A	
  competência	
  em	
  informação	
  na	
  	
  
pesquisa	
  cien4fica:	
  uma	
  reflexão	
  	
  
	
  
Gustavo	
  Henriqu...
A	
  sociedade	
  contemporânea	
  tem	
  na	
  
informação	
  	
  a	
  matéria-­‐prima	
  para	
  o	
  
desenvolvimento	
...
Nossa	
  sociedade	
  exige	
  cada	
  vez	
  mais	
  
dos	
  indivíduos	
  habilidades	
  para	
  
localizar,	
  avaliar	...
Essa	
  	
  questão	
  	
  foi	
  percebida	
  por	
  Zurkowski	
  
(1974),	
  então	
  presidente	
  da	
  Associação	
  ...
Para	
  o	
  autor,	
  a	
  infraestrutura	
  que	
  apoiava	
  o	
  
cenário	
  dos	
  serviços	
  de	
  informação	
  tr...
•  Os	
  procedimentos	
  de	
  busca	
  de	
  informação	
  
dos	
  indivíduos	
  são	
  diferentes,	
  em	
  tempos	
  
...
A	
  parMr	
  da	
  década	
  de	
  1980,	
  a	
  preocupação	
  tradicional	
  
dos	
  bibliotecários	
  com	
  a	
  educ...
No	
  processo	
  de	
  desenvolvimento	
  dessas	
  
habilidades	
  é	
  importante	
  ressaltar	
  dois	
  
elementos	
 ...
As	
  problemáMcas	
  enfrentas	
  nos	
  processos	
  de	
  
busca	
  de	
  informação	
  cien4ficas	
  podem,	
  de	
  um...
No	
  contexto	
  da	
  pesquisa	
  cien4fica,	
  em	
  geral	
  os	
  
estudiosos	
  em	
  competências	
  em	
  informaçã...
A	
  tendência	
  dos	
  treinamentos	
  também	
  pode	
  ser	
  
verificada	
  no	
  atual	
  movimento	
  mundial	
  pel...
O	
  objeMvo	
  geral	
  do	
  TTT	
  foi	
  formar	
  um	
  quadro	
  
promissor	
  e	
  qualificado	
  de	
  formadores	
...
Para	
  Stern	
  e	
  Kaur	
  (2010),	
  o	
  ensino	
  formal	
  é	
  	
  	
  
a	
  base	
  para	
  os	
  treinamentos	
 ...
Belluzzo	
  (2006),	
  em	
  trabalho	
  sobre	
  a	
  questão	
  da	
  
educação	
  na	
  sociedade	
  contemporânea,	
  ...
 
	
  
A	
  autora	
  lembra	
  que	
  	
  
	
  
“[..]	
  a	
  competência,	
  de	
  modo	
  geral,	
  é	
  um	
  
compost...
Nesse	
  senMdo,	
  na	
  nossa	
  sociedade,	
  onde	
  a	
  
necessidade	
  de	
  informação	
  ultrapassa	
  setores	
 ...
Ao	
  contrário	
  do	
  Brasil,	
  que	
  tem	
  que	
  superar	
  
grandes	
  desafios	
  no	
  desenvolvimento	
  de	
  ...
Atualmente,	
  o	
  mais	
  referenciado	
  documento	
  
em	
  competências	
  em	
  informação	
  é	
  o	
  
Informa(on	...
Nesse	
  documento,	
  a	
  competência	
  em	
  
informação	
  é	
  definida	
  como	
  
	
  “[...]	
  um	
  conjunto	
  d...
Assim,	
  reforça-­‐se	
  a	
  ideia	
  de	
  que	
  	
  	
  	
