ITPAC/FAHESAFACULDADE DE ENFERMAGEMCuidado de Enfermagem ao Adulto IProfª: Tatianne CominAcadêmicas: Elizângela; Fabricia;...
■ Risco de infecção.■ Conhecimento deficiente acerca da prevenção da crise falciforme.■ Atraso do crescimento e do desenvo...
desenvolvimento.● Encaminhar paciente / família para aconselhamento / psicoterapia● Identificar os fatores culturais relat...
● Aspirar vias respiratórias nasais/ orais/ traqueais quando necessário.● Manter o ambiente livre de alérgenos de acordo c...
● Estimular exercícios de respiração profunda e tosse, e mudança de decúbito.● Orientar para uso de todo o programa de ant...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Anemia falciforme e asma pdf

5.771 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.771
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.564
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anemia falciforme e asma pdf

  1. 1. ITPAC/FAHESAFACULDADE DE ENFERMAGEMCuidado de Enfermagem ao Adulto IProfª: Tatianne CominAcadêmicas: Elizângela; Fabricia; Kellen Cristina; Kelly Cristina; Joana Darc; Neyra.Atividade:1 – Assistência de Enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme1 – Possíveis complicações:# Hipóxia, isquemia, infecção e cicatrização deficiente de ferida levando à clivagem da pele e úlcera# Desidratação# Anemia# Disfunção renal# Insuficiência cardíaca# Hipertensão pulmonar# Síndrome torácica aguda# Impotência# Adesão deficiente# Abuso de substâncias relacionada com a dor crônica mal tratada# Síndrome mão-pé. Anemia falciforme pode bloquear vasos sanguíneos nas mãos ou pés, ocasionando dor, inchaço e febre.# Crise de baço. O baço pode reter células falciformes e ficar inchado. Isso pode ocasionar anemia# Infecções por causa de problemas no baço.# Retardamento no crescimento e puberdade em crianças# AVC# Priapismo (ereções não desejadas dolorosas)# Colelitíase (formação de cristais na bile)# Tromboembolismo pulmonar2 – Possíveis diagnósticos:■ Troca de gases prejudicada relacionado com a redução da capacidade detransportar Oxigênio no sangue, redução do tempo de sobrevida das hemácias.■ Perfusão tissular periférica ineficaz relacionada com a natureza vasoclusiva doafoiçamento / a resposta inflamatória.■ Dor aguda relacionado com o afoiçamento intravascular provocando extase ouobstrução vascular.
  2. 2. ■ Risco de infecção.■ Conhecimento deficiente acerca da prevenção da crise falciforme.■ Atraso do crescimento e do desenvolvimento relacionado com efeitos / limitaçãoda condição física.■ Enfrentamento familiar comprometido relacionado com a natureza crônica dadoença / limitação física.3 – As Intervenções de Enfermagem● Avaliar o nível de energia e tolerância à atividade● Avaliar oximetria de pulso para determinar a oxigenação, avaliar a capacidadevital.● Estimular o repouso adequado e limitar as atividades na medida da tolerância docliente.● Rever técnicas de conservação de Oxigênio (sentar em vez de ficar de pé pararealizar as atividades; consumir refeições leves; realizar movimentos mais lentos epropositais).● Identificar as mudanças relacionadas com as alterações da circulação periférica(dor, edema,alterações da pele).● Verificar se há sinais de embolia pulmonar: início súbito de dor torácica, cianose,angustia respiratória, hemoptise, sudorese, hipóxia, ansiedade e agitação.● Avaliar membros, atentando para para a pele e presença de edema ou úlceras.● Medir a circunferência dos membros.● Medir o tempo de enchimento capilar; palpar os pulsos para determinar suapresença / ausência e características.● Verificar se há hipersensibilidade na panturrilha (sinal de Homans), edema eeritema.● Avaliar a dor todas as vezes que ela ocorrer , observar e investigar as alterações,com relação aos relatos anteriores.● Aceitar a descrição da dor pelo cliente● Rever experiências pregressas do cliente com a dor e os métodos consideradosúteis e inúteis para controlar a dor no passado.● Quantificar a dor utilizando uma escala de 0 a 10 para orientar o uso deanalgésicos.● Apoiar e elevar os membros edemaciados; e uso compressas quentes.● Ensinar técnicas de relaxamento e exercícios respiratórios ao paciente.● Avaliar o paciente para sinais de desidratação.● Estimular tratamento da dor para auxiliar no estabelecimento de uma relaçãoterapêutica com base na confiança mútua.● Monitorar para sinais e sintomas de infecção.● Orientar o cliente para a importância de completar toda a série deantibioticoterapia (quando tiver que tomar os antibióticos prescritos em casa).● Prover o paciente com oportunidades para tomar decisões sobre o cuidado diário.● Manter o aquecimento e a hidratação adequada para diminuição da ocorrência egravidade das crises.● Realizar educação em grupo com membros da comunidade que venham domesmo grupo étnico daqueles com a doença.● Orientar o paciente como evitar / diminuir as crises falciformes.● Ajudar o cliente a aceitar e ajustar-se aos desvios irreversíveis do
