SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
R E S U M O
ECA
contexto
 Na dec de 70 por conta das denuncias de mal tratos com menores
houve rebeliões e debates (apoiados por ongs e igrejas)
 1979 – ano internacional da criança = termo “menor” é discutido
 Nessa epoca surge o 1º codigo de menores e define MENOR como
marginal delinquente , que não sabe viver na sociedade
 Adolescente so pode ficar na fundação casa ate os 21 anos (limite
de 3 anos de permanencia)
 MENOR também é fruto de familia desorganizada
 Politica de Bem estar do menor 1964 – 9 meses depois se cria a
FUNABEM – não foi criada para proteger, mas para pesquisar e
realizar maneiras de “limpar” a sociedade
 Com o ECA surgem leis mais concretas e novos termos
 CAP 1 – criança e adolescente tem direito em qualquer
situação
 Art 5º ao nascer a criança tem que ficar com a mae
 Artº 8 politicas de seguridade = saude
 CAP 2 – Direito de liberdade e etc
 CAP 3 – art 19 – direito a ser criado em uma familia
livre de presença de pessoas dependentes
 Inciso 1 – sobre abrigo – avaliação de 6 em 6 meses
 Art 23 – filhos agregados tem direitos iguais
 Art 28 – familia substituta
 Art 39 – adoção
 CAP 4 – direito de educação, cultura, esporte, lazer e etc.
 CAP 5 – direito de profissionalização
 Art 81 – proibido a venda de armas e revistas improprias e etc
 Art 83 – autorização para viajar
 No antigo codigo de menores usava-se a REPRESÃO no
ECA se usa a PROTEÇÃO INTEGRAL
 Politicas de atendimento:
 Cada municipio tem sua politica – descentralizado
 Quem é responsavel: Estado, municipios, uniao e instituições
 Carater basico = direito a convivencia familiar ou substituta
 Crianças e idosos tem preferencia nas politicas
Art 98 quando os direitos são violados ou por omissao o
juiz interfere
 Art 103 – crime não corresponde a menores de 18
anos = ato infracional
 Art 106 – nenhum adolescente pode ser privado de
liberdade
 Art 108 – adolescente não é presso ele é
“apreendido” SE pego em flagrante
 ART 2º - define qndo se é criança (0 aos 12 anos incompletos) e quando se é adolescente (12
aos 18 incompletos)
 Excepcionalmente o maior de 18 e menor de 21 podera ser considerado
 PRINCÍPIOS DO ECA:

 1. Princípio da Prevenção Geral

 2. Princípio da Prevenção Especial

 3. Princípio do Atendimento Integral

 4. Princípio da Garantia Prioritária

 5. Princípio da Proteção Estatal

 6. Princípio da Prevalência do Interesse do Menor

 7. Princípio da Indisponibilidade do Direito do Menor

 8. Princípio da Reeducação e Reintegração

 9. Princípio do Sigilo

 10. Princípio da Gratuidade

 11. Princípio do Contraditório

 12. Princípio do Compromisso
FAMÍLIA NATURAL, FAMÍLIA SUBSTITUTA E
FAMÍLIA EXTENSA:
 A FAMÍLIA NATURAL é aquela que tem vínculo biológico,
ou seja, é formada pelos genitores e a prole.
 A FAMÍLIA SUBSTITUTA é uma forma de medida de
proteção ao menor e deve ser feita em última hipótese, vez que
deve prevalecer o convívio do menor em sua família natural.
Tem como formas a guarda, tutela e adoção.
 A FAMÍLIA EXTENSA OU AMPLIADA é uma figura
criada na Lei 12010/09 e significa os parentes do menor com
quem este conviva e tenha afinidade. Trata-se de uma forma
de colocar o menor em família que não a natural.
ADOÇÃO
 Trata-se de um ato jurídico que cria relação de
filiação entre as pessoas.
 No ordenamento jurídico brasileiro, a adoção é
plena, de forma que é irrevogável e rompe com os
vínculos biológicos antigos
 (salvo para impedimentos matrimoniais).
 Não se pode ter adoção por procuração. É sempre
pessoal.
ADOÇÃO
 Requisitos para adoção:

 i) o adotante precisa ter uma diferença de 16 anos do menor adotando;

 ii) os adotantes devem ser maiores de 18 anos;

 iii) reais vantagens para o adotando – ou seja, motivo legítimo – formar uma família.

 iv) consentimento dos pais biológicos;

 Exceto se estiverem falecidos, desaparecidos, forem desconhecidos ou destituídos do poder familiar.

 **Não há limite de idade. Antes, falava-se em idade de 50 anos no máximo. Agora não existe mais.

 Impedimentos:

 i) ascendente não adota descendente – para preservar a linha de sucessão. Exemplo: avô adotar neto.

