A Sociedade Industrial e Urbana - século XIX

6.238 visualizações

Publicada em

Para o 8º ano

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
253
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Sociedade Industrial e Urbana - século XIX

  1. 1. A SOCIEDADE INDUSTRIAL E URBANA UMA SOCIEDADE DE CLASSES SÉCULO XIX
  2. 2. Sociedade industrial e urbana – séc. XIX A sociedade do século XIX é uma sociedade heterogénea, na qual o dinheiro confere respeitabilidade e posição social.
  3. 3. A alta burguesia industrial e financeira Constituída por: • Grandes comerciantes • Grandes banqueiros • Grandes industriais
  4. 4. Sociedade de ordens e sociedade de classes A A Revolução Francesa no século XVIII, e as revoluções liberais subsequentes, fizeram cair os privilégios do Clero e da Nobreza. Muitos nobres arruinados casaram as suas filhas com burgueses ricos.
  5. 5. Sociedade de ordens e sociedade de classes
  6. 6. Sociedade de classes A A posição pessoal de um indivíduo na sociedade depende dos seus méritos próprios – é a sociedade da oportunidade!!
  7. 7. A alta burguesia A Foi durante o século XIX que a burguesia alcançou grande poder. Foram os burgueses que mais lutaram pela ideias liberais , fazendo triunfar as Revoluções Liberais em diversos países: França, Portugal, Espanha… Com a Revolução industrial, os burgueses aumentaram os seus lucros com as fábricas (a produção mecanizada) e o grande comércio.
  8. 8. A alta burguesia A A cidade tornou-se o espaço da burguesia. Foi nas cidades que os burgueses construíram as luxuosas vivendas
  9. 9. A alta burguesia ADefendem: • Direito à propriedade • Livre iniciativa • Valores: instrução, poupança, trabalho, família Vivem no luxo e ostentação • Defendem os valores da aristocracia • Preocupam-se com as artes e ciências • Praticam o mecenato e a filantropia
  10. 10. A alta burguesia A Vivem no luxo
  11. 11. A alta burguesia A
  12. 12. A alta burguesia A
  13. 13. A alta burguesia A
  14. 14. A alta burguesia A
  15. 15. A alta burguesia A
  16. 16. A alta burguesia A
  17. 17. A alta burguesia A O moinho de la Galette, Pierre-Auguste Renoir, 1876
  18. 18. A alta burguesia A
  19. 19. A alta burguesia A
  20. 20. A alta burguesia A O self-made-man – o mito do êxito individual Os costumes americanos são característicos de uma sociedade trabalhadora e ativa. Entre os americanos aos 15 anos, um jovem entra nos negócios; aos 21 , encontra-se estabelecido, possui uma quinta, uma oficina, uma loja ou gabinete, uma indústria, qualquer que seja. É também a idade em que procura casamento; aos 22 anos é pai de família… Apenas merece consideração aquele que exerce uma profissão e, o que é quase a mesma coisa, aquele que é casado; enfim, o homem que contribui para aumentar a riqueza pública criando coisas e homens. O americano é educado segundo estes princípios, seja qual for a sua atividade ou estado (…) e se for ativo e inteligente conseguirá enriquecer. Mesmo rico, o americano não deseja viver sem trabalhar, porque à sua volta não vê gente ociosa. (…) ele sabe que o rico de hoje pode arruinar-se amanhã. Segundo a tradição, o pai mantém os seus negócios e não se despoja da sua fortuna: se o filho quer viver bem, que trabalhe para isso. (…) Desde que se levanta, o americano começa o dia de trabalho e só pára no momento de se deita (…). Interrompe ao domingo, porque assim lho ordena a religião; mas prescreve-lhe também, e especialmente nesse dia, a abstenção de todo o divertimento e distração.” Lancaster (Pensilvânia), 20 de julho de 1853. M. Chevalier, lettres sur l’ Amérique di Nord
  21. 21. A alta burguesia - síntese A
  22. 22. As classes médias A
  23. 23. Classes médias (pequena e média burguesias) Constituída por: • Pequenos e médios comerciantes • Profissões liberais: médicos, advogados, professores, engenheiros… • Empregados de escritório • …
