Seminário América Latina - Chile e Haiti

895 visualizações

Publicada em

Apresentação (PowerPoint 2007) produzida para a atividade acadêmica “Seminário da América Latina” ministrada pelo Professor Dr. Alberto Efendy Maldonado G. de La Torre para os cursos de Comunicação Social da UNISINOS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos) em São Leopoldo/RS (2014-2). O trabalho está dividido em três momentos sendo o primeiro com as comparações gerais de dados entre o Brasil, o Chile e o Haiti. No segundo estágio passamos a apresentação do Chile e concluímos, em um terceiro momento, com o Haiti.
O trabalho foi desenvolvido em grupo pelos alunos Daniel Cunha, Diego Crepes, Felipe Bruxel, Francesco Rizzo e Lilian Lemke.

IMPORTANTE:
A apresentação foi editada com efeitos de transição e muitas animações interativas que, provavelmente, não serão percebidas na exibição online e trará certo prejuízo na compreensão de algumas lâminas. Problemas que, acredito, serão resolvidos com o download da apresentação.
As fontes utilizadas foram Gotham e a Gotham-Book e a apresentação será mais bem visualizada na versão 2007 do PowerPoint.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
895
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A palavra aimará chili, significa "confins da Terra", deu nome à república sul-americana do Chile, que se encontra praticamente isolada do resto do continente pela muralha dos Andes.

    O Chile é um dos países do mundo com maior quantidade de vulcões.
    Entre ativos e inativos, existem cerca de 15 vulcões no país. 

    A maior parte da população, aproximadamente 65%, é mestiça, como resultado da mistura racial de índios e espanhóis durante o período colonial. Vem em seguida a população branca, com cerca de 25%, de origem européia, principalmente espanhola. O grupo indígena tem a menor representação, com aproximadamente 11 por cento.

    O Chile é um dos países mais industrializados da América do Sul, ao lado do Brasil e da Argentina. 

    O sistema ferroviário é um dos melhores da América do Sul

    A língua oficial do Chile é o Espanhol; porém em algumas regiões do país usa-se alguns dialetos, que podemos também chamar de outras línguas como o Araucano e outras línguas Indígenas. E em algumas regiões encontra-se também o uso de línguas aborígines.

    DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO: 85% da população é Urbana, 15% restante é de população Rural.
  • Conquista espanhola. Em 1520, Fernão de Magalhães avistou as terras chilenas.

    E AS primeiras expediçãoes comandadas por Diego de Almagro regressaram decepcionada por não ter encontrado metais preciosos.

    Em 1540, depois da morte de Almagro, Pedro de Valdivia, à frente de 150 espanhóis, deu início à colonização da região. Em 1541 fundou Santiago. A vida na nova colônia foi difícil, devido à resistência dos índios.

    Em 1550, Valdivia prosseguiu sua marcha em direção ao sul. fundou a cidade de Concepción. Três anos depois, o avanço foi impedido pela oposição dos araucanos, que, liderados pelo cacique Lautaro, capturaram e mataram Valdivia.

    Começava assim uma sangrenta guerra que se prolongaria até o final do século XIX, quando os índios foram definitivamente subjugados.

    Nos últimos anos do século XVI, a costa chilena foi saqueada por piratas como Francis Drake, que, protegidos pela coroa britânica, tentavam romper o monopólio comercial do império espanhol.


  • A falta de metais preciosos obrigou os colonizadores a se dedicarem à agricultura. Dentro do império, o Chile era uma colônia pobre, sem recursos minerais e nem mesmo comércio, e por isso a coroa tinha de destinar-lhe recursos econômicos para manutenção do governo e do exército. Essa ausência de atrativos explica que, no final do século XVI, não houvesse mais que cinco mil espanhóis na colônia.
    A falta de metais preciosos obrigou os colonizadores a se dedicarem à agricultura. Dentro do império, o Chile era uma colônia pobre, sem recursos minerais e nem mesmo comércio, e por isso a coroa tinha de destinar-lhe recursos econômicos para manutenção do governo e do exército. Essa ausência de atrativos explica que, no final do século XVI, não houvesse mais que cinco mil espanhóis na colônia.

    Administrativamente, o Chile fazia parte do vice-reino do Peru.

    Da mesma forma que em outras partes do império espanhol na América, no Chile ocorreu intensa mistura de índios com brancos, o que explica a homogeneidade étnica de sua população.

    Ao final do período colonial, havia uns 300.000 mestiços, 175.000 brancos (espanhóis e crioulos) e 25.000 negros, na maioria escravos.

    A estrutura social se apoiava na divisão racial: os espanhóis e crioulos ocupavam os postos mais importantes; mais abaixo estavam os mestiços e índios; e os trabalhos mais duros eram destinados aos negros.


    Administrativamente, o Chile fazia parte do vice-reino do Peru. Dentro da colônia, o capitão-geral detinha o poder absoluto sobre a população, embora, teoricamente, fosse possível apelar ao vice-rei ou ao rei da Espanha.
    Da mesma forma que em outras partes do império espanhol na América, no Chile ocorreu intensa mistura de índios com brancos, o que explica a homogeneidade étnica de sua população.

    Ao final do período colonial, havia uns 300.000 mestiços, 175.000 brancos (espanhóis e crioulos) e 25.000 negros, na maioria escravos. A estrutura social se apoiava na divisão racial: os espanhóis e crioulos ocupavam os postos mais importantes; mais abaixo estavam os mestiços e índios; e os trabalhos mais duros eram destinados aos negros.

