O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Bomba De [1]..

2.182 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Bomba De [1]..

  1. 1. <ul><li>MONTAGEM DE SLIDES PRODUZIDOS PELOS ALUNOS, ATRAVÉS DE PESQUISA REALIZADA SOBRE UM TEMA REFERENTE À QUÍMICA. </li></ul><ul><li>Vejam os resultados.... </li></ul>
  2. 2. Bomba de Hidrogênio Nome do aluno:Augusto Ramos Dorneles Turma:71 Matéria:Informática e química
  3. 3. Conhecida mundialmente como Bomba de fusão, funciona com a fusão dos átomos de Hidrogênio que gera um calor quase igual o do sol . <ul><li>Na Fusão Nuclear, dois ou mais núcleos atómicos se juntam e formam um outro núcleo de maior número atômico. A fusão nuclear requer muita energia para acontecer, e geralmente liberta muito mais energia que consome. Quando ocorre com elementos mais leves que o ferro e o níquel (que possuem as maiores forças de coesão nuclear de todos os átomos, sendo portanto mais estáveis) ela geralmente liberta energia, e com elementos mais pesados ela consome. Até hoje início do século XXI, o homem ainda não conseguiu encontrar uma forma de controlar a fusão nuclear como acontece com a fissão. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>principal tipo de fusão que ocorre no interior das estrelas é o de Hidrogênio em Hélio, onde dois prótons se fundem em uma partícula alfa (um núcleo de hélio), liberando dois pósitrons, dois neutrinos e energia. Mas dentro desse processo ocorrem várias reações individuais, que variam de acordo com a massa da estrela. Para estrelas do tamanho do nosso Sol ou menores, a cadeia próton-próton é a reação dominante. Em estrelas mais pesadas, predomina o ciclo CNO. </li></ul><ul><li>Vale ressaltar que há conservação da energia, e, portanto, pode-se calcular a massa dos quatro prótons e o núcleo de hélio, e subtrair a soma das massas das partículas iniciais daquela do produto desta reação nuclear para calcular a massa/energia emitida. </li></ul>
  5. 5. Tabela Periódica <ul><li>Nome: Augusto Ramos Dorneles </li></ul><ul><li>Turma: 71 </li></ul><ul><li>Matéria: Informática e Química </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Vários cientistas procuravam agrupar os átomos de acordo com algum tipo de semelhança, mas o químico russo Dmitri Ivanovich Mendeleyev foi o primeiro a conseguir enunciar cientificamente a lei que diz que as propriedades físicas e químicas dos elementos são em função periódica da massa atômica. Ele publicou a tabela periódica em seu livro Princípios da Química em 1869, época em que eram conhecidos apenas cerca de 60 elementos químicos. </li></ul><ul><li>Em 1913, através do trabalho do físico inglês Henry G. J. Moseley, que mediu as freqüências de linhas espectrais específicas de raios X de um número de 40 elementos contra a carga do núcleo (Z), pôde-se identificar algumas inversões na ordem correta da tabela periódica, sendo, portanto, o primeiro dos trabalhos experimentais a ratificar o modelo atômico de Bohr. O trabalho de Moseley serviu para dirimir um erro em que a Química se encontrava na época por desconhecimento: até então os elementos eram ordenados pela massa atômica e não pelo número atômico. </li></ul><ul><li>A tabela moderna é ordenada segundo o número atômico, propriedade não-periódica, baseada nos trabalhos de Moseley. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Tabela periódica dos elementos químicos é a disposição sistemática dos elementos, na forma de uma tabela, em função de suas propriedades. É muito útil para se preverem as características e tendências dos átomos. Permite, por exemplo, prever o comportamento de átomos e das moléculas deles formadas, ou entender porque certos átomos são extremamente reativos enquanto outros são praticamente inertes etc. Permite prever propriedades como eletronegatividade, raio iônico, energia de ionização etc.. Dá, enfim, fazer inferências quimicas plausíveis. A forma clássica, tradicional, é a bidimensional. Há, porém, várias outras formas propostas, com topologia tridimensional e formatos diversos </li></ul>
