SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Paulo Furtado de Oliveira Filho
Preservação da empresa
Separação dos conceitos de
empresa e empresário
Recuperação das
sociedades e empresários
recuperáveis
Retirada do mercado de
sociedades ou empresários
não recuperáveis
Participação ativa dos
credores
Maximização do valor dos
ativos
Proteção aos trabalhadores
Celeridade e eficiência dos processos judiciais
Segurança jurídica
Redução do custo do crédito no Brasil
Desburocratização da recuperação de microempresas e empresas de
pequeno porte
Rigor na punição de crimes falimentares
● Art. 47 da Lei 11.101/2005
● Objetivos da recuperação judicial:
● viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do
devedor;
● manutenção da fonte produtora, do emprego e dos interesses dos
credores;
● preservação da função social da empresa e estímulo à atividade
econômica;
● Só quem é empresário/sociedade empresária pode pedir recuper
judicial
● Entidades filantrópicas, associações, profissionais liberais e agentes econômicos
que não exercem atividade empresarial não têm direito de requerer a
recuperação
- Quem pode tomar a iniciativa é exclusivamente o empresáriem
situação de crise econômico-financeira
Não há possibilidade de outros interessados, como os credores, Ministério
Público ou o sindicato dos empregados, adotarem tal medida
Situação de Crise econômico-financeira
● NÃO É DEFINIDA POR LEI (NÃO HÁ UM CRITÉRIO OBJETIVO).
● O empresário que requerer recuperação judicial deverá informar na petição inicial
AS CAUSAS DA SUA SITUAÇÃO PATRIMONIAL E AS RAZÕES DA SUA
CRISE;
● Também deverá apresentar demonstrações financeiras (balanço patrimonial,
demonstração do resultado do exercício, demonstração do fluxo de caixa) e
relação de credores, de ações judiciais, de protestos, de empregados etc.
Requisitos e Impedimentos
● NÃO ESTAR FALIDO
● NÃO TER OBTIDO CONCESSÃO DE RJ HÁ MENOS DE 5 ANOS
● NÃO TER CONDENAÇÃO POR CRIME FALIMENTAR
● ESTAR NO EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE EMPRESARIAL HÁ MAIS
DE 2 ANOS
Juízo competente
● O juízo competente para o processamento do pedido de
recuperação judicial é o doprincipal estabelecimento do
devedor
● Estando presentes os requisitos legais previstos nos arts. 48 e 51, o juiz
defere o processamento do pedido de recuperação judicial
-
Administração do Negócio: PERMANECE COM O
DEVEDOR (afastamento nas hipóteses do art. 64)
Processo Supervisionado: ADMINISTRADOR
JUDICIAL será nomeado pelo Juiz para monitorar o
processo (fiscalizar as atividades do devedor e o
cumprimento do plano)
Apresentação de um plano de recuperação = 60
dias
Negociação e votação do plano = 150 dias
Homologação do plano pelo Juiz = 180 dias
Cumprimento do plano sob supervisão judicial = 2
anos
● É um processo coordenado de negociação e decisão (Francisco
Satiro) com 3 instrumentos importantes (Eduardo Munhoz):
● “stay period”;
● agrupamento dos credores em classes;
● decisão por maioria;
A suspensão das ações e execuções contra o
devedor (“stay period”) por 180 dias –
para interromper a corrida individual dos credores,
evitando a liquidação precipitada de bens integrantes do
patrimônio do devedor, até que sejam reunidos e
classificados os diversos credores e até que seja
apresentado um plano de recuperação;
▪ LIVRARIA CULTURA
▪ Mais de 90% do passivo financeiro
garantido por cessão fiduciária de
recebíveis decorrentes de vendas por
meio de cartões de crédito e débito.
▪ liberação dos recebíveis essenciais à
continuidade da atividade, mediante
interpretação adequada do art. 49, par.
3º. e 5º
A reunião de credores em classes –
para assegurar que a vontade dos credores na
recuperação seja manifestada de forma coerente
com as características, interesses e prerrogativas
contratuais de cada crédito
):
● I - credores trabalhistas e por acidentes de trabalho;
● II - credores titulares de direito real de garantia;
● III - credores quirografários, com privilégio especial ou geral, e
subordinados;
● IV - credores microempresários (ME) ou empresários de pequeno
porte (EPP).