    A população se concentrou no denominado "berço da nação chilena", ao longo do vale do Aconcágua, e entre Santiago e Concepción. Nessas regiões praticava-se uma agricultura cerealista, com utilização de mão-de-obra indígena. Os morgadios, concedidos a membros da nobreza espanhola, foram estabelecidos nas melhores terras do país, o que deu origem à posterior estrutura da propriedade fundiária. A colônia viveu muito isolada do resto do império; o primeiro jornal foi fundado pouco antes da independência, assim como a Real e Pontifícia Universidade de San Felipe, em Santiago.
  • Apesar do isolamento em que vivia a colônia, os acontecimentos do final do século XVIII e princípio do XIX favoreceram a formação de uma consciência nacional. Dentre esses acontecimentos destacam-se a independência das colônias anglo-americanas e do Haiti, a revolução francesa e o enfraquecimento da metrópole, que se revelou na invasão britânica do vice-reino da Prata, a intensificação do contrabando comercial e a ocupação da Espanha pelas tropas napoleônicas.

    Em 1810, depois de reunir-se em Santiago um cabildo aberto constituído pelos representantes dos grupos privilegiados, formou-se um governo provisório composto por líderes locais. Entre 1810 e 1813, esse governo realizou importantes reformas, como a proclamação da liberdade comercial e o estímulo à educação. Entretanto, logo surgiram dissensões entre os crioulos com relação à extensão das reformas. Enquanto isso, a Espanha, que em 1813 expulsara os franceses de seu território, deu início à recuperação do controle sobre as colônias. Em outubro de 1814, depois da derrota dos patriotas em Rancagua, o Chile retornou ao domínio espanhol.

    Os líderes da independência tiveram que se exilar. Na Argentina, Bernardo O'Higgins conseguiu o apoio de José de San Martín, que, ajudado pelo governo revolucionário de Buenos Aires, estava recrutando um exército para libertar o cone sul hispano-americano. Além disso, no interior do país crescia o descontentamento com o governo da colônia.

    Em janeiro de 1817, aproveitando o clima interno adverso, San Martín e O'Higgins atravessaram os Andes e, em 12 de fevereiro, derrotaram os realistas em Chacabuco. San Martín renunciou ao poder e O'Higgins se transformou no chefe supremo do novo país.
    Em fevereiro de 1818, foi proclamada a independência e, em abril, depois da batalha de Maipú, os espanhóis abandonaram o país, embora ainda tenham permanecido na ilha de Chiloé até 1826.

    O Chile tinha conseguido a independência, mas não a paz. Os crioulos estavam divididos entre os partidários de José Miguel Carrera (que estivera no poder entre 1811 e 1813), e os de O'Higgins. A partir de 1822, com a saída dos espanhóis do Peru e o afastamento da possibilidade de uma invasão realista, intensificou-se a oposição a O'Higgins, que culminou com seu afastamento do poder um ano depois.

    Entre 1823 e 1830, a política chilena esteve dominada pela luta entre diversas facções para conquistar o poder. Esse fato redundou na existência de trinta governos em sete anos. O caos político terminou em 1829, quando os conservadores, com o apoio de parte do Exército, nomearam uma junta presidida por José Tomás de Ovalle, embora o poder tenha sido exercido de fato por Diego Portales.

    Apesar do isolamento em que vivia a colônia, os acontecimentos do final do século XVIII e princípio do XIX favoreceram a formação de uma consciência nacional.

    Dentre esses acontecimentos da epoca, destacam-se a independência das colônias anglo-americanas e do Haiti, a revolução francesa e o enfraquecimento da metrópole, que se revelou na invasão britânica do vice-reino da Prata, a intensificação do contrabando comercial e a ocupação da Espanha pelas tropas napoleônicas.

    Em 1810, depois de reunir-se em Santiago um cabildo aberto constituído pelos representantes dos grupos privilegiados, formou-se um governo provisório composto por líderes locais. Entre 1810 e 1813, esse governo realizou importantes reformas, como a proclamação da liberdade comercial e o estímulo à educação.

    Enquanto isso, a Espanha, deu início à recuperação do controle sobre as colônias. Em outubro de 1814, depois da derrota dos patriotas em Rancagua, o Chile retornou ao domínio espanhol.

    Os líderes da independência tiveram que se exilar. Na Argentina, Bernardo O'Higgins conseguiu o apoio de José de San Martín, que, ajudado pelo governo revolucionário de Buenos Aires, estava recrutando um exército para libertar o cone sul hispano-americano. Além disso, no interior do país crescia o descontentamento com o governo da colônia.

    Em janeiro de 1817, aproveitando o clima interno adverso, San Martín e O'Higgins atravessaram os Andes e, em 12 de fevereiro, derrotaram os realistas em Chacabuco. San Martín renunciou ao poder e O'Higgins se transformou no chefe supremo do novo país.

    Em fevereiro de 1818, foi proclamada a independência e, em abril, depois da batalha de Maipú, os espanhóis abandonaram o país, embora ainda tenham permanecido na ilha de Chiloé até 1826.
  • Nesse contexto, segundo o censo de 2002, o último válido oficialmente, 4,6% da população chilena, equivalente naquela época a 692.192 pessoas, pertencia a algum dos oito povos originais reconhecidos. A maior parte dessa população (87,3%) corresponde a mapuches; 7% são aimarás; e 3% atacameño. Os demais se dividem em quíchuas (0,9%); rapanui (0,7%); collas (0,5%); alacalufes (0,4%); e yámanas (0,2%).

    Os índios mapuches, do Chile e Argentina, foram o único povo nativo da América a vencer militarmente os conquistadores espanhóis, no século 16. Com táticas inéditas de guerrilha, sua resistência durou nada menos que 300 anos. Foram os criadores dos primeiros sindicatos de trabalhadores chilenos e hoje — apesar de espremidos no sul daquele país e numa pequena área da Argentina — ainda lutam bravamente. Nos últimos anos, parte dos presos políticos chilenos, acusados de terrorismo, pertencem à esta tribo.

