SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Incluem o conjunto de águas superficiais e das águas subterrâneas
utilizadas pelas populações, quer para beber quer para as diversas
actividades humanas.
Apesar da grande quantidade de

água da hidrosfera, a maior parte

dela é salgada, não podendo ser

utilizada   directamente     pelo

homem.
Distribuição relativa das águas doces no planeta
Água potável disponível per capita a nível mundial
Escassez de água doce no Mundo
A maior parte da água é gasta na:
 AGRICULTURA (70%)
 ACTIVIDADES INDUSTRIAIS (22%)
 USO DOMÉSTICO (8%)
Nas últimas décadas o consumo de água tem aumentado exponencialmente,
ultrapassando o dobro do aumento da população humana.
Cerca de 10% da água existente é utilizada em diversas actividades domésticas.



                                                           Autoclismo (36%)

                                                           Higiene pessoal (33%)

                                                           Lavagem da roupa (13%)

                                                           Lavagem da loiça (7%)

                                                           Limpeza em geral (4%)

                                                           Rega (4%)

                                                           Alimentação (3%)
Cerca de 70% da água existente a nível mundial é utilizada na agricultura.



                                           Quando a rega não é controlada, muita
                                              desta água perde-se através da
                                          evaporação e da escorrência superficial.




                                           A irrigação gota a gota (gotejamento) é
                                              uma técnica que permite reduzir
                                           consideravelmente os gastos de água.
Cerca de 20% da água existente é utilizada na indústria.




                            Grande parte da actividade industrial
                            utiliza água para os mais diversos fins.
                            Por vezes, essa utilização é ineficiente.
A construção de barragens para criar

albufeiras,    reservatórios   de   água,

minas poços e furos faz com que o

ser humano interfira com o equilíbrio

dos ecossistemas.

Estas      intervenções,   apesar      de

beneficiarem     as   populações,     têm

diversas      consequências    como     a

modificação e perda de habitats e

a diminuição da biodiversidade.
As principais fontes de poluição dos rios, lagos, ribeiros e lençóis de água, são as águas
residuais resultantes da indústria, da agricultura e das actividades domésticas.
A qualidade da água está ameaçada pelas actividades humanas – esgotos domésticos,
 resíduos de fertilizantes e pesticidas e poluição industrial.


  Os resíduos agrícolas          Os resíduos industriais e         Os resíduos petrolíferos
   (dejectos de animais,           os resíduos orgânicos         (derrame de petróleo, lavagem
 fertilizantes, insecticidas,
                                 (derivados de matadouros,       de tanques em alto mar, etc…)
herbicidas e pesticidas) são
                                     aviários, esgotos de            e pesqueiros (redes
 arrastados pela água das
                                  habitações, suiniculturas,      abandonadas no mar, etc..)
chuvas, infiltram-se no solo
                                  lagares de azeite, …) são         são uma ameaça para o
 e contaminam as águas
                                 também uma ameaça para           equilíbrio dos ecossistemas
subterrâneas, os lagos, os
                                    as reservas de água.                  marinhos.
      rios e os mares.
No seu percurso subterrâneo profundo, a água atravessa formações geológicas

e adquire um determinada composição físico-química que permite utilizar este

recurso para engarrafamento ou em estâncias termais no tratamento de

diversas doenças.

                            Iões mais abundantes na água
Cálcio   Magnésio   Sódio   Potássio    Cloreto    Sulfato    Hidrogenocarbonato   Fluoreto
 Ca2+      Mg2+      Na+       K+          Cl-      SO42-            HCO3-            F-


                               Águas minerais naturais

                               Águas de nascente

                               Águas termais

                            (ver quadro da página 139 do manual)
Incluem o as diferentes fontes de energia usadas nas actividades humanas.
Os recursos energéticos podem ser:


 NÃO RENOVÁVEIS – combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás
natural) e minérios radioactivos.


 RENOVÁVEIS – energia hidroeléctrica, energia eólica, energia solar,
energia geotérmica, energia da biomassa , energia dos mares e
energia do hidrogénio
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS


São recursos energéticos derivados de transformações da matéria orgânica

ao longo de milhões de anos (M.a).