para evitar situações nas quais algum credor, por conta
de uma situação particular, poderia, isoladamente e
contra a vontade da maioria, impedir uma solução
avaliada melhor para todos.
- pela maioria simples dos credores
presentes, independentemente do
valor dos créditos,nas classes I e IV;
- pela maioria dos credores presentes
e por credores titulares de mais da
metade do valor total dos créditos
presentes à assembleia, nas classes
II e III
- devedor elabora o plano, escolhendo os meios de
recuperação;
- credores analisam a viabilidade do plano, aprovando-o
ou não;
- Juiz concede a recuperação, se aprovado o plano; ou
decreta a falência, se rejeitado o plano
O devedor deve indicar os meios de recuperação de forma
pormenorizada (credores sujeitos e condições de pagamento,
alienação de ativos, emissão de ações etc.) + Demonstração de
sua viabilidade econômica + Laudo econômico-financeiro +
Laudo de avaliação de bens e ativos do devedor por
profissional habilitado ou pessoa jurídica especializada.
Os credores podem propor mudanças para aprovarem o plano
Na RJ, há um procedimento que reúne
credores e devedor para chegar a uma saída
negocial para soerguimento da empresa em
dificuldade
Na sua busca por soluções de mercado,
privilegia o aspecto negocial. Devedor e
credores são instados a negociar uma saída
tecnicamente viável, utilizando instrumentos
da ciência das finanças para a efetiva
restruturação da dívida e otimização da utilização
dos ativos.” (Ivo Waisberg).
● Gera um diálogo aberto e efetivo entre devedor e credores,
reduzindo a assimetria de informações, o que permitirá que
se obtenha o principal objetivo do processo de RJ: recuperar
empresas viáveis x não recuperar empresas inviáveis (Ronaldo
Vasconvelos)
identificação dos interesses dos diversos grupos
de credores
obtenção e compartilhamento de informações
Facilitação da negociação e elaboração do plano
de recuperação judicial
combate à estratégiade segregação e criação de
conflitos entre os credores para dificultar sua
coordenação
(Luiz Fernando Paiva)
● Dívida total: aproximadamente R$ 15 milhões (credores quirografários - R$ 12
milhões)
● Sessão de mediação realizada no Fórum João Mendes no dia 12/6/ 2018
● Os credores foram recebidos em suas respectivas classes em horários
diferentes
● A sessão foi presidida por mediadores profissionais, que conduziram o diálogo
entre os credores e a recuperanda, devidamente assistidos pela equipe do
Administrador Judicial
● Foram obtidos resultados Positivos que culminaram em melhores condições
de pagamento do Plano de Recuperação Judicial
● PRJ antes da mediação –
● Créditos Trabalhistas - Até 150 salários mínimos – deságio de 35%;
● PRJ após mediação –
● Créditos Trabalhistas - Até 150 salários mínimos – sem deságio
● PRJ antes da mediação –
● ME/EPP - Até 150 salários mínimos - deságio de 35%
● PRJ após mediação –
● ME/EPP - Até 150 salários mínimos - deságio de 10%
● PRJ antes da mediação –
● Fornecedores- deságio de 45%. Dos 55% remanescentes, 10% em espécie e 95% em
dação em pagamento de ações da NovaCrédito
● PRJ após mediação –
● Fornecedores - sem deságio, recebendo 3% em espécie e 97% dação em pagamento de
Pretensões ativas judiciais (êxito da ação em face do Metrô).
● PRJ após julgamento Tribunal
● Fornecedores - sem deságio, recebendo 40% em espécie e 60% em dação em
pagamento de Pretensões ativas judiciais (ação em face do Metrô).
• 2 etapas de mediação com os credores
• 1ª Fase: escuta ativa das pretensões dos credores
• 2ª Fase: sessões individuais com cada um dos grupos.
• O procedimento de mediação proporcionou à recuperanda um
documento que contava com diversos pontos importantes para que os
credores se sentissem parte nas negociações do Plano;
• Alguns dos credores tornaram-se parte de um grupo de Editoras que
possuíam interesses negociais em comum.
O plano final teve foco no futuro da empresa, com
cláusulas de manutenção e renovação de contratos, e
MUDANÇAS NA ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA.
Companhia contrata empresa de seleção de profissionais;
Credores escolhem 2 selecionados para o Conselho de
