Faculdades FORTIUM
Departamento de Administração - Disciplina: Ciência Política
Professor: Ailton Guimarães
1
NOTA DE AULA...
2
É um fenômeno intrigante, complexo e oculto. Está presente nos
setores públicos e privados com fins lucrativos ou não, e...
3
forma sustentável. Neste contexto, o administrador necessita de autoridade para
executar suas principais funções que são...
4
c) Quanto a Importância da origem e conquista
No primeiro caso, o líder precisa, para ser bem sucedido, fazer
seus lider...
5
as táticas de poder, são os caminhos para o sucesso, ou não, do exercício do
poder.
Segundo Robbins (2002), as táticas o...
6
trabalho. Neste caso, estão colocando em prática seus poderes, isto é, estão
fazendo política.
Essa maneira de agir é vi...
7
a) competição pelo uso dos recursos da empresa
b) busca de apoio para aprovar interesses
6.2. Fatores que contribuem par...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ciência política nota-de-aula-5

144 visualizações

Publicada em

adm

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciência política nota-de-aula-5

  1. 1. Faculdades FORTIUM Departamento de Administração - Disciplina: Ciência Política Professor: Ailton Guimarães 1 NOTA DE AULA 5 O que veremos nesta Nota de Aula:  Retrospectiva.  Política, poder e Administração.  Liderança e poder.  Dependência, a chave do poder  Táticas de poder  O poder em ação, o comportamento político. 1. Retrospectiva Política, sistema político, poder e autoridade são conceitos fortemente entrelaçados e tem importância equivalentes. Relacionar esses conceitos com o mundo empresarial não é difícil visto que em uma empresa temos relações de poder, autoridade e, por que não dizer, de polítca. Nas notas de aulas anteriores estudamos todos esses conceitos, começando pela política e seus primeiros pensadores na Grécia. Da política passamos para o sistema político padrão permanente de relações humanas onde coexistem poder, governo e autoridade. È difícil não acharmos uma relação de poder em nossas vidas. Ela ocorre, em diferentes intensidades, em praticamente todas as relações sociais. Além de variar em intensidade, também existem diversos tipos de poderes. No entanto, apesar desta diversidade, podemos estabelecer uma hierarquia entre os poderes, tendo o poder político o lugar de maior destaque. 1 Mestre em Economia de Empresas, pela UCB - Universidade Católica de Brasília; Especialista em Finanças, pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina; Especialista em Controladoria, pela Faculdade Tibiriçá/SP. Servidor do Banco Central do Brasil.
  2. 2. 2 É um fenômeno intrigante, complexo e oculto. Está presente nos setores públicos e privados com fins lucrativos ou não, em situações de trabalho voluntário e trabalho remunerado. Cada tipo de organização difere em termos de objetivo, quadro de pessoal e outras variáveis, mas os problemas de poder organizacional são muitas vezes da própria sobrevivência individual e estão presentes em cada uma delas. Para Robbins (2002), poder é um processo natural em qualquer grupo ou organização. Ele tem origem na força ou na autoridade. A força, como fonte de poder, surge quando um agente usa ou ameaça de coerção física outro agente. È uma característica dos Estados. A outra fonte de poder, a autoridade, pode ser definida como um direito de decidir sobre o comportamento de outrem. Max Weber identificou três tipos de autoridade: a burocrática; a tradicional e a carismática. O estudo da política, do poder e da autoridade inicialmente acontece naquela instituição que conhecemos como Estado. Entretanto, podemos encontrar estes conceitos também nas organizações privadas. Quando utilizado de maneira equilibrada o poder pode trazer benefícios para a empresa, devendo o gestor decidir a forma mais adequada de exercê-lo, sem ser autoritário e inflexível, mas com firmeza, pois como escreveu Maquiavel, “O homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons”. 2. Política, poder e a Administração Política é, como sabemos, a arte da organização, direção e administração. Com o objetivo de mostrar como a política e o poder se desenvolvem nas empresas, definimos a seguir o que é administração. A administração, também chamada gerenciamento ou gestão de empresas, é uma ciência humana fundamentada em um conjunto de normas e funções elaboradas para disciplinar elementos do processo produtivo. Ela estuda os empreendimentos humanos com o objetivo de alcançar um resultado eficaz de
  3. 3. 3 forma sustentável. Neste contexto, o administrador necessita de autoridade para executar suas principais funções que são: Planejar, organizar, liderar e controlar. As instituições administradas são entidades sociais de pessoas e recursos que interagem em ambientes físicos ou não. Essas interações são conhecidas como relações de trabalho. Nelas, o poder e o conflito, estam sempre presentes. Assim, o campo das relações de trabalho surge como espaço propicio de manifestações de poder, produzindo as diversas relações de força existentes entre os grupos de interesse nas próprias organizações. Esses interesses são em geral econômicos, mas os fatores políticos, que podem ser visto na aceitação das regras de maneira consensual quando, eliminando-se o caráter de imposição e garantindo a eficácia do sistema produtivo, como nos ensinam as teorias contratualistas sobre a formação do Estado moderno, são muito importantes. Neste cenário, Morgan (1996) diz que as organizações podem ser vistas como sistemas de atividade política, e esta política organizacional nasce quando as pessoas pensam diferentemente e querem agir diferentemente. Essa diversidade cria tensão que precisa ser resolvida por meios políticos ou, dito de outra forma, por quem detém o poder político. 3. Liderança e poder são sinônimos? Os líderes utilizam o poder como meio de atingir objetivos, seja do grupo ou até mesmo pessoal. Portanto, liderança e poder estão muito próximos, mas não sinônimos. Diferem basicamente de três formas: a) Quanto à vinculação de objetivos; b) Quanto ao foco da influência;
