Simbologia maçonica nas igrejas

313 visualizações

Publicada em

Simbologia maçonica nas igrejas

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Simbologia maçonica nas igrejas

  1. 1. A HISTÓRIA RESUMIDA: Por volta de 1200 à 1500 a.C, os construtores medievais ergueram catedrais com estruturas muito elaboradas e altíssimas. Algo sem precedentes na arquitetura até então (no caso, Bizantina, Românica, Grega, Egípcia e Pré-histórica). Essas catedrais imensas só foram possíveis devido a dois desenvolvimentos-chave da arquitetura: as Abóbadas com TRAVES (em inglês VAULTS) e os suportes externos chamados ARCOBOTANTES. Na verdade, as abóbadas com traves e os arcobotantes já há muito eram usados , mas o que caracteriza o modelo Gótico é algo muito particular e facilmente identificável: o ARCO PONTIAGUDO e o CONTRAFORTE.
  2. 2. ESTILO ROMÂNICO
  3. 3. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO ESTILO GÓTICO
  4. 4. Catedrais altíssimas
  5. 5. Arcos pontiagudos
  6. 6. Contrafortes e Arcobotantes externos (suportesem alvenaria p/ suportar peso)
  7. 7. Janelas laterais imensas e com vitrais ( interior da igreja muito iluminado)
  8. 8. Presença de Rosácea (grande janela circular, sempre na entrada da igreja)
  9. 9. Rendilhado (armação de pedra que emoldura as janelas)
  10. 10. Presença de gárgulas (ricamente decorado)
  11. 11. PRESENÇA DE ESTÁTUAS
  12. 12. Torres principais muito altas e arrematadas por flechas, além de várias torres menores, também com flechas p/ o alto.
  13. 13. várias torres menores
  14. 14. plantas baixas em formato de cruz
  15. 15. Uma viagem pelos símbolos e ensinamentos esotéricos que transformam as igrejasgóticas em templos ecumênicos, nos quais o cristianismo convive ao lado de antigas tradições, como a Cabala (filosofia esotérica, sabedoria que investiga a natureza divina) e a alquimia SIMBOLOGIA INTERPRETATIVA
  16. 16. ROMÂNICO A base está no alicerce e todo o peso se apóia nas paredes, muito largas. Influência dos elementos TERRA E ÁGUA fazendo o homem se voltar para dentro de si mesmo. GÓTICO A sustentação está no teto, nas abóbadas . Verticalização da fé, união com o Divino. Seus elementos são o FOGO e o AR purificação iniciática e elevação espiritual .
  17. 17. purificação iniciática e elevação espiritual -, que se expressam em vitrais e torres, cujas formas lembram labaredas. A intenção era que. Durante as vésperas (hora canônica correspondente às 6 hs) e na hora mariana correspondente às 18 hs) a luminosidade filtrada criasse a sensação de um incêndio, verdadeiro fogo iniciático.
  18. 18. O QUE NOS DIZEM AS ROSÁCEAS essas rosáceas são mandalas perfeitase funcionam como "um mapa" das tradições que estão sendo passadas: Visão eclesiástica: cores do arco-íris, aliança de Deus com os homens no pós dilúvio: Na Alquimia, chama-se A RODA, simboliza tempo necessário para o fogo agir sobre a matéria, transmutando-a. Visão reforçada pelo esquema de incidência de luz sobre elas. Rosácea lateral esquerda, cor negra, matéria em seu estado bruto, a morte. Rosácea da lateral direita, sol do meio-dia, luminosidade branca, cor do iniciado, saiu das trevas. Rosácea central, ao receber a luz do pôr-do-sol, parece incendiar-se e banha o templo com um tom rubro, sinônimo da perfeição absoluta, da predominância do espírito sobre a matéria.
  19. 19. Há, ainda, uma terceira corrente de pensadores rosáceas a que flores, compara as símbolos da pureza, da castidade e do feminino - qualidades valorizadas na era medieval, que, acima de tudo, cultuou a Virgem Maria.
  20. 20. Evocada como intermediadora entre o terreno e o divino, eleita advogada da humanidade, a Virgem Maria inspirou, entre 1170 e 1270, a construção de nada menos que 80 catedrais e 500 igrejas em sua homenagem, só na França. a maioria das igrejas em honra da Virgem foram erguidas em lugares antes dedicados a uma Madonna. Curiosamente, a uma Madonna negra, cujos atributos estavam associados à sexualidade, à procriação e à fertilidade. No fundo, muitas dessas Madonnas negras eram representações das antigas deusas ctônias (ligadas às forças da terra) do paganismo. Outras estavam associadas à Lua ou a Vênus. Em outras palavras, eram herdeiças da antiga crença em uma Deusa-Criadora, predominante nas concepções religiosas mais arcaicas e retornada com força na Idade Média. Virgini Paritures – cultuada pelos Templários, Nossa Senhora dos Subterrâneaos, e como divindade subterrrânea seu poder encontra-se na morte e renascimento.