  24. 24. As classes médias A
  25. 25. As classes médias A
  26. 26. As classes médias A
  27. 27. As classes médias A
  28. 28. As classes médias A
  29. 29. As classes médias A
  30. 30. As classes médias - síntese A
  31. 31. Proletariado Constituída por: • Camponeses – proletariado rural • Operários – proletariado urbano Lewis Hine - Child Labor Happy Birthday Shorpy (1910)
  32. 32. O proletariado A
  33. 33. O proletariado A
  34. 34. O proletariado A
  35. 35. O proletariado A
  36. 36. O proletariado A
  37. 37. O proletariado A
  38. 38. O proletariado A
  39. 39. O movimento operário: associativismo e sindicalismo A
  40. 40. O movimento operário: associativismo e sindicalismo A
  41. 41. O movimento operário: associativismo e sindicalismo A
  42. 42. O movimento operário: associativismo e sindicalismo A
  43. 43. As propostas socialistas A Perante as condições de vida e de trabalho do proletariado, surgiram propostas socialistas. Robert Owen e Charles Fourier, entre outros, propuseram soluções: • Pôr termo à exploração do proletariado • Criar uma sociedade mais justa Robert Owen, 1771-1851 Charles Fourier, 1772-1837
  44. 44. Karl Marx, Alemanha, 1818; Inglaterra, 1883 Economista, político, filósofo
  45. 45. “A História de toda a sociedade até aos nossos dias é a História da luta de classes. (…) Opressores e oprimidos, em constante antagonismo, travaram uma luta ininterrupta, umas vezes oculta, outras aberta, que acabou sempre na transformação revolucionária da sociedade ou no declínio comum das classes em luta.”
  46. 46. “Nas épocas mais remotas da história encontramos quase por toda a parte uma articulação completa da sociedade em vários estados, uma múltipla graduação das posições sociais.”
  47. 47. “A moderna sociedade burguesa, saída do declínio da sociedade feudal, não acabou com os antagonismos de classe. Não fez mais do que colocar novas classes, novas condições de opressão, novos aspetos de luta, no lugar dos anteriores.” Século XIX
  48. 48. “O proletariado usará o seu domínio político para ir arrancando todo o capital das mãos da burguesia, para centralizar todos os meios de produção nas mãos do Estado, isto é, do proletariado organizado como classe dominante.(…)” Aumento de salários? NUNCA! Turnos menos cansativos? NUNCA! Ambiente de trabalho mais saudável? NUNCA! Senão, onde é que iremos parar? Boicote Greve Revolta
  49. 49. “Dos proletários, os comunistas são a parte mais decidida e progressista dos partidos operários em todos os países. (…) O seu objectivo é a formação do proletariado em classe, derrube do poder burguês e conquista do poder (…)” Do hear the people sing? Filme: Os Miseráveis http://www.youtube.com/watch?v=BTikAggPZRY (legendagem em português) http://www.youtube.com/watch?v=PTLwzuQuRsw (legendagem em inglês)
  50. 50. Que as classes dominantes tremam face a uma revolução socialista. Os proletários nada têm a perder a não ser as suas própria cadeias. PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO… …UNI-VOS! É o fim!
  51. 51. Construído, em parte, através da utilização de diapositivos dos seguintes PowerPoints: http://www.slideshare.net/jomaferreira/a-sociedade-no-sculo-xix http://www.slideshare.net/carla77/a-burguesia-xix http://www.slideshare.net/alcatarino/a-sociedade- industrialeurbanappt1 http://www.slideshare.net/luisant/a-sociedade-oitocentista http://www.slideshare.net/carlosvieira/88-13284341 http://www.slideshare.net/maria40/mundo-industrializado-no- sculo-xix MARX, Karl; ENGELS, Friedrich, Manifesto do Partido Comunista, Lisboa, Edições Avante, 2ed, 1984
  52. 52. Agrupamento de Escolas de Montenegro, Faro História, 8º ano Profª Cristina Barcoso Lourenço profcristinalourenco@gmail.com

×