Didática e o fazer docente

4.373 visualizações

Publicada em

Apr

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.373
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Didática e o fazer docente

  1. 1. Universidade do Estado do Rio de Janeiro<br />Didática<br />Didática e o fazer docente<br />Alunos: Aldo Silva;<br />Daniele Silva;<br />Gabriela Bezerra.<br />
  2. 2. A didática como atividade pedagógica escolar<br />“A Didática é, pois, uma das disciplinas da Pedagogia que estuda o processo de ensino através de seus componentes – os conteúdos escolares, o ensino e a aprendizagem – para, com o embasamento numa teoria da educação, formular diretrizes orientadoras da atividade profissional dos professores.<br />É, ao mesmo tempo, uma matéria de estudo fundamental na formação profissional dos professores e um meio de trabalho do qual os professores se servem para dirigir a atividade de ensino, cujo resultado é a aprendizagem dos conteúdos escolares pelos alunos.” <br />(Libâneo, 1994, p. 52)<br />
  3. 3. Didática e conhecimento<br />“A didática é uma seção ou um ramo da Pedagogia. Refere-se ao ensino e aos processos próprio para a construção do conhecimento” <br />(Santos, 2009, p. 12) <br />
  4. 4. Contexto e técnica<br />Embasada pela dimensão político-social e pelo aspecto técnico metodológico a DIDÁTICA assegurará o processo ensino/aprendizagem.<br />
  5. 5. Tendências Pedagógicas<br />
  6. 6. Cada tendência pedagógica traz a influência das forças sociais nas atividades escolares, afinal, toda e qualquer proposta pedagógica antes de ser pedagógica, é POLÍTICA.<br />
  7. 7. Tradicional<br />“ A Didática, nessa tendência, está embasada na transmissão cultural, concebendo o aluno como passivo, atribuindo um caráter dogmático aos conteúdos de ensino e percebendo o professor como figura principal do processo ensino aprendizagem.”<br />(Santos, 2009, p. 21) <br />
  8. 8. Crítica Libertadora<br />“a valorização do cotidiano do aluno; a construção de uma práxis educativa que estimulava a sua consciência crítica, tornando-o sujeito de sua própria história; o diálogo amoroso entre professor e aluno; o professor como mediador entre o aluno e o conhecimento; o ensino dos conteúdos desvelando a realidade.”<br />(Santos, 2009, p. 27) <br />
  9. 9. Conclusão<br />Imersa em um contexto, cada tendência pedagógica é embasada por uma concepção político-filosófico. Trazemos em nós as marcas de cada uma delas , em virtude da nossa herança social, cultural e histórica. Portanto, torna-se evidente que a DIDÁTICA não pode ser desvinculada da realidade, pois, educar para transformar conforme Freire, é posicionar-se como quem luta, logo, ao invés de se adaptar no mundo é inserir-se nele “... para não ser apenas objeto, mas sujeito também da história.” (1996, p. 54)<br />
  10. 10. Referências:<br />Libâneo, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.<br />Santos, Ana Lúcia Cardoso dos. Didática. V. 2, 3. ed. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2009.<br />Freire, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996.<br />

×