Ao queimar os combustíveis fósseis, é libertado o dióxido de carbono e a

energia armazenada pelos seres produtores há M.a.
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




Os   carvões   são   rochas   sedimentares   resultantes    da
transformação lenta de restos de plantas em ambientes
aquáticos pouco profundos e com pouco oxigénio (pântanos),
ao longo de M.a.
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




A classificação dos carvões depende do teor em carbono e do poder calorífico
libertado durante a sua combustão.
Os restos de plantas (turfa) sofrem uma lenta e progressiva transformação
por acção de fungos e bactérias e, posteriormente, da temperatura e
pressão, acabando por se originar carvões progressivamente mais ricos em
carbono. (ver esquema da página 144 do manual)


                   Riqueza em carbono e poder calorífico




  Turfa                Lenhite           Carvão betuminoso         Antracite
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




 Os carvões são explorados em minas a céu aberto ou em galerias
subterrâneas.


 São muito utilizados como combustíveis nas centrais termoeleéctricas, nas
cimenteiras e no aquecimento doméstico.
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




O petróleo e gás natural são hidrocarbonetos – compostos

constituídos por hidrogénios e carbono – e formam-se em

ambientes com grande abundância em matéria orgânica.
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




Ao longo de M.a, a matéria orgânica foi-se acumulando, estando sujeita a condições de

pressão e temperatura que permitiram a transformação de alguma dessa matéria

orgânica em hidrocarbonetos líquido e gasosos.

• Os restos de organismos parcialmente decompostos foram enterrados por camadas de

sedimentos.
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




 Formam-se os hidrocarbonetos que migram nas rochas até ficarem retidos, acumulando-

se em rochas porosas – rochas – armazém.

   Se encontrarem uma barreira impermeável que os isole da atmosfera – rochas de

cobertura – ficam aí acumulados durante M.a.
COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS




 Os geólogos fazem a prospecção de hidrocarbonetos utilizando diversas técnicas que
incluem sondagens, estudo da porosidade e permeabilidade das rochas, etc…


 É feita uma avaliação da quantidade de hidrocarbonetos existentes para calcular se
se justificam as despesas de exploração.


 Faz-se a perfuração.


 Os hidrocarbonetos são encaminhados para as indústrias transformadoras – refinarias.
Os problemas ambientais provocados pelo uso dos combustíveis fósseis e a constante

subida de preço têm aumentado a procura de energias renováveis.




ENERGIAS RENOVÁVEIS – Incluem todas as formas de

energia que não se esgotam.

Exemplos: Energia solar, eólica, hídrica, geotérmica, das ondas

e das marés, da biomassa e do hidrogénio.
VANTAGENS
O aumento da utilização das energias renováveis contribui para a diminuição das

emissões de gases com efeito de estufa e da poluição atmosférica, aquática e dos

solos.
É a energia proveniente do Sol. Os painéis solares captam a energia solar que pode ser

convertida em electricidade ou aquecimento. Podem ser instalados em qualquer casa.




                                                  DESVANTAGENS


                                           Impacte   ambiental   provocado   pelas

                                        dimensões dos painéis solares.
É a energia obtida pela acção do vento. Portugal tem apostado na energia eólica,

instalando aerogeradores em diversos locais com ventos fortes.


                                                         DESVANTAGENS
                                              Impacte paisagístico, uma vez que ocupam

                                             grandes extensões de terreno.

                                                 A    instalação    e      manutenção    dos

                                             aerogeradores exige a abertura de acessos

                                             rodoviários com impacte ambiental.

                                                 Poluição       sonora     provocada     pelo

                                             funcionamento dos aerogeradores.

                                                Morte    de     espécies    migradoras   que

                                             atravessam os parques eólicos.
É a energia aproveitada nas barragens, onde a força da água faz movimentar as turbinas,

gerando energia que é transmitida a um gerador de energia eléctrica que produz

electricidade.

                                                         DESVANTAGENS
                                                   Alterações nos ecossistemas (perdas

                                                  de habitats e biodiversidade pelo corte

                                                  de   milhares   de    árvores,   antes   da

                                                  inundação desses locais).

                                                   Deslocação de populações.

                                                   Barreiras que impedem a migração

                                                  de certas espécies.

                                                   Barreiras que impedem o fluxo de

                                                  sedimentos para os mares.
É a energia proveniente do interior da Terra. A geotermia consiste no aproveitamento

de águas quentes e vapores para produção de energia eléctrica e calor.




