Copyright ©2013 – Todos os direitos reservados                          Capa : Eddy Khaos                       Revisão : ...
Actroid DER-01, a ginoide da empresa japonesa Kokoro. Cabe ao leitor julgar    o quanto a realidade está cada vez mais pró...
A minha mãe Lúcia, a mulher perfeita.
ÍndicePrefácio: Perfeitas & Vazias            9A Eva Mecânica                          12A Substituta                     ...
Perfeitas & Vazias         Em 1972 o norte-americano Ira Levin, autor de O Bebê deRosemary (1967) e Os Meninos do Brasil  ...
Embora o autor não esclareça as posturas e mudanças com-portamentais de gays e lésbicas perante o advento de amantes robót...
merciais, estão sujeitas às leis de mercado, correm o risco de se torna-rem obsoletas e podem ser eventualmente trocadas q...
A Eva MecÂnica                            A paixão começa doce, e termina amarga.                                         ...
Feministas celebraram e prostitutas reclamaram. As primei-ras, alegando que as ginoides haviam libertado as mulheres de um...
Consegui o número de um contrabandista por meio de umamigo. Era tarde da noite, bati na porta e um homem a abriu. Era o me...
não era uma ginoide.         Não fui o único enganado, as falsas ginoides que o contraban-dista havia vendido para vários ...
A Substituta                             A ilusão é o primeiro de todos os prazeres.                                      ...
ritar no nosso dia a dia. Letícia provocava discussões pelos motivosmais banais, saía e não dava satisfações para onde ia,...
cansada. Segurei-a pelos braços e disse que não aguentava mais, quetínhamos que resolver nossa situação agora. Letícia emp...
de laboratórios clandestinos no porão de casas antigas, fábricas aban-donadas ou qualquer outro lugar afastado e escondido...
Renato me encarou de uma forma que fez eu me sentir umretardado, e então disse:         — Deixe-me reformular a pergunta: ...
O carro parou em frente a um navio abandonado no porto.Retiramos Letícia do porta-malas e a levamos para dentro. Ao chegar...
artiicial a sempre obedecer seu usuário, nunca ferir um humano e etc,etc, etc. Se uma inteligência artiicial torna-se cien...
rogação, que obriga um criminoso a encarar as fotos dos cadáveres desuas vítimas na cena do crime. Veja, você fez isso! Ol...
havia enlouquecido, era o fato de que a substituta me tratava de umaforma que a Letícia real nunca havia me tratado, nem m...
biodigestor que processava os alimentos, transformando-os em fon-te de energia. Letícia ria, bebericava champanhe e me enc...
que fosse consumido pelo fogo, deixando para trás Letícia e Felipe. Afumaça subiu até o alto dos prédios e ao longe se ouv...
Ela, a Ginoide       ª Lei da Robótica: um robô não pode ferir um ser humano ou, por                 omissão, permitir que...
As ginoides MPO - foram construídas para cuidar de crian-ças, e parte de suas especiicações incluía não apenas um endoesqu...
sumariamente.         A mulher tentou tirar as mãos que prendiam seu marido.Agrediu a ginoide, puxou seus cabelos, arranho...
estranha — confessou Gilberto.         — Eu entrevistei cinco candidatas antes de me decidir por ela.Quando conhecê-la voc...
Miolo eva versão facebook
Miolo eva versão facebook
Miolo eva versão facebook
Miolo eva versão facebook
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Miolo eva versão facebook

1.118 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.118
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
573
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Miolo eva versão facebook

  1. 1. Copyright ©2013 – Todos os direitos reservados Capa : Eddy Khaos Revisão : Gisele Galindo Diagramação:Gisele G.Garcia Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) A Eva mecânica / Daniel Dutral/ 1. Ed.--Praia Grande: Editora Literata, 2013 Bibliograia. 1. 1. FICÇÃO E CONTOS BRASILEIROS11-07687 CDD-869.9308 Índices para catálogo sistemático: 1. FICÇÃO E CONTOS BRASILEIROS 869.9308 ISBN 978-85-8270-001-3Direitos desta edição em todo o território nacional cedidos àEditora LITERATARua Jundiaí - Boqueirão - Praia Grande - São Pauloe-mail: editoraliterata@gmail.comwww.editoraliterata.com.br É proibido o armazenamento ou a reprodução de qualquer parte desta obra, qualquer que seja a forma utilizada – tangível ou intangível –, sem o consentimento escrito da Editora.
  2. 2. Actroid DER-01, a ginoide da empresa japonesa Kokoro. Cabe ao leitor julgar o quanto a realidade está cada vez mais próxima da icção cientíica.
  3. 3. A minha mãe Lúcia, a mulher perfeita.
  4. 4. ÍndicePrefácio: Perfeitas & Vazias 9A Eva Mecânica 12A Substituta 16Ela, a Ginoide 27A Mulher Imperfeita 45Veronica Lake Fake 61A Casa da Dor 68Sabine 77A Última Mulher da Terra 82
  5. 5. Perfeitas & Vazias Em 1972 o norte-americano Ira Levin, autor de O Bebê deRosemary (1967) e Os Meninos do Brasil , lançava o romance deicção cientíica The Stepford Wives, lançado no Brasil como As Pos-suídas. Nessa trama, pouco depois de se mudar com o marido paraStepford, a protagonista descobre que todas as mulheres casadas dacidadezinha pacata são donas-de-casa perfeitas, esposas submissas edínamos sexuais insaciáveis, além de não possuírem absolutamentenenhuma preocupação extradoméstica. O único interesse das tais es-posas de Stepford era agradar seus maridos em tempo integral, damelhor forma possível. Pela arte de Levin, esse enredo aparentementebanal se transforma de uma hora para outra num thriller eicaz de sus-pense, horror e icção cientíica, quando a protagonista descobre oque os homens casados de Stepford fazem para tornar suas mulherestão perfeitas: eles simplesmente as substituíam por réplicas robóti-cas, idênticas às esposas orgânicas, só que inteiramente desprovidasde vontade própria. O romance de Levin rendeu duas versões cinema-tográicas: As Esposas de Stepford , mais iel à narrativa original,e Mulheres Perfeitas , mais puxada para a comédia e mais meti-da a politicamente correta do que o texto do autor. No âmbito da icção cientíica lusófona, Daniel ). Dutra avançaum bocado além de )ra Levin ao estabelecer um universo iccionalaparentemente niilista e misógino para criticar os relacionamentos en-tre homens e mulheres numa época em que a tecnologia possibilita asubstituição dos amantes orgânicos por sucedâneos artiiciais em tu-do melhores do que os originais. Ou em quase tudo. Entrei em contato com o universo iccional das ginoides desseautor ao analisar as submissões para a Erótica Fantástica 1 (Draco,2012). Daniel I. Dutra submeteu nada menos do que quatro narrati-vas à antologia: “A Última Mulher da Terra”; “A Substituta”; “VeronicaLake Fake”; e “A Mulher Imperfeita”. Selecionei essa última por re-presentar a melhor discussão das implicações sociais da adoção deamantes artiiciais por parte da população masculina. A Mulher )mperfeita mostra a discriminação que Rodrigosofre e os tabus sexuais que ele precisa enfrentar, inclusive no seio daprópria família, por ter assumido uma ginoide por amante. Rodrigonão é o único. Muitos homens heterossexuais estão adotando aman-tes sintéticas, programadas para satisfazer os mínimos desejos deseus proprietários. Em consequência, as mulheres heterossexuais es-tão começando a icar na mão, pois, ao contrário dos homens, elasnão apreciam tanto o sexo e o convívio com sucedâneos artiiciais. 9
