História de aracaju

18.240 visualizações

Publicada em

H

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História de aracaju

  1. 1. História de Aracaju Como cidade projetada, Aracaju nasceu em 1855 por necessidades econômicas. Uma assembléia elevou o povoado de Santo Antônio do Aracaju à categoria de cidade e a transformou em capital, em lugar de São Cristóvão, antiga sede da Província de Sergipe Del Rey. A transferência se deu por iniciativa do presidente da Província, Inácio Barbosa, e do barão do Maruim Provincial. A pequena São Cristóvão não mais oferecia condições para ser sede administrativa e a pressão econômica do Vale do Cotinguiba - maior região produtora de açúcar - exigia a mudança. Era preciso urgentemente a criação de um porto que garantisse a escoação da produção. Somente em 1865, a capital se firmou. Era o término de uma década de lutas contra uma série de adversidades políticas, sociais e estruturais. A partir dessa data, ocorre um novo ciclo de desenvolvimento, que dura até os primeiros e agitados anos após a proclamação da República. Em 1884, surge a primeira fábrica de tecidos, marcando o início do desenvolvimento industrial. Em junho de 1886, Aracaju tinha uma população de 1.484 habitantes e já havia a imprensa oficial, além de algumas linhas de barco para o interior. Em 1900, inicia-se a pavimentação com pedras regulares e são executadas obras de embelezamento e saneamento. As principais capitais do país sofriam reformas para a melhoria da qualidade de vida dos habitantes. Aracaju - que já nasceu na vanguarda - acompanhava o movimento nacional e, em 1908, é inaugurado o
  2. 2. serviço de água encanada, um luxo para a época. Em 1914 é a vez dos esgotos sanitários e no mesmo ano chega a estrada de ferro. Um tabuleiro de xadrez Aracaju foi uma das primeiras capitais brasileiras a ser projetada. O projeto desafiou a capacidade da engenharia da época, face à sua localização numa área onde predominavam pântanos e charcos. O desenho urbano da cidade foi elaborado por uma comissão de engenheiros, tendo como responsável Sebastião Basílio Pirro. Alguns estudos a respeito de Aracaju propagaram a idéia de que o plano da cidade havia sido concebido a partir de modelos de vanguarda em grandes centros urbanos da época - Washington (EUA), Camberra (Austrália), Chicago (EUA), Buenos Aires (Argentina), etc. Centro do poder político-administrativo, a Praça do Palácio (atual Praça Fausto Cardoso), foi o ponto de partida para o crescimento da cidade, pois todas as ruas foram ordenadas geometricamente, como um tabuleiro de xadrez, para terminar no Rio Sergipe. Até então, as cidades existentes antes do século XVII adaptavam- se às respectivas condições topográficas naturais, estabelecendo uma irregularidade no panorama urbano. O engenheiro Pirro contrapôs essa irregularidade e Aracaju foi, no Brasil, um dos primeiros exemplos de tal tendência geométrica. Capitania de Sergipe
  3. 3. Logo após o descobrimento do Brasil, em 1500, algumas áreas da nova colônia de Portugal encontravam-se em estado de guerra devido às divergências culturais entre índios, negros escravos e os invasores de outros países da Europa. A necessidade de conquistar a faixa territorial que hoje compreende o Estado de Sergipe e acabar com as brigas entre índios, franceses e negros, que não aceitavam o domínio português, era de extrema urgência para o trono. O local onde hoje se encontra o município de Aracaju era a residência oficial do temível e cruel cacique Serigy, que, segundo Clodomir Silva no "Álbum de Sergipe", de 1922, dominava desde as margens do rio Sergipe até as margens do rio Vaza-Barris. Em 1590, Cristóvão de Barros atacou as tribos do cacique Serigy e de seu irmão Siriri, matando e derrotando os índios. Assim, no dia 1 de janeiro de 1590, Cristóvão Barros fundou a cidade de São Cristóvão (mais tarde capital da província) junto à foz do Rio Sergipe e definiu a Capitania de Sergipe. Geografia Aracaju é bastante quente durante a maior parte do ano. A temperatura média é de 26º C. As chuvas se concentram entre os meses de março e agosto e a precipitação média anual é de 1.590 mm. A cidade é banhada pelos rios Sergipe, Vaza Barris, Rio do Sal, Poxim e Pitanga e se limita com os municípios de São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro e Santo Amaro das Brotas. A capital sergipana tem 35 km de litoral. À beira mar, sobretudo nos bairros Atalaia e Coroa do Meio e nas praias do litoral sul, estão os
