PescoçoO que um médico generalista precisa saberNomes: Poliana Maziero MongeRayssa de Oliveira LuzYasmim Anjos Fittipaldi
Ossos do pescoço• É formado pelas vértebras cervicais, hióide, manúbio doesterno e clavículas;• Esqueleto axial e esquelet...
• A característica maisevidente dessasvértebras é o foramedo processotransverso;• Típicas (3ª, 4ª, 5ª e6ª) e atípicas (1ª,...
Vértebras cervicais típicas• Processoespinhoso curtoe bífido;• Forame vertebralgrande etriangular;• Corpo vertebralmaiorla...
Vértebras cervicais atípicas• A vértebra C1 é chamada de atlas;• Não possui corpo e processo espinhoso;• Sustenta o crânio...
Vértebras cervicais atípicas• A vértebra C7 é chamada devértebra proeminente;• Processo espinhoso longo enão bífido;• Fora...
• O hióide móvel na parte anterior do pescoço no nível vertebralC3, no ângulo entre a mandíbula e a cartilagem carióidea;•...
• O manúbio do esterno, angulado posteriormente no corpo doesterno ao nível da articulação manubrio-esternal, forma oângul...
• A clavícula formaa porção ventralda cinturaescapular;• situado quasequehorizontalmentelogo acima daprimeira costela;• Ar...
Fáscias do pescoço• As estruturas situadas nopescoço são divididas emcompartimentos porlâminas das fásciascervicais;• Teci...
Tecido subcutâneo• Lâmina fina de tecido conectivo, situado entre a derme da pele e alâmina superficial da fáscia cervical...
Fáscia cervicalFáscia superficial• Envolve todo o pescoço profundamente à pele e ao tecidosubcutâneo;• Superiormente, fixa...
Fáscia cervicalLâmina pré-traqueal• É limitada à parte anterior do pescoço;• Inclui uma fina lâmina muscular, que envolve ...
Fáscia cervicalLâmina pré- vertebral• Forma uma bainha tubular para a coluna vertebral e paraos músculos associados a ela,...
• É um revestimento tubular que seestende da base do crânio até a raizdo pescoço;• Funde-se anteriormente com aslâminas pr...
• É o maior e mais importante espaço interfascial situadono pescoço;• Está fixada ao longo da linha mediana da fásciabucof...
Drenagem linfática das glândulas tireóide eparatireóide
Drenagem linfática da laringe
Drenagem linfática da faringe• Tonsilas palatinas, linguinais e faríngeas: anel linfático dafaringe;
• O ducto torácicodrena a linfaproveniente de todo ocorpo, exceto do ladodireito da cabeça epescoço, membrosuperior direit...
Pescoço Estruturas Superficiais (Regiões Cervicais)• Região Cervical Anterior• Região Esternocleidomastóidea• Região Cerv...
REGIÃO CERVICAL ANTERIORLimitesAnterior: linha mediana do pescoçoPosterior: margem anterior do ECMSuperior: margem infe...
Subdivide-se em quatro trígonosSubmentual (5)Submandibular (4)Carótico (6)Muscular (7)
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém linfonodos submentuais e pequenas veias que se unem para formar aveia ju...
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém linfonodos submentuais e pequenas veias que se unem para formar aveia ju...
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularOcupado em sua maior parte pela glândula submandibular, possuilinfonodos subman...
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularImportante trígono pois a artéria carótida comum ascende até o seu interior.
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém o seio carótido (dilatação na parte proximal da a. carótida interna).Ess...
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém o glomo carótido (massa tecidual, ovoide, marrom-avermelhada). Oglomo su...
SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém os mm. esternotireóideo e o esterno-hióideo e as glândulas tireoide epar...
Músculos da RCADivididos em:Supra-hióideosInfra-hióideos
Músculos da RCA
Músculos da RCA
Músculos da RCA
Músculos da RCA
Músculos da RCA
Músculos da RCA
Artérias na RCA
Artérias na RCAA a. carótida interna não emite ramos no pescoçoA a. carótida externa emite 6 ramos no pescoço
Veias da RCA
Nervos da RCAN. cervicaltransverso: peleN. hipoglosso:língua
Nervos da RCAN. glossofaríngeo:língua e faringeN. vago: faringe e elaringe
Região Cervical - Esternocleidomastóidea• O m. ECM possui: 2 cabeças (origem):• Cabeça esternal:Manúbrio• Cabeça clavicul...
