A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost

8.372 visualizações

Publicada em

Slide desenvolvido para o grupo de pesquisa Narrativas Midiáticas Audiovisuais Reconfiguradas. Orientação da professora Fabiana Quatrin Piccinin. Universidade de Santa Cruz do Sul - Unisc.

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.298
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
245
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost

  1. 1. A narrativacinematográfica___________________________________________ André Gaudreault e François Jost Universidade de Santa Cruz do Sul – Unisc Narrativas Midiáticas Audiovisuais Reconfiguradas Cristiane Lautert Soares – PROBIC/FAPERGS
  2. 2. Descrição do primeiro flash-back do filme Cidadão Kane, deOrson Welles, 1941.a) Como acontece a passagem da frase manuscrita a essasimagens que parecem mostrar diretamente os acontecimentos?b) Essa visualização/audiovisualização de uma parte das memóriasé uma narrativa da mesma forma que as frases que a constituem?c) Se sim, quem narra? Quem narra de forma escrita ou algumainstância abstrata, responsável pela ordenação das imagens?d) As imagens e sons são apenas uma ilustração objetiva daspróprias memórias ou são representações subjetivas do que ojornalista imagina ao ler as memórias? Quem vê essas imagens?
  3. 3. Narrativa oral e narrativa escrita Narrativa oral – supõe apenas um narrador explícito e uma única atividade de comunicação narrativa, efetuada face a face. É imediata, na hora, sem intermediários. Narrativa escrita – não é entregue no mesmo momento em que é emitida. O leitor toma conhecimento da narrativa por um intermediário – livro, jornal -, que resulta de um ato de escrita anterior: uma mídia. A narração oral se faz in praesentia enquanto a narração escritural, in absentia.
  4. 4. Narratologia e cinema Narratologia modal/da expressão – ocupa-se das formas de expressão por meio das quais alguém conta algo: formas de manifestação do narrador, materiais de expressão postos em jogo por meio de uma mídia narrativa (imagens, palavras, sons), níveis de narração, temporalidade, pontos de vista. Narratologia temática/de conteúdo – ocupa-se da história contada, das ações, dos papéis e das relações dos personagens.
  5. 5. Um precursor: Albert Laffay Laffay define a narrativa por oposição ao mundo: A narrativa cinematográfica é ordenada. O mundo não tem começo nem fim. A narrativa possui uma trama lógica. É ordenada por um mostrador de imagens, um grande imagista. O cinema conta na medida em que representa. O mundo apenas é.
  6. 6. Cinco critérios para reconhecer uma narrativa Christian Metz Uma narrativa tem um começo e um fim. É uma sequência de duas temporalidades. O tempo da coisa narrada e o tempo da narração, propriamente dita. Toda narrativa é um discurso. Ela também seria um objeto proferido por uma instância narrativa – o grande imagista, conforme Laffay. A consciência da narrativa desrealiza a coisa contada. Ao lidarmos com uma narrativa, sabemos que ela não é realidade. Uma narrativa é um conjunto de acontecimentos. Metz não afirma que o plano seja um enunciado, mas que o plano é mais semelhante a um enunciado do que a uma palavra.
  7. 7. O que é uma narrativa cinematográfica? Para a imagem cinematográfica, é muito difícil significar um único enunciado por vez. Todo plano contém uma pluralidade de enunciados narrativos que se superpõem e podem se recobrir quando o contexto nos é favorável. Um homem que leva a mão ao peito pode ter levado um tiro e morrido, mas pode estar fingindo-se de morto. Se ele acorda, pode ter ressuscitado ou parado de fingir. A imagem mostra, mas não diz (Jost).
  8. 8. O nascimento da narrativa cinematográfica No começo, o argumento narrativo era muito simples. Os filmes eram unipontuais. A unidade de tomadas em um único plano era suficiente para servir à causa dos cineastas antes de 1902. Um só plano. Uma tripla unidade de lugar/tempo/ação.
  9. 9. Mostração - mimèsis Peça de teatro - seria um produto de mostração ou de uma narração? Seria um estado intermediário entre narração e mostração? No teatro - a apresentação do ator é feita em simultaneidade com a recepção do espectador. No cinema - o filme apresenta ao telespectador uma ação terminada. A câmera (pelos ângulos e movimentos) pode interferir na percepção que o espectador tem da performance dos atores.
  10. 10. Cinema sonoro – dupla narrativa A imagem e o som veiculam duas narrativas fortemente imbricadas. Imagens, ruídos, diálogos, menções escritas e música tocam como as partes de uma orquestra. Ruídos podem ser portadores de uma narrativa?
