O slideshow foi denunciado.
Vídeo da Adriana
ILUMINISMO
 MOVIMENTO FILOSÓFICO, POLÍTICO, SOCIAL,
ECONÔMICO E CULTURAL QUE SE DESENVOLVEU
NA EUROPA NO SÉCULO XVII E XVIII, ORIGIN...
 VALORIZAÇÃO DA RAZÃO PARA ALCANÇAR O
CONHECIMENTO;
 VALORIZAÇÃO DO QUESTIONAMENTO, DA
INVESTIGAÇÃO E DA EXPERIÊNCIA;
 ...
• Os ILUMINISTAS difundiam suas ideias e
julgavam-se PROPAGADORES DA LUZ E DO
CONHECIMENTO.
• Acreditavam que o PENSAMENTO...
• REVOLUÇÃO FRANCESA – LIBERDADE,
IGUALDADE E FRATERNIDADE;
• INDEPENDÊNCIA DOS EUA;
• NO BRASIL ...
A INCONFIDÊNCIA MINEI...
Montesquieu
e os
Três Poderes
Federalistas
• Separação de Poderes entre Estados
• 85 artigos publicados em jornais de NY
Federalismo
• Separação Constitucional de competências
Art. 2º Constituição Federal
• São Poderes da União, independentes e
harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo
e o J...
Poder Executivo
Poder Legislativo
Poder Judiciário
Harmonia
Executivo
Legislativo
Venda de Sentenças
Judiciário criticando o Legislativo
Legislativo criticando o Judiciário
Independência e Harmonia
• Os Três Poderes são realmente independentes
e harmônicos entre si?
CORRUPÇÃO
• Provocação inicial
• Corrupção no Brasil – Contexto histórico
• Mecanismos e práticas de corrupção
• Organizaç...
Provocação
Rachel Sheherazade fala sobre a corrupção no país
http://www.youtube.com/watch?v=HNjGJXfsFU8
Questionamentos:
1...
Origem da corrupção no Brasil
Político e Institucional
Curiosidade:
A figura do Ouvidor Geral surgiu na Suécia, em 1713, q...
• A nova Lusitânia
• A corrupção do
pau-brasil
• Ouro, caos e
canibalismo
Origem da corrupção no Brasil
Político e Institu...
• Percepção da corrupção no Brasil;
• Comparação entre o Brasil e países melhor
auditados;
• Funções dos auditores;
• Reco...
Mecanismos e práticas de corrupção
Corrupção Ativa
Descrição:
Oferecer a um indivíduo
vantagem indevida em troca de
benefí...
Lavagem de Dinheiro
Descrição:
Ocultar ou dissimular a utilização
de recursos de origem ilícita.
Exemplo: Evasão de Divisa...
Caixa 2
Descrição:
Usar ou acumular recursos
financeiros não contabilizados.
Exemplo:
Usar recursos não contabilizados
em ...
Organizações de combate a corrupção
Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC)
1. Implementa medidas que re...
O UNODC no Brasil e no Cone Sul
Desde 1991, o UNODC atua no Brasil com o
objetivo de apoiar o governo brasileiro no
cumpri...
ABRACCI - Articulação Brasileira contra a Corrupção e a Impunidade
É uma rede de organizações engajadas com a
missão de “c...
Teorias da Corrupção
Conselho Científico integrado pelas entidades vinculadas à
Sociedade Brasileira para o Progresso da C...
Participantes da Discussão
1-) Marcos Otavio Bezerra Doutor em Antropologia Social e
professor dos Programas de Pós-
gradu...
3-) Fernando Lattman-Weltman Mestre em Sociologia e doutorado em
Ciência Política, participa do Centro de
Pesquisa e Docum...
Psicanalise
A Relação com a
corrupção está
estabelecida com o modo
com que a pessoa lida
com a lei
A lei é internalizada e...
Antropologia Social
Desvios éticos moral,
muito comum na
exposição da mídia e
no senso comum
Corrupção endêmica
da a enten...
Sociologia
e Ciência
Política
Retirar a pessoa
corrupta da
função não
resolve, porque
o problema é
“ambiental”
Existe uma
...
Controladoria
Geral da
União
CGU
Na CGU, nota-se
que há muita gente
honesta, erros
ocorrem muito
mais por
desinformações, ...
Casos reais
Corrupção x Honestidade
http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/40729/integra-SBT-Manha-09-de-
abril-.html#....
Advertência contra a corrupção no
Poder Judiciário – visão bíblica
“Não farás injustiça
no juízo; não
favorecerás ao pobre...
