As feridas...

6.733 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.733
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
287
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
279
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As feridas...

  1. 1. As feridas _ O que provoca as feridas? _ As úlceras de pressão _ Cuidados com a ter com a pele _ Posicionamentos
  2. 2. As feridas sempre foram e continuam a ser uma preocupação !! A cicatrização rápida e segura de uma ferida e as inevitáveis repercussões para a pessoa que a tem está na base dessa preocupação. Observa-se que, apesar dos avanços das pesquisas, ainda persistem dúvidas a respeito do melhor tratamento para as feridas, especialmente, as crónicas.
  3. 3. FERIDA Rutura causada na pele, em maior ou menor extensão em qualquer parte da pele, mucosa ou órgão (MAVIOSO, 2003; GODOY; PRADO, 2005). ÚLCERA DE PRESSÃO Lesão localizada na pele e/ou tecido subjacente, normalmente sobre uma proeminência óssea, um resultado da pressão ou de uma contaminação entre esta e a força de torção (EPUAP - European Pressure Ulcer Advisory Panel, 2009).
  4. 4. Fatores de Risco Intensidade da Pressão Incontinência Hipertermia Duração da Pressão Diminuição da Mobilidade Anemia Perda da Sensibilidade Tolerância dos tecidos para suportarem a pressão Desnutrição Proteica Diminuição da Força Muscular Humidade da Pele Tabagismo Idade Avançada
  5. 5. M (measure) - Medida (comprimento, largura, profundidade e área); E (exudate) - Exsudado (quantidade e qualidade); A (appearance) - Aspecto (leito da ferida, tipo e quantidade de tecido); S (suffering) ‐ Sofrimento (tipo e intensidade da dor); U (undermining) ‐ Locas (presença ou ausência); R(re‐evaluate) ‐ Reavaliação (monitorização regular de todos os parâmetros); E (edge) - Bordos (condição dos bordos da ferida e pele circundante);
  6. 6. Quanto às causas, as feridas podem ser: Cirúrgicas provocadas por : Incisão; Excisão; Punção; Traumáticas devido a agente: Mecânico; Químico; Físico; Ulcerativas resultantes de traumatismo ou impedimento do suprimento sanguíneo.
  7. 7. Quanto ao conteúdo microbiano o Limpas o Limpas contaminadas o Contaminadas o Infectadas
  8. 8. Quanto ao tipo de cicatrização •Por primeira intenção; •Por segunda intenção; •Por terceira intenção.
  9. 9. Quanto ao grau de abertura, as feridas podem ser: •Abertas; •Fechadas. Quanto ao tempo de duração, as feridas podem ser: •Agudas; •Crónicas.
  10. 10. Úlceras de pressão
  11. 11. As úlceras de pressão classificam-se em 4 graus, conforme os tecidos que atingem: Úlcera de pressão grau 1 Úlcera de pressão grau 3 Úlcera de pressão grau 2 Úlcera de pressão grau 4
  12. 12. Eritema não branqueável em pele intacta Flictena (bolhas de água) Destruição total da pele envolvendo necrose (tecido preto ou amarelo) do tecido subcutâneo Destruição extensa, necrose dos tecidos (tecido preto) ou lesão muscular, óssea
  13. 13. Cuidados a ter com a pele
  14. 14. A pele deve ser limpa no momento em que se suja ou em intervalos de rotina. A frequência de limpeza da pele deve ser individualizada de acordo com a necessidade ou preferência da pessoa. A pele seca deve ser tratada com cremes hidratantes. Evitar massagens nas proeminências ósseas. Acreditavase que a massagem em regiões ruborizadas auxiliavam a melhorar o fluxo sanguíneo. As evidências actuais sugerem que massagem pode causar mais danos . Minimizar a exposição da pele à humidade devido a incontinência urinária, transpiração ou drenagem de feridas. Quando essas fontes de humidade não podem ser controladas, deve-se usar fraldas descartáveis que mantenham seca a superfície em contacto com a pele. Agentes tópicos que agem como barreira para humidade como cremes, películas protetoras ou óleos também podem ser usados.
  15. 15. As lesões da pele devem ser minimizadas através de um posicionamento adequado e uso de técnicas corretas para transferência e mudança de posição. Além disso, os danos causados pela fricção podem ser reduzidos pelo uso de lubrificantes (como cremes e óleos), películas protetoras (como curativos transparentes e selantes para a pele ) e curativos protetores (como hidrocolóides extra-finos). Os utentes não devem ser “arrastados” durante a movimentação, mas sim “levantados”, utilizando-se o lençol móvel.
