SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
15

QUESTÃO 23

A lei de Anistia no Brasil pós 64 completou 30 anos em 11/09/2009. Foi sancionada pelo então Presi-
dente João Batista Figueiredo, no último suspiro da ditadura militar brasileira, para diminuir a tensão
entre os movimentos sociais e a ala dura do exército nacional. Sobre essa lei, é CORRETO dizer:

a)   Foi mais um acordo político em que se anularia o julgamento dos torturadores do regime militar,
     ao mesmo tempo em que absolveria todos os militantes que se opuseram ao regime pós 64.
b)   Foi um acordo político entre os partidos majoritários do golpe de 64 (PSDB e PT) para reparar os
     danos políticos causados pela Ditadura Militar.
c)   Foi um golpe político do poder judiciário contra o Estado de Direito no sentido de garantir as
     liberdades civis neste País.
d)   Foi a decretação de perdão do governo do Presidente Lula aos políticos e militares cassados de-
     pois do golpe.

QUESTÃO 24



Ao contrário do historiador contemporâneo ao fascismo – como Franz Neumann, Theodor Adorno ou
Ângelo Tasca – , nós sabemos, através de Auschwitz, o que é o fascismo ou, ao menos, sabemos qual
é a sua prática, ao contrário, ainda, dos historiadores que escreveram no imediato pós-guerra, como
Trevor-Hopper, G. Barraclough ou Eric Hobsbawm (até algum tempo), não podemos tratar o fascismo
como um movimento morto, pertencente à história e sem qualquer papel político contemporâneo. En-
contramo-nos, desta forma, numa situação insólita: sabemos qual a prática e as consequências do fas-
cismo e sabemos, ainda, que não é um fenômeno puramente histórico, aprisionado no passado. Assim,
torna-se impossível escrever sobre o fascismo histórico – o que é apenas uma distinção didática – sem
ter em mente o neofascismo e suas possibilidades.
                                                           (Daniel Aarão Reis Filho, O Século XX., p. 111-112.)

Assinale a opção que sintetiza CORRETAMENTE a idéia contida no trecho acima.

a)   O Fascismo é um fenômeno definido conceitualmente, cuja prática é identificada pelos historiado-
     res que coexistiram com ele historicamente.
b)   O Fascismo não é um fenômeno histórico ligado ao passado, ele se insere na política contempo-
     rânea atual sob outras formas de atuação.
c)   O Fascismo não pode ser tratado sem qualquer relação com a política contemporânea, já que
     hoje sabemos sua prática e suas consequências.
d)   O Fascismo, conforme os historiadores, é um fenômeno que não pode ser escrito, já que se cir-
     cunscreve na história contemporânea como passado e presente.

QUESTÃO 25

O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento, do governo Lula), lançado em 2007 pela Ministra da
Casa Civil Dilma Rouseff, tem inspiração nas teses de desenvolvimentistas criadas na década de 60:

a)   pela OEA (Organização dos Estados Americanos).
b)   pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).
c)   pela CEPAL (Comissão Econômica para América Latina).
d)   pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).
14

QUESTÃO 21



Segundo Sérgio Silva, “No começo da segunda metade do século XIX, a produção de café toma pro-
porções muito importantes: a cifra se aproxima de 3 milhões de sacas em média por ano. A partir da
década de 1870, e sobretudo a partir de 1880, quando a produção média anual ultrapassa os 5 milhões
de sacas, o café torna-se o centro motor do desenvolvimento do capitalismo no Brasil.”
                                              (SILVA, Sérgio. A expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil.)

Pode-se apontar como fator responsável por esse aumento de produtividade:

a)   o aporte de grande capital internacional para o financiamento da safra.
b)   a diminuição da produção colombiana de café provocada por problemas climáticos.
c)   o uso intensivo de trabalho escravo na produção e beneficiamento do café.
d)   crescimento dos mercados externos consumidores do produto, o que estimulou o crescimento da
     produção interna.


