Física aula 01 - mecância - cinemática escalar

5.249 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.249
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Física aula 01 - mecância - cinemática escalar

  1. 1. AULA 1 MECÂNICA 1- INTRODUÇÃO Na Mecânica, estudaremos os movimentos dos corpos e, para melhorcompreensão, dividiremos a mecânica em três partes: Cinemática,Dinâmica e Estática. Nesta aula, estudaremos a Cinemática escalar, utilizando conceitosgeométricos vinculados ao tempo para descrevermos os movimentosatravés de funções matemáticas. No estudo da Cinemática não nospreocuparemos com as causas nem com as leis da natureza queexplicam estes movimentos, pois esta preocupação ficará por conta daDinâmica, o que estudaremos futuramente. 2- PONTO MATERIAL (PARTÍCULA) E CORPO EXTENSO. Imagine uma pessoa caminhando e atravessando uma ponte deextensão 600 metros. O tamanho desta pessoa comparado ao tamanhoda ponte é insignificante e então pode ser desprezado noequacionamento deste movimento. Logo, esta pessoa é consideradauma partícula ou um ponto material. (fig.1)Figura 1 600mPONTO MATERIAL É TODO CORPO CUJAS DIMENSÕES NÃOALTERAM O ESTUDO DE QUALQUER FENÔMENO DE QUE ELEPARTICIPE. Imagine agora que por esta ponte passe uma estrada férrea e queuma composição de 300 metros de extensão vá atravessá-la. Para oequacionamento deste novo movimento, não poderemos desprezar otamanho da composição. Logo, esta composição é considerada umcorpo extenso. (fig.2)
  2. 2. Figura 2 300m 600mCORPO EXTENSO É TODO CORPO CUJAS DIMENSÕES ALTERAM OESTUDO DE QUALQUER FENÔMENO DE QUE ELE PARTICIPE. 3- REFERENCIAL, MOVIMENTO E REPOUSO. Definimos como REFERENCIAL OU SISTEMA DE REFERÊNCIA umcorpo, ou parte dele, em relação ao qual identificamos se um móvel estáem movimento ou em repouso. Considere uma pessoa em seu carro, trafegando em uma rua calma.Ao passar por um grupo de estudantes parados em um ponto de ônibus,começa uma discussão entre eles.Um dos estudantes afirma: “O motorista daquele carro está emmovimento”. Um outro colega se opõe à afirmação: “Não é o motoristaque está em movimento e sim o seu carro”. Um terceiro colega tentaaliviar a discussão explicando: “Se considerarmos o ponto de ônibuscomo referencial, tanto o motorista como o carro estão em movimento,mas se o referencial considerado for o volante do carro, ambos estãoem repouso”. Um corpo está em MOVIMENTO, quando a distância entre ele e oreferencial adotado se altera; e, está em REPOUSO, quando a distânciaentre ele e o referencial adotado permanece constante. (Fig.3)Figura 3 A B D C TAXIMOVIMENTO E REPOUSO SÃO CONCEITOS RELATIVOS EDEPENDEM SEMPRE DO REFERENCIAL ADOTADO.
  3. 3. 4- TRAJETÓRIAA TRAJETÓRIA É A UNIÃO DE TODAS AS POSIÇÕES QUE UMCORPO OCUPA AO SE DESLOCAR. Considere um carro passando por uma estrada coberta com umafina camada de neve. As marcas dos pneus do carro determinam suatrajetória para aquele deslocamento. A TRAJETÓRIA DEPENDE DE UM REFERENCIAL Um exemplo clássico que nos permite afirmar que realmente a trajetória depende deum referencial é o de um avião que, em pleno vôo, abandona umcorpo.Ao abandonar o corpo, um observador que se encontralateralmente ao movimento verá uma trajetória com formato parabólico.Um outro observador, que se situa frontalmente ao movimento, veráuma trajetória retilínea. Então, para dois observadores (referenciais)diferentes, teremos duas trajetórias de formatos diferentes.(fig.4)Figura 4 5- POSIÇÃO OU ESPAÇO (S) ESCALAR DE UM CORPO NUMA TRAJETÓRIA.
  4. 4. A posição de um corpo está vinculada a um ponto da trajetória quenomearemos “ORIGEM DOS ESPAÇOS” e que será o nosso referencialna determinação das posições (espaços). Na figura abaixo, os carros A eB estão a uma mesma distância da “ORIGEM” (MARCO ZERO),porém o A está à esquerda e o B à direita da origem. Note que, paradefinir a posição de um corpo na trajetória, o sinal positivo (+) e o sinalnegativo (-) são muito importantes para identificar o lado em que seencontra o corpo em relação à “ORIGEM”. (fig.5)Figura 5 A B -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 S(km) 9 ORIGEM DOS ESPAÇOSESPAÇO É A MEDIDA ALGÉBRICA DESDE A ORIGEM ATÉ O CORPOESTUDADO. O ESPAÇO PODE SER POSITIVO (CORPO A) OUNEGATIVO (CORPO B). O ESPAÇO SERÁ NULO (S=0) QUANDO OCORPO ESTUDADO ESTIVER NA ORIGEM DOS ESPAÇOS. 6- ESPAÇO INICIAL (So) E DESLOCAMENTO ESCALAR (DS) Espaço inicial é a posição ocupada pelo corpo quando este inicia oseu movimento. TODO MOVIMENTO SE INICIA NA “ORIGEM DOS TEMPOS” ( t =0) Por exemplo, na figura anterior, se o tempo fosse “ZERO”, osespaços iniciais dos carros A e B seriam: SoA = -3km e SoB = +3km Deslocamento escalar é a diferença entre as posições ocupadaspelo corpo entre o início e o fim do movimento. (fig.6)Figura 6. (início) (fim) -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 S(km)
