Guerra Colonial em Angola

10.064 visualizações

Publicada em

Trabalho de alunos do 9ºano que serviu de base a comunicação oral sobre o tema

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Guerra Colonial em Angola

  1. 1. Trabalho realizado por:Ângela nº2Raquel Lobo nº16Rute nº179ºAHistóriaProfª Cristina Barcoso Lourenço
  2. 2. Todos os países colonizadores da Europa já tinham concebido a independência às suas colónias excepto Portugal.As colónias que continuavam sobre o seu poder eram:• Cabo Verde,• Guiné,• S. Tomé e Príncipe,• Angola,• Moçambique,• Goa, Damão e Diu,• Macau• TimorMas neste trabalho iremos abordar somente a Guerra Colonial em Angola.
  3. 3. • A guerra colonial deu-se devido à recusa de Salazar em descolonizar as colónias.• Estava-se em 1955, Portugal era membro da O.N.U. e vivia um regime autoritário, a ditadura, período chamado por Salazar, de «Estado Novo».• A liberdade de expressão era inexistente, e o povo não tinha direito a reclamar.
  4. 4. • As organizações internacionais, como a O.N.U. nunca aceitaram bem que Portugal continuasse a ter colónias.• 1955 - O.N.U. recomendou a Salazar a descolonização das colónias Portuguesas;• Salazar recusou , dizendo que Portugal não tinha colónias, mas sim províncias ultramarinas, e que os seus habitantes eram portugueses.
  5. 5. UPA e FNLA• União dos Povos de Angola, depois transformada em FNLA• Frente Nacional de Libertação de AngolaMPLA• Movimento Popular de Libertação de AngolaUNITA• União Nacional para a Independência Total de Angola
  6. 6. Dia 4 de Fevereiro de 1961 em Angola
  7. 7. O que é uma guerra colonial?• É uma guerra entre o país colonizador e a(s) colónia(s) formada devido à tentativa de libertação por parte da(s) colónia(s).
  8. 8. • Fim à ditadura e finalmente pode haver liberdade.• Morte de muitos jovens na guerra.• Opiniões de outros países, estes eram contra a guerra colonial portuguesa.• Negociações entre movimentos de independência das colónias e o governo português.• Isolamento de Portugal a nível internacional.
  9. 9. • Depois de vários anos de luta pela libertação, é o 25 de Abril que abre portas ao processo descolonizador. Todavia, apesar de ter estado na essência da Revolução, esta é a questão que mais cisões desencadeia no seio do movimento que viu, ainda na madrugada de 25 de Abril,• As divergências no que a esta questão diz respeito marcaram toda a discussão em torno da descolonização.• No entanto, a urgência duma resolução para a situação militar no terreno, a pressão internacional para a autodeterminação das antigas colónias, bem como a própria evolução dos acontecimentos em Portugal, foram razões que estão na origem da entrega rápida dos territórios africanos
  10. 10. • No caso angolano, o processo de independência caracterizou- se por numerosos atritos de ordem interna e internacional. A actividade diplomática passou por uma fase de negociação com os três movimentos em presença no território angolano: MPLA, UNITA e FNLA. Proclamada a independência a 11 de Novembro de 1975, seguiu-se uma feroz guerra civil até 1995.• Inevitavelmente, o moroso processo de descolonização esteve na origem de um dos mais importantes fenómenos sociais da nossa história: o regresso e integração em Portugal de cerca de meio milhão de retornados, provenientes, na sua maioria, de Angola e Moçambique.
  11. 11. 70000600005000040000300002000010000 0 1961 1963 1965 1967 1969 1971 1973
  12. 12. Angola Angola1961 33.400 1961 28.4771962 44.900 1962 33.7601963 47.400 1963 34.5301964 52.500 1964 37.4181965 57.000 1965 41.6251966 55.800 1966 38.5191967 57.400 1967 43.0511968 58.200 1968 37.547
  13. 13. AngolaHomens (a) 70.000 Aviões 94 Helis 45 Navios 8 Lanchas 16
