2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01

308 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
308
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01

  1. 1. 1 MEDIUNIDADE CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO OS SEUS EFEITOS A TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS E ESPONTÂNEAS COEM – 2ª AULA TEÓRICA
  2. 2. 2 I - NOÇÕES FUNDAMENTAIS • Estabelecido o conceito de mediunidade, mais alguns conhecimentos se fazem necessários, para melhor entendimento do fenômeno mediúnico. Foram eles oferecidos pelos próprios Espíritos desencarnados, que nos deram a conhecer, em primeiro lugar, a sua existência independente da matéria física e do corpo carnal e, em segundo, a existência de um invólucro semi-material, que lhes serve de corpo no mundo espiritual e que tem possibilidade de ação sobre a matéria física. • Esse invólucro, semi-material, "corpo espiritual" ou perispírito é variável na sua maior ou menor condensação, o que lhe confere propriedades especiais para agir sobre a matéria. No encarnado, é o intermediário entre o espírito propriamente dito e o corpo físico, fazendo parte, pois, do complexo humano.
  3. 3. 3 COMPLEXO HUMANO (homem) - COMPOSTO DE: • 1. ESPÍRITO; 2. PERISPÍRITO; • 3. CORPO FÍSICO • Da interação do fluido perispiritual do desencarnado com o do médium resulta o fenômeno mediúnico. • Varia essa interação desde a simples influência até a efetiva combinação fluídica, para a produção de certos fenômenos.
  4. 4. 4 II - CLASSIFICAÇÃO DA MEDIUNIDADE SEGUNDO OS SEUS EFEITOS Podem ser de 2 ordens os fenômenos mediúnicos: - de efeitos materiais, físicos ou objetivos - de efeitos intelectuais ou subjetivos
  5. 5. 5 1. FENÔMENOS DE EFEITOS MATERIAIS FÍSICOS OU OBJETIVOS • Sensibilizam diretamente os órgãos dos sentidos dos observadores. Podem-se apresentar sob variadas formas, tais como: a) materialização (de Espíritos, de objetos, etc) b) transfiguração (modificação dos traços fisionômicos do próprio médium); c) levitação (erguimento de objetos e pessoas, contrariando, aparentemente, a lei da gravidade); d) transporte (entrada e saída de objetos de recintos hermeticamente fechados). e) voz direta (vozes de Espíritos, que soam no ambiente, independentemente do médium); f) escrita direta (palavras, frases, mensagens, escritas sem utilização da mão do médium); g) mesas falantes ou tiptologia (sinais por pancadas, formando palavras e frases inteligentes); h) sematologia (movimento de objetos, sem contato físico, traduzindo uma vontade, um sentimento, etc.)
  6. 6. 6 2. FENÔMENOS DE EFEITOS INTELECTUAIS OU SUBJETIVOS • a) mediunidade intuitiva • b) vidência • c) audiência Tais fenômenos ocorrem quando o espírito do próprio médium, em fase especial ou não, de transe, fica num estado de lucidez, percebendo pelos sentidos espirituais. • d) psicometria • e) psicografia • f) psicofonia Tais fenômenos ocorrem por ação direta de uma entidade espiritual sobre o médium servindo-se parcial ou totalmente de sua organização psico-física, para se comunicar.
  7. 7. 7 • Na intuição (fenômeno anímico), a mente do encarnado capta do ambiente externo ou da profundeza do seu próprio psiquismo, ou ainda da mente de outro encarnado, próximo ou distante, certas informações que o ajudam a esclarecer uma questão, resolver um problema, tomar uma atitude, etc. Poderá, igualmente, captar o pensamento de um desencarnado, passando, nesse caso, o fenômeno a ser mediúnico e a faculdade, a chamar-se mediunidade intuitiva. • Na vidência, na audiência e na psicometria, por um estado de maior ou menor exteriorização perispiritual, com a consequente liberação dos sentidos (que têm, normalmente, o seu funcionamento obscurecido pelo contato com a matéria grosseira do corpo físico), pode o espírito do encarnado ver e ouvir o que se passa no plano espiritual. No caso da psicometria, pode recapitular ocorrências ligadas a um objeto com que tenha tomado contato.
  8. 8. 8 • Este estado especial de libertação, que definimos como de lucidez espiritual, com ou sem transe aparente, possibilita maior liberdade ao espírito do médium e o coloca em condições favoráveis para assimilar as correntes de pensamento das outras entidades no mesmo estado de liberdade espiritual e transmitir tais idéias, pensamentos e vontades pela escrita, no fenômeno da psicografia ou anunciá-las através da palavra, caracterizando o fenômeno da psicofonia. • A psicografia e a psicofonia têm sido vulgarmente chamadas de "incorporação mediúnica". Ressalte-se, todavia, que não ocorre a "introdução" do Espírito desencarnado no corpo do médium, mas, sim, uma associação de seus fluidos com os do médium. Segundo as faixas vibratórias em que se encontrem e de acordo com as leis de sintonia e assimilação, esses fluidos se identificam entre si, formando-se, então, um complexo: EMISSOR (Espírito desencarnado) - TRANSMISSOR (fluidos combinados do Espírito comunicante com os do médium) - RECEPTOR (Médium).
