SlideShare uma empresa Scribd logo

Usinagem prof daniel aula 07

Aula sobre Materiais para ferramentas de usinagem

1 de 51
Baixar para ler offline
Processos de Usinagem
Prof. Daniel Alves de Andrade
AULA 07
1
ABRINDO UM PARÊNTESES...................
VIDEO DA HISTÓRIA DAS MÁQUINAS OPERATRIZES
AVARIAS E DESGASTES DA
FERRAMENTA
AVARIAS E DESGASTES DA FERRAMENTA
Dependendo das grandezas de entrada do processo de
usinagem, a ferramenta sofrerá uma determinada carga
mecânica e térmica.
Esta elevada solicitação da ferramenta conduz aos chamados
desgastes ou avarias.
Desgaste é o fenômeno progressivo nas superfícies da
ferramenta em função da ação de cortar, que muda a forma e,
portanto a geometria original da ferramenta.
AVARIAS E DESGASTES DA FERRAMENTA
Quanto aos desgastes, os mesmos são resultantes de vários
mecanismos distintos, dependendo da natureza do material
usinado e das condições de usinagem, predominará um ou outro
dos mecanismos sobre os demais.
Isto depende do material da peça e da ferramenta, da operação
de usinagem, das condições de corte, da geometria da
ferramenta e do emprego e da eficiência da aplicação de fluido
de corte.
MECANISMOS DE DESGASTE E AVARIA
Abrasão: envolve a perda de material por microsulcamento,
microcorte ou microlascamento, causado por partículas de
elevada dureza relativa. Estas partículas podem estar contidas
no material da peça (óxidos, carbetos e outros), ou são
partículas da própria ferramenta arrancadas de alguma forma.

Recomendados

Aula 6 usinagem, fluidos e desgaste
Aula 6   usinagem, fluidos e desgasteAula 6   usinagem, fluidos e desgaste
Aula 6 usinagem, fluidos e desgasteBruno Guedes
 
Processo de Usinagem - Torneamento
Processo de Usinagem - TorneamentoProcesso de Usinagem - Torneamento
Processo de Usinagem - TorneamentoMiguel Gut Seara
 
Grupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoGrupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoemc5714
 
Processos de conformação parte ii
Processos de conformação   parte iiProcessos de conformação   parte ii
Processos de conformação parte iiMaria Adrina Silva
 
Aula 3 atual. usinagem bruno
Aula 3 atual.   usinagem brunoAula 3 atual.   usinagem bruno
Aula 3 atual. usinagem brunoBruno Guedes
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Condições Econômicas de Corte
Condições Econômicas de CorteCondições Econômicas de Corte
Condições Econômicas de CorteFilipi Vianna
 
Aula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metais
Aula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metaisAula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metais
Aula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metaisironsavior
 
Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2silveiralbs
 
Potências de corte artigo
Potências de corte   artigoPotências de corte   artigo
Potências de corte artigoStéfano Bellote
 
Torneamento Final
Torneamento FinalTorneamento Final
Torneamento Finalfsoliveira
 
Trabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricaçãoTrabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricaçãoPaulo Seabra
 
Exercicios de torção
Exercicios de torçãoExercicios de torção
Exercicios de torçãoRomualdo SF
 
Aula7 materiais
Aula7 materiaisAula7 materiais
Aula7 materiaisTiago Cruz
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM ordenaelbass
 
Slide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.ppt
Slide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.pptSlide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.ppt
Slide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.pptssuser86b8e7
 
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corteAula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de cortetchuba
 
20.representação de rugosidade
20.representação de rugosidade20.representação de rugosidade
20.representação de rugosidadeEdvaldo Viana
 
Exercicios de torção
Exercicios de torçãoExercicios de torção
Exercicios de torçãoRomualdo SF
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânicoPedro Veiga
 
U00 processos de usinagem (visão geral)
U00   processos de usinagem (visão geral)U00   processos de usinagem (visão geral)
U00 processos de usinagem (visão geral)Luiz Furlan
 

Mais procurados (20)

Condições Econômicas de Corte
Condições Econômicas de CorteCondições Econômicas de Corte
Condições Econômicas de Corte
 
Caderno de exercícios
Caderno de exercíciosCaderno de exercícios
Caderno de exercícios
 
Aula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metais
Aula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metaisAula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metais
Aula 07 __propriedades_mecanicas_dos_metais
 
Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2
 
Potências de corte artigo
Potências de corte   artigoPotências de corte   artigo
Potências de corte artigo
 
