Os classicos da_sociologia_max_weber

3.255 visualizações

Publicada em

max weber

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.255
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
230
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os classicos da_sociologia_max_weber

  1. 1. OS CLASSICOS DASOCIOLOGIA MAX WEBER 1864-1920 arnaldolemos@uol.com.br
  2. 2. BIBLIOGRAFIAANDRADE, Thales. O pensamento sociológica de Max Weber. In Lemos Filho, Arnaldo. Sociologia Geral e do Direito. 3ªedição.Campinas: Ed Alinea, 2008LEMOS FILHO, Arnaldo. Slides arnaldolemos@uol.com.br
  3. 3. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR1.COSTA, Cristina. Sociologia,uma introdução à Sociedade.3ªedição.São Paulo: Editora Moderna, 20052. ARON, Raymond. As etapas do Pensamento Sociológico. Brasilia, UNB,19803. QUINTANERO, Tania. Um toque de classicos. 2ª edição. Belo-Horizonte: Ed. UFMG, 20044. CASTRO, Ana Maria-DIAS, Edmundo.Introdução ao pensamento sociológico. Rio de Janeiro, Ed. Eldorado,1987, 9ªedição. arnaldolemos@uol.com.br
  4. 4. CONCEITOS BÁSICOSAÇÃO SOCIAL COMPREENSÃO SOCIAL TIPO IDEALPATRIMONIALISMO TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL TIPOLOGIA DACOMPREENSÃO DOMINAÇÃO BUROCRACIA LEGITIMA CARISMA ÉTICA PROTESTANTERACIONALIDADE VALORES SENTIDO ETICA CALVINISTA arnaldolemos@uol.com.br
  5. 5. ROTEIRO1. CONTEXTO HISTÓRICO2. OBJETO DA SOCIOLOGIA3. METODO DA SOCIOLOGIA4.TIPO IDEAL5. TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL6. TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO LEGÍTIMA7. RELIGIÃO E CAPITALISMO arnaldolemos@uol.com.br
  6. 6. 1. CONTEXTO HISTÓRICODURKHEIM ESTADO NACIONAL UNIFICADO DESENVOLVIMENTO CAPITALISTAFRANÇA CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS UNIVERSALIDADE POSITIVISMO CIÊNCIAS HUMANAS CIÊNCIAS NATURAIS arnaldolemos@uol.com.br
  7. 7. WEBER FRAGMENTAÇÃO POLÍTICA CAPITALISMO TARDIOALEMANHA CIÊNCIAS HUMANAS DIVERSIDADE IDEALISMO CIÊNCIAS HUMANAS CIÊNCIAS NATURAIS arnaldolemos@uol.com.br
  8. 8. DURKHEIM WEBERPOSITIVISMO IDEALISMOHISTORIA = PROCESSO HISTÓRIA = DIVERSIDADE DAS UNIVERSAL FORMAÇÕES SOCIAIS GENERALIZAÇÃO – COMPARAÇÃO ESPECIFICIDADE arnaldolemos@uol.com.br
  9. 9. OBJETO DA SOCIOLOGIA “A ação humana é social na medida em que, em funçãoAÇÃO SOCIAL da significação subjetiva que o indivíduo que age lhe atribui, toma em consideração o comportamento dos outros e é por ele afetada no seu curso”. arnaldolemos@uol.com.br
  10. 10. 2. OBJETO DA SOCIOLOGIA PRESENÇA DO OUTRO AÇÃO SOCIAL SIGNIFICADO SER AFETADA PELO OUTRO arnaldolemos@uol.com.br
  11. 11. FUNÇÃO DA SOCIOLOGIAInvestigar a ação social e ressaltaros elementos mais gerais de cadafase do processo histórico dasociedade arnaldolemos@uol.com.br
  12. 12. WEBERA BAÇÃO SOCIAL : MOTIVAÇÃO, SENTIDO E VALORESRELAÇÃO SOCIAL : O SENTIDO TEM QUE SER COMPARTILHADO arnaldolemos@uol.com.br
  13. 13. WEBER A ---- B A ---- B A ---- B A ---- B A B A ---- B A ---- B A ---- B A ---- B SOCIEDADE: UMA TOTALIDADECONSTITUÍDA DE UMA MULTIPLICIDADE DE INTERAÇÕES SOCIAIS arnaldolemos@uol.com.br
  14. 14. METODO Todo indivíduo, ao agir, (ator social), age guiado por motivações que, por sua vez, são baseadas em valores O cientista deve descobrir os possíveis significados (sentidos) da ação humanaCOMPREENSÃO presente na realidade social que interessa estudar SOCIAL Um ator age sempre em função de sua motivação e da consciência de agir em relação a outros atores. impossível descartar-se das pré-noções, como queria Durkheim. Existe uma parcialidade na análise sociológica.Não há neutralidade científica. arnaldolemos@uol.com.br arnaldolemos@uol.com.br
