CANA DE AÇUCAR - CULTIVO
Origem (sudoeste da ásia, Índia, Java e 
Nova Guiné – Fahl et al., 1998)
Classificação botânica 
• Divisão: Magnoliophyta 
• Subdivisão: Angiosperma 
• Classe: Liliopsida 
• Subclasse: Commilinid...
Classificação botânica 
• Planta cultivada: híbrido multiespecífico, 
Saccharum spp. 
• S. spontaneum 
• S. robustum 
• S....
Composição
Histórico no Brasil 
• Primeira espécie: Saccharum officinarum L., 
(Ilha da madeira, 1502). 
• Alto teor de açúcar, porte...
Histórico no Brasil
Brasil 
(IBGE – dez/2010) 
• Produção: 729.559.596 (t); 
• Área: 9.191.255 (ha); 
• Produtividade: 79.375 (kg Ha-1).
Brasil 
(IBGE – produção t - dez/2010) 
• São Paulo: 400.539.320; 
• Minas Gerais: 58.384.105; 
• Paraná: 55.331.668; 
• G...
Aspectos gerais 
• Cultivada comercialmente: + de 70 países. 
• Maiores produtores: Brasil, Índia, Cuba, 
México, China. 
...
Processo agrícola
Espaçamento
Plantio 
• Profundidade de sulcos: 20 e 30 cm. 
• Sulcos muito rasos: soqueiras com brotação 
superficial e touceiras mais...
Influência das condições físicas do solo sobre 
produção agrícola e população de colmos 
(adaptada de Fernandes et al. 198...
Plantio 
• Colmos: não necessitam de serem cortados 
em toletes, produtividade t ha-1 e açúcar 
teórico recuperável não se...
Plantio 
• Corte do colmo em toletes: melhor ‘acomodação’ 
e mesma profundidade dentro do sulco de plantio. 
Colmo inteiro...
Plantio 
• Nº médio ideal de perfilhos germinados: 
12 por metro. 
• Colmos: cobertos por camada de 5 a 10 cm 
de terra, q...
Plantio 
• Evitar Despalhamento: palhas protegem gemas 
contra ferimentos (impediriam ou retardariam 
germinação). 
• Colm...
Plantio 
• Colmos: cobertos com 5 a 10 cm de terra, 
quantidade maior prejudica emergência dos 
perfilhos (Paranhos, 1987;...
Plantio
Plantio
Alternado 0,90 x 1,60 m
Plantio 
• Solos arenosos: espaçamento de 1,0 m 
com produtividade superior do que de 1,4 m; 
• Solos argilosos: sem difer...
Plantio 
• Corte de mudas; 
• Distribuição no sulco; 
• Corte dos colmos em pedaços menores, 
dentro do sulco; 
• Cobertur...
Corte de mudas 
(3 a 5 t pessoa-1 dia-1) 
PONTA PÉ
Sistema de ano e meio 
• Plantio: janeiro a março. 
• Início do desenvolvimento: com seca e 
inverno, crescimento é muito ...
Sistema de ano e meio (18 meses) 
• Janeiro a março: ideal para plantio, devido 
boas condições de temperatura e umidade, ...
Sistema de ano (12 meses) 
• Algumas regiões: plantio no período de 
outubro a novembro. 
• Usado de forma restrita (clima...
Plantio de inverno 
• Torta de filtro (70 a 80% de umidade): 
aplicada no sulco de plantio, possível plantar 
mesmo no per...
Plantio 
• 1,0 m a 1,8 m (entrelinhas); 
• Profundidade do sulco: 20 a 30 cm; 
• Solos arenosos: espaçamentos mais 
estrei...
Plantio 
• Colheita mecanizada: espaçamento deve 
ser de ao menos 1,5 m para evitar 
pisoteamento e compactação das linhas...
Quantidade de mudas 
• 10 e 15 t ha-1: Época de plantio adequada e 
qualidade da muda (< quantidades de mudas). 
• Mudas d...
Espaçamento 
• Menores: 1,40 m faz colhedora pisar 
na linha da planta vizinha à que está 
sendo colhida e tombe planta.
Tráfego de máquinas na 
colheita manual e 
carregamento mecanizado 
(caminhão e carregadora 
da esquerda para a direita). ...
Plantio convencional 
• Operações de aração e gradagem, 
quando solo apresenta camada 
compactada, faz-se rompimento por 
...
Cultivo mínimo 
• Apenas 1 gradagem leve para remover 
soqueira remanescente, seguida da 
sulcação e adubação.
Plantio direto 
• Apenas operação de aplicação do 
herbicida para evitar desenvolvimento 
do canavial a ser reformado, sen...
Preparo com mínimo ou nenhum 
revolvimento do solo 
• Cada vez mais utilizado: inúmeros 
benefícios, como melhoria da estr...