Torneamento Final
Torneamento FinalTorneamento Final
Torneamento Final
 
Trabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricaçãoTrabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricação
 
Exercicios de torção
Exercicios de torçãoExercicios de torção
Exercicios de torção
 
Estampagem
EstampagemEstampagem
Estampagem
 
Aula7 materiais
Aula7 materiaisAula7 materiais
Aula7 materiais
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
 
Slide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.ppt
Slide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.pptSlide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.ppt
Slide Processo de Conformação Mecânica - INTRODUÇÃO.ppt
 
Aula 12 torção
Aula 12 torçãoAula 12 torção
Aula 12 torção
 
APOSOTILA SENAI 1
APOSOTILA SENAI 1APOSOTILA SENAI 1
APOSOTILA SENAI 1
 
1 lista de exercícios
1 lista de exercícios1 lista de exercícios
1 lista de exercícios
 
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corteAula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
Aula 04-u-2007-1-materiais para ferramentas de corte
 
20.representação de rugosidade
20.representação de rugosidade20.representação de rugosidade
20.representação de rugosidade
 
Exercicios de torção
Exercicios de torçãoExercicios de torção
Exercicios de torção
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânico
 
U00 processos de usinagem (visão geral)
U00   processos de usinagem (visão geral)U00   processos de usinagem (visão geral)
U00 processos de usinagem (visão geral)
 

Semelhante a Usinagem prof daniel aula 07

Aula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptx
Aula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptxAula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptx
Aula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptxLucasAninger1
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagemSérgio Maêda
 
Conformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoConformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoGabriel Sana
 
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)Tiago Gomes
 
Falha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisFalha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisedmarluis
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdfAnna Carla Araujo
 
Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01Luana Martins
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdfAnna Carla Araujo
 
Conforma -o dos metais - parte1
Conforma -o dos metais - parte1Conforma -o dos metais - parte1
Conforma -o dos metais - parte1formold
 
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópiaAula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópiajacqueagnet
 

Semelhante a Usinagem prof daniel aula 07 (20)

Aula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptx
Aula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptxAula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptx
Aula 7 - Avarias e Desgastes da ferramenta.pptx
 
Fundição Alumínio
Fundição AlumínioFundição Alumínio
Fundição Alumínio
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagem
 
Conformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoConformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - Forjamento
 
Extrusão
ExtrusãoExtrusão
Extrusão
 
Silva telles
Silva tellesSilva telles
Silva telles
 
Trefilacao
Trefilacao   Trefilacao
Trefilacao
 
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
 
Tst aula 03
Tst   aula 03Tst   aula 03
Tst aula 03
 
Falha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisFalha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metais
 
Os Tipos De Desgaste
Os Tipos De DesgasteOs Tipos De Desgaste
Os Tipos De Desgaste
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap10.pdf
 
Maquinas rotativas
Maquinas rotativasMaquinas rotativas
Maquinas rotativas
 
Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap05.pdf
 
Conforma -o dos metais - parte1
Conforma -o dos metais - parte1Conforma -o dos metais - parte1
Conforma -o dos metais - parte1
 
Materiais.e.seleção.rj
Materiais.e.seleção.rjMateriais.e.seleção.rj
Materiais.e.seleção.rj
 
Usinagem prof daniel aula 10
Usinagem  prof daniel   aula 10Usinagem  prof daniel   aula 10
Usinagem prof daniel aula 10
 
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópiaAula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem   cópia
Aula mecânica e eletromecânica tecnologia da soldagem cópia
 
2016810 175335 aula+de+rugosidade+
2016810 175335 aula+de+rugosidade+2016810 175335 aula+de+rugosidade+
2016810 175335 aula+de+rugosidade+
 

Último

PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...homeyab951
 
ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...
ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...
ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...dowak84168
 
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...homeyab951
 
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...homeyab951
 
Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...
Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...
Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...homeyab951
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docxdaimonkonicz35
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...daimonkonicz35
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...dl assessoria9
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfPedroRocha294899
 
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...homeyab951
 
A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...
A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...
A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...dowak84168
 
1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...
1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...
1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...homeyab951
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...daimonkonicz35
 
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...dowak84168
 
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...homeyab951
 
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACsandracesteves71
 
Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...
Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...
Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...homeyab951
 
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...homeyab951
 
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...homeyab951
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 

Último (20)

PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
 
ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...
ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...
ATIVIDADE 1 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INTELIGÊNCIA EMOCIONAL - 512...
 