  15. 15. DURKHEIM WEBER A REALIDADE NUMA A REALIDADE NUMAPERSPECTIVA OBJETIVA PERSPECTIVA SUBJETIVAS S OO arnaldolemos@uol.com.br
  16. 16. É um instrumento de análise proposto por Weber para a compreensão das ações sociais Na construção de um tipo ideal, o sociólogo seleciona aspectos da ação humana que consideraTIPO IDEAL culturalmente relevantes para o estudo. E o faz segundo seus próprios valores. É uma construção teórica abstrata - tipo ideal = tipo puro arnaldolemos@uol.com.br
  17. 17. WEBER TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIALTIPOLOGIAS TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO LEGITIMA arnaldolemos@uol.com.br
  18. 18. TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL determinada por um costume arraigado” Exs. – Trocas de presentes no Natal,AÇÃO TRADICIONAL Dia da mães, Dia dos namorados especialmente emotiva, determinada por afetos e estados sentimentaisAÇÃO AFETIVA atuais”. Ex. Torcida de futebolAÇÃO RACIONAL COM determinada pela crença conscienteRELAÇÃO A VALORES em valores (ético, estético, religioso ou qualquer outra forma)” ex. trabalho voluntarioAÇÃO RACIONAL COM determinada por expectativas,RELAÇÃO A FINS condições ou meios para alcançar fins próprios, racionalmente perseguidos. arnaldolemos@uol.com.br Ex. Empresa Capitalista
  19. 19. Sociedades antigasEsses tipos deação se tradição e afetividadeapresentam são dominantes :com família e religião.intensidadediferenciada Sociedades modernasem diferentessociedades: racionalidade em relação aos valores e arnaldolemos@uol.com.br aos fins
  20. 20. TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO Por que um determinado indivíduo ou conjunto de indivíduos detém a capacidade de dirigir aA sociedade?QUESTÃODO PODER Por que ao Estado é dado o direito de estabelecer e aplicar as leis e controlar os meios de controle social ? arnaldolemos@uol.com.br
  21. 21. O Estado ou alguém detem acapacidade de dominar a sociedade porque são reconhecidos como legítimos pelos indivíduos. arnaldolemos@uol.com.br
  22. 22. TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO LEGÍTIMA refere-se à autoridade pessoal do governante,DOMINAÇÃO investida por força do costume.TRADICIONAL É baseada no carisma. Ou seja, naDOMINAÇÃO capacidade excepcional de liderança deCARISMÁTICA alguémDOMINAÇÃO baseada no direito que se liga aRACIONAL-LEGAL aspectos racionais e técnicos de administração arnaldolemos@uol.com.br
  23. 23. TRADICIONAL PATRIMONIALISMOFORMAS CARISMÁTICA CARISMATÍPICASDEDOMINAÇÃO RACIONAL- BUROCRACIA LEGAL arnaldolemos@uol.com.br
  24. 24. Culto à personalidade Não há distinção entre o público e o privado Compromissos de fidelidade e honraPATRIMONIALISMO Nepotismo - compadrio Relações sociais de poder : familiares Ex. o coronelismo político “O Brasil é um Estado Patrimonial”( Raymundo Faoro) arnaldolemos@uol.com.br
  25. 25. Surgimento num momento de uma ruptura: utilizado na subversão ou na abolição de um regime tradicional ou legal Nem todas as revoluções são carismáticas e nem todos os domínios carismáticos são revolucionáriosCARISMA Fanatismo de seus seguidores : relações sociais quase que religiosas. Dificuldades na sucessão: não há continuidade Ex. Che Guevara, Eva Peron, Vargas, Hitler, Aiatolá Khomeini. João Paulo II, Lula. arnaldolemos@uol.com.br
