A sexualidade no tempo

11.388 visualizações

Publicada em

2 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
262
Comentários
2
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A sexualidade no tempo

  1. 1. Sociedades Primitivas Monumentos megalíticos Monumento fálico Vénus de Willendorf, Paleolítico
  2. 2. Sociedades Primitivas• O culto da Grande Deusa, na Síria, no Egito e na Frígia, espalhando-se pela Europa Oriental, tinha um ritual essencialmente sexualIshtar, Astarte, na Ísis, no Egito Cibele, na Frígiana Babilónia Fenícia
  3. 3. Sociedades PrimitivasQuando o ser humano apenas caçava e recolhia frutos osexo estava apenas ligado ao prazer. Nessa época, havia ofascínio pela sexualidade e ser bissexual era algo comum.Entretanto, com a descoberta da agricultura os gruposfamiliares desenvolveram-se e os casamentos tornaram-seinteressantes porque passaram a ter dotes e heranças.
  4. 4. Esqueletos com aproximadamente 5000 anos encontrados em Mantova, Itália
  5. 5. A Sexualidade no Tempo Antiguidade Clássica - Grécia Séc. V a.C Séc. II• Na Grécia Antiga as mulheres eram discriminadas política e socialmente. No entanto, aquelas que eram prostitutas desfrutavam de independência sexual e económica. Vaso da Grécia Antiga mostra cortesã a despir- se para um cliente durante um banquete
  6. 6. A Sexualidade no Tempo Antiguidade Clássica• Ovídio, Eros e Psique: um mito de amor Eros e Psique
  7. 7. A Sexualidade no Tempo Antiguidade Clássica – Roma Antiga Séc. VIII a.C Séc. V Ao contrário do que se é transmitido nos dias de hoje, a sexualidade no Mundo Antigo era vista como algo positivo, representada pelos próprios deuses.• Ligação entre sexo e religião.• Um exemplo dessa ligação é a origem dos deuses, que geralmente nascem do casamento e do ato sexual entre outros deuses. Essa também é a origem dos fundadores da cidade de Roma, Rómulo e Remo, filhos da união oculta entre Reia Sílvia e o deus Marte.• O falo era um símbolo usado em amuletos para boa sorte e contra maus espíritos.
  8. 8. A Sexualidade no TempoAntiguidade Clássica – Roma Antiga Séc. VIII a.C Séc. VPara os estudos sobre sexualidade na Roma antiga, os historiadoresanalisaram os grafites e frescos encontrados no sítio arqueológico dePompeia, como o desta cena erótica:http://oridesmjr.blogspot.pt/2011/03/pompeia-uma-cidade-congelada-no-tempo.html
  9. 9. Mosaico - Pompeia
  10. 10. A Sexualidade no Tempo Antiguidade Clássica – Roma Antiga• A prostituição era legal, pública e generalizada. Pinturas pornográficas foram destaque entre as coleções de arte em respeitáveis ​famílias da classe altas.• em Roma, as Vestais, sacerdotisas escolhidas entre as idades dos 6 e os 10 anos, exerciam um sacerdócio durante trinta anos prestando culto à a deusa romana Vesta. Estavam encarregadas de manter sempre vivo o lume sagrado que simbolizava a virgindade da deusa, por isso, faziam voto de castidade e guardavam a sua virgindade durante esse período de tempo.
  11. 11. A Sexualidade no Tempo Antiguidade Clássica – Roma Vénus, deusa do Amor AntigaCuriosidades…SÓ VESTIDA…• As mulheres da Roma antiga nunca tiravam toda a roupa na hora do sexo. Só as mulheres consideradas “perdidas” o faziam.• Era proibido fazer sexo com mulheres casadas, virgens de boa família e adolescentes de nascimento livre.
  12. 12. PompeiaConsiderava-se natural e normal para os homens adultos seremsexualmente atraídos por jovens de ambos os sexos, e apederastia (pedofilia) foi tolerada enquanto os parceiros maisjovens não eram romanos livres ou seja desde que fosse entreum aristocrata e o seu escravo. No entanto, essa prática não eraaceite entre dois cidadãos romanos.
  13. 13. Sociedades OrientaisÍndia, templo de Khajuraho (seculo IX(?) com cenas doKamasutra.
  14. 14. A Sexualidade no Tempo Idade Média Séc. V Séc. XV• Na era medieval, a vida entre quatro paredes ficou mais recatada por causa da influência da Igreja Católica.• No mundo ocidental, tudo o que estava relacionado com o sexo - exceto a procriação - passou a ser pecado.• Os homens colocavam muitas vezes os cintos de castidade nas mulheres, o que as impedia de se relacionarem com outras pessoas.
  15. 15. A Sexualidade no Tempo Idade MédiaNão há consenso entre os historiadores sobre a invenção docinto de castidade, mas acredita-se que o modelo mais antigoseja o de Bellifortis, de 1405. Feito de metal, ele tinhaaberturas farpadas que permitiam urinar, mas não copular.
