Gestão Financeira em Tempos de Crise

3.424 visualizações

Publicada em

Palestra: Gestão Financeira em Tempos de Crise

Palestrante: Prof. Adm. Robson Braga - Representante do CRA/BA em Eunápolis-BA

Evento: 2º Encontro de Administradores do Sul da Bahia

Realização: CRA/BA - Conselho Regional de Administração da Bahia

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.424
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão Financeira em Tempos de Crise

  1. 1. GESTÃO FINANCEIRA EM TEMPOS DE CRISE ADM. ROBSON BRAGA SEJAM BEM-VINDOS Porto Seguro, 21 de março de 2009.
  2. 2. PAUTA DO ENCONTRO <ul><li>Motivos para a gestão financeira; </li></ul><ul><li>Princípios de gestão financeira; </li></ul><ul><li>Entendimento básico de risco empresarial; </li></ul><ul><li>Risco e contexto decisório das organizações; </li></ul><ul><li>Risco e incerteza: dois lados da mesma moeda; </li></ul><ul><li>A atual crise financeira e seus desdobramentos; </li></ul><ul><li>Planejamento e decisões sob a sombra da crise; </li></ul><ul><li>Perspectivas para os negócios após a crise; </li></ul><ul><li>Ainda há futuro para os negócios! ? </li></ul>
  3. 3. POR QUÊ CONTROLAR FINANCEIRAMENTE ? <ul><li>Do ponto de vista material, o dinheiro é o bem mais precioso que existe. Isso porque o dinheiro tem características especiais, tais como: </li></ul><ul><ul><li>Universalidade de troca; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aceitabilidade plena; </li></ul></ul><ul><ul><li>Irrenunciabilidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Escassez permanente. </li></ul></ul>
  4. 4. TODOS QUEREM A MESMA COISA! <ul><li>Todas as pessoas, de modo geral, saem de casa todos os dias buscando maximizar as unidades monetárias que recebem. </li></ul><ul><li>As empresas querem vender e lucrar mais; </li></ul><ul><li>Os empregados querem receber salários maiores; </li></ul><ul><li>O governo busca arrecadar mais impostos; </li></ul><ul><li>Os investidores querem maiores retornos; </li></ul><ul><li>Os bancos querem os maiores juros; </li></ul><ul><li>Todos querem mais unidades monetárias! </li></ul>
  5. 5. “ THE POWER OF MONEY” <ul><li>Desde que as sociedades passaram a ser regidas pelo poder da moeda, as pessoas que têm dinheiro se sentem com super-poderes, e as que não têm saem todos os dias de casa em busca da “força”. </li></ul>
  6. 6. POR QUÊ CONTROLAR ? <ul><li>Porque não há ou haverá dinheiro suficiente para todas as pessoas; </li></ul><ul><li>Não é possível satisfazer plenamente todas as necessidades de todas as pessoas a todo tempo; </li></ul><ul><li>Porque são muitas as demandas ou as ofertas para pouca capacidade de satisfazê-las; </li></ul><ul><li>Porque o mercado é acirrado demais para que todos possam obter as melhores ocupações que as permitam obter o máximo retorno financeiro; </li></ul><ul><li>Tudo isso, ainda mais, porque o dinheiro é volátil! </li></ul>
  7. 7. FOCO NA GESTÃO <ul><li>As decisões entre poupar e gastar é que segregam as pessoas bem das mal sucedidas financeiramente. </li></ul><ul><li>Decidir pelas opções que geram o melhor retorno é a chave para o sucesso em finanças. </li></ul><ul><li>Mas ai é que está o problema: como saber quais as melhores escolhas ? </li></ul>