  26. 26. Caráter estatutário : todos devem basear seu comportamento em estatutos e normas Racionalidade técnica : os cargos são preenchidos por competência,BUROCRACIA a promoção é por mérito e tempo de serviço Relações sociais formais : impessoalidade Distinção entre o público e o privado Dificuldade : pode se tornar uma “gaiola de ferro” arnaldolemos@uol.com.br
  27. 27. RELIGIÃO E CAPITALISMOPOR QUE, NO OCIDENTE, HAVIACOINCIDÊNCIA ENTRE AS ÁREAS DEEXPANSÃO DO PROTESTANTISMOPURITANO E AS ÁREAS ONDEPROSPERAVA O CAPITALISMOINDUSTRIAL? arnaldolemos@uol.com.br
  28. 28. A preocupação com o desperdício do WEBER tempo, pois, sendo a vida breve, cada Quakers hora perdida é uma hora não trabalhada a serviço de DeusTres A divisão de trabalho comocontribuições Luteranos vontade de Deus. Deus dá a cada homem missão e vocação A oportunidade de trabalho disponibilizada por Deus não pode Puritanos ser rejeitada, e se a Ele apresenta essa possibilidade como lucro, o faz com proposito sobreano. Ao homem resta obedecer. arnaldolemos@uol.com.br
  29. 29. RELIGIÃO E CAPITALISMO“A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo” (1904) ÉTICA PROTESTANTE ESPIRITO DO CAPITALSIMOETICA DA SALVAÇÃO RACIONALIDADEETICA CALVINISTA BUSCA RACIONAL DO LUCROASCETISMO VALORIZAÇÃO DA PROFISSÃO DISCIPLINA PARCIMÔNIA DISCRIÇÃO arnaldolemos@uol.com.br POUPANÇA
  30. 30. O ESPIRITO DO CAPITALISMO É marca da cultura ocidental O “impulso para o ganho” ou a “ânsia de lucro” nada tem a ver em si com o capitalismoRACIONALIDADE Há dois elementos no capitalismo ocidental: a formação de um mercado de trabalho formalmente livre o uso da contabilidade racional Sem estes dois elementos, a moderna organização racional da empresa capitalista não seria arnaldolemos@uol.com.br viável no Ocidente.
  31. 31. O ESPIRITO DO CAPITALISMO “Espírito do Capitalismo” : um conjunto de convicções e valores defendidos pelos primeiros mercadores e industriais capitalistasRACIONALIDADE Para Weber, as atitudes envolvidas no espírito capitalismo tinham sua origem na teologia protestante arnaldolemos@uol.com.br
  32. 32. Weber relaciona o papel doETICA protestantismo, principalmente da ética calvinista, na formação doPROTESTANTE comportamento típico do capitalismo ocidental moderno. levou, ao extremo, a noção deETICA predestinação : o homem é salvo por vontade de Deus.CALVINISTA Nenhum homem merece a salvação porque ninguém é digno dela. A salvação existe para a maior glória de Deus. arnaldolemos@uol.com.br
  33. 33. No protestantismo, o termo “vocação” passou a significar “profissão” O homem é “chamado” por Deus não apenas para que tenha uma atitude contemplativa, mas sim para cumprirETICA sua missão no mundo através do trabalho e de sua profissãoCALVINISTA .O calvinismo difunde uma ética segundo a qual o homem deve manter uma contabilidade diária de seu tempo. O desperdício do tempo é pecado pois o homem deve empregá-lo para servir a Deus e assegurar o seu lugar de “eleito” arnaldolemos@uol.com.br
  34. 34. A vivência espiritual da doutrina e da conduta religiosa exigida pelo protestantismo organizou uma maneira de agir econômica, A ETICA necessária para a realização de umPROTESTANTE lucro sistemático e racional. EO ESPIRITO DOCAPITALISMO Weber descobre que os valores do protestantismo, como a disciplina ascética, a poupança, a austeridade, a vocação, o dever e a propensão ao trabalho atuavam de maneira decisiva sobre os indivíduos arnaldolemos@uol.com.br
