Poetas de ontem e de hoje

710 visualizações

Publicada em

A poesia portuguesa ao longo dos tempos (2º ciclo)

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
710
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Luísa Ducla Soares; Pessoa; Régio; Florbela Espanca; Maria Alberta Menéres; Eugénio de Andrade; Sophia; Almada; Cesário; José Gomes Ferreira; Gedeão; Bocage; Garret; Torga; Camões; D. Dinis
  • Poetas de ontem e de hoje

    1. 1. Poetas de ontem e de hoje Clicar sobre cada poeta.
    2. 2. D. Dinis Séc. XIII - XIV Ai, flores, ai, flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo? Ai, Deus, e u é? Ai, flores, ai, flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado? Ai, Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs comigo? Ai, Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mi à jurado? Ai, Deus, e u é? -- Vós me preguntades polo vosso amigo? E eu ben vos digo que é sano e vivo. Ai, Deus,e u é? Vós me preguntades polo vosso amado? E eu ben vos digo que é vivo esano. Ai, Deus, e u é? E eu ben vos digo queé sano e vivo e seerá vosco ante o prazo saido. Ai, Deus, e u é? E eu ben vos digo que é vivo e sano e seerá vosco ante o prazo passado. Ai, Deus, e u é?
    3. 3. Luís Vaz de Camões Séc. XVI "Os bons vi sempre passar No Mundo graves tormentos; E pera mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só pera mim, Anda o Mundo concertado."
    4. 4. Manuel Maria Bocage – Séc. XVIII A Raposa e as Uvas Contam que certa raposa, andando muito esfaimada, viu roxos maduros cachos pendentes de alta latada. De bom grado os trincaria, mas sem lhes poder chegar, disse: “estão verdes, não prestam, só cães os podem tragar !” Eis cai uma parra, quando prosseguia seu caminho, e crendo que era algum bago, volta depressa o focinho.
    5. 5. João Baptista de Almeida Garrett Séc. XIX Pescador da barca bela, Onde vais pescar com ela, Que é tão bela, Ó pescador? Não vês que a última estrela No céu nublado se vela? Colhe a vela, Ó pescador! Deita o lanço com cautela, Que a sereia canta bela... Mas cautela, Ó pescador! Não se enrede a rede nela, Que perdido é remo e vela Só de vê-la, Ó pescador! Pescador da barca bela, Inda é tempo, foge dela, Foge dela, Ó pescador!
    6. 6. José Joaquim Cesário Verde Séc. XIX Naquele pique-nique de burguesas, Houve uma coisa simplesmente bela, E que, sem ter história nem grandezas, Em todo o caso dava uma aguarela. Foi quando tu, descendo do burrico, Foste colher, sem imposturas tolas, A um granzoal azul de grão-de-bico Um ramalhete rubro de papoulas.
    7. 7. José de Almada Negreiros Séc. XIX e XX Pede-se a uma criança: Desenhe uma flor! Dá-se-lhe papel e lápis. A criança vai sentar-se no outro canto da sala onde não há mais ninguém. Passado algum tempo o papel está cheio de linhas. Umas numa direcção, outras noutras; umas mais carregadas, outras mais leves; umas mais fáceis, outras mais custosas. A criança quis tanta força em certas linhas que o papel quase que não resistiu. Outras eram tão delicadas que apenas o peso do lápis já era de mais. Depois a criança vem mostrar essas linhas às pessoas: uma flor! As pessoas não acham parecidas estas linhas com as de uma flor! Contudo, a palavra flor andou por dentro da criança, da cabeça para o coração e do coração para a cabeça, à procura das linhas com que se faz uma flor, e a criança pôs no papel algumas dessas linhas, ou todas. Talvez as tivesse posto fora dos seus lugares, mas são aquelas as linhas com que Deus faz uma flor!
    8. 8. Fernando Pessoa Séc. XIX e XX Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. Tudo o que sonho ou passo, O que me falha ou finda,  É   como que um terraço Sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda. Por isso escrevo em meio Do que não está ao pé, Livre do meu enleio, Sério do que não é, Sentir, sinta quem lê !
    9. 9. Florbela Espanca Séc. XIX e XX Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Áquem e de Além Dor! É ter de mil desejos o esplendor E não saber sequer que se deseja! É ter cá dentro um astro que flameja, É ter garras e asas de condor! É ter fome, é ter sede de Infinito! Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim... É condensar o mundo num só grito! E é amar-te, assim, perdidamente... É seres alma, e sangue, e vida em mim E dizê-lo cantando a toda a gente!
    10. 10. António Gedeão Séc. XX Pedra Filosofal Eles não sabem, nem sonham, que o sonho comanda a vida Que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança como bola colorida entre as mãos de uma criança. Gota de Água Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.
    11. 11. Miguel Torga - Séc. XX Sei um ninho. E o ninho tem um ovo. E o ovo, redondinho, Tem lá dentro um passarinho Novo. Mas escusam de me atentar: Nem o tiro, nem o ensino. Quero ser um bom menino E guardar Este segredo comigo. E ter depois um amigo Que faça o pino A voar...
    12. 12. Sophia M. Andresen – Séc. XX No fundo do mar há brancos pavores, Onde as plantas são animais E os animais são flores. Mundo silencioso que não atinge A agitação das ondas. Abrem-se rindo conchas redondas, Baloiça o cavalo-marinho. Um polvo avança No desalinho Dos seus mil braços, Uma flor dança, Sem ruído vibram os espaços. Sobre a areia o tempo poisa Leve como um lenço. Mas por mais bela que seja cada coisa Tem um monstro em si suspenso.
    13. 13. Álvaro Magalhães – Séc- XX Escrevi a palavra flor. Um girassol nasceu no deserto de papel. Era um girassol como é um girassol. Endireitou o caule, sacudiu as pétalas e perfumou o ar. Voltou a cabeça à procura do sol e deixou cair dois grãos de pólen sobre a mesa. Depois cresceu até ficar com a ponta de uma pétala fora da Natureza.
    14. 14. Ary dos Santos – Séc. XX Estudar não é só ler nos livros que há nas escolas. É também aprender a ser livres, sem ideias tolas. Ler um livro é muito importante, às vezes, urgente. Mas os livros não são o bastante para a gente ser gente. É preciso aprender a escrever, mas também a viver, mas também a sonhar. É preciso aprender a crescer, aprender a estudar. Estudar também é repartir, também é saber dar o que a gente souber dividir para multiplicar.
    15. 15. Eugénio de Andrade – Séc. XX Pastor, pastorinho, onde vais sozinho? Vou àquela serra buscar uma ovelha. Porque vais sozinho, pastor, pastorinho? Não tenho ninguém que me queira bem. Não tens um amigo? Deixa-me ir contigo.
    16. 16. Maria Alberta Menéres – Séc. XX O bicho-de-conta Faz de conta, faz Que é cabeça tonta Mas lá bem no fundo Não é mau rapaz. Se a gente lhe toca, Logo se disfarça: Veste-se de bola. Por mais que se faça Não se desenrola. Lá dentro escondendo Patinhas e rosto É todo um segredo: Se eu fosse menino Comigo brincava Sem medo sem medo.

    ×