  8. 8. RISCO <ul><li>Risco é a chance de perda financeira ou a volatilidade do retorno associada a determinado investimento. </li></ul><ul><li>Quanto mais sensível a variáveis externas for um investimento, mais elevado é o seu risco, pois maiores serão as chances do ativo não retornar um ganho satisfatório. </li></ul><ul><li>As decisões mais ou menos arriscadas faz grande diferença entre os que ganham e os que perdem no contexto financeiro. </li></ul>
  9. 9. GARANTIAS <ul><li>É um erro acreditar que as chances de ganho e perda de uma decisão é de 50% para cada resultado. Estatisticamente, os percentuais se aproximam, quanto mais vezes você aposta. </li></ul><ul><li>Para diminuir a chance de perda, “compre” parte das hipóteses ruins. </li></ul><ul><li>Seguros ou garantias são instrumentos que se utilizam nas relações envolvendo variáveis de risco e dinheiro, para diminuir as chances de perda. Deve-se avaliar o custo da “compra” do risco. </li></ul>
  10. 10. NÃO SE ILUDA! <ul><li>Quando se trata de investimentos, não existe garantia plena de retorno. Sempre haverá chances de perdas, por menores que sejam. </li></ul><ul><li>Se alguém lhe prometer ganho certo, de certeza saiba: está sendo enganado! Leia o que assina! </li></ul>
  11. 11. TIPOS DE RISCO <ul><li>RISCO ESPECÍFICO : aquele associado ao negócio ao segmento específico. Se o investidor diversificar sua carteira de investimentos poderá diminuir ou mesmo eliminar esse risco. </li></ul><ul><li>RISCO SISTEMÁTICO : conjunto de variáveis de mercado que atingem a todos os investimentos, podendo ter efeitos positivos ou negativos, não podendo ser controlado ou eliminado. O que se pode fazer frente ao cenário de risco sistemático é adaptar-se e sofrer ou comemorar seus efeitos. </li></ul>
  12. 12. INCERTEZA É DIFERENTE! <ul><li>Enquanto o risco pode ser medido através da avaliação histórica do retorno de determinado ativo, com base na influência das variáveis conspiratórios e mesmo simulações podem ser feitas; a incerteza, por sua vez, diz respeito a variáveis desconhecidas, cujos efeitos não são previsíveis e simulações de consequências e força não podem ser medidos. </li></ul><ul><li>Em ambiente de incerteza, a tendência ao medo e o pânico tendem a dominar o ambiente. </li></ul>
  13. 13. DECISÕES EM AMBIENTE DE INCERTEZA <ul><li>É muito complicado apostar em investimentos sob contexto de forte incerteza. O comportamento do retorno dos ativos é indefinido e não se sabe quanto se está apostando para obter o que de retorno. </li></ul>
  14. 14. SOB INCERTEZA, TIRA-SE O PÉ... <ul><li>Em ambiente de incerteza, como o que estamos a viver nesses últimos meses, é comum as empresas fazerem cortes e limitarem os investimentos, isso quando não diminui de tamanho e faz demissões. Isso infelizmente, tem acontecido também. Nem sempre as escolhas são racionais. </li></ul>
  15. 15. A GESTÃO NUNCA FOI RACIONAL <ul><li>É ilusório acreditar que os gestores financeiros são indivíduos plenamente racionais, que decidem baseados em análises profundas e desprovidas de influências emocionais. </li></ul><ul><li>As finanças se renderam, finalmente, ao entendimento de que, em maior ou menor medida, os decisores são influenciados por variáveis emocionais. </li></ul><ul><li>Medo, raiva, euforia, excesso de confiança, ansiedade, parcimônia e ganância são exemplos. </li></ul>