Administração (CA)
CA escolhe 1 profissional para Diretor-Presidente
Qual é o limite material da mediação?
Quem pode mediar?
Como é o processo de indicação do mediador?
Quais são os limites da atuação do administrador judicial?
● – ENUNCIADO I: “O prazo de 1 (um) ano para o pagamento
dos credores trabalhistas e de acidentes do trabalho, de que
trata o art. 54, caput, da Lei nº 11.101/2005, conta-se da
homologação do Plano de Recuperação Judicial ou do término
do prazo de suspensão de que trata o art. 6º, § 4º, da Lei nº
11.101/2005, independentemente de prorrogação, o que
ocorrer primeiro”.
– ENUNCIADO II: “O prazo de 2 (dois) anos de
supervisão judicial, previsto no art. 61, “caput”, da Lei n°
11.101/05, tem início após o transcurso do prazo de
carência fixado”.
● ENUNCIADO III: “Escoado o prazo de suspensão de que trata o
§ 4º, do art. 6º, da Lei nº 11.101/05 (‘stay period’), as medidas
de expropriação pelo credor titular de propriedade fiduciária de
bens móveis ou imóveis, de arrendador mercantil, de
proprietário ou promitente vendedor, poderão ser retomadas,
ainda que os bens a serem excutidos sejam essenciais à
atividade empresarial.”
Âmbito territorial da pesquisa: processos de RJ no Estado de São
Paulo
Período: janeiro de 2010 a julho de 2017
amostragem: 906 processos
Variáveis analisadas: 138
- pequena utilização por ME e EPP (aproximadamente 20%): apenas
17,9% utilizaram o procedimento especial de RJ;
- maior número de pedidos por empresas com faturamento entre
R$ 10 e 50 milhões (32%)
- maior número de pedidos por empresas com passivo entre R$ 10
e 50 milhões (17,7%)
- A partir de 2013, nota-se o aumento do número de RJ’s no
interior de São Paulo, onde não há varas especializadas (68,9%
dos processos no interior; 31,1% na capital)
- - deferimento do processamento dos pedidos de RJ: 65,45%
(varas especializadas – 53,7%; varas comuns – 70,7%)
- - maior taxa de indeferimento – empresas como faturamento de
até R$ 1milhão
- - maiores taxas de deferimento quanto maior o faturamento da
devedora
Duração dos processos
- Por lei, deveria a negociação e a votação do plano encerrarem-
se em 180 dias; a jurisprudência admitiu a prorrogação do
prazo, desde que demora não fosse causada pela devedora;
- Tempo mediano para votação do plano (varas comuns – 567
dias; varas especializadas – 407 dias)
- Muitas suspensões da AGC; o número médio de sessões de
AGC é maior nas devedoras com maior faturamento
Resultado das recuperações:
- Aproximadamente 70% de aprovação;
- Maior número de falências nas devedoras com menor
faturamento;
- 4,3% dos planos com previsão de deságio para credores
trabalhistas;
- 56% dos planos com TR como índice de correção dos débitos;
- Credores com garantia real: deságio médio de 37% e prazo de
9,24 anos
- Credores quirografários: deságio médio de 38,31% e prazo de
9,82 anos
- Conforme aumenta a dívida, aumenta o prazo (passivos
superiores a R$50 milhões com prazos superiores a 10 anos)
- RJs concedidas até 1º/6/2016
- processos de RJ com mais de 2 anos de fiscalização não
encerrados: Varas especializadas – 40%; Varas comuns – 73%
- - em 42% dos casos houve pedido de alteração do plano de
recuperação
- - em aproximadamente 42% dos casos houve encerramento do
processo com cumprimento do plano (31 casos em 73
processos)
- União Européia propõe novas medidas (Diretiva 1023/2019):
- Medidas de alerta para o empresário agir antes da insolvência;
- Medidas preventivas e extrajudiciais de reorganização
- Medidas para permitir o retorno ao mercado do empresário
falido após um razoável período de tempo e desde que não
tenha havido fraude (“discharge” e “second chance”)
Análise dos processos de recuperação judicial no estado de São Paulo de 2010 a 2017
Análise dos processos de recuperação judicial no estado de São Paulo de 2010 a 2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 5 proc esp jur cont- embargos de terceiro
Aula 5   proc esp jur cont- embargos de terceiroAula 5   proc esp jur cont- embargos de terceiro
Aula 5 proc esp jur cont- embargos de terceiroWpcon
 