  	
  
as	
  implicações	
  dos	
  preceitos	
  da	
  
comp...
 Assim,	
  o	
  indivíduo	
  competente	
  em	
  	
  
informação,	
  nos	
  mais	
  variados	
  contextos,	
  é	
  
capaz	...
•  Avaliar	
  a	
  informação	
  e	
  suas	
  fontes	
  
criMcamente	
  e	
  incorporar	
  a	
  informação	
  
selecionada...
AMvidades	
  relacionadas	
  aos	
  7	
  pilares	
  da	
  
competência	
  em	
  informação	
  (SCONUL,	
  1999)	
  
•  Rec...
O	
  Presidente	
  dos	
  EUA,	
  Barack	
  Obama,	
  em	
  2009	
  	
  
declarou	
  outubro	
  como	
  o	
  mês	
  de	
  ...
Em	
  seu	
  discurso,	
  Obama	
  destaca	
  que	
  todos	
  os	
  dias	
  os	
  
americanos	
  são	
  inundados	
  por	
...
Ainda	
  não	
  há	
  um	
  consenso	
  na	
  literatura	
  
em	
  CI	
  brasileira	
  sobre	
  a	
  tradução	
  do	
  
te...
É	
  importante	
  ressaltar	
  que	
  as	
  tentaMvas	
  de	
  
traduzir	
  a	
  ideia	
  infoma(on	
  literacy	
  pelos	...
Nesse	
  contexto,	
  é	
  importante	
  descobrir	
  qual	
  o	
  padrão	
  
que	
  une	
  	
  todas	
  essas	
  abordage...
Essa	
  temáMca	
  ,	
  independente	
  da	
  terminologia	
  	
  
uMlizada,	
  já	
  tem	
  seu	
  espaço	
  no	
  campo	...
REFERÊNCIAS	
  
ASSOCIATION	
  COLLEGE	
  OF	
  RESEARCH	
  LIBRARIES.	
  InformaMon	
  literacy	
  competency	
  standard...
Agradeço	
  a	
  atenção	
  de	
  todos!	
  
Gustavo	
  Freire	
  
	
  
ghafreire@gmail.com	
  
	
  Facebook:	
  Gustavo	
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra gustavo freire

