A busca da felicidade 1

909 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
909
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A busca da felicidade 1

  1. 1. A BUSCA DA FELICIDADE
  2. 2. A BUSCA DA FELICIDADE Cada um de nós tem várias habilidades:• Habilidades são as capacidades técnicas para realizar algumatarefa: Ler, escrever, falar em público, cantar, tocar um instrumento, Cozinhar, arrumar um ambiente Ensinar, resolver problemas, dialogar Tomar decisões, gerenciar um projeto, negociar Pensar criativamente, inventar, operar um equipamento Relacionar-se com outra pessoa, conduzir uma reunião Entender regulamentos e procedimentos, trabalhar em equipe, etc. Além das habilidades alguns têm ainda o talento para executá-las.Mas mesmo com talento é necessário que exista a vontade, determinação emotivação.
  3. 3. A BUSCA DA FELICIDADEO que é Motivação: (do Latim moveres, mover) denomina em psicologia e emoutras ciências humanas a condição do organismo que influencia a direção(orientação para um objetivo) do comportamento. Em outras palavras: é o impulso interno que leva à ação.
  4. 4. A BUSCA DA FELICIDADENeutrófilo (célula do sistema imunológico) – perseguindo uma bactéria.
  5. 5. A BUSCA DA FELICIDADE Sendo a motivação algo que vem de dentro de mim, para que eu me sinta motivado é necessário que os estímulos exteriores se alinhem com os meus valores, desejos e expectativas interiores. Estes valores é que formam a base de quem eu sou realmente.Todos temos três faculdades distintas mas profundamente conectadas:a mente, o intelecto e a personalidade. Essas faculdades interagem uma com asoutras. Essa interação é chamada de “estado de consciência”.Mente: cria nossos pensamentos que são a base de nossos desejos, emoções esensações. Um pensamento evoca, instantaneamente, de nossa memóriasentimentos de felicidade ou de tristeza.Intelecto: processa e interpreta os pensamentos e os sentimentos. É talvez anossa mais importante faculdade. Ele raciocina, reflete, discrimina e tomadecisões de agir, reagir ou não.Personalidade: é onde ficam gravados os hábitos, temperamentos e tendênciasem forma de imagens, talentos, credos, sentimentos, sons. É tambémconstituída pelas qualidade originais, (atributos que vêm da divindade). É oreservatório de onde tiramos nossos pensamentos e ações.
  6. 6. A BUSCA DA FELICIDADEA interação das três faculdadesfunciona assim: A personalidade, quetem gravadas as experiências, é afonte de pensamentos e ações. Ela,através da mente, gera ospensamentos. Estes, por sua vez,evocam sensações e sentimentos (defelicidade, tristeza, etc.), os quais sãointerpretados e analisados pelointelecto que decide de que formaseremos afetados pelos mesmos.Essa decisão se expressa por umaação que, por sua vez, influencia anossa personalidade e o ciclorecomeça. Equilíbrio nas ações
  7. 7. A BUSCA DA FELICIDADE
  8. 8. A BUSCA DA FELICIDADE Observador Personalidade Estímulos A postura doobservador deveser a de discernir Intelect Mente e ressignificar o o Discerniment Pensamentos o e Decisão que não for positivo
  9. 9. A BUSCA DA FELICIDADE Como posso orientar minha observação para ressignificar os sentimentos negativos ealcançar um estado de consciência onde a paz,harmonia e felicidade façam parte de meu ser?
