Mensageiro luterano junho 2012

2.893 visualizações

Publicada em

Mensageiro Luterano

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.893
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mensageiro luterano junho 2012

  1. 1. Mensageiro | Junho 2012 3
  2. 2. 4 Mensageiro | Junho 2012
  3. 3. MENSAGEIR O LUTERANO | Ano 95 | Nº 1.170Junho2012 Leia nesta ediçãoEvangelizandode todas as formas A IELB escolheu o mês de junho para dar ênfase à evangelização, por isso ela reúne os seus fiéis, orienta, capacita e envia-os novamente ao mundo. Esse é o ser da Igreja, sua razão de existência. 2305 MENSAGEM DO PRESIDENTE adoração e louvor capa Igrejas e pastores Qual é a 0609 EM FOCO feridos. Caminhos para “novidade” para16 homenagem o culto hoje? a reconciliação.17 mensageiro das crianças igreja em movimento Programa Missão, 2521 Educação teológica Ministério e22 umas e outras Liderança27 IGREJAS PELO MUNDO eméritos30 SBB Prontos para34 virando a página 13 servir. É só chamá-los 32 Mensageiro | Junho 2012 3
  4. 4. | AO LEITOR | Nilo Wachholz Editor-Redator | editor@editoraconcordia.com.brAinda sabemos o que é averdadeira Igreja Cristã? Vivemos um tempo de muitas denominações religiosas. Muitas entristecidos e desanimados. Pela percep-estão organizadas localmente em congregações, regionalmente em ção dessa realidade, procuramos abordardistritos/regiões e nacionalmente associadas em sínodos, como a essa questão ainda que ligeiramente, poisIELB, por exemplo. Outras se organizam de forma independente, a julgamos de grande importância para amas, de maneira geral, fortemente atreladas ao nome de determi- vida da Igreja, para os membros, para osnados líderes. E ainda temos muitas pessoas que se dizem religiosas pastores e suas famílias.ou espiritualizadas sem congregarem em nenhuma denominação. Neste cenário, lembramos as esposas Nesse contexto religioso tão múltiplo de nossos dias, é oportuno de pastores e dos pastores eméritos.perguntar: Afinal, o que é Igreja? Será que, quase 500 anos após o Enquanto homenageamos as esposas demovimento da Reforma, liderado por Lutero e do qual somos frutos pastores da “ativa”, com um texto espe-como cristãos luteranos, ainda sabemos e confessamos a verdadeira cial, resgatamos histórias da vida realIgreja Cristã? É essa e outras perguntas do nosso tempo que o autor de alguns pastores eméritos e suas famílias. Além disso, viramosdo artigo de capa desta edição quer responder a partir da Bíblia a página refletindo sobre esta nova fase na vida do pastor que é oSagrada e da Confissão de Augsburgo (CA), que neste mês de junho status de pastor emérito!completa 482 anos. Acreditamos ser muito apropriada esta reflexão As múltiplas atividades que acontecem nas congregações, nosassociada às comemorações dos 108 anos de organização da nossa departamentos e na vida de muitas pessoas e famílias da nossa Igre-Igreja Evangélica Luterana do Brasil. ja, de Norte a Sul do Brasil, encontram-se no encarte IELB notícias. Por outro, a Igreja é formada por membros e pastores. E o mês Mês de junho, mês da evangelização na IELB! O espaço Igrejasde junho contempla também o Dia do Pastor. Olhando para “o pelo mundo desta edição também está neste contexto da evangeli-conjunto da obra”, percebemos que no dia a dia da vida da Igreja e zação. Desejamos a todos dias muitos abençoados no Senhor quedos pastores, há Igrejas (membros) e pastores feridos, machucados, é a nossa rocha poderosa e nosso abrigo! Até breve! m foto da capa: Templo da Congregação Cristo Redentor, Linha 108 Sul, São Miguel do Guaporé, RO. O templo da “Cristo Redentor” tem a cruz na sua fachada. Mensageiro Luterano | www.mensageiroluterano.com.brISSN 1679-0243Órgão Oficial da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) de periodicidade mensal(exceto janeiro e fevereiro - edição única). Registrado sob nº 249, livro M, nº 1, em Editora IGREJA EVANGÉLICA LUTERANA DO BRASILdezembro de 1935, no Registro de Títulos e Documentos do Rio de Janeiro, conformeo Decreto-Lei de Imprensa nº 24776 de 14/07/1934. ConcórdiaProjeto e Produção Gráfica Editora Concórdia Ltda. Filiada a Associação de Editores Cristãos (ASEC) ENDEREÇO Rua Cel. Lucas de Oliveira, 894Redação mensageiro@editoraconcordia.com.br Bairro Mont’Serrat, CEP 90440-010Editor Nilo Wachholz - MTb 42140/SP Endereço Av. São Pedro, 633, Bairro São Geraldo, CEP 90230-120, Porto Alegre, RS Porto Alegre, RS, BrasilAssistente Editorial Bettina Schünke - MTb 15047/RS Fone (51) 3332 2111 / Fax: (51) 3332 8145Revisão Aline Lorentz Sabka Fone/Fax (51) 3272 3456 site www.ielb.org.br Site www.editoraconcordia.com.brJORNALISTA-DIAGRAMADOR Leandro da Rosa Camaratta twitter twitter.com/IELB_Brasil Twitter twitter.com/edconcordia e-mail ielb@ielb.org.brDesigner Christian Schünke e Raquel Amsberg de Almeida facebook facebook.com/editoraconcordiaColaboradores fixos Bruno Ries, Carlos W. Winterle, Luisivan V. Strelow, Marcos Email editora@editoraconcordia.com.br Diretoria Nacional 2010/2014Schmidt, Mona Liza Fuhrmann, Rosemarie K. Lange, Vitor Radünz, Waldyr Hoffmann Comercial comercial@editoraconcordia.com.br Presidente Egon KopereckDEPARTAMENTO COMERCIAL Gilberto Ellwanger, Lianete Schneider de Souza,Marcelo de Azambuja 1º Vice-presidente Arnildo Schneider Diretoria Executiva 2º Vice-presidente Geraldo Walmir SchülerASSINATURAS Monica Hoffmann Teichmann Mario Tailôr de Almeida (presidente), Clóvis J. Prunzel, Secretário Rubens José OggLogística Claupe Onofre, Jorge de Oliveira, Simone Dutra Paiva Nilo Wachholz, Nilson Krick e Rubens José Ogg Tesoureiro Renato Bauermann GerenteAssinatura no Brasil Anual R$ 52,00; Bianual R$ 100,00 Nilson Krick - nilson@editoraconcordia.com.brAssinatura para outros países Anual US$ 52,00; Bianual US$ 100,00 Depto Financeiro A IELB crê, confessa e ensina que os livros canônicos das Escrituras Sagradas, do Antigo e doTiragem desta edição 12 mil exemplares Joel Weber - financeiro@editoraconcordia.com.br Novo Testamento, são a Palavra infalível revelada por Editor Deus e aceita, como exposição correta dessa Palavra,A Redação reserva-se o direito de publicar ou não o material enviado, bem como Nilo Wachholz - editor@editoraconcordia.com.br os livros simbólicos da Igreja Evangélica Luterana,editá-lo para fins de publicação. Matérias assinadas não expressam necessariamente Comissão Editorial reunidos no Livro de Concórdia do ano 1580.a opinião da Redação ou da Administração Nacional da IELB. O conteúdo do Adilson Schünke, Beatriz Raymann, Clóvis J. Prunzel,Mensageiro pode ser reproduzido, mencionados o autor e a fonte. Nilo Wachholz, Nilson Krick e Rubens José Ogg4 Mensageiro | Junho 2012
