SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
ÁGUA
Camada de solvatação
Mestranda: Danielle Oliveira Borges
Pós-graduação em engenharia e ciência de alimentos
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
POLARIDADE DA ÁGUA
 O átomo de O é mais eletronegativo que os de H;
 resulta que a molécula de água se torna polar
Figura 1. Esquematização da polaridade da molécula de água
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
POLARIDADE DA ÁGUA
Essa polaridade da molécula de água está associada às
propriedades físico-químicas
 Ponto de Fusão;
 Ponto de Ebulição
 Capacidade de dissolver sólidos iônicos.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
PROPRIEDADES DISSOLVENTES DA ÁGUA
Dissolução de sais: produção de íons + e - que se rodeiam
de moléculas de água formando compostos muito estáveis
e cujo grau de hidratação depende da
densidade da carga do íon
poder polarizante = carga total do íon
raio iônico
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Figura 3 - Tamanho do
raio iónico e do raio
atómico de alguns
elementos na tabela
periódica (unidade =
pm). Os átomos
(espécie neutra) são
representados a cor
cinza,
Os catiõese aniões sã
o representados
avermelho e azul,
respectivamente.
Adaptado
de: Wikipédia
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Por ser polar, a água aproxima-se dos íons que
formam um composto iônico (sólido) pelo pólo de
sinal contrário à carga de cada íon, conseguindo assim
anular suas cargas e desprendê-los do resto do sólido.
CAMADA DE SOLVATAÇÃO
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Uma vez separado do sólido, os íons são rodeados por
moléculas de água, evitando que eles regressem ao sólido.
CAMADA DE SOLVATAÇÃO
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Figura 2. Etrutura cristalina do NaCl, em que o cátion (Na+) atrai a carga negativa do
cloreto (Cl-) por ligação iônica e a dissolução de seus íons em água, em que se observa
a formação da camada de solvatação em torno dos íons sódio e cloreto.
Fonte: Nelson e Cox, 2002.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Ex: Iodeto de
potássio (KI)
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Figura ?: Camada de solvatação do íon de potássio.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Figura ?: Camada de solvatação do íon iodeto.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Uma vez que a quebra e formação de ligações envolvem
absorção e liberação de energia, há uma alteração de
temperatura que é notada na solução. Alguns sais, quando
adicionados à água, resulta no aquecimento da solução,
por outro lado com a maioria dos sais resultam num
abaixamento de temperatura.
CAMADA DE SOLVATAÇÃO
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
A água é um bom dissolvente pois tem uma constante
dielétrica (D) muito alta, que por definição é uma
medida da tendência do solvente a opor-se às forças
eletrostáticas de atração entre íons com cargas opostas.
PROPRIEDADES DISSOLVENTES DA ÁGUA
Onde: F é a força de atração
entre dois íons de cargas
opostas e1 e e2 e r são as
distâncias entre eles.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
QUADRO 1 – Constante dielétrica (D) de alguns líquidos a 20°C
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
A água também dissolve muitas outras substancias não
iônicas mas com caráter polar, como açúcares, alcoóis,
aldeídos, cetonas, aminoácidos, entre outros, por meio de
pontes de hidrogênio.
PROPRIEDADES DISSOLVENTES DA ÁGUA
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
solutos apolares: facilitam a formação de CLATRATOS
(estruturas cristalinas, formados por moléculas de água
unidas por ligação de hidrogênio, sendo capazes de
“aprisionar” moléculas hidrofóbicas);
 Os clatratos formados possuem espaços vazios onde os
solutos apolares podem se localizar, obrigando as moléculas
de água a reagir mais fortemente entre elas através de
pontes de hidrogênio.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Figura 3. Formação de clatratos em moléculas hidrofóbicas.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
Figura 4. Formação de micelas e da bicamada através de moléculas anfifílicas.
Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BOBBIO, F.O.; BOBBIO, P.A. Introdução à química de alimentos. 3. ed. São Paulo:
Varela, 2003. 238p.
BOES, E.S. Estudo teórico da sovatação de ânions em solventes orgânicos. 2005.
Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Química, Instituto de
Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosJosé Nunes da Silva Jr.
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaMario Monteiro
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Aldo Henrique
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃOEzequias Guimaraes
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Ivys Antônio
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoJosé Nunes da Silva Jr.
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
MicroscopiaCatir
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasIlana Moura
 
Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3
Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3
Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3Maiquel Vieira
 
Aula 25 reações radicalares
Aula 25  reações radicalaresAula 25  reações radicalares
Aula 25 reações radicalaresGustavo Silveira
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃOEzequias Guimaraes
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidosLéo Morais
 

Mais procurados (20)

Ciclo de born_haber
Ciclo de born_haberCiclo de born_haber
Ciclo de born_haber
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017
 
Teoria das práticas CE0873
Teoria das práticas  CE0873Teoria das práticas  CE0873
Teoria das práticas CE0873
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3
Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3
Aula de química para o Enem - Reação de Neutralização e Óxidos - Módulo 3
 
Roteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica IRoteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica I
 
Aula 25 reações radicalares
Aula 25  reações radicalaresAula 25  reações radicalares
Aula 25 reações radicalares
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 

Destaque

membrana celular e citoesqueleto
 membrana celular e citoesqueleto membrana celular e citoesqueleto
membrana celular e citoesqueletomaxmiller18
 
Quimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaQuimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaVanessa Alonso
 
Termoquimica e calculos quimicos
Termoquimica e calculos quimicosTermoquimica e calculos quimicos
Termoquimica e calculos quimicosCarneiro84
 
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7   8 propriedades físicas - forças intermolecularesAula 7   8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermolecularesGustavo Silveira
 
Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)
Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)
Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)mesifer
 
CFQ: Soluções
CFQ: SoluçõesCFQ: Soluções
CFQ: Soluções7F
 
Organismos unicelulares reinos monera y protista
Organismos unicelulares reinos monera y protistaOrganismos unicelulares reinos monera y protista
Organismos unicelulares reinos monera y protistafrimein
 
Organismos unicelulares
Organismos unicelularesOrganismos unicelulares
Organismos unicelularesmariaeugeniass
 
Validação de métodos analíticos - conceitos
Validação de métodos analíticos - conceitosValidação de métodos analíticos - conceitos
Validação de métodos analíticos - conceitosVanessa Rodrigues
 
Métodos de conservação
Métodos de conservaçãoMétodos de conservação
Métodos de conservaçãoVanessa Alonso
 
Concentração de soluções
Concentração de soluçõesConcentração de soluções
Concentração de soluçõeseufisica
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1César Milani
 

Destaque (20)

membrana celular e citoesqueleto
 membrana celular e citoesqueleto membrana celular e citoesqueleto
membrana celular e citoesqueleto
 
Quimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaQuimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-agua
 
Aula solubilidade
Aula  solubilidadeAula  solubilidade
Aula solubilidade
 
Termoquimica e calculos quimicos
Termoquimica e calculos quimicosTermoquimica e calculos quimicos
Termoquimica e calculos quimicos
 
Solubilidade 2013 csa_v2
Solubilidade 2013 csa_v2Solubilidade 2013 csa_v2
Solubilidade 2013 csa_v2
 
Coeficiente de solubilidade
Coeficiente de solubilidadeCoeficiente de solubilidade
Coeficiente de solubilidade
 
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7   8 propriedades físicas - forças intermolecularesAula 7   8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
 
Solubilidade
SolubilidadeSolubilidade
Solubilidade
 
Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)
Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)
Celulas eucariotas( difernecias eucariotas y procariotas)
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
 
CFQ: Soluções
CFQ: SoluçõesCFQ: Soluções
CFQ: Soluções
 
Organismos unicelulares reinos monera y protista
Organismos unicelulares reinos monera y protistaOrganismos unicelulares reinos monera y protista
Organismos unicelulares reinos monera y protista
 
A química da célula - CHO
A química da célula - CHOA química da célula - CHO
A química da célula - CHO
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
 