  10. 10. A BUSCA DA FELICIDADECom o estudo do Sermão da Montanha, pois são ensinamentos dados porJesus visando a nos libertar das negatividades e alcançar o estado de paz efelicidade.  As bem-aventuranças (ressignificar nossa visão do sofrimento)  O Sal da terra, a Luz do mundo (mostrar nosso valioso papel na sociedade)  Sobre como proceder diante de ofensas. (desenvolver a compreensão e tolerância, reconhecendo o resultado das ações)  Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. (entender mais profundamente a lei do amor)  Contemplai os lírios do campo (aprender a lição do desapego, confiança diante das preocupações)  Não praticar as boas obras para ser vistos pelos demais, não mostrar que esta jejuando. (não alimentar a vaidade, usar a modéstia)
  11. 11. A BUSCA DA FELICIDADE Não ajunteis para vós tesouros na terra onde a traça e a ferrugem os consomem (aprender o desprendimento e o desapego) Ensinando como devemos orar (como contatar o Criador) Não deis o que é santo aos cães (aprender a discrição) Pedi e vos será dado, buscai e achareis (aprender a lei de causa e efeito) Não julgar para não ser julgado (olhar com compreensão e discernimento) Quem quiser ser o maior seja o servidor de todos (usar da humildade com sabedoria). O líder deve ser um servidor (O Monge e o Executivo – James Hunter)
  12. 12. A BUSCA DA FELICIDADEQuestão 919 de O Livro dos Espíritos:Qual o meio mais eficaz para progredir nesta vida e resistir ao chamamentodo mal?- Um sábio da antiguidade vos disse: Conhece-te a ti mesmo.Compreendo toda a sabedoria dessa máxima, mas a dificuldade esta,precisamente, em se conhecer a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo? Ver a resposta dada por Santo Agostinho (Espírito) ...Santo Agostinho faz do exame diário um santuário do conhecimento de simesmo, coloca-o como chave do aperfeiçoamento moral e deixa indicações derecursos eficientes de autoconhecimento:1.Avaliar-se – e ao gesto cometido – em relação ao outro, ponderandointimamente se o gesto é justo ou não e se o aprovo no meu próximo, oudesaprovo. Deus não possui duas medidas para a justiça;2.Buscar a opinião alheia sobre si mesmo – O que dizem de mim?3.Não menosprezar a opinião do inimigo. Modelo
  13. 13. A BUSCA DA FELICIDADE– Fazei o que eu fazia quando vivi na Terra: no fim de cada dia interrogava aminha consciência, passava em revista o que havia feito e me perguntava amim mesmo se não tinha faltado ao cumprimento de algum dever, se ninguémteria tido motivo para se queixar de mim. Foi assim que cheguei a me conhecere ver o que em mim necessitava de reforma. Aquele que todas as noiteslembrasse todas as suas ações do dia e se perguntasse o que fez de bem ou demal, pedindo a Deus e ao seu anjo guardião que o esclarecessem, adquiririauma grande força para se aperfeiçoar, porque, acreditai-me, Deus o assistirá.Formulai, portanto, as vossas perguntas, indagai o que fizestes e com que fitoagistes em determinada circunstância, se fizestes alguma coisa que censuraríeisnos outros, se praticastes uma ação que não ousaríeis confessar. Perguntaiainda isto: Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, ao entrar nomundo dos Espíritos, onde nada é oculto, teria eu de temer o olhar de alguém?Examinai o que pudésseis ter feito contra Deus, depois contra o próximo e porfim contra vós mesmos. As respostas serão motivo de repouso para vossaconsciência ou indicarão um mal que deve ser curado.O conhecimento de si mesmo é portanto a chave do melhoramento individual.
  14. 14. A BUSCA DA FELICIDADEMas, direis, como julgar a si mesmo? Não se terá a ilusão do amor-próprio, queatenua as faltas e as torna desculpáveis? O avaro se julga simplesmenteeconômico e previdente, o orgulhoso se considera tão somente cheio dedignidade. Tudo isso é muito certo, mas tendes um meio de controle que nãovos pode enganar.Quando estais indecisos quanto ao valor de uma de vossas ações, perguntaicomo a qualificaríeis se tivesse sido praticada por outra pessoa. Se acensurardes em outros, ela não poderia ser mais legítima para vós, porqueDeus não usa de duas medidas para a justiça. Procurai também saber o quepensam os outros e não negligencieis a opinião dos vossos inimigos, porqueeles não têm nenhum interesse em disfarçar a verdade e geralmente Deus oscolocou ao vosso lado como um espelho, para vos advertirem com maisfranqueza do que o faria um amigo.Que aquele que tem a verdadeira vontade de se melhorar explore, portanto, asua consciência, a fim de arrancar dali as más tendências como arranca as ervasdaninhas do seu jardim; que faça o balanço da sua jornada moral como onegociante o faz dos seus lucros e perdas, e eu vos asseguro que o primeiroserá mais proveitoso que o outro.