  9. 9. 9 3. DA TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS • Se temos um efeito - o fenômeno físico, ele deve ter uma causa. Se esta não for física, deverá ser transcendental. Vamo-nos deter no caso dos fenômenos mediúnicos de efeitos físicos produzidos pelos Espíritos desencarnados, buscando saber como se opera esta ação e qual o seu mecanismo. • Segundo a informação dada por eles próprios (os Espíritos), para atuar sobre um objeto inanimado, o desencarnado combina o seu fluido perispiritual com o fluido que se exterioriza do médium, satura os espaços da matéria (sabe-se que esta não é contínua, senão para os nossos sentidos, ainda muito pobres; a matéria é cheia de espaços vazios, tendo apenas uma pequena porcentagem de massa propriamente dita; afirmam alguns que se retirassem todos os espaços da matéria que forma a Terra, ela se reduziria ao tamanho de uma bola de futebol) e, com a força do pensamento, age, movimentando o que e como deseja, podendo alcançar ou não sucesso no seu empreendimento, de acordo com as circunstâncias. Estabelece-se, pois, uma continuidade perfeita entre o perispírito do Espírito e o objeto movimentado, através dos elementos intermediários de natureza fluídica (semi-material) isto é, dos fluidos perispirituais e outros. • Os Espíritos mais atrasados vibram em faixas próximas da Terra e possuem, em sua organização perispiritual, resíduos de fluidos grosseiros, materiais, que facilitam a obtenção de fenômenos mediúnicos de efeitos físicos. Por isso, prestam-se mais a estes tipos de efeitos, sendo dirigidos, porém, por Espíritos superiores. • Deverá haver uma certa simpatia entre os vários elementos que formam os "degraus" do processo, desde os que o dirigem até o médium, que é o instrumento doador.
  10. 10. 10 4. MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS • Em alguns lugares, tal como aconteceu com as irmãs Fox, em Hydesville, iniciam-se fenômenos ostensivos sem que haja qualquer predisposição consciente e formal para consegui-los. Ocorrem espontaneamente, a despeito até do desconhecimento e da falta de interesse das pessoas envolvidas. São "raps" (pancadas), transporte, barulhos e outras manifestações semelhantes. Os fenômenos físicos espontâneos ocorrem, geralmente, com a finalidade de: a -assustar as pessoas; b -chamar a atenção para a existência do mundo espiritual; c -atender à necessidade dos Espíritos de se comunicarem para pedir alguma coisa; d -perseguição, atormentando as pessoas. • São produzidos por Espíritos de categoria ainda inferior e que não poderão, pelo simples fato de serem Espíritos, explicar a mecânica do fenômeno, pois os produzem sem compreender. • Antes de aceitar um fenômeno como espírita, devemos verificar se não é: - fruto da imaginação; - produzido por causa física conhecida; - mistificação ou brincadeira de alguém encarnado. • Nos fenômenos de transporte, por exemplo, existe a finalidade de provar a possibilidade que têm alguns Espíritos de, usando médiuns especiais, transportar, através da matéria, flores, perfumes, jóias, objetos variados, restituindo-os ao local de origem após a constatação do fenômeno. (Recomenda-se a leitura do L.M., cap. V, itens 82 a 94).
  11. 11. 11 • BIBLIOGRAFIA • 1.Bibliografia essencial: • ALLAN KARDEC - "O Livro dos Médiuns"- caps.I,II,III,IV,V,IX,XI e XIII; • ALLAN KARDEC - "O Livro dos Espíritos" - Questões 21 a 28, 93 a 95. • 2.Bibliografia suplementar: • LEON DENIS - "No Invisível" - caps. XVI, XVII e XVIII.
  12. 12. 12 CONCENTRAÇÃO COEM – 2ª AULA PRÁTICA
  13. 13. 13 • CONCENTRAÇÃO: Convergência de pensamentos para um determinado fim. • A convergência pressupõe a eliminação de todos os pensamentos que não sejam convenientes aos fins desejados. • A abstração ou esquecimento dos problemas comuns que perturbam a nossa vida íntima deve ser exercitada. • A reunião depende em muito do ambiente formado por todos os componentes do grupo. Através do exercício dos bons pensamentos e da elevação dos sentimentos, o ambiente se satura de elementos espirituais (fluídicos) que favorecem o intercâmbio. • Sem o preparo devido, que deve começar desde a manhã, evitando- se emoções violentas, atritos, desequilíbrios físicos e espirituais, sem o bom hábito de leituras sadias e o exercício dos bons sentimentos, dificilmente a pessoa durante a sessão, tem tranquilidade suficiente para se dedicar tão somente aos fins elevados da sessão

×