  6. 6. Embora o autor não esclareça as posturas e mudanças com-portamentais de gays e lésbicas perante o advento de amantes robóti-cos, o leitor mais curioso e perceptivo se perguntará se uns e outrasapreciariam adquirir e usar androides e ginoides. Ademais, visto quehomens e mulheres são mais parecidos do que gostam de admitir, ébem provável que muitas heterossexuais de fato gostassem de pos-suir um amante sintético perfeito prontinho a sair do armário num es-talar de dedos. Em contrapartida, vários homens heterossexuais tal-vez preferissem se relacionar com mulheres orgânicas. Este último ca-so é abordado em A Mulher )mperfeita sob a forma do irmão de Ro-drigo, um proissional extremamente bem-sucedido que sustenta trêsesposas, pois, a carência relativa de heterossexuais casadouros leva asociedade ocidental a tolerar a poliginia. No mundo real©, é de se imaginar que o advento de amantestecnicamente perfeitos, porém incapazes de estabelecer um diálogode trocas emocionais de igual para igual com seus parceiros orgâni-cos, mude para sempre as relações entre amantes orgânicos, emboraeu não creia que tais mudanças lograssem extinguir as relações orgâ-nico-orgânico. É claro que sempre haverá os comodistas, sujeitos queoptarão pela segurança desse fast food sexoafetivo, em detrimentodo esforço — plenamente compensador, quando bem-sucedido — deseduzir, conquistar e manter acesa a chama da paixão de um orgâni-co. No entanto, também haverá os adeptos do real stuf, indivíduosque não aceitarão de bom grado as soluções fáceis proporcionadaspelos sucedâneos artiiciais. À semelhança da vida real, ou melhor, daespeculação futurista mais ou menos séria, a icção de Daniel ). Dutradiscute os percentuais de gourmets em relação aos dos consumidoresdo fast food sexual e emocional. Na história do futuro proposta pelo autor, com o advento dasginoides, as mulheres reclamam sofrer competição desleal, porquepouquíssimas orgânicas são tão belas, cozinham tão bem, têm sacopara paparicar tanto seu amante ou transam tão gostoso quanto umaginoide. Daí, à medida que mais e mais mulheres são preteridas porginoides, aquelas que decidem reagir, adotam comportamento de cor-te mais pragmático e agressivo, cobrindo seus interesses românticosmasculinos com presentes, pagando contas em restaurantes caros etomando a iniciativa na relação, padrões de conduta anteriormenteatribuídos pelos conservadores à metade masculina da população. Um dos aspectos mais instigantes das narrativas ambienta-das no universo iccional das ginoides é a opção consistente de negarvoz própria às ginoides e aos androides, uma decisão estratégicaconsciente de não conceder emoções ou vida interior aos sucedâneosrepresenta uma lufada revigorante e bem-vinda de inovação, após oexcesso de narrativas preocupadas em destrinchar as idiossincrasiasemocionais das consciências artiiciais. Aqui as ginoides são amantesperfeitas, mas não passam de simulacros. Como meros produtos co- 10
  7. 7. merciais, estão sujeitas às leis de mercado, correm o risco de se torna-rem obsoletas e podem ser eventualmente trocadas quando a Corpo-ração Saiteki lança novos modelos soisticados na praça. O ápice apocalíptico da coletânea em verdade um ix-up, vis-to que as narrativas se desenrolam num mesmo universo iccional sedá com a novela A Última Mulher da Terra , uma expansão do contohomônimo submetido à Erótica Fantástica 1. A ação se passa numacivilização humana futura em que o gênero feminino se extinguiu hácerca de três séculos — num relexo dramático do que ocorre noutranovela, a premiada (ouston, (ouston, Do You Read? , deJames Tiptree, Jr., onde foi a metade masculina da humanidade quese extinguiu — aqui são os homens orgânicos e suas ginoides que dis-cutem as vantagens e desvantagens de uma cultura sem mulheresorgânicas. Com o tempo, essa humanidade monossexual estabeleceseus próprios mitos e lendas históricas para justiicar e ideologizar ainexistência das mulheres. Num cenário perfeito, mas impermeávelao progresso, um aventureiro provoca celeuma e transtorno social aodescobrir, oculto nos conins da Amazônia, um casulo de hibernaçãoabrigando a mulher do título. Num Sistema Solar que não vê uma mu-lher orgânica há séculos, a última mulher da Terra é encarada não co-mo uma deusa do amor e do sexo, mas sim como criatura alienígena. Além de instigantes e divertidas, como toda boa literatura deentretenimento que se preza, tomadas em seu conjunto, as narrativascoligidas em A Eva Mecânica e outras Histórias de Ginoides abordamquestões relevantes para a discussão das relações sexoafetivas. Por es-tes dois motivos, o livro que você ora tem em mãos fará jus à sua lei-tura atenta. Gerson Lodi-Ribeiro Outubro 2012. 11
  8. 8. A Eva MecÂnica A paixão começa doce, e termina amarga. Ditado popular Quando um homem está apaixonado a única realidade queexiste é aquela que ele cria em sua mente. Tornamo-nos escravos denossos sentimentos, e não mais somos capazes de pensar claramente.A paixão entorpece, e no inal arruína a vida de sua vítima. Crimespassionais, suicídios, depressão – o sentimento da paixão gera tragé-dias que poderiam ser evitadas, caso o ser humano se esforçasse emusar a razão para controlar suas emoções. Por este motivo não tenta-rei, neste breve relato que escrevo em minha cela, apontar culpados,pois reconheço que sou o único responsável pela minha sina. Meu in-tuito é apenas expor ao leitor as circunstâncias que levaram ao meuencarceramento. Que este documento sirva de alerta a todos os ho-mens que sofrem com o feitiço da paixão. Lembro-me da primeira vez que soube das ginoides. Lera nu-ma revista do meu avô, datada do início do século , acerca dos pri-meiros modelos. Naquela época elas ainda não eram chamadas de gi-noides, mas simplesmente de robôs. Aliás, nem dava para compararas ginoides daquela época com os modelos de hoje. É o mesmo quequerer comparar velhos televisores LCD com os atuais aparelhos ho-lográicos. Olhando para as fotos entendi porque as primeiras ginoi-des eram apenas uma curiosidade de feiras cientíicas. Robôs com for-mas femininas, que imitavam uma mulher, e cobertos com silicone,que emulava a pele humana. Percebia-se claramente que aquilo nãoera uma mulher. Isso explica porque as primeiras tentativas de comer-cialização das ginoides resultaram em um fracasso retumbante. Mas com o passar das décadas, a tecnologia evoluiu e as gera-ções seguintes de ginoides foram icando cada vez mais soisticadas.A grande virada aconteceu com a invenção da carne sintética, inicial-mente desenvolvida para tratar de vítimas de queimaduras, e que logopassou a ser utilizada também na fabricação de ginoides. O resultadofoi que se tornou impossível diferenciar uma ginoide de uma mulherde carne e osso. E não era só a aparência, ao tocá-las, sentia-se tam-bém a textura da pele humana, incluindo o calor do corpo. Emboraesse novo modelo fosse num primeiro momento vendido a um valoraltíssimo, que poucos homens podiam pagar, não tardou para que opreço baixasse, e, em pouco tempo, as ginoides tornaram-se aces-síveis ao homem comum. 12