Região Cervical -Esternocleidomastóidea Unilateralmente: fletelateralmente o pescoçopara o lado Bilateralmente: cabeça e...
Região Cervical Lateral Limitações:• Anteriormente:margem posterior do m.ECM• Posteriormente:pela margem anterior dotrapé...
Região Cervical Lateral
Região Cervical Lateral Músculos:• Esplênio da cabeça• Levantador daescápula• Escaleno médio• Escaleno posteriorEsplênio ...
Região Cervical LateralArtérias
Região Cervical LateralArtérias
Região Cervical LateralVeiasVeia Jugular ExternaVeia SubcláviaV. Cervical TransversaV. Jugular AnteriorV. SupraescapularV...
Nervos da RCL
Região Cervical Posterior• Corresponde à área doMúsculo Trapézio• M. postero-lateral,plano Regiãocervical/Inserções:• Ter...
Região Cervical Posterior Inervação:• Simpática: C2-C3M. TRAPÉZIO• Parassimpática: XI NC(Acessório)
ESTRUTURAS PROFUNDASMúsculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
Músculos pré-vertebrais
ESTRUTURAS PROFUNDASRaiz do pescoço•Área de junção do tórax com opescoço•Por ela passam todas asestruturas que seguem do ...
Raiz do pescoço•Limites:•Inferiormente: aberturasuperior do tórax•Lateralmente: 1º par decostelas e suas cartilagens•Ante...
Artérias da raiz do pescoço
Veias da raiz do pescoço
Nervos da raiz do pescoço
Vísceras dopescoço
• Camada endócrina:- glândulas tireoide;- glândulas paratireoide;• Camada respiratória:- laringe;- traqueia;• Camada alime...
Glândula tireoide• Maior glândulaendócrina;• Hormôniotireoidiano ecalcitonina;• Profunda aosmúsculosesternotireóideoe este...
Irrigação• Artérias tireóideas inferiores e superiores.
• Plexo venoso tireóideo:- Veias tireóideas superiores -> VJI;- Veias tireóideas médias -> VJI;- Veias tireóideas inferior...
Drenagem linfáticaVasoslinfáticosLinfonodospré-traqueaisLinfonodoscervicaisprofundosinferioresLinfonodospré-laríngeosLinfo...
Inervação• Nervos derivados dos gânglios (simpáticos)cervicais superiores, médios e inferiores ->fibras vasomotoras -> con...
Glândulas paratireoides• Ovais e achatadas;• LocalizaçãoParatireoides Entrada da A. tireoidea inferiorSuperiores Pouco mai...
Irrigação• Artérias tireoideas inferiores;• Veias paratireóideas -> plexo venoso tireóideo;• Drenagem linfática -> linfono...
Inervação• Derivada de ramos tireóideos dos gânglios(simpáticos) cervicais;• Função vasomotora e não secretomotora.
Laringe• Passagem de ar para a traqueia, protegendo asvias respiratórias da entrada de alimentos,devido presença da epiglo...
• Esqueleto formado por 9 cartilagens:* 3 cartilagens ímpares:1. tireóidea.
2. Cricóidea;3. Epiglótica.
• 3 cartilagens pares:1. Aritenóidea; 2. Corniculada.
3. Cuneiforme.
• Cavidade da laringe: estende-se do ádito dalaringe até o nível da margem inferior dacartilagem cricóidea.
Músculos extrínsecos• Movem a laringe como um todo;• Infra-hióideos (abaixa o hióide e a laringe).Supra-hióideos e estilof...
Músculos intrínsecos• Movem os componentes da laringe, alterandoo comprimento e a tensão das pregas vocais eo tamanho e fo...
Irrigação• Artéria laríngea superior e inferior e artériacricotireóidea -> ramos das artérias tireóideassuperior e inferior.
• Veia laríngea superior -> veia tireóidea superior ->VJI;• Veia laríngea inferior -> veia tireóidea inferior ouplexo veno...
Drenagem linfática• Vasos linfáticos acima das pregas vocais -> linfonodoscervicais profundos superiores;• Vasos linfático...
InervaçãoInerva os músculosintrínsecos, excetoo cricotireóideo (n.laríngeo externo)
Traqueia• Passagem de ar que entra ou sai dos pulmões;leva muco com resíduos à faringe;• Tubo fibrocartilagíneo sustentado...