  3. 3. desenvolvimento.● Encaminhar paciente / família para aconselhamento / psicoterapia● Identificar os fatores culturais relativos aos relacionamentos familiares quepossam estar envolvidos nas dificuldades de cuidar de um familiar doente.● Prestar atenção aos comentários, às observações, e às expressões depreocupação do cliente / família . Ficar atento aos comportamentos não verbais e /ou as respostas e suas congruências.● Estimular o cliente e família a desenvolverem habilidades para solucionar osproblemas● Fornecer informações aos familiares sobre a doença.2 – Assistência de Enfermagem ao paciente portador de asma1 – Possíveis complicações:# Estado asmático# Infecções – bronquiectasia, pneumonia, bronquiolite# Atelectasia, pneumotórax, pneumomediastino.# Desidratação.# Cor pulmonale# Hipotensão, hipertensão# Insuficiência respiratória2 – Possíveis Diagnósticos de Enfermagem:■ Desobstrução ineficaz das vias respiratórias relacionado a retenção de secreçõespulmonares, broncoespasmo.■ Troca de gases prejudicada relacionado ao desequilíbrio entre ventilação eperfusão de oxigênio.■ Ansiedade (especificar nível) relacionado com risco percebido de morrer.■ Intolerância à atividade relacionada com desequilíbrio entre fornecimento econsumo de oxigênio.■ Nutrição desequilibrada menos do que as necessidades corporais relacionadocom dificuldade de ingerir alimentos devido a dispnéia.■ Risco de infecção relacionado a defesas primárias inadequadas, doença crônicae desnutrição.3 – Intervenções:● Monitoração diária do fluxo aéreo máximo.● Elevar cabeçeira do leito e mudar posição a cada 2 horas e de acordo com anecessidade para favorecer expectoração.● Monitorar a intensidade dos sintomas, auscultar sons respiratórios e avaliarredução de MV e presença de RA e frêmitos,● Monitorar oximetria de pulso e SSVV.
  4. 4. ● Aspirar vias respiratórias nasais/ orais/ traqueais quando necessário.● Manter o ambiente livre de alérgenos de acordo com a situação do cliente.● Recomendar exercícios de respiração e tosse e realizar drenagem postural.● Monitorar sinais e sintomas de insuficiência cardíaca congestiva (estertores,edema, aumento do peso)● Estimular a ingestão de liquídos mornos em vez de gelados, quando forapropriado.● Registrar a resposta ao tratamento farmacológico e / ou desenvolvimento deefeitos colaterais adversos ou interações entre antimicrobianos, corticóides,expectorantes e broncoldilatadores.● Detectar sinais e sintomas de infecção (agravamento da dispnéia, febre, alteraçãoda coloração, volume ou composição do escarro).● Determinar a frequência e profundidade das respirações; utilização dos músculosacessórios; e a respiração com lábios apertados; verificar se há áreas de palidez /cianose periférica (leitos unqueais) ou central (perioral), ou pele pardacenta emgeral.● Avaliar o nível de consciência e as alterações do estado mental. Verificar se hásonolência, inquietude ou queixas de cefaléia ao levantar-se.● Avaliar o nível de energia e tolerância à atividade.● Fornecer apoio psicológico e ouvir atentamente as perguntas / preocupações.● Rever os fatores de risco, principalmente os ambientais / ocupacionaisrelacionados.● Identificar a percepção do cliente quanto à ameaça representada pela situação.● Monitorar as respostas físicas (palpitações / pulsos rápidos, movimentosrepetitivos e ritmados).● Estimular o cliente a reconhecer e expressar seus sentimentos, mostrar-sedisponível para ouvir e conversar.● Fornecer informações precisas quanto a situação.● Avaliar as queixas de fraqueza, fadiga e dor, dificuldades de realizar as tarefas e /ou insônia.● Estimular o repouso adequado e limitar as atividades na medida da tolerância docliente. Proporcionar um ambiente calmo / repousante.● Ensinar ao cliente / família como monitorar a resposta à atividade e reconhecer ossinais e sintomas que indicam a necessidade de modificar o nível de atividade.● Planejar as atividades, reduzir o nível de intensidade ou interromper as atividadesque causam alterações fisiológicas indesejáveis.● Envolver cliente / família no planejamento das atividades, na medida do possível.● Avaliar capacidades de mastigar, engolir e e sentir sabores.● Conversar sobre os hábitos alimentares, inclusive as preferências, asintolerâncias, aversões alimentares.● Determinar o peso, a idade,a constituição corporal, a força, o nível de atividade /repouso e outros fatores.● Assinalar a ingestão diária total. Manter um diário da ingestão calórica, dospadrões e dos horários das refeições.● Estimular o paciente a escolher os alimentos que lhe pareçam apetitosos.● Fornecer alimentação frequente e em pequenas porções.● Estimular ingestão apropriada de líquidos.● Pesar diariamente de acordo com a necessidade.● Detectar os fatores de risco para infecção.● Coletar amostra de escarro para realização de cultura.
  5. 5. ● Estimular exercícios de respiração profunda e tosse, e mudança de decúbito.● Orientar para uso de todo o programa de antibioticoterapia conforme prescriçãomédica.● Conversar sobre a importância de não utilizar antibióticos/ “sobras” de fármacos, amenos que o cliente seja instruído especificamente por um profissional de saúde.

×