323 nova republica gov collor

1.175 visualizações

Publicada em

Governo Collor

Publicada em: Educação
  • Professor, adorei todos os slids. Eles terão continuação dos governos posteriores? Obrigada
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

323 nova republica gov collor

  1. 1. Nova República (1985-atual) Governo Fernando Collor (PRN) (1990-1992)Prof. Cristiano Pissolato
  2. 2. O presidente da República Fernando Collor de Mello nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1949 e formou- se em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Alagoas. Em 1979 pertencendo ao partido do governo (ARENA) é nomeado prefeito de Maceió/AL, em 1982 elege-se deputado federal pelo estado de Alagoas. No ano de 1986 filiou-se ao PMDB e elegeu-se governador de seu estado, exercendo o cargo de 1987 a 1989. Entrou em atrito com o presidente José Sarney (PMDB) e filiou-se ao pequeno PRN (Partido da Reconstrução Nacional), no qual lançou sua candidatura à presidente da República. Foi o presidente da República mais jovem, com quarenta anos de idade no dia da posse.
  3. 3. Os objetivos de Collor • Explorou durante a campanha eleitoral uma imagem de político renovador. • No discurso também seria o “Caçador de Marajás”. • Desburocratizar e modernizar a administração do Estado. • Privatizar em empresas estatais, combater os monopólios. • Abrir o país a concorrência internacional em várias áreas econômicas. Marajá: na situação empregada por Collor, está associada aos funcionários públicos que ganham altos salários e desfrutam de mordomias.
  4. 4. Presidente Collor faz sua tradicional corrida próximo a residência da família em Brasília, a Casa da Dinda. Collor decidiu morar na mansão da família em deixando de lado o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto. Collor e sua esposa Rosane no parlatório do Palácio do Planalto no dia da posse.
  5. 5. Primeiras medidas para conter a inflação • No dia seguinte a posse em março de 1990, o presidente em conjunto com a ministra da Fazenda Zélia Cardoso de Mello lançou o Plano Brasil Novo (mais conhecido como Plano Collor). Zélia Cardoso de Mello economista formada pela USP trabalhou na década de 1980 integrou o comitê fiscal da CESP (Companhia Energética de São Paulo) e foi diretora financeira da Companhia de Desenvolvimento Habitacional de São Paulo. É prima do ex-presidente Fernando Collor.
  6. 6. O que estabelecia o Plano Collor: • Bloqueio do dinheiro nas contas correntes e cadernetas de poupança acima de (50 mil cruzados novos). • Substituição da moeda, o Cruzado Novo é substituído pelo Cruzeiro (NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00). • Criou um imposto sobre as operações financeiras, o conhecido IOF. • Congelou os preços e os salários, elevou os juros para diminuir o consumo. • Eliminou vários incentivos fiscais. • Privatização de empresas estatais. Extra: novas cédulas do Cruzeiro de 1990 a 1992.
  7. 7. • As medidas inicialmente deram uma segurada na inflação, mas ela voltou a crescer. Capa da revista Veja de março de 1990.
  8. 8. • Era lançado em janeiro de 1991 o chamado Plano Collor II, com novos congelamentos de preços - reduziu a inflação em curto prazo. Índice de inflação (acumulada anual) 1989 (sob a vigência do Plano Verão) 1990 Plano Collor 1991 1.782,90% (Folha Online) 1.476,56% (Folha Online) 480,2% (Folha Online) Frase de Collor em relação a inflação: “Vou liquidar o tigre da inflação com uma única bala!” .
  9. 9. • A abertura do mercado brasileiro aos produtos importados, em torno de trezentos produtos, de brinquedos a automóveis, está medida teve um impacto negativo na produção industrial nacional. • Empresas foram a falência e muitas reduziram o quadro de funcionários e os salários. Com a liberação das importações vários modelos de carros importados entraram no Brasil, damos destaque ao carro russo Lada 2105, que por seu baixo custo e economia teve êxito no Brasil, principalmente entre os taxistas de algumas cidades. Em 1995 com a volta da tributação maior na entrada de produtos estrangeiros, a Lada que não tinha fábrica no Brasil acabou sendo prejudicada e as vendas da empresa despencaram.