    No ano de 2002 o censo chileno contabilizava uma população de pouco mais de 15 milhões de pessoas, sendo que por volta de 604 mil se definiram como Mapuche, representando assim 4% da população chilena. Como conseqüência de processos de migração interna, verificados a partir da desestruturação do território Mapuche no século XIX, muitos indígenas foram viver na cidade. Ainda de acordo com o censo chileno de 2002, estima-se que 62% dos Mapuche vivam em cidades, sendo que só a região metropolitana de Santiago abrigaria mais de 180 mil indivíduos (30% de toda a população Mapuche).

    Sem embargo, um terço da população Mapuche (por volta de 200 mil pessoas) ainda vive na região administrativa da Araucanía, considerada o coração de seu território ancestral, fazendo com que, uma de quatro pessoas que vivem nesta jurisdição seja Mapuche. A maioria desta população, entretanto, encontra-se socialmente marginalizada, sendo que segundo pesquisa oficial 42% dos Mapuche da Araucanía se encontravam no nível da pobreza 9 .
  • Os produtos que despontam neste setor são o salmão (o Chile é o segundo produtor mundial, atrás da Noruega); as frutas e frutas secas (sobretudo nozes, uvas, ameixas e maçãs, bem como os sucos) e o vinho. Uns alimentos e bebidas que fundamentalmente se destinam à exportação.

    “Vivemos para exportar”, afirma taxativo Andrés Rodríguez, presidente das associações empresariais Chile Prunes e Chilean Walnut. 95% da produção de frutas secas são para exportação, pois no mercado interno estes alimentos não são de consumo diário, explica. 70% das ameixas também são vendidas no exterior, agrega, aliás o país é o primeiro exportador mundial destas frutas.


    as vantagens do Chile em relação aos investidores estrangeiros do setor alimentício são “sua inocuidade, já que é um país livre de pragas; sua estabilidade política e sua baixa corrupção”.

    Porém, a mineração chilena ficou marcada por um grave acidente ocorrido no dia 05 de agosto de 2010. O desmoronamento de uma mina de cobre em San José, no norte do Chile, deixou 33 trabalhadores presos a uma distância de quase 700 metros da superfície. Em um ato de extrema bravura, considerado milagre por muitos, os mineiros resistiram até serem resgatados, no dia 13 de outubro – 69 dias após o acidente. Foi necessário fazer um duto de 66 cm de diâmetro para o resgate ser realizado. Esse acidente gerou uma alta nos preços do cobre, pois o Chile é responsável por produzir 35% do minério do mundo.

    essa nação apresenta o maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da América do Sul, com média de 0,783. Um dos principais responsáveis por tal fato é a força econômica do país, que apresenta uma economia bastante diversificada.

    O Chile desenvolve uma economia com fortes relações com o comércio exterior. Visando flexibilizar e intensificar as importações e exportações, a nação assinou acordos comerciais para reduzir as tarifas alfandegárias com diversos blocos econômicos: Mercosul (Mercado Comum do Sul), CAN (Comunidade Andina de Nações), UE (União Europeia), além de integrar a Apec (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico).

    Em 2008, o Produto Interno Bruto (PIB) do Chile, cuja moeda é o peso chileno, atingiu a marca de 169,4 bilhões de dólares. Esse indicador está em constante ascensão desde a década de 1970, quando o país adotou o modelo neoliberal, realizando a abertura para investimentos internacionais. Durante a década de 1990, o Chile obteve uma média de crescimento de 7% ao ano; e de 2000 a 2009, essa média ficou em 5%, sendo uma das maiores da América do Sul. O país se destaca nos três setores da economia: agropecuária, serviços e indústria.

    A agropecuária corresponde a 5% do PIB e a 10% das exportações chilenas. Esse setor da economia baseia-se nos cultivos de trigo, uva, aveia, cevada, milho, girassol, alho, beterraba, etc. O país também possui criações de bovinos, ovinos, aves e suínos, além da pesca, que é uma importante fonte de renda para parte da população.

    As belezas naturais, a arquitetura, o valor histórico, entre outros fatores, impulsionam o turismo: aproximadamente 2 milhões de pessoas visitam o Chile por ano. Os principais destinos são as estações de esqui, as construções incas em San Pedro de Atacama, o Vale da Lua, a Patagônia, a Ilha de Páscoa, Santiago, Valparaíso, entre outros.

    Já a indústria, responsável por cerca de 50% do PIB nacional, se concentra próxima à capital, Santiago. Os principais segmentos são o alimentício, a produção de vinho, têxtil, metalúrgico, siderúrgico, mecânico, maquinário, cimento, madeira e derivados, beneficiamento de minérios, etc.

    A mineração, por sua vez, é uma das principais responsáveis pela captação de receitas financeiras, visto que ela impulsiona tanto o setor industrial quanto o de serviços. O solo chileno é extremamente rico em recursos minerais, com destaque para as reservas de cobre – o país é o maior produtor e exportador mundial. Outros importantes minérios são: carvão, manganês, minério de ferro, molibdênio, zinco, chumbo e ouro.
  • A mais popular tradição chilena são as Festas Pátrias cada 18 e 19 de setembro, quando se comemora a Primeira Junta de Governo de 1810. Nas fondas e ramadas (postos típicos) você poderá desfrutar das comidas típicas, das empanadas, da chicha e do vinho tinto, assim como dançar cueca e cúmbia. Durante a festa também se penduram bandeiras, elevam-se papagaios, e realizam-se carreiras à chilena, com ginetes que correm sem sela.

    O rodeio chileno é uma tradição e costume e esporte nacional.

    Como bom país vitivinícola, a vindima é celebrada na zona central durante as primeiras semanas de marco. A festa da cidade de Curicó é a mais antiga e começa com uma cerimônia religiosa para bendizer os primeiros mostos e dar passo aos carros alegóricos e às competências de pisada de uvas. Também em Santa Cruz no Vale de Colchagua ePirque noVale del Maipo, muito próximo a Santiago, as festas da vindima são muito coloridas e concorridas.