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
 
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
 
Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...
Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...
Na espiral do conhecimento temos uma conversão que é percebida como uma ação ...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
 
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
 
A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...
A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...
A política é tratada como ciência, isto é, um campo específico do conheciment...
 
1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...
1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...
1) O valor de aceleração da gravidade terrestre é dependente da altitude, ou ...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
 
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
 
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
 
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
 
Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...
Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...
Sobre a espiral do conhecimento, analise as afirmativas a seguir I. O conheci...
 
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
 
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 

Usinagem prof daniel aula 07

  • 1. Processos de Usinagem Prof. Daniel Alves de Andrade AULA 07 1
  • 2. ABRINDO UM PARÊNTESES................... VIDEO DA HISTÓRIA DAS MÁQUINAS OPERATRIZES
  • 3. AVARIAS E DESGASTES DA FERRAMENTA
  • 4. AVARIAS E DESGASTES DA FERRAMENTA Dependendo das grandezas de entrada do processo de usinagem, a ferramenta sofrerá uma determinada carga mecânica e térmica. Esta elevada solicitação da ferramenta conduz aos chamados desgastes ou avarias. Desgaste é o fenômeno progressivo nas superfícies da ferramenta em função da ação de cortar, que muda a forma e, portanto a geometria original da ferramenta.
  • 5. AVARIAS E DESGASTES DA FERRAMENTA Quanto aos desgastes, os mesmos são resultantes de vários mecanismos distintos, dependendo da natureza do material usinado e das condições de usinagem, predominará um ou outro dos mecanismos sobre os demais. Isto depende do material da peça e da ferramenta, da operação de usinagem, das condições de corte, da geometria da ferramenta e do emprego e da eficiência da aplicação de fluido de corte.
  • 6. MECANISMOS DE DESGASTE E AVARIA Abrasão: envolve a perda de material por microsulcamento, microcorte ou microlascamento, causado por partículas de elevada dureza relativa. Estas partículas podem estar contidas no material da peça (óxidos, carbetos e outros), ou são partículas da própria ferramenta arrancadas de alguma forma.
  • 7. Abrasão Mecânica A abrasão ( ou atrito) mecânica é uma das principais causas de desgaste da ferramenta. •O desgaste gerado pela abrasão é incentivado pela presença de partículas duras no material da peça e pela temperatura de corte, que reduz a dureza da ferramenta. •Assim, quanto maior a dureza a quente da ferramenta, maior sua resistência ao desgaste abrasivo. •As vezes, partículas duras arrancadas de outra região da ferramenta por aderência ou mesmo por abrasão e arrastadas pelo movimento da peça, causam o desgaste abrasivo em uma área adjacente da ferramenta.
  • 8. MECANISMOS DE DESGASTE E AVARIA Difusão: transferência de átomos de um material para outro, é dependente da temperatura e solubilidade dos elementos da zona de fluxo. A área desgastada, quando observada no microscópio, é lisa. A taxa de desgaste aumenta com a velocidade de corte e o avanço.
  • 9. Difusão A difusão entre ferramenta e cavaco é um fenômeno microscópico ativado pela temperatura na zona de corte. A difusão no estado sólido consiste na transferência de átomos de um metal a outro. Depende da temperatura, da duração do contato e da afinidade físico-química dos dois metais envolvidos.
  • 10. Difusão A difusão dos átomos de ferro do aço do cavaco para a ferramenta, principalmente se esta for de metal duro, muda as condições de equilíbrio entre os elementos constituintes da mesma, levando a uma reação química entre eles. Estas reações químicas, no caso de metal duro, provocam a formação de carbonetos complexos (Fe W C26), que são menos resistentes e são rapidamente removidos por abrasão.