  8. 8. Países que mais sofrem terremotos Nome:Italo e Matheus
  9. 10. Terremotos <ul><li>O aumento do número e da intensidade dos terremotos nos últimos anos deveria servir para sacudir também o íntimo dos seres humanos, para que se libertassem ainda em tempo de sua inércia espiritual. </li></ul><ul><li>Não passa um mês sem que tomemos conhecimento de algum terremoto significativo. E isso porque os tremores menores, que também causam extensos danos e muita apreensão, não são sequer noticiados. </li></ul><ul><li>Estima-se que ocorram a cada ano cerca de 500 mil tremores em todo o globo, havendo quem fale até de um milhão de sismos, dos quais 100 mil são percebidos pelas pessoas com seus próprios sentidos e pelo menos mil causam danos. A Terra está tremendo sem parar, o que nada de bom significa para os seres humanos. Um retrato disso pode ser visto na figura abaixo, montada pelos pesquisadores russos Denis Mischin e Alex Chulkov, que mostra os terremotos com magnitude superior a 4 graus na Escala Richter que sacudiram o planeta de janeiro de 1989 a setembro de 1997 (a cor indica a profundidade do epicentro). </li></ul>
  10. 12. <ul><li>No Japão já se registrou, num único fim de semana, uma cadeia de mais de 200 terremotos de intensidade leve e moderada. Conquanto muitos japoneses considerem isso como uma característica &quot;normal&quot; de seu país, todos esses sismos e também a movimentação dos 86 vulcões ativos do país são na verdade prenúncios de uma catástrofe gigantesca, a qual, ao contrário do que até mesmo pessoas sérias e realistas imaginam, não está reservada a um futuro longínquo. Não é sem razão que desde a década de 70 já se verificava que muitas aves migratórias evitavam o Japão… </li></ul><ul><li>Essa situação de grande insegurança já fora prevista há milênios para toda a humanidade. Na Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, existe uma câmara, ou sala, chamada Câmara do Rei, ou Sala das Nações, ou ainda Sala do Juízo. Esta sala apresenta um piso desigual, indicando a insegurança dos seres humanos na época do Juízo em relação ao próprio solo que pisam. A explicação original do significado do piso irregular é transmitida por Roselis von Sass em sua obra A Grande Pirâmide Revela seu Segredo: </li></ul><ul><li>&quot;O piso desigual indica que na época do Juízo os seres humanos não mais terão sob os pés um solo liso e firme. A terra onde eles se locomovem não contém mais nenhuma segurança para eles. Não sabem o que o próximo passo lhes pode trazer.&quot; </li></ul>
  11. 14. <ul><li>Os dados estatísticos que analisaremos a seguir, não deixam margem a dúvidas quanto à veracidade destas palavras. </li></ul><ul><li>São considerados grandes terremotos aqueles de magnitude igual ou superior a 6 na escala Richter. Essa escala é logarítmica, por isso um terremoto de magnitude 7, por exemplo, é dez vezes mais forte que um terremoto de magnitude 6, e assim por diante. O terremoto de Kobe, no Japão, ocorrido em 17 de janeiro de 1995 e que foi considerado &quot;o pior dos últimos 70 anos&quot;, apresentou uma magnitude de 7,2 graus na escala Richter. </li></ul><ul><li>Em todo o século XIX ocorreram 41 grandes terremotos, acarretando pouco mais de 350 mil mortes. No século XX, até maio de 1997, já haviam ocorrido 96 grandes terremotos, que provocaram a morte de mais de 2 milhões e 150 mil pessoas 1 . </li></ul><ul><li>O gráfico abaixo mostra a ocorrência de grandes terremotos nos últimos 2 mil anos até 1997. Parte dos terremotos ocorridos nos séculos XVII e XVIII, e todos até o século XVI, foram considerados grandes em razão dos danos e mortes provocados. </li></ul>