Respostas as questões
• Gene da desonestidade: O brasileiro o possui?
• Não há nenhuma evidência científica, que prove a e...
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção

1.194 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Montesquieu, os Três Poderes e a Corrupção

  1. 1. Vídeo da Adriana
  2. 2. ILUMINISMO
  3. 3.  MOVIMENTO FILOSÓFICO, POLÍTICO, SOCIAL, ECONÔMICO E CULTURAL QUE SE DESENVOLVEU NA EUROPA NO SÉCULO XVII E XVIII, ORIGINANDO IDEIAS DE LIBERDADE POLÍTICA E ECONÔMICA, DEFENDIDAS PELA BURGUESIA.  ROMPEU COM A FORMA DE PENSAMENTO VIGENTE, PROPONDO UMA NOVA FORMA DE ENTENDIMENTO ATRAVÉS DA RAZÃO.  SER HUMANO TORNA-SE O PRODUTOR DO CONHECIMENTO. CONTEXTO HISTÓRICO - ILUMINISMO
  4. 4.  VALORIZAÇÃO DA RAZÃO PARA ALCANÇAR O CONHECIMENTO;  VALORIZAÇÃO DO QUESTIONAMENTO, DA INVESTIGAÇÃO E DA EXPERIÊNCIA;  CRENÇA NAS LEIS NATURAIS, NAS NORMAS DA NATUREZA, SENDO ESTA VISTA COMO SINÔNIMO DE RAZÃO;  CRENÇA NOS DIREITOS NATURAIS (VIDA, LIBERDADE, POSSE DE BENS)  DEFESA: LIBERDADES POLÍTICA E ECONÔMICA E IGUALDADE DE TODOS PERANTE À LEI. ILUMINISMO - CARACTERÍSTICAS
  5. 5. • Os ILUMINISTAS difundiam suas ideias e julgavam-se PROPAGADORES DA LUZ E DO CONHECIMENTO. • Acreditavam que o PENSAMENTO RACIONAL deveria substituir as crenças religiosas e o misticismo, que bloqueavam a evolução do homem. ILUMINISTAS
  6. 6. • REVOLUÇÃO FRANCESA – LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE; • INDEPENDÊNCIA DOS EUA; • NO BRASIL ... A INCONFIDÊNCIA MINEIRA – Tentativa de revolta abortada em 1789, tendo como motivos, dentre outros: DERRAMA E O DOMÍNIO PORTUGUÊS. ILUMINISMO - INFLUÊNCIAS
  7. 7. Montesquieu e os Três Poderes
  8. 8. Federalistas • Separação de Poderes entre Estados • 85 artigos publicados em jornais de NY
  9. 9. Federalismo • Separação Constitucional de competências
  10. 10. Art. 2º Constituição Federal • São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
  11. 11. Poder Executivo
  12. 12. Poder Legislativo
  13. 13. Poder Judiciário
  14. 14. Harmonia
  15. 15. Executivo
  16. 16. Legislativo
  17. 17. Venda de Sentenças
  18. 18. Judiciário criticando o Legislativo
  19. 19. Legislativo criticando o Judiciário
  20. 20. Independência e Harmonia • Os Três Poderes são realmente independentes e harmônicos entre si?
  21. 21. CORRUPÇÃO • Provocação inicial • Corrupção no Brasil – Contexto histórico • Mecanismos e práticas de corrupção • Organizações de combate a corrupção • Casos reais – Corrupção X Honestidade • Teorias da Corrupção – Análise técnica e científica • Advertência contra a corrupção no Poder Judiciário – visão bíblica
  22. 22. Provocação Rachel Sheherazade fala sobre a corrupção no país http://www.youtube.com/watch?v=HNjGJXfsFU8 Questionamentos: 1. Gene da desonestidade: O brasileiro o possui? 2. Herança cultural maldita: Existe? Qual a sua origem? 3. Vergonha de ser honesto: Temos? Em que momento?
  23. 23. Origem da corrupção no Brasil Político e Institucional Curiosidade: A figura do Ouvidor Geral surgiu na Suécia, em 1713, quando o rei nomeou o primeiro ombudsman – "aquele que representa" - para ouvir as queixas e reclamações dos cidadãos. Mas, bem antes disso, na Roma antiga, existiram ouvidores. Eram os "tribunos da plebe", que recebiam as denúncias do povo contra os erros e os desmandos dos funcionários do governo.