  16. 16. CUIDADO COM OS EQUÍVOCOS! <ul><li>Nem sempre a grama do vizinho é a mais verde, ou somos nós que estamos em pior situação! </li></ul><ul><li>Ao pensar assim, podemos realizar escolhas que podem nos trazer resultados ainda piores. </li></ul>
  17. 17. PERCEPÇÃO É ALGO RELATIVO <ul><li>O que para alguns é bom negócio, para outros pode significar a perdição. Tudo é uma questão de entendimento e análise do custo x benefício. </li></ul>O dia mais feliz de minha vida está chegando! Só o dela!
  18. 18. TEORIA FURADA <ul><li>“ Todos os gestores têm acesso a todas as informações da mesma forma e podem avaliar as variáveis que afetam o contexto decisório, optando pelas melhores escolhas” </li></ul><ul><li>A teoria da racionalidade ilimitada vem sendo contestada desde o século passado e a cada nova crise ela se mostra uma bela utopia, cada vez mais distante da realidade. </li></ul><ul><li>O “efeito manada” é um dos elementos mais fortes de uma crise e nada tem de racional. </li></ul>
  19. 19. O EFEITO MANADA DOMINA O AMBIENTE
  20. 20. INDIVIDUALMENTE RACIONAL, MAS... <ul><li>Decisões individuais racionais, quando tomadas conjuntamente por várias pessoas tornam a decisão coletiva irracional! </li></ul><ul><li>Um bom exemplo, é quando alguém nota uma confusão próxima de si em uma festa de largo. Naturalmente, a pessoa irá se afastar do centro do conflito. Ao correr, influenciará outras pessoas que também correrão. No final das contas, todos estarão a correr, esbarrando-se e se pisoteando. </li></ul><ul><li>Apenas alguns poucos sabem porque correm! </li></ul>
  21. 21. O ATUAL AMBIENTE DE CRISE <ul><li>A crise é real, começou no crédito imobiliário americano, afetou os bancos, o mercado de ações mundo afora, inclusive no Brasil. Seguiu derrubando as vendas de veículos em todos os países. Colocou em xeque a sobrevivência de grandes empresas e o emprego de milhões de pessoas... isso é só o começo! ? </li></ul>
  22. 22. O SUSTO NO MERCADO DE CARROS!
  23. 23. CUIDADO COM O CRÉDITO <ul><li>Senso de oportunidade; </li></ul><ul><li>Análise de resultados possíveis; </li></ul><ul><li>Avaliação de opções; </li></ul><ul><li>Crédito: remédio ou veneno ? </li></ul><ul><li>Rapidez x custo; </li></ul><ul><li>Capital de giro: conheça as causas; </li></ul><ul><li>Investimento: prefira o longo prazo; </li></ul><ul><li>Leitura das letras pequenas. </li></ul>
  24. 24. FÁCIL DE PEGAR, DIFÍCIL DE PAGAR! DINHEIRO FÁCIL, SEM BUROCRACIA, SEM CONSULTA AO SPC E SERASA *JUROS DE 15% AO MÊS. TAXAS DE R$ 500,00.
  25. 25. AS LETRAS PEQUENAS FICAM GRANDES Eu não li o contrato! Fui assaltado! Os juros me mataram! *JUROS DE 15% AO MÊS. TAXAS DE R$ 500,00.
  26. 26. PROTEJA SEU COFRE <ul><li>As empresas e bancos se tornarão mais exigentes. É melhor ter um cliente contrariado, do que um inadimplente. Melhore seus critérios de crédito! </li></ul>
  27. 27. LIÇÕES DA CRISE <ul><li>Um erro comum dos gestores e das pessoas em geral é acreditar que os acertos do passado serão repetidos no futuro. </li></ul><ul><li>A tendência natural das pessoas ao comodismo e ao conservadorismo as tornam naturalmente displicentes e exageradamente otimistas. </li></ul><ul><li>A atual crise tem sido um forte choque de realidade nos investidores, mostrando que o excesso de confiança e a falta de instrumentos de proteção consistentes, podem destruir anos em dias. </li></ul>