  5. 5. | MENSAGEM DO PRESIDENTE | Egon Kopereck Pastor Presidente da IELB| presidente@ielb.org.br foto: LEANDRO R. CAMARATTASejam minhastestemunhas foto: leandro r. camara ttaE stamos no mês de Junho. Feste- jamos, neste mês, os 108 anos da nossa IELB – 108 anos cons- truídos sobre a Rocha firme epoderosa que é Cristo. O Pentecostes queacabamos de festejar nos impulsiona, nosmotiva e nos faz ouvir o eco do pedido deJesus: “Sejam minhas testemunhas...” aína vossa cidade, no vosso Estado, no vosso Dia do Pastor novembro, terá início o primeiro grupo dopaís, até os confins da Terra. 10 de junho, dia do Pastor. Que benção programa Ministério, Missão e Liderança Uma vez, um grupo de amigos decidiu termos um pastor em nossa comunidade! (MML). Procure se informar. Este ano serãofazer um churrasco de confraternização. Será que sempre reconhecemos isso? Será apenas 20 casais, ano que vem já serão 40;Eles disseram: “Vamos fazer uma bela fes- que agradecemos a Deus por termos alguém e assim queremos oferecer esse curso aota”. Chegou a data marcada, o grupo se en- que vela por nossa alma como quem deve maior número possível dos nossos pastores.controu com muita alegria até que alguém prestar contas por isso? Tenho certeza que essa iniciativa será umaperguntou: “Quem comprou as coisas para Queridos irmãos! “Obedecei aos vossos benção para toda a Igreja.o churrasco? Alguém providenciou o local, guias e sede submissos para com eles” (Hb Feliz Dia do Pastor e um abençoadoa carne e tudo mais que é necessário?”. E, 13.17). É Deus quem pede. Não esqueçam ministério para todos os colegas!um a um, eles perceberam que a festa não nunca de orar por vosso pastor, mostrar ase realizaria porque ninguém assumiu nada. ele vosso carinho, incentivo, apoio, interesse EvangelismoAtrás do “nós”, todos se esquivaram. e amor. É sublime e grandiosa a sua mis- Junho é o mês da Evangelização; assim a Nós somos as testemunhas de Jesus são. É enorme a sua responsabilidade. Os Igreja decidiu e definiu para tentar criar emneste mundo. É preciso mudar, assumir e pastores não cuidam apenas de uma vida nós, mais e mais, a cultura do testemunhoreconhecer: “Eu sou uma testemunha”. E passageira e fugaz, eles velam por uma Vida e da evangelização.assim falar, ser o sal, a luz, o bom perfume Eterna e feliz, com Cristo, no Céu. A pesquisa feita em nossa IELB, pelade Jesus neste mundo. A todos os pastores dizemos: “Prega a Radar Inteligência Ltda., perguntou se os Irmãos! A nossa IELB está festejando 108 Palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, membros das nossas comunidades estãoanos de trabalho como Sínodo organizado [...] com toda a longanimidade e doutrina sendo desafiados a testemunhar, e 86%no Brasil. Se os 240 mil luteranos, de fato, [...] cumpre cabalmente o teu ministério” (2 responderam que sim, o que é um bom sinal.assumirem o seu papel de brilhar, de refletir Tm 4.2-5) e acrescentamos: “Não cesses de Porém, diante da pergunta se nossas con-o amor de Jesus, tenho certeza que teremos falar desse Livro da Lei; antes medita nele gregações têm um plano de ação para levarmais movimento, mais vida e melhores re- dia e noite, [...] então, farás prosperar o teu o Evangelho ao bairro e região onde atuam,sultados na seara do nosso Deus. Também a caminho e serás bem sucedido. ... Sê forte apenas 42,6% responderam positivamente.nós Deus diz: “A quem enviarei?”. Estejamos e corajoso, não temas, nem te espantes, Isso nos deve fazer pensar, refletir, avaliar eprontos a responder com o profeta Isaías: porque o Senhor, teu Deus, é contigo por talvez repensar algumas coisas.“Eis-me aqui, envia-me a mim” (Is 6.8). onde quer que andares” (Js 1.7 e 8). Sejam minhas testemunhas, Parabéns, Igreja Evangélica Vem aí um presente especial para eis o desafio. Luterana do Brasil! pastores e esposas. Nos dias 15 a 18 de Que Deus nos motive, guarde e abençoe! m Mensageiro | Junho 2012 5
  6. 6. | adoração e louvor |Qual é a “novidade”para o culto hoje?O pastor de uma pequena os sacramentos segundo a vontade de Deus te em Cristo temos a verdadeira solução congregação está atribulado e que cuide do bem-estar espiritual daqueles de todos os nossos pecados. Em outras porque não consegue realizar que lhe foram confiados. palavras, o pastor precisa equilibrar Lei e cultos “mais dinâmicos”. Al- Evangelho. A Lei mostra nossa realidade deguns congregados estão reclamando, com Como o pastor vai fazer isso pecadores, e o Evangelho aponta para Cristoele, que está faltando “vida e emoção” em nas congregações? como solução única para nossos pecados eseus cultos. O pastor é muito tímido, fica Bem, começando com os cultos, a Ordem para nos garantir a Vida Eterna.somente no púlpito para fazer sua pregação, de Culto precisa apresentar Cristo como Mas, tudo isso não pode ser apresentadonão sabe lidar muito bem com Datashow e centro, como aquele que vai perdoar nossos de forma dinâmica, alegre, usando recursostambém não é bom para “animar” as pesso- pecados e como aquele que vai nos motivar modernos para chamar atenção? Em princípioas durante o culto. Segue apenas a liturgia, a louvar a Deus. Para tanto, a liturgia precisa sim. Podemos utilizar de recursos modernos ee não há momentos em que o povo seja apontar para Cristo, incluindo a Santa Ceia didáticos para apresentar a Palavra de Deus.levado a “sentir” melhor a presença de Deus. que vai nos selar o perdão com o recebimen- Contudo, sempre é bom lembrar que não são to do corpo e do sangue de nosso Salvador os meios de apresentação da mensagem que O que um pastor realmente através do recebimento do pão e do vinho. são importantes, mas, sim, a mensagem em deve fazer? A pregação precisa ter Cristo como centro, si. E essa mensagem precisa ser proclamada. No dia de sua instalação na congregação, apontar para a realidade pecaminosa em Os melhores e mais modernos recursoso pastor prometeu fazer o seguinte na con- que nos encontramos e mostrar que somen- podem ser utilizados, mas, se a centralidadegregação, conforme a Ordem de Instalação de Cristo não estiver na mensagem, nãode Pastor: “Como servo do Senhor Jesus na será Palavra de Deus. E se recursos, comoTerra, é seu dever pregar e ensinar a dou- sair do púlpito, fazer encenações e utilizartrina pura da Palavra de Deus, ministrar O grande show é a Palavra Datashow, chamarem atenção sobre sios santos sacramentos conforme a ordem mesmos e nos desviarem a atenção sobre ade Cristo, instruir as crianças e os jovens, que se fez carne e habitou mensagem, de nada adiantou tê-los. Aliás,admoestar os pecadores, ajudar os fracos entre nós, cheia de graça e o púlpito serve de recurso especial para nãona fé, ir atrás dos perdidos, confortar os chamar a atenção sobre o pastor, e sim sobre verdade. E essa é a grandeaflitos, amparar os necessitados, visitar a mensagem que está sendo pregada. Umaos doentes, consolar os abatidos, enfim “novidade” para todos os mensagem fora do púlpito sempre correrácuidar de todas as pessoas que lhe foram cultos. o risco de chamar a atenção sobre a pessoaconfiadas, sempre orando pelo bem-estar do pregador ao invés de chamar a atençãoespiritual delas”. Portanto, segundo o que sobre o conteúdo da mensagem. O púlpitoestamos pedindo de nossos pastores no dia restringe o pastor a ficar no mesmo lugar,da sua instalação, queremos que ele pregue não podendo circular diante do povo e co-corretamente a Palavra de Deus, administre meçar a chamar a atenção sobre si mesmo.6 Mensageiro | Junho 2012