 **Os tios podem adotar.
ADOÇÃO
 Modalidades de adoção:
 i) adoção conjunta:
 Quando feita por um casal casado ou que conviva em união estável.
 **a adoção pode ser realizada por casais separados/divorciados se no início do processo eles ainda eram um casal. Deve haver,no
entanto, consenso e o estágio de convivência deve ter ocorrido durante o casamento/união.
 ii) adoção póstuma:
 Quando, durante o processo de adoção, o adotante falece. No entanto, se a declaração de vontade for irrefutável, no sentido de
querer adotar, a adoção será deferida e os efeitos da sentença retroagirão para que o adotando possa suceder ao falecido.
 iii) adoção unilateral:
 É feito por uma pessoa que conviva ou seja casado com a mãe/pai do menor.
 iv) adoção internacional:
 v) adoção intuito personae:
 Para alguns, foi retirada do ordenamento jurídico pela Lei 12010/09, tendo em vista a necessidade de os adotantes terem inscrição
no cadastro de adoção.
 Essa adoção é aquela em que os pais consentem na adoção a um terceiro conhecido em que haja uma confiança especial
(intuito personae). O problema é que muitas vezes pode se tratar de uma forma de burlar a fila da adoção, bem como na
venda de crianças.
 vi) adoção à brasileira:
 É aquela em que o adotante adota o adotando como se fosse seu filho semo procedimento específico da adoção. Exemplo: sujeito
encontra uma criança abandonada e a registra como filho.
 Constituição da adoção:
 A partir do trânsito em julgado da sentença. No caso de adoção pós morte, no
momento do falecimento – os efeitos da sentença retroagem.
 Efeitos da adoção:
 i) apesar de romper com os vínculos anteriores, estes continuam para fins de impedimento de
casamento (não mantém obrigações alimentares);
 ii) cria a relação de filiação, ou seja, o adotando passa a ser filho do adotante, sendo proibida a
discriminação;
 iii) cria direitos sucessórios recíprocos;
 iv) a morte do adotante não restabelece o poder familiar dos pais biológicos;
 v) dever de alimentos recíprocos;
TUTELA
Trata-se de um encargo assistencial, significando cuidar, dentro outros, da educação da criança em que não haja poder
familiar.
Pressupostos da tutela:
i) falecimento dos pais, interdição dos pais, abandono ou destituição do poder familiar;
Importante notar que, na nomeação, deve-se respeitar a seguinte ordem:
1. se os pais que faleceram deixaram em testamento a indicação de alguém para cuidar dos filhos (tutela
testamentária).
2. buscar dentre os parentes quem possa efetivamente cuidar da criança ou do adolescente (tutela legítima).
3. se não houver parentes ou forem inidôneos, decreta-se a tutela dativa.
PODER FAMILIAR: Surge da filiação.
1. múnus público;
2. irrenunciável;
3. inalienável;
4. imprescritível;
5. intransferível;
6. cria um vínculo de autoridade;
Destituição do Poder Familiar:

 Ocorre através de ato judicial por conduta incompatível com a conduta de
pai e mãe.

 Guarda de filhos: Há 5 tipos de guarda (que não se confundem
com a medida de proteção do ECA):

 i) individual (família monoparental);

 ii) concomitante;

 iii) alternada;

 iv) por nidação (aninhamento);

 v) compartilhada;

MEDIDAS DE PROTEÇÃO
 Ocorrem sempre que a criança ou o adolescente
estiverem em situação de risco,
 a qual está prevista no artigo 98 e desloca a competência
para a vara da infância e juventude.
 Importante notar que podem ser aplicadas em conjunto e
não apenas isoladamente.
 Durante a medida de proteção, o menor deve ter contato
com a família.
PRINCIPIOS DAS MEDIDAS
Princípios que regem a aplicação da medida de proteção: Foram incluídos pela Lei 12010.
i) toda aplicação de medida de proteção precisa ter em mente a condição do menor como sujeito de direitos;
ii) princípio da proteção integral e prioritária;
iii) princípio da responsabilidade primária e solidária do Poder Público;
iv) princípio do melhor interesse da criança e do adolescente;
v) princípio da privacidade;
vi) princípio da intervenção precoce;
vii) princípio da intervenção mínima;
viii) princípio da proporcionalidade e razoabilidade;
ix) princípio da responsabilidade parental;
x) princípio da prevalência da família;
xi) princípio do direito à informação;
xii) oitiva do menor;
As medidas de proteção estão elencadas no
artigo 101 do ECA:
Medidas que o Conselho Tutelar pode aplicar sem intervenção judicial:
1 - encaminhamento aos pais ou responsável, mediante termo de responsabilidade;
2 - orientação, apoio e acompanhamento temporários;
3 - matrícula e frequência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino
fundamental;
4 - inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio à família, à criança e ao
adolescente;
5 - requisição de tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em regime
hospitalar ou ambulatorial;
6 - inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento
a alcoólatras e toxicômanos;
Medidas que só o Juiz pode aplicar:
7 - acolhimento institucional;
**no passado era chamado de abrigo e orfanato.
8 - inclusão em programa de acolhimento
familiar;
9 - colocação em família substituta.
CONSELHO TUTELAR:
 Trata-se de uma forma de participação da sociedade nos
direitos da criança e do adolescente.
 É um órgão permanente e autônomo, desvinculado do
Poder Judiciário.
 Em cada município deve haver, no mínimo, 1 Conselho
Tutelar, composto por 5 membros.
 As atribuições do Conselho Tutelar estão previstas no
artigo 136 do ECA.
MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS
A medida socioeducativa só é aplicável ao adolescente. E se a criança cometer um ato
infracional? Como regra geral, aplica-se uma medida de proteção.
As medidas socioeducativas estão elencadas no artigo 112 do ECA:
1. advertência;
2.obrigação de reparar o dano;
3. prestação de serviços à comunidade;
4. liberdade assistida;
5. inserção em regime de semi-liberdade;
6. internação em estabelecimento educacional;
7. qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.
 Aplicação de medidas socioeducativas
 ADVERTENCIA = comete um ato infracional leve (ex agressão verbais) é advertido
formalmente e seu processo fica nos registros
 OBRIGAÇÃO DE REPARA O DANO = devolução do valor monetario ou material da
vitima, tem que ser voluntariamente pedida pelo adolescente
 PSC – PRESTAÇÃO DE SERVIÇO A COMUNIDADE = carater educativo, não pode
ultrapassar 4 h, para que o adolescente perceba a gravidade de seu ato
 LA – LIBERDADE ASSISITIDA = são inseridos na medida protetiva especial com a
familia. Acompanhamento de 6 meses
 SEMI ABERTO – avaliado de 6 em 6 meses. Sai de dia e volta a noite
 INTERNAÇÃO – excepcional
APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL:
i) é regulamentada pelo ECA (artigo 171 e seguintes);
ii) aplica-se subsidiariamente o CPP e o CPC (no que se
refere aos recursos, por exemplo);
Havendo representação, antes da produção de provas, o
juiz pode determinar a internação provisória, o que deve
ocorrer em entidade de atendimento especializada em
internação provisória (45 dias).
A competência é da vara da infância e juventude em não da
vara criminal.
 Poder Judiciário:
 O acesso à justiça é uma garantia delineada no artigo 141
do ECA:

