SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
DESTILAÇÃO FRACIONADA
1-Introdução
Destilação é um processo caracterizado por uma dupla mudança de estado físico, em
que uma substância, inicialmente no estado líquido, é aquecida até atingir a
temperatura de ebulição, transformando-se em vapor, e novamente resfriada até que
toda a massa retorne ao estado líquido. O processo tem sido utilizado desde a
antiguidade para a purificação de substâncias e fabricação de essências e óleos. No
caso da chuva, a vaporização se dá não por ebulição, mas por evaporação a baixa
temperatura. A maioria dos métodos utilizados durante o processo de purificação de
misturas homogêneas baseia-se na destilação simples, que consiste na evaporação
parcial da mistura líquida, a fim de separar seus componentes. As substâncias mais
voláteis, isto é, com menor ponto de ebulição, vaporizam primeiro; ao passarempor
um condensador, se liquefazem, sendo finalmente recolhidas em um tanque. Esse
procedimento é válido para a purificação de líquidos com impurezas voláteis
dissolvidas e para a separação de misturas cujos componentes apresentam pontos de
ebulição bem diferenciados. Quando os pontos de ebulição dos componentes de uma
mistura são muito próximos, a destilação simples não permite uma boa separação,
sendo necessário repetir o processo várias vezes. Esse procedimento, denominado
destilação fracionada, é muito utilizado no controle do teor alcoólico de bebidas tipo
aguardente, como uísque, rum, gime cachaça. Além disso, constitui o processo
fundamental do refino de petróleo, para obtenção de gasolina, querosene e demais
derivados. A destilação pode, também, ser realizada a seco, ou em ausência de vapor
d'água, para a produção de alcatrão e carvão vegetal a partir da madeira ou da hulha.
A obtenção de nitrogênio e oxigênio gasosos a partir do ar atmosférico realiza-se por
meio de destilação atmosférica. Nesse processo, o ar atmosférico é resfriado
progressivamente até a formação de uma fase líquida rica em oxigênio, que se
condensa a uma temperatura superior à do nitrogênio. A seguir, essa fase é levada à
ebulição, através de um aquecimento gradual com pressão constante, sendo o vapor
assimobtido proporcionalmente mais rico em nitrogênio que a mistura inicial. Se,
durante a evaporação da fase líquida, a quantidade de vapor em contato com essa fase
for aumentada, impedindo que o equilíbrio entre as duas fases seja atingido, a
temperatura de ebulição cresce progressivamente, enquanto o líquido se torna cada
vez mais pobre em nitrogênio. Repetindo essa operação algumas vezes, é possível
obter-se um resíduo constituído de oxigênio praticamente puro.
1.1- Destilação fracionada
Quando os componentes da mistura apresentam pontos de ebulição muito próximos,
o mais leve excesso de aquecimento é suficiente para evaporá-los juntos.
Recorre-se então, à destilação fracionada: nesse caso, o tubo de vidro é substituído
por uma coluna de fracionamento. Seu princípio básico é fazer com que os vapores
percorram o trajeto mais difícil e longo possível. A coluna aumenta a superfície de
contato fazendo com que parte do vapor do líquido menos volátil volte a se condensar
aumentado sua concentração no interior do balão. Dessa maneira, o vapor do líquido
menos volátil condensa-se com maior facilidade em contato com as paredes frias da
coluna, retornando ao balão. Enquanto isso, o líquido mais volátil é completamente
destilado.
Na realidade, a função da coluna é possibilitar uma série de evaporações e
condensações sucessivas, emoperações que são favorecidas pela troca de calor entre
o vapor quente que sobe e o líquido mais frio que desce. Uma coluna será tanto mais
eficiente quanto maior a superfície interna de contato que oferecer entre líquido e
vapor. Quanto menor a diferença entre os pontos de ebulição dos líquidos, maior
deverá ser a altura coluna ou a área de contato. Com esta finalidade existe a coluna de
Vigreux, constituído por um tubo de vidro com reentrâncias. Existem vários tipos de
coluna de fracionamento, com anéis de vidro, em espiral etc.
Em caso de dúvida quanto ao uso da destilação fracionada, tomou-se como regra que
ela deve ser usada quando a diferença entre os pontos de ebulição dos compostos a
separar é menor que 80°C, pois abaixo deste valor a destilação simples geralmente não
é eficiente.
2 – Objetivo
Separar os dois compostos de uma mistura através do método de destilação
fracionada obtendo-se seus respectivos pontos de fusão. Para posterior identificação
dos compostos.
3 – Materiais
- balão de fundo redondo;
- coluna de fracionamento;
- cabeça de destilação;
- condensador de tubo reto;
- funil comum;
- garras e mufas;
- mangueiras de látex;
- erlenmeyer;
- termômetro;
4 – Métodos
Primeiramente foram adicionados 30mL de amostra ao balão de destilação seguido da
abertura da entrada de água para o condensador. Depois , com todos os cuidados, a
chama do bico de Bunsen foi acesa. Quando a temperatura alcançou 77ºC caiu a
primeira gota de composto A. E a partir daí a temperatura ficou relativamente
constante. Depois de destilar toda o composto A, a temperatura caiu voltando a
aumentar depois de um certo tempo. Quando ela atingiu 98ºC começou a destilação
do composto B.
Após a destilação os produtos A e B foram medidos e pesados apresentando os
seguintes resultados:
- Produto A: 2,3g e 2,6mL
- Produto B: 1,9g e 2,6mL
5 – Resultados e Conclusões
A partir da experiência realizada obtivemos uma amostra A com ponto de ebulição em
torno de 77ºC e com densidade de 0,88g/mL. E uma amostra B que possui ponto de
ebulição em torno de 98ºC e densidade aproximadamente 0,73g/mL.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (18)