  7. 7. Os hinos e a A ordem de culto do Hinário é sempre a mesma? O que fazer quando em uma congre- liturgia nogação se utiliza quase sempre a Ordem deCulto do Hinário Luterano, e não há grandesvariações de culto para culto? Em primeiro culto luteranolugar, não é verdade que não haja variaçõesquando se utiliza sempre a liturgia que estáno hinário. Os “Próprios do Dia” (oração,chamada, coleta, leituras bíblicas e hinos) fotoS: arquivo editora concórdiasempre serão diferentes a cada culto. E essavariação é a “novidade” que cada cultoapresenta. E é essa “novidade” que real-mente precisamos, pois a cada culto novaspartes da Bíblia nos serão apresentadas, demaneira que a cada ano uma visão geral detoda a Bíblia nos é apresentada. Mas cultos com grandes recursos, no-vidades, boa música, esforço especial paraque tudo seja o mais lindo e perfeito possí-vel não têm lugar em nossas celebrações?Certamente que têm. No entanto, assimcomo no dia a dia não podemos sempre terbanquetes, pois isso nem seria muito útilpara nossa saúde, também nossos cultospodem ser simples, mas com conteúdoadequado e, em momentos especiais, certa-mente faremos também esforços especiaispara adornar a mensagem com emoçõesespeciais. D Não há nada de errado com pastoresque não sabem ser showmen. O grande e algum tempo para cá, nota-seshow é a Palavra que se fez carne e habitou um significativo acréscimo eentre nós, cheia de graça e verdade. E essa variedades no que se refere à A função da músicaé a grande “novidade” para todos os cultos. música no culto. Muito disso é no cultoSem essa “novidade,” os nossos “novos devido ao lançamento de novos cancionei- É preciso, antes de qualquer atitude,pecados” que cometemos diariamente não ros, como também pela importação de mú- analisar qual a função da música no cultoteriam perdão. sicas de outras igrejas, bandas ou cantores cristão. Se a função da música é fazer com m famosos no rol dos evangélicos. que as pessoas pulem de alegria, batam pal- Raul Blum | Professor de Teologia Prática Paradoxalmente, porém, ao mesmo mas e saiam da igreja cansadas de tanto agi- do Seminário Concórdia, São Leopoldo, RS. Membro da Comissão de Culto da IELB. tempo em que há crescimento também se to, músicas como “Estou alegre” (Celebrai, tem prejuízo. Algumas congregações não 36) e até mesmo “Pai Abraão” caem muito exatamente aumentaram o seu repertório bem. Já, se a função da música é tomar os musical. Muitas delas trouxeram músicas corações de emoção e até tristeza, então um novas ao contexto do culto, no entanto, têm coral bem preparado cantando “Ó fronte A mensagem precisa ser abandonado o Hinário Luterano (HL). ensanguentada” (HL, 88) pode facilmente Há os que alegam que a Igreja precisa alcançar o objetivo. proclamada. Os melhores de mais músicas. Mas será que já cantamos De fato, a música tem poder para conse- e mais modernos recursos todos os 573 hinos do Hinário Luterano? guir ambos, tanto a alegria quanto o pesar. Outros alegam que os hinos são muito Porém, a função da música no culto parece podem ser utilizados, mas, “parados” ou são “todos iguais”. De fato, ter um papel bem mais abrangente. Não se a centralidade de Cristo quando não obedecemos à partitura musical serve apenas para tocar os corações, mas o Hinário, pode até se tornar chato, enfastio- também para falar-lhes. A música precisa não estiver na mensagem, so, “monótono”. Assim, argumentos desse falar aos corações a Palavra de Deus. É por não será Palavra de Deus.” tipo não me parecem satisfatórios. esta Palavra que eles precisam ser tocados. Mensageiro | Junho 2012 7
  8. 8. | adoração e louvor | Quando a emoção passa a tomar conta Hinário em casa – nem sempre cantava, A música é parte dodesse espaço e obstaculiza a penetração des- apenas refletia nas palavras dos hinos. Anosta Palavra, não permitindo que as pessoas culto – razão por que os depois, essa mesma menina disse que taissintam ao cantar a força e a ação da Palavra hinos precisam ser bem letras lidas muito a ajudaram, consolaramde Deus em suas vidas, a música perdeu o e encorajaram em momentos de dificuldadeseu foco. A alegria no culto deve partir da escolhidos para que todos e sofrimento.Palavra divina, não da emoção humana. É eles apontem para aquilo É realmente uma pena que aqui este-uma alegria diferente. Em outras palavras, jamos esfriando. Pouco resta daquele sen-quando as emoções se sobrepõem à reflexão que é o tema central timento bonito que faz um luterano dizerno conteúdo bíblico, transmitido através da naquele dia. com orgulho: este é o meu hinário! Estaletra da música, esta não está sendo usada é a minha Bíblia! Eles me acompanham ada melhor maneira para o culto. Talvez, vários lugares e é impensável que eu váfosse até melhor um culto à moda Idade Vinde, fiéis” (HL, 36) durante o período da à igreja sem leva-los comigo. Como diz oMédia, onde os membros praticamente não quaresma? O que toda a alegria do Natal velho ditado, é o mesmo que ir para a roçaparticipavam. tem a ver com o sofrimento vicário de Cris- sem enxada. to relembrado nos 40 dias que antecedem Evidentemente, este texto não pretende A música é parte a Páscoa? rejeitar e abolir da IELB qualquer música do culto E quanto ao que foi dito, o Hinário Lute- que não seja do Hinário Luterano. Nossos Lutero chega a dizer que a música não é rano não fica devendo em nenhum ponto. compositores e músicos precisam ser va-uma pausa no culto (como se pensa às ve- Há doutrina correta, lindas melodias, arran- lorizados. Músicas novas são bem-vindas,zes), mas é parte do culto como adoração. jos excelentes – no caso do Cantai Louvor desde que adequadas ao culto cristão eA música é parte do culto – razão por que –, letras para todas as ocasiões. Há hinos apontando sempre, direta ou indiretamente,os hinos precisam ser bem escolhidos para alegres, reflexivos, exortativos, encoraja- para Cristo.que todos eles apontem para aquilo que é o dores que tocam e falam ao nosso coração. E sobre a liturgia? Fica para uma pró-tema central naquele dia. Se é justificação: Sem dúvida, é uma abençoada herança que xima ocasião. mhinos de justificação; se é santificação: a IELB tem ao seu dispor.hinos de santificação; quaresma: hinos Um exemplo bem prático e verídico: Edenilson Gass | Teologando dode quaresma. Já pensou em cantar “Oh! certa menina costumava ler os hinos do Seminário Concórdia, São Leopoldo, RS Mensageiro luterano Online INFORMAÇÕES GERAIS MENUS INTERATIVIDADE * Estão disponíveis as primeiras * Na parte superior da tela (faixa Você pode interagir com o Men- edições de 2012. branca), há opções para você recomen- sageiro Luterano online. Sempre que * O acesso por enquanto é gratuito. dar a edição, comentá-la, entrar em aparecer um quadro azul piscando, Em breve, iniciaremos um plano de contato com a equipe do Mensageiro, ou você terá possiblidade de interagir po- assinaturas para esta modalidade. compartilhar a revista nas redes sociais. dendo: enviar e-mail, acessar outros * Para folhear as edições, clique A função imprimir está desabilitada. sites relacionados à matéria, blogs de nos cantos superiores ou inferiores das * Para acessar a edição desejada, congregações, fotos, vídeos, etc. páginas. selecione Edições no lado esquerdo da * Para aumentar o tamanho da pá- tela e depois clique na capa desejada. FEEDBACK gina, clique nela e depois use o “scroll” * Em Índice, você pode encontrar as Amigos internautas, façam-nos uma (bolinha do mouse) para o zoom. divisões por editoria, clicando você vai visita ao nosso novo site e nos enviem as direto para a editoria escolhida. suas avaliações, sugestões, etc. * Em Sumário, você escolhe a pági- Agradecemos a todos! na que quer ler. www.mensageiroluterano.com. br8 Mensageiro | Junho 2012