 Art. 141. É garantido o acesso de toda criança ou
adolescente à Defensoria Pública, ao Ministério Público
e ao Poder Judiciário, por qualquer de seus órgãos.
 § 1º. A assistência judiciária gratuita será
prestada aos que dela necessitarem, através de
defensor público ou advogado nomeado.
 § 2º As ações judiciais da competência da Justiça da
Infância e da Juventude são isentas de custas e
emolumentos, ressalvada a hipótese de
litigância de má-fé.
 Intervenção precoce: se for demorar para chegar
à autoridade correta, pode-se invocar esse princípio
para outra autoridade decidir.

 A Lei 12010 foi invocada nos casos da pulseira do
sexo. O juiz que proibiu a venda dessas pulseiras
invocou o princípio da intervenção precoce.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila resumo - pc-df (direito penal)
Apostila   resumo - pc-df (direito penal)Apostila   resumo - pc-df (direito penal)
Apostila resumo - pc-df (direito penal)profrenanaraujo
 
Cartilha idoso 2013
Cartilha idoso 2013Cartilha idoso 2013
Cartilha idoso 2013cagperes
 
Palestra Conselho Tutelar - aspectos legais
Palestra Conselho Tutelar - aspectos legaisPalestra Conselho Tutelar - aspectos legais
Palestra Conselho Tutelar - aspectos legaisImpactto Cursos
 
Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteEstatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteGuaraciara Lopes
 
Direitos deveres
Direitos deveresDireitos deveres
Direitos deveresAlex Sales
 
Visão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAVisão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAclaudiadmaia
 
Estatuto da criança do adolescente eca
Estatuto da criança  do adolescente   ecaEstatuto da criança  do adolescente   eca
Estatuto da criança do adolescente ecaAlinebrauna Brauna
 
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e CuratelaFamilia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatelasocialgeral
 
Eca estatudo da crianca e do adolescente
Eca  estatudo da crianca e do adolescenteEca  estatudo da crianca e do adolescente
Eca estatudo da crianca e do adolescenteamanda albuquerque
 
Estatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteEstatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteAdriano Monteiro
 
Resumo direito penal p geral
Resumo direito penal p geralResumo direito penal p geral
Resumo direito penal p geralLaura Schneider
 
ECA esquematizado.pdf
ECA esquematizado.pdfECA esquematizado.pdf
ECA esquematizado.pdfssusered3e36
 
Norma eca projeto eca
Norma eca   projeto ecaNorma eca   projeto eca
Norma eca projeto ecastraraposa
 

Mais procurados (20)

Eca
EcaEca
Eca
 
Apostila resumo - pc-df (direito penal)
Apostila   resumo - pc-df (direito penal)Apostila   resumo - pc-df (direito penal)
Apostila resumo - pc-df (direito penal)
 
Cartilha idoso 2013
Cartilha idoso 2013Cartilha idoso 2013
Cartilha idoso 2013
 
Palestra Conselho Tutelar - aspectos legais
Palestra Conselho Tutelar - aspectos legaisPalestra Conselho Tutelar - aspectos legais
Palestra Conselho Tutelar - aspectos legais
 
Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteEstatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do Adolescente
 
Direitos deveres
Direitos deveresDireitos deveres
Direitos deveres
 
Visão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAVisão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECA
 