                                                          DESVANTAGENS

                                                   Libertação de grandes quantidades de

                                                  vapor de água.

                                                   Impacte paisagístico provocado pela

                                                  implantação das centrais geotérmicas.
É a energia que se obtém durante a transformação de produtos de origem animal e

vegetal para produção de energia calorífica e eléctrica.




                                                   DESVANTAGENS

                                    A queima dos resíduos nas centrais de biomassa

                                   liberta vapor de água, metano e outros GEE.

                                    A limpeza de grandes quantidades de folhas e ramos

                                   mortos (que protegem os solos) pode favorecer a

                                   erosão dos solos e diminuir a biodiversidade.
É a energia que se obtém a partir do movimento das ondas e das marés. As turbinas de

maré aproveitam a força das correntes das marés, contudo as tecnologias associadas a

este tipo de energia ainda estão pouco desenvolvidas.

                                                   DESVANTAGENS

                                   Podem alterar o fluxo migratório de algumas espécies.

                                   Interferem com a navegação e pesca.
É a energia que se obtém da combinação do hidrogénio com o oxigénio,

em pilhas de combustível, produzindo vapor de água e libertando energia

que é convertida em electricidade.


                                         DESVANTAGENS

                                 Libertação de vapor de água.

                                    dificuldade    de   armazenamento    de

                                hidrogénio líquido.

                                 Apesar do hidrogénio ser um gás muito

                                abundante     no     Universo,   encontra-se,

                                geralmente,        combinado     com   outros

                                elementos químicos e, por isso, não

                                existe isolado na Natureza.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Recursos Naturais Do Mundo E Do Brasil
Os Recursos Naturais Do Mundo E Do BrasilOs Recursos Naturais Do Mundo E Do Brasil
Os Recursos Naturais Do Mundo E Do Brasil
guest0d0ec5
 
Exploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturaisExploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturais
anabela
 
Recursos naturais introdução
Recursos naturais introduçãoRecursos naturais introdução
Recursos naturais introdução
adelinacgomes
 
9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis
9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis 9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis
9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis
Alexandre Alves
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
verasanches
 
3 gestão sustentável dos recursos naturais
3   gestão sustentável dos recursos naturais3   gestão sustentável dos recursos naturais
3 gestão sustentável dos recursos naturais
Pelo Siro
 
2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais
2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais
2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais
orim84
 

Mais procurados (20)

Os Recursos Naturais Do Mundo E Do Brasil
Os Recursos Naturais Do Mundo E Do BrasilOs Recursos Naturais Do Mundo E Do Brasil
Os Recursos Naturais Do Mundo E Do Brasil
 
Recursos naturais renováveis e não renováveis
Recursos naturais renováveis e não renováveisRecursos naturais renováveis e não renováveis
Recursos naturais renováveis e não renováveis
 
Exploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturaisExploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturais
 
Recursos naturais introdução
Recursos naturais introduçãoRecursos naturais introdução
Recursos naturais introdução
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
Conservação dos Recursos Naturais
Conservação dos Recursos NaturaisConservação dos Recursos Naturais
Conservação dos Recursos Naturais
 
9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis
9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis 9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis
9º ano (cap1) Recursos Naturais e combustíveis fósseis
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
Recursos nao renovaveis
Recursos nao renovaveisRecursos nao renovaveis
Recursos nao renovaveis
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
3 gestão sustentável dos recursos naturais
3   gestão sustentável dos recursos naturais3   gestão sustentável dos recursos naturais
3 gestão sustentável dos recursos naturais
 
5. recursos naturais
5. recursos naturais5. recursos naturais
5. recursos naturais
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Recursos naturais e a ação humana
Recursos naturais e a ação humanaRecursos naturais e a ação humana
Recursos naturais e a ação humana
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais
2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais
2ºbim.6ºano.geografia. os recursos naturais
 

Destaque (6)

Mundo natural
Mundo naturalMundo natural
Mundo natural
 
Recursos Nao Renovaveis
Recursos Nao RenovaveisRecursos Nao Renovaveis
Recursos Nao Renovaveis
 