Efeito leidenfrost
Efeito leidenfrostEfeito leidenfrost
Efeito leidenfrost
 
Destilac3a7c3a3o fracionada
Destilac3a7c3a3o fracionadaDestilac3a7c3a3o fracionada
Destilac3a7c3a3o fracionada
 
Refrigeração 1
Refrigeração 1Refrigeração 1
Refrigeração 1
 
05 evaporadores
05 evaporadores05 evaporadores
05 evaporadores
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
3.condensadores e evaporadores(2)
3.condensadores e evaporadores(2)3.condensadores e evaporadores(2)
3.condensadores e evaporadores(2)
 
Ciclo refrigeracao refrigerantes
Ciclo refrigeracao refrigerantesCiclo refrigeracao refrigerantes
Ciclo refrigeracao refrigerantes
 
Apostila projeto camaras
Apostila projeto camarasApostila projeto camaras
Apostila projeto camaras
 
Apostila de segurança na operação de caldeiras
Apostila de segurança na operação de caldeirasApostila de segurança na operação de caldeiras
Apostila de segurança na operação de caldeiras
 
Parte 02 geração de vapor
Parte 02   geração de vaporParte 02   geração de vapor
Parte 02 geração de vapor
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
 
Aula de caldeiras
Aula de caldeirasAula de caldeiras
Aula de caldeiras
 
Descongelamento
Descongelamento   Descongelamento
Descongelamento
 
07 dispositivos de expansão
07 dispositivos de expansão07 dispositivos de expansão
07 dispositivos de expansão
 
Refrigeração 5
Refrigeração 5Refrigeração 5
Refrigeração 5
 
Condensadores e evaporadores
Condensadores e evaporadoresCondensadores e evaporadores
Condensadores e evaporadores
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
 

Semelhante a Destilação fracionada

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃOEzequias Guimaraes
 
Aula 07 processos de separação
Aula 07   processos de separaçãoAula 07   processos de separação
Aula 07 processos de separaçãoAnderson Pontes
 
Misturas homogéneas e heterogéneas
Misturas homogéneas e heterogéneasMisturas homogéneas e heterogéneas
Misturas homogéneas e heterogéneasRodrigo Miguel
 
Trabalhoda kamila :D
Trabalhoda kamila :DTrabalhoda kamila :D
Trabalhoda kamila :Dsamarademonti
 
Química trabalho sobre separação de misturas
Química  trabalho sobre separação de misturasQuímica  trabalho sobre separação de misturas
Química trabalho sobre separação de misturasytamara_g22
 
(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula
(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula
(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaulaDominick Sena
 
Complemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estadoComplemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estadoRildo Borges
 
Processo de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleoProcesso de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleoAjudar Pessoas
 
Trabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleoTrabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleoEduardo Chaves
 

Semelhante a Destilação fracionada (20)

Novo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimicaNovo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimica
 