Falando sobre ECA
Falando sobre ECA Falando sobre ECA
Falando sobre ECA
 
Estatuto da criança do adolescente eca
Estatuto da criança  do adolescente   ecaEstatuto da criança  do adolescente   eca
Estatuto da criança do adolescente eca
 
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e CuratelaFamilia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
 
Eca estatudo da crianca e do adolescente
Eca  estatudo da crianca e do adolescenteEca  estatudo da crianca e do adolescente
Eca estatudo da crianca e do adolescente
 
Estatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteEstatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescente
 
Lei Menino Bernardo
Lei Menino BernardoLei Menino Bernardo
Lei Menino Bernardo
 
Eca
EcaEca
Eca
 
Resumo direito penal p geral
Resumo direito penal p geralResumo direito penal p geral
Resumo direito penal p geral
 
Ato infracional e medidas
Ato infracional e medidasAto infracional e medidas
Ato infracional e medidas
 
ECA esquematizado.pdf
ECA esquematizado.pdfECA esquematizado.pdf
ECA esquematizado.pdf
 
Norma eca projeto eca
Norma eca   projeto ecaNorma eca   projeto eca
Norma eca projeto eca
 
Mapas do Eca
Mapas do EcaMapas do Eca
Mapas do Eca
 
Eca E Ldb
Eca E LdbEca E Ldb
Eca E Ldb
 

Destaque

Teorias e teorias de familia heloisa
Teorias e teorias de familia   heloisaTeorias e teorias de familia   heloisa
Teorias e teorias de familia heloisaDaniele Rubim
 
Estatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangente
Estatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangenteEstatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangente
Estatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangenteAlisson Soares
 
Projeto Musicalização
Projeto MusicalizaçãoProjeto Musicalização
Projeto Musicalizaçãodeivid27
 
O menor no brasil republicano
O menor no brasil republicanoO menor no brasil republicano
O menor no brasil republicanoDaniele Rubim
 
6 etica e cidadania filosofia
6 etica e cidadania   filosofia6 etica e cidadania   filosofia
6 etica e cidadania filosofiaDaniele Rubim
 
O menor no brasil republicano
O menor no brasil republicanoO menor no brasil republicano
O menor no brasil republicanoDaniele Rubim
 
Luta pela sobrevivencia jerusa
Luta pela sobrevivencia   jerusaLuta pela sobrevivencia   jerusa
Luta pela sobrevivencia jerusaDaniele Rubim
 
Marco regulatorio resumo da materia
Marco regulatorio   resumo da materiaMarco regulatorio   resumo da materia
Marco regulatorio resumo da materiaDaniele Rubim
 
Processo de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismoProcesso de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismoDaniele Rubim
 
Fundamentos serviço social lula e neo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social   lula e neo - 1 º semestreFundamentos serviço social   lula e neo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social lula e neo - 1 º semestreDaniele Rubim
 
Marco regulatorio - Resumo da materia
Marco regulatorio - Resumo da materiaMarco regulatorio - Resumo da materia
Marco regulatorio - Resumo da materiaDaniele Rubim
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia ariesDaniele Rubim
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofiaDaniele Rubim
 
Processo de trabalho 2 formação da classe operaria - rev. industrial
Processo de trabalho 2   formação da classe operaria - rev. industrialProcesso de trabalho 2   formação da classe operaria - rev. industrial
Processo de trabalho 2 formação da classe operaria - rev. industrialDaniele Rubim
 
Direito do serviço social - seguridade social - part. popular
Direito do serviço social - seguridade social - part. popularDireito do serviço social - seguridade social - part. popular
Direito do serviço social - seguridade social - part. popularDaniele Rubim
 
Socialização e familia maria amalia
Socialização e familia   maria amaliaSocialização e familia   maria amalia
Socialização e familia maria amaliaDaniele Rubim
 
Atualização da profissao fundamentos do serviço social
Atualização da profissao   fundamentos do serviço socialAtualização da profissao   fundamentos do serviço social
Atualização da profissao fundamentos do serviço socialDaniele Rubim
 
Interfaces entre Relações Públicas e Comunicação Organizacional
Interfaces entre Relações Públicas e Comunicação OrganizacionalInterfaces entre Relações Públicas e Comunicação Organizacional
Interfaces entre Relações Públicas e Comunicação OrganizacionalPriscilla Costa
 
Direito do serviço social - seguridade social - introdução
Direito do serviço social - seguridade social - introduçãoDireito do serviço social - seguridade social - introdução
Direito do serviço social - seguridade social - introduçãoDaniele Rubim
 

Destaque (20)

Teorias e teorias de familia heloisa
Teorias e teorias de familia   heloisaTeorias e teorias de familia   heloisa
Teorias e teorias de familia heloisa
 
Estatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangente
Estatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangenteEstatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangente
Estatuto da Criança e Adolescente ECA - Uma visão abrangente
 
Projeto Musicalização
Projeto MusicalizaçãoProjeto Musicalização
Projeto Musicalização
 
O menor no brasil republicano
O menor no brasil republicanoO menor no brasil republicano
O menor no brasil republicano
 