277 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra gustavo freire

  1. 1. A  competência  em  informação  na     pesquisa  cien4fica:  uma  reflexão       Gustavo  Henrique  de  Araújo  Freire   Doutor  em  Ciência  da  Informação   CBG/FACC/UFRJ     Organização:     Curso  de  Biblioteconomia  e  Gestão  de  Unidades  de  Informação  da  UFRJ   e  Escola  de  Bibliotecnomia  da  UNIRIO  
  2. 2. A  sociedade  contemporânea  tem  na   informação    a  matéria-­‐prima  para  o   desenvolvimento  social  e  econômico.     Se  antes  o  progresso  dos  países  dependiam   do  acesso,  tratamento    e  uso  de  bens   tangíveis,  na  sociedade  atual,  as  aMvidades   relacionadas  à  coleta,  organização  e  uso  da   informação  são  fundamentais  para  o   desenvolvimento  social  e  humano.      
  3. 3. Nossa  sociedade  exige  cada  vez  mais   dos  indivíduos  habilidades  para   localizar,  avaliar  e  usar  efeMvamente   um  volume  crescente  de  informações.      
  4. 4. Essa    questão    foi  percebida  por  Zurkowski   (1974),  então  presidente  da  Associação  das   Indústrias  de  Informação  dos  Estados  Unidos,   originando  um  movimento  denominado     informa(on  literacy.      As  competências  em  informação  consMtuem   uma  extensão  ou  evolução  das  iniciaMvas  de   educação  de  usuários  de  bibliotecas,  pois   ultrapassam  a  busca  e  recuperação  de   informação  dos  serviços  bibliotecários   tradicionais.    
  5. 5. Para  o  autor,  a  infraestrutura  que  apoiava  o   cenário  dos  serviços  de  informação  transcendia   as  bibliotecas  tradicionais,  os  editores  e  as   escolas.     E  mais,  em  um  momento  de  constantes   mudanças,  a  abundância  das  informações   disponíveis  ultrapassa  a  capacidade  dos   indivíduos  de  avaliá-­‐las  e,  consequentemente,   assimilá-­‐las,  uma  vez  que    
  6. 6. •  Os  procedimentos  de  busca  de  informação   dos  indivíduos  são  diferentes,  em  tempos   diferenciados,  com  propósitos  diferentes;   •  A  mulMplicidade  dos  caminhos  de  acesso  e   fontes,  em  resposta  às  mais  variadas   necessidades  de  informação  dos  indivíduos;   •  Cada  vez  mais  os  eventos  e  artefatos   produzidos  pelos  seres  humanos  estão   relacionados  à  informação,  exigindo  um   retreinamento  de  toda  a  população.  
  7. 7. A  parMr  da  década  de  1980,  a  preocupação  tradicional   dos  bibliotecários  com  a  educação  ou  instrução  de   usuários  amplia-­‐se  para  a  formação  de  cidadãos  aptos   a  atuar  em  uma  sociedade  baseada  em  informação,   originando  um  movimento  internacional  pelo   desenvolvimento  de  competências  em  informação   (informa(on  literacy).     Trata-­‐se  de  uma  abordagem  de  aprendizado  baseada   em  um  conjunto  de  habilidades  para  localizar,   manipular,  avaliar  e  usar  a  informação,   eficientemente  e  eMcamente,  para  uma  larga   variedade  de  objeMvos  e,  assim,  tornar-­‐se  apto  para   desempenhar  aMvidades  na  sociedade  da  informação   e  do  conhecimento.  (PINTO;  CÓRDÓN;  GOMEZ  DIAZ,  2010).    
  8. 8. No  processo  de  desenvolvimento  dessas   habilidades  é  importante  ressaltar  dois   elementos  fundamentais:   •  O  educacional  -­‐  que  envolve  os  sistemas  de   aprendizagem  voltados  para  ações  de   capacitação;   •  O  contextual  –  que  depende  dos  objeMvos   envolvidos  no  desenvolvimento  de   competências  em  informação,  sejam   cien4ficos  ou  práMcos.    
  9. 9. As  problemáMcas  enfrentas  nos  processos  de   busca  de  informação  cien4ficas  podem,  de  um   modo  geral,  serem  enfrentadas  com  base  em   duas  perspecMvas:  pela  regulação  e  educação.   (WALSH,  2010)       As  ações  educacionais  são  consideradas  a   melhor  solução,  entendidas  no  conceito   genérico  de  treinamentos.      