• 2,5 cm de diâmetro em adultos e diâmetro deum lápis em lactentes;• Inicia em C6 e termina no disco IV T4-T5 ->brônquios ...
Faringe• Estende-se da base do crânio até a margeminferior da cartilagem cricóidea anteriormentee a margem inferior da C6 ...
Nasofaringe• Posterior à cavidade nasal;• Ligação com cavidade nasal -> cóanos;• Tonsila faríngea;• Tonsila tubária;• Ósti...
Orofaringe• Limites:- Superior: palato mole;- Inferior: base da língua e margem superior da epiglote;- Laterais: arco pala...
Laringofaringe• Estende-se da margem superior da epiglote àmargem inferior da cricóidea;• Mm. constritores médio e inferio...
Músculos• Voluntários;• Camada longitudinal interna: músculos palatofaríngeo,estilofaríngeo e salpingofaríngeo (elevam a f...
Vasos Tonsila palatina:• Ramos das artérias palatina ascendente, lingual,palatina descendente e faríngea ascendente. Arté...
Inervação• Plexo nervoso faríngeo;• Fibras motoras -> N. vago (x): músculos dafaringe e palato mole, exceto estilofaríngeo...
Esôfago• Tubo fibromuscular;• Conecta a laringofaringe (junçãolaringoesofágica) ao estômago;• Dividido em 3 terços comdife...
• Porção Cervical : coluna vertebral – corpos da6ª vértebra cervical à 2ª vértebra torácica.
• Esfíncter superior esôfagico: na junção faringoesofágica,produzido pela parte cricofaríngea do m. constritorinferior da ...
• Vazio -> luz semelhante a fenda;• Bolo alimentar -> peristalse reflexa;• Fixado à traqueia por tec. conj. frouxo;• Em co...
Irrigação• Ramos ascendentes edescendentes dasartérias tireóideasinferiores, que seanastomosam entre sina linha mediana;• ...
Drenagem linfática• Os vasos linfáticos da parte cervical do esôfagodrenam para os linfonodos paratraqueais elinfonodos ce...
Inervação• Fibras somáticas -> ramos dos nervos laríngeosrecorrentes;• Fibras vasomotoras -> originadas do troncossimpátic...
Correlações clínicasPunção da veia subclávia• Para administrar líquidos(nutritivos) e medicaçõesparenterais e para medir a...
Correlações clínicasProeminência da veia jugular externa• Quando a pressão venosaaumenta, a veia se tornaproeminente em to...
Correlações clínicasPulso da artéria carótida• É facilmente sentida palpando-se a artéria carótida comum nolado do pescoço...
• Uma agulha e um cateter podemser inseridos na veia jugularinterna para diagnóstico oupropósitos terapêuticos;• A veia ju...
Correlações clínicasLaringoscopia• Se refere a qualquerprocedimento usado paraexaminar o interior dalaringe;• Pode ser exa...
• Uma incisão transversa através da pele do pescoço e da parede anteriorda traquéia;• Os músculos infra-hióideos são retra...
Correlações clínicasZonas de trauma profundo do pescoço• Zona 1: A raiz do pescoçoestende-se das clavículas e domanúbio do...
• Zona 2: A cartilagemcriocóidea até o nível dosângulos da mandíbula.Estruturas em perigo:Pólos superiores daglândula tire...
• Zona 3: Os ângulosdas mandíbulassuperiormente.Estrutura em perigo:glândulas salivares,cavidade da boca edo nariz, partes...
• Lesões nas zonas 1 e 3 são obstruem as via aerífera e temmaior risco para morbidade e mortalidade, porque asestruturas l...
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço

7.608 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.608
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do pescoço

  1. 1. PescoçoO que um médico generalista precisa saberNomes: Poliana Maziero MongeRayssa de Oliveira LuzYasmim Anjos Fittipaldi
  2. 2. Ossos do pescoço• É formado pelas vértebras cervicais, hióide, manúbio doesterno e clavículas;• Esqueleto axial e esqueleto apendicular.
  3. 3. • A característica maisevidente dessasvértebras é o foramedo processotransverso;• Típicas (3ª, 4ª, 5ª e6ª) e atípicas (1ª, 2ª e7ª).Vértebras cervicais
  4. 4. Vértebras cervicais típicas• Processoespinhoso curtoe bífido;• Forame vertebralgrande etriangular;• Corpo vertebralmaiorlateralmente doque ântero-posteriormente.