  12. 16. <ul><li>O gráfico a seguir faz uma comparação por década entre os grandes terremotos ocorridos nos séculos XIX e XX: </li></ul><ul><li>entre os grandes terremotos ocorridos nos séculos XIX e XX : </li></ul>
  13. 18. <ul><li>Observa-se que com exceção da década de 50, todas as outras décadas do século XX tiveram maior número de grandes terremotos quando comparadas às atividades sísmicas no planeta de cem anos atrás. </li></ul><ul><li>Mesmo fazendo-se uso de outros critérios ou fontes, o aumento do número de terremotos em todo o mundo é um fato inquestionável. Uma pesquisadora americana, Sarah Davies, formulou as seguintes perguntas a um grupo de especialistas da área, através da Internet: &quot;Está havendo um aumento na incidência de terremotos em todo o mundo neste século? Caso existam registros antigos, esse aumento tem-se verificado ao longo dos últimos 200 anos?&quot; </li></ul><ul><li>Quem respondeu à questão de Sarah foi o vulcanologista Steve Mattox, da Universidade de North Dakota. Ele disse que seria melhor fazer uma análise da incidência apenas dos maiores terremotos já ocorridos, a fim de reduzir a dependência de observadores e do instrumental de medição. Segundo ele, na primeira metade do nosso século houve 15 terremotos desse tipo [de intensidade extrema], e na segunda metade haviam ocorrido até então 20 desses terremotos. Já em todo o século passado registraram-se apenas 7 terremotos extremos 2 .O Dr. Steve conclui: &quot;Baseando-se nessa rápida análise de uma única fonte de informação, parece que a freqüência de terremotos está aumentando. A grande questão é o porquê disso &quot; [grifo meu]. </li></ul>
  14. 19. <ul><li>Além da freqüência aumentada, verifica-se também um crescimento da intensidade dos terremotos, alguns deles tornando-se até momentaneamente famosos em razão da destruição e do número de mortes, como os da Guatemala (um milhão de desabrigados) e da China (750 mil mortos) em 1976, o do México em 1985 e o do Japão em 1995. Infelizmente, também essas grandes catástrofes acabam sendo esquecidas após um tempo maior ou menor, transformando-se em meras curiosidades históricas. </li></ul><ul><li>Em 31 de maio de 1970, por exemplo, houve uma catástrofe no Peru sem paralelo na história humana até o presente (abril de 1998), com a possível exceção talvez da destruição da cidade de Pompéia, no ano 79 d.C., soterrada pela erupção do Vesúvio. </li></ul><ul><li>Naquele dia, um sismo violentíssimo numa região costeira do país — que segundo estimativas teria atingido 9 graus na escala Richter (ou próximo disso) — aliado à ação de um fenômeno pouco conhecido na época, o efeito estufa, fez desabar o pico norte do nevado de Huascaran, na cordilheira dos Andes, situado a 14,5 km de um importante centro econômico: a cidade de Yungay. </li></ul>
  15. 20. <ul><li>Em menos de três minutos Yungay foi soterrada por uma massa de gelo e entulho deslocando-se à velocidade de 330 km/h. Estima-se que pelo menos 30 mil pessoas morreram, soterradas por uma camada de 27 milhões de metros cúbicos de entulho, com espessura variando de quatro a dez metros. A repercussão desse extraordinário acontecimento foi, porém, muito pequena; primeiro porque aconteceu num país do 3º mundo, mas principalmente porque naquele dia estava sendo aberta a copa mundial de futebol… </li></ul><ul><li>Vamos ver agora como se dá o aumento da incidência de terremotos em algumas partes do mundo. A tabela apresentada a seguir mostra os terremotos registrados neste século, até a década de 70, na região do Oriente Médio: </li></ul>