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Rogerio Abreu
 
Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)Kellen Eloisa
 
Direito Civil IV - Aula 5 propriedade (cont.)
Direito Civil IV - Aula 5   propriedade (cont.)Direito Civil IV - Aula 5   propriedade (cont.)
Direito Civil IV - Aula 5 propriedade (cont.)Jordano Santos Cerqueira
 
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoDireito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoPreOnline
 
Slides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional iSlides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional iKeziah Silva Pinto
 
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedadeDireito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedadeJordano Santos Cerqueira
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridicoNilo Tavares
 
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDireito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDayane Barros
 
Direitos Reais. aquisição posse
Direitos Reais. aquisição posseDireitos Reais. aquisição posse
Direitos Reais. aquisição posseGuido Cavalcanti
 
DPP - jurisdição e competência
DPP - jurisdição e competênciaDPP - jurisdição e competência
DPP - jurisdição e competênciadireitoturmamanha
 
Aula 01 - Direito Constitucional e Constituição
Aula 01 - Direito Constitucional e ConstituiçãoAula 01 - Direito Constitucional e Constituição
Aula 01 - Direito Constitucional e ConstituiçãoTércio De Santana
 
Teoria do processo e da jurisdição
Teoria do processo e da jurisdiçãoTeoria do processo e da jurisdição
Teoria do processo e da jurisdiçãoMarcos Almeida
 

Mais procurados (20)

Aula 5 proc esp jur cont- embargos de terceiro
Aula 5   proc esp jur cont- embargos de terceiroAula 5   proc esp jur cont- embargos de terceiro
Aula 5 proc esp jur cont- embargos de terceiro
 
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
 
Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)
 
Direito Civil IV - Aula 5 propriedade (cont.)
Direito Civil IV - Aula 5   propriedade (cont.)Direito Civil IV - Aula 5   propriedade (cont.)
Direito Civil IV - Aula 5 propriedade (cont.)
 
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoDireito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
 
Slides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional iSlides revisão direito constitucional i
Slides revisão direito constitucional i
 
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedadeDireito Civil IV - Aula 3   posse (cont.), propriedade
Direito Civil IV - Aula 3 posse (cont.), propriedade
 
Civil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reaisCivil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reais
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridico
 
Contratos
ContratosContratos
Contratos
 
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das ObrigaçõeDireito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
Direito Civil (Obrigações) - Adimplemento e Extinção das Obrigaçõe
 
Direitos Reais. aquisição posse
Direitos Reais. aquisição posseDireitos Reais. aquisição posse
Direitos Reais. aquisição posse
 
Mapas mental inquerito
Mapas mental   inqueritoMapas mental   inquerito
Mapas mental inquerito
 
Direito civil 3
Direito civil 3Direito civil 3
Direito civil 3
 
Civil - Aulas contratos
Civil - Aulas contratosCivil - Aulas contratos
Civil - Aulas contratos
 
DPP - jurisdição e competência
DPP - jurisdição e competênciaDPP - jurisdição e competência
DPP - jurisdição e competência
 
70 perguntas-falencia-e-recuperacao-de-empresas
70 perguntas-falencia-e-recuperacao-de-empresas70 perguntas-falencia-e-recuperacao-de-empresas
70 perguntas-falencia-e-recuperacao-de-empresas
 
Aula 01 - Direito Constitucional e Constituição
Aula 01 - Direito Constitucional e ConstituiçãoAula 01 - Direito Constitucional e Constituição
Aula 01 - Direito Constitucional e Constituição
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
 
Teoria do processo e da jurisdição
Teoria do processo e da jurisdiçãoTeoria do processo e da jurisdição
Teoria do processo e da jurisdição
 

Semelhante a Análise dos processos de recuperação judicial no estado de São Paulo de 2010 a 2017

Mapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João Cechet
Mapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João CechetMapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João Cechet
Mapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João CechetJoão Cechet
 
Palestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptx
Palestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptxPalestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptx
Palestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptxMarcioHenriqueMorais1
 