  • 11. MECANISMOS DE DESGASTE E AVARIA Oxidação: gerada pelas altas temperaturas e presença de ar e água, são originados óxidos complexos de tungstênio, cobalto e ferro, que em decorrência de sua expansão volumétrica, em relação ao WC, constituem-se elevações na superfície da ferramenta, facilitando o lascamento e a quebra da aresta de corte (entalhes).
  • 12. MECANISMOS DE DESGASTE E AVARIA Fadiga: variação nas forças ou na temperatura podem fragilizar a ferramenta (trincas) levando-a à ruptura. Além da ação cíclica, este fenômeno é provocado por variações na temperatura causadas pelo acesso irregular do refrigerante de corte.
  • 13. MECANISMOS DE DESGASTE E AVARIA Aderência: duas superfícies metálicas postas em contato sob cargas moderadas, forma-se entre elas um extrato metálico, de elevada resistência. Sob estas condições fragmentos microscópicos são arrancados da superfície da ferramenta e arrastados juntos com o fluxo e material.
  • 14. Aderência Também causada pelas baixas temperaturas e baixas velocidades de corte, forma-se entre elas um extrato metálico que provoca aderência. A resistência deste extrato é elevada a tal ponto que, na tentativa de separar as superfícies, ocorre ruptura em um dos metais e não na superfície de contato. O fenômeno da aderência esta presente na formação da aresta postiça de corte, mas pode-se ter desgaste por aderência mesmo sem a formação da aresta postiça.
  • 15. MECANISMOS DE DESGASTE Aresta Postiça de Corte: Forma-se na superfície de contato entre o cavaco e a sup. de saída. Uma camada de cavaco que permanece aderente à aresta de corte. Em função dos esforços a camada solda-se à ferramenta, o fluxo provoca encruamento, a APC cresce e depois se desprende.
  • 16. Mecanismos Causadores do Desgaste da Ferramenta Aresta Postiça de Corte. Figura 6.9 – Aresta Postiça de Corte
  • 17. Fig. 6.10 – Desgaste Frontal X Velocidade de Corte Mostrando a região de formação da Aresta Postiça de Corte
  • 18. PROVIDÊNCIAS – ARESTA POSTIÇA Aumente a velocidade de corte e o avanço. Não utilize refrigeração. Selecione um quebra-cavacos mais positivo.
  • 19. DESGASTES DA FERRAMENTA Desgaste de Flanco ou Largura do desgaste na superfície principal de folga (VB): é o desenvolvimento de uma zona de desgaste da ferramenta devido à ação abrasiva existente entre a ferramenta e a superfície nascente gerada na peça pela usinagem.
  • 20. Desgaste Frontal ( ou de flanco) ocorre na superfície de folga da ferramenta, causado pelo contato entre ferramenta peça. É o tipo de desgaste mais comum. Todo processo de usinagem causa desgaste frontal (figura 6.1) Figura 6.1 – Desgaste Frontal
  • 21. PROVIDÊNCIAS - FLANCO Reduza a velocidade de corte. Selecione uma classe mais resistente ao desgaste.
  • 22. DESGASTES DA FERRAMENTA Desgaste de Cratera ou Desgaste na superfície de saída da ferramenta (KT) : a principal causa do desgaste de cratera é a difusão, uma vez que ocorrem elevadas temperaturas na interface cavaco/sup. de saída, assim sendo o desgaste aumenta com o aumento das condições de corte (Vc).
  • 23. b) Desgaste de Cratera É o tipo de desgaste que ocorre na superfície de saída da ferramenta, causado pelo atrito entre a ferramenta e o cavaco (figura 6.2) Não ocorre em todos os processos de usinagem, como ferramentas de metal duro recoberto, ferramentas de cerâmica e quando o material da peça é frágil (gera cavacos curtos). Figura 6.2 – Desgaste de Cratera
  • 24. PROVIDÊNCIAS - CRATERA Utilize refrigeração. Selecione uma classe mais resistente ao desgaste. Reduza a velocidade de corte e o avanço.
  • 26. DESGASTES DA FERRAMENTA Entalhes: originam-se principalmente nas extremidades da aresta de corte, o que pode desencadear a deterioração prematura da aresta da ferramenta. A morfologia do entalhe depende em grande parte da precisão de posicionamento da aresta de corte. Pode ocorrer tanto na superfície principal de folga como na superfície secundária de folga da ferramenta.
  • 27. DESGASTES DA FERRAMENTA O entalhe ocorre principalmente na usinagem de materiais resistentes a altas temperaturas (ligas de níquel, titânio, cobalto e aço inoxidável), devido à abrasão, difusão e “attrition”, influenciada pelas interações com a atmosfera (oxidação).
  • 28. PROVIDÊNCIAS - ENTALHE Reduza a velocidade de corte. Reduza a taxa de avanço. Selecione ferramenta com um ângulo de posição menor.