Organismos unicelulares
Organismos unicelularesOrganismos unicelulares
Organismos unicelulares
 
Validação de métodos analíticos - conceitos
Validação de métodos analíticos - conceitosValidação de métodos analíticos - conceitos
Validação de métodos analíticos - conceitos
 
Métodos de conservação
Métodos de conservaçãoMétodos de conservação
Métodos de conservação
 
Concentração de soluções
Concentração de soluçõesConcentração de soluções
Concentração de soluções
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
 

Semelhante a ÁGUA: camada de solvatação

Resumo teorico
Resumo teoricoResumo teorico
Resumo teoricoBIOGERALDO
 
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta ÁguaApostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta ÁguaBIOGERALDO
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.JulianaGimenes
 
Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]japquimica
 
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares  classificação quimiogénicasRochas sedimentares  classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares classificação quimiogénicasIsabel Lopes
 
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdfCaracterísticas Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdflucasjunges3
 
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte I
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte ICurso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte I
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte IInct Acqua
 
127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt
127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt
127498374745392_LigacoesQuimicas.pptCamila Libanio
 

Semelhante a ÁGUA: camada de solvatação (20)

Relações hídricas parte 1
Relações hídricas parte 1Relações hídricas parte 1
Relações hídricas parte 1
 
002 agua
002 agua002 agua
002 agua
 
Resumo teorico
Resumo teoricoResumo teorico
Resumo teorico
 
Relacoes hidricas
Relacoes hidricasRelacoes hidricas
Relacoes hidricas
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
 
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta ÁguaApostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
 
Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
 
Iii relacoes hidricas
Iii relacoes hidricasIii relacoes hidricas
Iii relacoes hidricas
 
Modelos particulas 2011
Modelos particulas 2011Modelos particulas 2011
Modelos particulas 2011
 
Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]
 
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares  classificação quimiogénicasRochas sedimentares  classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
 
Bioquimica completo
Bioquimica completoBioquimica completo
Bioquimica completo
 
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdfCaracterísticas Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
 
Aval 6 ano(agua)
Aval 6 ano(agua)Aval 6 ano(agua)
Aval 6 ano(agua)
 
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte I
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte ICurso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte I
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte I
 
Aula polímeros 2013_v2
Aula polímeros 2013_v2Aula polímeros 2013_v2
Aula polímeros 2013_v2
 
127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt
127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt
127498374745392_LigacoesQuimicas.ppt
 
Unidade7 a 2012_gabarito
Unidade7 a 2012_gabaritoUnidade7 a 2012_gabarito
Unidade7 a 2012_gabarito
 

Mais de DANIELLE BORGES

Lipídeos: antioxidantes
Lipídeos: antioxidantesLipídeos: antioxidantes
Lipídeos: antioxidantesDANIELLE BORGES
 
Enzimas óxidorredutases
Enzimas   óxidorredutasesEnzimas   óxidorredutases
Enzimas óxidorredutasesDANIELLE BORGES
 
Cinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traçoCinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traçoDANIELLE BORGES
 
Carboidratos: polissacarídeos
Carboidratos: polissacarídeosCarboidratos: polissacarídeos
Carboidratos: polissacarídeosDANIELLE BORGES
 
Gestão da qualidade em laticínios
Gestão da qualidade em laticíniosGestão da qualidade em laticínios
Gestão da qualidade em laticíniosDANIELLE BORGES
 
Experiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazaoExperiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazaoDANIELLE BORGES
 
Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...
Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...
Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...DANIELLE BORGES
 
Dimensionamento placa de orificio
Dimensionamento placa de orificioDimensionamento placa de orificio
Dimensionamento placa de orificioDANIELLE BORGES
 
Higiene na industria_de_alimentos
Higiene na industria_de_alimentosHigiene na industria_de_alimentos
Higiene na industria_de_alimentosDANIELLE BORGES
 

Mais de DANIELLE BORGES (11)

Lipídeos: antioxidantes
Lipídeos: antioxidantesLipídeos: antioxidantes
Lipídeos: antioxidantes
 