Cultivo mínimo (vantagens) 
• Plantio em épocas chuvosas: antecipação 
do plantio em até alguns meses. 
• Utilização mais ...
Cultivo mínimo (desvantagens) 
• Não aplicar: onde há necessidade de mudar 
esquema de campo e alinhamento das ruas, 
real...
Cultivo mínimo (desvantagens) 
• Não aplicar: onde há necessidade de 
combater pragas da soqueira através da 
exposição e ...
Irrigação por gotejamento
Plantio
Plantio
Cobertura dos toletes em 2 linhas de sulco de 
plantio, com aplicação do inseticida de solo.
Todas operações de 1 só vez, 2 adubadeiras, 
2 sulcadores, aplicação de inseticidas pragas de solo, 
cana inteira e 2 linh...
Todas operações de plantio 
mecanizado de única vez (2 linhas) 
Rendimento: 1 ha hora-1
Cobridor de mudas (Cosan)
Colheita
Colheita
Colheita - transporte
Colheita
Reboque transbordo para cana picada 
com capacidade para 10,5 t
Reboque Transbordo Cana Plantio para cana Picada 
(articula 3 cestos individualmente de 6,5 t)
Colheitadeira
Sulcador/subsolador de 2 linhas 
com aplicador de adubos
Processamento 
• Colmo (caule): esmagado = caldo 
concentrado por fervura = mel (açúcar 
cristalizado, subproduto melaço o...
Processamento 
• Fibras: principais componentes do bagaço. 
• Produção de energia elétrica: queima e 
produção de vapor em...
Processamento 
(resíduos agroindustriais) 
• Torta de filtro (lodo): clarificação do caldo e 
bagacilho, muito rica em fós...
Fluxograma de programa de 
melhoramento genético
Estes slides são concedidos sob uma Licença Creative 
Commons sob as condições de Atribuição, Uso Não- 
Comercial e Compar...
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo

3.381 visualizações

Publicada em

PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo

Publicada em: Educação
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
373
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROF. LUIZ HENRIQUE - Cana de açucar cultivo

  1. 1. CANA DE AÇUCAR - CULTIVO
  2. 2. Origem (sudoeste da ásia, Índia, Java e Nova Guiné – Fahl et al., 1998)
  3. 3. Classificação botânica • Divisão: Magnoliophyta • Subdivisão: Angiosperma • Classe: Liliopsida • Subclasse: Commilinidae • Família: Poaceae (= Graminae) • Tribo: Andropogonae • Subtribo: Saccharininae • Gênero: Saccharum
  4. 4. Classificação botânica • Planta cultivada: híbrido multiespecífico, Saccharum spp. • S. spontaneum • S. robustum • S. officinarum • S. barberi • S. sinense • S. edule
  5. 5. Composição
  6. 6. Histórico no Brasil • Primeira espécie: Saccharum officinarum L., (Ilha da madeira, 1502). • Alto teor de açúcar, porte elevado, colmo grosso e pouco teor de fibras. • Século XlX: denominada “Creoula”, “Mirim” ou “Cana da terra”, para distinguir dos novos cultivares importados (Lima, 1984).
  7. 7. Histórico no Brasil
  8. 8. Brasil (IBGE – dez/2010) • Produção: 729.559.596 (t); • Área: 9.191.255 (ha); • Produtividade: 79.375 (kg Ha-1).
  9. 9. Brasil (IBGE – produção t - dez/2010) • São Paulo: 400.539.320; • Minas Gerais: 58.384.105; • Paraná: 55.331.668; • Goiás: 44.064.470; • Mato Grosso do Sul: 28.627.005; • Alagoas: 27.468.000; • Bahia: 5.562.828.
  10. 10. Aspectos gerais • Cultivada comercialmente: + de 70 países. • Maiores produtores: Brasil, Índia, Cuba, México, China. • Brasil: cultivada desde descobrimento.
  11. 11. Processo agrícola
  12. 12. Espaçamento
  13. 13. Plantio • Profundidade de sulcos: 20 e 30 cm. • Sulcos muito rasos: soqueiras com brotação superficial e touceiras mais rasas com sensíveis quedas de produção e maiores riscos de acamamento. • Sulcos muito profundos em solo que não foi revolvido: dificulta penetração e desenvolvimento das raízes. (Berto, 1986; Paranhos, 1987).
  14. 14. Influência das condições físicas do solo sobre produção agrícola e população de colmos (adaptada de Fernandes et al. 1983) N° de Passadas de Trator
  15. 15. Plantio • Colmos: não necessitam de serem cortados em toletes, produtividade t ha-1 e açúcar teórico recuperável não se altera em função do plantio da cana inteira ou picada. • Corte em toletes: demanda uma maior quantidade de mão de obra e tempo gasto no plantio.
