FAHESA-Faculdade de Ciencias Humanas,Economicas e da Saude de Araguaína.              ITPAC-Instituto Presidente Antonio C...
1º-Realizamos a finalização do selo d’àgua conforme à técnica,porém faltou      vedar a conexão e identificação.      2º-L...
DE 2- Risco de infecção relacionada ao rompimento da barreira protetora por viasinvasivas.                 Investigar tod...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estação (montagem do selo d'agua) do dreno de tórax

2.062 visualizações

Publicada em

Acadêmicos:Kelly Cristina;Lillya Luara;Danilo Monteiro

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.062
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estação (montagem do selo d'agua) do dreno de tórax

  1. 1. FAHESA-Faculdade de Ciencias Humanas,Economicas e da Saude de Araguaína. ITPAC-Instituto Presidente Antonio Carlos Ltda. Curso de Bacharel em Enfermagem Acadêmicos:Kelly Cristina;Lillya Luara;Danilo Monteiro Profª.Tatianne Comin ESTAÇÃO Paciente CMJ, sexo feminino, 78 anos, natural de Jequié-BA, cursando 5º DIH com diagnóstico de ICC, EAP e DM. Foi admitida na clínica médica do HGPV no dia 18/09/08 com quadro de dispnéia e HAS, sendo transferida pelo SAMU do PA em uso de venóclise e oxigenioterapia de baixo fluxo, com cateter nasal com O2 3L/min. Dia 23/09/08, paciente encontrada em DD, mal posicionada, em uso de cateter nasal com O2 3L/min., glasgow 6, respiração superficial, com uso predominante da musculatura acessória, tiragens suplaclaviculares, taquipnéica (34ipm), tosse seca é débil, expansibilidade torácica diminuída ( 2/4), macicez à percussão em todo HTD. À ausculta pulmonar, MV 2/4 em todo HTD e presença de creptos em base posterior de HE. À ausculta cardíaca, bulhas normofonéticas. Ao raio-x de tórax verificou- se apagamentos dos seios costofrênico e cardiofrênico D, radiodensidade difusa em todo HTD, aumento da radiotransparência em todo HTE, clavículas verticalizadas, hemicúpula diafragmática E horizontalizada. Quanto aos exames laboratoriais, leucograma dentro da normalidade (8.200/mm3), glicose e uréia-UV elevadas (122mg/dL e 95mg/dL, respectivamente), com regulação posterior da glicose (78mg/dL). Paciente encontrava-se caquética, com hipotonia muscular em MMSS/II, edema duro +/++++ e hematoma em regiões cubitais. Instalou-se dreno de tórax, aguardando o fechamento do sistema com a montagem do selo d´agua. Pede-se: Que seja finalizado o sistema, com a montagem do selo d´agua. A identificação dos problemas interdependentes Os principais diagnósticos de enfermagem e problemas interdependentes. ANTES
  2. 2. 1º-Realizamos a finalização do selo d’àgua conforme à técnica,porém faltou vedar a conexão e identificação. 2º-Listamos alguns problemas interdependentes,mais não foi satisfatório.  Dispneia;HAS;Glasgow 6;tosse seca;glicose e uréia elevados;caquética;hematoma. 3º-Elaboramos os três diagnósticos.Porém as intervenções foram parcialmente satisfatória.  Risco de infecção relacionado à ruptura da derme. -observar punção quanto a sinais flogísticos. -realizar curativos três vezes ao dia ou sempre que estiver sujo, úmido.  Troca de gases prejudicada relacionado a dispnéia - administrar oxigênio conforme prescrito. - observar sinais de hipoxia.  Nutrição ineficaz menos que as necessidades corporais. - fornecer aporte nutricional. - avaliar peso diário.DEPOIS1º -Realizado a finalização do selo d’àgua, bem como a vedação da conexão entreo extensor e o dreno,assim,como a identificação,contendo nome,data ,volume doselo,e assinatura de quem realizou.2º- Foram levantados todos os problemas interdependentes,definidos como todas assituações ou agravos à saúde e bem-estar do paciente.  ICC;EPA;DM;posicionamento inadequado no leito e/ou maca;glasgow 6;respiração superficial;tiragem;tosse seca e débil;expansibilidade torácica diminuída; macicez a percussão em todo HTD;ausculta pulmonar 2/4;presença de crepito;apagamentos dos seios costofrênicos e cardiofrênicos; radiodensidade difusa;glicose e uréia aumentados (122mg/dL e 95mg/dL, respectivamente);caquética;hipotonia muscular;edema (+/++++);hematoma em regiões cubitais.3º - DE 1- Troca de gases prejudicadas relacionado diminuição da expansibilidadetorácica.  Realizar gasometria e oximetria de pulso.  Observar sinais de hipoxia e hipotermia.  Promover posicionamento adequado, diminuindo a pressão torácica.  Desobstruir vias aéreas superiores.  Monitorizar a Sat.O2 .
  3. 3. DE 2- Risco de infecção relacionada ao rompimento da barreira protetora por viasinvasivas.  Investigar todas as vias invasivas a cada 24 horas quanto a sinais de vermelhidão,inflamação,drenagem e sensibilidade.  Monitorar a temperatura do cliente no mínimo a cada 24 horas;comunicar ao médico se ultrapassar 38,5ºC.  Manter técnica asséptica em todos os equipamentos invasivos, locais de troca, curativos, sondas.  Investigar o estado nutricional do cliente para proporcionar a ingesta adequada de proteína e calorias para a cura.DE-3- Risco de aspiração relacionado a redução do nível de consciência.  Manter posição em decúbito lateral,se não houver contra indicação.  Manter boa higiene oral.  Aspirar a cada 1 ou 2 horas e sempre que necessário.  Regular a alimentação gástrica,usando horário intermitente que permita períodos de esvaziamento do estômago entre os intervalos alimentares.  Reavaliar freqüentemente a presença de material obstrutivo na boca e na garganta.

×