  10. 10. • Em maio de 1991 a ministra Zélia Cardoso de Melo é substituída por Marcílio Marques Moreira. • O programa de privatizações das empresas estatais foi acelerado. Marcílio Marques Moreira com carreira internacional como diplomata, sendo secretário da embaixada brasileira em Washington D.C. (1957-1961), lecionou em várias universidades (PUC-RJ, UERJ). Foi membro do conselho do BNDE (atual BNDES) de 1974 a 1980. De 1986 a 1991 foi embaixador do Brasil nos Estados Unidos.
  11. 11. • A empresas estatais eram criticadas por dar prejuízo ao governo federal (na maioria mal administradas). Algumas empresas estatais privatizadas (1990/1994) Governo Fernando Collor e o governo de Itamar Franco 1991 CELMA (Companhia Eletromecânica) Manutenção de aeronaves. 1991 CNA (Companhia Nacional de Álcalis) Exploração de sal e da matéria prima para a produção de vidro. 1991 Mafersa (Material Ferroviário S.A) Fabricante de trens, mêtro; material ferroviário. 1992 FÓSFERTIL (Fertilizantes Fosfatados S.A.) Exploração de minerais fertilizantes – maior acionista o governo federal. 1993 CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) Siderúrgica em Volta Redonda fundada por Vargas em 1945. 1993 COSIPA (Companhia Siderúrgica Paulista) Siderúrgica de Cubatão/SP sendo o maior acionista era o governo federal. 1994 Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A.) Fabricante de aeronaves. Na década de 1990 a ideia de um Estado enxuto e com menos interferência direta na economia estava ganhando espaço – chamado de Neoliberalismo.
  12. 12. • Em 1992 o Brasil fecha um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e recebe um empréstimo de US$ 2 bilhões. Índice de inflação (acumulada anual) 1992 1.158,0% (Folha Online) Devido a crise politica à partir de setembro de 1992 (impeachment do presidente) a ajuda financeira acaba suspensa, apenas uma pequena parte do empréstimo chegou ao Brasil (US$ 170 milhões).
  13. 13. Integração regional • Em 1991 os presidentes de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção visando a criação de uma zona de livre comercio com o nome de Mercado Comum do Sul – Mercosul. Primeira reunião do conselho do Mercosul em 1991, os presidentes a partir da esquerda: Andrés Rodrígues (Paraguai), Carlos Menem (Argentina), Fernando Collor (Brasil) e Luís Alberto Lacalle (Uruguai).
  14. 14. Corrupção e impeachment do presidente • Em 1991 já começavam a aparecer notícias de compras superfaturadas, obras sem licitação, desvio de dinheiro de uma instituição presidida pela primeira-dama Rosane Collor. Rosane Collor de Mello presidiu a Legião Brasileira de Assistência (LBA) e denúncias de superfaturamento e a falta de licitação na aquisição de produtos, em destaque a compra de 1,6 mil toneladas de leite em pó levou ao afastamento dela do cargo em 1991. LBA – Legião Brasileira de Assistência foi fundada em 1942 pela primeira-dama Darcy Vargas, a instituição buscava dar assistência básica a famílias necessitadas, a instituição foi extinta em 1995.
  15. 15. • Em abril de 1992 veio a tona o maior escândalo, a revista Veja publicou uma entrevista com Pedro Collor (irmão do presidente) que denunciou o chamado esquema PC. Capa da revista Veja de maio de 1992, quando o esquema foi tornado público por Pedro Collor, irmão mais novo do presidente. Pedro Collor faleceu em 1994 devido a um câncer.
  16. 16. Esquema PC • Era uma vasta rede de corrupção coordenada pelo empresário alagoano Paulo César Farias (PC Farias), ele também foi tesoureiro da campanha presidencial de Collor. Paulo César Farias
  17. 17. • O Congresso Nacional abriu um Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI. • O ex-motorista de Collor, Eriberto França confirmou que PC Farias favorecia ou chantageava empresários e estes o “presenteavam” com grandes somas de dinheiro. Presidente Collor (esq.), PC Farias (centro) as figuras-chave do processo de corrupção, na imagem ainda aparece extrema direta a ministra Zélia Cardoso de Mello, seu nome não apareceu na lista dos envolvidos no esquema.
  18. 18. • A acusação dizia que o dinheiro era depositado em contas fantasmas. Esta pagava as despesas de Collor, seus familiares e amigos – em dois anos e meio de governo especula-se que os desvios atingiram 10 milhões de dólares. Charge de Jorge Braga onde a defesa de Collor culpa PC Farias pelos desvios de dinheiro, em 1994 PC Farias e seu sócio Jorge Bandeira são condenados a quatro anos de prisão por sonegação fiscal.