  4. 4. hotéis e casas de veraneio. Os prédios baixos no litoral facilitam a circulação de ar por toda a cidade. A vegetação predominante é o manguezal, que se concentra às margens dos rios. Além de mangues, também são consideradas áreas de preservação ambiental algumas restingas e o Morro do Urubu, um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica. O relevo plano é propício à prática do ciclismo, sendo o uso da bicicleta um meio de transporte bastante incentivado pela Prefeitura, que nos últimos anos construiu mais de 50 km de ciclovias. A política de ampliação da rede cicloviária tem ajudado a diminuir os congestionamentos e a poluição ambiental provocada pela liberação de gás carbônico pelos veículos. População A população da cidade cresceu muito desde que fundada, em 1855. O primeiro levantamento de que se tem notícia data de 1872, quando foram contabilizados 9.559 moradores. De lá para cá, os números evoluíram da seguinte forma: 16.336 (1890), 21.132 (1900), 37.440 (1920), 59.031 (1940), 78.364 (1950), 115.713 (1960), 183.670 (1970), 293.100 (1980), 402.341 (1991), 425.726 (1996) e 461.534 (2000). Mais recentemente, em 2007, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) contabilizou 520.303 habitantes, distribuídos em 174 km². Economia Os serviços, a indústria e o comércio são a base da economia aracajuana. O Produto Interno Bruto (PIB) do município chegou a
  5. 5. R$ 5.021 bilhões em 2005, conforme levantamento do IBGE. No ano passado, o instituto fez nova apuração e constatou que Aracaju tem PIB per capita de R$ 10.071, ficando na 13ª colocação entre todas as capitais do país e em segundo lugar na região Nordeste. Outro aspecto marcante da economia é a excelente capacidade de endividamento do município e o equilíbrio das contas públicas. Com base nos relatórios de gestão elaborados até o mês de agosto de 2008, Aracaju está entre as capitais brasileiras que cumprem integralmente as metas fixadas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A eficiente relação emprego/renda também está refletida nos dados econômicos de Aracaju. No último relatório divulgado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan),em 2009, a cidade aparece com o maior Índice de Desenvolvimento Municipal (IFDM) entre as capitais do Nordeste e na sexta posição em nível nacional. Na categoria específica ‘Emprego e Renda', a capital de Sergipe obteve um índice de 0,9011, numa escala que vai de 0 a 1, e se manteve à frente de grandes centros como Brasília (0,8805), Rio de Janeiro (0,8673) e Porto Alegre (0,8839). A geração e o estoque de emprego formal, atrelados à média salarial do aracajuano, formam os fatores analisados na pesquisa.
  6. 6. Qualidade de vida Entre todas as capitais brasileiras, Aracaju é considerada a que mais apresenta as condições necessárias para que a população possa desfrutar de uma vida saudável e feliz, segundo resultados de uma pesquisa elaborada pelo Ministério da Saúde. Para quem mora na capital sergipana ou faz questão de incluí-la em seu roteiro de viagens, a qualidade de vida é visível. Nas ruas, praças, parques e em todos os lugares é possível perceber que os investimentos em obras de infraestrutura e em aspectos sociais como a saúde e a educação têm gerado resultados positivos para a cidade, que é considerada a capital brasileira da qualidade de vida. Saúde O título de qualidade de vida não vem à toa quando uma administração municipal resolve colocar como prioridade os investimentos na saúde pública. Com pouco mais de 500 mil habitantes, a cidade contabiliza 43 Unidades Básicas de Saúde (UBS), com equipes médicas preparadas para atender às comunidades de cada bairro, o que representa para o Sistema Único de Saúde uma cobertura de 94%. Além disso, a Prefeitura de Aracaju disponibiliza para a população seis Centros de Especialidades Médicas, cinco Centros de Atenção Psicossocial (Caps), dois Hospitais Municipais de Urgência e duas unidades de outros serviços próprios (Centro de Controle de Zoonoses e Samu). Toda essa estrutura é preparada para oferecer um serviço público de qualidade a todos que ajudam a fazer de Aracaju a melhor cidade para se viver.