  5. 5. Vértebras cervicais atípicas• A vértebra C1 é chamada de atlas;• Não possui corpo e processo espinhoso;• Sustenta o crânio.• A vértebra C2 é chamada de áxis;• Possui um dente semelhante a uma cavilha, que se projeta para cimaa partir de seu corpo.
  6. 6. Vértebras cervicais atípicas• A vértebra C7 é chamada devértebra proeminente;• Processo espinhoso longo enão bífido;• Forame transversário pequenoque não dá passagem àsartérias vertebrais.
  7. 7. • O hióide móvel na parte anterior do pescoço no nível vertebralC3, no ângulo entre a mandíbula e a cartilagem carióidea;• Serve como uma fixação para os músculos anteriores do pescoçoe um amparo para manter a via aerífera aberta.Hióide
  8. 8. • O manúbio do esterno, angulado posteriormente no corpo doesterno ao nível da articulação manubrio-esternal, forma oângulo do esterno, que é um importante ponto de referênciade superfície na realização de exames físicos no tórax.Manúbio do esterno
  9. 9. • A clavícula formaa porção ventralda cinturaescapular;• situado quasequehorizontalmentelogo acima daprimeira costela;• Articula-semedialmentecom o manúbiodo esterno.Clavículas
  10. 10. Fáscias do pescoço• As estruturas situadas nopescoço são divididas emcompartimentos porlâminas das fásciascervicais;• Tecido subcutâneo;• Fáscia cervical: Lâmina superficial; Lâmina pré-traqueal; Lâmina pré-vertebral;
  11. 11. Tecido subcutâneo• Lâmina fina de tecido conectivo, situado entre a derme da pele e alâmina superficial da fáscia cervical;• Contêm nervos cutâneos, vasos sanguíneos e linfáticos, linfonodossuperficiais e quantidades variáveis de gordura.
  12. 12. Fáscia cervicalFáscia superficial• Envolve todo o pescoço profundamente à pele e ao tecidosubcutâneo;• Superiormente, fixa-se:• À linha nucal superior do occiptal; As processos mastóides dos temporais; Aos arcos zigomáticos; À margem inferior da mandíbula; Ao hióide; Aos processos espinhosos das vértebrascervicais.• Inferiormente, fixa-se: Ao manúbio do esterno; Às clavículas; Aos acrômios e as espinhas das escápulas.
  13. 13. Fáscia cervicalLâmina pré-traqueal• É limitada à parte anterior do pescoço;• Inclui uma fina lâmina muscular, que envolve osmúsculos infra-hióideos e uma lâmina visceral,que envolve a glândula tireóidea, a traquéia e oesôfago e é contínua, posterior e superiormente,com a fáscia buco-faríngea da laringe.
  14. 14. Fáscia cervicalLâmina pré- vertebral• Forma uma bainha tubular para a coluna vertebral e paraos músculos associados a ela, como os músculos longos dopescoço e da cabeça, anteriormente, e os músculosescalenos, lateralmente, e os músculos cervicaisprofundos, posteriormente;• Estende-se da base do crânio até a vértebra T3.• Estende-se lateralmente como bainha axilar, que envolveos vasos axilares e o plexo braquial;• Os troncos simpáticos estão incrustados nessa fáscia.
  15. 15. • É um revestimento tubular que seestende da base do crânio até a raizdo pescoço;• Funde-se anteriormente com aslâminas pré- traqueal e superficialda fáscia e, posteriormente, com alâmina pré-vertebral da fásciacervical;• Ela contêm: As artérias carótidas comum einterna; A veia jugular interna; O nervo vago; Alguns linfonodos cervicaisprofundos; O nervo do seio carótido; Fibras nervosas simpáticas.Bainha carótida
  16. 16. • É o maior e mais importante espaço interfascial situadono pescoço;• Está fixada ao longo da linha mediana da fásciabucofaríngea a partir do crânio até o nível da vértebra C7.• Permite o movimento da faringe, do esôfago e datraquéia, em relação à coluna vertebral, durante adeglutição.Espaço retrofaríngeo
  17. 17. Drenagem linfática das glândulas tireóide eparatireóide
  18. 18. Drenagem linfática da laringe
  19. 19. Drenagem linfática da faringe• Tonsilas palatinas, linguinais e faríngeas: anel linfático dafaringe;
  20. 20. • O ducto torácicodrena a linfaproveniente de todo ocorpo, exceto do ladodireito da cabeça epescoço, membrosuperior direito e ladodireito do tórax, quedrenam através doducto linfático direito.