  14. 14. Angola Movimento MPLA, FNLA, UNITA Lugar Alvor Data do acordo 15/01/1975 Data da independência 11/11/1975Data do reconhecimento por 21/02/1976 Portugal (82º país)
  15. 15. Óbitos durante a Guerra 300 250 200 150 100 50 0 1961 1963 1965 1967 1969 1971 1973 1974Angola - um total de 3.258
  16. 16. Angola 1961 194 1962 203 1963 169 1964 208 1965 234 1966 205 1967 242 1968 265 1969 275 1970 268 1971 212 1972 224 1973 242 1974 821974 dp.25/4 235 Total 3.258Total Portugal 2.434
  17. 17. AngolaAmputados 480 Cegos 205Paraplegias 71 Surdez 126 Lesões 482orgânicas Fracturas 1.440 múltiplas Doenças 223 mentais Outros 1.657 Totais 4.684
  18. 18. • Mais de meio milhão de pessoas chegou, de repente, a Portugal. Do número de retornados recenseados pelo INE em 1981, 61% eram oriundos de Angola, 34% de Moçambique e apenas 5% das restantes colónias. Quase dois terços desses retornados nasceram em Portugal (63%), embora esta proporção se inverta nas camadas mais jovens, 75% dos menores de 20 anos eram naturais das colónias.• O cais de Lisboa enchia-se de caixotes vindos de África, o aeroporto estava repleto de pessoas que dormiam sobre malas, e começou a aparecer também muita gente nova, gente diferente.
  19. 19. • Procuravam, na sua maioria, ir para junto das suas famílias e das suas origens. E com eles vinham muitos que pisavam pela primeira vez o solo de Portugal continental.• E se é verdade que muitos desses portugueses retornaram a Portugal, muitos outros não retornaram! Retornar é voltar a..., regressar a ... e esses portugueses que tinham nascido e crescido nas colónias, acabaram por vir parar a Portugal e não retornar !”• "A grande maioria dos retornados "deu a volta por cima" e são hoje fonte produtiva de Portugal!
  20. 20. • Depois da independência o pais entrou em guerra civil. A guerra civil de 27 anos causou grandes danos às instituições políticas e sociais do país. As Nações Unidas estimam em 1,8 milhões o número de pessoas internamente deslocadas, enquanto que o número mais aceite entre as pessoas afectadas pela guerra atinge os 4 milhões.• Actualmente, o poder político em Angola está concentrado na Presidência. O ramo executivo do governo é composto pelo presidente (actualmente José Eduardo dos Santos), pelo primeiro- ministro (actualmente Paulo Kassoma) e pelo Conselho de Ministros.• O sistema legal baseia-se no português e na lei do costume, mas é fraco e fragmentado.
  21. 21. • Nos últimos tempos, cerca de 200 mil portugueses foram para Angola! Há já quem defenda a teoria de que o futuro de Portugal passa pela emigração para aquele país. Provavelmente, muitos desses portugueses são agora "retornados"naquela terra que ajudam a renascer ao mesmo tempo que ajudam Portugal, por razões óbvias!"
  22. 22. Hino Nacional AngolanoO Pátria, nunca mais esqueceremos Orgulhosos lutaremos pela paz,Os heróis do quatro de Fevereiro. Com as forças progressistas do mundo. O Pátria, nós saudamos os teus filhos Orgulhosos lutaremos pela paz,Tombados pela nossa Independência. Com as forças progressistas do mundoHonramos o passado a nossa História,Construindo no trabalho o homem novo. CoroHonramos o passado a nossa História,Construindo no trabalho o homem novo Angola, avante! Revolução, pelo Poder Popular!Coro Pátria Unida, Liberdade,Angola, avante! Um só povo, uma só Nação!Revolução, pelo Poder Popular!Pátria Unida, Liberdade,Um só povo, uma só Nação!Levantemos nossas vozes libertadasPara glória dos povos africanos. http://www.youtube.com/watch?v=pcXldTOSw_oMarchemos, combatentes angolanos,Solidários com os povos oprimidos.
  23. 23. FNLA e UPAGerido por : Holden Roberto Holden Robert 12.01.1923 – 02.08.2007
  24. 24. MPLAGerido por :Agostinho Neto Agostinho Neto 17.09.1922 – 10.09.1979
  25. 25. UNITAGerido por : Jonas Savimbi. Jonas Savimbi 03.08.1934 – 22.02.2002

×