  16. 16. Quando indivíduos aparentemente bem nutridos desenvolvem uma ingestão inadequada de proteínas ou calorias, os profissionais devem primeiro tentar descobrir os fatores que estão a comprometer a ingestão e, então oferecer uma ajuda na alimentação. Às vezes outros suplementos nutricionais podem ser necessários. Se existe um potencial para melhorar a mobilidade do indivíduo e o estado de atividade, esforços de reabilitação física devem ser instituídos. A manutenção do nível atual de atividade, mobilidade e amplitude de movimentos é uma meta apropriada para maior parte dos indivíduos.
  17. 17. Posicionamentos A saúde do idoso é um desafio actual nos dias de hoje.
  18. 18. Qualquer indivíduo na cama que seja avaliado como estando em risco para ter úlcera de pressão deverá ser reposicionado se não houver contraindicações relacionadas às condições gerais do paciente. Um horário por escrito deve ser feito para que a mudança de posição e reposicionamento sistemático do indivíduo seja feito sem esquecimentos. Para indivíduos acamados, materiais de posicionamento como almofadas de espuma devem ser usadas para manter as proeminências ósseas (como os joelhos ou calcanhares) longe de contacto directo um com o outro ou com a superfície da cama.
  19. 19. Os indivíduos acamados que estão completamente imóveis devem ter um plano de cuidados que inclua o uso de equipamentos (como travesseiros e almofadas) que aliviem totalmente a pressão dos calcanhares, elevando os calcanhares da superfície da cama. Quando a posição lateral é usada no leito, evitar posicionar directamente sobre o trocânter do fémur, mas sim em uma posição lateralmente inclinada de 30º. Nesta posição a maior pressão corporal estará na região glútea que poderá aguentar melhor o excesso de pressão.
  20. 20. Mantenha a cabeceira da cama num grau mais baixo de elevação possível, que seja consistente com as condições clínicas do utente. Se não for possível manter a elevação máxima de 30º, limite a quantidade de tempo que a cabeceira da cama fica mais elevada. Para utentes que não conseguem ajudar na movimentação ou na transferência e mudanças de posição, use o lençol móvel ou o forro da cama para a movimentação (em vez de puxar ou arrastar). Qualquer indivíduo avaliado como estando em risco para desenvolver úlcera de pressão deve ser colocado num colchão que redistribua o peso corporal e reduza a pressão como por exemplo, um colchão de espuma, ar estático, ar dinâmico, gel ou água.
  21. 21. Qualquer pessoa em risco para desenvolver úlcera de pressão, deve evitar ficar sentada muito tempo em qualquer tipo de cadeira. Este indivíduo deve ser reposicionado, mudando os pontos de pressão pelo menos a cada hora ou ser recolocado de volta na cama se isto for consistente com os planos gerais de tratamento do paciente. Para indivíduos que ficam sentados em cadeiras é recomendado o uso de equipamentos para reduzir a pressão como por exemplo os fabricados em espuma, gel, ar ou uma combinação destes. Não usar almofadas redondas em forma de anel ou argola.
  22. 22. O posicionamento dos pacientes em cadeira devem incluir considerações com o:  Alinhamento postural; Distribuição do peso; Balanço; Estabilidade; Alívio da pressão.
  23. 23. A arte de cuidar é a mais bela das arte, por isso parabéns a vocês por toda a dedicação e trabalho em fazer com que a vida de alguns seja bem melhor.
  24. 24. Referências Bibliográficas DEALEY, Carol - Tratamento de Feridas - Guia para Enfermeiros [Em linha]. 2006 [Consult. 25 abril 2013]. Disponível em http://www.almedina.net/catalog/product_info.php?products_id=5 439; MONTEIRO, Ana; RATO, Luísa; PAULINO, Aida - Matriz para Equilíbrio de Feridas. Uma Opção Terapêutica no Tratamento de Feridas Crónicas [Em linha]. 2012, Revista de Saúde Amato Lusitano [Consult. 25 abril 2013]. Disponível em http://www.hal.min-saude.pt/media/6394/art igo%20original_2.pdf
  25. 25. As feridas Trabalho realizado por: Cristiano Ferreira Junho de 2013

×