QUESTÃO 22




Enquanto isso, o capitão Nemo, encarnação da revolta contra os donos do mundo, proclama-se indiano
das Índias, por conseguinte, anti-inglês, como são os heróis de La Maison á Vapeur (1880), ou os
Maoris da Nova Zelândia, esses “homens orgulhosos que resistem pau a pau aos invasores”.
                                                                        (FERRO, Marc. História das colonizações.)



O capitão Nemo é uma personagem criada por Julio Verne em Vinte Mil Léguas Submarinas, numa críti-
ca explícita do autor ao sistema inglês de colonização.O colonialismo do século XIX, criticado por Julio
Verne, tem suas bases correlacionadas de forma correta em todas as alternativas abaixo, EXCETO:


a)   Nacionalismo – na ótica da política internacional da época, a posse de colônias era fonte de
     prestígio e prova de força do país que as conquistava.
b)   Racismo – impregnado de visões a respeito do nativo como inferior e do europeu como orgulho
     racial e superior, detentor do direito de dominação.
c)   Civilização – os europeus comparavam todas as formas de governo, numa tentativa de apreen-
     der uma forma de vida mais natural.
d)   Alteridade – na qualidade de outro, o nativo não existe. Eles são caçados como animais selva-
     gens ou considerados “foras-da-lei”.
13


                                        PROVA DE HISTÓRIA



QUESTÃO 19



A expulsão dos judeus da Espanha pelos reis católicos, em 1492, levou cerca de cem mil refugiados
para Portugal, onde experimentaram ainda mais amargas vicissitudes do que na pátria. Foram forçados
em 1497, por ordem do rei D. Manuel, juntamente com os judeus seus correligionários portugueses, a
se converterem ao cristianismo, fenômeno que deu origem à era dos cristãos novos. A fuga dos portu-
gueses cristãos-novos para o Brasil era mais fácil do que para qualquer lugar da Europa. Apesar de as
leis que os proibiam de emigrar do Reino serem sempre renovadas, cristãos-novos conseguiam em-
barcar clandestinamente para o Novo Mundo, considerado por muitos como a Terra Prometida, pagan-
do aos pilotos das naus, que muitas vezes eram também cristãos-novos. (...) Espalhados por um imen-
so território, os cristãos-novos pouco conheciam sobre o verdadeiro sentido da religião judaica. Muitas
cerimônias eram praticadas semi-inconscientemente, obedecendo a ensinamentos herdados através
de gerações. Sem considerar os cristãos-novos que foram fiéis ao catolicismo e conseguiram diluir-se
na sociedade ampla, os que permaneceram nas margens criaram uma tradição de clandestinidade,
sem a qual é impossível conhecer e reconstituir a sociedade colonial.
                                          (Adaptado de NOVINSKY, Anita. Inquisição: prisioneiros do Brasil. 2002.)



Pesquisadores estimam hoje, no Brasil, que pelo menos um décimo da população descenda dos cris-
tãos-novos que vieram de Portugal e existem muitos brasileiros cujos sobrenomes aparecem nas listas
de denunciados e de sentenciados pelo Tribunal do Santo Ofício. De acordo com essa noção e com o
texto acima, é CORRETO afirmar que:

a)   no Brasil, com a ausência física da Corte, os convertidos não tiveram problemas para disseminar
     suas práticas religiosas judaicas e esquecer o catolicismo.
b)   os judeus convertidos ao cristianismo, ou cristãos-novos, se espalharam pelo imenso território e
     marcaram sua presença na composição da sociedade brasileira.
c)   os cristãos-novos consideraram o Novo Mundo como a Terra Prometida, tal comparação se dava
     pela liberdade da vida dos que vinham para a Colônia em relação ao Reino.
d)   no processo de transferência do Reino para a Colônia, diferentemente do que ocorreu no século
     XVI, embarcaram clandestinamente aqueles cristãos-novos que tinham consciência do judaísmo.