  10. 10. No  contexto  da  pesquisa  cien4fica,  em  geral  os   estudiosos  em  competências  em  informação   apresentam  os  treinamentos  como  uma  forma  de   promover  a  capacitação  do  indivíduo  em   habilidades  específicas  em  informação,   negligenciadas  pelos  processos  educacionais   formais.  Os  treinamentos  são,  diferentemente  do   ensino  tradicional,  oferecidos  de  acordo  com   demandas  específicas.    
  11. 11. A  tendência  dos  treinamentos  também  pode  ser   verificada  no  atual  movimento  mundial  pelas   competências  em  informação  através  do  projeto   da  UNESCO  “Training  The  Trainers”  (TTT).      Em  2009  foram  realizados  workshops  em   diversos  países,  capacitando  profissionais  da   informação  para  serem  formadores  (trainers)  e   líderes  no    espaço  produMvo  das  sociedades   baseadas  no  conhecimento,  onde  o  acesso  à   informação  é  fundamental  para  capacitação  das   pessoas  e  no  melhoramento  das  suas  vidas.     (STERN;  KAUR,  2010)    
  12. 12. O  objeMvo  geral  do  TTT  foi  formar  um  quadro   promissor  e  qualificado  de  formadores  em   competências  em  informação  ―  docentes  de   universidades,  bibliotecários,  arquivistas,   especialistas  em  mídia,  dentre  outros  ―  em   cada  principal  região  geográfica  do  mundo,   tornando-­‐os  formadores  de  outros  formadores   nas  suas  respecMvas  regiões  de  origem.  
  13. 13. Para  Stern  e  Kaur  (2010),  o  ensino  formal  é       a  base  para  os  treinamentos  curtos,   compreendidos  como  formas  dinâmicas  de   aprendizado  fundamentadas  na  práMca,   mais  do  que  na  teoria  e  abstração  que  são   caracterísMcas  do  ensino  formal.    
  14. 14. Belluzzo  (2006),  em  trabalho  sobre  a  questão  da   educação  na  sociedade  contemporânea,  afirma   que  a  “gestão  da  informação  —  nos  diferentes   níveis:  pessoais,  organizacionais  e  sociais  —  é  o   grande  desafio  dos  tempos  atuais,   consMtuindo-­‐se  no  próximo  estágio  de   alfabeMzação  do  homem”.     A  autora  destaca  que  o  processo  de  ensino-­‐ aprendizagem  deveria  centrar-­‐se  “na  fluência   cien4fica  e  tecnológica  e  no  saber  uMlizar  a   informação,  criando  novo  conhecimento”.    
  15. 15.     A  autora  lembra  que       “[..]  a  competência,  de  modo  geral,  é  um   composto  de  duas  dimensões  disMntas:             a  primeira,  um  domínio  de  saberes  e  de   habilidades  de  diversas  naturezas,  permite   a  intervenção  práMca  na  realidade,  e  a   segunda,  uma  visão  críMca  do  alcance  das   ações  e  o  compromisso  com  as   necessidades  mais  concretas  que  emergem   e  caracterizam  o  atual  contexto  social”.   (BELLUZZO,  2006)  
  16. 16. Nesse  senMdo,  na  nossa  sociedade,  onde  a   necessidade  de  informação  ultrapassa  setores   tradicionais  de  usuários  ―  como  pesquisadores   e  professores  ―,  todos  precisam  desenvolver   habilidades  informacionais  que  facilitem  o   objeMvo  maior  de  todo  indivíduo,  em  seu  grupo   e  na  sociedade:  transformar  informação  em   conhecimento.    
  17. 17. Ao  contrário  do  Brasil,  que  tem  que  superar   grandes  desafios  no  desenvolvimento  de   modelos  de  informa(on  literacy  (DUDZIAK,  2008),   os  americanos  lideram  as  iniciaMvas  nessa  área.   Foram    os  pioneiros  na  criação  de  padrões   internacionais  para  o  desenvolvimento  de   competências  em  informação,  através  da   American  Library  AssociaMon  (ALA).      