  9. 9. Feministas celebraram e prostitutas reclamaram. As primei-ras, alegando que as ginoides haviam libertado as mulheres de umadas mais antigas formas de opressão masculina. As segundas, porqueas ginoides simplesmente arruinaram o ramo da prostituição. Donosde prostíbulos começaram a dispensar suas funcionárias e substituí--las por ginoides. As razões são óbvias, ginoides não dormem, não pre-cisam comer, estão dispostas a fazer sexo horas por dia e realizarqualquer fantasia sexual do cliente, por mais bizarra que fosse, sem sesentir constrangida ou humilhada, não envelhecem, não menstruam,não correm o risco de engravidar, e como se não bastasse, são maisbelas que as mulheres de carne e osso. Fora que ginoides não exigempagamento do cliente e o prostíbulo pode icar com todo o lucro parasi. Embora prostitutas tenham se organizado e feito protestos contraas ginoides, isso surtiu nenhum efeito. Era o im da proissão prostitui-ção, pelo menos para as mulheres humanas. Mas houve uma reviravolta quando a Corporação Saiteki de- 1senvolveu um software que passou no teste de Turing , e criou a pri-meira inteligência artiicial do planeta. )sso resolveu o último grandedefeito: a falta de personalidade. Agora ginoides não apenas erammulheres belíssimas e excelentes amantes na cama, como também setornaram versadas em diversos assuntos, sendo capazes de conver-sar com o usuário sobre qualquer tema de seu interesse, de futebol apolítica. As ginoides, sempre carinhosas, sempre belas, sempre boasdonas de casa e sempre dispostas a sexo, tornaram-se a mulher dossonhos de todos os homens. Em pouco tempo, homens começaram a perder o interessepelas mulheres de carne e osso e ilas formaram-se em frente às lojasrevendedoras de ginoides. Dessa vez foi a vez das mulheres comuns,indignadas ao verem homens as preterindo por ginoides, protesta-rem, e dessa vez o protesto surtiu efeito. O uso das ginoides passou aser regulamentado. Homens foram proibidos de se casar ou manterqualquer vínculo afetivo com ginoides, sob pena de prisão, e o uso de-las icou restrito apenas para ins de exploração sexual, ou seja, prosti-tuição. Isso foi um desastre para os milhares de homens comuns quenão tinham sorte no amor e estavam solitários. Sou um deles, e foipara homens como eu que surgiu um mercado negro de ginoides.O esquema funciona da seguinte forma: para o homem que paga aquantia certa de dinheiro, o contrabandista consegue um bom mo-delo sem número de série. E o melhor de tudo, providencia tambémcertidão de nascimento e carteira de identidade falsa, de modo queela pode passar por esposa ou namorada.1 Teste de Turing é um teste elaborado pelo cientista da computação Alan Turing –cujo objetivo é determinar se máquinas tem inteligência. 13
  10. 10. Consegui o número de um contrabandista por meio de umamigo. Era tarde da noite, bati na porta e um homem a abriu. Era o me-liante, havíamos nos encontrado dias atrás em um barzinho, para dis-cutir preço e especiicações do modelo. Ele me disse para entrar, es-távamos num antigo armazém, caminhamos por um corredor poucoiluminado, descemos uma escada e entramos em um porão. Lá estavaa ginoide. Cabelos escuros e lisos, pele clara, seios grandes, olhos cas-tanhos, corpo atlético, tudo conforme havia pedido. Ela era simples-mente perfeita, não sabia nem o que dizer. O contrabandista me disse para escolher um nome. EscolhiEva, era mais do que apropriado. Ao me ver entrar, Eva sorriu, levantou-se da cadeira onde es-tava e veio conversar comigo. Ela era humana em todos os aspectos,voz, cheiro, gestos, tudo que se possa imaginar. Por mais estranhoque possa parecer me apaixonei naquele momento, mesmo sabendoque era uma máquina. Porém, não era assim que meu coração se sen-tia perto dela. Não tinha dúvidas, paguei a quantia combinada e leveiEva para casa. Ela foi uma mudança e tanto em minha vida, sentia-me maisanimado para trabalhar, sabendo que ao chegar em casa não estariamais sozinho. Agora sempre que voltava do trabalho lá estava Eva meesperando com um bom prato de comida e sempre compreensiva,pronta para me consolar e me ouvir quando estivesse de mau humordepois de um péssimo dia. Empolgado com todo o carinho que rece-bia dela, presenteava-a constantemente. Nós nos beijávamos, nosabraçávamos e transávamos com muita paixão. Mas era mais do quesexo, eu amava Eva. Além de ser muito bonita e me satisfazer sexual-mente gostava da companhia, gostava de icar abraçado a ela no sofá,assistindo televisão de noite, gostava de conversar, de rir com ela. O comportamento de Eva era tão espontâneo e natural quedepois de alguns meses juntos me esqueci completamente de que erauma ginoide. Às vezes me perguntava por que as mulheres de carnee osso não podiam ser como Eva. Já tinha sofrido tanto em relaciona-mentos anteriores que temia me envolver com alguém novamente, eno começo tinha medo que as coisas dessem errado até mesmo comEva, pois, apesar de ser uma máquina, ainda assim era uma mulher.Mas esse medo se provou infundado conforme ia vivendo meus diasde felicidade e romance. Sentia-me estimulado para viver. Ela se tor-nou a razão de minha existência. Porém, acordei de meu sonho no dia em que a polícia apare-ceu em meu trabalho e me prendeu. Na sala de interrogatório da de-legacia, os policiais me contaram que o contrabandista de quem com-prei Eva havia sido preso, e que, em troca de uma redução de pena, con-cordou em dar o nome de todos aqueles a quem ele vendeu ginoides.Os policiais buscaram Eva em minha casa, e iam destruí-la conformea lei exigia, quando, ao fazer exames detalhados, descobriram que ela 14
  11. 11. não era uma ginoide. Não fui o único enganado, as falsas ginoides que o contraban-dista havia vendido para vários homens solitários, na verdade eramprostitutas desempregadas, que, vendo as ginoides tomarem contadesse mercado, aceitavam a oferta de contrabandistas de se pas-sarem por ginoides. Era um bom negócio para essas mulheres, ainal,elas estavam enfrentando diiculdades, e agradar homens carentesfora a proissão delas a vida inteira, elas não sabiam fazer outra coisa,então, ingir-se de ginoide e ser comprada por um homem era vanta-joso, pois dessa forma, teriam quem as sustentassem. Eventualmentea farsa seria descoberta, ginoides não envelhecem, mulheres de ver-dade sim. Mas o que um homem que fora enganado poderia fazer? Sefosse a polícia seria preso, se expulsasse a mulher de casa também,era o golpe perfeito. Não sabia o que sentir, não sabia se icava feliz ou triste aosaber que ela era humana. Pedi aos policiais que me deixassem fa-lar com Eva, precisava saber se ela realmente me amava ou esteveapenas ingindo esse tempo todo. Os policiais relutaram a princípio,mas terminaram cedendo aos meus apelos, ao ver o estado de aliçãoem que me encontrava. Não podia ir para a prisão sem antes saber averdade. Eles então trouxeram Eva, e saíram da sala. Ela icou de pé eevitava me encarar, perguntei se ela me amava. Eva icou em silên-cio, e alguns segundos depois, respondeu que não. Eva chorou e disseque sentia muito, mas que foi algo que ela precisava fazer. Foi entãoque descobri que durante todo esse tempo com Eva tudo que vivi foiuma mentira. Talvez no fundo, suspeitasse de algo, soubesse que erahumana demais para ser uma máquina. Mas preferi ignorar para po-der viver alguns míseros momentos de paixão. Momentos que agoracustaram minha liberdade. 15