  24. 24. • A nova Lusitânia • A corrupção do pau-brasil • Ouro, caos e canibalismo Origem da corrupção no Brasil Político e Institucional
  25. 25. • Percepção da corrupção no Brasil; • Comparação entre o Brasil e países melhor auditados; • Funções dos auditores; • Reconhecimento do trabalho dos auditores “O Brasil não é um país corrupto, é apenas mal auditado”. STEPHEN KANITZ , consultor de empresas e conferencista , criador do Prêmio Bem Eficiente, para Entidades sem Fins Lucrativos.
  26. 26. Mecanismos e práticas de corrupção Corrupção Ativa Descrição: Oferecer a um indivíduo vantagem indevida em troca de benefícios não legais. Exemplo: Tentativa de um cidadão em oferecer dinheiro para não receber uma multa. Corrupção Passiva Descrição: Solicitar ou receber, para si ou para outrem, uma vantagem indevida. A simples aceitação de promessa já constitui crime. Exemplo: Servidor público que aceita um pagamento em dinheiro em troca de benefícios em licitações.
  27. 27. Lavagem de Dinheiro Descrição: Ocultar ou dissimular a utilização de recursos de origem ilícita. Exemplo: Evasão de Divisas Formação de Quadrilha Descrição: Associarem-se mais de 3 pessoas, em quadrilha ou bando, com objetivo criminoso. Exemplo: Grupo de 3 pessoas, formado para assaltar um banco.
  28. 28. Caixa 2 Descrição: Usar ou acumular recursos financeiros não contabilizados. Exemplo: Usar recursos não contabilizados em despesas de partido político. Tráfico de Influência Descrição: Solicitar, exigir, cobrar ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato predicado. Exemplo: Servidor público que exige um favor em troca do exercício de sua influência em determinada ação. http://www.empresalimpa.org.br/index.php/sobre-a-corrupcao/mecanismos-e- praticas-de-corrupcao
  29. 29. Organizações de combate a corrupção Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) 1. Implementa medidas que refletem as três convenções internacionais: Controle de drogas, crime organizado transnacional e contra a corrupção. 2. O trabalho do UNODC está baseado em três grandes áreas: Saúde, justiça e segurança pública. 3. Dessa base tripla, desdobram-se temas como: Drogas, crime organizado, tráfico de seres humanos, corrupção, lavagem de dinheiro e terrorismo, além de desenvolvimento alternativo e de prevenção ao HIV entre usuários de drogas e pessoas em privação de liberdade.
  30. 30. O UNODC no Brasil e no Cone Sul Desde 1991, o UNODC atua no Brasil com o objetivo de apoiar o governo brasileiro no cumprimento das obrigações assumidas ao ratificar as Convenções da ONU sobre Controle de Drogas e os doze instrumentos multilaterais sobre o terrorismo. O Brasil ratificou a Convenção da ONU contra o Crime Organizado, seus três Protocolos (contra o Tráfico de Seres Humanos, contra o Contrabando de Migrantes e contra o Tráfico de Armas) e a Convenção da ONU sobre Corrupção. http://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/corrupcao/index.html
  31. 31. ABRACCI - Articulação Brasileira contra a Corrupção e a Impunidade É uma rede de organizações engajadas com a missão de “contribuir para a construção de uma cultura de não corrupção e impunidade no Brasil por meio do estímulo e da articulação de ações de instituições e iniciativas com vistas a uma sociedade justa, democrática e solidária.” A ABRACCI foi criada em janeiro de 2009 durante as atividades do Fórum Social Mundial com o apoio da Transparência Internacional. Hoje são dezenas de entidades integradas na luta contra a corrupção e a impunidade no Brasil, e na promoção de uma cultura de transparência e integridade. http://www.abracci.org.br/
  32. 32. Teorias da Corrupção Conselho Científico integrado pelas entidades vinculadas à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, permitindo que cientistas de várias especialidades debatam temas da atualidade. Tome Ciência – tomeciencia.com.br https://www.youtube.com/watch?v=3jBqdmtCWLw
  33. 33. Participantes da Discussão 1-) Marcos Otavio Bezerra Doutor em Antropologia Social e professor dos Programas de Pós- graduação em Antropologia e Sociologia da Universidade Federal Fluminense(UFF) é autor dos livros ''Corrupção, um Estudo sobre Poder Público e Relações Ressoais no Brasil'' e '' Em Nome das Bases''. 2-) Marisa Pignataro Mestra em Letras e fez extensão na Universidade Federal de Minas de Minas Gerais sobre concepções de democracia e sua influência na constituição do Estado. Na Controladoria Geral da União (CGU) desde 1997, chefia a diretoria regional do Estado do Rio de Janeiro, comandando equipes da área de Controle Interno; Corregedoria e Prevenção, e Combate à Corrupção.