  19. 19. Impeachment de Collor • Com estas notícias, várias manifestações populares em várias cidades do Brasil passaram a exigir o afastamento de Collor e o fim da corrupção. Uma das várias manifestações “Fora Collor” em 1992.
  20. 20. Capa do Jornal do Brasil de 17 de agosto de 1992. Caras-pintadas na frente do Congresso Nacional em 1992.
  21. 21. • Entre os manifestantes destacou-se os caras- pintadas, jovens que pintavam a cara com as cores da bandeira nacional exigindo mais ética na política.
  22. 22. • Em setembro de 1992, mais de dois terços da Câmara dos Deputados votaram a favor de abrir um processo de impechment (afastamento do cargo). • Collor pede um afastamento do cargo antes de ser condenado. Na foto o Collor e sua esposa, ele deixa a presidência no dia 29 de setembro de 1992 a fim de tentar escapar de uma punição mais severa do Congresso Nacional.
  23. 23. • O vice-presidente Itamar Franco assumiu o cargo de forma interina. O presidente Collor e seu vice-presidente Itamar Franco durante a posse em 1990. Com os escandalos de corrupção Itamar procurou afastar-se de Collor, a fim de manter sua imagem intacta em caso de queda do presidente.
  24. 24. • Percebendo que seria derrotado no Senado, Collor renunciou a presidência da República em 29/12/1992. • Mas o processo continuou e Collor foi condenado a ficar sem direitos políticos por oito anos. Capa da Revista Veja de 30 de setembro de 1992. O processo se arrastou e apesar das fortes acusações, a justiça não encontrou provas concretas que Collor foi beneficiado com o esquema PC.
  25. 25. • Com a renuncia de Collor em dezembro de 1992, o vice-presidente Itamar Franco assume agora como presidente até o final do mandato de Collor, que terminava em dezembro de 1994.
  26. 26. Extra
  27. 27. Morte de PC Farias em 1996 • Em junho de 1996 são encontrados mortos PC Farias e sua namorada Suzana Marcolino na sua residência na praia de Guaxuma, litoral norte de Maceió/AL. Na noite anterior PC Farias e Suzana jantaram na casa de praia com o Augusto Farias, deputado federal e irmão de PC Farias. (fonte: Terra)
  28. 28. • Investigações oficiais determinaram que Suzana matou PC Farias e depois tinha tirado a própria vida, porque PC Farias tinha ameaçado abandona- la. Esta é conclusão da primeira investigação que é muito contestada. Cena do crime, Suzana e PC Farias.
  29. 29. • Mas a muitas falhas no processo criminal. Não foi preservada a cena do crime. A família queimou o colchão onde os ambos morreram. • Ocorreu nova abertura do processo, mas até hoje o caso é uma incógnita. A levantamentos sobre o caso que afirmam o Suzana não se suicidou, assim teria que ter uma outra pessoa no crime, algo que nunca foi comprovado. Ex-funcionários do empresário e o ex- deputado federal Augusto Farias chegaram a ser indiciados mas não foram encontradas provas que os incriminassem e o processo foi arquivado.
  30. 30. Novo partido político
  31. 31. PPS – Partido Popular Socialista • Em 1992 grande parte da executiva nacional do PCB decidiu extinguir o PCB e fundar uma nova agremiação, o PPS, o motivo está no colapso do bloco comunista no mundo. • Líder: Roberto Freire. Roberto Freire, pernambucano, militou no MDB e posteriormente no PMDB até 1985, no PCB de 1985 a 1992 e no PPS que está até a atualidade. Pelo estado de Pernambuco foi deputado estadual de 1975 a 1979, deputado federal de 1979 a 1995, senador de 1995 a 2003 e novamente deputado federal de 2003 a 2007. Em 2011 elege-se deputado federal pelo estado de São Paulo, cargo que exerce na atualidade.
  32. 32. • Características do partido: social-democracia, socialismo democrático. • Em 1994 apoia a candidatura de Lula para presidente. Mas em 1998 e 2002 lança candidato próprio, Ciro Gomes. Parte da executiva do PCB em 1992 mantem-se fiel aos ideais marxista- leninistas e uma disputa judicial acirra a disputa e os comunistas conseguem permanecer com a sigla PCB, que existe até hoje. Roberto Freire e Ciro Gomes, apoiando Lula no segundo turno de 2002 o PPS participa da base aliada, mas logo desentende-se com o governo petista e passa a ser oposição em 2003, Ciro Gomes em discordando do partido passa a militar no PSB.
  33. 33. Cruzeiro (1990-1993) As seguintes cédulas do cruzado novo passaram a circular com o valor carimbado em cruzeiro: • Cinquenta cruzados novos = cinquenta cruzeiros. • Cem cruzados novos = cem cruzeiros. • Duzentos cruzados novos = duzentos cruzeiros. • Quinhentos cruzados novos = quinhentos cruzeiros
