LINHA DE PENSAMENTO

497 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LINHA DE PENSAMENTO

  1. 1. WWW.CURSORAIZES.COM.BR Universidade Estadual Vale do Acarau – UVA Curso de Pedagogia em Regime Especial Disciplina: Métodos e técnicas de alfabetização.Professor: Gilson Alves da SilvaGraduanda: Verônica Vieira do NascimentoTurma: B8 LINHA DE PENSAMENTO Tobias Barreto – SE WWW.CURSORAIZES.COM.BR
  2. 2. WWW.CURSORAIZES.COM.BR Dezembro de 2008 CÉLESTIN FREINET – se inscreve, historicamente, entre os educadoresidentificados com a corrente da Escola Nova, que nas primeiras décadas do século 20, surgiucontra o ensino tradicionalista, propondo uma educação ativa em torno do aluno umaeducação. Ele sempre acreditou que é preciso transformar a escola por dentro, pois éexatamente ali que se manifestam as contradições sociais. Freinet criou uma pedagogia dotrabalho, para ele, a atividade é o que orienta a prática escolar e o objetivo final da educação éformar cidadãos para o trabalho livre e criativo, capaz de dominar e transformar o meio eemancipar quem o exerce. Segundo ele um dos deveres do professor é criar uma atmosferalaboriosa na escola, de modo a estimular as crianças. Outra função primordial segundo omesmo é elaborar ao máximo para êxito de todos os alunos. EMÍLIA FERREIRO – segundo essa autora a qual seu nome passou a ser ligadaao construtivismo, a construção do conhecimento da leitura e da escrita, tem acepção(capacidade de discriminar sons e sinais, por exemplo) e de motricidade (coordenação,orientação espacial etc.). Compreender a escrita interiormente significa compreender umcódigo social. Por isso, para Emília Ferreiro, a alfabetização também é uma forma de seapropriar das funções sociais da escrita. De acordo com suas conclusões, desempenhos díspares apresentadas por crianças declasse sociais diferentes na alfabetização não revelam capacidades desiguais, o, mas o acesso,maior ou menor a textos lidos e escritos desde os primeiros anos de vida. VYGOTSKY – atribuía um papel preponderante as relações, tanto que a correntepedagógica que se originou de seu pensamento é chamada de sócioconstrutivismo ousociointeracionismo. Os estudos de Vygotsky sobre aprendizado decorrem da compreensão dohomem, com um ser que se forma do homem com um ser que se forma em contato com asociedade. “Na ausência do outro, o homem não se constrói homem”. Ele rejeitava tanto asteorias inatistas, quando as empiristas e comportamentais. Para ele a formação se dá numarelação dialética entre o sujeito e sociedade. A seu redor. Vygotsky diz que o primeiro contatoda criança com novas atividades, habilidades ou informações deve ter a participação ouinformações deve ter a participação de um adulto. WWW.CURSORAIZES.COM.BR
  3. 3. WWW.CURSORAIZES.COM.BR PAULO FREIRE – para ele, o objetivo maior da educação é conscientizar oaluno. Isso significa, em relação às parcelas desfavorecidas da sociedade, levá-las a entendersua situação de oprimidas e agir em favor da própria libertação. Paulo freire condenava oensino oferecido pela maioria das escolas, o ensino oferecido pela maioria das escolas que elequalificou de educação bancária. Nela segundo ele o professor age como quem deposita conhecimento num alunoapenas receptivo, dócil. O mesmo dizia que, enquanto a escola conservadora procuraacomodar os alunos ao mundo existente, a educação que defendia tinha a intenção deinquietá-los. Ele criticava a idéia de que ensinar é transmitir saber por que para ele a missãodo professor era possibilitar a criação ou a produção de conhecimentos. Ele dizia que ninguémensina nada a ninguém, mas as pessoas também não aprendem sozinhas. “Os homens seeducam entre se mediados pelo mundo” para o mesmo o aluno alfabetizado ou não, chega aescola levando uma cultura que não é melhor nem piro do que a do professor, em sala de aula,os dois lados aprenderão juntas, um com o outro. ANA TEBEROSKY – para ela nas sociedades onde as pessoas valorizam ainteração entre as mesmas e a cultura escrita, o processo de alfabetização é mais respeitadasquando o tema é alfabetização. O estudo desenvolvido por ela e por Emília Ferreiro trouxenovos elementos para esclarecer o processo vivido pelo aluno que está aprendendo a ler eescrever. Ela diz que “a aquisição das habilidades de leitura e, escrita depende muito menosdos métodos utilizados do que da relação que a criança tem desde pequena com a culturaescrita” Uma coisa que mudou é que a interação com a família também é mais intensiva. Osprofessores podem conversar com os pais para criar esse ambiente alfabetizador. ALEXANDER LURIA – interessava-se em estudar os processos mentais deadultos, ou seja, sobre o pensamento, o sentimento e as ações dos adultos. Ele interessou-setambém pelo estudo da influencia da cultura nos processos mentais. Para ele, antes deenunciarmos uma simples oração, há todo um processo interno psíquico, de formação interiordesta, alocução. Luria fez suas investigações para compreender a formação do projeto deenunciação e a passagem deste ao da fala-chamada por ele de “linguagem desdobrada”.Assim, ele afirma, pode-se aproximar-se do pensamento, não conhecê-lo totalmente, pois elenão se materializa na palavra, ele se realiza na palavra, ou ainda, forma-se com a ajuda dapalavra ou da linguagem. WWW.CURSORAIZES.COM.BR

×