    Nas áreas rurais da zona central celebra-se a festa de Cuasimodo. Neste rito, um sacerdote católico leva a comunhão aos doentes numa carruagem decorada e com uma escolta de ginetes enfeitados com um lenço branco.

    Outra pitoresca tradição chilena, nesta vez na zona norte, é a festa de La Tirana. Realizada entre o 12 e o 17 de julho de cada ano, num pequeno povoado do mesmo nome localizado a 52 km de Iquique, que é visitado por multidões de peregrinos e viajantes. Dançantes e músicos com coloridos vestuários e máscaras dão vida à diablada, uma dança carnavalesca de origem religiosa e que busca expulsar aos demônios. No templo realizam-se missas enquanto no entorno há artesanato, comida e muita dança.
  • De acordo com um ranking que é elaborado anualmente pela Organización Internacional de la Viña y el Vino (OIV), o Chile e a África do Sul foram os destaques na exportação de vinhos durante o ano de 2013, frutos de um crescimento em volume que permitiu ao país andino superar a Austrália, anteriormente o quarto maior exportador do mundo, e ao produtor africano manter-se no top 10 encurtando a sua diferença em relação ao nono, que é a Argentina. O ranking continua liderado pela França, Itália  e Espanha, primeiro, segundo e terceiro lugar, respectivamente. 

    Situado longitudinalmente entre a Cordilheira dos Andes e o Oceano pacífico, sua topografia particular cria vários climas diferentes influenciados pelo mar. Entretanto, no planalto central a serra costeira determina um clima mediterrâneo com verões quentes, pouca chuva e baixa umidade.
    Estas características formam um excelente ambiente para o cultivo de uvas. Além disso, a barreira formada pelos Andes impede o acesso de pragas tão danosas como a famosa Philloxera, permitindo o crescimento de parreiras sem enxertia, diferente do que hoje se tornou obrigatório no resto do mundo.

  • De acordo com um ranking que é elaborado anualmente pela Organización Internacional de la Viña y el Vino (OIV), o Chile e a África do Sul foram os destaques na exportação de vinhos durante o ano de 2013, frutos de um crescimento em volume que permitiu ao país andino superar a Austrália, anteriormente o quarto maior exportador do mundo, e ao produtor africano manter-se no top 10 encurtando a sua diferença em relação ao nono, que é a Argentina. O ranking continua liderado pela França, Itália  e Espanha, primeiro, segundo e terceiro lugar, respectivamente. 

    Situado longitudinalmente entre a Cordilheira dos Andes e o Oceano pacífico, sua topografia particular cria vários climas diferentes influenciados pelo mar. Entretanto, no planalto central a serra costeira determina um clima mediterrâneo com verões quentes, pouca chuva e baixa umidade.
    Estas características formam um excelente ambiente para o cultivo de uvas. Além disso, a barreira formada pelos Andes impede o acesso de pragas tão danosas como a famosa Philloxera, permitindo o crescimento de parreiras sem enxertia, diferente do que hoje se tornou obrigatório no resto do mundo.

  • De acordo com um ranking que é elaborado anualmente pela Organización Internacional de la Viña y el Vino (OIV), o Chile e a África do Sul foram os destaques na exportação de vinhos durante o ano de 2013, frutos de um crescimento em volume que permitiu ao país andino superar a Austrália, anteriormente o quarto maior exportador do mundo, e ao produtor africano manter-se no top 10 encurtando a sua diferença em relação ao nono, que é a Argentina. O ranking continua liderado pela França, Itália  e Espanha, primeiro, segundo e terceiro lugar, respectivamente. 

    Situado longitudinalmente entre a Cordilheira dos Andes e o Oceano pacífico, sua topografia particular cria vários climas diferentes influenciados pelo mar. Entretanto, no planalto central a serra costeira determina um clima mediterrâneo com verões quentes, pouca chuva e baixa umidade.
    Estas características formam um excelente ambiente para o cultivo de uvas. Além disso, a barreira formada pelos Andes impede o acesso de pragas tão danosas como a famosa Philloxera, permitindo o crescimento de parreiras sem enxertia, diferente do que hoje se tornou obrigatório no resto do mundo.

  • Faz parte do território chileno a Ilha de Páscoa (Rapanui), conhecida mundialmente em razão de suas centenas de moais, as misteriosas e gigantescas estátuas cuja origem ainda divide os arqueólogos.

    os moais eram esculpidos na cratera do vulcão Rano Raraku, diretamente em suas encostas de cinza vulcânica, uma rocha mais maleável e fácil de esculpir, porém menos resistente. Depois de prontos, acredita-se que eram colocados em pé a fim de serem preparados para o transporte, uma das operações mais delicadas

    O maior mistério da ilha sempre foi como os moais eram transportados para os altares na costa, a até 10 quilômetros de distância. A teoria mais aceita foi demonstrada pela arqueóloga Jo Anne Van Tilburg, prendendo as estátuas em forquilhas de troncos de árvore e cordas de fibra vegetal
    u auge entre 1400 e 1600, deixando cerca de 900 moais espalhados pela ilha
  • Faz parte do território chileno a Ilha de Páscoa (Rapanui), conhecida mundialmente em razão de suas centenas de moais, as misteriosas e gigantescas estátuas cuja origem ainda divide os arqueólogos.

    os moais eram esculpidos na cratera do vulcão Rano Raraku, diretamente em suas encostas de cinza vulcânica, uma rocha mais maleável e fácil de esculpir, porém menos resistente. Depois de prontos, acredita-se que eram colocados em pé a fim de serem preparados para o transporte, uma das operações mais delicadas

    O maior mistério da ilha sempre foi como os moais eram transportados para os altares na costa, a até 10 quilômetros de distância. A teoria mais aceita foi demonstrada pela arqueóloga Jo Anne Van Tilburg, prendendo as estátuas em forquilhas de troncos de árvore e cordas de fibra vegetal
    u auge entre 1400 e 1600, deixando cerca de 900 moais espalhados pela ilha
  • no século XX que aparecem os escritores chilenos mais lembrados na literatura mundial. Alguns escritores tiveram destaque no Chile, como Alberto Rojas Jimenez, que escreveu “Chilenos en París”, assim como o poeta e tradutor Romeo Murga Sierralta, autor de “El libro de La fiesta”, “El canto na la sombra”, entre outras. Apesar da importância histórica dos dois autores citados, um nome sobrepôs-se na literatura chilena: Pablo Neruda.