  7. 7. Nem mesmo a dengue, endemia que atormenta os municípios do litoral, foi capaz de comprometer a qualidade de vida de Aracaju. Graças à eficiência do Programa de Combate à Dengue da PMA, que inclui trabalhos semanais de força-tarefa, capacitação e efetivação dos agentes municipais de endemias e constantes trabalhos de conscientização, foi possível obter uma redução de 97% dos casos de dengue na capital, em comparação ao que foi registrado em 2009. Saúde da mulher Todas as 43 Unidades de Saúde têm profissionais preparados para atender às mulheres de Aracaju, com todas as suas especificidades. Graças ao projeto ‘Mamãe Coruja', que funciona no Centro de Especialidades Médicas (Cemar) Siqueira Campos, é possível que moradoras de cada bairro realizem o serviço de pré- natal qualificado e acompanhem de forma mais saudável a gestação. Também merecem destaque as ações de combate à violência contra a mulher, com a realização de eventos informativos, campanhas e assistência básica e sigilosa às vítimas. A Secretaria da Saúde realiza uma média mensal de 1.500 exames para prevenção ao câncer de colo de útero, com uma meta de aumentar esse número para 3.500. Além disso, Aracaju foi apontada pelo Ministério da Saúde como a quarta capital brasileira e a primeira do Nordeste em número de mamografias realizadas em mulheres com idade entre 50 e 69 anos. A cobertura atingida foi de 80,4% entre o público dessa faixa etária, sendo superada apenas por Florianópolis (80,6%), Vitória do Espírito Santo (81,9%) e Belo Horizonte (84,1%).
  8. 8. Academia da Cidade Uma boa saúde não se consegue apenas com tratamento médico, mas também com a adoção de hábitos saudáveis. Exibido em rede nacional - no programa Globo Repórter, da Rede Globo - como um modelo a ser seguido, o Programa Academia da Cidade atende a mais de dois mil cidadãos de diversas faixas etárias. Viabilizado por meio de uma parceria com o Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Sergipe (UFS), a iniciativa é desenvolvida em 15 praças, quadras e calçadões distribuídos por todo o município. Programa de Ciclovias As aulas de educação física acontecem em uma hora e são compostas por alongamento, caminhada, atividades aeróbicas e localizadas e mais um alongamento ao final. Além disso, também chama a atenção o incentivo que a Prefeitura tem destinado ao uso da bicicleta como meio de transporte. A construção de 56,4 km de ciclovias nas principais avenidas da cidade e a instalação de bicicletários seguros no Centro tem feito de Aracaju a capital nacional do ciclismo. E esse ano a extensão da rede cicloviária deve aumentar com a construção de mais 5,5 km de ciclovias, ligando a Atalaia à Beira Mar. Já são mais de R$ 11 milhões investidos na ampliação e estruturação de vias exclusivas para ciclistas. Todo o esforço em estimular a população a adotar hábitos saudáveis também tem gerado resultados positivos para o trânsito. Com a realização de campanhas educativas, o município conseguiu reduzir o número de
  9. 9. acidentes envolvendo bicicletas em 50% em relação ao ano passado. Plantio de árvores Ao longo do ano de 2009, o projeto 'Plantando Cidadania' conseguiu plantar 5.200 mudas de árvores em toda a cidade. Em comemoração ao aniversário de 155 anos de Aracaju, a meta para 2010 é ainda mais ousada: plantar 30 mil mudas de espécies frutíferas, frondosas e que proporcionem sombra. Para que o programa dê certo e se consolide como uma iniciativa capaz de diminuir a aridez e melhorar o clima da capital, a Prefeitura espera contar com o apoio da população e da sociedade civil organizada. Urbanização de praças O Programa de Urbanização de Praças do município de Aracaju tem conquistado avanços importantes. Nos últimos dois anos, a Prefeitura investiu mais de R$ 10 milhões em recursos próprios na construção e reforma de 48 praças em diversos bairros. A mais notável delas é um dos principais cartões postais da cidade, reduto dos principais acontecimentos políticos e sociais de Sergipe: a Fausto Cardoso, que foi integralmente revitalizada em 2009.
  10. 10. Álbum • • • Ponte Juscelino Kubitschek • Ponte Godofredo Diniz • • • Estádio Lourival Baptista • Praia de Atalaia • •

×