  21. 21. Pescoço Estruturas Superficiais (Regiões Cervicais)• Região Cervical Anterior• Região Esternocleidomastóidea• Região Cervical Lateral• Região Cervical Posterior Estruturas Profundas• Músculos Pré-Vertebrais• Raiz do Pescoço
  22. 22. REGIÃO CERVICAL ANTERIORLimitesAnterior: linha mediana do pescoçoPosterior: margem anterior do ECMSuperior: margem inferior damandíbulaÁpice: incisura jugular do manúbrioTeto: tela subcutânea que contém o m.plastimaAssoalho: formado pela faringe, laringe eglândula tireóide
  23. 23. Subdivide-se em quatro trígonosSubmentual (5)Submandibular (4)Carótico (6)Muscular (7)
  24. 24. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém linfonodos submentuais e pequenas veias que se unem para formar aveia jugular anterior.
  25. 25. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém linfonodos submentuais e pequenas veias que se unem para formar aveia jugular anterior.
  26. 26. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularOcupado em sua maior parte pela glândula submandibular, possuilinfonodos submandibulares, n. hipoglosso, n. milo-hióideo, parte da a. e v.faciais.
  27. 27. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularImportante trígono pois a artéria carótida comum ascende até o seu interior.
  28. 28. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém o seio carótido (dilatação na parte proximal da a. carótida interna).Esse seio é inervado pelo n. do seio carótico (NC IX) e pelo n. vago (NC X) e éum barroreceptor e reage a alterações da PA.
  29. 29. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém o glomo carótido (massa tecidual, ovoide, marrom-avermelhada). Oglomo supre principalmente o n. do seio carótico (NC IX) e pelo n. vago (NC X)e é um quimiorreceptor que monitora os níveis de oxigênio no sangue.
  30. 30. SubmentualSubmandibularCaróticoMuscularContém os mm. esternotireóideo e o esterno-hióideo e as glândulas tireoide eparatireóides.
  31. 31. Músculos da RCADivididos em:Supra-hióideosInfra-hióideos
  32. 32. Músculos da RCA
  33. 33. Músculos da RCA
  34. 34. Músculos da RCA
  35. 35. Músculos da RCA
  36. 36. Músculos da RCA
  37. 37. Músculos da RCA
  38. 38. Artérias na RCA
  39. 39. Artérias na RCAA a. carótida interna não emite ramos no pescoçoA a. carótida externa emite 6 ramos no pescoço
  40. 40. Veias da RCA
  41. 41. Nervos da RCAN. cervicaltransverso: peleN. hipoglosso:língua
  42. 42. Nervos da RCAN. glossofaríngeo:língua e faringeN. vago: faringe e elaringe
  43. 43. Região Cervical - Esternocleidomastóidea• O m. ECM possui: 2 cabeças (origem):• Cabeça esternal:Manúbrio• Cabeça clavicular :terço medial daclavícula- Fossa supraclavicularmenor Inserção:• Processo mastoide doosso temporal, linhanucal
  44. 44. Região Cervical -Esternocleidomastóidea Unilateralmente: fletelateralmente o pescoçopara o lado Bilateralmente: cabeça epescoço como ponto fixo:clavículas e manúbrio,portanto, costelasanteriores.
  45. 45. Região Cervical Lateral Limitações:• Anteriormente:margem posterior do m.ECM• Posteriormente:pela margem anterior dotrapézio• Inferiormente:pelo terço médio daclavícula.