  12. 12. A Substituta A ilusão é o primeiro de todos os prazeres. Oscar Wilde Todas as vezes que saía da irma de contabilidade parava emfrente à vitrine das lojas para admirar as ginoides. Ao vivo eram maisbelas do que nas propagandas de TV. “Ginoides: mais do que uma mu-lher, tudo o que você sempre sonhou”, era o slogan da Corporação Sai-teki. (avia ginoides para todo tipo de função imaginável: empregadasdomésticas, babás, garçonetes, enfermeiras, secretárias, todas devi-damente trajadas de acordo com suas respectivas funções, e coloca-das lado a lado em plataformas de uns cinco centímetros de altura.Pela vitrine podia ver um casal, a mulher grávida de uns seis ou setemeses, escolhendo uma futura babá para seu ilho. A ginoide que ocasal examinava era um modelo que imitava uma adolescente ruivade uns dezesseis anos. No fundo havia uma peça separada do resto da loja por umacortina preta. Em cima da porta de acesso, um letreiro com os dizeres PRO)B)DA A ENTRADA DE MENORES DE DEZO)TO ANOS. Naque-la seção o consumidor encontrava ginoides vestidas com sensuais lin-geries, cinta-liga, roupas de couro sadomasoquistas, ou mesmo com-pletamente nuas. (avia um pouco de tudo para todos os gostos. Atéalgum tempo atrás eu entrava naquela seção e, junto com outros ho-mens, silenciosamente realizava o ritual de contemplar aquelas bele-zas robóticas e deixar minha imaginação se esbaldar em imagens por-nográicas. De vez em quando acontecia dos homens que circulavampor aquela isolada parte da loja iniciarem uma conversa casual. “Muito gostosa essa loira”, disse certa vez um homem ao meulado, que admirava a mesma ginoide que eu. Era de comentários ca-suais como esse que nasciam breves diálogos que me permitiramaprender muito sobre os frequentadores daquela área. Para minha surpresa, descobri que não era o único homemcasado que cobiçava secretamente uma ginoide. No entanto, possuiruma aliança no dedo tornava complicado adquirir aquele produto, re-legando-a a uma mera fantasia de um homem frustrado com o casa-mento. Por essa razão deixei de frequentar o local há tempos e agorame contentava em apenas olhar as ginoides expostas na vitrine. Nãofazia sentido me torturar desejando algo que nunca poderia ter. Minha esposa, Letícia, havia mudado bastante desde que noscasamos. Eram muitas as pequenas coisas que ela fazia para me ir- 16
  13. 13. ritar no nosso dia a dia. Letícia provocava discussões pelos motivosmais banais, saía e não dava satisfações para onde ia, depreciava-mena frente dos outros, gastava todo o nosso dinheiro com inutilidades,rejeitava-me quando a procurava para sexo. Não raro, essas pequenasincomodações resultavam em brigas monumentais. Para minha espo-sa, eu era culpado tanto pelo que fazia quanto pelo que não fazia, e apunição dela variava entre a frieza e provocações gratuitas. A línguaferina de Letícia era sua arma mais letal, uma arma que me feria comouma navalha, deixando feridas que nunca cicatrizavam. Meu vizinho, Renato, que morava no apartamento ao lado,me aconselhou o divórcio. No entanto eu não queria, pois tinha espe-rança que fosse apenas uma fase ruim do casamento. Sabe qual é o seu problema? , costumava dizer o meu ami-go. Você se esforça demais para ser um bom marido. Quanto maisvocê tenta agradá-la mais Letícia te vê como um sujeito fraco, carentee sem atitude. Nós, maridos, tentamos fazer tudo da forma mais cor-reta possível, e somos desprezados. Tentamos ser o que as mulheresqueriam que fôssemos. Tornamo-nos coniáveis, maduros, domestica-dos. E então o que acontece? Elas icam entediadas, é isso o que acon-tece!”. Renato me contou que fora casado antes e que Letícia lem-brava muito sua ex-esposa em tudo que ela tinha de pior. E tendo suaexperiência como base, airmava categoricamente que era ingenui-dade minha crer que era apenas uma fase ruim do casamento. Masnão adiantava, mesmo se eu quisesse me divorciar iria perder grandeparte do meu patrimônio por causa do acordo pré-nupcial. Se me di-vorciasse perderia Letícia e não teria dinheiro para adquirir a minhatão sonhada ginoide. Renato era um homem que eu invejava. Sua esposa atual,Joana, tinha cinquenta e quatro anos, mas aparentava ter uns quinzeanos a menos. Além de ser uma mulher de beleza invejável para suaidade, também era a mulher mais dedicada e carinhosa que já haviaconhecido. Joana era muito agradável de se conversar. Inteligente,divertida e perspicaz, ela entretinha-me particularmente quando con-tava as anedotas do seu casamento. Por outro lado, meu inferno pessoal com Letícia piorou. Deuns tempos para cá ela começou a icar mais distante que o normal.Não raro, ligava avisando que ia chegar mais tarde, porque tinha umserviço importante para terminar no trabalho ou dava outra desculpaparecida. Apesar de todos os problemas, ainda a amava e estava dis-posto a salvar o nosso casamento. Por essa razão decidi que teríamosuma conversa séria. Ouvi a porta se abrir, era tarde da noite, e da minha poltronana sala vi Letícia entrar e se dirigir ao quarto. Ao contrário do que izem outras ocasiões, desta vez não a ignorei. )nterceptei-a no corredorentre a sala e o quarto. Ela não queria conversar, disse que estava 17
  14. 14. cansada. Segurei-a pelos braços e disse que não aguentava mais, quetínhamos que resolver nossa situação agora. Letícia empurrou-me efoi para o quarto. Sentada na cama, com as mãos no rosto, chorava, eentão ergueu o rosto e começou a falar. Ela me confessou que estava tendo um caso com Felipe, umaantiga paixão dos tempos de faculdade. Tentei primeiro compreender,disse que não entendia o que tinha feito para merecer isso. Sempre fuiiel, carinhoso, respeitador e sempre fazia todas as vontades dela. Es-forcei-me ao máximo para ser tudo aquilo que uma esposa espera deum marido. — Não sei explicar — disse Letícia com um olhar triste. — Eusei que você sempre foi bom para mim. Eu apenas não te amo mais. Após alguns momentos de silêncio, retomou a palavra. — Eu quero o divórcio, estou apaixonada por Felipe e temosplanos de icar juntos. Uma discussão teve início. Berros, gritos, acusações mútuas,pequenos empurrões. Antigos ressentimentos foram trazidos à tona.A sua língua ferina, sempre aiada e pronta para derrubar meu espíritocom palavras cruéis, entrou em ação. Perdi o controle. Letícia tentouse defender, mas eu a derrubei e me coloquei por cima dela. Tapei suaboca com a mão esquerda e com a direita segurei-a pelos cabelos.Comecei a golpear sua cabeça contra o chão repetidas vezes. Ela des-maiou. Letícia estava deitada ao lado do abajur quebrado e do bidêcaído. Sangue escorria pela parte de trás de sua cabeça. Eu estava forade meu juízo normal. O ódio havia sobrepujado minha racionalidade. Fui ao banheiro lavar o rosto. Ao olhar para o espelho vi emmeu rosto resquícios dos impulsos destrutivos que haviam tomadoconta de mim por um breve momento. Fiquei sentado na privada, en-carando os azulejos brancos do banheiro, às vezes, pensando no quetinha feito, e momentos depois me perdendo em um vazio de pensa-mentos, como uma televisão fora do ar. Devo ter icado horas naquelaposição, e teria icado nesse estado por mais tempo se a campainhanão tivesse tocado. Saí do meu transe. Entrei em pânico. Fingi que não havia nin-guém em casa. Então, ouvi uma voz do outro lado da porta. Era Re-nato, chamando meu nome. Aliviado, abri a porta e o convidei paraentrar. Eu sempre o vi como uma igura paterna, e talvez por essa ra-zão tenha aberto a porta e contado o que aconteceu na esperança deque pudesse me ajudar, tal qual um pai a um ilho, quando este estáencrencado. )a ligar para a polícia quando Renato mandou eu me afas-tar do videofone e disse para me sentar. — Lembra que você sempre quis ter uma ginoide? — pergun-tou Renato. — Pois bem, meu jovem amigo, você já ouviu falar desubstituição? Quando ele falou a palavra substituição eu não sabia o quepensar. Substituição era uma espécie de lenda urbana. (avia rumores 18