QUESTÃO 20

O pensamento fisiocrático na França pretendia:

a)   a concessão de plena liberdade para o exercício de atividades econômicas, resumida na expres-
     são “laissez faire”.
b)   a manutenção das condições econômicas e políticas estabelecidas na França no período mercan-
     tilista.
c)   a instituição do liberalismo político, combinado com a fixação, pelo Estado, de rígidas regras para
     as atividades econômicas.
d)   o fim do socialismo utópico de Fourier e formação do proletariado de Karl Marx na Inglaterra do
     século XIX.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAlinnie Moreira
 
Simulado de história do brasil república
Simulado de história do brasil repúblicaSimulado de história do brasil república
Simulado de história do brasil repúblicaRicardo Jorge
 
Brasil Império: Constituição, lei de terras e abolição
Brasil Império: Constituição, lei de terras e aboliçãoBrasil Império: Constituição, lei de terras e abolição
Brasil Império: Constituição, lei de terras e aboliçãoProfessorinha Fernanda Alves
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República VelhaIzaac Erder
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2Atividades Diversas Cláudia
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Marilia Pimentel
 
República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)eiprofessor
 
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica VelhaLela Leite
 

Mais procurados (20)

Brasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeuBrasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeu
 
A crise do segundo reinado
A crise do segundo reinadoA crise do segundo reinado
A crise do segundo reinado
 
Ufg 2
Ufg 2 Ufg 2
Ufg 2
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
 
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica (1)
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica (1)Prova historia 2 ano conflitos 1 republica (1)
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica (1)
 
Simulado de história do brasil república
Simulado de história do brasil repúblicaSimulado de história do brasil república
Simulado de história do brasil república
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Questão hist republica hi
Questão hist republica hiQuestão hist republica hi
Questão hist republica hi
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Brasil Império: Constituição, lei de terras e abolição
Brasil Império: Constituição, lei de terras e aboliçãoBrasil Império: Constituição, lei de terras e abolição
Brasil Império: Constituição, lei de terras e abolição
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores-2
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)República Velha (Espadas)
República Velha (Espadas)
 
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
Prova de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestreeProva de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestree
 

Semelhante a Puc mg 2010 objetiva

Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012
Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012  Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012
Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012 Wendel Vasconcelos
 
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdfhistoria_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdfRAFAELASCARI1
 
AULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕES
AULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕESAULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕES
AULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕESGilbert Patsayev
 
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docxExercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docxRAFAELASCARI1
 
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanasENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanaswagnervaneli
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoFRANCISCO PALOSQUE
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabaritoKellyCarvalho2011
 
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem   inep 2009 ch e suas tecnologiasSimu enem   inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologiastioivys
 
Enem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias HumanasEnem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias HumanasBIOLOGO TOTAL
 
2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanasnewsevoce
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do BrasilJorge Miklos
 

Semelhante a Puc mg 2010 objetiva (20)

Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012
Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012  Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012
Gabarito- Ciências Humanas e da Natureza 3ª Simulado ENEM P6M 2012
 
UFV 2010 objetiva
UFV 2010 objetivaUFV 2010 objetiva
UFV 2010 objetiva
 
Td 1 história i
Td 1   história iTd 1   história i
Td 1 história i
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
 
QUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICAS
QUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICASQUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICAS
QUESTÕES DE VESTIBULAR: INDEPENDÊNCIA NAS AMÉRICAS
 
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdfhistoria_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
 
Pre seed-revisão do enem 12
Pre seed-revisão do enem 12Pre seed-revisão do enem 12
Pre seed-revisão do enem 12
 
AULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕES
AULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕESAULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕES
AULA 2 - Treino 2- RESOLUÇÃO DE QUESTÕES
 
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docxExercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
 
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanasENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
 
Ufg 2 (3)
Ufg 2 (3)Ufg 2 (3)
Ufg 2 (3)
 
Eugenio racismo
Eugenio racismoEugenio racismo
Eugenio racismo
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
 
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem   inep 2009 ch e suas tecnologiasSimu enem   inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
 
Enem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias HumanasEnem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias Humanas
 
2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
 

Mais de cursohistoria

UNISINOS 2010 discursivas
UNISINOS 2010 discursivasUNISINOS 2010 discursivas
UNISINOS 2010 discursivascursohistoria
 
UNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetivaUNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetivacursohistoria
 
UFPR 2010 objetiva gabaritada
UFPR 2010 objetiva gabaritadaUFPR 2010 objetiva gabaritada
UFPR 2010 objetiva gabaritadacursohistoria
 
PUC-RS 2010 objetiva
PUC-RS 2010 objetivaPUC-RS 2010 objetiva
PUC-RS 2010 objetivacursohistoria
 
PUC-PR 2010 objetiva gabaritada
PUC-PR 2010 objetiva gabaritadaPUC-PR 2010 objetiva gabaritada
PUC-PR 2010 objetiva gabaritadacursohistoria
 
UFPA 2010 - objetiva
UFPA 2010 - objetivaUFPA 2010 - objetiva
UFPA 2010 - objetivacursohistoria
 
UFBA 2010 discursiva
 UFBA 2010 discursiva UFBA 2010 discursiva
UFBA 2010 discursivacursohistoria
 
UFAL 2010 objetiva gabaritada
 UFAL 2010  objetiva gabaritada UFAL 2010  objetiva gabaritada
UFAL 2010 objetiva gabaritadacursohistoria
 
UFOP 2010 discursiva
UFOP 2010 discursivaUFOP 2010 discursiva
UFOP 2010 discursivacursohistoria
 

Mais de cursohistoria (20)

UNISINOS 2010 discursivas
UNISINOS 2010 discursivasUNISINOS 2010 discursivas
UNISINOS 2010 discursivas
 
UNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetivaUNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetiva
 
UFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetivaUFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetiva
 
UFPR 2010 objetiva gabaritada
UFPR 2010 objetiva gabaritadaUFPR 2010 objetiva gabaritada
UFPR 2010 objetiva gabaritada
 
UFPA 2010 objetiva
 UFPA 2010 objetiva UFPA 2010 objetiva
UFPA 2010 objetiva
 
UFCG 2010 objetiva
 UFCG 2010 objetiva UFCG 2010 objetiva
UFCG 2010 objetiva
 
PUC-RS 2010 objetiva
PUC-RS 2010 objetivaPUC-RS 2010 objetiva
PUC-RS 2010 objetiva
 
PUC-PR 2010 objetiva gabaritada
PUC-PR 2010 objetiva gabaritadaPUC-PR 2010 objetiva gabaritada
PUC-PR 2010 objetiva gabaritada
 
UNAMA 2010 objetiva
UNAMA  2010 objetivaUNAMA  2010 objetiva
UNAMA 2010 objetiva
 
UFT 2010 objetiva
 UFT 2010 objetiva UFT 2010 objetiva
UFT 2010 objetiva
 
UFRN 2010 objetiva
 UFRN 2010 objetiva UFRN 2010 objetiva
UFRN 2010 objetiva
 
UFPA 2010 - objetiva
UFPA 2010 - objetivaUFPA 2010 - objetiva
UFPA 2010 - objetiva
 
UFC 2010 objetiva
UFC 2010 objetivaUFC 2010 objetiva
UFC 2010 objetiva
 
UFBA 2010 discursiva
 UFBA 2010 discursiva UFBA 2010 discursiva
UFBA 2010 discursiva
 
UFBA 2010 objetiva
 UFBA 2010 objetiva UFBA 2010 objetiva
UFBA 2010 objetiva
 
UFAL 2010 objetiva gabaritada
 UFAL 2010  objetiva gabaritada UFAL 2010  objetiva gabaritada
UFAL 2010 objetiva gabaritada
 
UFV 2010 discursiva
UFV 2010 discursivaUFV 2010 discursiva
UFV 2010 discursiva
 
UFOP 2010 discursiva
UFOP 2010 discursivaUFOP 2010 discursiva
UFOP 2010 discursiva
 
UFMG 2010 objetiva
UFMG 2010 objetivaUFMG 2010 objetiva
UFMG 2010 objetiva
 
UFJF 2010 objetiva
UFJF 2010 objetivaUFJF 2010 objetiva
UFJF 2010 objetiva
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