6 etica e cidadania filosofia
6 etica e cidadania   filosofia6 etica e cidadania   filosofia
6 etica e cidadania filosofia
 
O menor no brasil republicano
O menor no brasil republicanoO menor no brasil republicano
O menor no brasil republicano
 
Luta pela sobrevivencia jerusa
Luta pela sobrevivencia   jerusaLuta pela sobrevivencia   jerusa
Luta pela sobrevivencia jerusa
 
Marco regulatorio resumo da materia
Marco regulatorio   resumo da materiaMarco regulatorio   resumo da materia
Marco regulatorio resumo da materia
 
Processo de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismoProcesso de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismo
 
Fundamentos serviço social lula e neo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social   lula e neo - 1 º semestreFundamentos serviço social   lula e neo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social lula e neo - 1 º semestre
 
Marco regulatorio - Resumo da materia
Marco regulatorio - Resumo da materiaMarco regulatorio - Resumo da materia
Marco regulatorio - Resumo da materia
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
 
Processo de trabalho 2 formação da classe operaria - rev. industrial
Processo de trabalho 2   formação da classe operaria - rev. industrialProcesso de trabalho 2   formação da classe operaria - rev. industrial
Processo de trabalho 2 formação da classe operaria - rev. industrial
 
Direito do serviço social - seguridade social - part. popular
Direito do serviço social - seguridade social - part. popularDireito do serviço social - seguridade social - part. popular
Direito do serviço social - seguridade social - part. popular
 
Socialização e familia maria amalia
Socialização e familia   maria amaliaSocialização e familia   maria amalia
Socialização e familia maria amalia
 
Atualização da profissao fundamentos do serviço social
Atualização da profissao   fundamentos do serviço socialAtualização da profissao   fundamentos do serviço social
Atualização da profissao fundamentos do serviço social
 
Interfaces entre Relações Públicas e Comunicação Organizacional
Interfaces entre Relações Públicas e Comunicação OrganizacionalInterfaces entre Relações Públicas e Comunicação Organizacional
Interfaces entre Relações Públicas e Comunicação Organizacional
 
E C A Comentado
E C A ComentadoE C A Comentado
E C A Comentado
 
Direito do serviço social - seguridade social - introdução
Direito do serviço social - seguridade social - introduçãoDireito do serviço social - seguridade social - introdução
Direito do serviço social - seguridade social - introdução
 

Semelhante a Eca

Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteIsmael Rosa
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteIsmael Rosa
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteSulamita Dos Santos
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteSuellem Rink
 
Adoção inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19
Adoção   inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19Adoção   inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19
Adoção inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19Carlos Fortes
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteKarla Oliveira
 
Lei nº 8.069.1990
Lei nº 8.069.1990Lei nº 8.069.1990
Lei nº 8.069.1990day_vibe
 
140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente
140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente
140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescenteMônia Lara Antunes Alves
 
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012ACTEBA
 
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012ctpocoes
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteACS PM RN
 
Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteEstatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteDilamar Soares
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteLIVIA L.LAGE
 
Estatuto da criança e do adolecente
Estatuto da criança e do adolecenteEstatuto da criança e do adolecente
Estatuto da criança e do adolecentekledsonsp
 

Semelhante a Eca (20)

Eca 2
Eca 2Eca 2
Eca 2
 
po
popo
po
 
Visogeralsobreoeca 101204161109-phpapp02 (1)
Visogeralsobreoeca 101204161109-phpapp02 (1)Visogeralsobreoeca 101204161109-phpapp02 (1)
Visogeralsobreoeca 101204161109-phpapp02 (1)
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Lei nº 8 é o ECA
Lei nº 8 é o ECALei nº 8 é o ECA
Lei nº 8 é o ECA
 
Eca
EcaEca
Eca
 
Adoção inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19
Adoção   inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19Adoção   inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19
Adoção inovações e desafios - 8 passos 2011-03-19
 
Resumo ECA
Resumo  ECAResumo  ECA
Resumo ECA
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Lei nº 8.069.1990
Lei nº 8.069.1990Lei nº 8.069.1990
Lei nº 8.069.1990
 
140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente
140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente
140294998 resumo-estatuto-da-crianca-e-do-adolescente
 
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Incluindo a Lei 12.696/2012
 
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012
Estatuto da Criança e do Adolescente - Atualizado - Inclindo a Lei 12.696/2012
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Estatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do AdolescenteEstatuto da Criança e do Adolescente
Estatuto da Criança e do Adolescente
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Estatuto da criança e do adolecente
Estatuto da criança e do adolecenteEstatuto da criança e do adolecente
Estatuto da criança e do adolecente
 

Mais de Daniele Rubim

A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia ariesDaniele Rubim
 
A história da criança no brasil
A história da criança no brasilA história da criança no brasil
A história da criança no brasilDaniele Rubim
 
Antes de adam smith economia
Antes de adam smith   economiaAntes de adam smith   economia
Antes de adam smith economiaDaniele Rubim
 
Pensadores karl marx - economia
Pensadores   karl marx - economiaPensadores   karl marx - economia
Pensadores karl marx - economiaDaniele Rubim
 