  4. 4. 4 c) Quanto a Importância da origem e conquista No primeiro caso, o líder precisa, para ser bem sucedido, fazer seus liderados compartilharem dos seus objetivos, enquanto o exercício do poder requer apenas dependência. Quanto ao foco da influência, a liderança é explicada basicamente pela relação líder - liderado. Já o exercício do poder, para ser entendido corretamente, precisa considerar todos os efeitos, diretos e indiretos, verticais e horizontais. Quanto à importância da origem e conquista, a preocupação sobre a liderança tem foco no estilo do líder. Com relação ao poder, a preocupação é com as táticas de conquistas e da submissão. 4. Dependência, a chave do poder Quanto maior a dependência, maior o poder. Isto nos leva a seguinte constatação: A dependência aumenta quando o recurso detido por um agente é importante, escasso e não substituível. Um recurso será considerado importante se alguém desejar fortemente aquilo que é possuído por um agente. A escassez, objeto principal de estudo da economia, é um fator determinante para estabelecer o nível de dependência. Quanto menos escasso for um recurso, menos poder ele dará ao seu proprietário. No que se refere à substituição, a conclusão é: quanto menos substitutos viáveis tiver um recurso, maior o poder que seu controle proporcionará. Conclusão: as fontes de poder variam de empresa para empresa. Em uma empresa, os recursos tecnológicos significam fonte de poder; em outra, são os departamentos de marketing os poderosos. 5. Táticas de poder O bom exercício do poder é importante, mas como fazê-lo com eficiência? A maneira como os agentes influenciam os outros,
  5. 5. 5 as táticas de poder, são os caminhos para o sucesso, ou não, do exercício do poder. Segundo Robbins (2002), as táticas ou estratégias mais importantes para consquitar e exercer são sete. Vejamos cada uma delas e seu respectivo significado. 1) Razão - argumentação racional e lógica de ideias. 2) Amabilidade - promoção de um clima amigável por meio de uma postura humilde. 3) Coalização - Obtenção de apoio do grupo para suas ideias. 4) Negociação - oferecimento de benefícios ou favores para resolver um conflito. 5) Afirmação - abordagem forte e direta para exigência do cumprimento de obediência. 6) Autoridades superiores - faculdade de conseguir apoio dos superiores para suas ideias. 7) Sanções - utilização de recompensas, punições, promessas e ameaças para motivar. Os administrados utilizam essas táticas ou estratégias de poder em dois planos: I - com relação aos subordinados II - com relação aos seus superiores Em ambos os casos, a razão, segundo Robbins (2002), é o meio mais efetivo para exercer o poder. O uso da estratégia adequada depende, em geral, do objetivo a ser atingido, da expectativa quanto ao resultado pretendido e da cultura organizacional. 6. O poder em ação, o comportamento político Robbins (2002), argumenta que o poder nas organizações é posto em prática quando os agentes se agrupam para exercer influência, seja para conseguir aumentos de salários, promoções ou melhorias das condições de
  6. 6. 6 trabalho. Neste caso, estão colocando em prática seus poderes, isto é, estão fazendo política. Essa maneira de agir é vista por Robbins (2002) como comportamento político. De maneira mais formal ele define comportamento político como atividades que não são requeridas como parte do papel formal na empresa, mas influenciam, ou tentam influenciar, a distribuição de vantagens e desvantagens dentro do grupo. O comportamento político, em geral, está fora dos requisitos específicos do trabalho das pessoas. Robbins divide este comportamento em dois tipos: I) O comportamento político legítimo – Aquele relacionado às atividades do dia. Exemplos: reclamar com o chefe, formar coalizões, desenvolvimento de contatos fora da empresa. II) O comportamento político ilegítimo – Aquele que viola as “regras do jogo”. Quem o pratica é chamado de individuo que “joga sujo”. Exemplo: sabotagem, denúncia de colegas e uso de roupas inadequadas. 6.1. A realidade política A política é um fato nas empresas e quem ignorá-lo corre serio risco de ser mal sucedido em sua vida profissional Uma questão importante é: È possível que em uma organização não exista política? Robbins (2002), responde que sim, é possível, mas improvável. Não existirá política se todos na empresa tiverem os mesmos interesses, se compartilharem as mesmas metas, se os recursos organizacionais forem ilimitados e se os resultados dos desempenhos forem totalmente claros e objetivos. Este não parece ser o mundo real, tendo em conta que as organizações são formadas por pessoas com diferentes interesses. È essa diversidade é, normalmente, a grande fonte de conflitos. Esses conflitos podem se materializar pelos seguintes motivos:
  7. 7. 7 a) competição pelo uso dos recursos da empresa b) busca de apoio para aprovar interesses 6.2. Fatores que contribuem para a existência do comportamento político Pesquisas recentes apontaram alguns fatores que contribuem para o desenvolvimento do comportamento político nas empresas. Aqui estão alguns deles: Fatores individuais: – capacidade de automonitoramento - necessidade de poder - investimento na organização - conformidade - expectativa de sucesso Fatores organizacionais - Alocação de recursos - oportunidades de promoção - sistema de avaliação de desempenho pouco claro - pressão por alto desempenho - abordagem de soma zero Bibliografia Robbins, Stephen P. Comportamento Organizacional. Tradução técnica: Reynaldo Marcondes. São Paulo: Prentice Hall, 9ª ed. 2002.

×