Recursos renovaveis e nao renovaveis
Recursos renovaveis e nao renovaveisRecursos renovaveis e nao renovaveis
Recursos renovaveis e nao renovaveis
 
12ª classe aula4
12ª classe aula412ª classe aula4
12ª classe aula4
 
Livro Eduardo geografia 2014
Livro Eduardo geografia 2014Livro Eduardo geografia 2014
Livro Eduardo geografia 2014
 
Recursos Minerais - Natureza, extração, importância, usos e implicações ambie...
Recursos Minerais - Natureza, extração, importância, usos e implicações ambie...Recursos Minerais - Natureza, extração, importância, usos e implicações ambie...
Recursos Minerais - Natureza, extração, importância, usos e implicações ambie...
 

Semelhante a Recursos naturais ii

Recursos 10ºAno
Recursos  10ºAnoRecursos  10ºAno
Recursos 10ºAno
Tânia Reis
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
marade
 
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuaisTratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais
Sandra Semedo
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
margaridabt
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
Denysson Amorim
 
Arquitectura sustentável-EDV
Arquitectura  sustentável-EDVArquitectura  sustentável-EDV
Arquitectura sustentável-EDV
kliisnj
 

Semelhante a Recursos naturais ii (20)

Utilização-recursos.pptx
Utilização-recursos.pptxUtilização-recursos.pptx
Utilização-recursos.pptx
 
Recursos 10ºAno
Recursos  10ºAnoRecursos  10ºAno
Recursos 10ºAno
 
10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuaisTratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais
 
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSCN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
 
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em PortugalGestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
Resumos de ciências
Resumos de ciênciasResumos de ciências
Resumos de ciências
 
RECURSOS ENERGÉTICOS
RECURSOS ENERGÉTICOSRECURSOS ENERGÉTICOS
RECURSOS ENERGÉTICOS
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Agua Bioecologia
Agua    BioecologiaAgua    Bioecologia
Agua Bioecologia
 
Arquitectura sustentável-EDV
Arquitectura  sustentável-EDVArquitectura  sustentável-EDV
Arquitectura sustentável-EDV
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 

Mais de Cristina Vitória (20)

Celula
CelulaCelula
Celula
 
Unidade 6
Unidade 6Unidade 6
Unidade 6
 
Unidade 5
Unidade 5Unidade 5
Unidade 5
 
Saude santilhana
Saude santilhanaSaude santilhana
Saude santilhana
 
Protecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da naturezaProtecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da natureza
 
Política 3 rs
Política 3 rsPolítica 3 rs
Política 3 rs
 
Catástrofes
CatástrofesCatástrofes
Catástrofes
 
Sistemaneuro hormonal
Sistemaneuro hormonalSistemaneuro hormonal
Sistemaneuro hormonal
 
Dia de são valentim
Dia de são valentimDia de são valentim
Dia de são valentim
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticos
 
Terra um planeta com vida
Terra   um planeta com vidaTerra   um planeta com vida
Terra um planeta com vida
 
Fertilidade
FertilidadeFertilidade
Fertilidade
 
Reprodução nos seres vivos
Reprodução nos seres vivosReprodução nos seres vivos
Reprodução nos seres vivos
 
Recursos hidricos
Recursos hidricosRecursos hidricos
Recursos hidricos
 
Recursos geologicos
Recursos geologicosRecursos geologicos
Recursos geologicos
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