  11. 11. O que é uma narrativa de ficção? A questão traz consigo duas outras: onde começa a narrativa?, onde começa a ficção? Todo filme participa, ao mesmo tempo, dos dois regimes – documentário/ficção. É o trabalho de leitura do espectador que permite a um regime tomar precedência sobre o outro. Filmes como O Almoço do Bebê favorecem a atitude documentarizante. Vestígio do passado. Não há organização do material. Filmes como O regador regado favorecem a atitude fictivizante. Há organização do material.
  12. 12. Realidade afílmica e diegese Realidade afílmica – a que existe no mundo habitual, independentemente da relação com a arte fílmica. Diegese – definido por Souriau como “tudo aquilo que confere inteligibilidade à história* contada, ao mundo proposto ou suposto pela ficção”.* sequência cronológica dos acontecimentos narrados
  13. 13.  Os filmes Lumière “em tempo real” não obedecem ao critério mínimo da narrativa – a organização dos acontecimentos. Podem ser considerados como o grau zero da documentalidade. O assunto do jornal televisivo é estruturado de modo que o comentário no início da matéria faça uma exposição cuja função é definir os postulados que darão forma ao real e à sua interpretação.
  14. 14. Da enunciação à narração Enunciação – no sentido mais amplo, designa as relações que se estabelecem entre o enunciado e os diferentes elementos que constituem o quadro enunciativo (protagonistas e situação). No sentido estrito – vestígios linguísticos da presença do comentador no seio de seu enunciado.
  15. 15. Da enunciação à narração Dêiticos – marcas do idioma que remetem ao comentador, a quem profere o discurso (aqui, agora, eu). “Estou só aqui, agora, bem abrigado”. Quem diz “eu”? No discurso oral, vê-se o falante, o local, a situação. Na escrita, isso não é dado ao leitor diretamente.
  16. 16. Enunciação cinematográfica O momento no qual o espectador, escapando ao efeito-ficção, teria a convicção de estar na presença da linguagem cinematográfica como tal: “eu sou do cinema”. “A percepção da enunciação cinematográfica varia segundo o espectador e sua “bagagem”.
  17. 17. Narrador explícito e o grande imagista As diferenças entre o que um personagem deveria ter visto e aquilo que vemos, bem como as diferenças entre o que o personagem relata e o que vemos, também podem ser encontradas em reportagens e documentários. O grande imagista fílmico é extradiegético e invisível. Manipula o conjunto da trama audiovisual. Na ficção, o grande imagista é um narrador implícito. No documentário ou reportagem é o documentarista ou jornalista.
  18. 18. Das instâncias narrativas ao filme Subnarração – O grande imagista é considerado o único “verdadeiro” narrador do filme. Todos os outros narradores presentes em um filme se entregam à subnarração. Narradores segundos – no texto, o narrador narra o que um outro narrador subnarrou (exemplo de Sherazade). Na narrativa cinematográfica, como não há apenas uma só matéria de expressão – a língua -, é relativamente difícil ocultar o narrador primeiro - o grande imagista -, com a interposição de um segundo narrador.
  19. 19. Narrativa oral, narrativa audiovisual Concomitância entre a narrativa do grande imagista e a do subnarrador verbal (subnarrativa oral). Cena - Leland narra oralmente o que se lembrava da vida conjugal de Kane e esposa: subnarração. Imagens do que Leland (narrador segundo) está relatando: narrativa audiovisual cede lugar à subnarrativa audiovisual.
  20. 20. Quem narra o filme? Mostrador fílmico (filmagem) Meganarrador(grande imagista) { Narrador fílmico (montagem)
  21. 21. Narratologia fílmica em perspectiva Para Odin, a realização e a leitura dos filmes são práticas sociais programadas. A história pressupõe a intervenção de um narrador: “Uma história sempre é narrada, no cinema e em toda parte”. Para Metz, a enunciação fílmica aponta para o próprio filme como objeto. O enunciador se torna o filme, e não uma instância de fora dele.
  22. 22. Narratologia fílmica em perspectiva Francesco Casetti identifica o enunciador fílmico como o Eu, o Tu, e o Ele. Essas três instâncias sempre estão presentes, mas seus valores relativos e suas funções podem variar.
  23. 23. Narração sem narrador David Bordwell contesta a necessidade de a teoria do cinema reconhecer a existência de um narrador. Para ele, existem dois tipos de textos: os que pressupõem um narrador e aqueles aos quais é inútil tentar adequar esse princípio.
  24. 24. Referências GAUDREAULT, André; JOST, François. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

×