  16. 16. Plantio • Corte do colmo em toletes: melhor ‘acomodação’ e mesma profundidade dentro do sulco de plantio. Colmo inteiro: evitar corte da ponta (levantamento do colmo plantado para fora do sulco). • Despalhamento evitado: palhas protegem as gemas contra ferimentos que impediriam ou retardariam sua germinação. • Colmos dispostos no sulco: pé com ponta (não deixar espaços sem gemas entre pé e ponta).
  17. 17. Plantio • Nº médio ideal de perfilhos germinados: 12 por metro. • Colmos: cobertos por camada de 5 a 10 cm de terra, quantidade maior prejudica emergência dos perfilhos (Paranhos, 1987; Brito, 1988; Mutton, 1990; Quintela, 1996). • Tratamento dos colmos: cupins (destroem sistema radicular).
  18. 18. Plantio • Evitar Despalhamento: palhas protegem gemas contra ferimentos (impediriam ou retardariam germinação). • Colmos: dispostos no sulco de acordo que fique pé com ponta (não deixar espaços sem gemas entre pé e ponta). • Nº médio ideal de perfilhos germinados: 12 m-1.
  19. 19. Plantio • Colmos: cobertos com 5 a 10 cm de terra, quantidade maior prejudica emergência dos perfilhos (Paranhos, 1987; Brito, 1988; Mutton, 1990; Quintela, 1996). • Tratamento dos colmos: cupins (destroem sistema radicular).
  20. 20. Plantio
  21. 21. Plantio
  22. 22. Alternado 0,90 x 1,60 m
  23. 23. Plantio • Solos arenosos: espaçamento de 1,0 m com produtividade superior do que de 1,4 m; • Solos argilosos: sem diferenças expressivas estatisticamente; • Espaçamento alternativo: 1,6 x 0,9 m com produtividades semelhantes para ambos os solos.
  24. 24. Plantio • Corte de mudas; • Distribuição no sulco; • Corte dos colmos em pedaços menores, dentro do sulco; • Cobertura.
  25. 25. Corte de mudas (3 a 5 t pessoa-1 dia-1) PONTA PÉ
  26. 26. Sistema de ano e meio • Plantio: janeiro a março. • Início do desenvolvimento: com seca e inverno, crescimento é muito lento durante 5 meses (abril a agosto), vegetando nos 7 meses subsequentes (setembro a abril), amadurecendo nos meses seguintes, até completar 16 a 18 meses.
  27. 27. Sistema de ano e meio (18 meses) • Janeiro a março: ideal para plantio, devido boas condições de temperatura e umidade, garantindo desenvolvimento das gemas. • Possibilita: brotação rápida, reduzindo incidência de doenças nos toletes.
  28. 28. Sistema de ano (12 meses) • Algumas regiões: plantio no período de outubro a novembro. • Usado de forma restrita (clima).
  29. 29. Plantio de inverno • Torta de filtro (70 a 80% de umidade): aplicada no sulco de plantio, possível plantar mesmo no período de estiagem (fornece umidade necessária para brotação. • Fertirrigação com vinhaça ou irrigação: plantio pode ocorrer praticamente ano todo.
  30. 30. Plantio • 1,0 m a 1,8 m (entrelinhas); • Profundidade do sulco: 20 a 30 cm; • Solos arenosos: espaçamentos mais estreitos, 1,0 m a 1,20 m permitem fechamento da entrelinha mais rapidamente, facilitando controle do mato.
  31. 31. Plantio • Colheita mecanizada: espaçamento deve ser de ao menos 1,5 m para evitar pisoteamento e compactação das linhas da planta pelas rodas das máquinas. • Solos férteis: espaçamento mais comum é de 1,5 m;
  32. 32. Quantidade de mudas • 10 e 15 t ha-1: Época de plantio adequada e qualidade da muda (< quantidades de mudas). • Mudas de plantas jovens 8 a 10 meses: condições ótimas, bem fertilizadas, controle de pragas e doenças (12 gemas por metro de sulco). • Plantio em épocas de estiagem: 15 a 18 gemas por metro.
  33. 33. Espaçamento • Menores: 1,40 m faz colhedora pisar na linha da planta vizinha à que está sendo colhida e tombe planta.
  34. 34. Tráfego de máquinas na colheita manual e carregamento mecanizado (caminhão e carregadora da esquerda para a direita). COM QUEIMA. Tráfego de máquinas na colheita mecanizada com colhedora (Transbordo e colhedora da esquerda para a direita). SEM QUEIMA.
  35. 35. Plantio convencional • Operações de aração e gradagem, quando solo apresenta camada compactada, faz-se rompimento por meio de subsolagem.
