PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE <br />SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO <br />SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E POLÍTICAS E...
Aprender para reconstruir o mundo<br />O conhecimento é construído a partir da internalização dos conceitos aprendidos cul...
A narração, de que o educador é o sujeito, conduz os educandos à memorização mecânica do conteúdo narrado.<br />(FREIRE, 2...
Educação e Autoria<br />Desenvolvimento de autonomia na sala de aula está ligado à possibilidade de os alunos tomarem deci...
AUTONOMIA<br />CRIAR<br />TRANSFORMAR<br />INTERAGIR<br />“Se o papel do professor é dar aulas , enquanto ele dá sua aula,...
RECONSTRU<br />SIGNIF<br />CAÇÃO<br />APREND<br />ZAGEM<br />     ENSI   O<br />PARTICIPAÇÃO ATIVA<br />VISÃO AUTÔNOMA DO ...
AVALIAÇÃO<br />PROCESSO<br />CONSTANTE<br />    A avaliação é parte integrante do processo ensino/aprendizagem e ganhou na...
     Segundo Canen (2001), Gandin (1995) e Luckesi (1996), a avaliação é um julgamento sobre uma realidade concreta ou sob...
Referências:<br />FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo; Paz e Terra, 2005.<br />NEMI, Ana; MARTINS, João C.; ES...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Maurilio dantielly

491 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
491
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Maurilio dantielly

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE <br />SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO <br />SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS <br />DIVISÃO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL <br />Aprendizagem, autoria e avaliação<br />MaurilioDantiellyCalonga<br />
  2. 2. Aprender para reconstruir o mundo<br />O conhecimento é construído a partir da internalização dos conceitos aprendidos culturalmente por intermédio da interação com o outro. Por isso, a escola deve criar situações de aprendizagem em que as crianças troquem experiências e, em seguida, com a coordenação do professor, sistematizem as trocas realizadas. (NEMI et al., 2009, p. 41)<br />
  3. 3.
  4. 4. A narração, de que o educador é o sujeito, conduz os educandos à memorização mecânica do conteúdo narrado.<br />(FREIRE, 2005, p. 66)<br />TRADICIONALISMO<br />CONSTRUTIVISMO<br />A sala de aula converte-se em um espaço para o debate, para a apropriação e para a sistematização dos conteúdos e experiências vividos no dia a dia. (NEMI et al., 2009, p. 37)<br />
  5. 5. Educação e Autoria<br />Desenvolvimento de autonomia na sala de aula está ligado à possibilidade de os alunos tomarem decisões racionais sobre o planejamento de seu trabalho. (SANTOS, 2008, p. 3)<br />PARE DE DAR AULAS!<br />
  6. 6. AUTONOMIA<br />CRIAR<br />TRANSFORMAR<br />INTERAGIR<br />“Se o papel do professor é dar aulas , enquanto ele dá sua aula, o aluno faz o que?” A expressão “dar aula” é fruto da era do mundo pronto. (SANTOS, 2008, p. 1)<br />
  7. 7. RECONSTRU<br />SIGNIF<br />CAÇÃO<br />APREND<br />ZAGEM<br /> ENSI O<br />PARTICIPAÇÃO ATIVA<br />VISÃO AUTÔNOMA DO CONHECIMENTO<br />
  8. 8. AVALIAÇÃO<br />PROCESSO<br />CONSTANTE<br /> A avaliação é parte integrante do processo ensino/aprendizagem e ganhou na atualidade espaço muito amplo nos processos de ensino. Requer preparo técnico e grande capacidade de observação dos profissionais envolvidos.<br /> Segundo Perrenoud (1999), a avaliação da aprendizagem, no novo paradigma, é um processo mediador na construção do currículo e se encontra intimamente relacionada à gestão da aprendizagem dos alunos.<br />http://www.gestiopolis.com/Canales4/rrhh/aprendizagem.htm<br />
  9. 9. Segundo Canen (2001), Gandin (1995) e Luckesi (1996), a avaliação é um julgamento sobre uma realidade concreta ou sobre uma prática, à luz de critérios claros, estabelecidos prévia ou concomitantemente, para tomada de decisão. Desse modo, três elementos se fazem presentes no ato de avaliar: a realidade ou prática julgada, os padrões de referência, que dão origem aos critérios de julgamento, e o juízo de valor. <br /> Através desses elementos, constata-se que a avaliação não é um processo apenas técnico. O educador deve refletir acerca de algumas questões: Quem julga? Por que e para que se julga? Quais os aspectos da realidade que devem ser julgados? Deve-se partir de que critérios? Esses critérios se baseiam em quê? A partir dos resultados do julgamento, quais são os tipos de decisões tomadas?<br />http://sitededicas.uol.com.br/art_avaliacao.htm<br />
  10. 10. Referências:<br />FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo; Paz e Terra, 2005.<br />NEMI, Ana; MARTINS, João C.; ESCANHUELA, Diego L. Ensino de História e experiências. São Paulo: FTD, 2009.<br />SANTOS, Júlio César Furtado dos. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre; Mediação, 2008.<br /> <br />

×