Enzimas óxidorredutases
Enzimas   óxidorredutasesEnzimas   óxidorredutases
Enzimas óxidorredutases
 
Cinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traçoCinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traço
 
Carboidratos: polissacarídeos
Carboidratos: polissacarídeosCarboidratos: polissacarídeos
Carboidratos: polissacarídeos
 
Aminoacidos
AminoacidosAminoacidos
Aminoacidos
 
Gestão da qualidade em laticínios
Gestão da qualidade em laticíniosGestão da qualidade em laticínios
Gestão da qualidade em laticínios
 
Experiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazaoExperiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazao
 
Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...
Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...
Estudos dos-efeitos-da-aplicacao-de-transglutaminase-em-bebida-lactea-ferment...
 
Dimensionamento placa de orificio
Dimensionamento placa de orificioDimensionamento placa de orificio
Dimensionamento placa de orificio
 
Cores
CoresCores
Cores
 
Higiene na industria_de_alimentos
Higiene na industria_de_alimentosHigiene na industria_de_alimentos
Higiene na industria_de_alimentos
 

ÁGUA: camada de solvatação

  • 1. ÁGUA Camada de solvatação Mestranda: Danielle Oliveira Borges Pós-graduação em engenharia e ciência de alimentos
  • 2. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges POLARIDADE DA ÁGUA  O átomo de O é mais eletronegativo que os de H;  resulta que a molécula de água se torna polar Figura 1. Esquematização da polaridade da molécula de água
  • 3. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges POLARIDADE DA ÁGUA Essa polaridade da molécula de água está associada às propriedades físico-químicas  Ponto de Fusão;  Ponto de Ebulição  Capacidade de dissolver sólidos iônicos.
  • 4. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges PROPRIEDADES DISSOLVENTES DA ÁGUA Dissolução de sais: produção de íons + e - que se rodeiam de moléculas de água formando compostos muito estáveis e cujo grau de hidratação depende da densidade da carga do íon poder polarizante = carga total do íon raio iônico
  • 5. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Figura 3 - Tamanho do raio iónico e do raio atómico de alguns elementos na tabela periódica (unidade = pm). Os átomos (espécie neutra) são representados a cor cinza, Os catiõese aniões sã o representados avermelho e azul, respectivamente. Adaptado de: Wikipédia
  • 6. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Por ser polar, a água aproxima-se dos íons que formam um composto iônico (sólido) pelo pólo de sinal contrário à carga de cada íon, conseguindo assim anular suas cargas e desprendê-los do resto do sólido. CAMADA DE SOLVATAÇÃO
  • 7. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Uma vez separado do sólido, os íons são rodeados por moléculas de água, evitando que eles regressem ao sólido. CAMADA DE SOLVATAÇÃO
  • 8. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
  • 9. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Figura 2. Etrutura cristalina do NaCl, em que o cátion (Na+) atrai a carga negativa do cloreto (Cl-) por ligação iônica e a dissolução de seus íons em água, em que se observa a formação da camada de solvatação em torno dos íons sódio e cloreto. Fonte: Nelson e Cox, 2002.
  • 10. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Ex: Iodeto de potássio (KI)
  • 11. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges
  • 12. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Figura ?: Camada de solvatação do íon de potássio.
  • 13. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Figura ?: Camada de solvatação do íon iodeto.
  • 14. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Uma vez que a quebra e formação de ligações envolvem absorção e liberação de energia, há uma alteração de temperatura que é notada na solução. Alguns sais, quando adicionados à água, resulta no aquecimento da solução, por outro lado com a maioria dos sais resultam num abaixamento de temperatura. CAMADA DE SOLVATAÇÃO
  • 15. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges A água é um bom dissolvente pois tem uma constante dielétrica (D) muito alta, que por definição é uma medida da tendência do solvente a opor-se às forças eletrostáticas de atração entre íons com cargas opostas. PROPRIEDADES DISSOLVENTES DA ÁGUA Onde: F é a força de atração entre dois íons de cargas opostas e1 e e2 e r são as distâncias entre eles.
  • 16. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges QUADRO 1 – Constante dielétrica (D) de alguns líquidos a 20°C
  • 17. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges A água também dissolve muitas outras substancias não iônicas mas com caráter polar, como açúcares, alcoóis, aldeídos, cetonas, aminoácidos, entre outros, por meio de pontes de hidrogênio. PROPRIEDADES DISSOLVENTES DA ÁGUA
  • 18. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges solutos apolares: facilitam a formação de CLATRATOS (estruturas cristalinas, formados por moléculas de água unidas por ligação de hidrogênio, sendo capazes de “aprisionar” moléculas hidrofóbicas);  Os clatratos formados possuem espaços vazios onde os solutos apolares podem se localizar, obrigando as moléculas de água a reagir mais fortemente entre elas através de pontes de hidrogênio.
  • 19. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Figura 3. Formação de clatratos em moléculas hidrofóbicas.
  • 20. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges Figura 4. Formação de micelas e da bicamada através de moléculas anfifílicas.
  • 21. Água: Camada de Solvatação – Danielle Borges REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BOBBIO, F.O.; BOBBIO, P.A. Introdução à química de alimentos. 3. ed. São Paulo: Varela, 2003. 238p. BOES, E.S. Estudo teórico da sovatação de ânions em solventes orgânicos. 2005. Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Química, Instituto de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