  16. 21. <ul><ul><ul><li>Nos primeiros quarenta anos do século (de 1900 a 1939), ocorreram 974 terremotos na região. Nos quarenta anos seguintes (de 1940 a 1979), ocorreram 3.572 terremotos, quase 4 vezes mais que no primeiro período. Nas décadas de 60 e 70 houve 2.758 terremotos, quase mil a mais que nos sessenta anos anteriores (1.788 terremotos). </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A tabela anterior foi plotada no gráfico de barras mostrado a seguir, permitindo visualizar o crescimento do número de terremotos por década naquela região. </li></ul></ul></ul>
  17. 23. <ul><li>No Irã morreram cerca de 126 mil pessoas neste século (até fins de 1997) vítimas de terremotos. O maior deles (até agora), ocorrido em julho de 1990, deixou 40 mil mortos, 60 mil feridos e 500 mil desabrigados; as perdas materiais foram estimadas em US$ 7,2 bilhões. </li></ul><ul><li>Este terremoto deu origem a um filme iraniano intitulado &quot;Vida e Nada Mais&quot;. Numa cena do filme, em meio àquela destruição total, uma personagem pergunta atônita: &quot;Que crime esta nação cometeu contra Deus para merecer tamanho castigo?&quot; É uma pergunta cuja resposta qualquer um que acompanha com atenção os acontecimentos da nossa época pode dar... </li></ul><ul><li>Na China existe uma estatística que registra os terremotos com magnitude igual ou superior a 6,5. Na primeira década do século XX houve 18 tremores deste tipo. Nas três décadas seguintes houve, respectivamente, 35, 33 e 34 desses terremotos no país. </li></ul><ul><li>No Japão, os terremotos com magnitude igual ou superior a 6 são mostrados na tabela a seguir, abrangendo o final do século passado e o começo do século XX. Observa-se claramente o crescimento contínuo do número de grandes terremotos já na passagem de um século para outro. </li></ul>
  18. 25. Trabalho de Química Nome: Pedro M Zanon Turma: 71 Matérias: Química, Informática Profs:Daiane, Anira Data: 10/06/08 Assunto: Experimentos para realizarmos em aula
  19. 26. Experimentos Químicos Bomba de Bolhas Você vai precisar de: - Água. - Copo de medida. - Saco plástico com zip. - Toalha de papel absorvente. - Vinagre. - Fermento em pó. O que fazer: - Primeiramente devemos verificar se os saquinhos se fecham bem. Para isso, encha-os com 1/2 copo de água, feche-os e agite-os. Utilize somente os saquinhos que não apresentam vazamento.
  20. 27. - Vamos montar o detonador da sua bomba? Vamos lá. Coloque 1 colher e 1/2 de fermento em pó no centro do papel toalha e dobre como um envelope. - Coloque 1/4 copo de água morna e 1/2 copo de vinagre dentro do saquinho plástico. - Agora começa a etapa mais difícil, mas eu tenho certeza de que você vai conseguir. Você vai ter que colocar o seu detonador dentro do saquinho e fechar rapidamente para que não ocorra vazamento de gás. Você pode fazer isso da seguinte maneira: Feche metade do saquinho. Segure o detonador no canto e vá fechando. Quando faltar um pouquinho solte seu detonador. - Agite um pouquinho o saquinho e coloque-o dentro da pia ou no chão. O saquinho vai encher rapidamente e vai explodir. Responder em sala de aula com a professora Daiane O que aconteceu? Qual é a equação química que explica isso?
  21. 28.       Queima (combustão) do magnésio                                                                                             Você vai precisar de: - Fita de magnésio (Mg). - Uma pinça. - Fósforo. O que fazer: - Prenda a fita de magnésio na pinça deixando uma das extremidades livre. - Aproxime o fósforo aceso da extremidade livre da fita de magnésio e observe. O que aconteceu? Qual a reação química que explica este fenômeno?
  22. 29. Retirando cobre de uma solução azul: Você vai precisar de: - Sulfato de cobre. - Um béquer com água. - Barbante. - Pregos. - Espátula. O que fazer: - Coloque um pouco de sulfato de cobre em um béquer com água até obter uma solução azul intensa (utilize a espátula). - Amarre um barbante no prego e mergulhe-o dentro do béquer. - Espere alguns minutos e veja o que aconteceu com o prego. O que aconteceu? Qual a reação química que explica este fenômeno?

×