  15. 15. de laboratórios clandestinos no porão de casas antigas, fábricas aban-donadas ou qualquer outro lugar afastado e escondido, onde supos-tamente fabricava-se ginoides que eram réplicas perfeitas de esposasassassinadas. Era o crime perfeito. Mas por ser o crime perfeito, nin-guém acreditava que fosse verdade, pois nunca um caso fora desco-berto. — Eu conheço algumas pessoas que podem fazer isso. Podemfazer o corpo de Letícia desaparecer, de forma que nunca seja encon-trado, e substituí-la por uma ginoide — airmou Renato. A proposta era a minha salvação, porém duvidava que fosseverdade. — Você gosta da minha esposa Joana, não? — perguntou-mecom um tom de voz um tanto sacana. — Não ique envergonhado.Acha que não percebi o jeito que você olha e conversa com ela? Joanaé a esposa perfeita, não? Pena que ela nem sempre foi assim. (á mui-to tempo atrás Joana era uma megera como Letícia. Até que um diaeu cansei e contratei umas pessoas para matá-la. Mas essas pessoasnão se limitaram a isso. Eles a mataram e a substituíram por uma gi-noide. Fiquei perplexo. Joana era uma ginoide? Mas ela era tão....hu-mana. — Agora preste atenção — disse Renato, com irmeza. — Euposso entrar em contato com as pessoas que fazem esse tipo de ser-viço. Vai custar caro, mas garanto que você não vai se arrepender. Acenei airmativamente com a cabeça. Ele acionou o video-fone e fez uma ligação. Enrolamos Letícia no tapete do quarto e saí-mos pelos fundos. O corpo foi colocado no porta-malas do meu carro. Entretanto, no meio do caminho comecei a ter dúvidas. Haviamatado Letícia num surto de ira e o sentimento de remorso me cor-roía por dentro. O pior de tudo era que eu não podia aceitar a ideiade substituir a mulher que sempre amei por uma ginoide. Não que-ria ser preso, mas também não me sentia confortável com a ideia depassar o resto da minha vida em um casamento de mentira. Renatoouvia meus tormentos sem dizer uma palavra. Seus olhos estavam fo-cados na estrada, e então, em um tom casual de conversa de bar elecomeçou um questionamento que me trouxe uma revelação. — Me diga uma coisa, porque você matou Letícia? — Porque ela me traiu, quer dizer, eu não sei... Comecei a balbuciar palavras sem nexo, numa patética tenta-tiva de elaborar uma explicação lógica para o meu ato, e assim queconsegui formular uma linha de raciocínio, vagamente coerente, res-pondi: — Quando Letícia me contou que estava tendo um caso eunão pensei em mais nada. Apenas senti uma raiva, uma impotência,uma frustração muito grande que foi crescendo dentro de mim e en-tão perdi o controle. 19
  16. 16. Renato me encarou de uma forma que fez eu me sentir umretardado, e então disse: — Deixe-me reformular a pergunta: por que você sentiu tantaira, a ponto de perder o controle e matar Letícia? — Não entendi a pergunta. — Veja bem, a traição te deixou magoado, é compreensível.Mas essa não foi a razão pela qual você surtou — as palavras dele soa-vam como um enigma. — Então qual foi a razão? — perguntei. Renato parou de falar por um instante. Parecia esperar que eudescobrisse a resposta sozinho, mas quando se deu conta de que eunão tinha ideia nenhuma, retomou a palavra. — Você diz que acha que não vai conseguir ter uma substitutacomo esposa porque não aguentaria viver uma ilusão, mas o que vocêfalha em perceber é que seu casamento era uma ilusão. Digo mais,Letícia era uma ilusão. — O que você quer dizer com isso? – perguntei espantado. — Me diga, você conhecia bem Letícia? — a pergunta me soouofensiva, e um tanto irritado, respondi que a conhecia bem. Durante uns dois minutos discursei sobre como a convivênciaa dois faz com que duas pessoas conheçam os detalhes mais íntimosdos sentimentos de cada um e os pensamentos mais profundos umdo outro. Pelo menos era o que eu acreditava até ouvir a seguinte per-gunta: — Se você conhecia Letícia tão bem como você diz, então,como você não previu a traição dela? A indagação de Renato me paralisou como um soco na bocado estômago. Realmente, a traição de Letícia era algo que eu jamaisesperava. Nunca imaginei que ela fosse capaz de fazer isso comigo. Foinesse momento que comecei a entender onde Renato queria chegar. — Você matou Letícia não porque ela te traiu, mas porqueLetícia, ao trair você, destruiu todas as ilusões que você havia cons-truído em torno dela. A mulher que você amava apaixonadamentenão era a Letícia real, mas sim uma criação da sua própria mente, umaoutra Letícia, uma Letícia idealizada que se sobrepunha a verdadeira.Colocando os atos e palavras de Letícia em retrospectiva percebi oquanto eu havia me iludido durante todos esses anos. Esforçava-meem ignorar seus defeitos e atribuía a ela qualidades que não possuía,criando assim uma idealização romântica, que existia apenas emminha imaginação, e que eu projetava na Letícia verdadeira. — Então, se a Letícia que você amava nada mais é do que oproduto de sua imaginação, que diferença faz ter uma ginoide no lu-gar da mulher de carne e osso? Já que a mulher de carne e osso, pouco,ou talvez em nada, correspondia a sua idealização? )lusão por ilusãoé melhor uma ginoide — disse Renato, cujas palavras complementa-vam minha epifania. 20
  17. 17. O carro parou em frente a um navio abandonado no porto.Retiramos Letícia do porta-malas e a levamos para dentro. Ao chegarno interior do navio, deparei-me com um rústico, porém bem equi-pado laboratório. No centro da sala três homens nos esperavam. Nolado direito vi todo tipo de maquinário e ferramentas que se podiaimaginar e no lado esquerdo, vários endoesqueletos prateados de for-mas femininas em ileiras. Foi quando descobri que, ao contrário doque muitos pensam, ginoides não são feitas de metal, mas de umaibra de carbono diferenciada. — Mais resistente que ossos humanos e tão resistente quantometal — disse um homem de óculos, que se aproximou de mim en-quanto eu observava as ginoides. Comecei a ter receios. Uma ginoide não envelhece. Por quan-to tempo poderia manter essa farsa? O homem de óculos, que a julgarpela forma bem articulada de falar e o vocabulário técnico era o cére-bro cientíico por trás da operação, apaziguou minhas dúvidas. Ele ex-plicou que ginoides eram basicamente um microprocessador dentrode um endoesqueleto, e este por sua vez, era coberto por pele, sanguee carne humana. Apenas um exame médico muito detalhado poderiarevelar a verdade. Envelhecimento também não seria um problema.As ginoides padrão da Corporação Saiteki tinham uma pele que imi-tava o tecido humano e que nunca envelhecia. Porém, nas substitu-tas seria injetado uma substância que provocaria um envelhecimentogradual na pele com o passar dos anos, no entanto sem comprometera beleza. — As mulheres hoje fazem diversas cirurgias plásticas e trata-mentos cosméticos. Atualmente é impossível encontrar uma mulherque aparente ter mais de quarenta anos. Vai icar tudo bem. Não sepreocupe — disse Renato, coniante. Nesse meio tempo o segundo homem, que antes estava ocu-pado examinando o corpo de Letícia, entrou na conversa. — Você estraçalhou o crânio dela — foram essas suas secaspalavras. — E se a substituta revelasse para alguém que ela era umaginoide? — foi o pensamento que me ocorreu. — )sso não irá acontecer por uma razão simples. A substitutanão sabe que é uma ginoide. Ela pensa que é uma mulher de verdade.Não é perfeito? — respondeu Renato, entusiasmado. — Você está me dizendo que Joana não sabe que é uma má-quina? Que ela pensa que é... humana? — indaguei, espantado. — Mas é óbvio — interviu o homem de óculos. — Todas assubstituições que izemos até hoje deram certo por um único motivo:a vítima do crime não sabe que foi uma vítima. O único lado negativode se inserir memórias falsas em ginoides é que isso impossibilita a in-serção de programas de proteção ao usuário. Você sabe do que estoufalando, não? São aqueles softwares que obrigam uma inteligência 21