  15. 15. A BUSCA DA FELICIDADESe ele puder dizer que a sua jornada foi boa, pode dormir em paz e esperar semtemor o despertar na outra vida.Formulai, portanto, perguntas claras e precisas e não temais multiplicá-las:pode-se muito bem consagrar alguns minutos à conquista da felicidade eterna.Não trabalhais todos os dias para ajuntar o que vos dê repouso na velhice? Esserepouso não e o objeto de todos os vossos desejos, o alvo que vos permitesofrer as fadigas e as privações passageiras?Pois bem: o que é esse repouso de alguns dias, perturbado pelas enfermidadesdo corpo, ao lado daquilo que aguarda o homem de bem? Isto não vale a penade alguns esforços? Sei que muitos dizem que o presente é positivo e o futuroincerto. Ora, aí está, precisamente, o pensamento que fomos encarregados dedestruir em vossas mentes, pois desejamos fazer-vos compreender esse futurode maneira a que nenhuma dúvida possa restar em vossa alma.Foi por isso que chamamos primeiro a vossa atenção para os fenômenos daNatureza que vos tocam os sentidos e depois vos demos instruções que cadaum de vós tem o dever de difundir. Foi com esse propósito que ditamos O livrodos Espíritos. Santo Agostinho
  16. 16. A BUSCA DA FELICIDADE FimOu seria o começo?
  17. 17. A BUSCA DA FELICIDADEHierararquia das necessidadesConforme Abraham Maslow
  18. 18. A BUSCA DA FELICIDADE Críticas à hierarquia das necessidades conforme Abraham Maslow.A principal delas é que é possível uma pessoa estar auto realizada, contudo nãoconseguir uma total satisfação de suas necessidade fisiológicas.Em sua extensa revisão das pesquisas que são dependentes da teoria de Maslow,Wahba e Bridgewell acharam pouca evidência desta hierarquia de necessidades,ou mesmo da existência de alguma hierarquia.Maslow estava insatisfeito com sua própria teoria, dizendo que faltava-lhe o fatode o homem ser um ser espiritualizado. Para ele, era importante aespiritualidade e as características da consciência alterada, teoria de StanislavGrof. Criou então, com ajuda de outros psicólogos, uma teoria que eraabrangente nesse aspecto. Incorporou ideias de Carl G. Jung, que era umestudioso dos aspectos transcendentais da consciência, na Psicologiatranspessoal. Esta fala de vários níveis de consciência, que vão do mais obscuro,(a sombra), até o mais alto grau de consciência, o transpessoal. Por ter seu focona consciência e seus aspectos, foi também chamada de psicologia daconsciência. Seu estudo é recente e traz características que necessitam de umaprofundamento maior.
  19. 19. A BUSCA DA FELICIDADE Habilidades Valores necessáriosLer, escrever, falar em público Clareza, objetividade, respeitoDialogar, ensinar, resolver problemas, Clareza, objetividade, determinação, compreensão, tolerância, proatividade,Cozinhar, inventar, arrumar um local, Criatividade, respeito, senso estético, concentraçãoSocorrer alguém, tomar decisões Cooperação, respeito, confiança, vontade, determinaçãoNegociar, gerenciar um projeto, Clareza, objetividade, disciplina, respeito, confiançaInventar, resolver conflitos, Criatividade, percepção, respeito,pensamento criativo ousadia, compreensão,Tocar um instrumento, usar um Vontade de aprender, criatividade,computador,

×