Poemas do mar

2.728 visualizações

Publicada em

Textos poéticos sobre o mar

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.728
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poemas do mar

  1. 1. Poesia do mar
  2. 2. MAR PORTUGUÊSÓ mar salgado, quanto do teu salSão lágrimas de Portugal!Por te cruzarmos, quantas mães choraram,Quantos filhos em vão rezaram!Quantas noivas ficaram por casarPara que fosses nosso, ó mar!Valeu a pena? Tudo vale a penaSe a alma não é pequena.Quem quer passar além do BojadorTem que passar além da dor.Deus ao mar o perigo e o abismo deu,Mas nele é que espelhou o céu.Fernando Pessoa
  3. 3. SONHO NO NAVIOPus o meu sonho num navioe o navio em cima do mar;depois, abri o mar com as mãos,para o meu sonho naufragar.Minhas mãos ainda estão molhadasdo azul das ondas entreabertas,e a cor que escorre de meus dedoscolore as areias desertas.O vento vem vindo de longe,a noite se curva de frio;debaixo da água vai morrendomeu sonho, dentro de um navio...Chorarei quanto for preciso,para fazer com que o mar cresça,e o meu navio chegue ao fundoe o meu sonho desapareça.Depois, tudo estará perfeito;praia lisa, águas ordenadas,meus olhos secos como pedrase as minhas duas mãos quebradas.Cecília Meireles
  4. 4. MAR!Tinhas um nome que ninguém temia:Era um campo macio de lavrarOu qualquer sugestão que apetecia...Mar!Tinhas um choro de quem sofre tantoQue não pode calar-se, nem gritar,Nem aumentar nem sufocar o pranto...Mar!Fomos então a ti cheios de amor!E o fingido lameiro, a soluçar,Afogava o arado e o lavrador!Mar!Enganosa sereia rouca e triste!Foste tu quem nos veio namorar,E foste tu depois que nos traíste!Mar!E quando terá fim o sofrimento!E quando deixará de nos tentarO teu encantamento!Miguel Torga
  5. 5. POEMA DO HOMEM-RÃSou feliz por ter nascidono tempo dos homens-rãsque descem ao mar perdidona doçura das manhãs.Mergulham, imponderáveis,por entre as águas tranquilas,enquanto singram, em filas,peixinhos de cores amáveis.Vão e vêm, serpenteiam,em compassos de ballet.Seus lentos gestos penteiammadeixas que ninguém vê.Com barbatanas calçadase pulmões a tiracolo,roçam-se os homens no solosob um céu de águas paradas.Sob o luminoso feixecorrem de um lado para outro,montam no lombo de um peixecomo no dorso de um potro.(…) Eu sou o homem. OHomem.Desço ao mar e subo ao céu.Não há temores que me domemÉ tudo meu, tudo meu.António Gedeão
  6. 6. FUNDO DO MARNo fundo do mar há brancos pavores,Onde as plantas são animaisE os animais são flores.Mundo silencioso que não atingeA agitação das ondas.Abrem-se rindo conchas redondas,Baloiça o cavalo-marinho.Um polvo avançaNo desalinhoDos seus mil braços,Uma flor dança,Sem ruído vibram os espaços.Sobre a areia o tempo poisaLeve como um lenço.Mas por mais bela que seja cada coisaTem um monstro em si suspenso.Sophia de Mello Breyner Andresen
  7. 7. VOZES DO MARQuando o sol vai caindo sobre as águasNum nervoso delíquio d’oiro intenso,Donde vem essa voz cheia de mágoasCom que falas à terra, ó mar imenso?Tu falas de festins, e cavalgadasDe cavaleiros errantes ao luar?Falas de caravelas encantadasQue dormem em teu seio a soluçar?Tens cantos depopeias? Tens anseiosDamarguras? Tu tens também receios,Ó mar cheio de esperança e majestade?!Donde vem essa voz, ó mar amigo?......Talvez a voz do Portugal antigo,Chamando por Camões numa saudade!Florbela Espanca
  8. 8. A ROSA E O MAREu gostaria ainda de falarDa rosa brava e do mar.A rosa é tão delicada,O mar tão impetuoso, que não seicomo os juntarE convidar para o cháNa casa breve do poema.O melhor é não falar:Sorrir-lhes só da janela.Eugénio de Andrade
  9. 9. O CASTELO DE AREIAFiz um castelo de areiaMesmo à beirinha do marÀ espera que uma sereiaAli quisesse morar.Ó mar,Ó mar…Mas foi só um caranguejoQue ali me foi visitar.Ó mar,Ó mar…Mas foi só uma gaivotaQue ali me foi visitar.E levou o meu castelo,O meu castelo de areiaPara no mar morar neleA minha linda sereia.Luísa Ducla Soares
  10. 10. CIDADE MARINHANuma cidade marinhamorava uma jovem Sardinha.Era cidade de artistas,cantores, bailarinos e malabaristas.Os Golfinhos dançavam,as Baleias cantavam,o Caranguejo tocava a bateria.Bum! Bum! Que barulhão fazia!A Estrela do Mar tocava a lirae a Foca cantava ópera.A Sardinha não sabia cantar nem dançar.Coitada da Sardinha! Não achava o seu lugar.Um dia chegou uma Lagosta(era uma velha lagosta fotógrafa)e trazia uma câmara à prova de água.A Lagosta ensinou a Sardinhaa tirar belas fotografias.A Sardinha foi nomeada fotógrafa marinhae falou com alegria: Agora encontrei o meulugare vou fotografar os bichos do mar.Isabel Furini
  11. 11. O MAREste é o maronde os barcos viajam,os peixes moram,os golfinhos saltam,as baleias lançam repuxos,as crianças nadam,os jardins são de coralE sabem a sal.Este é o marque se esgota em esgoto,se lixa em lixo,o das marés negras,das redes de arrasto,dos rastos de sangue,dos cemitérios nucleares,dos muitos azares.Este é o mar.Quem entende a canção das ondas?Luísa Ducla Soares
  12. 12. BARCA BELAPescador da barca bela,Onde vais pescar com ela.Que é tão bela,Oh pescador?Não vês que a última estrelaNo céu nublado se vela?Colhe a vela,Oh pescador!Deita o lanço com cautela,Que a sereia canta bela...Mas cautela,Oh pescador!Não se enrede a rede nela,Que perdido é remo e vela,Só de vê-la,Oh pescador.Pescador da barca bela,Inda é tempo, foge delaFoge delaOh pescador!Almeida Garrett
  13. 13. NAVEGOQuanto “Mar de Almas" existe,Espraiando, entre ondas cavadas,Lamentos de gente triste,Versos, rimas, gargalhadas...Nesse mar, que em nós resiste,Quantas ilhas encantadasJá encontraste ou já vistePelas ondas naufragadas?Navego, mesmo perdida,Contra ventos e marés,Sobre a onda indesmentidaDe um mar que só me convidaA nele ir molhar os pésE onde eu "molho", inteira, avida…Maria João Brito de Sousa

×