  18. 18. artiicial a sempre obedecer seu usuário, nunca ferir um humano e etc,etc, etc. Se uma inteligência artiicial torna-se ciente desses protoco-los, logo torna-se ciente de que não é humana. Obedecer o programaque diz não ira humanos signiica tomar consciência de que se éuma máquina. E isso arruinaria o truque. O terceiro homem, o único que não havia falado ainda, mani-festou-se. — Eis o que você irá fazer: vá para a casa, ligue para o serviçode sua esposa e diga que ela não pode ir trabalhar esta semana, por-que está doente. Não se preocupe que providenciaremos o atestadomédico e lhe enviaremos pelo correio. Enquanto isso aguarde, quedentro de seis dias a substituta estará pronta e a enviaremos para suacasa. Apenas aja naturalmente quando a ver. — Agradeça seu amigo Renato. Essa é a primeira vez que en-cobrimos um crime alheio. Os maridos costumam nos contratar paramatar suas esposas e substituí-las por ginoides, mas a parte de matarvocê já fez. Veja o lado bom, vamos até cobrar menos por causa disso— interviu o segundo homem, sarcástico, enquanto colocava o corpode Letícia em uma mesa. — E antes que eu me esqueça, não quer aproveitar e melhorara aparência dela também? Se você quiser que ela tenha seios maioresou uma bunda mais irme é só falar. Podemos fazer o que você quiser.É por conta da casa — perguntou o terceiro homem. — Mude a cor do cabelo dela — eu disse. — Ruivo. Quero ruivo. Foram-me dadas mais algumas instruções. O pagamento foiacertado. No caminho de volta eu e Renato permanecemos em silêncio,até que perguntei: — Renato, as substitutas não sabem que são substitutas, cer-to? Como você acha que elas reagiriam se descobrissem que são má-quinas? Renato respondeu: — O que você faria se descobrisse que você não é humano eque foi assassinado? Os seis dias que antecederam a chegada da substituta foramdeinitivamente os piores dias da minha vida. Minha consciência cul-pada se manifestava de diversas formas. Às vezes sentia um apertono coração, falta de ar e tonturas, era como se meu próprio corpo serevoltasse contra o meu pecado. Em outras ocasiões minha mente erainvadida pela imagem de Letícia deitada no chão: um ino riacho desangue escorrendo por atrás de sua nuca, a cabeça inclinada para a es-querda e os olhos paralisados itando o rodapé do quarto. Meus pen-samentos, contra a minha vontade, retornavam incessantemente a-quele meu momento de fúria, tal qual um policial numa sala de inter- 22
  19. 19. rogação, que obriga um criminoso a encarar as fotos dos cadáveres desuas vítimas na cena do crime. Veja, você fez isso! Olhe para Letícia!Não vire o rosto! Olhe! , era o que o policial que habitava minha cons-ciência gritava sem piedade. A culpa me castigava com uma potênciamuito maior do que qualquer mágoa produzida pela língua ferina deLetícia. Como era horrível estar sozinho em casa. Desejava ouvir maisuma vez aquele tom de reprovação da voz de Letícia, desejava sentiraquele olhar de ojeriza direcionado a mim, desejava sentir sua cóleravoltada a minha pessoa por qualquer motivo banal. Qualquer castigoque Letícia me aplicava, por mais que considerasse injusto, era prefe-rível a sua ausência. Quase cheguei a ligar para a polícia, queria dizer“eu a matei” o mais alto que pudesse e para todas as pessoas que en-contrasse pela frente, e quando me imaginava confessando o crime,também me imaginava sendo tomado por uma sensação de alívio aoproferir essas palavras. A única coisa que me impedia de me entregara polícia era meu instinto de preservação. Um instinto que traçavauma luta sanguinária contra a minha consciência, uma luta onde meuespírito era o campo de batalha devastado pelo conlito entre estesdois oponentes. A substituta apareceu seis dias depois, conforme o prometido.Uma Letícia ruiva entrou em casa por volta das oito da noite. Ao mever no sofá, abraçou-me e me deu um beijo. Esforcei-me em disfarçara surpresa e perguntei onde ela esteve. Ela respondeu: — (ué? Eu fui para o trabalho. Como é bom sair de casa de-pois de uma semana gripada. Perguntei sobre Felipe e ela me respondeu que havia termi-nado com ele e era para colocarmos uma pedra nesse assunto. Comonão bastasse, Letícia ainda pediu o meu perdão. Nos meus seis dias de purgatório, questionava-me se iria con-seguir de fato aceitar a substituta. Imaginava que, no momento emque aparecesse em minha porta, não conseguiria me deixar enganar,não conseguiria aceitar a mentira, e, levando a substituta pela mão,iria à delegacia mais próxima confessar meu crime. Entretanto, a substituta não era uma cópia de Letícia, ela sim-plesmente era Letícia. O jeito de falar, andar, o cheiro, o olhar, os ges-tos, tudo era tão idêntico a minha Letícia que por um momento che-guei a pensar que ela havia retornado dos mortos. Quando toquei nasubstituta tive um choque visceral: a textura de sua pele era igualaquela que minha memória tátil tinha como recordação. Não podiaacreditar que a mulher a minha frente era uma ginoide. “Seria o fan-tasma de Letícia? , peguei-me em um pensamento tolo. Teria sidotudo um pesadelo? , eu havia ingerido uma considerável quantidadede álcool nos últimos seis dias, numa tentativa de afastar o policialque vivia em minha consciência. O que denunciava a farsa, no entanto, e que atestava que não 23
  20. 20. havia enlouquecido, era o fato de que a substituta me tratava de umaforma que a Letícia real nunca havia me tratado, nem mesmo nostempos em que estávamos no auge da paixão. Não que Letícia, a ver-dadeira, não fosse uma excelente companheira naquela época devoser justo com ela , mas o fato é que a substituta superava a Letícia dostempos de namoro. O que dirá então a que eu havia assassinado! Adiferença mais marcante entre Letícia e seu doppelganger cibernéticoera que a língua ferina havia dado lugar a uma língua suave e macia.Se antes eu era um escravo açoitado pela língua ferina de Letícia ago-ra era acariciado como se fosse um ilhote canino. Sentia-me comoum frágil cãozinho e Letícia era a mãe que lambia a cria com todo ocarinho do mundo. Porém, o que realmente me surpreendeu foi a facilidade comque esqueci o ato terrível que havia cometido. Aceitei o fato de queaquela mulher que estava perante meus olhos era Letícia com umarapidez que eu não me julgava capaz. Eis o que aprendi sobre a culpa:a culpa, para poder atormentar o espírito humano, depende do queos sentidos dizem ao culpado. Se antes eu projetava uma Letícia idea-lizada, fruto do meu temperamento romântico, em cima da verdadei-ra, agora a substituta enganava os meus cinco sentidos de uma formaque me levavam a acreditar que a ginoide era a minha Letícia. Letíciaestá viva , era o que minha visão, olfato, audição, tato e paladar quan-do eu beijava a substituta e sentia sua saliva banhar minha língua di-ziam ao meu cérebro, que, por sua vez, reagia enterrando a memóriade seu assassinato no fundo de minha consciência. O sentimento deculpa aos poucos se tornou uma lembrança distante, um sonho ruimcuja memória deinhava lentamente. Culpa é quando encaramos nos-sos atos, mas quando o ato é desfeito, ou cria-se uma ilusão dessegênero, a culpa desaparece. O policial em minha consciência estavamorto. Quanto ao meu relacionamento com a substituta, não haviaqueixas. Tudo estava simplesmente perfeito. Éramos como Adão e Evano paraíso, mas infelizmente todo paraíso tem que ter sua serpente.No nosso paraíso a serpente se chamava Felipe. Ele não aceitou bema rejeição. Razão que o levou a assedia-la no trabalho, a ligar constan-temente para nossa casa e vigiar nossa residência. Tivemos que tro-car o número do videofone. Também demos queixa na polícia e nossoadvogado entrou com uma liminar que o obrigava a manter distância. Não tivemos mais notícias de Felipe desde então. Supus quehavia superado a rejeição de Letícia. Certa noite a levei para jantar fora. Enquanto ela se servia,não podia deixar de pensar no que Renato havia me dito sobre subs-titutas serem simulações perfeitas de mulheres humanas. Emboranão precisassem nem de sono ou comida, elas eram programadaspara sentir essas necessidades, e também eram equipadas com um 24