  46. 46. Região Cervical Lateral
  47. 47. Região Cervical Lateral Músculos:• Esplênio da cabeça• Levantador daescápula• Escaleno médio• Escaleno posteriorEsplênio da cabeçaLevantador daescápulaEscalenomédioEscalenoposterior
  48. 48. Região Cervical LateralArtérias
  49. 49. Região Cervical LateralArtérias
  50. 50. Região Cervical LateralVeiasVeia Jugular ExternaVeia SubcláviaV. Cervical TransversaV. Jugular AnteriorV. SupraescapularV. Jugular InternaVCS
  51. 51. Nervos da RCL
  52. 52. Região Cervical Posterior• Corresponde à área doMúsculo Trapézio• M. postero-lateral,plano Regiãocervical/Inserções:• Terço medial da linhanucal superior• Protuberância occipitalexterna• Ligamento nucal• Processos espinhososdas vértebras C7-T12Osso occipitalVértebra cervicalProcessoespinhosoM. TRAPÉZIO
  53. 53. Região Cervical Posterior Inervação:• Simpática: C2-C3M. TRAPÉZIO• Parassimpática: XI NC(Acessório)
  54. 54. ESTRUTURAS PROFUNDASMúsculos pré-vertebrais
  55. 55. Músculos pré-vertebrais
  56. 56. Músculos pré-vertebrais
  57. 57. Músculos pré-vertebrais
  58. 58. Músculos pré-vertebrais
  59. 59. Músculos pré-vertebrais
  60. 60. Músculos pré-vertebrais
  61. 61. Músculos pré-vertebrais
  62. 62. ESTRUTURAS PROFUNDASRaiz do pescoço•Área de junção do tórax com opescoço•Por ela passam todas asestruturas que seguem do tóraxpara a cabeça ou membrosuperior
  63. 63. Raiz do pescoço•Limites:•Inferiormente: aberturasuperior do tórax•Lateralmente: 1º par decostelas e suas cartilagens•Anteriormente: manúbrio do esterno•Posteriormente: corpo da vértebra T1
  64. 64. Artérias da raiz do pescoço
  65. 65. Veias da raiz do pescoço
  66. 66. Nervos da raiz do pescoço
  67. 67. Vísceras dopescoço
  68. 68. • Camada endócrina:- glândulas tireoide;- glândulas paratireoide;• Camada respiratória:- laringe;- traqueia;• Camada alimentar:- faringe;- esôfago.
  69. 69. Glândula tireoide• Maior glândulaendócrina;• Hormôniotireoidiano ecalcitonina;• Profunda aosmúsculosesternotireóideoe esterno-hióideo.
  70. 70. Irrigação• Artérias tireóideas inferiores e superiores.
  71. 71. • Plexo venoso tireóideo:- Veias tireóideas superiores -> VJI;- Veias tireóideas médias -> VJI;- Veias tireóideas inferiores -> tronco venosobraquiocefálico;
  72. 72. Drenagem linfáticaVasoslinfáticosLinfonodospré-traqueaisLinfonodoscervicaisprofundosinferioresLinfonodospré-laríngeosLinfonodosparatraqueaisLinfonodoscervicaissuperiores
  73. 73. Inervação• Nervos derivados dos gânglios (simpáticos)cervicais superiores, médios e inferiores ->fibras vasomotoras -> contração do vasos;• Secreçãoendócrina ->controle hormonalda hipófise.
  74. 74. Glândulas paratireoides• Ovais e achatadas;• LocalizaçãoParatireoides Entrada da A. tireoidea inferiorSuperiores Pouco mais de 1 cm acimaInferiores 1 cm abaixo
  75. 75. Irrigação• Artérias tireoideas inferiores;• Veias paratireóideas -> plexo venoso tireóideo;• Drenagem linfática -> linfonodos cervicais profundose paratraqueais.
  76. 76. Inervação• Derivada de ramos tireóideos dos gânglios(simpáticos) cervicais;• Função vasomotora e não secretomotora.
  77. 77. Laringe• Passagem de ar para a traqueia, protegendo asvias respiratórias da entrada de alimentos,devido presença da epiglote;• Produção de voz.
  78. 78. • Esqueleto formado por 9 cartilagens:* 3 cartilagens ímpares:1. tireóidea.
  79. 79. 2. Cricóidea;3. Epiglótica.
  80. 80. • 3 cartilagens pares:1. Aritenóidea; 2. Corniculada.
  81. 81. 3. Cuneiforme.
  82. 82. • Cavidade da laringe: estende-se do ádito dalaringe até o nível da margem inferior dacartilagem cricóidea.
  83. 83. Músculos extrínsecos• Movem a laringe como um todo;• Infra-hióideos (abaixa o hióide e a laringe).Supra-hióideos e estilofaríngeo (elevam essasestruturas);
  84. 84. Músculos intrínsecos• Movem os componentes da laringe, alterandoo comprimento e a tensão das pregas vocais eo tamanho e formato da rima da glote;• Cricotireóideos, tireoaritenóideos,cricoaritenóideos posteriores e laterais,aritenóideos tranversos e oblíquos, vocais.
  85. 85. Irrigação• Artéria laríngea superior e inferior e artériacricotireóidea -> ramos das artérias tireóideassuperior e inferior.