  36. 36. Cultivo mínimo • Apenas 1 gradagem leve para remover soqueira remanescente, seguida da sulcação e adubação.
  37. 37. Plantio direto • Apenas operação de aplicação do herbicida para evitar desenvolvimento do canavial a ser reformado, sendo operação de sulcação efetuada diretamente nas entrelinhas das plantas existentes no local (SEGATO et al., 2006).
  38. 38. Preparo com mínimo ou nenhum revolvimento do solo • Cada vez mais utilizado: inúmeros benefícios, como melhoria da estrutura, porosidade, retenção e infiltração da água no solo (DUARTE JUNIOR e COELHO, 2008). • Atividade biológica: conteúdo de carbono orgânico e nitrogênio total do solo, capacidade de troca de cátions e conteúdos de nutrientes (HAMZA e ANDERSON, 2005).
  39. 39. Cultivo mínimo (vantagens) • Plantio em épocas chuvosas: antecipação do plantio em até alguns meses. • Utilização mais intensa da área de plantio: intervalo entre colheita e replantio menor. • Redução: da erosão. • Redução: uso de máquinas, implementos e combustível. • Controle: plantas daninhas, tiririca e grama-seda (PEDROTTI et al., 2001).
  40. 40. Cultivo mínimo (desvantagens) • Não aplicar: onde há necessidade de mudar esquema de campo e alinhamento das ruas, realizar sulcação ao lado do alinhamento e espaçamento antigo (esperar translocação do herbicida - 15 dias) (HADLOW e MILLARD, 1977). • Não aplicado: áreas que necessitam de calcário.
  41. 41. Cultivo mínimo (desvantagens) • Não aplicar: onde há necessidade de combater pragas da soqueira através da exposição e fragmentação (Migdolus e Metamasius). • Dificuldade de aplicar: com adubação verde e posteriormente incorporá-la ao solo (AZEVEDO, 2008).
  42. 42. Irrigação por gotejamento
  43. 43. Plantio
  44. 44. Plantio
  45. 45. Cobertura dos toletes em 2 linhas de sulco de plantio, com aplicação do inseticida de solo.
  46. 46. Todas operações de 1 só vez, 2 adubadeiras, 2 sulcadores, aplicação de inseticidas pragas de solo, cana inteira e 2 linhas de plantio. Rendimento: 5 ha dia-1
  47. 47. Todas operações de plantio mecanizado de única vez (2 linhas) Rendimento: 1 ha hora-1
  48. 48. Cobridor de mudas (Cosan)
  49. 49. Colheita
  50. 50. Colheita
  51. 51. Colheita - transporte
  52. 52. Colheita
  53. 53. Reboque transbordo para cana picada com capacidade para 10,5 t
  54. 54. Reboque Transbordo Cana Plantio para cana Picada (articula 3 cestos individualmente de 6,5 t)
  55. 55. Colheitadeira
  56. 56. Sulcador/subsolador de 2 linhas com aplicador de adubos
  57. 57. Processamento • Colmo (caule): esmagado = caldo concentrado por fervura = mel (açúcar cristalizado, subproduto melaço ou mel final). • Colmo: consumido in natura (mastigado), ou caldo de cana e rapadura. • Caldo: etanol (fermentação) e bebidas como cachaça ou rum e outras bebidas alcoólicas.
  58. 58. Processamento • Fibras: principais componentes do bagaço. • Produção de energia elétrica: queima e produção de vapor em caldeiras que tocam turbinas. • Etanol: hidrólise enzimática ou outros processos que transformam celulose em açucares fermentáveis.
  59. 59. Processamento (resíduos agroindustriais) • Torta de filtro (lodo): clarificação do caldo e bagacilho, muito rica em fósforo (adubo). • Vinhaça: subproduto da produção de álcool, com elevados teores de potássio, água e outros nutrientes (irrigar e fertilizar). • Biomassa: produção de biogás (metano e gás carbônico).
  60. 60. Fluxograma de programa de melhoramento genético
  61. 61. Estes slides são concedidos sob uma Licença Creative Commons sob as condições de Atribuição, Uso Não- Comercial e Compartilhamento pela mesma Licença, com restrições adicionais: • Se você é estudante, você não está autorizado a utilizar estes slides (total ou parcialmente) em uma apresentação na qual você esteja sendo avaliado, a não ser que o professor que está lhe avaliando: a) lhe peça explicitamente para utilizar estes slides; b) ou seja informado explicitamente da origem destes slides e concorde com o seu uso. Mais detalhes sobre a referida licença veja no link: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/ Autor: Prof. Luiz Henrique Batista Souza Disponibilizados por Daniel Mota (www.danielmota.com.br) sob prévia autorização.

×