  9. 9. | EM FOCO | Marcos Schmidt Pastor em Novo Hamburgo, RS| marsch@terra.com.br foto: arquivo editora concórdiaLoucuras do amorD iz a lenda que é o Cupido que provoca a paixão nos namora- dos ao acertar o coração destes com suas flechas. Tambémconhecido na mitologia grega por “deusEros”, este menino com asinhas sai voandopor aí, e são poucos os que escapam de seusarremessos. Já o Dicionário Aurélio explicaque “paixão é o sentimento ou a emoçãolevados a um alto grau de intensidade,sobrepondo-se à lucidez e à razão”. Naverdade, um devaneio que pode suscitarcrimes passionais ao exemplo do jovemLindemberg que, em 2008, sequestrou ematou a ex-namorada Eloá. Mas quem nunca ficou apaixonado?Será que existe alguém imune a este vírus mãe do deus Eros: “Fujam da imoralidade “Brasileiros estão casando mais, e o mer-arrebatador – sentimento característico na sexual! Qualquer outro pecado que alguém cado comemora faturamento com festasadolescência e até imperioso para encontrar comete não afeta o corpo (...) Será que vocês cada vez mais incrementadas” (Zero Hora,a outra metade? Ninguém namora e se casa não sabem que o corpo de vocês é o templo 12/05/2012). Este faturamento é estimadosem ficar nas nuvens, a não ser que esteja do Espírito Santo?” (1 Coríntios 6.18-19). O em 14 bilhões de reais. No meio deste co-pressionado ou com outros interesses. Mas apóstolo não deixa de dar conselhos também mércio, tem até empresas de eventos quedizem que o “amor paixão” dura uns dois aos casados, aos solteiros e às viúvas: “Já que simulam a cerimônia religiosa do casamentoa três anos. E depois? Dramaticamente existe tanta imoralidade sexual, cada homem para noivos que não tem Igreja.tudo vira “Romeu e Julieta” se as flechas do deve ter a sua própria esposa, e cada mulher, “Grave o meu nome no seu coração eEspírito Santo não estiverem em ação. Diz o seu próprio marido”. Será que isso ainda no anel que está no seu dedo. O amor é tãoa Bíblia – e não é mito – que o Espírito vale nestes tempos de “assim você me mata, poderoso como a morte; e a paixão é tãodivino desceu vestido de pomba no ai se eu te pego, ai ai se eu te pego”? forte como a sepultura. O amor e a paixãoBatismo de Jesus e em línguas de A própria cerimônia de casamento se explodem em chamas e queimam comofogo no Pentecostes, e desde então transformou em paixão fantasiosa, algo fogo furioso” (Cânticos 8.6). Esse poema dovem acertando o coração das pesso- parecido como foi numa cidade da Serra rei Salomão, e todo o livro, mostra o ladoas com o Evangelho para infundir o Gaúcha no ano passado. Vestidos de Fiona sadio e bonito da paixão entre um homemamor ágape. Faz isso para apagar as e Shrek, o desejo dos noivos diante do altar e uma mulher. Alguns intérpretes dizemchamas ardentes da natureza huma- de uma igreja explica bem a síndrome do que se trata da figura do relacionamentona, o fogo das ciúmeiras, dos acessos fazer de conta e brincar com o que é sério. íntimo entre Cristo e a Igreja – aquela quede raiva, da ambição egoísta. E no lu- Os padrinhos com roupas de príncipes e vem “de Deus, enfeitada e preparada, ves-gar acende paz, paciência, delicade- princesas, os pais dos noivos de reis e rai- tida como uma noiva que vai ser encontrarza, bondade, fidelidade, humildade e, nhas, as crianças com alegorias de Dragão, com o noivo”(Apocalipse 21.2). Por isso ao mais importante, domínio próprio Burrinho, Branca de Neve, os convidados palavras finais do poema “Venha depressa,(Gálatas 5.19-24). caracterizados dos contos infantis – uma meu amado”. Uma pressa pelo forte desejo Este amor é eterno, defende Paulo em 1 cena surreal que diz tudo sobre esta socieda- de ficar junto, tanto que se tornou a “loucu-Coríntios 13. Na mesma carta, ele adverte de de castelos arenosos. Castelos que estão ra da cruz”. Sem dúvida, uma bela imagemos cristãos que se prostituiam com as sa- proporcionando muito lucro e alimentando para esta atração que pode ser um pedaçocerdotizas no templo da deusa Afrodite, a outra paixão. Conforme uma reportagem, do Céu ou do inferno aqui na Terra. m Mensageiro | Junho 2012 9
  10. 10. | CAPA | Igreja? Afinal, o que é Em 25 de junho, completam-se 482 anos desde que a Igreja Evangélica Luterana na Alemanha começou a se organizar, manifestando a sua fé com a Confissão de Augsburgo (CA). Podemos chamar esta confissão de fé de “certidão de nascimento” da Igreja Luterana ou o seu registro de DNA. Após 374 anos, no dia 24 de Junho de 1904, em São Pedro do Sul, RS, foi fundada a nossa querida Igreja, que mais tarde adotou o nome Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB). A Confissão de Augsburgo faz parte da sua documentação de nascimento e de seu DNA. As duas datas mencionadas são o motivo por que refletimos neste artigo sobre algumas verdades principais desta confissão. Fazemos isso na intenção de fortalecer a confissão da nossa fé hoje. Afinal, o que é Igreja? coisas acontecem de acordo com a minha vontade Compreendemos as nossas confissões de fé e os meus sentimentos... Ou de acordo com o líder Karl H. G. Auel* da mesma forma como entendemos a confissão espiritual que eu escolhi. É um grupo social onde Pastor emérito de Pedro, registrada no Evangelho segundo São eu me sinto bem! Rio de Janeiro, RJ Mateus 16.13-19: são respostas da fé verdadeira, Por isso, novamente a pergunta: Afinal, o que operadas por Deus Espírito Santo, através da Pa- é Igreja? lavra de Deus. Como estas confissões se baseiam O próprio reformador Martinho Lutero, nos na Palavra de Deus, a CA não é somente um do- “Artigos de Esmalcalde”, que é outro documento cumento histórico interessante, mas é a expressão confessional da nossa Igreja, diz assim: “Graças a autêntica da fé verdadeira. Deus, uma criança de 7 anos sabe o que é a Igreja, Focalizamos especialmente os artigos 5, 7, 8 e 14 da a saber, os santos crentes e os cordeiros que ouvem CA, que podem ser encontradas no Hinário Luterano. a voz de seu Pastor” (AS 12º). “Até hoje está se Cristãos confessam frequentemente com o procurando esta criança”, comentou alguém de Credo Apostólico “creio no Espírito Santo, na maneira jocosa, e com uma boa pitada de ironia, Santa Igreja Cristã”, ou confessam com o Credo ao apresentar essas palavras de Lutero. Será? A nossa Niceno “Creio numa única Santa Igreja Cristã”, mesmo tendo em vista as tantas igrejas que nos Afinal, o que é Igreja? Confissão cercam. Será que sabemos sempre bem o que assim O reformador Martinho Lutero sabia das muitas afirma aquilo confessamos como cristãos luteranos? respostas que se pode dar a essa pergunta... Mais Para alguns, é um prédio a igreja que frequen- ainda, no fervor das disputas da época da Reforma, que é essencial tam dominicalmente: a igreja do castelo de Wit- quando Roma dizia que era a única Igreja. Por outro e indispensável tenberg; a igreja São Pedro de Roma... lado, Lutero queria apontar com a sua resposta para para a Igreja e o Para outros, igreja é uma denominação, uma a certeza da fé cristã, que já uma criança com 7 anos organização, uma sociedade religiosa cristã que se pode ter quando confessa com o Credo: “Creio na que caracteriza organizou: a Igreja Católica Romana; a Igreja Evan- Santa Igreja Cristã, a comunhão dos santos”. Igreja são a verdadeira gélica Luterana; a Igreja Batista, a Igreja Adventista... os que ouvem e que seguem a voz do Bom Pastor Jesus! Para alguns outros, nem é igreja, e sim é EUgre- Isso todos nós também compreendemos. E Igreja de todos os ja. É um grupo religioso, social, onde vão cultivar o uma criança de 7 anos que conhece a voz do Bom tempos. seu EU, a sua espiritualidade! É um grupo onde as Pastor Jesus através da Escola Bíblica e na convi-10 Mensageiro | Junho 2012
