2013

Plantações em Dunas costeiras

Índice
1.

Introdução ..................................................................
2013

Plantações em Dunas costeiras
1. Introdução

As dunas se desenvolvem a partir da interacção do vento, da areia e da ...
2013

Plantações em Dunas costeiras

À semelhança dos outros tipos de plantações, as plantações em dunas costeiras são est...
2013

Plantações em Dunas costeiras
3. Plantações em Dunas costeiras
3.1.Descrição da vegetação das dunas costeiras

A veg...
2013

Plantações em Dunas costeiras

As brechas costeiras são constituídas por estratos que podem atingir entre 3 -5m, enc...
2013

Plantações em Dunas costeiras

Dependendo do tipo de vegetação torna-se necessário a remoção dos cepos, com vista a
...
2013

Plantações em Dunas costeiras
3.4.Plantação
3.4.1. Técnicas de plantio

Faz-se uma implantação por plantio, onde as ...
2013

Plantações em Dunas costeiras
3.4.5. Espécies usadas em Plantações de dunas costeiras.

Usam-se dois tipos de vegeta...
2013

Plantações em Dunas costeiras

Em Moçambique encontram-se as plantações nas províncias de Gaza em Bilene com finalid...
2013

Plantações em Dunas costeiras


6. Bibliografia
 Balidy, HJ; HH Pacule; AJ Matavel; JC Horril; M Mechisso; GM Mulh...
2013

Plantações em Dunas costeiras

 Ribeiro, Natasha; Sitoe, Almeida A.; Guedes, Benard S; Staiss (2002), Manual de
Sil...
2013

Plantações em Dunas costeiras

Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice

UEM - FAEF

12
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Plantacoes em dunas costeiras

850 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
850
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plantacoes em dunas costeiras