Independencia Plano Recuperacao 20091109 Pt
Independencia Plano Recuperacao 20091109 PtIndependencia Plano Recuperacao 20091109 Pt
Independencia Plano Recuperacao 20091109 PtBeefPoint
 
Recuperação Judicial - informações .pptx
Recuperação Judicial - informações .pptxRecuperação Judicial - informações .pptx
Recuperação Judicial - informações .pptxEricFerreiradosSanto
 
Mapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro Xausa
Mapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro XausaMapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro Xausa
Mapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro XausaJoão Pedro Xausa
 
Independencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 Port
Independencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 PortIndependencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 Port
Independencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 PortBeefPoint
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12custos contabil
 
Empecilhos a recuperacao judicial
Empecilhos a recuperacao judicialEmpecilhos a recuperacao judicial
Empecilhos a recuperacao judicialPaulo Campos Campos
 
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdfSuperendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdfGustavoSouza518649
 
A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...
A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...
A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...IRIB
 
Oroc livro segunda_oportunidade
Oroc livro segunda_oportunidadeOroc livro segunda_oportunidade
Oroc livro segunda_oportunidadePedro Pinheiro
 
A insolvência e o direito dos trabalhadores
A insolvência e o direito dos trabalhadoresA insolvência e o direito dos trabalhadores
A insolvência e o direito dos trabalhadoresPaulo Susano
 

Semelhante a Análise dos processos de recuperação judicial no estado de São Paulo de 2010 a 2017 (20)

Mapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João Cechet
Mapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João CechetMapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João Cechet
Mapa da Recuperação Judicial - Gabriel Yordi e João Cechet
 
Palestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptx
Palestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptxPalestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptx
Palestra-Pericias-em-Falencia-e-Recuperacao-Judicial-Eduardo-Boniolo.pptx
 
Trabalho Direito Empresarial
Trabalho Direito EmpresarialTrabalho Direito Empresarial
Trabalho Direito Empresarial
 
Independencia Plano Recuperacao 20091109 Pt
Independencia Plano Recuperacao 20091109 PtIndependencia Plano Recuperacao 20091109 Pt
Independencia Plano Recuperacao 20091109 Pt
 
Recuperação Judicial - informações .pptx
Recuperação Judicial - informações .pptxRecuperação Judicial - informações .pptx
Recuperação Judicial - informações .pptx
 
Mapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro Xausa
Mapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro XausaMapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro Xausa
Mapa da Recuperação Judicial - Arthur Keskinof Zanfelice e João Pedro Xausa
 
Perícia Judicial em Processos de Recuperação Judicial
Perícia Judicial em Processos de Recuperação JudicialPerícia Judicial em Processos de Recuperação Judicial
Perícia Judicial em Processos de Recuperação Judicial
 
Independencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 Port
Independencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 PortIndependencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 Port
Independencia Plano Recuperacao Judicial 20091030 Port
 
Mediação em Recuperação de Emrpresas
Mediação em Recuperação de EmrpresasMediação em Recuperação de Emrpresas
Mediação em Recuperação de Emrpresas
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
 
Factoring e sua contabilizacao
Factoring e sua contabilizacaoFactoring e sua contabilizacao
Factoring e sua contabilizacao
 
Empresas em Dificuldades Financeiras
Empresas em Dificuldades FinanceirasEmpresas em Dificuldades Financeiras
Empresas em Dificuldades Financeiras
 
Empresarial 16
Empresarial 16Empresarial 16
Empresarial 16
 
R jrev
R jrevR jrev
R jrev
 
Resumo dir. empresarial
Resumo dir. empresarialResumo dir. empresarial
Resumo dir. empresarial
 
Empecilhos a recuperacao judicial
Empecilhos a recuperacao judicialEmpecilhos a recuperacao judicial
Empecilhos a recuperacao judicial
 
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdfSuperendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
 
A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...
A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...
A Constituição de duas garantias fiduciárias sobre um mesmo imóvel simultanea...
 