1a 3 eq 2 - decantacao
1a 3   eq 2 - decantacao1a 3   eq 2 - decantacao
1a 3 eq 2 - decantacao
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Tópico 5 evaporacao
Tópico 5 evaporacaoTópico 5 evaporacao
Tópico 5 evaporacao
 
Aula 07 processos de separação
Aula 07   processos de separaçãoAula 07   processos de separação
Aula 07 processos de separação
 
Misturas homogéneas e heterogéneas
Misturas homogéneas e heterogéneasMisturas homogéneas e heterogéneas
Misturas homogéneas e heterogéneas
 
Trabalho1
Trabalho1Trabalho1
Trabalho1
 
Trabalhoda kamila :D
Trabalhoda kamila :DTrabalhoda kamila :D
Trabalhoda kamila :D
 
Química trabalho sobre separação de misturas
Química  trabalho sobre separação de misturasQuímica  trabalho sobre separação de misturas
Química trabalho sobre separação de misturas
 
(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula
(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula
(20170222182925)geraçãodistribuiçãodevapor encontro2-preaula
 
Complemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estadoComplemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estado
 
Gv 08 purgadores
Gv 08 purgadoresGv 08 purgadores
Gv 08 purgadores
 
Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2
 
Processo de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleoProcesso de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleo
 
Refrigeração 2
Refrigeração 2Refrigeração 2
Refrigeração 2
 
Op.unitárias
Op.unitáriasOp.unitárias
Op.unitárias
 
Tub vapor
Tub vaporTub vapor
Tub vapor
 
Caldeiras apostila cg
Caldeiras  apostila cgCaldeiras  apostila cg
Caldeiras apostila cg
 
Trabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleoTrabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleo
 

Mais de Cristyan Ribeiro (20)

Separação magnetica 1
Separação magnetica 1Separação magnetica 1
Separação magnetica 1
 
Separação magnetica2
Separação magnetica2Separação magnetica2
Separação magnetica2
 
Separação magnetica1
Separação magnetica1Separação magnetica1
Separação magnetica1
 
Separação de misturas sublimação
Separação de misturas sublimaçãoSeparação de misturas sublimação
Separação de misturas sublimação
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai mario amato
Senai mario amatoSenai mario amato
Senai mario amato
 
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qaReposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
 
DESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOLDESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOL
 
OPU
OPUOPU
OPU
 
Petrquimica
PetrquimicaPetrquimica
Petrquimica
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu
OpuOpu
Opu
 
Opu transformações mecânicas dos plásticos
Opu   transformações mecânicas dos plásticosOpu   transformações mecânicas dos plásticos
Opu transformações mecânicas dos plásticos
 
Framaceutica (2)
Framaceutica (2)Framaceutica (2)
Framaceutica (2)
 
Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Cosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qaCosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qa
 

Último

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxavaseg
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADEssusercc9a5f
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxmarketing18485
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfAlexsandroRocha22
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheirossuserd390f8
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticaleilannygaldino
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfssusercc9a5f
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdftatebib346
 

Último (8)