  1. 1. 2013 Plantações em Dunas costeiras Índice 1. Introdução ................................................................................................................................ 2 1.1. Objectivos ................................................................................................................................ 3 1.1.1. Geral: ................................................................................................................................ 3 1.1.2. Específicos: ...................................................................................................................... 3 3. Plantações em Dunas costeiras ................................................................................................ 4 3.3. Preparação do Local - limpeza ................................................................................................ 5 3.4. Plantação .................................................................................................................................. 7 3.4.1. Técnicas de plantio ........................................................................................................... 7 3.4.2. Período da plantação ........................................................................................................ 7 4. Conclusão ................................................................................................................................ 9 6. Bibliografia ............................................................................................................................ 10 7. Anexos ................................................................................................................................... 11 Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 1
  2. 2. 2013 Plantações em Dunas costeiras 1. Introdução As dunas se desenvolvem a partir da interacção do vento, da areia e da vegetação. Do mar vem a areia, que carregada pelo vento acumula-se ao encontrar um obstáculo. Com o crescimento da vegetação típica, a areia vai sendo fixada, formando dunas de diferentes desenhos e tamanhos. (De Almeida, António Campar 2001). As mais próximas ao mar, são baixas e nestas a vegetação é capaz de resistir ao sal e às subidas do mar – são ditas dunas embrionárias; logo atrás, estão as dunas mais altas com vegetação variada e delas pode-se observar a amplidão da praia – a estas se denomina dunas primárias e secundária (NEMA, 2006, Documento técnico. s () As dunas costeiras exercem funções ambientais importantes: estabilizam a linha de costa, protegem o lençol freático, constituem barreira natural contra as ressacas do mar e são habitat para diferentes espécies da fauna e da flora (NEMA, 2006.) A cobertura vegetal desempenha uma função importantíssima para a manutenção de dunas costeiras vegetadas (Dewhurst, 2002). A perda da vegetação torna a praia e a duna mais susceptível à erosão causada por ventos e ondas e dificulta a recomposição destes ambientes após a passagem de ondas com alta energia. (Dewhurst, 2002), citado por (Balidy et al. 2008). Sobre as dunas pode ser realizada uma regeneração artificial, cujos objectivos podem ser a protecção, lazer e até mesmo a produção madeireira, bem como combinação dos objectivos; O êxito da regeneração artificial depende de aspectos ambientais e silviculturais. Sempre que possível, é necessário assegurar que as características naturais do solo estão presentes, caso contrário o terreno deve ser previamente preparado, e respeitar o recomendado para cada uma das espécies. (Sitoe et al. 2002). Portanto as plantações florestais podem contribuir para minimizar os impactos da degradação na zona costeira através da fixação das dunas e estabilização das bacias hidrográficas (De Almeida, 2002). As plantações em dunas costeiras estão inseridas no sistema de reflorestamento protector não industrial de grande superfície, bem como indústrias de grandes superfícies; onde para plantações com fins protectoras, têm como principal objectivo a protecção de dunas costeiras contra a erosão hídrica e eólica e quebra vento; e para fins indústrias, podem destinarem-se a produção de madeira serrada, postes. (De Almeida, 2001). Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 2
  3. 3. 2013 Plantações em Dunas costeiras À semelhança dos outros tipos de plantações, as plantações em dunas costeiras são estabelecidas obedecendo certos procedimentos e técnicas, que vão desde o levantamento de espécies existente na área, preparação do terreno até o plantio. (De Almeida, António Campar 2001) 1.1.Objectivos 1.1.1. Geral:  Descrever as Plantações em dunas costeiras. 1.1.2. Específicos:  Identificar a finalidade das plantações em dunas costeiras;  Descrever as formas de preparação do terreno adequadas em dunas costeiras;  Descrever as técnicas de plantio adequadas em dunas costeiras;  Descrever as espécies adequadas e recomendadas para plantio em dunas costeiras;  Identificar experiencias das plantações em dunas costeiras no pais. 2. Metodologia  Revisão bibliográfica – consistiu em consultar diferentes informações publicadas a cerca do tema, seguido duma sinergia dessa informação publicada com os assuntos debatidos durante as aulas. Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 3