Notas do Editor

  1. (eletronegatividade é a capacidade relativa de um átomo atrair elétrons para si quando da formação de uma ligação química) O atomo de oxigenio , assim sendo, ele atrai os elétrons que estão sendo compartilhados através das ligações covalentes com mais força, fazendo com que os elétrons fiquem mais próximos do átomo de oxigênio do que dos de hidrogênio. O átomo de oxigênio fica mais negativo que os átomos de hidrogênio, e resulta que a molécula de água se torna polar pois tem um pólo positivo formado pelos dois átomos de hidrogênio e um pólo negativo formado pelo átomo de oxigênio:
  2. (eletronegatividade é a capacidade relativa de um átomo atrair elétrons para si quando da formação de uma ligação química) O atomo de oxigenio , assim sendo, ele atrai os elétrons que estão sendo compartilhados através das ligações covalentes com mais força, fazendo com que os elétrons fiquem mais próximos do átomo de oxigênio do que dos de hidrogênio. O átomo de oxigênio fica mais negativo que os átomos de hidrogênio, e resulta que a molécula de água se torna polar pois tem um pólo positivo formado pelos dois átomos de hidrogênio e um pólo negativo formado pelo átomo de oxigênio:
  3. Muitos sais e outros componentes iônicos se dissolvem facilmente na água, mas são insolúveis em outros dissolventes apolares como clorofórmio e benzeno. Ao se dissolver sal na água, são produzidos íons positivos e negativos que se rodeiam de moléculas de água formando compostos muito estáveis e cujo grau de hidratação depende da densidade da carga do íon; a hidratação é maior nos íons pequenos que nos grandes de mesma carga. A densidade da carga também é conhecida como poder polarizante e é igual à carga total do íon dividida pelo seu raio iônico. Pode-se comprovar que a hidratação dos íons de K+ e Na+ são diferentes, apesar de terem a mesma carga, pois o raio iônico do potássio é maior que o do sódio, o que se refere à uma menor densidade de carga e uma menor capacidade de hidratação para este íon.
  4. Os aniões são sempre maiores que o átomo, devido à introdução de mais um electrão na camada de valência,
  5. Por ser polar, a água aproxima-se dos íons que formam um composto iônico (sólido) pelo pólo de sinal contrário à carga de cada íon, conseguindo assim anular suas cargas e desprendê-los do resto do sólido. Uma vez separado do sólido, os íons são rodeados por moléculas de água, evitando que eles regressem ao sólido (ex. NaCl). Devido a natureza polar da água, NaCl pode ser quebrado em seus íons, isto é, Na+ e Cl-, o que significa que o lado da molécula da água que contém os átomos de hidrogênio (+) atrairão os íons Cl-, e os íons Na+ serão atraídos pelo lado do átomo de oxigênio (-) da água. Esta é a maneira como as substâncias sólidas iônicas se dissolvem na água, e este processo é chamado de hidratação ou solvatação. Algumas ligações de hidrogênio entre as moléculas de água são quebradas neste processo, antes que as novas ligações entre água e os íons possam ser formados. Uma vez que a quebra e formação de ligações envolvem absorção e liberação de energia, há uma alteração de temperatura que é notada na solução. Alguns sais, quando adicionados à água, resulta no aquecimento da solução, por outro lado com a maioria dos sais resultam num abaixamento de temperatura.