Puc mg 2010 objetiva

  • 1. 15 QUESTÃO 23 A lei de Anistia no Brasil pós 64 completou 30 anos em 11/09/2009. Foi sancionada pelo então Presi- dente João Batista Figueiredo, no último suspiro da ditadura militar brasileira, para diminuir a tensão entre os movimentos sociais e a ala dura do exército nacional. Sobre essa lei, é CORRETO dizer: a) Foi mais um acordo político em que se anularia o julgamento dos torturadores do regime militar, ao mesmo tempo em que absolveria todos os militantes que se opuseram ao regime pós 64. b) Foi um acordo político entre os partidos majoritários do golpe de 64 (PSDB e PT) para reparar os danos políticos causados pela Ditadura Militar. c) Foi um golpe político do poder judiciário contra o Estado de Direito no sentido de garantir as liberdades civis neste País. d) Foi a decretação de perdão do governo do Presidente Lula aos políticos e militares cassados de- pois do golpe. QUESTÃO 24 Ao contrário do historiador contemporâneo ao fascismo – como Franz Neumann, Theodor Adorno ou Ângelo Tasca – , nós sabemos, através de Auschwitz, o que é o fascismo ou, ao menos, sabemos qual é a sua prática, ao contrário, ainda, dos historiadores que escreveram no imediato pós-guerra, como Trevor-Hopper, G. Barraclough ou Eric Hobsbawm (até algum tempo), não podemos tratar o fascismo como um movimento morto, pertencente à história e sem qualquer papel político contemporâneo. En- contramo-nos, desta forma, numa situação insólita: sabemos qual a prática e as consequências do fas- cismo e sabemos, ainda, que não é um fenômeno puramente histórico, aprisionado no passado. Assim, torna-se impossível escrever sobre o fascismo histórico – o que é apenas uma distinção didática – sem ter em mente o neofascismo e suas possibilidades. (Daniel Aarão Reis Filho, O Século XX., p. 111-112.) Assinale a opção que sintetiza CORRETAMENTE a idéia contida no trecho acima. a) O Fascismo é um fenômeno definido conceitualmente, cuja prática é identificada pelos historiado- res que coexistiram com ele historicamente. b) O Fascismo não é um fenômeno histórico ligado ao passado, ele se insere na política contempo- rânea atual sob outras formas de atuação. c) O Fascismo não pode ser tratado sem qualquer relação com a política contemporânea, já que hoje sabemos sua prática e suas consequências. d) O Fascismo, conforme os historiadores, é um fenômeno que não pode ser escrito, já que se cir- cunscreve na história contemporânea como passado e presente. QUESTÃO 25 O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento, do governo Lula), lançado em 2007 pela Ministra da Casa Civil Dilma Rouseff, tem inspiração nas teses de desenvolvimentistas criadas na década de 60: a) pela OEA (Organização dos Estados Americanos). b) pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). c) pela CEPAL (Comissão Econômica para América Latina). d) pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).
  • 2. 14 QUESTÃO 21 Segundo Sérgio Silva, “No começo da segunda metade do século XIX, a produção de café toma pro- porções muito importantes: a cifra se aproxima de 3 milhões de sacas em média por ano. A partir da década de 1870, e sobretudo a partir de 1880, quando a produção média anual ultrapassa os 5 milhões de sacas, o café torna-se o centro motor do desenvolvimento do capitalismo no Brasil.” (SILVA, Sérgio. A expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil.) Pode-se apontar como fator responsável por esse aumento de produtividade: a) o aporte de grande capital internacional para o financiamento da safra. b) a diminuição da produção colombiana de café provocada por problemas climáticos. c) o uso intensivo de trabalho escravo na produção e beneficiamento do café. d) crescimento dos mercados externos consumidores do produto, o que estimulou o crescimento da produção interna. QUESTÃO 22 Enquanto isso, o capitão Nemo, encarnação da revolta contra os donos do mundo, proclama-se indiano das Índias, por