  11. 11. foto: arquivo editora concórdia sacramentos, pelos quais, como por meios, dá o Espírito Santo, que opera a fé, onde e quando lhe apraz, naqueles que ouvem o Evangelho”. Em outras palavras, os cordeiros somente podem ouvir a voz do Bom Pastor Jesus onde e quando o Evangelho é proclamado e os sacramentos são administrados. Sem a “palavra física” do Evange- lho, isto é, sem a proclamação e o ensino claro da Palavra de Deus, não se pode ouvir a voz do Bom Pastor Jesus; não pode surgir a fé; ninguém pode confessar como Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Portanto, também não poderá haver a Igreja que Cristo prometeu edificar e conservar. Da mesma forma, o apóstolo Paulo na carta aos Efésios (4.1-16) lembra que Cristo mesmo concedeu o Ministério da Palavra para a edificação do corpo de Cristo, que na linguagem de Paulo é a Igreja. A Igreja começa com Cristo. A Única Santa Igreja Cristã são os cristãos que vivem em torno da pregação pura do Evangelho e da administração dos sacramentos de acordo com o Evangelho (7º Artigo da CA). O Evangelho, isto é, a mensagem principal da Escritura Sagrada, que inclui a pregação da Lei de um lado e que, por outro lado, inclui o uso correto dos sacramentos (Batismo e Santavência de seus pais cristãos também assimila e Ceia), é a garantia da Igreja de Cristo. A Igreja nãoconsegue expressar essa verdade! E essa criança depende de cerimônias, tradições ou formas desabe também que ouvir a voz do Bom Pastor impli- organização estabelecidas pelos homens. Nessasca em confiar e seguir, isto é, obedecer a essa voz. formas externas da Igreja sempre houve e sempre Com isso, tanto a criança como também nós haverá uma grande diversidade e liberdade detemos uma resposta clara e prática a nossa per- agir dos cristãos.gunta: Afinal, o que é Igreja? São as pessoas que Sem a “palavra O que não pode mudar são os meios da graçaescutam e que seguem a voz de Jesus. que o Senhor da Igreja, Jesus Cristo, estabeleceu: Essa resposta, mesmo parecendo um tanto física” do a pregação do Evangelho e o uso do Batismo, dasimplória, em verdade deixa bem claro que, na Evangelho, absolvição e da Santa Ceia. Porque é através dessesépoca de Lutero, ainda havia a preocupação com meios que se ouve a voz do Bom Pastor Jesus. Éa “Única Santa Igreja Cristã e Apostólica” que isto é, sem a através desses instrumentos que Deus Espíritoconfessamos no Credo Niceno. Ninguém ainda proclamação e o Santo quer operar a fé salvadora no coraçãoconhecia e muito menos se acostumara com a humano. Além disso, somente essa fé conduz avariedade de igrejas diferentes, que fazem parte do ensino claro da confissão verdadeira, como conduziu o apóstolonosso dia a dia. Mas, o fato é que, em consequência Palavra de Deus, Pedro, e integra na Igreja de Cristo.dos movimentos da Reforma do século 16, muitas Esta compreensão clara tem um firme fun-igrejas diferentes surgiram. E algumas se arrogam não se pode ouvir damento bíblico, que agora não podemos exporo direito de ser a “Única Santa Igreja Cristã”! a voz do Bom em detalhes. Ela nos faz compreender também Por isso, nós hoje, não perdendo de vista essa Pastor Jesus; não que, apesar de todos os abusos na Igreja Roma-resposta sucinta de Lutero, fazemos bem em ou- na, Martinho Lutero e outros reformadores, emvir como a CA esclarece melhor essa resposta em pode surgir a fé; determinada época, estavam dispostos até a sedetalhes decisivos e essenciais. ninguém pode submeterem ao governo do papa, desde que este permitisse a pregação pura e clara do Evangelho. A Igreja sempre confessar como Ao não permitir isso, o próprio papa deixou o fun- começa com Cristo Pedro: “Tu és o damento no qual Cristo prometeu edificar a sua Assim lemos no 5º Artigo da CA: “Para con- Igreja. Em resumo: A pregação pura do Evangelhoseguirmos esta fé (salvadora), instituiu Deus o Cristo, o Filho do e o uso correto dos sacramentos são as marcasofício da pregação, dando-nos o Evangelho e os Deus vivo. claras e essenciais da Igreja. Mensageiro | Junho 2012 11
  12. 12. | CAPA | A eficácia da pregação do mas que não conhece bem a voz do Bom Pastor Evangelho e dos sacramentos Jesus e sequer faz parte de seu rebanho, se levante Os confessores de Augsburgo, bem como já para enganar as pessoas e para dispersar a igreja, outros pais da Igreja de épocas anteriores, acha- o rebanho de Cristo. ram por bem afirmar que a eficiência dos meios Infelizmente, vivemos num mundo em que da graça (Evangelho e sacramentos) não depende esse artigo é amplamente pisado com os pés. Em da santidade dos ministros da Igreja (8º Artigo da consequência disso, estamos cercados de muitos CA). De maneira alguma quer se ensinar que os pregadores e “eugrejinhas” que anunciam “um ministros da Igreja não devam observar as normas outro evangelho” que não é de Cristo e que abusam de santificação que a Escritura Sagrada estabelece dos sacramentos, prejudicando a edificação da para o Santo Ministério (cf. 1 Tm 3.1-7; Tt 1.6-9). Igreja de Cristo. Tanto os membros das igrejas como especifica- Jesus Cristo, o Senhor da Igreja, ele mesmo mente os seus ministros são chamados para zelar concede os ministros a sua Igreja, e ele faz isso por um ministério exemplar... por meio da própria Igreja, dos que ouvem e que No entanto, quem dá poder aos meios da graça, seguem a voz do Bom Pastor. Mesmo o apóstolo quem opera por meio deles, é o próprio Deus: Ele Paulo, que recebeu um chamado direto do Senhor opera a fé; Ele perdoa pecados; Ele faz renascer; Ele O que não Ressuscitado, é reconhecido no seu ministério, no mesmo dá o seu corpo e sangue sob os elementos seu apostolado, pelos demais apóstolos e cristãos da Santa Ceia, para assegurar perdão dos pecados, pode mudar através da pureza do Evangelho que proclamou. vida e salvação, aos que creem em suas palavras. são os meios Quanto mais nós hoje, como comunidades lu- Ele mesmo edifica assim a sua Igreja. E a nossa fé e teranas e IELB, devemos observar esse artigo. da graça que o Vamos orar e zelar para que muitos cristãos se o nosso pertencer à Igreja de Cristo dependem do poder ligado a esses meios. É para o nosso bem que Senhor da Igreja, qualifiquem para o Ministério da Igreja. Vamos não dependem dos ministros ou das testemunhas. Jesus Cristo, animar e enviar jovens para o nosso seminário, “O Evangelho de Cristo é o poder de Deus”, diz o apoiar sua formação com ofertas e orações. Vamos apóstolo Paulo na carta aos Romanos, para que a estabeleceu: a dar condições para que possam receber uma ótima nossa fé não seja baseada em homens falhos. pregação do formação e capacitação a fim de saberem procla- Os ministros são embaixadores de Deus, seus mar o Evangelho em toda sua pureza e administrar representantes, por meio dos quais Deus mesmo Evangelho e o os meios da graça de acordo com o Evangelho. age. Todavia a eficiência da pregação do Evangelho uso do Batismo, Assim não faltarão ministros para chamar e e dos sacramentos não dependem de seu carisma enviar para a edificação da Igreja de Cristo, pelos ou de seu poder ou de sua santidade. da absolvição e meios que são essenciais para isso: a pregação pura da Santa Ceia. do Evangelho e a administração dos sacramentos O zelo na pregação do de acordo com o Evangelho. Pois, é isso que ca- Evangelho e NA administração racteriza a Igreja. dos sacramentos Mesmo assim os pais da Confissão de Augs- Afinal, o que é Igreja? burgo sabem da importância que o ministério tem Assim perguntamos para analisar os artigos 5, 7, para a Igreja de Cristo. Por isso afirmam, no 14º 8 e 14 da CA. Nas respostas, deparamo-nos sempre artigo da CA, que sem chamado regular, ninguém de novo com a voz e os cuidados do Bom Pastor deve publicamente ensinar ou pregar ou adminis- Jesus, que experimentamos na pregação pura do trar os sacramentos na Igreja. Evangelho e na correta administração dos sacramen- Vimos que a pregação pura do Evangelho e a tos. Dessa forma, a nossa confissão afirma aquilo administração dos sacramentos de acordo com o que é essencial e indispensável para a Igreja e o que Evangelho são essenciais para a edificação da Igreja! caracteriza a verdadeira igreja de todos os tempos. Esse 14º artigo quer tão somente assegurar isto: a pu- Por isso, sem problema nenhum, podemos reza do Evangelho e o uso correto dos sacramentos. fazer uso da palavra IGREJA quando falamos dos Ele não quer impedir o testemunho de fé dos prédios erguidos para esta mesma finalidade e crentes. Não quer impedir que falemos da nossa fé quando falamos das organizações humanas, a e do Evangelho aos nossos filhos, amigos, colegas qualquer nível, que visam de fato a proclamação ou outras pessoas que encontremos em nossos do Evangelho de Cristo. Já os grupos onde preva- caminhos, ou em ocasiões especiais que exigem lece o EU do pregador ou dos membros sobre as o nosso testemunho. palavras do Bom Pastor, onde predomina a busca Esse artigo quer impedir que qualquer pessoa, por bens materiais e prosperidade, não merecem que sente ou imagina algum “chamado interno”, o titulo de igreja.12 M ensageiro | Junho 2012