  21. 21. biodigestor que processava os alimentos, transformando-os em fon-te de energia. Letícia ria, bebericava champanhe e me encarava comos olhos cheios de ternura. Perguntava-me se ela era capaz de sentiremoções. Seriam seus risos e sorrisos apenas reações programadasde um software ou haveria algo de genuíno neles? Evitava pensar nes-sas questões, porque a única coisa que me impressionava mais do quesaber que Letícia era uma ginoide, era saber que ela não tinha cons-ciência disso. Observava as outras mesas a nossa volta. Havia casais ele-gantemente vestidos que exibiam aquele sorriso que só os apaixona-dos conseguem produzir. Porém, o que me chamou a atenção é queas mulheres eram particularmente belas e alegres. Foi então que veioo pensamento que me assombrou: e se as mulheres nas outras mesastambém fossem ginoides? Quantos homens como eu haveriam? Asmulheres que trabalhavam comigo na irma de contabilidade seriamginoides? As esposas de meus amigos e parentes também seriam gi-noides? Quantas ginoides haveriam entre as centenas de mulherescom quem eu cruzava na rua todos os dias quando saía para traba-lhar? Essa ideia me causou uma súbita falta de ar, pedi licença a Letí-cia e fui ao banheiro refrescar o rosto. Saímos do restaurante e esperamos pelo táxi. Estava com obraço em volta de Letícia quando vi uma luz forte a minha esquerda.Um carro veio em alta velocidade na nossa direção. Movido por umareação instintiva me atirei no meio da rua. Letícia não conseguiu sedesviar a tempo (talvez porque faltasse a substituta certos instintosbásicos). O carro a atingiu em cheio e esmagou-a contra um poste. Aconfusão chamou a atenção dos clientes do restaurante e estes, jun-tos com transeuntes, presenciaram um espetáculo de horror. O impacto fez um io de luz do poste se soltar. O io balança-va no ar como uma serpente. Cada chicoteada que dava em Letíciaarrancava sua pele, deixando a mostra partes de seu endoesqueletoprateado. Cada choque signiicava uma descarga de milhares de voltse cada golpe queimava um pedaço de sua carne. Quando o io paroude balançar tudo o que sobrou era uma criatura semicarbonizada,meio-humana, meio-mecânica e totalmente desigurada. Aproximei--me do carro. Felipe estava no banco do motorista. Ele tinha um cortefeio no rosto e sangrava muito. Um pedaço de metal havia atraves-sado seu estômago. Perguntei por que ele fez isso. Não obtive respos-ta. Porém, enxerguei no rosto de Felipe os mesmos impulsos destruti-vos que vi no espelho, na noite em que assassinei Letícia. O públicoque se formou em volta do acidente icou aterrorizado, mas não tantoquanto a própria Letícia que, com as pernas presas entre o carro e oposte, olhava angustiada para o relexo de sua imagem desigurada nopara-brisa do automóvel. Uma faísca saiu do io de luz e caiu na poçade combustível que havia se formado em torno do carro. Em poucosinstantes, labaredas surgiram em volta do veículo. Afastei-me antes 25
  22. 22. que fosse consumido pelo fogo, deixando para trás Letícia e Felipe. Afumaça subiu até o alto dos prédios e ao longe se ouvia as sirenes seaproximando. Não podia mais permanecer no local e, aproveitando otumulto, desapareci em meio a multidão. O incidente virou notícia internacional. Bombeiros resgataramo cadáver de Felipe e o endoesqueleto de Letícia da carcaça do auto-móvel incendiado. (ouve uma investigação que resultou na prisão daquadrilha do porto, de Renato e centenas de outros homens que havi-am assassinado suas esposas e as substituído por ginoides. O governocriou uma comissão especial para investigar as atividades da Corpo-ração Saiteki no Brasil e discutir a proibição de ginoides em territórionacional. Minha foto estava em todos os noticiários, e sempre comuma legenda escrito PROCURADO . Mas nada disso me preocupava,o que realmente me horrorizou foi a notícia de que o endoesqueletode Letícia havia desaparecido do laboratório da polícia. Era madrugada. A porta do quarto de hotel onde eu estavaescondido se abriu. Entre as sombras do corredor enxerguei uma si-lhueta feminina. Ela usava um sobretudo. Cachecol e óculos escuroscobriam seu rosto. Seu cabelo era ruivo. Ela estava coberta de banda-gens da cabeça aos pés. Eu tinha um revólver. Atirei. Mais resistenteque ossos humanos e tão resistente quanto metal , vieram-me a cabe-ça as palavras. A criatura tirou o sobretudo, removeu as bandagens, aperuca ruiva, o cachecol e os óculos escuros. Um imponente endoes-queleto prateado reletia a luz da lâmpada no teto. Naquele momentooutras palavras me vieram à mente, “o que você faria se descobrisseque você não é humano e que foi assassinado? . 26
  23. 23. Ela, a Ginoide ª Lei da Robótica: um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal. 2ª Lei da Robótica: um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conlito com a Primeira Lei. Isaac Asimov Suzana ouvia Camila chorando. Podia também ouvir a voz dopai da menina. O homem dizia a Camila para não ter medo. Dizia queele icaria muito chateado se sua ilha não lhe obedecesse. A mãe deCamila dormia. Suzana, portanto, era a única ciente dos eventos quetranscorriam naquela madrugada de quinta-feira. Suzana bateu à porta do quarto da menina. — Está tudo bem, Camila? — perguntou. — Está tudo bem, Suzana. Vá embora! — respondeu uma vozmasculina. Suzana entrou no quarto. O pai de Camila, completamente nue deitado na cama ao lado da menina, que também estava sem rou-pas, levantou-se. Enrolado nos lençóis ordenou, num tom de fúriacontida, que Suzana se retirasse. — Senhor, devo pedir que retorne ao seu quarto — disse Su-zana, friamente. — Você não manda em mim! Eu mando em você! Agora voltepara a sala e não conte o que viu para ninguém! — respondeu o pai. — Suzana, não vai embora! — suplicou a criança. — Calma, minha fofa. Calma, você não quer aborrecer a Su-zana. É tarde da noite e ela precisa dormir — disse o pai, sentando-seao lado de sua ilha e a abraçando. — Suzana não precisa dormir! Ela nunca dorme! — respondeua menina, tentando se soltar. Suzana ergueu o pai de Camila da cama. Torceu seu braço e ojogou contra a parede. Imobilizado, o homem gritava para que o liber-tasse. — Sinto muito, senhor. Não posso permitir que continue ma-chucando essa criança. O pai, após tentar em vão se libertar, lembrou que Suzana osuperava em força física. 27 27