Recursos naturais ii

  • 1. Incluem o conjunto de águas superficiais e das águas subterrâneas utilizadas pelas populações, quer para beber quer para as diversas actividades humanas.
  • 2. Apesar da grande quantidade de água da hidrosfera, a maior parte dela é salgada, não podendo ser utilizada directamente pelo homem.
  • 3. Distribuição relativa das águas doces no planeta
  • 4. Água potável disponível per capita a nível mundial
  • 5. Escassez de água doce no Mundo
  • 6. A maior parte da água é gasta na:  AGRICULTURA (70%)  ACTIVIDADES INDUSTRIAIS (22%)  USO DOMÉSTICO (8%) Nas últimas décadas o consumo de água tem aumentado exponencialmente, ultrapassando o dobro do aumento da população humana.
  • 7. Cerca de 10% da água existente é utilizada em diversas actividades domésticas.  Autoclismo (36%)  Higiene pessoal (33%)  Lavagem da roupa (13%)  Lavagem da loiça (7%)  Limpeza em geral (4%)  Rega (4%)  Alimentação (3%)
  • 8. Cerca de 70% da água existente a nível mundial é utilizada na agricultura. Quando a rega não é controlada, muita desta água perde-se através da evaporação e da escorrência superficial. A irrigação gota a gota (gotejamento) é uma técnica que permite reduzir consideravelmente os gastos de água.
  • 9. Cerca de 20% da água existente é utilizada na indústria. Grande parte da actividade industrial utiliza água para os mais diversos fins. Por vezes, essa utilização é ineficiente.
  • 10. A construção de barragens para criar albufeiras, reservatórios de água, minas poços e furos faz com que o ser humano interfira com o equilíbrio dos ecossistemas. Estas intervenções, apesar de beneficiarem as populações, têm diversas consequências como a modificação e perda de habitats e a diminuição da biodiversidade.
  • 11.
  • 12. As principais fontes de poluição dos rios, lagos, ribeiros e lençóis de água, são as águas residuais resultantes da indústria, da agricultura e das actividades domésticas.
  • 13. A qualidade da água está ameaçada pelas actividades humanas – esgotos domésticos, resíduos de fertilizantes e pesticidas e poluição industrial. Os resíduos agrícolas Os resíduos industriais e Os resíduos petrolíferos (dejectos de animais, os resíduos orgânicos (derrame de petróleo, lavagem fertilizantes, insecticidas, (derivados de matadouros, de tanques em alto mar, etc…) herbicidas e pesticidas) são aviários, esgotos de e pesqueiros (redes arrastados pela água das habitações, suiniculturas, abandonadas no mar, etc..) chuvas, infiltram-se no solo lagares de azeite, …) são são uma ameaça para o e contaminam as águas também uma ameaça para equilíbrio dos ecossistemas subterrâneas, os lagos, os as reservas de água. marinhos. rios e os mares.
  • 14. No seu percurso subterrâneo profundo, a água atravessa formações geológicas e adquire um determinada composição físico-química que permite utilizar este recurso para engarrafamento ou em estâncias termais no tratamento de diversas doenças. Iões mais abundantes na água Cálcio Magnésio Sódio Potássio Cloreto Sulfato Hidrogenocarbonato Fluoreto Ca2+ Mg2+ Na+ K+ Cl- SO42- HCO3- F-  Águas minerais naturais  Águas de nascente  Águas termais (ver quadro da página 139 do manual)
  • 15.
  • 16. Incluem o as diferentes fontes de energia usadas nas actividades humanas.
  • 17. Os recursos energéticos podem ser:  NÃO RENOVÁVEIS – combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e minérios radioactivos.  RENOVÁVEIS – energia hidroeléctrica, energia eólica, energia solar, energia geotérmica, energia da biomassa , energia dos mares e energia do hidrogénio
  • 18.
  • 19. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS São recursos energéticos derivados de transformações da matéria orgânica ao longo de milhões de anos (M.a). Ao queimar os combustíveis fósseis, é libertado o dióxido de carbono e a energia armazenada pelos seres produtores há M.a.
  • 20. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Os carvões são rochas sedimentares resultantes da transformação lenta de restos de plantas em ambientes aquáticos pouco profundos e com pouco oxigénio (pântanos), ao longo de M.a.
  • 21. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS A classificação dos carvões depende do teor em carbono e do poder calorífico libertado durante a sua combustão. Os restos de plantas (turfa) sofrem uma lenta e progressiva transformação por acção de fungos e bactérias e, posteriormente, da temperatura e pressão, acabando por se originar carvões progressivamente mais ricos em carbono. (ver esquema da página 144 do manual) Riqueza em carbono e poder calorífico Turfa Lenhite Carvão betuminoso Antracite
  • 22. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS  Os carvões são explorados em minas a céu aberto ou em galerias subterrâneas.  São muito utilizados como combustíveis nas centrais termoeleéctricas, nas cimenteiras e no aquecimento doméstico.