    Para a literatura chilena, não há nome mais influente do que Pablo Neruda. O poeta ganhou um Prêmio Nobel de literatura em 1971 e foi o poeta hispano-americano mais influente do século XX. Neruda foi um autor prolífico e, em suas obras, abordou diversos temas. Em “Vinte poemas de amor”, versa sobre sofrimento e amor. Já “Canto geral”, de 1950, é uma obra de caráter mais político e épico. Em suas memórias, “Confesso que vivi”, publicada depois de seu falecimento, apresenta um amplo panorama de sua vida pessoal e do período que viveu.

    Além de Neruda, a poetisa e diplomata do Chile Gabriela Mistral também foi uma autora de destaque.
  • Economia: O Haiti não tem recursos minerais significativos e a agricultura constitui um meio de subsistência insuficiente para a maioria das pessoas.

    Mas, alguns geólogos acreditam que seja uma das zonas mais ricas do mundo em hydrocarbons – óleo e gás para além do Oriente Médio, e possivelmente com uma magnetude maior do que a Venezuela.
  • Governo: República (forma mista de governo).
    Divisão Administrativa: Nove (9) departamentos subdivididos em comunas e distritos.
    Relevo: O país possui um relevo muito acidentado e extremamente montanhoso.
    Clima: Tropical com temperaturas altas, entre os 25 e 32 graus centígrados, nas zonas costeiras. Muito irregular devido ao caráter montanhoso do país, caracterizado pela a alternância: Estação Seca | Estação Chuvosa.
  • Em novembro de 2002, o quadro social e político agravara-se de tal modo que ficou clara a incapacidade de o Governo exercer suas funções. As gangues armadas iniciaram a construção de barricadas em diversas ruas, impedindo a circulação de veículos. Em 29 de fevereiro de 2004 - o Presidente Aristide renunciou e partiu para o exílio. Em 30 de abril de 2004, o Conselho de Segurança da ONU criou a MINUSTAH (Missão das Nações Unidas para a estabilização do Haiti), por meio da resolução 1542, para restaurar a ordem no país após um período de crise política. O Brasil foi apontado pela ONU como líder dessa missão com objetivos pacificadores no Haiti. Caberia ao Governo transitório a missão de promover a reconciliação nacional, mediante o envolvimento dos segmentos da sociedade e a promoção do diálogo político, e restaurar a estabilidade econômica, ao comprometer-se a organizar as eleições presidenciais, legislativas e locais em 2005.
  • O Haiti ocupa as nada invejáveis posições de país mais pobre do hemisfério ocidental e de um dos mais pobres fora da África. Triste saldo para um país que foi a primeira colônia de escravos a conquistar sua independência e a segunda república livre no Ocidente depois dos EUA.
  • Placa Caribenha: O país encontra-se na Placa Tectônica Caribenha, que possui relativamente um pequeno tamanho quando comparadas as Placas Sul Americanas e Norte Americana.
    Terremoto: Em janeiro de 2010, o Haiti foi atingido por um terremoto de magnitude 7.0 na Escala Richter, esse fenômeno provocou a morte de milhares de pessoas e destruiu boa parte do país.
    Mais de 200 mil MORTOS e 1 milhão de desabrigados.
  • Seminário América Latina - Chile e Haiti