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Destilação fracionada

  • 1. DESTILAÇÃO FRACIONADA 1-Introdução Destilação é um processo caracterizado por uma dupla mudança de estado físico, em que uma substância, inicialmente no estado líquido, é aquecida até atingir a temperatura de ebulição, transformando-se em vapor, e novamente resfriada até que toda a massa retorne ao estado líquido. O processo tem sido utilizado desde a antiguidade para a purificação de substâncias e fabricação de essências e óleos. No caso da chuva, a vaporização se dá não por ebulição, mas por evaporação a baixa temperatura. A maioria dos métodos utilizados durante o processo de purificação de misturas homogêneas baseia-se na destilação simples, que consiste na evaporação parcial da mistura líquida, a fim de separar seus componentes. As substâncias mais voláteis, isto é, com menor ponto de ebulição, vaporizam primeiro; ao passarempor um condensador, se liquefazem, sendo finalmente recolhidas em um tanque. Esse procedimento é válido para a purificação de líquidos com impurezas voláteis dissolvidas e para a separação de misturas cujos componentes apresentam pontos de ebulição bem diferenciados. Quando os pontos de ebulição dos componentes de uma mistura são muito próximos, a destilação simples não permite uma boa separação, sendo necessário repetir o processo várias vezes. Esse procedimento, denominado destilação fracionada, é muito utilizado no controle do teor alcoólico de bebidas tipo aguardente, como uísque, rum, gime cachaça. Além disso, constitui o processo fundamental do refino de petróleo, para obtenção de gasolina, querosene e demais derivados. A destilação pode, também, ser realizada a seco, ou em ausência de vapor d'água, para a produção de alcatrão e carvão vegetal a partir da madeira ou da hulha. A obtenção de nitrogênio e oxigênio gasosos a partir do ar atmosférico realiza-se por meio de destilação atmosférica. Nesse processo, o ar atmosférico é resfriado progressivamente até a formação de uma fase líquida rica em oxigênio, que se condensa a uma temperatura superior à do nitrogênio. A seguir, essa fase é levada à ebulição, através de um aquecimento gradual com pressão constante, sendo o vapor assimobtido proporcionalmente mais rico em nitrogênio que a mistura inicial. Se, durante a evaporação da fase líquida, a quantidade de vapor em contato com essa fase for aumentada, impedindo que o equilíbrio entre as duas fases seja atingido, a temperatura de ebulição cresce progressivamente, enquanto o líquido se torna cada vez mais pobre em nitrogênio. Repetindo essa operação algumas vezes, é possível obter-se um resíduo constituído de oxigênio praticamente puro. 1.1- Destilação fracionada Quando os componentes da mistura apresentam pontos de ebulição muito próximos, o mais leve excesso de aquecimento é suficiente para evaporá-los juntos. Recorre-se então, à destilação fracionada: nesse caso, o tubo de vidro é substituído por uma coluna de fracionamento. Seu princípio básico é fazer com que os vapores percorram o trajeto mais difícil e longo possível. A coluna aumenta a superfície de
  • 2. contato fazendo com que parte do vapor do líquido menos volátil volte a se condensar aumentado sua concentração no interior do balão. Dessa maneira, o vapor do líquido menos volátil condensa-se com maior facilidade em contato com as paredes frias da coluna, retornando ao balão. Enquanto isso, o líquido mais volátil é completamente destilado. Na realidade, a função da coluna é possibilitar uma série de evaporações e condensações sucessivas, emoperações que são favorecidas pela troca de calor entre o vapor quente que sobe e o líquido mais frio que desce. Uma coluna será tanto mais eficiente quanto maior a superfície interna de contato que oferecer entre líquido e vapor. Quanto menor a diferença entre os pontos de ebulição dos líquidos, maior deverá ser a altura coluna ou a área de contato. Com esta finalidade existe a coluna de Vigreux, constituído por um tubo de vidro com reentrâncias. Existem vários tipos de coluna de fracionamento, com anéis de vidro, em espiral etc. Em caso de dúvida quanto ao uso da destilação fracionada, tomou-se como regra que ela deve ser usada quando a diferença entre os pontos de ebulição dos compostos a separar é menor que 80°C, pois abaixo deste valor a destilação simples geralmente não é eficiente. 2 – Objetivo Separar os dois compostos de uma mistura através do método de destilação fracionada obtendo-se seus respectivos pontos de fusão. Para posterior identificação dos compostos. 3 – Materiais - balão de fundo redondo; - coluna de fracionamento; - cabeça de destilação; - condensador de tubo reto; - funil comum; - garras e mufas; - mangueiras de látex; - erlenmeyer;
  • 3. - termômetro; 4 – Métodos Primeiramente foram adicionados 30mL de amostra ao balão de destilação seguido da abertura da entrada de água para o condensador. Depois , com todos os cuidados, a chama do bico de Bunsen foi acesa. Quando a temperatura alcançou 77ºC caiu a primeira gota de composto A. E a partir daí a temperatura ficou relativamente constante. Depois de destilar toda o composto A, a temperatura caiu voltando a aumentar depois de um certo tempo. Quando ela atingiu 98ºC começou a destilação do composto B. Após a destilação os produtos A e B foram medidos e pesados apresentando os seguintes resultados: - Produto A: 2,3g e 2,6mL - Produto B: 1,9g e 2,6mL 5 – Resultados e Conclusões A partir da experiência realizada obtivemos uma amostra A com ponto de ebulição em torno de 77ºC e com densidade de 0,88g/mL. E uma amostra B que possui ponto de ebulição em torno de 98ºC e densidade aproximadamente 0,73g/mL.