  86. 86. • Veia laríngea superior -> veia tireóidea superior ->VJI;• Veia laríngea inferior -> veia tireóidea inferior ouplexo venoso anterior da traqueia -> tronco venosobraquiocefálico esquerdo.
  87. 87. Drenagem linfática• Vasos linfáticos acima das pregas vocais -> linfonodoscervicais profundos superiores;• Vasos linfáticosabaixo das pregasvocais -> linfonodospré-traqueais ouparatraqueais ->linfonodos cervicaisprofundos inferiores.
  88. 88. InervaçãoInerva os músculosintrínsecos, excetoo cricotireóideo (n.laríngeo externo)
  89. 89. Traqueia• Passagem de ar que entra ou sai dos pulmões;leva muco com resíduos à faringe;• Tubo fibrocartilagíneo sustentado porcartilagens (anéis traqueais);• Posição mediana no pescoço;• Músculo traqueal involuntárioposteriormente;
  90. 90. • 2,5 cm de diâmetro em adultos e diâmetro deum lápis em lactentes;• Inicia em C6 e termina no disco IV T4-T5 ->brônquios principais;• Lateralmente: artérias carótidas comuns elobos da tireoide;• Relaciona-se com o tronco braquiocefálico dolado direito na raiz do pescoço.
  91. 91. Faringe• Estende-se da base do crânio até a margeminferior da cartilagem cricóidea anteriormentee a margem inferior da C6 posteriormente;• Mais larga defronte ao hióide e mais estreitaem sua extremidade inferior;• Nasofaringe, orofaringe e laringofaringe.
  92. 92. Nasofaringe• Posterior à cavidade nasal;• Ligação com cavidade nasal -> cóanos;• Tonsila faríngea;• Tonsila tubária;• Óstio da tubaauditiva;• Pregasalpingofaríngea;• Recesso faríngeo.
  93. 93. Orofaringe• Limites:- Superior: palato mole;- Inferior: base da língua e margem superior da epiglote;- Laterais: arco palatoglosso e palatofaríngeo;• Tonsilas palatinas;• Istmo das fauces.
  94. 94. Laringofaringe• Estende-se da margem superior da epiglote àmargem inferior da cricóidea;• Mm. constritores médio e inferior da faringe;• Ádito da laringe;
  95. 95. Músculos• Voluntários;• Camada longitudinal interna: músculos palatofaríngeo,estilofaríngeo e salpingofaríngeo (elevam a faringedurante fala e deglutição);• Camada circular externa: mm. constritores da faringesuperior, médio e inferior (realizam constrição dafaringe na deglutição);• Supridos pelo plexo nervoso faríngeo.
  96. 96. Vasos Tonsila palatina:• Ramos das artérias palatina ascendente, lingual,palatina descendente e faríngea ascendente. Artériatonsilar (ramo da a. facial);• Veia palatina externa;• Vasos linfáticos -> linfonodo tonsilar(jugolodigástrico);• Tonsilas palatinas, linguais e faríngeas: anel linfáticoda faringe;
  97. 97. Inervação• Plexo nervoso faríngeo;• Fibras motoras -> N. vago (x): músculos dafaringe e palato mole, exceto estilofaríngeo etensor do véu palatino;• Fibras sensitivas -> N. glossofaríngeo: trêspartes da farínge;• Nervos tonsilares -> derivados do plexonervoso tonsilar.
  98. 98. Esôfago• Tubo fibromuscular;• Conecta a laringofaringe (junçãolaringoesofágica) ao estômago;• Dividido em 3 terços comdiferenças musculares;• Possui 2 esfíncteres: superior einferior;
  99. 99. • Porção Cervical : coluna vertebral – corpos da6ª vértebra cervical à 2ª vértebra torácica.
  100. 100. • Esfíncter superior esôfagico: na junção faringoesofágica,produzido pela parte cricofaríngea do m. constritorinferior da faringe;• Esôfago com curvaturas emformato semelhante a um“Z”;•Parte cervical apresentaflexura antero-posterior eencontra-se discretamentedeslocado para a esquerda;
  101. 101. • Vazio -> luz semelhante a fenda;• Bolo alimentar -> peristalse reflexa;• Fixado à traqueia por tec. conj. frouxo;• Em contato com os nervos laríngeorecorrentes, glândula tireoide, bainha caróticadireita, pleura (na raiz do pescoço) e ductotorácico.
