PA DE MÃO
Incidência PA: Mão
Sentar o paciente na extremidade da mesa com o cotovelo fletido a quase 90° e a mão e
o anteb...
Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o cotovelo fletido quase a 90º e a mão e
o antebraço apoiados na mesa.
 Pro...
Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o cotovelo fletido a 90º e a mão e o
antebraço apoiados na mesa.
 Girar a m...
Raio central:
 Raio central perpendicular ao filme, direcionado para a área média do carpo.
DFoFi- 1m
PUNHO LATERAL
Senta...
Proteção:Colocar escudo de chumbo sobre o colo do paciente para proteger as
gônadas
TÚNEL DO CANAL DO CARPO
Alinhar a mão ...
hiperextensão do punho, até que o eixo maior dos metacarpos e dos dedos esteja o mais
próximo possível da vertical (90° co...
Punho Desvio Ulnar
•Fatores Técnicos
•RC – Angulado de 15º à 20º sentido proximal.
•Distancia Mínima: 1metro
•Faixa de Técnica: 45-50 KeV
•Colocar proteção no colo do paciente para proteger as gônadas
COTOVELO
AP DO COTOVELO
AP DO COTOVELO (EXTENSÃO COMPLETA)
Estender o cotovelo, e supinar a mão e alinhar o braço e o antebraço ao longo do filme....
LATERAL DO COTOVELO - (Cotovelo fletido a 90º)
Alinhar o eixo longitudinal do antebraço com o eixo longitudinal do filme. ...
Raio central:
 Perpendicular ao filme direcionado para a porção media da articulação do
cotovelo.
INCIDÊNCIA OBLÍQUA COTO...
Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o
braço em extensão completa e o ombro e o cotovelo no
mesmo plano horizonta...
ANTEBRAÇO
Abaixar o ombro para posicionar todo o membro superior no mesmo plano horizontal.
Alinhar e centralizar o antebr...
Abaixar o ombro para posicionar todo o membro superior no mesmo plano horizontal.
Alinhar e centralizar o antebraço em rel...
POSICIONAMENTO - Paciente sentado, com a mão girada mantendo o polegar em
AP encostado sobre o chassi, ou com a mão latera...
LATERAL OU PERFIL - BÁSICA
ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Falanges, primeiro metacarpiano e articulações.
POSIÇÃO DO PACIEN...
OBLÍQUA DE MÃO BILATERAL (Método de NORGAARD ou posição de pegador de bola) -
ESPECIAL
RC: Perpendicular direcionado a um ...
Incidência mãos e punhos para idade óssea
ÚMERO
AP - BÁSICA
ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Vista frontal de todo úmero
POSIÇÃO DO PACIENTE: Em ortostática ou decúbit...
LATERAL OU PERFIL - BÁSICA
ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Vista lateral de todo úmero.
POSIÇÃO DO PACIENTE: Em ortostática ...
Posicionamentos   prova
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Posicionamentos prova

4.403 visualizações

Publicada em

Posicionamentos MMSS

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.403
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
305
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Posicionamentos prova