  34. 34. Anverso: Cecília Meireles tendo a esquerda desenhos de sua autoria e versos manuscritos extraídos de seus “Cânticos”, reverso à esquerda o universo da criança no momento da aprendizagem e à direita desenhos da escritora sobre folclore, musicas e danças populares. Anverso: Efígie simbólica da República e a sua esquerda uma gravura simbolizando a união dos ideais republicanos (Silva Jardim, Benjamin Constant, Deodoro da Fonseca e Quintino Bocaiúva), reverso detalhe do quadro “Pátria” de autoria de Pedro Bruno. Ainda em 1990 o governo passou a imprimir as notas Cr$ 100,00, Cr$ 200,00 e Cr$ 500,00 no novo padrão (Cruzeiro), retirando gradativamente as notas carimbadas.
  35. 35. Anverso: Cientista Augusto Ruschi além de alegorias da flora e fauna cabendo destaque no centro da cédula a orquídea “Cattleya labiata warneri” típica do Espirito Santo, reverso Ruschi examinando orquídeas e tem destaque a figura de um beija-flor. Anverso: Marechal Candido Rondon tendo a esquerda uma estação telegráfica pioneira, a floreta amazônica e um mapa com os contornos do Brasil e da América do Sul, reverso um casal de índios carajás.
  36. 36. Anverso: Antônio Carlos Gomes tendo à esquerda três figuras representado “O Guarani”, “Salvador Rosa” e “O Escravo” que estão expostas no Teatro Municipal de São Paulo, reverso ao centro piano que foi do compositor de óperas e a direita parte da obra referida no reverso. Anverso: Efígie simbólica da República, reverso Armas Nacionais.
  37. 37. Anverso: Cientista Vital Brazil tendo a esquerda uma cena de extração do veneno, tarefa básica para a produção de soros, reverso painel mostrando o antigo serpentário e ao centro uma cobra muçurana devorando uma jararaca. Anverso: Advogado e antropólogo Luís da Câmara Cascudo tendo a esquerda a cena representando os jangadeiros, reverso cena do “Bumba-meu-boi” bailado popular do folclore brasileiro.
  38. 38. Anverso: escritor Mário de Andrade tendo a esquerda uma desenho inspirando em sua fotografia conhecido como “Sombra Minha”, reverso cena representando Mário de Andrade conversando com crianças e ladeado por prédios representando o crescimento da cidade de São Paulo, terra natal do escritor. Anverso: Cena de um beija-flor alimentando filhotes no ninho, reverso vista das Cataratas do Iguaçu na fronteira com a Argentina.
  39. 39. Indústria de automóveis do início dos anos 1990 • Collor afirmou durante a campanha eleitoral: “Comparados com os carros do mundo desenvolvido, os carros brasileiros são verdadeiras carroças”, porque o Brasil estava fechado as tecnologias externas, nem mesmo comprar máquinas para a produção de veículos era possível. • Assim logo o governo Collor abriu o mercado a importação de produtos estrangeiros, o setor automobilístico foi um dos mais afetados. • Em contrapartida, no mês de junho passou a vigorar o Decreto Lei 99.349/90 que reduzia em 20% do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para automóveis de até 1.000 cm³ (os famosos 1.0).
  40. 40. • Dois meses depois a Fiat inovou e lançou o primeiro carro 1.0, o Uno Mille, com 994 cm³. Na verdade foram feitas modificações no modelo do Uno que já era produzido no Brasil desde 1984. Uno Mille lançado em 1990, com motor 1.0 não teve concorreste fortes até 1992. O modelo recebeu várias modificações para tornar-se barato que vão muito além da motorização, como a chapa com espessura mais fina, sem proteção com frisos laterais, sem espelho retrovisor do lado direito, sem lavador elétrico do para-brisa, sem a luz de cortesia, ausência do revestimento antitérmico que isola a cabine do motor.
  41. 41. • Em 1993 a Volkswagen lança o VW Gol 1000, primeira versão para competir entre os populares com motor 1.0 da montadora de origem alemã.
  42. 42. • Apesar da aliança Ford-VW (chamada de Autolatina), a Ford que teve de fazer adaptações e instalar o motor 1.0 no Ford Escort, que foi lançado com o nome de Hobby em 1993.
  43. 43. • Lançado em fevereiro de 1994 um carro com motorização 1.0 da Chevrolet, o Corsa Wind.
  44. 44. Internacional Campeão da Copa do Brasil (1992) Em pé: Fernández, Célio Silva, Célio Lino, Márcio, Pinga e Daniel Franco. Agachados: Nando, Élcio, Maurício, Gérson (C) e Marquinhos.

×