  102. 102. Irrigação• Ramos ascendentes edescendentes dasartérias tireóideasinferiores, que seanastomosam entre sina linha mediana;• Veias tributárias daveias tireóideasinferiores.
  103. 103. Drenagem linfática• Os vasos linfáticos da parte cervical do esôfagodrenam para os linfonodos paratraqueais elinfonodos cervicais profundos inferiores.
  104. 104. Inervação• Fibras somáticas -> ramos dos nervos laríngeosrecorrentes;• Fibras vasomotoras -> originadas do troncossimpáticos cervicais;
  105. 105. Correlações clínicasPunção da veia subclávia• Para administrar líquidos(nutritivos) e medicaçõesparenterais e para medir a pressãovenosa central, a veia subcláviadireita é frequentemente o pontode entrada para o sistema venosona colocação da linha central;• Se a agulha não for inseridacorretamente, pode lacerar a veiasubclávia e a pleura parietal,resultando em hemotórax;• Se a agulha penetrar muitoposteriormente, pode penetrar naartéria subclávia.
  106. 106. Correlações clínicasProeminência da veia jugular externa• Quando a pressão venosaaumenta, a veia se tornaproeminente em todo oseu trajeto ao lado dopescoço;• Pode ser um sinaldiagnóstico deinsuficiência cardíaca,obstrução da veia cavasuperior, aumento doslinfonodossubclaviculares, oupressão intratorácicaaumentada.
  107. 107. Correlações clínicasPulso da artéria carótida• É facilmente sentida palpando-se a artéria carótida comum nolado do pescoço, onde ela se situa em um sulco entre a traquéiae os músculos infra-hióideos;• Imediatamente profunda à margem interior doesternocleidomastóideo, no nível da margem superior dacarótida tireóidea;• A ausência do pulso indica parada cardíaca.
  108. 108. • Uma agulha e um cateter podemser inseridos na veia jugularinterna para diagnóstico oupropósitos terapêuticos;• A veia jugular interna direita épreferível porque é maior e maisreta;• Palpa a jugular comum e insere,lateralmente a ela, a agulha em30°, visando o ápice do trígonoentre as cabeças esternal eclavicular do músculoesternocleidomastóideo,direcionando a agulha infero-lateralmente para a papilamamária ipsilateral.Punção da veia jugular internaCorrelações clínicas
  109. 109. Correlações clínicasLaringoscopia• Se refere a qualquerprocedimento usado paraexaminar o interior dalaringe;• Pode ser examinada pormeio da laringoscopiaindireta, que utiliza oespelho laringoscópico;• E também existe alaringoscopia direta, queutiliza um instrumentoendoscópico tubular, umlaringoscópio.
  110. 110. • Uma incisão transversa através da pele do pescoço e da parede anteriorda traquéia;• Os músculos infra-hióideos são retraídos lateralmente e o istmo daglândula tireóide é dividido ou retraído superiormente.Correlações clínicasTraqueostomia
  111. 111. Correlações clínicasZonas de trauma profundo do pescoço• Zona 1: A raiz do pescoçoestende-se das clavículas e domanúbio do esterno até onível da margem inferior dacartilagem cricóidea.Estruturas em perigo: pleurascervicais, ápice dos pulmões,glândulas tireóide eparatireóides, traquéia,esôfago, artérias carótidascomuns, veias jugulares eregião cervical da colunavertebral;
  112. 112. • Zona 2: A cartilagemcriocóidea até o nível dosângulos da mandíbula.Estruturas em perigo:Pólos superiores daglândula tireóide,cartilagens tireóidea ecricóidea, laringe, partelaríngea da faringe,artérias carótidas, veiasjugulares, esôfago e regiãocervical da colunavertebral;Zonas de trauma profundo do pescoçoCorrelações clínicas
  113. 113. • Zona 3: Os ângulosdas mandíbulassuperiormente.Estrutura em perigo:glândulas salivares,cavidade da boca edo nariz, partes oral enasal da faringe.Zonas de trauma profundo do pescoçoCorrelações clínicas
  114. 114. • Lesões nas zonas 1 e 3 são obstruem as via aerífera e temmaior risco para morbidade e mortalidade, porque asestruturas lesadas são mais difíceis de visualizar e reparare o dano vascular é difícil de controlar;• As lesões na zona 2 são mais comuns, porém são maisfáceis de serem controladas e reparadas.

×