  35. 35. O objetivo do capitalismo é aumentar a riqueza alcançada, aumentar o capital. Esse A ETICA processo de enriquecimentoPROTESTANTE constitui uma indicação segura de que se está “predestinado” EO ESPIRITO DOCAPITALISMO O calvinismo traz a formação de uma nova mentalidade, um ethos (visão de mundo) propício ao capitalismo, em oposição ao “alheamento” e à atitude contemplativa do catolicismo. arnaldolemos@uol.com.br
  36. 36. Desprendimento dos bens materiais deste mundoCATOLICISMO Trabalho como verdadeira maldição, somente para sobrevivência e não como meio de salvação A contemplação como elemento fundamental arnaldolemos@uol.com.br
  37. 37. A vocação como sinônimo de profissão A realização de uma vocação por meio do trabalhoPROTESTANTISMO Renúncia de todos os prazeres do desperdício do tempo e da ociosidade Valorização positiva do trabalho e da riqueza criada pelo trabalho Reinvestimento da riqueza: assegurar o lugar de eleito, de “salvo” arnaldolemos@uol.com.br
  38. 38. O capitalismo é a cristalização objetivadestas premissas teológicas e éticas,segundo as quais o homem, em virtudede seu trabalho e da riqueza criada poreste trabalho, encontra um modocompleto e sensível de conquistar suasalvação individual. arnaldolemos@uol.com.br arnaldolemos@uol.com.br
  39. 39. - O importante neste mundo étrabalhar para criar riqueza e criarriqueza não para o desfrute pessoale esbanjamento, mas para que secrie novamente trabalho. Esta é abase da salvação do homem. - Esta mentalidade acabouconfigurando a tipologia doempresário moderno. arnaldolemos@uol.com.br
  40. 40. CONCLUSÃO teve uma contribuição importantíssima para o desenvolvimento da Sociologia. Em meio a uma tradição filosófica peculiar, a alemã, e vivendo os problemas de seu país, diferente da França de Durkheim, pode trazer uma nova visão não influenciada pelo racionalismo positivista.WEBER Mostrou, em seus estudos, a fecundidade da analise histórica e da compreensão dos processos históricos e sociais Seus trabalhos abriram as portas para as particularidades historicas das sociedades e para o papel da subjetividade na ação e na pesquisa social, fazendo analises independentes das ciências naturais. arnaldolemos@uol.com.br
  41. 41. Para ele, o ser humano é um ser diferente dos demais e portanto sujeito a leis de ação e comportamento proprios. Daí a especificidade das ciências humanas. Ao contrario de Marx e Durkheim, acreditava que a Sociologia deveria seWEBER concentrar na ação social e não nas estruturas.. Não defendia que as estruturas sociais existiam externa e independente dos indivíduos. Ao contrario, as estruturas da sociedade eram formadas por uma complexa interação de ações. Idéia e valores culturais ajudam a modela a sociedade e modela as nossas ações individuais. arnaldolemos@uol.com.br
  42. 42. Outra contribuição: a idéia de indeterminismo histórico. Para ele não há lei preexistente que regula o desenvolvimento da sociedade. Daí o estudo das particularidades, procurando entender as formações sociais e suasWEBER singularidades. Na concepção de Weber, os fatores econômicos são importantes, mas as idéias e os valores têm exatamente o mesmo impacto na mudança social. Daí sua analise das relações entre a religião protestante e o desenvolvimento do capitalismo ser hoje um estudo clássico da Sociologia. arnaldolemos@uol.com.br

×