  13. 13. Finalmente, convém lembrar que além das Igreja são os foto: arquivo editora concórdiamarcas que são essenciais e que não podem faltarna Igreja, há também outras marcas ou sinais. Não que ouvem e quesão lembrados nesses artigos da CA, mas com- seguem a vozplementam a descrição e definição: Precisamoslembrar com Lutero: a oração e o louvor, a santi- do Bom Pastorficação de vida, a cruz e o sofrimento. São marcas Jesus!que também acompanham sempre aqueles queouvem e que seguem a voz do Bom Pastor Jesus. Quem assim ouve a voz do Bom Pastor Jesuse segue a ele, buscando a certeza da salvação nosmeios que ele oferece, pertence à Igreja de Cristoneste mundo e na eternidade, e sabe o que é Igreja. E assim ele dirá e confessará também comoo apóstolo Pedro: “Senhor, para quem iremos?Tu tens as palavras da Vida Eterna, e nós temoscrido e conhecido que tu és o Santo de Deus” (João6.68,69). Amém. Amado Pai Celestial, conceda-nos sempre essaconfissão e nos conserve com fidelidade nesta tuaIgreja, por meio do Evangelho e dos sacramentos.Assim e assim seja! Amém. m * Artigo adaptado de uma pregação do próprio autor naCongregação Paz, Rio de Janeiro, de uma série de sermões sobre a Confissão de Augsburgo, em outubro 2010.Igrejas e pastores feridos caminhos para a reconciliação Dor. Sofrimento. Angústia. Raiva. Decepção. linguagem e comunicação deficientes; desonesti- Abandono. Uma igreja ferida. Um pastor ferido. dade; pecados que causam escândalo; incompre- Brigas não resolvidas, conflitos que parecem inter- ensão ou indefinição de funções. Seja o que for, mináveis... No fim, feridas de difícil cicatrização, dificilmente há alguém que não tenha presenciado possíveis rupturas na congregação e doloridos ou vivido situações em que pastor e congregação passos na recuperação. se sentem feridos, machucados, magoados. A dor não diferencia funções ou atividades. Quando sofremos, não há cargo ou ofício que seja Pastor e congregação: diferenciado pela dor. A dor é do ser humano, do uma relação imperfeita indivíduo. As feridas no corpo de um médico não A relação entre pastor e congregados é imper- são tratadas de forma diferente do que as feridas feita, como qualquer outra relação humana. No em seu paciente. entanto, as expectativas no relacionamento entre Na relação entre pastor e congregação, muitas pastor e congregação costumam ser altíssimas. feridas podem ser abertas e por vários motivos: As congregações buscam um perfil de pastor a incompreensão das necessidades do pastor ou para sua própria realidade e para seus planos. Então, da congregação; a incapacidade de adaptação; o pastor que é chamado chega ao seu local de traba- Mensageiro | Junho 2012 13
  14. 14. | CAPA | Outra pesquisa do The Fuller Institute, Geor- ge Barna, and Pastoral Care Inc. (disponível em fotoS: arquivo editora concórdia http://pastoralcareinc.com/WhyPastoralCare/ Statistics.php) conclui que a principal razão de pastores deixarem o ministério é o sentimento de que as pessoas da Igreja não querem seguir a mesma direção e o mesmo objetivo do pastor. E as igrejas que se sentem feridas? Em conver- sas com líderes, ouvem-se razões diversas como pastores que abusam da autoridade, trabalho mi- nisterial desinteressado, palavras mal usadas, cul- tos sem preparo adequado, desinteresse crescente pela saúde do rebanho, despreparo e orgulho. Aprendendo a viver numa relação imperfeita Seja o que for que as causem, as feridas precisam de tratamento. O que nem sempre é fácil, tanto para pastores como para congregações. Estudos mos- tram que, feridos, os pastores geralmente demoram a procurar ajuda ou simplesmente não a procuram, muitas vezes, pela vergonha da “fraqueza”. Todavia, pastores também precisam ser pasto- lho já como o líder idealizado pela congregação. Por reados, afinal, também são ovelhas necessitadas outro lado, o pastor também pode, em um natural de orientação e cuidado. O pastor que vive sem desejo de recomeço, de “novos ares”, ansiar por uma cuidado espiritual, afirma Bonheffer (“Spiritual super-congregação, ou mesmo, por um local com Care”), “facilmente move-se em direção à magia “menos problemas” que no anterior. Tais expecta- e à dominação de outros, assim torna-se incapaz tivas, se não realizadas, podem causar conflitos. de ser fiel; pode chegar ao ponto de pregar, ad- Como afirmou Agreste: “Muitas de nossas frus- ministrar sacramentos, cumprir as obrigações do O amor trações, como pastores, decorrem do fato de que ofício, mas sem fé; de modo que o ofício se torna nos leva à esperamos da Igreja mais do que o próprio Deus uma maldição”. espera dela. A Igreja, por sua própria mensagem Também as pressuposições de Bonheffer para o preocupação de graça, atrai para si pessoas tremendamente caminho do cuidado espiritual podem nos ajudar genuína com complicadas e não resolvidas, assim como eu e a pensar no tratamento das feridas, indicando você” (Ricardo Agreste in www.ultimato.com.br/ como congregados e pastores podem trilhar um o outro, com o revista/artigos/291/pastor-igreja-uma-relacao- caminho de reconciliação, de cura: ferido. Seu pastor -conjugal-em-crise/ricardo+agreste). Pérsio R. Gomes de Deus, no seu “Um Estudo A) Oração constante se sente ferido? da Depressão em Pastores Protestantes”, indica Colocar-se sempre diante de/sob Deus, pois a Ouça-o. Sua em sua pesquisa as causas (indicadas pelos pas- relação entre as pessoas na Igreja não é imediata tores) de feridas no ministério: estresse relacio- – Cristo está entre nós! É sob sua aliança, sob sua congregação amizade, vontade e perdão que se constrói a Igreja nado ao exercício da atividade pastoral, baixa está magoada? remuneração, problemas de relacionamento e que seu Reino é vivido (Hb 4.16 – Cheguemos Ouça as pessoas. conjugal, pecado e enfraquecimento da fé, ação do perto do trono divino, onde está a graça de Deus. demônio, falta de apoio e compreensão da Igreja Ali receberemos misericórdia e encontraremos Ouça em amor (entendida como organização), problemas de graça sempre que precisarmos de ajuda). e em verdade, relacionamento com membros das igrejas locais, cobrança das igrejas sedes e dos membros das B) Ouvir a Palavra de Deus em espírito de comunidades, mudanças constantes dos campos Diz Bonheffer que “nenhuma psicologia é oração, levando ministeriais. Em 2008, a arquidiocese de Caxias capaz de me ajudar a achar o caminho até a alma do Sul, em publicação da Unisinos, apresentou de outra pessoa”. Novamente, o Pastor Jesus é antes tudo a estudo mostrando que 28% de padres e freiras se quem precisa mediar nossas relações, quebrando Deus declararam emocionalmente exaustos. o orgulho, relembrando nossa imperfeição. Para14 Mensageiro | Junho 2012