Oroc livro segunda_oportunidade
Oroc livro segunda_oportunidadeOroc livro segunda_oportunidade
Oroc livro segunda_oportunidade
 
A insolvência e o direito dos trabalhadores
A insolvência e o direito dos trabalhadoresA insolvência e o direito dos trabalhadores
A insolvência e o direito dos trabalhadores
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

Análise dos processos de recuperação judicial no estado de São Paulo de 2010 a 2017

  • 1. Paulo Furtado de Oliveira Filho
  • 2. Preservação da empresa Separação dos conceitos de empresa e empresário Recuperação das sociedades e empresários recuperáveis Retirada do mercado de sociedades ou empresários não recuperáveis
  • 3. Participação ativa dos credores Maximização do valor dos ativos Proteção aos trabalhadores
  • 4. Celeridade e eficiência dos processos judiciais Segurança jurídica Redução do custo do crédito no Brasil Desburocratização da recuperação de microempresas e empresas de pequeno porte Rigor na punição de crimes falimentares
  • 5. ● Art. 47 da Lei 11.101/2005 ● Objetivos da recuperação judicial: ● viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor; ● manutenção da fonte produtora, do emprego e dos interesses dos credores; ● preservação da função social da empresa e estímulo à atividade econômica;
  • 6. ● Só quem é empresário/sociedade empresária pode pedir recuper judicial ● Entidades filantrópicas, associações, profissionais liberais e agentes econômicos que não exercem atividade empresarial não têm direito de requerer a recuperação
  • 7. - Quem pode tomar a iniciativa é exclusivamente o empresáriem situação de crise econômico-financeira Não há possibilidade de outros interessados, como os credores, Ministério Público ou o sindicato dos empregados, adotarem tal medida
  • 8. Situação de Crise econômico-financeira ● NÃO É DEFINIDA POR LEI (NÃO HÁ UM CRITÉRIO OBJETIVO). ● O empresário que requerer recuperação judicial deverá informar na petição inicial AS CAUSAS DA SUA SITUAÇÃO PATRIMONIAL E AS RAZÕES DA SUA CRISE; ● Também deverá apresentar demonstrações financeiras (balanço patrimonial, demonstração do resultado do exercício, demonstração do fluxo de caixa) e relação de credores, de ações judiciais, de protestos, de empregados etc.
  • 9. Requisitos e Impedimentos ● NÃO ESTAR FALIDO ● NÃO TER OBTIDO CONCESSÃO DE RJ HÁ MENOS DE 5 ANOS ● NÃO TER CONDENAÇÃO POR CRIME FALIMENTAR ● ESTAR NO EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE EMPRESARIAL HÁ MAIS DE 2 ANOS
  • 10. Juízo competente ● O juízo competente para o processamento do pedido de recuperação judicial é o doprincipal estabelecimento do devedor ● Estando presentes os requisitos legais previstos nos arts. 48 e 51, o juiz defere o processamento do pedido de recuperação judicial
  • 11. - Administração do Negócio: PERMANECE COM O DEVEDOR (afastamento nas hipóteses do art. 64) Processo Supervisionado: ADMINISTRADOR JUDICIAL será nomeado pelo Juiz para monitorar o processo (fiscalizar as atividades do devedor e o cumprimento do plano)
  • 12. Apresentação de um plano de recuperação = 60 dias Negociação e votação do plano = 150 dias Homologação do plano pelo Juiz = 180 dias Cumprimento do plano sob supervisão judicial = 2 anos
  • 13. ● É um processo coordenado de negociação e decisão (Francisco Satiro) com 3 instrumentos importantes (Eduardo Munhoz): ● “stay period”; ● agrupamento dos credores em classes; ● decisão por maioria;
  • 14. A suspensão das ações e execuções contra o devedor (“stay period”) por 180 dias – para interromper a corrida individual dos credores, evitando a liquidação precipitada de bens integrantes do patrimônio do devedor, até que sejam reunidos e classificados os diversos credores e até que seja apresentado um plano de recuperação;
  • 15. ▪ LIVRARIA CULTURA ▪ Mais de 90% do passivo financeiro garantido por cessão fiduciária de recebíveis decorrentes de vendas por meio de cartões de crédito e débito. ▪ liberação dos recebíveis essenciais à continuidade da atividade, mediante interpretação adequada do art. 49, par. 3º. e 5º
  • 16. A reunião de credores em classes – para assegurar que a vontade dos credores na recuperação seja manifestada de forma coerente com as características, interesses e prerrogativas contratuais de cada crédito