  • 23. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS O petróleo e gás natural são hidrocarbonetos – compostos constituídos por hidrogénios e carbono – e formam-se em ambientes com grande abundância em matéria orgânica.
  • 24. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Ao longo de M.a, a matéria orgânica foi-se acumulando, estando sujeita a condições de pressão e temperatura que permitiram a transformação de alguma dessa matéria orgânica em hidrocarbonetos líquido e gasosos. • Os restos de organismos parcialmente decompostos foram enterrados por camadas de sedimentos.
  • 25. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS  Formam-se os hidrocarbonetos que migram nas rochas até ficarem retidos, acumulando- se em rochas porosas – rochas – armazém.  Se encontrarem uma barreira impermeável que os isole da atmosfera – rochas de cobertura – ficam aí acumulados durante M.a.
  • 26. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS  Os geólogos fazem a prospecção de hidrocarbonetos utilizando diversas técnicas que incluem sondagens, estudo da porosidade e permeabilidade das rochas, etc…  É feita uma avaliação da quantidade de hidrocarbonetos existentes para calcular se se justificam as despesas de exploração.  Faz-se a perfuração.  Os hidrocarbonetos são encaminhados para as indústrias transformadoras – refinarias.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Os problemas ambientais provocados pelo uso dos combustíveis fósseis e a constante subida de preço têm aumentado a procura de energias renováveis. ENERGIAS RENOVÁVEIS – Incluem todas as formas de energia que não se esgotam. Exemplos: Energia solar, eólica, hídrica, geotérmica, das ondas e das marés, da biomassa e do hidrogénio.
  • 34. VANTAGENS O aumento da utilização das energias renováveis contribui para a diminuição das emissões de gases com efeito de estufa e da poluição atmosférica, aquática e dos solos.
  • 35. É a energia proveniente do Sol. Os painéis solares captam a energia solar que pode ser convertida em electricidade ou aquecimento. Podem ser instalados em qualquer casa. DESVANTAGENS  Impacte ambiental provocado pelas dimensões dos painéis solares.
  • 36. É a energia obtida pela acção do vento. Portugal tem apostado na energia eólica, instalando aerogeradores em diversos locais com ventos fortes. DESVANTAGENS  Impacte paisagístico, uma vez que ocupam grandes extensões de terreno.  A instalação e manutenção dos aerogeradores exige a abertura de acessos rodoviários com impacte ambiental.  Poluição sonora provocada pelo funcionamento dos aerogeradores.  Morte de espécies migradoras que atravessam os parques eólicos.
  • 37. É a energia aproveitada nas barragens, onde a força da água faz movimentar as turbinas, gerando energia que é transmitida a um gerador de energia eléctrica que produz electricidade. DESVANTAGENS  Alterações nos ecossistemas (perdas de habitats e biodiversidade pelo corte de milhares de árvores, antes da inundação desses locais).  Deslocação de populações.  Barreiras que impedem a migração de certas espécies.  Barreiras que impedem o fluxo de sedimentos para os mares.
  • 38. É a energia proveniente do interior da Terra. A geotermia consiste no aproveitamento de águas quentes e vapores para produção de energia eléctrica e calor. DESVANTAGENS  Libertação de grandes quantidades de vapor de água.  Impacte paisagístico provocado pela implantação das centrais geotérmicas.
  • 39. É a energia que se obtém durante a transformação de produtos de origem animal e vegetal para produção de energia calorífica e eléctrica. DESVANTAGENS  A queima dos resíduos nas centrais de biomassa liberta vapor de água, metano e outros GEE.  A limpeza de grandes quantidades de folhas e ramos mortos (que protegem os solos) pode favorecer a erosão dos solos e diminuir a biodiversidade.
  • 40. É a energia que se obtém a partir do movimento das ondas e das marés. As turbinas de maré aproveitam a força das correntes das marés, contudo as tecnologias associadas a este tipo de energia ainda estão pouco desenvolvidas. DESVANTAGENS  Podem alterar o fluxo migratório de algumas espécies.  Interferem com a navegação e pesca.
  • 41. É a energia que se obtém da combinação do hidrogénio com o oxigénio, em pilhas de combustível, produzindo vapor de água e libertando energia que é convertida em electricidade. DESVANTAGENS  Libertação de vapor de água.  dificuldade de armazenamento de hidrogénio líquido.  Apesar do hidrogénio ser um gás muito abundante no Universo, encontra-se, geralmente, combinado com outros elementos químicos e, por isso, não existe isolado na Natureza.