  5. 5. Logo: DS = 3 - (-4) = 7km 7- VELOCIDADE ESCALAR MÉDIA (Vm) A velocidade escalar média de um corpo é o quociente entre seudeslocamento e o tempo que ele gastou para se deslocar.DS = Sf – So (deslocamento escalar)Dt = tf – to (intervalo de tempo) DS Sf - So Vm = = Dt tf - to 8- VELOCIDADE ESCALAR INSTANTÂNEA (V) A velocidade escalar instantânea é o valor limite para o qual tende avelocidade escalar média quando o Dt tende a zero. DS V = lim Dt Dt Æ 0OBS: O limite (lim) é calculado pela função matemática denominadaderivada. ds V= fi isto é a representação da derivação e lê-se: dtA velocidade é a derivada do espaço relativa ao tempo.Cálculo da derivada:Vamos considerar a seguinte equação:X = a.Y 4 + b.Y 3 + c.Y 2 + d.Y + eX é a nossa grandeza, Y é a nossa variável e a,b,c,d e e são os nossosparâmetrosRegra prática 1- o expoente da variável multiplica o parâmetro.Regra prática 2- subtrai uma unidade do expoente da variável.
  6. 6. Regra prática 3- a derivada de uma constante é zero. Exemplo: X = a.Y 4 + b.Y 3 + c.Y 2 + d.Y + edX = 4.a.Y 4 -1 + 3.b.Y 3 -1 + 2.c.Y 2 -1 + 1.d.Y1-1 + 0dYdX = 4.a.Y 3 + 3.b.Y 2 + 2.c.Y1 + 1.d.Y 0dYdX = 4.a.Y 3 + 3.b.Y 2 + 2.c.Y + ddY Unidades: S.I. (Sistema Internacional de Unidades) unid(DS) = m (metro) unid(Dt) = s (segundo) unid(Vm) = m/s (metro/segundo) C.G.S. unid(DS) = cm (centímetro) unid(Dt) = s (segundo) unid(Vm) = cm/s (centímetro/segundo) No Brasil usamos: unid(DS) = km (quilômetro) unid(Dt) = h (hora) unid(Vm) = km/h (quilômetro/hora) Relações importantes: 1km = 1.000m
  7. 7. 1m = 100 cm1h = 60 minutos = 3.600s 1km 1.000m 1km 1m = fi = 1h 3.600s 1h 3,6sPara transformar km/h em m/s, basta dividir por 3,6; e paratransformar m/s para km/h, basta multiplicar por 3,6. 9– ACELERAÇÃO ESCALAR MÉDIA (gm) A aceleração escalar média de um corpo é o quociente entre suavariação de velocidade e a variação de tempo. DV Vf - Vo am = = Dt tf - toUnidades:S.I. (Sistema Internacional de Unidades)unid(V) = m/s (metro/segundo)unid(Dt) = s (segundo)unid(am) = m/s (metro/segundo ao quadrado)C.G.S.unid(V) = cm/s (centímetro/segundo)unid(Dt) = s (segundo)unid(am) = cm/s (centímetro/segundo ao quadrado)No Brasil usamos:unid(V) = km (quilômetro/hora)unid(Dt) = h (hora)unid(am) = km/h (quilômetro/hora ao quadrado)
  8. 8. 10- ACELERAÇÃO ESCALAR INSTANTÂNEA (g) A aceleração escalar instantânea é o valor limite para o qual tende aaceleração escalar média quando o Dt tende a zero. DV a= lim Dt Dt Æ 0 dv a= fi isto é a representação da derivação e lê-se: dtA aceleração é a derivada da velocidade relativa ao tempo.Unidades:S.I. (Sistema Internacional de Unidades)unid(V) = m/s (metro/segundo)unid(Dt) = s (segundo)unid(a) = m/s (metro/segundo ao quadrado)C.G.S.unid(V) = cm/s (centímetro/segundo)unid(Dt) = s (segundo)unid(a) = cm/s (centímetro/segundo ao quadrado)No Brasil, usamos:unid(V) = km (quilômetro/hora)unid(Dt) = h (hora)unid(a) = km/h (quilômetro/hora ao quadrado) 11- CLASSIFICAÇÃO DE MOVIMENTOS
  9. 9. Classificaremos os movimentos de um corpo, levando emconsideração o grau da sua função horária, o sentido do movimento emrelação à trajetória e se o módulo de sua velocidade está alterando.1 º - se a função horária for de 1º grau, o movimento serádenominado UNIFORME, porém se a função horária for de 2º grau, omovimento será UNIFORMEMENTE VARIADO.2º- se o móvel percorre a trajetória em seu sentido positivo, isto é,posições progredindo, o movimento será PROGRESSIVO. Contudo,se o móvel percorre a trajetória no sentido oposto ao positivo, isto é,posições retrocedendo, o movimento será RETRÓGRADO.3º- se o módulo da velocidade está aumentando, isto é, o ponteirodo velocímetro está subindo, o movimento é ACELERADO e, nestecaso, a velocidade e a aceleração têm sinais iguais. Contudo, se omódulo da velocidade está diminuindo, isto é, o ponteiro dovelocímetro está descendo, o movimento é RETARDADO e neste caso,a velocidade e a aceleração têm sinais opostos. Porém, se omódulo da velocidade mantém-se constante, o movimento seráUNIFORME.

×