Cecília Meireles

468 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cecília Meireles

  1. 1. CECÍLIA MEIRELES (Rio de Janeiro 1901-1964) “Nasci aqui mesmo no Rio de Janeiro, três meses depois da morte de meu pai e perdi minha mãe antes dos três anos. Essas e outras mortes ocorridas na família acarretaram muitos contratempos materiais, mas, ao mesmo tempo, me deram, desde pequenina, uma tal intimidade com a morte que docemente aprendi essas relações entre o Efêmero e o Eterno. Em toda a minha vida, nunca me esforcei por ganhar, nem me espantei por perder. A noção ou o sentimento de transitoriedade de tudo é o fundamento mesmo da minha personalidade”. Cecília Meireles   Lecionou literatura e cultura brasileiras, literatura portuguesa e crítica literária tanto no Brasil quanto no exterior; Ministrou cursos e conferências sobre folclore, teatro, literatura hispano-americana e pedagogia;  Foi poeta, cronista, jornalista, tradutora;  Em 1919 publica seu primeiro livro (“Espectros”);     Em 1934 fundou a primeira biblioteca de literatura infantil do país; Em 1935 seu marido se suicida; Em 1953 publica a obra épica-lírica “O Romanceiro da Inconfidência”; Em 1958 publica sua obra poética;
  2. 2. A MUSA CONTRA O DITADOR (artigo da Folha de São Paulo 04/08/96) Publicação de 960 artigos sobre Educação em 1930 e 1933 no jornal carioca “Diário de Notícias” POLÍTICA SOFRE PERSEGUIÇÃO IDEOLÓGICA ESTÉTICA “Cecília assistiu à ascensão de um estado autoritário e de uma Igreja Católica que tentava recuperar seu poder após 40 anos de uma república laica, com ares positivistas. A Revolução de 30 traz para a Igreja Católica a possibilidade de reaver o poder embora sua popularidade fosse incontestável”. PROVAS HISTÓRICAS: Em 1931 Nossa Senhora Aparecida é consagrada padroeira do Brasil e é inaugurado o Cristo Redentor. FATOS:  Vaga ao cargo de professor de Literatura pela Escola Normal;  Em 1937 sua biblioteca é invadida;  Prêmio da Academia Brasileira de Letras em 1938.
  3. 3. CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS      Vinculada ao grupo da Revista Festa de orientação espiritualista; Apresenta-se simbolistas; como herdeira de algumas características Rigidamente não pode ser associada a nenhuma escola literária; No Modernismo brasileiro é a maior representante da poesia intimista e espiritualista Expressa uma visão muito particular do mundo: Cromatismo Associações sensoriais Musicalidade Sinestesias Culto da beleza imaterial Preferência pela abstração Recorrência de símbolos: o oceano, o vento, a água, o espaço, a música, a solidão (desintegração de si)  PRINCIPAIS TEMAS: O ETERNO O EFÊMERO A METAMORFOSE (MUDANÇA DAS COISAS)
  4. 4. ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA (1953) Desmistificação quanto à alienação da autora Fuga do intimismo Sensibilidade poética e pesquisa histórica Poesia social e fato histórico Tematiza a liberdade, justiça, traição, idealismo ROMANCE forma poética medieval A OBRA É DIVIDIDA EM 5 PARTES I – descrição do ambiente II – descoberta dos planos III – morte de Cláudio Manuel da Costa IV – o destino de Tomás Antônio Gonzaga e Alvarenga Peixoto; V – a presença de D. Maria, rainha de Portugal e confirmação das sentenças. Os acontecimentos são vistos como emblemáticos ensinamentos podem ser associados a outras situações: e seus Toda vez que um justo grita, Um carrasco o vem calar. Quem não presta fica vivo, Quem é bom mandam matar. (Cecília Meireles – Romanceiro da Inconfidência)
  5. 5. CANÇÃO MÍNIMA No mistério do Sem-Fim Equilibra-se um planeta E no planeta, um jardim: e no jardim, um canteiro; no canteiro, uma violeta e, sobre ela, o dia inteiro, entre o planeta e o Sem-Fim, a asa de uma borboleta. (Cecília Meireles, Viagem, 1939) CANÇÃO MÍNIMA No mistério do Sem-Fim Equilibra-se um planeta E no planeta (Equilibra-se) um jardim: e no jardim (Equilibra-se) um canteiro; no canteiro (Equilibra-se) uma violeta e, sobre ela (Equilibra-se) o dia inteiro, entre o planeta e o Sem-Fim, (Equilibra-se) a asa de uma borboleta.

×