Pensadores tomas e ricardo - economia
Pensadores   tomas e ricardo - economiaPensadores   tomas e ricardo - economia
Pensadores tomas e ricardo - economiaDaniele Rubim
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k huntDaniele Rubim
 
Psicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao socialPsicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao socialDaniele Rubim
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Daniele Rubim
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1Daniele Rubim
 
6 etica e cidadania filosofia
6 etica e cidadania   filosofia6 etica e cidadania   filosofia
6 etica e cidadania filosofiaDaniele Rubim
 
5 a crise da razão - filosofia
5   a crise da razão - filosofia5   a crise da razão - filosofia
5 a crise da razão - filosofiaDaniele Rubim
 
4 filosofia contemporanea filosofia
4 filosofia contemporanea   filosofia4 filosofia contemporanea   filosofia
4 filosofia contemporanea filosofiaDaniele Rubim
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofiaDaniele Rubim
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofiaDaniele Rubim
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosoficaDaniele Rubim
 
Processo de trabalho 2 - resumo da materia
Processo de trabalho 2 - resumo da materiaProcesso de trabalho 2 - resumo da materia
Processo de trabalho 2 - resumo da materiaDaniele Rubim
 

Mais de Daniele Rubim (16)

A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
 
A história da criança no brasil
A história da criança no brasilA história da criança no brasil
A história da criança no brasil
 
Antes de adam smith economia
Antes de adam smith   economiaAntes de adam smith   economia
Antes de adam smith economia
 
Pensadores karl marx - economia
Pensadores   karl marx - economiaPensadores   karl marx - economia
Pensadores karl marx - economia
 
Pensadores tomas e ricardo - economia
Pensadores   tomas e ricardo - economiaPensadores   tomas e ricardo - economia
Pensadores tomas e ricardo - economia
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 
Psicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao socialPsicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao social
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
 
6 etica e cidadania filosofia
6 etica e cidadania   filosofia6 etica e cidadania   filosofia
6 etica e cidadania filosofia
 
5 a crise da razão - filosofia
5   a crise da razão - filosofia5   a crise da razão - filosofia
5 a crise da razão - filosofia
 
4 filosofia contemporanea filosofia
4 filosofia contemporanea   filosofia4 filosofia contemporanea   filosofia
4 filosofia contemporanea filosofia
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
 
Processo de trabalho 2 - resumo da materia
Processo de trabalho 2 - resumo da materiaProcesso de trabalho 2 - resumo da materia
Processo de trabalho 2 - resumo da materia
 

Último

ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaJulianeNassaralla1
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxJustinoTeixeira1
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 

Último (20)

ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 

Eca

  • 1. R E S U M O ECA
  • 2. contexto  Na dec de 70 por conta das denuncias de mal tratos com menores houve rebeliões e debates (apoiados por ongs e igrejas)  1979 – ano internacional da criança = termo “menor” é discutido  Nessa epoca surge o 1º codigo de menores e define MENOR como marginal delinquente , que não sabe viver na sociedade  Adolescente so pode ficar na fundação casa ate os 21 anos (limite de 3 anos de permanencia)  MENOR também é fruto de familia desorganizada  Politica de Bem estar do menor 1964 – 9 meses depois se cria a FUNABEM – não foi criada para proteger, mas para pesquisar e realizar maneiras de “limpar” a sociedade
  • 3.  Com o ECA surgem leis mais concretas e novos termos  CAP 1 – criança e adolescente tem direito em qualquer situação  Art 5º ao nascer a criança tem que ficar com a mae  Artº 8 politicas de seguridade = saude  CAP 2 – Direito de liberdade e etc  CAP 3 – art 19 – direito a ser criado em uma familia livre de presença de pessoas dependentes  Inciso 1 – sobre abrigo – avaliação de 6 em 6 meses
  • 4.  Art 23 – filhos agregados tem direitos iguais  Art 28 – familia substituta  Art 39 – adoção  CAP 4 – direito de educação, cultura, esporte, lazer e etc.  CAP 5 – direito de profissionalização  Art 81 – proibido a venda de armas e revistas improprias e etc  Art 83 – autorização para viajar
  • 5.  No antigo codigo de menores usava-se a REPRESÃO no ECA se usa a PROTEÇÃO INTEGRAL  Politicas de atendimento:  Cada municipio tem sua politica – descentralizado  Quem é responsavel: Estado, municipios, uniao e instituições  Carater basico = direito a convivencia familiar ou substituta  Crianças e idosos tem preferencia nas politicas Art 98 quando os direitos são violados ou por omissao o juiz interfere
  • 6.  Art 103 – crime não corresponde a menores de 18 anos = ato infracional  Art 106 – nenhum adolescente pode ser privado de liberdade  Art 108 – adolescente não é presso ele é “apreendido” SE pego em flagrante
  • 7.  ART 2º - define qndo se é criança (0 aos 12 anos incompletos) e quando se é adolescente (12 aos 18 incompletos)  Excepcionalmente o maior de 18 e menor de 21 podera ser considerado  PRINCÍPIOS DO ECA:   1. Princípio da Prevenção Geral   2. Princípio da Prevenção Especial   3. Princípio do Atendimento Integral   4. Princípio da Garantia Prioritária   5. Princípio da Proteção Estatal   6. Princípio da Prevalência do Interesse do Menor   7. Princípio da Indisponibilidade do Direito do Menor   8. Princípio da Reeducação e Reintegração   9. Princípio do Sigilo   10. Princípio da Gratuidade   11. Princípio do Contraditório   12. Princípio do Compromisso
  • 8. FAMÍLIA NATURAL, FAMÍLIA SUBSTITUTA E FAMÍLIA EXTENSA:  A FAMÍLIA NATURAL é aquela que tem vínculo biológico, ou seja, é formada pelos genitores e a prole.  A FAMÍLIA SUBSTITUTA é uma forma de medida de proteção ao menor e deve ser feita em última hipótese, vez que deve prevalecer o convívio do menor em sua família natural. Tem como formas a guarda, tutela e adoção.  A FAMÍLIA EXTENSA OU AMPLIADA é uma figura criada na Lei 12010/09 e significa os parentes do menor com quem este conviva e tenha afinidade. Trata-se de uma forma de colocar o menor em família que não a natural.
  • 9. ADOÇÃO  Trata-se de um ato jurídico que cria relação de filiação entre as pessoas.  No ordenamento jurídico brasileiro, a adoção é plena, de forma que é irrevogável e rompe com os vínculos biológicos antigos  (salvo para impedimentos matrimoniais).  Não se pode ter adoção por procuração. É sempre pessoal.
  • 10. ADOÇÃO  Requisitos para adoção:   i) o adotante precisa ter uma diferença de 16 anos do menor adotando;   ii) os adotantes devem ser maiores de 18 anos;   iii) reais vantagens para o adotando – ou seja, motivo legítimo – formar uma família.   iv) consentimento dos pais biológicos;   Exceto se estiverem falecidos, desaparecidos, forem desconhecidos ou destituídos do poder familiar.   **Não há limite de idade. Antes, falava-se em idade de 50 anos no máximo. Agora não existe mais.   Impedimentos:   i) ascendente não adota descendente – para preservar a linha de sucessão. Exemplo: avô adotar neto.   **Os tios podem adotar.
  • 11. ADOÇÃO  Modalidades de adoção:  i) adoção conjunta:  Quando feita por um casal casado ou que conviva em união estável.  **a adoção pode ser realizada por casais separados/divorciados se no início do processo eles ainda eram um casal. Deve haver,no entanto, consenso e o estágio de convivência deve ter ocorrido durante o casamento/união.  ii) adoção póstuma:  Quando, durante o processo de adoção, o adotante falece. No entanto, se a declaração de vontade for irrefutável, no sentido de querer adotar, a adoção será deferida e os efeitos da sentença retroagirão para que o adotando possa suceder ao falecido.  iii) adoção unilateral:  É feito por uma pessoa que conviva ou seja casado com a mãe/pai do menor.  iv) adoção internacional:  v) adoção intuito personae:  Para alguns, foi retirada do ordenamento jurídico pela Lei 12010/09, tendo em vista a necessidade de os adotantes terem inscrição no cadastro de adoção.  Essa adoção é aquela em que os pais consentem na adoção a um terceiro conhecido em que haja uma confiança especial (intuito personae). O problema é que muitas vezes pode se tratar de uma forma de burlar a fila da adoção, bem como na venda de crianças.  vi) adoção à brasileira:  É aquela em que o adotante adota o adotando como se fosse seu filho semo procedimento específico da adoção. Exemplo: sujeito encontra uma criança abandonada e a registra como filho.
  • 12.  Constituição da adoção:  A partir do trânsito em julgado da sentença. No caso de adoção pós morte, no momento do falecimento – os efeitos da sentença retroagem.  Efeitos da adoção:  i) apesar de romper com os vínculos anteriores, estes continuam para fins de impedimento de casamento (não mantém obrigações alimentares);  ii) cria a relação de filiação, ou seja, o adotando passa a ser filho do adotante, sendo proibida a discriminação;  iii) cria direitos sucessórios recíprocos;  iv) a morte do adotante não restabelece o poder familiar dos pais biológicos;  v) dever de alimentos recíprocos;