  18. 18. Atualmente,  o  mais  referenciado  documento   em  competências  em  informação  é  o   Informa(on  Literacy  Competency  Standards   for  Higher  Educa(on  (2000),  que  tem  sua   origem  no  contexto  acadêmico.  (HOYER,   2011).    
  19. 19. Nesse  documento,  a  competência  em   informação  é  definida  como    “[...]  um  conjunto  de  habilidades  desejáveis   aos  indivíduos  para  reconhecer  quando  uma   informação  é  necessária,  assim  como   habilidades  para  localizar,  avaliar  e  uMlizar   efeMvamente  a  informação  necessitada”.    
  20. 20. Assim,  reforça-­‐se  a  ideia  de  que           as  implicações  dos  preceitos  da   competência  em  informação   não  afetam  apenas  a  vida   acadêmica,  mas  a  sociedade   como  um  todo.      
  21. 21.  Assim,  o  indivíduo  competente  em     informação,  nos  mais  variados  contextos,  é   capaz  de:     •  Determinar  a  natureza  e  a  extensão  de   uma  necessidade  de  informação;   •  Acessar  a  informação  necessitada  de   modo  eficiente  e  eficaz;  
  22. 22. •  Avaliar  a  informação  e  suas  fontes   criMcamente  e  incorporar  a  informação   selecionada  em  sua  base  de  conhecimento       e  sistema  de  valor;   •  Usar  a  informação  efeMvamente  para   alcançar  um  objeMvo  específico;   •  Entender  o  contexto  econômico,  legal  e   social  relacionado  ao  uso  da  informação,  e   acessa  e  usa  a  informação  de  modo  éMco  e   legal.     (ASSOCIATION  OF  COLLEGE  &  RESEARCH  LIBRARIES,  2000)        
  23. 23. AMvidades  relacionadas  aos  7  pilares  da   competência  em  informação  (SCONUL,  1999)   •  Reconhecer  uma  necessidade  de  informação;   •  IdenMficar  o  fosso  informacional  sobre  o  que  se  sabe     e  o  que  se  precisa  saber;   •  Construir  estratégias  para  a  busca  da  informação;   •  Localizar  e  acessar  a  informação;   •  Avaliar  a  informação;   •  Usar  e  comunicar  a  informação  (com  atenção  para  os   aspectos  éMcos  e  legais);   •  SinteMzar  e  criar  novo  conhecimento.   (GUMULAK;  WEBBER,  2011)  
  24. 24. O  Presidente  dos  EUA,  Barack  Obama,  em  2009     declarou  outubro  como  o  mês  de   conscienMzação  nacional  para  a  competência   em  informação  (Na^onal  Informa^on  Literacy   Awareness  Month),  iniciaMva  que  visa   promover  o  desenvolvimento  de  um  conjunto   de  habilidades  informacionais  frente  aos   desafios  informacionais  da  atualidade.    
  25. 25. Em  seu  discurso,  Obama  destaca  que  todos  os  dias  os   americanos  são  inundados  por  informações:  no4cias   24  horas  por  dia,  milhares  de  redes  televisivas  e  de   rádio,  junto  à  imensa  coleção  de  fontes  on-­‐line,   desafiam  o  modo  como  as  informações  são   gerenciadas.  E,  conMnua,  Obama,  mais  do  que  a  posse   de  dados  necessita-­‐se  de  novas  habilidades  para   adquirir,  coletar  e  avaliar  informações  para  situações   diversas,  convergindo  para  um  novo  Mpo  de   alfabeMzação  (literacy),  a  competência  em  informação   (informaMon  literacy),  que  também  requer  indivíduos   competentes  nas  tecnologias  da  comunicação,   incluindo  computadores  e  disposiMvos  móveis  que   auxiliam  o  processo  diário  de  tomadas  de  decisões.        
  26. 26. Ainda  não  há  um  consenso  na  literatura   em  CI  brasileira  sobre  a  tradução  do   termo  informa(on  literacy,  podendo  ser   compreendido  como  competência   informacional,  ou  alfabeMzação   informacional  ou  da  informação,  dentre   outros.     (DUDZIAK,  2008)        
  27. 27. É  importante  ressaltar  que  as  tentaMvas  de   traduzir  a  ideia  infoma(on  literacy  pelos   países  que  não  falam  a  Língua  Inglesa  deu   origem  a  uma  variada  terminologia,   observada  em  diversos  estudos:   •   Competência  Informacional   •  Competência  em  Informação   •   AlfabeMzação  Digital   •   Letramento  informacional   •   Competências  em  informação    