  15. 15. curar feridas, o Médico deve ser consultado. Ele, res (o que talvez seja o mais comum), prontos atécom seu Espírito Consolador, é quem transforma para oferecer a outra face. Nesse amor, pastoresmentes e corações. Neste caso, o médico é o re- podem sempre olhar para Jesus e sua perguntamédio. Em Cristo, podemos (pastores) ouvir os a Pedro: “Você me ama?” e, desarmados, buscarconselhos de Paulo sobre o ministério pastoral cura e reconciliação com o outro dizendo: “Sim,(1 Tm 3) e, mesmo sob o peso dos deveres, ainda Senhor, tu sabes que te amo”. Ao falar sobre essecrer que “se alguém quer muito ser bispo na Igreja, texto, Lutero afirma que sem amar a Jesus, o tra-está desejando um trabalho excelente”. Em Cristo, balho do pastor é impossível: “Pois quem deseja ea congregação ferida pode achar o caminho da anseia sofrer ingratidões, comprometer a saúde ereconciliação com seu pastor, sob Lei e Evangelho, O que nos une bens para estudar e, então, colocar-se sob o maiorcomo comunidade terapêutica da fé, ensinando, em congregação perigo? É por isso que ele (Jesus) diz: É realmenteorientando e consolando seu pastor. O que leva à necessário que você me ame” (Tischreden Weimar,terceira pressuposição de Bonheffer: cristã não 6, 67999). Sob o amor e a graça, congregados feri- são sonhos dos podem também quebrar barreiras e buscar paz C) Ouvir a outra pessoa com o pastor, superando raivas não simplesmente “Nosso amor pelo outro consiste, antes de humanos, em prol do Reino como discurso generalizante,tudo, em ouvir.” Pastor e congregação precisam percepções de mas por amor a outro membro do corpo de Cristo.ouvir um ao outro. E ouvir nem sempre é fácil O que nos une em congregação cristã não são so-quando se está ferido. Ouvir sobre seus erros, santidade, ou nhos humanos, percepções de santidade, ou mesmosobre as expectativas frustradas pela falta de mesmo os dons os dons de líderes, mas o próprio Cristo, o Deus Paideterminados dons, sobre suas imperfeições, de líderes, mas de amor, que com seu Espírito Santo nos faz corpoexige uma dose grande de amor e humildade. (1 Co 12) – um corpo ainda imperfeito, guerreando,“Que a vida de vocês seja dominada pelo amor”, o próprio Cristo, militante, um rebanho carente do Bom Pastor, po-diz o apóstolo Paulo (Ef 5.2). Sob esse domínio, o Deus Pai de rém um corpo especial em que cada membro sofrepodemos “usar palavras boas, que ajudam os ou- a ferida do outro, seja qual for sua função no corpo;tros a crescer na fé” (Ef 4.29). O amor nos leva à amor, que com e Cristo é a cabeça. Ainda bem! mpreocupação genuína com o outro, com o ferido. seu Espírito Seu pastor se sente ferido? Ouça-o. Sua con-gregação está magoada? Ouça as pessoas. Ouça Santo nos faz Fernando Henrique Huf | Pastor da IELBem amor e em verdade, em espírito de oração, corpo na Hora Luterana, São Paulo, SPlevando antes tudo a Deus, e sob a Pa-lavra, sob Cristo, que se coloca entreas pessoas como o Pastor que sabe,efetivamente, lidar com ovelhas. Para trilhar o caminho dareconciliação, precisamos relem-brar quem somos: os mendigosda graça, os vasos de barro, osdiscípulos indignos, mas ama-dos. Somos os que olham para aBíblia não como um manual deinstruções, mas como a Palavrade Deus descrevendo a história doamor do Criador pelas criaturascaídas, imperfeitas e feridas. Pa-lavra = meio da graça. E devemosviver a comunidade como pessoasem que estão a fé, a esperança e oamor. E já sabemos qual é o maisimportante... Nesse amor, sob a graça, pastoresferidos e congregações podem vencerdores e buscar reconciliação, mesmoque se sintam vítimas, e não ofenso- Mensageiro | Junho 2012 15
  16. 16. | HOMENAGEM | Dia da esposa do pastor foto: LEANDRO R. CAMARATTA “Quem encontra uma esposa encontra algo excelente; recebeu uma bênção do Senhor” (Salomão, em Mais que pastora Ela é a primeira Provérbios 18.22). Ela nunca aspirou a este serviço, e a última ovelha do pastor, jamais pretendeu dirigir igreja e o trabalho que faz e pouco estudou Teologia. ninguém mais pode fazer. Jamais foi examinada por concílio, Precisa ser sábia para falar nunca recebeu imposição de mãos quando todos calariam Sem atenção, não dá! e não pretende ter o status de pastora. e ter a bravura de calar Foi num domingo, após o culto da noite. quando muitos falariam. O pastor e a esposa davam instruções aos Mas exerce essa santa vocação. filhos menores sobre o jantar deles. Nesse Não dirige a igreja, O indispensável trabalho dela momento, sem que o casal percebesse, mas orienta seu dirigente. quase nunca aparece, outro pastor e sua esposa se aproximaram, Não sendo teóloga, mas completa a vida do pastor ouvindo e observando tudo. Quando o pri- pratica teologia e a Cristo engrandece. meiro casal se despediu dos filhos, a esposa com toda a sabedoria. Nenhuma outra ovelha tem a honra do colega olhou para eles espantada e per- de cuidar dos filhos do pastor; guntou: “Pastor, vocês ainda vão sair para Sua aprovação nenhuma outra ovelha é responsável visitar?”. A resposta desse pastor a deixou vai além dos concílios; em do próprio pastor cuidar. ainda mais admirada: “Não”, afirmou ele, vive essa vocação, “nós vamos sair para namorar”. Imediata- sem a formal consagração, O trabalho que faz é tão modesto mente ela devolveu: “Namorar, pastor?”. e, mesmo não sendo pastora, que até seu nome desaparece; “Pois é, nós nunca deixamos de namorar; exerce esse serviço de coração. tudo o que ela quer, porém, é servir. nós vamos sair só os dois, para um lanche Se junto com o marido a Cristo engrandecer, bem romântico”. Ninguém mais que ela participa; ela se realiza em ter cumprido seu dever. A reação dela deixou o marido envergo- é a ovelha que mais conhece o pastor. nhado e constrangido: “Pastor, por favor, É único ombro onde ele pode chorar, E, diante do fato de não ter mais um nome, ensine isso aos seus colegas, começando o único ouvido pronto essa gigante, porém anônima servidora, por este aqui”. aos seus lamentos escutar. chamada simplesmente esposa de pastor, Em reconhecimento e homenagem Geralmente é quem mais dá é mais, muito mais do que uma pastora. m às famílias pastorais, especialmente às e menos recebe; Adaptado de Ilustrações e poemas para esposas de pastores, dedicamos o texto quem tudo suporta diferentes ocasiões de Jilton Moraes, que segue: e nunca pode ser rebelde. ed. Vida, pág. 271.16 Mensageiro | Junho 2012