    1. 1. SEMINÁRIO AMÉRICA LATINA Daniel Cunha Diego Crepes Felipe Bruxel Francesco Rizzo Lilian Lemke Prof. Alberto Efendy UNISINOS
    2. 2. Haiti Chile Brasil
    3. 3. Haiti Chile Brasil
    4. 4. Haiti Chile Brasil
    5. 5. Haiti Chile Brasil
    6. 6. EXTENSÃO TERRITORIAL Brasil Chile Haiti 8.514.876 Km² 756.626 km2 27.750 km²
    7. 7. VISÃO GERAL Chile Brasil Haiti Dados de 2013 PIB CRESCIMENTO INFLAÇÃO 1.8% $ 2,2 TRILHÕES 2.5% 6.2% 5.9% 4.1% 4.3% $ 277,2 BILHÕES $ 6,97 BILHÕES
    8. 8. DEMOGRAFIA Chile Brasil Haiti POPULAÇÃO DENSIDADE 25,3 h. Km² 200.4 milhões 23,5 h. Km² 371,8 h. Km² 17,6 milhões 10.3 milhões
    9. 9. DADOS SOCIAIS | IDH Uma vida longa e saudável acesso ao conhecimento (educação) padrão de vida (renda) Chile Brasil Haiti Muito Alto Desenvolvimento Humano 41º 0,822 Alto Desenvolvimento Humano 79º 0,744 Baixo Desenvolvimento Humano 168º 0,471
    10. 10. POVOS INDÍGENAS Chile 11% da população Haiti Dados CEPAL 0,5% da população 1,8 milhão Brasil 900 mil ...
    11. 11. POVOS INDÍGENAS vídeo http://www.youtube.com/watch?v=we27BkAwGbc
    12. 12. BRASIL Imagem do País no exterior
    13. 13. A cultura do resto da América latina não entra no Brasil, mas a cultura brasileira se exporta facil. Poucos são os brasileiros que conhecem artistas argentinos ou colombianos, poucos são os brasileiros que vão de ferias na América Latina (a não ser Buenos Aires ou o Machu Pichu), mas eles em geral visitaram mais países europeus do que eu”. (Turista Francês) “
    14. 14. O Brasil as vezes parece uma ilha gigante na América latina.
    15. 15. O que as pessoas da DINAMARCA sabem sobre o Brasil? vídeo http://www.youtube.com/watch?v=aPKzRxlwiHY
    16. 16. O que as pessoas da AUSTRALIA sabem sobre o Brasil? vídeo http://youtu.be/NxiyhjO6IwQ
    17. 17. CHILE
    18. 18. 756.626 km2 17,3 milhões h. 25,3 h. km² CHILE
    19. 19. 756.626 km2 17,3 milhões h. 25,3 h. km² CHILE
    20. 20. vídeo http://www.youtube.com/watch?v=NA-rT4YNvJM
    21. 21. HISTÓRIA DO CHILE Antes da chegada dos espanhóis, o território chileno era habitado por cerca de 500.000 índios
    22. 22. Em 1520, Fernão de Magalhães avistou as terras chilenas
    23. 23. As primeiras expedições regressaram decepcionadas por não terem encontrado metais preciosos
    24. 24. COLONIZAÇÃO A falta de metais preciosos obrigou os colonizadores a se dedicarem à agricultura
    25. 25. Da mesma forma que em outras partes do império espanhol na América, no Chile ocorreu intensa mistura de índios com brancos, o que explica a homogeneidade étnica de sua população
    26. 26. INDEPENDÊNCIA
    27. 27. Na Argentina, Bernardo O'Higgins conseguiu o apoio de José de San Martín, que, ajudado pelo governo revolucionário de Buenos Aires, estava recrutando um exército para libertar o cone sul hispano-americano. 1818, foi proclamada a independência
    28. 28. POVOS INDÍGENAS POVOS INDÍGENAS Mapuches
    29. 29. Os índios mapuches, do Chile e Argentina, foram o único povo nativo da América a vencer militarmente os conquistadores espanhóis, Nos últimos anos, parte dos presos políticos chilenos, acusados de terrorismo, pertencem à esta tribo.
    30. 30. ECONOMIA Economia com fortes relações com o comércio exterior Belezas naturais, a arquitetura, o valor histórico: aproximadamente 2 milhões de pessoas visitam o Chile por ano Cobre: o Chile é o maior produtor mundial desse minério
    31. 31. CULTURA Mais popular tradição chilena são as Festas Pátrias cada 18 e 19 de setembro
    32. 32. Rodeio chileno é uma tradição e costume e esporte nacional
    33. 33. Como bom país vitivinícola, a vindima é celebrada na zona central durante as primeiras semanas de marco
    34. 34. O FOLCLORE vídeo http://www.youtube.com/watch?v=5S30M-pbeTo
    35. 35. VINHOS Quarto maior exportador do mundo Excelente ambiente para o cultivo de uvas
    36. 36. VINHOS Quarto maior exportador do mundo Excelente ambiente para o cultivo de uvas
    37. 37. VINHOS Quarto maior exportador do mundo Excelente ambiente para o cultivo de uvas
    38. 38. CONDIÇÃO GEO-CLIMÁTICA
    39. 39. TURISMc O O Chile recebeu 3.569.744 visitantes estrangeiros em 2013
    40. 40. TURISMO NO CHILE vídeo http://www.youtube.com/watch?v=2ShiMxb6Mzc
    41. 41. ILHA DE PÁSCOA Misteriosas e gigantescas estátuas
    42. 42. PEDRAS GIGANTES | MOAIS vídeo http://www.youtube.com/watch?v=uWrjLleU6mw
    43. 43. ANDES
    44. 44. Maior cadeia de montanhas do mundo
    45. 45. ATACAMA Deserto mais árido do mundo Maior número de telescópios do planeta
    46. 46. DESERTO DO ATACAMA vídeo http://www.youtube.com/watch?v=JO2WtwFwTS4
    47. 47. POLÍTICA
    48. 48. 1973 | Chile era governado pelo Socialismo Salvador Allende Política de nacionalização de empresas estrangeiras Mundo vivia a Guerra Fria
    49. 49. PINOCHET
    50. 50. Golpe militar financiado pelos EUA Insatisfeito com o socialismo de Allende
    51. 51. PLEBISCITO
    52. 52. 1988 | economia se mostrava em franca recuperação Referendo que deveria manter Pinochet no poder até 1996 Povo deveria decidir pelo SI, onde Pinochet continuaria no poder ou pelo NO, teria novas eleições presidenciais
    53. 53. FILME NO: PODER | MÍDIA | POLÍTICA vídeo http://youtu.be/ApJUk_6hN-s
    54. 54. LITERATURA Pablo Neruda Prêmio Nobel de literatura em 1971 Poeta hispano-americano mais influente do século XX (1904-1973)