  21. 21. Homem verde - um símbolo do renascimento, representando o ciclo de crescimento da natureza a cada primavera. Inúmeras igrejas e capelas construídas pelos maçons, contêm esculturas desse símbolo de origem celta e ligado ao culto da Deusa da Fertilidade.
  22. 22. os construtores góticos, empenhados em fazer dos seus templos verdadeiras antenas em sintonia com as forças do Universo, construíram estas em cima de antigos menires (pedras sagradas) ou de montes, elevações que os antigos filósofos gregos consideravam como centros de energia, omphalós (umbigo) do mundo. Em outras palavras, pontos primordiais, de onde tudo se origina e para onde tudo retorna.
  23. 23. Também a estrutura das catedrais góticas não parece resultado de meros cálculos arquitetônicos. De acordo com Fulcanelli, o grande alquimista que nos anos vinte escreveu O Mistério elas Catedrais, o plano dessas igrejas tem a forma de uma cruz latina estendida no solo. Dentro da alquimia, essa cruz é símbolo do crisol, ou seja, do ponto em que uma determinada matéria perde suas características iniciais para se transmutar em outra completamente diferente. Simbolicamente, a igreja teria então o objetivo iniciático de fazer com que o homem comum, ao penetrar nos seus mistérios, renascesse para uma nova forma de existência, mais espiritualizada.
  24. 24. SIMBOLOGIA TEMPLÁRIA NAS IGREJAS – CRUZES E SELOS
  25. 25. LABIRINTOS NAS CATEDRAIS Chamados de Labirinto de Salomão, eles costumam se localizar no ponto em que a nave e os transeptos (os braços da cruz) se unem. Seu sentido alquímico é o mesmo do mito grego de Teseu, o herói que entra num labirinto a fim de combater o Minotauro e, após vencer o terrível monstro, consegue voltar, graças ao fio que Ariadne (aranha) lhe dera. Filosoficamente, o labirinto são os inúmeros caminhos que o homem tem à sua disposição. Cedo ou tarde, ele entrará em contato com seu monstro interior, sua falta de luz. Aquele que consegue combater e vencer as próprias imperfeições (o Minotauro) pode voltar à vida. Mas só os que possuem o fio de Ariadne (símbolo do conhecimento iniciático) é que conseguem efetivamente retornar à Luz.
  26. 26. O ZODÍACO NAS CATEDRAIS o zodíaco está representado, dentro das catedrais, fora de sua ordem convencional, apesar de normalmente entrada. Longe de seraparecer na aleatório, esse desmembramento está relacionado ao sentido mais esotérico de cada signo, como se vê a seguir. A Cruz do Zodíaco representa o trajecto do Sol através das doze maiores constelações no decorrer de um ano, as doze constelações Zodíacais representam os doze meses, divididos em quatro estações, em solstícios e equinócios. A expressão Zodíaco está relacionada com o facto de as constelações serem representações personificadas por figuras ou animais.
  27. 27. Áries - simboliza o início do caminho na busca da elevação espiritual. Touro - às vezes está associado ao evangelista São Lucas; às vezes, ao próprio Cristo. Gêmeos - expressam a Capacidade de elevar espiritualmente o próximo por meio da transmissão de conhecimentos. Câncer –próximo da pia batismal trata-se de uma influência da Cabala, que associa a Lua, regente de Câncer, a Gabriel, o anjo emissário dos nascimentos. A intenção é mostrar que, por meio do batismo (um ritual iniciático), o homem pode se re-ligar às esferas espirituais das quais se origina. Leão – emblema do evangelista São Marcos, a quem emprestaria seus atributos de persistência e força de vontade na busca da espiritualização. Virgem - pode também estar representado por uma estátua da própria Virgem Maria, com uma estrela na cabeça. É um dos signos mais ricos de significados nas igrejas góticas, já que a maioria delas foi dedicada justamente à Mãe de Cristo. Libra - Quase sempre aparece como uma mulher segurando uma balança . Seria um lembrete para o homem de que ele também faz parte do divino. Escorpião - Sua imagem pode ser traduzida por uma águia (símbolo de elevação espiritual) e representa o evangelista São João. Ou, então, aparece como um escorpião mesmo, já com um sentido de regressão espiritual.