  6. Por ser polar, a água aproxima-se dos íons que formam um composto iônico (sólido) pelo pólo de sinal contrário à carga de cada íon, conseguindo assim anular suas cargas e desprendê-los do resto do sólido. Uma vez separado do sólido, os íons são rodeados por moléculas de água, evitando que eles regressem ao sólido (ex. NaCl). Devido a natureza polar da água, NaCl pode ser quebrado em seus íons, isto é, Na+ e Cl-, o que significa que o lado da molécula da água que contém os átomos de hidrogênio (+) atrairão os íons Cl-, e os íons Na+ serão atraídos pelo lado do átomo de oxigênio (-) da água. Esta é a maneira como as substâncias sólidas iônicas se dissolvem na água, e este processo é chamado de hidratação ou solvatação. Algumas ligações de hidrogênio entre as moléculas de água são quebradas neste processo, antes que as novas ligações entre água e os íons possam ser formados. Uma vez que a quebra e formação de ligações envolvem absorção e liberação de energia, há uma alteração de temperatura que é notada na solução. Alguns sais, quando adicionados à água, resulta no aquecimento da solução, por outro lado com a maioria dos sais resultam num abaixamento de temperatura.
  7. Por ser polar, a água aproxima-se dos íons que formam um composto iônico (sólido) pelo pólo de sinal contrário à carga de cada íon, conseguindo assim anular suas cargas e desprendê-los do resto do sólido. Uma vez separado do sólido, os íons são rodeados por moléculas de água, evitando que eles regressem ao sólido (ex. NaCl). Devido a natureza polar da água, NaCl pode ser quebrado em seus íons, isto é, Na+ e Cl-, o que significa que o lado da molécula da água que contém os átomos de hidrogênio (+) atrairão os íons Cl-, e os íons Na+ serão atraídos pelo lado do átomo de oxigênio (-) da água. Esta é a maneira como as substâncias sólidas iônicas se dissolvem na água, e este processo é chamado de hidratação ou solvatação. Algumas ligações de hidrogênio entre as moléculas de água são quebradas neste processo, antes que as novas ligações entre água e os íons possam ser formados. Uma vez que a quebra e formação de ligações envolvem absorção e liberação de energia, há uma alteração de temperatura que é notada na solução. Alguns sais, quando adicionados à água, resulta no aquecimento da solução, por outro lado com a maioria dos sais resultam num abaixamento de temperatura.
  8. O Quadro 1 mostra que a constante dielétrica da água é muito alta comparada com a de outros dissolventes, indicando que, por exemplo, a força de atração entre os íons Na+ e Cl- na água é aproximadamente 1/40 da força entre esses mesmos íons no benzeno. A água portanto, favorece a dissolução de NaCl ao evitar que seus íons se unam novamente.
  9. O Quadro 1 mostra que a constante dielétrica da água é muito alta comparada com a de outros dissolventes, indicando que, por exemplo, a força de atração entre os íons Na+ e Cl- na água é aproximadamente 1/40 da força entre esses mesmos íons no benzeno. A água portanto, favorece a dissolução de NaCl ao evitar que seus íons se unam novamente. Esse processo chama-se solvatação e, quando íons estão cercados por moléculas de água, diz-se que estão solvatados.