    55. 55. OBRAS ELEGIA JARDIM DE INVERNO TERCEIRA RESIDÊNCIA RESIDÊNCIA NA TERRA II RESIDÊNCIA NA TERRA I CREPUSCULÁRIO LIVRO DAS PERGUNTAS O CORAÇÃO AMARELO ÚLTIMOS POEMAS CEM SONETOS DE AMOR
    56. 56. PABLO NERUDA | TE AMO vídeo http://youtu.be/0ubi6cOQ1vw
    57. 57. PABLO NERUDA | POEMA XX vídeo http://youtu.be/eVO0vcdEY0c
    58. 58. ATUALIDADES Quais são as manchetes de hoje no Chile
    59. 59. “Si nada nos salva de la morte... Al menos que el amor nos salve de la vida...” Neruda
    60. 60. “Si nada nos salva de la morte... Al menos que el amor nos salve de la vida...” Neruda
    61. 61. REPÚBLICA DO HAITI
    62. 62. VISÃO GERAL Dados de 2013
    63. 63. VISÃO GERAL Dados de 2013
    64. 64. Capital: Porto Príncipe Área: 27,7 mil Km² (tamanho de Alagoas) População: 10,3 milhões (equivalente a Pernambuco) Língua: Francês e Criolo Religião: Maioria Católica e cultos afro com minorias protestantes
    65. 65. Capital: Porto Príncipe Área: 27,7 mil Km² (tamanho de Alagoas) População: 10,3 milhões (equivalente a Pernambuco) Língua: Francês e Criolo Religião: Maioria Católica e cultos afro com minorias protestantes
    66. 66. Capital: Porto Príncipe Área: 27,7 mil Km² (tamanho de Alagoas) População: 10,3 milhões (equivalente a Pernambuco) Língua: Francês e Criolo Religião: Maioria Católica e cultos afro com minorias protestantes
    67. 67. Capital: Porto Príncipe Área: 27,7 mil Km² (tamanho de Alagoas) População: 10,3 milhões (equivalente a Pernambuco) Língua: Francês e Criolo Religião: Maioria Católica e cultos afro com minorias protestantes
    68. 68. Capital: Porto Príncipe Área: 27,7 mil Km² (tamanho de Alagoas) População: 10,3 milhões (equivalente a Pernambuco) Língua: Francês e Criolo Religião: Maioria Católica e cultos afro com minorias protestantes
    69. 69. Expectativa de vida: 60,8 anos PIB: R$ 12,32 bilhões (US$ 6,97 bilhões) Economia: 80% da população vive abaixo da linha da pobreza e dois terços trabalham na agricultura de subsistência. O país é o mais pobre das Américas.
    70. 70. Expectativa de vida: 60,8 anos PIB: R$ 12,32 bilhões (US$ 6,97 bilhões) Economia: 80% da população vive abaixo da linha da pobreza e dois terços trabalham na agricultura de subsistência. O país é o mais pobre das Américas.
    71. 71. Expectativa de vida: 60,8 anos PIB: R$ 12,32 bilhões (US$ 6,97 bilhões) Economia: 80% da população vive abaixo da linha da pobreza e dois terços trabalham na agricultura de subsistência. O país é o mais pobre das Américas.
    72. 72. AMÉRICA CENTRAL | CARIBE
    73. 73. O Haiti é dividido em 10 HesAtIaTdIos. Dois milhões de habitantes vivem na capital (a maior cidade do país), Port-au-Prince (ou Porto Príncipe, em português). Outras cidades são famosas também, como Carrefour e Delmas.
    74. 74. A HISTÓRIA DO HAITI
    75. 75. COLÔNIA Açúcar e escravos produziram riquezas A colonização da ilha de Hispaniola, que o Haiti divide com a República Dominicana, começou em 1492, com Cristóvão Colombo. Os espanhóis exploraram ouro até a chegada dos franceses.
    76. 76. Em 1697, os dois países dividiram a ilha. O plantio do açúcar e a importação de escravos africanos fizeram do Haiti a mais rica colônia francesa nas Américas durante os anos 1700.
    77. 77. INDEPENDÊNCIA Escravos criam “império negro” na América No final dos anos 1700, mais de meio milhão de negros se revoltaram no Haiti. Um ex-escravo, Toussaint L’Ouverture, liderou a independência. Em 1804, o Haiti tornou-se o segundo país independente das Américas.
    78. 78. Os franceses reagiram e sequestraram L’Ouverture. Um aliado seu Jean-Jacque Dessalines, foi proclamado imperador até 1806, quando foi assassinado.
    79. 79. Vídeo - Revolução do Haiti http://youtu.be/a5__vE_HgVI
    80. 80. OCUPAÇÃO AMERICANA EUA deran as caras no país por décadas Os EUA de Woodrow Wilson (foto) ocuparam o Haiti de 1915 a 1934, em resposta à influência dos alemães na economia da ilha. Na época, a Alemanha combatia os americanos na Primeira Guerra Mundial.
    81. 81. Os americanos controlaram a administração local e as forças de segurança e só deixaram o Haiti durante os anos da Grande Depressão.
    82. 82. A GUERRA DO HAITI A GUERRA DO HAITI PAPA E BABY DOC Pai e filho lideraram ditadura sangrenta
    83. 83. François “Papa Doc.” Duvalier foi eleito presidente do Haiti em 1957, ele instalou um governo de terror e ditador, perseguia a oposição e a igreja Católica. Com sua morte em 1971, seu filho Jean- Claude Duvalier, o “Baby Doc.” assumiu o poder.
    84. 84. Em 1986, com o aumento dos protestos populares ele fugiu para a França. O Padre Aristide tornou-se presidente após as eleições de 1990. Um golpe militar no ano seguinte levou Aristide a ser deposto. Os Estados Unidos e a ONU pressionaram o país para que Aristide voltasse a governar a nação.
    85. 85. Em 1994 o Haiti foi ocupado por uma força multinacional, a qual concedeu o poder novamente a Aristide. Após as eleições de 2004, vencida por Aristide, grupos rebeldes começaram um levante armado que se espalhou pelo país, o que fez com que o então presidente renuncia-se ao governo.
    86. 86. Imediatamente a ONU aprovou o envio de tropas armadas para o Haiti, na tentativa de restabelecer ordem.
    87. 87. Dos 8 mil soldados enviados, a maioria é de brasileiros, pois o Brasil foi o país que mais cedeu homens para a missão e foi escolhido para comandar a operação, a qual continua até os dias atuais.