  1. 1. PA DE MÃO Incidência PA: Mão Sentar o paciente na extremidade da mesa com o cotovelo fletido a quase 90° e a mão e o antebraço apoiados na mesa.  Mão pronada com a superfície palmar apoiada no chassi; abrir os dedos ligeiramente.  Alinhar o eixo maior da mão e o antebraço com o eixo maior da porção do filme que está sendo exposta.  Centralizar a mão e o punho em relação á metade desprotegida do filme. Raio central:  RC perpendicular ao filme, direcionado á terceira articulação MCF. DFoFi - 1m INCIDÊNCIA PA OBLÍQUA DA MÃO
  2. 2. Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o cotovelo fletido quase a 90º e a mão e o antebraço apoiados na mesa.  Pronar a mão sobre o chassi: centralizar e alinhar o eixo maior da mão em relação ao eixo maior da porção do filme que esta sendo exposta.  Girar a mão e o punho inteiros lateralmente a 45º. Raio central:  Raio central perpendicular ao filme, direcionado para a segunda articulação MCF. DFoFil- 1m PERFIL DE MÃO
  3. 3. Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o cotovelo fletido a 90º e a mão e o antebraço apoiados na mesa.  Girar a mão e o polegar para cima, para uma posição lateral verdadeira, com as articulações MCF da segunda a quinta centralizados para o filme e o RC. Raio central:  Raio central direcionado ao filme, direcionado para a articulação MCF da segunda á quinta. DFoFi- 1m PUNHO PA Obs: Para melhor visulaizar os espaços intercarpais e a articluação do punho, uma incidência com a mão fechada poderá ser realizada Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o cotovelo fletido quase a 90º e a mão e o punho apoiados na mesa, palma para baixo. Abaixar o ombro, de forma que o ombro, a mão e o punho estejam no mesmo plano horizontal.  Alinhar e centralizar o eixo maior da mão e punho em relação á porção do filme que esta sendo exposta, com a área do carpo centrada em relação ao raio central.  Com a mão pronada, arquear a mão ligeiramente para posicionar o punho e a área carpal em contato estreito com o chassi.
  4. 4. Raio central:  Raio central perpendicular ao filme, direcionado para a área média do carpo. DFoFi- 1m PUNHO LATERAL Sentar o paciente na extremidade da mesa, com mão e antebraço apoiados na mesa e o cotovelo fletido cerca de 90º. Posicionar o punho e a mão no chassi em posição lateral com o polegar para cima. Ombro, cotovelo e punho devem estar no mesmo plano horizontal.  Alinhar o centro da mão e do punho em relação ao eixo longo do filme.  Ajustar a mão e o punho em uma posição lateral verdadeira, com os dedos confortavelmente fletidos. Raio central:  Raio central perpendicular ao filme, direcionado para a área média do carpo. DFoFi- 1m
  5. 5. Proteção:Colocar escudo de chumbo sobre o colo do paciente para proteger as gônadas TÚNEL DO CANAL DO CARPO Alinhar a mão e o punho em relação ao eixo maior da porção do filme que está sendo exposta. Solicitar ao paciente que hiperestenda o punho(dorsiflexione) o tanto que possa agarrando os dedos com a outra mão com suavidade, porém com firmeza promovendo a
  6. 6. hiperextensão do punho, até que o eixo maior dos metacarpos e dos dedos esteja o mais próximo possível da vertical (90° com o antebraço e sem elevar o punho e o antebraço do chassi). Girar a mão interna e o punho em torno de 10º internamente (em direção ao lado do radial) para evitar superposição do psiforme e do hamato. Raio central:  de 25° a 30° com o eixo maior da mão (o ângulo total do raio central em relação ao filme precisa ser aumentado ser o paciente não puder hiperestender o punho ao máximo).  Direcionar o raio central para um ponto aproximadamente 3 cm distalmente á base do terceiro metacarpo(centro da palma da mão). Punho Desvio Radial •Fatores Técnicos •RC – Perpendicular •Distancia Mínima: 1metro •Faixa de Técnica: 45-50 KeV •Colocar proteção no colo do paciente para proteger as gônadas
  7. 7. Punho Desvio Ulnar •Fatores Técnicos •RC – Angulado de 15º à 20º sentido proximal. •Distancia Mínima: 1metro
  8. 8. •Faixa de Técnica: 45-50 KeV •Colocar proteção no colo do paciente para proteger as gônadas COTOVELO AP DO COTOVELO
  9. 9. AP DO COTOVELO (EXTENSÃO COMPLETA) Estender o cotovelo, e supinar a mão e alinhar o braço e o antebraço ao longo do filme. Centralizar a articulação do cotovelo em relação ao centro do filme. Raio central:  Perpendicular ao filme direcionado para a porção média da articulação do cotovelo. DFoFi = 1m LATERAL DO COTOVELO
  10. 10. LATERAL DO COTOVELO - (Cotovelo fletido a 90º) Alinhar o eixo longitudinal do antebraço com o eixo longitudinal do filme. Centralizar a articulação do cotovelo em relação ao raio central e ao centro do filme. Abaixar o ombro até que o úmero e o antebraço estejam no mesmo plano horizontal. Raio central:  Perpendicular ao filme direcionado para a porção média da articulação do cotovelo, 4 cm medial á superfície posterior do processo olecraniano que é facilmente palpada. DFoFi = 1m NCIDÊNCIA OBLÍQUA COTOVELO (Rotação Interna) Paciente com o braço completamente estendido, e o ombro e o cotovelo no mesmo plano. Alinhar o braço e o cotovelo ao eixo longitudinal do filme. Centralizar a articulação do filme em relação ao raio central. Posicionar o paciente com a palma da mão para baixo e girar o braço conforme necessário até que a porção distal do úmero e a superfície anterior do cotovelo estejam rodados a 45º.