  4. 4. 2013 Plantações em Dunas costeiras 3. Plantações em Dunas costeiras 3.1.Descrição da vegetação das dunas costeiras A vegetação nativa desempenha importante papel na formação e fixação das dunas, e tipo varia de região para região. São plantas adaptadas às condições ambientais extremas como salinidade, atrito dos grãos e movimentos de areia. A vegetação existente nas dunas provém da sucessão vegetal (pioneira até equilíbrio ecológico – clímax). A vegetação fixadora (pioneira) de areia é constituída principalmente pela catiporágua de cor vermelhos, a margarida-das-dunas, o capim salgado e o capim das dunas. Citado por (NEMA, 2006). Nas dunas também ocorre formações de brechas costeiras, floresta ribeirinha e graminal. Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 4
  5. 5. 2013 Plantações em Dunas costeiras As brechas costeiras são constituídas por estratos que podem atingir entre 3 -5m, encontrando algumas espécies como a Afzelia quanzensis, Albizzia adiantifolia, Albizzia versicolor, trepadeira como a Cissus quadrangularis. Na floresta ribeirinha predominam espeçcies como a Bambusa sp, Sclerocarya birrea, Euphorbia titrucalli e Ficus sp; a graminal ocorre apos a floresta ribeirinha e brecha costeira, encontram-se espécies como Syzygium cordatum, Ozoroa obovata, Euclea natalensis e Terminalia seriecea. (Balidy et al. 2008). 3.2.Implantação duma plantação em dunas costeiras. 3.2.1. Planeamento da plantação No planeamento da plantação em dunas costeiras, depois duma planificação ao nível de gabinete, segue-se uma análise do local de plantio concernente ao tipo de vegetação existente, que nos levara a definir os destemas a empregar na limpeza do terreno. Dependendo de cada área pode haver casos em que será necessário o uso de maquinarias pesadas para a remoção da vegetação (caso de florestas ribeirinhas e brechas costeiras). Nesta fase também se identificam as espécies a usar que deveram ir ao encontro do sistema de reflorestamento, tipo e salinidade dos solos das dunas costeiras. O fim disso será a execução do projecto de reflorestamento (Staiss, 2002) 3.3.Preparação do Local - limpeza A preparação do terreno segue os seguintes passos:  Derrubada Dependendo do tipo de vegetação encontrada em cada área pode-se executar a remoção da vegetação usando um sistema mecanizado ou manual. Porque algumas áreas estão na fase de colonização pela vegetação pioneira, porém, para áreas com formações florestais como brechas costeiras e floresta ribeirinha torna-se necessário o uso de máquinas para a remoção de toda vegetação arbórea e arbustiva. Para este caso usa-se a lâmina bulldozer e tractores com puchadores de árvores, respeitando os cuidados que influenciaram na erosão dessas áreas. (Staiss, 1994). Aproveitamento de material e queima – Geralmente o material proveniente da derruba são usados como lenha, estacas, alguns casos como madeira serrada. Os resíduos são queimados em montões (queima parcial) para reduzir os impactos da queima sobre o solo. (Staiss, 2002) Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 5
  6. 6. 2013 Plantações em Dunas costeiras Dependendo do tipo de vegetação torna-se necessário a remoção dos cepos, com vista a facilitar trabalhos subsequentes. (SS Mbié 2008).  Lavoura e gradagem A lavoura se efectuam para solos onde já esteve coberto por uma vegetação como forma de facilitar a acomodação das plantas na época da plantação. A remoção de lixo e ervas daninhas existentes podem ser necessários para evitar dificuldades de plantio, bem como podem reter algumas espécies exóticas a curto prazo quando antes não entram em competição com a plantação implantada. A operação de dragagem pode ser uma complementação de lavoura para quebrar os pedaços de solo e de maneira criar condições mais favoráveis para um plantio subsequente. Utiliza se normalmente grades leves de diferentes tipos acoplados aos tractores de pneu.( Staiss, 2002)  Estabilização das dunas. Actividade geralmente realizada 1 ano antes da plantação, que consiste na construção de prédunas, seguida da fixação de dunas através da vegetação nativa (criar as condições para actividades posterior de plantio propriamente dito). São escolhidas espécies pioneiras, que ocorram e colonizam num curto espaço de tempo, a duna desde que conhece os métodos de vegetação a serem empregues para as tais espécies. (NETO et al., 2004). Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 6
  7. 7. 2013 Plantações em Dunas costeiras 3.4.Plantação 3.4.1. Técnicas de plantio Faz-se uma implantação por plantio, onde as mudas são produzidas em viveiros florestais. Usamse mudas produzidas pela técnica de embalagem (produção própria ou de terciários) como forma de garantir maior adaptação as condições do terreno definitivo, o que concorre para alta taxa de sobrevivência das mudas durante a época seca; O plantio é manual, sendo efectuado por enxadões (Guedes, Benard S; Staiss 2002). Limpeza – maquinaria Estabilização das dunas - Manual Plantio - Manual 3.4.2. Período da plantação O Plantio geralmente é realizado na estação chuvosa (Dezembro a Março, caso de Moçambique, e outros países de clima tropicais). Iniciando logo após aqueda das primeiras chuvas desde eu estejam em quantidades suficientes para se efectuar o plantio. Evitando desta forma plantar na época seca, ou mesmo no fim da estação chuvosa. (Staiss, 2002)) 3.4.3. Espaçamento De forma geral usa-se espaçamento triangular; o espaçamento entre as plantas será diferente dependendo da sua forma de crescimento. Geralmente, usa-se o espaçamento 2x2 a 3x3 m para a produção de madeira, podendo ser menor quando o objectivo da plantação é o da protecção do solo, 1x1 m na zona de origem do vento até 2x2m na zona de protecção. (Staiss, 2002) 3.4.4. Características das espécies e mudas usadas em Dunas costeiras As espécies usadas para plantações em dunas costeiras devem apresentar:  Sistema radicular resistente;  Capacidade de suportar às condições de salinidade e sodicidade extrema;  Resistência à más condições edáficas, ambientais (temperaturas extremas) e nutricionais;  Planta com um bom torrão.  Altura maiores que 50 cm. Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 7