  • 17. ): ● I - credores trabalhistas e por acidentes de trabalho; ● II - credores titulares de direito real de garantia; ● III - credores quirografários, com privilégio especial ou geral, e subordinados; ● IV - credores microempresários (ME) ou empresários de pequeno porte (EPP).
  • 18. para evitar situações nas quais algum credor, por conta de uma situação particular, poderia, isoladamente e contra a vontade da maioria, impedir uma solução avaliada melhor para todos.
  • 19. - pela maioria simples dos credores presentes, independentemente do valor dos créditos,nas classes I e IV; - pela maioria dos credores presentes e por credores titulares de mais da metade do valor total dos créditos presentes à assembleia, nas classes II e III
  • 20. - devedor elabora o plano, escolhendo os meios de recuperação; - credores analisam a viabilidade do plano, aprovando-o ou não; - Juiz concede a recuperação, se aprovado o plano; ou decreta a falência, se rejeitado o plano
  • 21. O devedor deve indicar os meios de recuperação de forma pormenorizada (credores sujeitos e condições de pagamento, alienação de ativos, emissão de ações etc.) + Demonstração de sua viabilidade econômica + Laudo econômico-financeiro + Laudo de avaliação de bens e ativos do devedor por profissional habilitado ou pessoa jurídica especializada. Os credores podem propor mudanças para aprovarem o plano
  • 22. Na RJ, há um procedimento que reúne credores e devedor para chegar a uma saída negocial para soerguimento da empresa em dificuldade Na sua busca por soluções de mercado, privilegia o aspecto negocial. Devedor e credores são instados a negociar uma saída tecnicamente viável, utilizando instrumentos da ciência das finanças para a efetiva restruturação da dívida e otimização da utilização dos ativos.” (Ivo Waisberg).
  • 23. ● Gera um diálogo aberto e efetivo entre devedor e credores, reduzindo a assimetria de informações, o que permitirá que se obtenha o principal objetivo do processo de RJ: recuperar empresas viáveis x não recuperar empresas inviáveis (Ronaldo Vasconvelos)
  • 24. identificação dos interesses dos diversos grupos de credores obtenção e compartilhamento de informações Facilitação da negociação e elaboração do plano de recuperação judicial combate à estratégiade segregação e criação de conflitos entre os credores para dificultar sua coordenação (Luiz Fernando Paiva)
  • 25. ● Dívida total: aproximadamente R$ 15 milhões (credores quirografários - R$ 12 milhões) ● Sessão de mediação realizada no Fórum João Mendes no dia 12/6/ 2018 ● Os credores foram recebidos em suas respectivas classes em horários diferentes ● A sessão foi presidida por mediadores profissionais, que conduziram o diálogo entre os credores e a recuperanda, devidamente assistidos pela equipe do Administrador Judicial ● Foram obtidos resultados Positivos que culminaram em melhores condições de pagamento do Plano de Recuperação Judicial
  • 26. ● PRJ antes da mediação – ● Créditos Trabalhistas - Até 150 salários mínimos – deságio de 35%; ● PRJ após mediação – ● Créditos Trabalhistas - Até 150 salários mínimos – sem deságio
  • 27. ● PRJ antes da mediação – ● ME/EPP - Até 150 salários mínimos - deságio de 35% ● PRJ após mediação – ● ME/EPP - Até 150 salários mínimos - deságio de 10%
  • 28. ● PRJ antes da mediação – ● Fornecedores- deságio de 45%. Dos 55% remanescentes, 10% em espécie e 95% em dação em pagamento de ações da NovaCrédito ● PRJ após mediação – ● Fornecedores - sem deságio, recebendo 3% em espécie e 97% dação em pagamento de Pretensões ativas judiciais (êxito da ação em face do Metrô). ● PRJ após julgamento Tribunal ● Fornecedores - sem deságio, recebendo 40% em espécie e 60% em dação em pagamento de Pretensões ativas judiciais (ação em face do Metrô).
  • 29.
  • 30. • 2 etapas de mediação com os credores • 1ª Fase: escuta ativa das pretensões dos credores • 2ª Fase: sessões individuais com cada um dos grupos. • O procedimento de mediação proporcionou à recuperanda um documento que contava com diversos pontos importantes para que os credores se sentissem parte nas negociações do Plano; • Alguns dos credores tornaram-se parte de um grupo de Editoras que possuíam interesses negociais em comum.