  24. 24. As ginoides MPO - foram construídas para cuidar de crian-ças, e parte de suas especiicações incluía não apenas um endoesque-leto de ibra de carbono movimentado por um sistema hidráulico in-terno, que dava a Suzana uma força descomunal, como também a gi-noide fora programada com soisticadas técnicas de defesa pessoal eartes marciais, um software opcional, o qual o pai de Camila pagouum extra para garantir maior segurança a sua ilha, e que agora se ar-rependera. Foi necessário menos de um minuto espremido contra a pare-de para que o pai de Camila percebesse o quanto era inútil resistir. Elesabia que a segunda lei da robótica estava a favor da ginoide, que nãomais lhe obedecia. O que aconteceria a seguir? A ginoide o manteria preso contraa parede a noite toda? Ela o mataria? Não, robôs não podem matarhumanos, a primeira lei da robótica não permite , pensou o homem,tentando manter a calma. A mãe, sonolenta, e acordada pela comoção, apareceu noquarto. Ao ver seu marido nu contra a parede, junto a Suzana, demo-rou a entender o que estava acontecendo. Ela conhecia o homem com quem casara. Sabia que, quando ocasal decidiu comprar uma babá artiicial para a ilha, a insistência deseu marido que a ginoide tivesse a aparência de uma adolescente pos-suía motivações escusas. Vai ser melhor para a nossa ilha. A ginoidevai ser como uma irmã mais velha , argumentou. A mãe de Camilaacreditou, embora ciente que sempre que houvesse a oportunidade omarido transaria com aquela bela jovem ruiva de seios pequenos como rosto cheio de sardas. Todavia, ela escolheu ignorar esses fatos. Ser mãe e mulher decarreira ocupava muito tempo, mais do que dispunha. Por isso a pre-sença de Suzana se fazia necessário. Além disso, ela era apenas umamáquina. A ginoide não oferecia risco. Melhor ter seu marido transan-do com uma mulher mais jovem mecânica do que com uma de carnee osso. Quando viu sua ilha nua na cama, abraçada a um urso pandade pelúcia e aos prantos, entendeu inalmente que não se tratava deuma pulada de cerca de seu marido, se é que transar com uma ginoidepoderia ser considerado traição, conforme havia reletido sobre o te-ma inúmeras vezes. Desta vez era algo pior, algo que conhecia tão bem quanto astraições de seu marido. Camila havia contado tudo a sua mãe. Porém,não encontrou em sua progenitora a salvação que esperava, tendoque conviver muitas noites com as moléstias noturnas inligidas peloseu pai. Ao invés de proteger sua ilha, optou por ignorar a realidadecruel de seu lar. Agora, ao presenciar a cena daquela madrugada dequinta-feira, ela entendeu o preço de sua omissão. — Solta meu marido — gritou a mãe a ginoide, que a ignorou 28
  25. 25. sumariamente. A mulher tentou tirar as mãos que prendiam seu marido.Agrediu a ginoide, puxou seus cabelos, arranhou seu rosto, mas elapermanecia imóvel. Um rosto sem expressão, segurando o homemcontra a parede. A mãe se sentia impotente. Uma raiva tomou contadela ao perceber que nada podia contra aquela máquina que lagelavaseu marido. Então a mãe viu, na cabeceira ao lado da cama, um abajur ámeia-luz. A mulher o ergueu, tirou o chapéu que protegia a lâmpadae a quebrou, golpeando-a contra a parede. Faíscas jorravam da pontado abajur. A mãe cravou o objeto no olho direito da ginoide, pene-trando fundo em sua órbita ocular. Uma corrente elétrica percorreu todo o corpo de Suzana. Elasoltou o homem e começou a ter espasmos pelo meio do quarto. A gi-noide caminhava para frente e para trás enquanto um forte cheiro dequeimado emanava dela e todas as luzes da casa começaram a piscaraté que, enim, a escuridão tomou conta da residência. Suzana caiu no chão. O pai apoiou as costas na parede. A mãe pegou o lençol nochão e cobriu seu marido. Da cama a criança observava a cena. A me-nina sentia-se negligenciada pela mãe, que optou por socorrer o ho-mem que a machucara. Naquele momento Camila sentiu que a únicapessoa que se importava com ela era Suzana, e correu em direção aginoide. — Filha, se afasta dela — gritou a mãe. A cavidade negra e chamuscada que antes fora o olho direito,e que encontrava-se perfurada pelo abajur, exalava um cheiro de quei-mado que ardia nas narinas da menina, mas ela lutava contra o mal--estar e sacudia o corpo inerte de Suzana. — Acorda, por favor — implorou Camila, ajoelhada. As lágrimas da menina banhavam o rosto da ginoide. Então,como se as lágrimas a tivessem despertado, ela se levantou. A únicaluz no quarto vinha dos postes na rua, que, junto ao brilho natural doluar, formavam uma combinação de tons de amarelo e prata. Na escu-ridão a sombra da ginoide, projetada na parede, adquiriu contornosfantasmagóricos. Ela caminhou em silêncio em direção ao casal, quese encontrava sentado no chão, entre a cabeceira e a porta que davapara o corredor. Toda a vizinhança acordou com os gritos de socorro dos paisde Camila. Dez anos depois. Thaís passava manteiga na torrada de Maristela. A meninaobservava seus pais dialogarem enquanto aguardava sua mãe lhe en-tregar os pães. — Querida, não me sinto bem em deixar Maristela com uma 29
  26. 26. estranha — confessou Gilberto. — Eu entrevistei cinco candidatas antes de me decidir por ela.Quando conhecê-la você vai ver que toda essa preocupação é boba-gem sua — respondeu Thaís, antes de dar um beijo em seu marido. — Tudo bem, se você gostou da menina eu conio em você. Apropósito, qual é o nome dela? — perguntou Gilberto, enquanto suaesposa o servia uma xícara de café. — O nome dela é Lisandra — olhou para o relógio. — Já sãoquase nove horas. Ela deve chegar daqui a pouco. — Sabe, Thaís, andei conversando por videofone esses diascom o Jairo. Lembra dele? Ele trabalhava comigo na Saiteki no depar-tamento de robótica. Ele me falou que a Saiteki tem planos de lançaruma nova linha de ginoides, voltadas para o público infantil — Gilbertobebeu outro gole em sua xícara. — Deus me livre. Eu nunca colocaria minha Maristela nasmãos de uma ginoide! — a resposta de Thaís surpreendeu Gilberto,que se engasgou com o café. Atônito, e num tom de indisfarçável perplexidade, ele disse: — Você é a última pessoa de quem eu esperava ouvir isso,Thaís. — Mãe, o que o pai quer dizer com isso? — perguntou Maris-tela, curiosa. Thaís não respondeu verbalmente. O olhar fulminante quelançou ao marido era mais poderoso que qualquer palavra. Gilbertopercebeu que havia cometido um erro. Certos assuntos não deviamser discutidos e sua esposa estava coberta de razão em repreendê-lovisualmente. Gilberto acionou seu jornal holográico e começou a ler,como fazia todas as manhãs, e rezava para que o assunto não pros-seguisse. Por sorte do casal, Maristela não insistiu na pergunta, poissua atenção havia se voltado para o som da campainha. Thaís atendeu a porta. Maristela e Gilberto ouviram passosvindos do corredor até a cozinha. — Gilberto, essa é a Lisandra. Lisandra, esse é meu maridoGilberto — ele tirou os olhos do jornal holográico e cumprimentoua jovem loira, de cabelos encaracolados, que aparentava ter cerca deuns dezoito anos. — Essa é minha ilhota Maristela. Filha, cumprimente a Lisan-dra. Ela é quem vai cuidar de você enquanto a mamãe estiver traba-lhando — a menina sorriu para a jovem. Gilberto trocou algumas poucas palavras com a babá, pois ti-nha que ir trabalhar. Sua esposa não precisava perguntar o que Gil-berto achou da jovem que ela havia selecionado para cuidar da ilha.Lisandra era uma moça bem vestida, muito educada e meiga. Era apersoniicação da babá ideal que existia apenas em ilmes. A formacomo ela e sua ilha estabeleceram uma simpatia mutua, logo nosprimeiros momentos naquela manhã de segunda-feira, era uma pro- 30

×