  34. 34. 3-) Fernando Lattman-Weltman Mestre em Sociologia e doutorado em Ciência Política, participa do Centro de Pesquisa e Documentação de Historia Contemporânea do Brasil -- o Cpdoc da Fundação Getulio Vargas -- desde 1991. Lá, entre outras atividades, dedicou-se ao estudo das relações entre a imprensa e a política, chegando a escrever vários livros sobre o assunto, entre eles ''A Imprensa Faz e Desfaz um Presidente'', logo após o impeachment do presidente Collor. 4-) Jeremias Ferraz Lima Doutor em Psicanálise, é professor do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Além de estudos sobre pulsão e libido, é autor de um livro chamado '' Psicanálise do Dinheiro''.
  35. 35. Psicanalise A Relação com a corrupção está estabelecida com o modo com que a pessoa lida com a lei A lei é internalizada e representa a figura paterna A corrupção é cravada no desejo Ex.: O pai representa a lei para o filho Se a base da lei é boa, e representa o amor, a justiça e a razão, o filho a cumpre com alegria e cria o hábito da obediência, do temor, do respeito. Se a lei é tirana, opressora, liberal a razão não prevalece e a rebeldia é estabelecida, logo não há temor, respeito e a desobediência passa a ser algo justificado.
  36. 36. Antropologia Social Desvios éticos moral, muito comum na exposição da mídia e no senso comum Corrupção endêmica da a entender que não tem cura Problema com o indivíduo
  37. 37. Sociologia e Ciência Política Retirar a pessoa corrupta da função não resolve, porque o problema é “ambiental” Existe uma cultura de incentivos que as instituições estabelecem práticas Problema antigo, histórico, que está se manifestando agora a delimitação do que é público e privado No debate político a corrupção é um campo fértil para minar o adversário O excesso de denuncismo midiático propaga a ideia de que é algo natural e que não tem muito o que fazer
  38. 38. Controladoria Geral da União CGU Na CGU, nota-se que há muita gente honesta, erros ocorrem muito mais por desinformações, e falta de capacitação” Foco na prevenção e capacitação nos municípios, treinamento para agentes e conselheiros Analisando todo o país, nota-se que um dos geradores de corrupção é a desinformação Foco nas normas informais para garantir a base de formação das pessoas, ex. furar a fila não é legal Incentivo a criação e publicidade de manuais/ códigos de conduta
  39. 39. Casos reais Corrupção x Honestidade http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/40729/integra-SBT-Manha-09-de- abril-.html#.U122bPldXAl Desempregado Corrompido Desempregado Honesto
  40. 40. Advertência contra a corrupção no Poder Judiciário – visão bíblica “Não farás injustiça no juízo; não favorecerás ao pobre, nem serás complacente com o poderoso, mas com justiça julgarás o teu próximo”. Levítico 19:15
  41. 41. Respostas as questões • Gene da desonestidade: O brasileiro o possui? • Não há nenhuma evidência científica, que prove a existência de um gene da corrupção no DNA do ser humano, no entanto, na expressão “gene da desonestidade” Raquel Sheherazade, da a entender que está associado a cultura desenvolvida desde o início da colonização do Brasil • Herança cultural maldita: Existe? Qual a sua origem? • Sim, existe. Por conta da disseminação do comportamento distorcido com início na base familiar, passando pelo sistema educacional, e não por conta da cultura dos portugueses da época da colonização. Lembramos que: A Austrália foi por muitos anos uma colônia penal e nos dias atuais possui baixo índice de corrupção por haver uma ampla auditoria em suas instituições. • Conforme a análise das teorias da corrupção ficou claro que, a corrupção do gênero humano está diretamente ligada ao modo como cada um lida com a lei a partir da educação e valores recebidos da família e escola. • Em relação à política e as instituições públicas/ privadas, a falta ou a ineficiência de auditoria, contribui com o início e a propagação da corrupção, fortalecendo essa cultura na sociedade • Vergonha de ser honesto: Temos? Em que momento? • Vai de cada um. Se considerarmos que temos vergonha, corremos o risco de acabar consentindo indiretamente com a corrupção e ao invés de combatê-la, acabamos validando tal comportamento social. Acreditamos que em nenhum momento se deve ter vergonha de ser honesto.

×