  28. 28. A CONFIANÇA FOI POSTA À PROVA <ul><li>Não é o dinheiro que sustenta o sistema financeiro. É a confiança de acreditar que o dinheiro que você deposita no banco poderá ser sacado; que o valor emprestado será devolvido; que nos pagarão o salário pelo trabalho realizado... </li></ul><ul><li>O que sustenta o sistema é a frágil e incerta certeza de que os verbos confiar e honrar serão plenamente conjugados em todos os tempos, por todas as pessoas, do singular e do plural. </li></ul><ul><li>QUEM GARANTE ? TODOS E NINGUÉM! </li></ul>
  29. 29. PLANEJAMENTO EM TEMPOS DE CRISE <ul><li>O melhor momento para pensar em situações ruins é quando está tudo bem. Logo, a regra é fazer simulações de cenários considerando a hipótese das coisas darem errado e o que fazer se isso acontecer. </li></ul>Shrek, você ainda vai me querer se eu ficar feia ? Claro, Fiona. Mas isso é impossível!
  30. 30. RESERVAS, SEMPRE <ul><li>As empresas, para se proteger da crise, seja essa ou as próximas, devem: </li></ul><ul><ul><li>Conhecer as variáveis conspiratórias de seu negócio; </li></ul></ul><ul><ul><li>Conhecer suas fragilidades e se diferenciar dos demais competidores; </li></ul></ul><ul><ul><li>Antecipar situações ruins, simulando cenários; </li></ul></ul><ul><ul><li>Estabelecer planos e metas de curto e longo prazos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliar cuidadosamente e controlar despesas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não menosprezar pequenas quantias; </li></ul></ul><ul><ul><li>Reservar, pelo menos, 10% dos lucros. </li></ul></ul>
  31. 31. VÁRIOS PLANOS... E A SOLUÇÃO ? <ul><li>Enquanto o mundo assiste aos planos do Presidente Obama e os números da economia não refletem melhoras, a solução vai se mostrando mais difícil do que se supunha e os dias seguem cinzentos. </li></ul><ul><li>A melancolia desses dias é o reflexo das mudanças que estão por vir. </li></ul>
  32. 32. ESTEJAMOS PRONTOS <ul><li>Novos sistemas regulatórios; </li></ul><ul><li>Crédito mais exigente; </li></ul><ul><li>Reforma do sistema financeiro mundial; </li></ul><ul><li>Empresas mais prudentes e precavidas; </li></ul><ul><li>Deuses, ou melhor, gestores mais parcimoniosos; </li></ul><ul><li>Consumidores mais conscientes e exigentes; </li></ul><ul><li>Elevação de sistemas de gestão participativa; </li></ul><ul><li>Tendência a maior transparência global; </li></ul><ul><li>Maior resistência a novas crises. </li></ul>
  33. 33. PRUDÊNCIA, TENHA PRUDÊNCIA!
  34. 34. MESMO SOB CRISE, ACREDITE! <ul><li>Tenha fé na vida e nunca deixe de confiar em Deus. Ele fará com que você não seja devorado pelos desafios que aparecerão para você ao longo da grande trajetória da vida. Crise é apenas uma situação que se coloca em nossa frente para crescermos ainda mais! </li></ul>
  35. 35. SEJAMOS COMO AS CRIANÇAS
  36. 36. SAÚDE, SUCESSO E MUITAS FELICIDADES <ul><li>O sol sempre nasce após a tempestade. Devemos estar prontos para aproveitar o belo dia que está por vir com um belo sorriso no rosto. </li></ul>
  37. 37. É ISSO QUE DESEJO A TODOS VOCÊS! <ul><li>MUITO OBRIGADO! </li></ul><ul><li>ADM. ROBSON BRAGA </li></ul><ul><li>Consultor empresarial </li></ul><ul><li>CRA/BA 7342 </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>MSN: robsonbraga11@hotmail.com </li></ul><ul><li>BLOG: http://robsonbraga11.blog.uol.com.br </li></ul><ul><li>(73) 8109-5995 / 8801-5560 </li></ul>

×