  • 29. AVARIAS DA FERRAMENTA Quebras: a ruptura da ponta da ferramenta é originada pela ação de elevados esforços de usinagem. Podem ser causadas pelo uso de material de corte quebradiço, ocorrência de corte interrompido, parada do corte sem a retirada prévia da ferramenta, além de ε e β pequenos.
  • 30. Quebra Como foi visto, todos os desgastes e avarias da ferramenta, ao crescerem podem gerar a quebra da ferramenta. Fig.6.7 - Quebra da ferramenta Algumas vezes, porém, a quebra (figura 6.7) pode ocorrer inesperadamente devido à alguns fatores como: Ferramenta muito dura, carga excessiva sobre a ferramenta, raio da ponta, ângulo de ponta ou ângulo de cunha pequenos, corte interrompido, parada instantânea do movimento de corte, etc...
  • 31. Quebra A quebra da ferramenta ocasiona não somente dano na ferramenta, mas também no porta- ferramenta e na própria peça.
  • 33. PROVIDÊNCIAS – QUEBRA Reduza a taxa de avanço e a profundidade de usinagem. Selecione uma classe mais tenaz. Selecione um quebra-cavacos mais resistente. Selecione uma pastilha mais espessa.
  • 34. AVARIAS DA FERRAMENTA Lascamento: é o desprendimento de lascas ou lascamento de finas partículas da aresta cortante causados principalmente pelo choque térmico (corte interrompido por exemplo), são mais frequentes em ferramentas que apresentam maior dureza.
  • 35. Lascamento É um tipo de avaria da ferramenta, pois ao contrário dos desgastes frontal e de cratera que retiram continuamente partículas muito pequenas da ferramenta, no lascamento (figura 6.4), partículas maiores são retiradas de uma só vez, podendo levar até a quebra da ferramenta. Ocorrem principalmente em ferramentas com material frágil e/ou quando a aresta de corte é pouco reforçada, sobretudo em pastilhas cerâmicas e de metal duro com recobrimento
  • 37. PROVIDÊNCIAS – LASCAMENTO Aumente a velocidade de corte e reduza o avanço. Selecione um quebra-cavacos mais resistente. Selecione uma classe mais tenaz. Minimize as vibrações do sistema.
  • 38. AVARIAS DA FERRAMENTA Deformação Plástica: É uma avaria da ferramenta em função de elevadas pressões e temperaturas, gerando deformação plástica da aresta de corte, que toma uma forma bem típica.
  • 39. Deformação Plástica da Aresta de Corte Muitas vezes, a pressão aplicada à ponta da ferramenta somada à alta temperatura gera deformação plástica da aresta de corte (figura 6.3). Figura 6.3 – Deformação Plástica da Aresta de Corte Tais deformações provocam deficiências do controle de cavacos e deterioração do acabamento superficial da peça. O crescimento desta deformação pode gerar a quebra da aresta de corte.
  • 40. AVARIAS DA FERRAMENTA Deformação Plástica: Ocorre principalmente quando a ferramenta trabalha com elevados avanços, levando então a grandes esforços de usinagem, a ferramenta pode vir a sofrer uma deformação plástica ou mesmo uma quebra Tais deformações provocam deficiências do controle de cavacos e deterioração do acabamento superficial da peça. Ocorre principalmente nos casos em que a ferramenta tem baixa resistência à deformação e suficiente tenacidade.
  • 41. É evitada pelo emprego de uma ferramenta com maior dureza a quente e maior resistência à Deformação Plástica, ou pela mudança das condições de usinagem e/ou geometria da ferramenta, visando a diminuição dos esforços e da temperatura de corte. Como evitar a Deformação Plástica da Aresta de Corte?
  • 43. PROVIDÊNCIAS – DEFORMAÇÃO PLÁSTICA Utilize refrigeração. Selecione uma classe mais resistente ao desgaste. Reduza a velocidade de corte e o avanço.
  • 44. AVARIAS DA FERRAMENTA Trincas: quando da ocorrência do corte interrompido, variação da espessura de corte ou acesso irregular do fluido de corte, tais fatores podem provocar variação na temperatura e esforços de corte. As trincas transversais se apresentam na sup. de folga, enquanto que as perpendiculares à aresta podem ocorrer também na sup. de saída.
  • 45. Trincas São causadas pela variação da temperatura e/ou pela variação dos esforços mecânicos. Quando tem origem térmica, elas ocorrem perpendicularmente à aresta de corte (figura 6.5) •Figura 6.5 – Trincas de Origem Térmica
  • 46. Trincas As trincas quando tem origem mecânica são paralelas à aresta –Figura 6.6. Figura 6.6 Trincas de Origem Mecânica
  • 48. PROVIDÊNCIAS - TRINCAS Utilize refrigeração abundante ou usine sem fluido. Reduza a velocidade de corte e o avanço.