    88. 88. É a primeira vez que o Brasil lidera uma missão de paz.
    89. 89. Ditadura de Pinochet no Chile deixou mais de 40 mil mortes SÃO PAULO | BRASIL Novembro de 2014 No sábado (1º nov.) um protesto reuniu cerca de 2.500 pessoas na avenida Paulista em São Paulo. Alguns dos presentes pediram o fim do PT, a volta dos militares e a recontagem dos votos das eleições. Chile Brasil Número de mortos da ditadura pode chegar a quase mil Haiti Foi de aproximadamente 30 mil mortos, 15 mil desaparecidos
    90. 90. Primeiramente, apontamos para o aspecto prático de que ocupação militar não faz bem a país nenhum, a história comprova que nenhum país evoluiu sem soberania sobre seu território. As ocupações atuais como a do Iraque e Afeganistão também não resultaram em qualquer evolução quanto à estabilização das suas relações internas, pelo contrário, a presença estrangeira apenas estimula a violência. A Ditadura no Chile teve início com a tomada do poder pelos militares, liderados pelo general Augusto Pinochet.
    91. 91. OCUPAÇÃO NO HAITI A contradição
    92. 92. OCUPAÇÃO NO HAITI A contradição O documentário “Haiti: Soberania e dignidade” de 2007, feito pelo Comitê Internacional de Solidariedade ao Haiti. O filme mostra a ação das tropas de “paz” da ONU (incluindo o exército brasileiro) para conter as manifestações contra a alta nos preços dos alimentos e o que o povo haitiano tem feito para sobreviver.
    93. 93. OCUPAÇÃO NO HAITI A contradição O O documentário documentário “mostra Haiti: Soberania a contradição e dignidade” que existe de 2007, na intervenção feito pelo Comitê militar no Internacional país, que custa de milhões Solidariedade de dólares, mas ao não Haiti. contribui O filme mostra em nada a ação para das tropas resolver de os “paz” verdadeiros da ONU (problemas incluindo o dos exército haitianos brasileiro) que são o para desemprego, conter as a manifestações inflação e a falta contra de a alta terras nos férteis. preços dos alimentos e o que o povo haitiano tem feito para sobreviver.
    94. 94. Muitos brasileiros entendem o Haiti como um submundo e os haitianos como subumanos, por isso, precisam ser tutelados. Mas, nesse momento, é bom pensar que os norte-americanos têm o mesmo sentimento em relação ao resto do mundo, principalmente quanto a nós, latino americanos.
    95. 95. O Conselho de Segurança da ONU renovou, no dia 14 de outubro, por mais um ano a presença dos chamados capacetes azuis no Haiti. A medida é tomada, assim, um dia antes do vencimento do atual mandato da Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti). A resolução foi patrocinada pelos Estados Unidos e aprovada por unanimidade. Movimentos sociais latino-americanos realizaram, nos últimos dias, diversas ações contra a manutenção das tropas na ilha caribenha.
    96. 96. ATUALIDADES HAITI? Qual dos Haitis?
    97. 97. Elementos importantes, recorrentes na história do Haiti e que permitem melhor compreender seu momento atual, são a dificuldade para a consolidação do Estado e os seus reflexos na formação da identidade nacional.
    98. 98. UMA IDENTIDADE ESQUECIDA
    99. 99. UMA IDENTIDADE ESQUECIDA O Estado haitiano conta com uma história pontuada por sucessivos conflitos políticos e sociais, uma sociedade marcada pela revolução e por uma estratificação complexa.
    100. 100. Desde os anos 90, êxodos sucessivos deixaram o país em embarcações precárias com destino à Flórida.
    101. 101. A motivação de deixar o país em embarcações desprovidas de segurança resulta não apenas da falta de oportunidades, tanto no acesso à educação quanto ao mercado de trabalho, como também da crescente perda de vínculos com a comunidade nacional.
    102. 102. Metade da população nas áreas urbanas não dispõe de água potável
    103. 103. Metade da população nas áreas urbanas não dispõe de água potável apenas 28% têm acesso a saneamento básico e outros 10% têm acesso a energia elétrica.
    104. 104. Quase todo o emprego do país é informal 50% dos haitianos trabalham na agricultura de subsistência 80% não conseguem prover as necessidades alimentares básicas de suas famílias.
    105. 105. A população é obrigada a buscar água em canais de esgoto, poços contaminados ou através de distribuição paga de água. No país, um balde de água não tratada custa cerca de 5 gourdes (R$ 0,28). O salário mínimo no Haiti é equivalente a 102,90 reais.
    106. 106. MAPA DA VIOLÊNCIA | HOMICÍDIO 2007 2008 2009 2010 2011 2012 29,0 27,0 25,0 23,0 21,0 19,0 17,0 15,0 13,0 11,0 09,0 07,0 05,0 03,0 Brasil Haiti Número de óbitos a cada 100 mil habitantes 29,0 10,2 TRANSITO SUICÍDIOS 23,7 5,3
    107. 107. 2010 O TERREMOTO NO HAITI TRAGÉDIAS NATURAIS País é alvo constante de furacões
    108. 108. Em agosto e setembro de 2008 o Haiti sofreu com danos causados por três furacões e uma tempestade tropical. Mais de 700 pessoas morreram e centenas de milhares ficaram desabrigadas. Em 1999 uma série de furacões deixou outras centenas de milhares de desabrigados na ilha.
    109. 109. http://youtu.be/DGj9xWmYdU0
    110. 110. A situação atual do Haiti esconde a sua gloriosa história marcada pelo pioneirismo e pela riqueza. Seu estudo nos revela o estrago que os ataques à soberania daquele povo resultaram.
    111. 111. OBRIGADO Daniel Cunha Diego Crepes Felipe Bruxel Francesco Rizzo Lilian Lemke Prof. Alberto Efendy Seminário de América Latina

    ×