  16. 16. A Sexualidade no Tempo Idade Média• Também foi inventada a infibulação, técnica de costura da vagina para garantir a fidelidade da mulher ao senhor feudal quando ele viajava.
  17. 17. A Sexualidade no Tempo Idade MédiaPor volta do século XII, surgiu o chamadoamor cortês. Na corte, o cavaleiro levava olenço da mulher amada. Mas era um amor platónico e infeliz - como os casamentos eram arranjados por interesses económicos, o cavaleiro e a dama quase nunca ficavam juntos. Os noivosarranjados, muitas vezes só se conheciam por meio de retratos pintados a óleo.
  18. 18. A Sexualidade no Tempo Idade Médiao acasalamento das aves... e os encontrosamorosos nas fontes, nos bailaricos do adroda igreja ou nas florestas, são referidos nasCantigas dos trovadores e nos romances decavalaria.Lancelot, o melhor cavaleiro do rei Artur,encontra-se com a rainha...
  19. 19. A Sexualidade no Tempo Uma Cantiga de Amigo, de D. Dinis Idade Média CristãAi flores, ai flores do verde pino,se sabedes novas do meu amigo! -Vós me preguntades polo vossamigo, Ai Deus, e u é? e eu ben vos digo que é sane vivo. Ai Deus, e u é?Ai, flores, ai flores do verde ramo,se sabedes novas do meu amado! Vós me preguntades polo vossamado, Ai Deus, e u é? e eu ben vos digo que é vive sano. Ai Deus, e u é?Se sabedes novas do meu amigo,aquel que mentiu do que pos E eu ben vos digo que é sane vivocomigo! e seerá voscanto prazo saído. Ai Deus, e u é? Ai Deus, e u é?Se sabedes novas do meu amado E eu ben vos digo que é vive sanoaquel que mentiu do que mi ha e seerá voscanto prazo passado.jurado! Ai Deus, e u é? Ai Deus, e u é?
  20. 20. A Sexualidade no Tempo Idade Média Curiosidades… Só uma posição era consentida pela Igreja: a missionária. • Ela tem esse nome porque os missionários cristãos queriam difundir o seu uso em sociedades onde predominavam outras práticas, sendo ela a única posição apropriada porque, segundo são Paulo, a mulher deve sujeitar-se ao marido. • O recato entre quatro paredes era tamanho que, em alguns lares mais tradicionais, o casal utilizava um lençol com um furo no meio!
  21. 21. A Sexualidade no Tempo Idade Média• A vida sexual era possível ao cristão desde que acontecesse numa relação definida e supervisionada: o matrimónio.O sexo oral, as bruxarias para seduzir alguém, as práticasanticoncepcionais e abortivas e as relações incestuosas ouadúlteras eram vistas como pecado e castigadas,com pena de seis a quinze anosde jejum e excomunhão,acompanhados geralmentede interdição perpétua de qualquer relação sexual e de casamento.
  22. 22. A Sexualidade no Tempo Idade MédiaO banhoO banho era um hábito poucofrequente nos castelos, conventos eentre a população em geral, poisacreditava-se que a sujidade erauma proteção contra as epidemias(em especial, a peste negra). Háregistos de que os monges domosteiro de Cluny, na França,tomavam dois banhos completospor ano.
  23. 23. A Sexualidade no Tempo Idade MédiaHomossexualidadeNa cultura cristã, a relação homossexual, chamada desodomia, era considerada uma heresia pela Igreja - oshomossexuais poderiam até ser queimados em fogueiras.
  24. 24. A Sexualidade no Tempo Idade Média• CasamentoA família da noiva, que podia casar logo após asegunda menstruação, pagava um dote (dinheiroou bens) ao noivo, que tinha, geralmente, entre 16e 18 anos.
  25. 25. A Sexualidade no Tempo Idade Média Na cultura árabe, os califas e outros senhores ricos compravam escravos jovens com quem tinham relações, renunciando assim às suas mulheres e concubinas.
  26. 26. A Sexualidade no Tempo Renascimento• O corpo e a beleza física ganharam importância histórica a partir do final da Idade Média com a Renascença.• O ideal medieval da dama aristocrática graciosa, estreita de ancas e de seios pequenos…
  27. 27. A Sexualidade no Tempo Renascimento• …deu lugar nos finais do século XV e durante o século XVI, a um modelo de beleza feminina mais roliça, de ancas largas e seios generosos, que se iria manter até finais do século XVIII.
  28. 28. A Sexualidade no Tempo Renascimento • O pensamento renascentista influenciou pintores, escultores e artistas em geral, que retomaram os padrões da Antiguidade clássica nas suas obras. A arte renascentista celebrou abertamente o corpo e a beleza física. O nu passou a mostrar uma nova ideologia de mundo.