conseguinte, anti-inglês, como são os heróis de La Maison á Vapeur (1880), ou os Maoris da Nova Zelândia, esses “homens orgulhosos que resistem pau a pau aos invasores”. (FERRO, Marc. História das colonizações.) O capitão Nemo é uma personagem criada por Julio Verne em Vinte Mil Léguas Submarinas, numa críti- ca explícita do autor ao sistema inglês de colonização.O colonialismo do século XIX, criticado por Julio Verne, tem suas bases correlacionadas de forma correta em todas as alternativas abaixo, EXCETO: a) Nacionalismo – na ótica da política internacional da época, a posse de colônias era fonte de prestígio e prova de força do país que as conquistava. b) Racismo – impregnado de visões a respeito do nativo como inferior e do europeu como orgulho racial e superior, detentor do direito de dominação. c) Civilização – os europeus comparavam todas as formas de governo, numa tentativa de apreen- der uma forma de vida mais natural. d) Alteridade – na qualidade de outro, o nativo não existe. Eles são caçados como animais selva- gens ou considerados “foras-da-lei”.
  • 3. 13 PROVA DE HISTÓRIA QUESTÃO 19 A expulsão dos judeus da Espanha pelos reis católicos, em 1492, levou cerca de cem mil refugiados para Portugal, onde experimentaram ainda mais amargas vicissitudes do que na pátria. Foram forçados em 1497, por ordem do rei D. Manuel, juntamente com os judeus seus correligionários portugueses, a se converterem ao cristianismo, fenômeno que deu origem à era dos cristãos novos. A fuga dos portu- gueses cristãos-novos para o Brasil era mais fácil do que para qualquer lugar da Europa. Apesar de as leis que os proibiam de emigrar do Reino serem sempre renovadas, cristãos-novos conseguiam em- barcar clandestinamente para o Novo Mundo, considerado por muitos como a Terra Prometida, pagan- do aos pilotos das naus, que muitas vezes eram também cristãos-novos. (...) Espalhados por um imen- so território, os cristãos-novos pouco conheciam sobre o verdadeiro sentido da religião judaica. Muitas cerimônias eram praticadas semi-inconscientemente, obedecendo a ensinamentos herdados através de gerações. Sem considerar os cristãos-novos que foram fiéis ao catolicismo e conseguiram diluir-se na sociedade ampla, os que permaneceram nas margens criaram uma tradição de clandestinidade, sem a qual é impossível conhecer e reconstituir a sociedade colonial. (Adaptado de NOVINSKY, Anita. Inquisição: prisioneiros do Brasil. 2002.) Pesquisadores estimam hoje, no Brasil, que pelo menos um décimo da população descenda dos cris- tãos-novos que vieram de Portugal e existem muitos brasileiros cujos sobrenomes aparecem nas listas de denunciados e de sentenciados pelo Tribunal do Santo Ofício. De acordo com essa noção e com o texto acima, é CORRETO afirmar que: a) no Brasil, com a ausência física da Corte, os convertidos não tiveram problemas para disseminar suas práticas religiosas judaicas e esquecer o catolicismo. b) os judeus convertidos ao cristianismo, ou cristãos-novos, se espalharam pelo imenso território e marcaram sua presença na composição da sociedade brasileira. c) os cristãos-novos consideraram o Novo Mundo como a Terra Prometida, tal comparação se dava pela liberdade da vida dos que vinham para a Colônia em relação ao Reino. d) no processo de transferência do Reino para a Colônia, diferentemente do que ocorreu no século XVI, embarcaram clandestinamente aqueles cristãos-novos que tinham consciência do judaísmo. QUESTÃO 20 O pensamento fisiocrático na França pretendia: a) a concessão de plena liberdade para o exercício de atividades econômicas, resumida na expres- são “laissez faire”. b) a manutenção das condições econômicas e políticas estabelecidas na França no período mercan- tilista. c) a instituição do liberalismo político, combinado com a fixação, pelo Estado, de rígidas regras para as atividades econômicas. d) o fim do socialismo utópico de Fourier e formação do proletariado de Karl Marx na Inglaterra do século XIX.