  17. 17. Mensageiro das Crianças Encarte do Mensageiro Luterano de junho de 2012 FUNDAMENTANDO Jesus, a Rocha Firme MC Historia Jesus é a Rocha Firme, por isso podemos EVANGELIZAR! Olá, leitores do Mensageiro das Crianças! e tantos outros eventos que acontecem na igreja. No mês de junho, a Igreja tem como tema o Você pode dizer o que Jesus fez por você: morreuEVANGELISMO, que significa levar e falar a mensa- e ressuscitou para lhe dar a Vida Eterna. Você podegem de Jesus às pessoas. Essa é a tarefa dos segui- escrever mensagens bíblicas em cartões para ami-dores de Jesus aqui no mundo. gos que estão tristes, doentes e até mesmo para Também no mês de junho a Igreja Evangélica Lu- os que estão felizes. Você pode orar pelas pesso-terana do Brasil está de aniversário. A IELB come- as que fazem esse trabalho, como nossos pastores,mora 108 anos de fundação em terras brasileiras. missionários, ou pelos projetos evangelísticos que jáQuantas bênçãos e alegrias! Parabéns! Foi através existem. Além disso, você pode pedir a Deus que lhedo trabalho de muitos pastores e evangelistas que a dê coragem e alegria para falar de Jesus e de seuIELB cresceu e continua crescendo. grande amor para as outras pessoas. Muitas vezes, pensamos que evangelizar é tarefa Veja, são muitas as oportunidades! Jesus ficado pastor, de nossos pais; enfim, dos adultos. Mas muito feliz quando falamos a seu respeito. Para cadaa verdade é que todas as pessoas que conhecem pessoa que conhece Jesus e vive como ele ensinou,Jesus deveriam falar sobre ele. Antes de subir ao há uma festa no Céu.Céu, Jesus deixou dito para os seus seguidores: “Ide Nem sempre necessitamos de projetos ou açõesfazei discípulos de todas as nações” (Mt 28.19), isto grandiosas para falar sobre Jesus. Cada um pode fa-é, “vão por todos os lugares e falem para todas as zer do seu jeito, e assim fazer a sua parte!pessoas sobre a salvação dada por mim”. Vamos fazer desta música a nossa oração: Assim como os adultos, as crianças também têmmuitas oportunidades de falar de Jesus. Observe “Posso ser um missionariozinhoquantas chances temos por dia para aproveitar e fa- se falar de Cristo ao companheirinho;lar de Jesus aos nossos amigos, colegas de escola, posso trabalhar em minha Terra.vizinhos, às pessoas que prestam serviços em nossas Manda-me, pois, Senhor.”casas e a todas aquelas pessoas que vemos duran-te o dia. Você pode convidar alguém para participardo culto, da Escola Dominical, da juventude mirim Mensageiro | Junho 2012 Mensageiro | Junho 2012 17
  18. 18. MC Atividades 1 Preencha os espaços do versículo, conforme Marcos 16.15, trocando as gravuras por palavras: ______ pelo ____________ inteiro e anunciem o ____________________ a todas as ______________. (Marcos 16.15). 2 Desenhe um rosto alegre nas gravuras que mostram como podemos aprender mais sobre Jesus para falar aos outros: Imagens: arquivo Editora Concórdia18 M Mensageiro ensageiro | Junho 2012 | Junho 2012
  19. 19. 3 Desvende o enigma combinando as letras de acordo com as cores:Jesus nos envia ao mundo para evangelizar, fazendo _________________________________. P F N V M E V I S UD X A B E C L R T O 4 No dia 24 de junho, vamos comemorar os 108 anos da IELB com um culto especial na cidade de Marechal Cândido Rondon, PR. Elabore um cartão com uma bonita mensagem agradecendo a Deus por este momento e pelas bênçãos recebidas através da nossa querida Igreja: PARABÉNS, IELB! Ângela N. Schünke Mensageiro | Junho 2012 19
  20. 20. 5 Existe uma pessoa que trabalha muito na evangelização. Comemoramos o seu dia em 10 de junho. Você sabe quem é? Complete a cruzadinha abaixo e descubra: 1. Palavra encontrada no exercício 3. 1. 2. O Livro dos livros. 2. 3. Devemos pregar a todas as ________. 3. 4. Evangelizar é falar de Jesus ______. 4. 5. O evangelista que escreveu o versí- culo estudado. 5. 6. Casa de Deus. 6. Desafio do mês Em agosto, vamos homenagear nossos pais. Peça ajuda para a mamãe e escreva um poema ou faça um desenho para seu pai. Envie até o dia 30 de junho em boa resolução para o e- -mail editorial@editoraconcordia.com.br ou por carta para o endereço: Mensageiro das Crianças Av. São Pedro, 633 - Bairro São Geraldo Oi, amiguinhos! CEP: 90230-120 - Porto Alegre, RS Nós somos da Escola Dominical da Congregação São Marcos de Flor da Palma, 5º distrito de Canguçu, RS. O nome do nosso pastor é Nilson Walder. O nome da professora é Nívia Blank Kröning. As crianças da turminha são: Taila, Lilian, Camila, Pâmela, Rafaela, Andrine, Juliana, Talisson, Danieli, Karine, Suelem, Raqueli, Mileny e Lucas. Olá, amiguinhos. Estou muito feliz em poder mandar novamente um desenho. Este é de quando meu papai e minha ma- mãe se conheceram, em uma conversa na igreja. “Fiquei alegre quando me disseram: – Vamos à casa Um grande abraço com Jesus no coração! de Deus, o Senhor” (Salmo 122.1). Davi Kufeld, São Miguel do Oeste, SC.20 M Mensageiro ensageiro | Junho 2012 | Junho 2012
  21. 21. | EDUCAÇÃO TEOLÓGICA |O Seminárioe a nossa casa foto: DIETER J. JAGNOW / EDITORA CONCÓRDIA de tudo, as pintamos com lindas cores tan- to para conservá-las como para torná-las bonitas e aconchegantes. O Seminário, a nossa casa O Seminário é uma casa. A rigor, o Semi- nário é a única casa na Igreja Luterana que é nossa; é de todos – de todos os cristãos luteranos. Muitas vezes, ouço, pelo Brasil a fora, a expressão “o nosso Seminário”, e com muita razão. O Seminário é uma casa de todos os membros da IELB. Aqui, são for- mados todos os pastores da Igreja. Aqui, eles moram no seu tempo de formação. Aqui, moram filhos de muitas famílias. Preocupo-me com o Seminário. Lembro um versículo da Bíblia, em Ageu 1.4, onde Deus pergunta: “Acaso, é tempo de habi- tardes em casas apaineladas, enquanto esta casa (a minha casa, as igrejas) está emD Muitas vezes, ouço, pelo ruínas?”. eus fez vestimentas para nos- Estamos começando um movimento. sos primeiros pais. O que é a Brasil a fora, a expressão Seu título: “VAMOS PINTAR NOSSA CASA”. vestimenta para o corpo é a “o nosso Seminário”, e Faz oito anos que pintamos os prédios do casa para nossa vida: nos abri- Seminário, que é a casa de todos os luteranos;ga, nos protege, é um canto de felicidade. A com muita razão. que é a nossa casa. Por isso, convidamos acasa tem direitos; não pode ser invadida – é O Seminário é uma casa todos, desde o primeiro aluno aos pastores,crime entrar nela sem permissão. Na cidade, empresários, amigos, todos os que amam oas casas têm número, estão em ruas com de todos os membros Seminário, a nos ajudarem fazer desta casa -nome e são registradas em cartório. Até da IELB. Seminário - como fazemos com nossas casas.as igrejas são chamadas de casas. Jesus, Queremos pintar o Seminário. Queremosquando, menino, procurado por seus pais e fazê-lo até o fim do ano. O amor a Jesus tam-estando no templo, respondeu: “Não sabíeis dade de uma casa: “Quem casa quer casa!”. bém nos motiva a ofertar para deixarmosque me convinha estar na Casa de meu Quando construímos ou compramos o nosso Seminário ainda mais bonito, comPai?”. E Jesus chama o Céu de casa ao dizer: uma casa, convidamos nossos amigos para novas vestimentas. E Deus faz acontecer“Na casa de meu Pai há muitas moradas. Irei conhecê-la. Ao chegarem, convidamos para coisas muito bonitas com as nossas ofertas.preparar-vos lugar”. que eles entrem com uma bonita saudação: Se o seu coração o motiva (pela fé e o “Sejam bem-vindos a nossa casa”. É de fato amor de Deus) a abraçar este projeto, “VA- Nossa casa uma bênção de Deus termos nossa casa. Por MOS PINTAR NOSSA CASA”, fale conosco. Con- Com toda a razão, valorizamos muito a outro, como ficamos sentidos ao vermos vide seus amigos também. Nossos contatos:nossa casa. Tanto é assim que o governo lan- alguém ter de morar num barraco, quando provedoria@seminarioconcordia.com.br ouçou um programa nacional com um nome não debaixo de uma ponte. (51) 3037-8000. Estamos orando por todos osmuito significativo: “MINHA CASA, MINHA Conheço muitas casas, que entrei quan- que nos leem e por este projeto. mVIDA”. É um programa que visa facilitar a do em visitas pastorais. Em geral, todas asaquisição da casa própria. Há inclusive um nossas casas estão bonitas, por dentro e por BENJAMIN JANDT | Provedoria dodito popular que ressalta o valor e a necessi- fora. Dedicamos amor e capricho e, acima Seminário Concórdia, São Leopoldo, RS Mensageiro | Junho 2012 21

×