  29. 29. A Sexualidade no Tempo Renascimento Séc. XV Séc. XVINo tempo dos Descobrimentos, muitos homens partem de casa rumo a novos horizontespara trazerem fortuna,deixando as mulheres sós,frágeis, carentes. O adultériocresce desalmadamente,o clero envolve-se emescândalos com donzelas vendidas por alcoviteiras, tudo isto alvo das críticas de Gil Vicente.
  30. 30. A Sexualidade no Tempo Renascimento Botticelli, “A Alegoria da Primavera”
  31. 31. A Sexualidade no Tempo RenascimentoSéc. XV Séc. XVI A mulher, antes ligada ao pecado, reapareceu, seminua e deslumbrante no Nascimento de Vénus (Sandro Botticelli, 1483)
  32. 32. A Sexualidade no Tempo A Higiene no RenascimentoMais do que nunca, a limpeza passou a ser prerrogativa dosricos.• Dava-se mais atenção às partes do corpo que se apresentavam descobertas, como a cara e as mãos.• A higiene baseava-se em usar roupa lavada até ficar suja, pois tinham a ideia de que a roupa absorvia a sujidade.• Os dentes eram lavados com um produto 100% natural: urina, cinzas ou saliva.• A roupa não era lavada, mas sim sacudida e carregada de perfume.
  33. 33. A Higiene no Renascimento• As mãos eram lavadas apenas de 3 em 3 dias, e a face era limpa com clara de ovo ou vinagre para aclarar e amaciar a pele.• A sujidade era escondida com doses enormes de maquilhagem.• Para evitar o mau cheiro nas axilas, embebiam a pele com trocisco de rosas.
  34. 34. A Sexualidade no Tempo Século das Luzes XVIII• No século do Racionalismo, a sexualidade foi associada à procriação, como consequência foi rejeitada toda atividade destinada apenas ao prazer, inclusive a atividade pré-conjugal.• O sexo era aceite dentro do casamento, mas associado à concepção. O interesse pela sexualidade tende a ser considerado indecente, associado à imoralidade. O ideal da esposa vitoriana era a mulher frígida, que despreza o sexo.
  35. 35. A Sexualidade no Tempo Século das Luzes• foi uma época em que floresceram bordéis e houve um aumento da prostituição.. Toulousse-Lautrec foi um dos pintores que melhor retratou as mulheres e os bordéis franceses do fi nal do século XIX. Na imagem, uma cena do salão da rue des Moulins, em Paris (1894)
  36. 36. A Sexualidade no Tempo Século das Luzes• No final do século XVIII, os educadores ainda aceitavam a expressão do instinto sexual, mas no início do século XIX este passou a ser considerado conceção moral.• Pouco a pouco, a sexualidade deixou de ser integrada à vida. Havia fortes tabus, o indivíduo era obrigado a renegar a sua sexualidade.
  37. 37. A Sexualidade no Tempo A HIGIENE….• Até ao século XIX, irredutíveis os cristãos continuavam a bradar que a água dilatava os poros da pele, por onde a saúde escaparia e o mal penetraria. Todos acreditaram, incluindo os médicos.
  38. 38. A Sexualidade no Tempo Século das Luzes – Século XVIII• A privação de água durou até o século XVIII, quando se provou definitivamente que as doenças se originavam não do banho, mas da falta dele.• Banhos públicos para higiene, desporto e terapia foram, aos poucos, sendo reabilitados.
  39. 39. A Sexualidade no Tempo• Os banhos rotineiros reapareceram definitivamente nas grandes cidades ocidentais apenas por volta dos anos 1930.• Mas, no começo, eles não eram lá tão frequentes. Eram tomados aos sábados, dia em que também eram trocadas as roupas de baixo das crianças. Nessa época, navios ofereciam cabines de banho e barcos delimitavam áreas em rios que serviam como piscinas naturais.• Após o fim da Segunda Guerra, em 1945, quando boa parte das casas europeias teve que ser reconstruída, elas ganharam casas de banho, abastecidos com a cada vez mais comum água canalizada. A França foi a pioneira nas inovações sanitárias, seguida pela Inglaterra e pela Alemanha.
  40. 40. Raymond Moivoisin (1790-1870) ,Ninfas en el baño. Museo Nacional de Bellas Artes, Santiago.
  41. 41. A Sexualidade no Tempo Romantismo/Realismo• Na literatura do século XIX, surgem obras que retratam e criticam atitudes inerentes à sexualidade. Eça de Queirós, criticando o adultério, apresenta amores incestuosos entre:• mãe e filho irmãos (A Tragédia da (Os Maias) Rua das Flores)
  42. 42. A Sexualidade no nosso Tempo• Com Sigmund Freud, no apagar das luzes do século XIX, muda-se o modo de pensar sobre a sexualidade,formula-se a noção de motivação inconsciente.• Na entrada do século XX,a medicina passa a estarem condições depoder contribuir maispositivamente para avivência da sexualidade.
  43. 43. A Sexualidade no Tempo AtualidadeNo Cinema (estórias de amor; erotismo)

×