  28. 28. Nesse  contexto,  é  importante  descobrir  qual  o  padrão   que  une    todas  essas  abordagens,  para  que  se  possa  usá-­‐ lo.  Assim,  apresentamos  alguns  pontos  para  reflexão  :   •  Quais  os  termos  uMlizados  no  Brasil  que  representam   as  habilidades/competências  em  informação?  Existe   uma  rede  conceitual  específica  que  fundamenta  a   escolha  de  um  determinado  termo?  Quais  os  autores   mais  representaMvos  e  respecMvos  PPGs?     •  O  que  existe  em  comum  entre  essas  várias   abordagens?   •  Construir  o  mapa  de    uma  Rede  de  Aprendizagem   Virtual  (RVA)  que  venha  a  facilitar  a  construção  de  um   conhecimento  coleMvo  acerca  da  temáMca   InformaMon  Literacy  
  29. 29. Essa  temáMca  ,  independente  da  terminologia     uMlizada,  já  tem  seu  espaço  no  campo  dos  estudos   e  práMcas  da  Ciência  da  Informação,  haja  vista  o   número  de  eventos  que  vêm  acontecendo  nessa   área.   Assim,  é    importante  descobrir/revelar  a   existência  de  um  atrator  conceitual  que  una  essa   terminologia,  revelando  também  a  rede  conceitual   e  de  autoria  que  sustenta/apoia  esses  conceitos.      
  30. 30. REFERÊNCIAS   ASSOCIATION  COLLEGE  OF  RESEARCH  LIBRARIES.  InformaMon  literacy  competency  standards  for  higher  educaMon.  Illinois,  2000.       BELLUZZO,  R.C.B.  Uso  de  mapas  conceituais  e  mentais  como  tecnologia  de  apoio  à  gestão  da  informação  e  da  comunicação:  uma  área   interdisciplinar  da  competência  em  informação.  Revista  Brasileira  de  Biblioteconomia  e  Documentação:  Nova  Série,  São  Paulo,  v.2,  n.2,  p. 78-­‐89,  dez.  2006.     DUDZIAK,  E.A.  Os  faróis  da  sociedade  da  informação:  uma  análise  crí^ca  sobre  a  atuação  da  competência  em  informação  no  Brasil.  Inf.  &   Soc:  estudos,  João  Pessoa,  v.  18,  n.  2,  p.  41-­‐53,  maio-­‐ago.  2008.       GUMULAK,  Sabina;  WEBBER,  Sheila.  Playing  video  games:  learning  and  informa^on  literacy.  Aslib  Proceedings:  New  Informa^on   Perspec^ves,  v.  63,  n.  2/3,  p.  241-­‐255,  2011.       HOYER,  Jennifer.  Informa^on  is  social:  informa^on  literacy  in  context.  Reference  Services  Review,  v.  39,  n.  1,  p.  10-­‐23,  2011     OBAMA,  Barack.  Na^onal  Informa^on  literacy  awareness  month  2009  by  The  President  of  the  United  States  of  America  a  proclama^on.   The  InternaMonal  InformaMon  &  Library  Review,  v.  41,  p.  316,  2009.     PINTO,  Maria;  CORDÓN,  José  Antonio;  DÍAZ,  Raquel  Gómez.  Thirty  years  of  informa^on  literacy  (1977-­‐2007):  a  terminological,  conceptual   and  sta^s^cal  analysis.  Journal  of  Librarianship  and  InformaMon  Science,  v.  42,  n.  1,  p.  3-­‐19,  mar.  2010.         STERN,  Caroline;  KAUR,  Trishanjit.  Developing  theory-­‐based,  prac^cal  informa^on   Literacy  training  for  adults.  The  InternaMonal  InformaMon  &  Library  Review,  v.  42,  p.  69-­‐74,  2010.       WALSH,  John.  Librarians  and  controlling  disinforma^on:  is  mul^-­‐literacy  instruc^on  the  answer?.  Library  Review,  v.  59,  n.  7,  p.  498-­‐511,   2010.         ZURKOWSKI,  Paul  G.  The  InformaMon  Service  Environment  RelaMonships  and  PrioriMes:  related  paper  nº  5.  Washington:  Na^onal   Commission  on  Libraries  and  Informa^on  Science,  1974.  Disponível  em:  <hvp://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/  contentdelivery/servlet/ ERICServlet?accno=ED10039>.  Acesso  em:  23  out.  2009.          
  31. 31. Agradeço  a  atenção  de  todos!   Gustavo  Freire     ghafreire@gmail.com    Facebook:  Gustavo  Freire    

×