  8. 8. 2013 Plantações em Dunas costeiras 3.4.5. Espécies usadas em Plantações de dunas costeiras. Usam-se dois tipos de vegetação, sendo a herbácea (primeira a ser estabelecida) e a arbórea a ultima a ser estabelecida depois da herbácea criar condições adequadas para o crescimento e desenvolvimento da componente arbórea. A vegetação herbácea é composta por espécies rasteira e de geralmente nativas e pioneiras, desde que apresentem ramificações e fixem sedimentos arenosos (Devall, 1992) citado por (NETO et al., 2004). Esta vegetação é geralmente colocada na porção frontal das dunas. (NETO et al., 2004). Como exemplo destas espécies encontram-se: Ipomoeapes caprae, Senecio crassiflorus, Spartina ciliata, Panicum racemosum e Hidrocotyle bonariensis…………..todas devendo serem produzidas em viveiros florestais.(NEMA, 2006) As espécies florestais usadas vão de acordo com os objectivos a se ter com a implantação florestal (protecção, lazer, produção de madeira serrada ou combinação dos objectivos). Exemplo de espécies mais adaptadas e vulgarmente usadas em plantações nas dunas costeiras pode-se referenciar, Casuarina equisetifolia, Banksia intergrifolia, Especies de mangais ( NEMA, 2006) ), algumas espécies de genero Pinus (de Almeida, 2001). 3.4.6. Abertura de covas A abertura das covas é efectuada logo no momento da plantação devido as características do terreno (arenoso), sobre a vegetação plantada para estabilização das dunas. As covas devem ter uma largura e profundidade maior (maior que a embalagem) normalmente com dimensões de que variam de 40*40 a 50*50cm. (Staiss, 2002) 3.5.Plantação e abertura de bacias Além das normas utilizadas durante a plantação como remoção dos plásticos, posicionamento do sistema radicular, e é necessário se mergulhem as plantas na água antes do plantio. Planta com o torrão logo abaixo da superfície do solo (com a excepção de plantas de dunas frontais); deve-se assegurar, se as plantas são bem regadas no momento da plantação, para não permitir que as plantas fiquem com escassez de água. Apôs o plantio efectua-se a abertura de bacias para captar água quando possível, o que possibilitará manter a humidade em volta da planta por muito tempo.( SS Mbié, 2008) 3.6.Experiencias das plantações em dunas costeiras no pais. Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 8
  9. 9. 2013 Plantações em Dunas costeiras Em Moçambique encontram-se as plantações nas províncias de Gaza em Bilene com finalidades de protecção costeira, Sofala na cidade da Beira por se localizar abaixo de nível do mar houve a necessidade de prevenir fazendo plantações com finalidades de prevenção da erosão pluviais. 4. Conclusão  As plantações em dunas costeiras estão inseridas no sistema de reflorestamento protector não industrial de grande superfície, bem como indústrias de grandes superfícies; onde têm como principal finalidade, a protecção de dunas costeiras contra a erosão hídrica e eólica e quebra vento, a produção de madeira serrada e postes. Dependendo do tipo de vegetação encontrada nas dunas, pode-se efectuar a derrubada mecanizada (brechas costeiras e floresta ribeirinha) ou manual (vegetação pioneira), mas em caso de uso de maquinaria, torna-se imprescindível respeitar todos o cuidados que se deve ter na preparação do terreno, para que não haja diminuição dos riscos de erosão durante o uso da mesma maquinaria; geralmente usa-se a lâmina bulldozer e tractores com puchadores de árvores.  Em plantações de dunas costeiras deve-se usar mudas produzidas pela técnica de embalagem (produção própria ou de terciários) como forma de garantir maior adaptação as condições do terreno definitivo, o que concorre para alta taxa de sobrevivência das mudas durante a época seca; O plantio é manual, sendo efectuado por enxadões.  Nestas plantações, o espaçamento pode variar, dependendo da finalidade da plantação, sendo mais usado o triangular, podendo variar de 2m x 2m a 3m x 3m para a produção de madeira serrada, dependendo da forma, podendo ser menor quando a finalidade é a protecção do solo (1m x 1m).  As espécies florestais usadas vão de acordo com os objectivos a se ter com a implantação florestal (protecção, lazer, produção de madeira serrada ou combinação dos objectivos). Exemplo de espécies mais adaptadas e vulgarmente usadas em plantações nas dunas costeiras pode-se referenciar, Casuarina equisetifolia, Banksia intergrifolia, espécies de mangais, algumas espécies de género Pinus 5. Recomendações Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 9
  10. 10. 2013 Plantações em Dunas costeiras  6. Bibliografia  Balidy, HJ; HH Pacule; AJ Matavel; JC Horril; M Mechisso; GM Mulhovo; AR Zunguze, SS Mbié (2008), Reserva Especial do Bilene. Situação Biofísica e Socioeconómica Actual. Volume 1. CDS Zonas Costeiras e DPCA – Gaza/MICOA  NEMA, Plano de Maneio de Dunas Costeiras, RS, 2006, Documento técnico. Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 10
  11. 11. 2013 Plantações em Dunas costeiras  Ribeiro, Natasha; Sitoe, Almeida A.; Guedes, Benard S; Staiss (2002), Manual de Silvicultura Tropical, UEM-FAEF, FAO, Maputo, 57pp.  De Almeida, António Campar (2001), A Floresta nas Dunas Costeiras – achegas para a sua gestão, SPCF, Centro de Estudos Geográficos, Évora, Portugal, 2001, pp. 303-308 7. Anexos i. Exemplos de florestas implantadas sobre asa dunas costeiras: Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 11
  12. 12. 2013 Plantações em Dunas costeiras Elaborado por: João, Maúnze, Cuambe, Sambo, Zindoga e Tenguice UEM - FAEF 12

×