  • 13. TUTELA Trata-se de um encargo assistencial, significando cuidar, dentro outros, da educação da criança em que não haja poder familiar. Pressupostos da tutela: i) falecimento dos pais, interdição dos pais, abandono ou destituição do poder familiar; Importante notar que, na nomeação, deve-se respeitar a seguinte ordem: 1. se os pais que faleceram deixaram em testamento a indicação de alguém para cuidar dos filhos (tutela testamentária). 2. buscar dentre os parentes quem possa efetivamente cuidar da criança ou do adolescente (tutela legítima). 3. se não houver parentes ou forem inidôneos, decreta-se a tutela dativa. PODER FAMILIAR: Surge da filiação. 1. múnus público; 2. irrenunciável; 3. inalienável; 4. imprescritível; 5. intransferível; 6. cria um vínculo de autoridade;
  • 14. Destituição do Poder Familiar:   Ocorre através de ato judicial por conduta incompatível com a conduta de pai e mãe.   Guarda de filhos: Há 5 tipos de guarda (que não se confundem com a medida de proteção do ECA):   i) individual (família monoparental);   ii) concomitante;   iii) alternada;   iv) por nidação (aninhamento);   v) compartilhada; 
  • 15. MEDIDAS DE PROTEÇÃO  Ocorrem sempre que a criança ou o adolescente estiverem em situação de risco,  a qual está prevista no artigo 98 e desloca a competência para a vara da infância e juventude.  Importante notar que podem ser aplicadas em conjunto e não apenas isoladamente.  Durante a medida de proteção, o menor deve ter contato com a família.
  • 16. PRINCIPIOS DAS MEDIDAS Princípios que regem a aplicação da medida de proteção: Foram incluídos pela Lei 12010. i) toda aplicação de medida de proteção precisa ter em mente a condição do menor como sujeito de direitos; ii) princípio da proteção integral e prioritária; iii) princípio da responsabilidade primária e solidária do Poder Público; iv) princípio do melhor interesse da criança e do adolescente; v) princípio da privacidade; vi) princípio da intervenção precoce; vii) princípio da intervenção mínima; viii) princípio da proporcionalidade e razoabilidade; ix) princípio da responsabilidade parental; x) princípio da prevalência da família; xi) princípio do direito à informação; xii) oitiva do menor;
  • 17. As medidas de proteção estão elencadas no artigo 101 do ECA: Medidas que o Conselho Tutelar pode aplicar sem intervenção judicial: 1 - encaminhamento aos pais ou responsável, mediante termo de responsabilidade; 2 - orientação, apoio e acompanhamento temporários; 3 - matrícula e frequência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino fundamental; 4 - inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio à família, à criança e ao adolescente; 5 - requisição de tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em regime hospitalar ou ambulatorial; 6 - inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos;
  • 18. Medidas que só o Juiz pode aplicar: 7 - acolhimento institucional; **no passado era chamado de abrigo e orfanato. 8 - inclusão em programa de acolhimento familiar; 9 - colocação em família substituta.
  • 19. CONSELHO TUTELAR:  Trata-se de uma forma de participação da sociedade nos direitos da criança e do adolescente.  É um órgão permanente e autônomo, desvinculado do Poder Judiciário.  Em cada município deve haver, no mínimo, 1 Conselho Tutelar, composto por 5 membros.  As atribuições do Conselho Tutelar estão previstas no artigo 136 do ECA.
  • 20. MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS A medida socioeducativa só é aplicável ao adolescente. E se a criança cometer um ato infracional? Como regra geral, aplica-se uma medida de proteção. As medidas socioeducativas estão elencadas no artigo 112 do ECA: 1. advertência; 2.obrigação de reparar o dano; 3. prestação de serviços à comunidade; 4. liberdade assistida; 5. inserção em regime de semi-liberdade; 6. internação em estabelecimento educacional; 7. qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.
  • 21.  Aplicação de medidas socioeducativas  ADVERTENCIA = comete um ato infracional leve (ex agressão verbais) é advertido formalmente e seu processo fica nos registros  OBRIGAÇÃO DE REPARA O DANO = devolução do valor monetario ou material da vitima, tem que ser voluntariamente pedida pelo adolescente  PSC – PRESTAÇÃO DE SERVIÇO A COMUNIDADE = carater educativo, não pode ultrapassar 4 h, para que o adolescente perceba a gravidade de seu ato  LA – LIBERDADE ASSISITIDA = são inseridos na medida protetiva especial com a familia. Acompanhamento de 6 meses  SEMI ABERTO – avaliado de 6 em 6 meses. Sai de dia e volta a noite  INTERNAÇÃO – excepcional
  • 22. APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL: i) é regulamentada pelo ECA (artigo 171 e seguintes); ii) aplica-se subsidiariamente o CPP e o CPC (no que se refere aos recursos, por exemplo); Havendo representação, antes da produção de provas, o juiz pode determinar a internação provisória, o que deve ocorrer em entidade de atendimento especializada em internação provisória (45 dias). A competência é da vara da infância e juventude em não da vara criminal.
  • 23.  Poder Judiciário:  O acesso à justiça é uma garantia delineada no artigo 141 do ECA:   Art. 141. É garantido o acesso de toda criança ou adolescente à Defensoria Pública, ao Ministério Público e ao Poder Judiciário, por qualquer de seus órgãos.  § 1º. A assistência judiciária gratuita será prestada aos que dela necessitarem, através de defensor público ou advogado nomeado.  § 2º As ações judiciais da competência da Justiça da Infância e da Juventude são isentas de custas e emolumentos, ressalvada a hipótese de litigância de má-fé.
  • 24.  Intervenção precoce: se for demorar para chegar à autoridade correta, pode-se invocar esse princípio para outra autoridade decidir.   A Lei 12010 foi invocada nos casos da pulseira do sexo. O juiz que proibiu a venda dessas pulseiras invocou o princípio da intervenção precoce.