  11. 11. Raio central:  Perpendicular ao filme direcionado para a porção media da articulação do cotovelo. INCIDÊNCIA OBLÍQUA COTOVELO (Rotação Externa)
  12. 12. Sentar o paciente na extremidade da mesa, com o braço em extensão completa e o ombro e o cotovelo no mesmo plano horizontal (abaixar o ombro conforme necessário).  Alinhar o braço e o antebraço ao eixo longitudinal da porção do filme que está sendo exposta.  Centralizar a articulação do cotovelo ao RC e a porção do filme que está sendo exposta.  Supinar a mão e rodar lateralmente o braço inteiro para que a porção distal do úmero e a superfície anterior da articulação do cotovelo estejam aproximadamente a 45º do chassi. ( O paciente precisa inclinar-se lateralmente para a rotação lateral suficiente do braço). Palpar os epicôndilos para determinar aproximadamente rotação de 45º da porção distal do úmero. Raio central:  Raio central perpendicular ao filme, direcionado para a porção média da articulação do cotovelo (um ponto aproximadamente 2cm, distal ao ponto médio da linha entre os epicôndilos, como visualizado pelo tubo de raios X). DFoFil- 1m Proteção:Colocar escudo de chumbo sobre o colo do paciente para proteger as gônadas.
  13. 13. ANTEBRAÇO Abaixar o ombro para posicionar todo o membro superior no mesmo plano horizontal. Alinhar e centralizar o antebraço em relação ao eixo maior do filme, incluir as duas articulações (cotovelo e punho). Raio central:  direcionando perpendicular para a porção média do antebraço. DFoFi- 1m Proteção:Colocar escudo de chumbo sobre o colo do paciente para proteger as gônadas. INCIDÊNCIA LATERAL -LÁTERO MEDIAL- ANTEBRAÇO
  14. 14. Abaixar o ombro para posicionar todo o membro superior no mesmo plano horizontal. Alinhar e centralizar o antebraço em relação ao eixo maior do filme, incluir as duas articulações (cotovelo e punho). Girar a mão e o punho para uma posição lateral verdadeira e apoiar a ulna estejam diretamente superpostos. Raio central:  direcionando perpendicular para a porção média do antebraço. OBS: Para antebraços musculosos, colocar um apoio embaixo da mão e do punho, conforme necessário, para posicionar o rádio e a ulna paralelos ao filme. INCIDÊNCIA DE POLEGAR EM PA COM MAGNIFICAÇÃO OU AP (MÉTODO DE ROBERT) INDICAÇÕES - Fraturas, luxação e processos inflamatórios; FILME - SB / 13 x 18 na vertical;
  15. 15. POSICIONAMENTO - Paciente sentado, com a mão girada mantendo o polegar em AP encostado sobre o chassi, ou com a mão lateralizada apoiada sobre o chassi, mantendo o polegar em PA ; RC - Perpendicular, no meio do polegar; DFF - 1 m; MEMBROS SUPERIORES - DEDOS DO 2º AO 5º - PA - BÁSICA ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Falanges, distais de metacarpianos e articulações. POSIÇÃO DO PACIENTE: Sentado próximo á extremidade da mesa, cotovelo fletido a 90°, mão pronada sobre o chassi e dedos afastados. RC: Perpendicular direcionado à articulação interfalangiana proximal. Utilizar filme 18 X 24 ou 24 X 30 quando incluir PA de mão. DFOFI: 100 cm. COLIMAÇÃO: Colimar toda área de interesse. LATERAL OU PERFIL - DO 2⁰ AO 5⁰ - BÁSICA ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Falanges, distais de metacarpianos e articulações. POSIÇÃO DO PACIENTE: Sentado próximo à extremidade da mesa, cotovelo fletido a 90°, colocar a face medial contra o chassi, manter o dedo afetado estendido e flexionar os demais. RC: Perpendicular direcionado à articulação interfalangiana proximal (IFP). DFOFI: 100 cm. COLIMAÇÃO: Colimar toda área de interesse.
  16. 16. LATERAL OU PERFIL - BÁSICA ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Falanges, primeiro metacarpiano e articulações. POSIÇÃO DO PACIENTE: Sentado próximo à extremidade da mesa, pronar a mão sobre o chassi com o polegar abduzido. Curvar dedos do 2º ao 5º e a região volar. RC: Perpendicular direcionado a primeira articulação metacarpofalangiana. DFOFI: 100 cm.
  17. 17. OBLÍQUA DE MÃO BILATERAL (Método de NORGAARD ou posição de pegador de bola) - ESPECIAL RC: Perpendicular direcionado a um ponto médio de ambas as mãos ao nível das 5ª articulações metacarpofalangiana. DFOFI: 100 cm.
  18. 18. Incidência mãos e punhos para idade óssea
  19. 19. ÚMERO AP - BÁSICA ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Vista frontal de todo úmero POSIÇÃO DO PACIENTE: Em ortostática ou decúbito dorsal com o úmero apoiado sobre o chassi colocando braço em posição anatômica. RC: Perpendicular direcionado ao meio do úmero. DFOFI: 100 cm COLIMAÇÃO: Colimar incluindo as articulações distais e proximais.
  20. 20. LATERAL OU PERFIL - BÁSICA ESTRUTURAS MAIS DEMONSTRADAS: Vista lateral de todo úmero. POSIÇÃO DO PACIENTE: Em ortostática ou decúbito dorsal com o braço rodado internamente o máximo possível ou em ortostática em uma oblíqua anterior com o braço para trás. RC: Perpendicular direcionado ao meio do úmero. DFOFI: 100 cm. COLIMAÇÃO: Colimar incluindo as articulações distais e proximais.

×