  28. 28. Sagitário - traduz a luta que o homem precisa travar no sentido de vencer sua natureza material, a fim de ascender a planos mais elevados. Capricórnio - indica as oposições que o homem tem de enfrentar em sua busca de espiritualização. Aquário - Representado por um homem segurando um livro ou um pergaminho, foi adotado como emblema do próprio cristianismo e do evangelista São Mateus. Esotericamente, seria o ar cósmico, que permeia todas as formas de vida. Peixes - Rico em significados esotéricos, aparece normalmente como dois peixes unidos por um cordão, nadando em direções opostas. O cordão seria o fio de prata que une o espírito e a alma durante a vida, mas que se rompe na morte. Um dos peixes corresponde, portanto, ao espírito, que permanece acima do plano físico, enquanto o outro, a alma, seria um intermediário direto com a matéria. Por força desse contato, pode perder sua pureza e ser atraída para a Terra.
  29. 29. Outro fenómeno muito interessante que ocorre a 25 de Dezembro, é o solstício de Inverno. Entre o solstício de Verão ao solstício de Inverno, os dias tornam-se mais curtos e frios. O sol move-se para sul e aparentemente fica mais pequeno e fraco, ocorre o encurtamento dos dias e o fim das colheitas conforme se aproxima o solstício de Inverno simbolizando a morte do sol. No 22º dia de Dezembro, o falecimento do SOL está completamente realizado. O sol, tendo se movido continuamente para o sul durante 6 meses, atinge o seu ponto mais baixo no céu. Aqui ocorre uma coisa curiosa: o Sol parece aparentemente, deixar de se movimentar para o sul, durante 3 dias. Durante estes 3 dias, o Sol se encontra nas redondezas da Constelação de Cruzeiro do Sul, Constelação de Crux ou Alpha Crucis. Depois deste período a 25 de Dezembro, o Sol move-se, desta vez para norte, criando a perspectiva de dias progressivamente mais longos, o calor e a Primavera. E assim se diz: que o Sol morreu na Cruz, (constelação de Crux) Esteve morto por 3 dias, apenas para ressuscitar ou nascer uma vez mais. Esta é a razão pela qual Jesus e muitos outros deuses do Sol partilham a ideia da crucificação, morte de 3 dias e o conceito da ressurreição. É o período de transição do Sol antes de mudar seu sentido para o Sul e dirigir-se ao Norte trazendo ao Hemisfério Norte a Primavera e assim: a salvação. Todavia, eles não celebram a ressurreição do Sol até o equinócio da Primavera, ou Páscoa. Isto é porque no Equinócio da Primavera, o Sol domina oficialmente o Mal, as Trevas, assim como o dia se torna progressivamente maior que a noite, e o revitalizar da vida na Primavera emerge.
  30. 30. Olho de Hórus Nome egípcio: Wedjal (quando é o olho esquerdo) ou Udyat (quando é o direito) Significado: Proteção, cura e visão. O Wedjal também simboliza a lua e suas fases e o Udyat simboliza o sol. OLHO QUE TUDO VÊ Sabedoria, Onisciência, Força, Onipotência e Beleza, Onipresença: é a confirmação de que todos os nossos atos, emoções e pensamentos são guiados pela Presença Divina.
  31. 31. BAFOMÉ Mas a figura mais temida na fauna que povoava o imaginário medieval era o Bafomé, que aparece com destaque na porta de todas as igrejas góticas. Metade homem, metade bode, por muito tempo foi confundido com o demônio cristão. Mas seu sentido é bem outro, como explica Victor Franco: “O Bafomé é um símbolo templário, que expressa a necessidade humana de transcender seus instintos básicos, a fim de ascender espiritualmente e cumprir seu papel evolutivo. Ser parte de Deus, até se confundir com Ele, é o sentido da verdadeira humanização. E este era o ensinamento maior dos idealizadores do gótico, que criaram uma arquitetura viva. Suas catedrais estão tão perfeitamente integradas ao cosmo, que são praticamente forças da natureza”.
  32. 32. SINAIS DE PEDREIROS – NAS CATEDRAIS O mais intrigante é que nenhuma das construções góticas possui autor, alguém que assine o projeto. Até hoje o único tipo de identificação encontrada são marcas gravadas nas pedras. Essas marcas representam geralmente instrumentos de trabalho estilizados como martelos e compassos, e eram um tipo de identificação profissional que o mestre- de-obras usava para controlar o trabalho de cada um. Todo artesão possuía uma marca própria – que passava de pai para filho, de mestre para discípulo - e a repetia sempre, em todo lugar onde trabalhasse.
  33. 33. Na fachada da Igreja de Or San Michele, em Florença destacam os três grandes símbolos maçônicos que demonstraram a organização do trabalho dos nossos irmãos operativos e seus ideais de trabalho: o compasso que simboliza o limite justo na relação entre os trabalhadores. o esquadro, símbolo da equidade. o nível e o prumo, que simbolizam a hierarquia e a igualdade na associação de pedrreiros-livres.

×