e José. Todos eles se destacam como homens que ouvem a voz de Deus e a ela obedecem. Todos os seus momentos estão assinalados pela intervenção divina. O grande propósito de Deus ao escolher essas pessoas é formar um povo que realize a sua vontade na terra e seja um meio de cumprir o plano da salvação.
  21. 21. História patriarcalTrês tradições originalmente independentes, reunidas no século VII a.C.:Abraão;Isaque;Jacó.
  22. 22. Bibliografia David Rubens
  23. 23. Direitos autorais: Prof. David Rubensprofdavidfilosofia@hotmail.com Pindamonhangaba-SP SETEVALEH

×