  • 31. O plano final teve foco no futuro da empresa, com cláusulas de manutenção e renovação de contratos, e MUDANÇAS NA ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA. Companhia contrata empresa de seleção de profissionais; Credores escolhem 2 selecionados para o Conselho de Administração (CA) CA escolhe 1 profissional para Diretor-Presidente
  • 32. Qual é o limite material da mediação? Quem pode mediar? Como é o processo de indicação do mediador? Quais são os limites da atuação do administrador judicial?
  • 33. ● – ENUNCIADO I: “O prazo de 1 (um) ano para o pagamento dos credores trabalhistas e de acidentes do trabalho, de que trata o art. 54, caput, da Lei nº 11.101/2005, conta-se da homologação do Plano de Recuperação Judicial ou do término do prazo de suspensão de que trata o art. 6º, § 4º, da Lei nº 11.101/2005, independentemente de prorrogação, o que ocorrer primeiro”.
  • 34. – ENUNCIADO II: “O prazo de 2 (dois) anos de supervisão judicial, previsto no art. 61, “caput”, da Lei n° 11.101/05, tem início após o transcurso do prazo de carência fixado”.
  • 35. ● ENUNCIADO III: “Escoado o prazo de suspensão de que trata o § 4º, do art. 6º, da Lei nº 11.101/05 (‘stay period’), as medidas de expropriação pelo credor titular de propriedade fiduciária de bens móveis ou imóveis, de arrendador mercantil, de proprietário ou promitente vendedor, poderão ser retomadas, ainda que os bens a serem excutidos sejam essenciais à atividade empresarial.”
  • 36. Âmbito territorial da pesquisa: processos de RJ no Estado de São Paulo Período: janeiro de 2010 a julho de 2017 amostragem: 906 processos Variáveis analisadas: 138
  • 37. - pequena utilização por ME e EPP (aproximadamente 20%): apenas 17,9% utilizaram o procedimento especial de RJ; - maior número de pedidos por empresas com faturamento entre R$ 10 e 50 milhões (32%) - maior número de pedidos por empresas com passivo entre R$ 10 e 50 milhões (17,7%)
  • 38. - A partir de 2013, nota-se o aumento do número de RJ’s no interior de São Paulo, onde não há varas especializadas (68,9% dos processos no interior; 31,1% na capital) - - deferimento do processamento dos pedidos de RJ: 65,45% (varas especializadas – 53,7%; varas comuns – 70,7%) - - maior taxa de indeferimento – empresas como faturamento de até R$ 1milhão - - maiores taxas de deferimento quanto maior o faturamento da devedora
  • 39. Duração dos processos - Por lei, deveria a negociação e a votação do plano encerrarem- se em 180 dias; a jurisprudência admitiu a prorrogação do prazo, desde que demora não fosse causada pela devedora; - Tempo mediano para votação do plano (varas comuns – 567 dias; varas especializadas – 407 dias) - Muitas suspensões da AGC; o número médio de sessões de AGC é maior nas devedoras com maior faturamento
  • 40. Resultado das recuperações: - Aproximadamente 70% de aprovação; - Maior número de falências nas devedoras com menor faturamento;
  • 41. - 4,3% dos planos com previsão de deságio para credores trabalhistas; - 56% dos planos com TR como índice de correção dos débitos; - Credores com garantia real: deságio médio de 37% e prazo de 9,24 anos - Credores quirografários: deságio médio de 38,31% e prazo de 9,82 anos - Conforme aumenta a dívida, aumenta o prazo (passivos superiores a R$50 milhões com prazos superiores a 10 anos)
  • 42. - RJs concedidas até 1º/6/2016 - processos de RJ com mais de 2 anos de fiscalização não encerrados: Varas especializadas – 40%; Varas comuns – 73% - - em 42% dos casos houve pedido de alteração do plano de recuperação - - em aproximadamente 42% dos casos houve encerramento do processo com cumprimento do plano (31 casos em 73 processos)
  • 43. - União Européia propõe novas medidas (Diretiva 1023/2019): - Medidas de alerta para o empresário agir antes da insolvência; - Medidas preventivas e extrajudiciais de reorganização - Medidas para permitir o retorno ao mercado do empresário falido após um razoável período de tempo e desde que não tenha havido fraude (“discharge” e “second chance”)