TRABALHO EM CONVÉS DE NAVIOS QUÍMICOS : 
um estudo sobre os riscos à saúde 
Instituição : Escola Nacional de Saúde Pública...
I 
Homenagem e gratidão 
à PETROBRAS, grande escola e motivo de orgulho para o povo brasileiro. 
a minha mãe Lola, Fonte d...
II 
Gratidão 
A todos aqueles que, por “descuido ou fantasia”, por acreditarem ou por amizade, me ajudaram na realização d...
Pouco estudado na literatura mundial e sem referências brasileiras disponíveis, o trabalho em convés de navios químicos re...
This study describes the deck operations of three chemical tankers, which operate in a route Brazil- Argentina-Brazil-Cari...
3. MONITORIZAÇÃO AMBIENTAL E BIOLÓGICA 
3.1. Considerações Gerais 20 
3.2. Valores de Referência de Exposição 21 
3.3. Est...
Anexo 6 - Gráficos F
1 
1. INTRODUÇÃO 
“ As viagens agora são tão belas como eram dantes 
E um navio será sempre belo, só porque é um navio. “ ...
2 
Foi assim que a multiplicidade de situações, de agentes, de fatores de interferência determinaram a natureza desta pesq...
3 
É possível que as observações feitas suscitem várias indagações cujas respostas dependem de estudos posteriores, mais p...
4 
O tamanho da tripulação e as condições de vida e higiene sofreram influência direta das modificações tecnológicas: navi...
5 
desordens. A disciplina era garantida por meios violentos, sendo comum a punição corporal. A Revolução Francesa influen...
6 
A atividade marítima na época das longas viagens de descobrimento representou um fator importante na disseminação de do...
7 
conveniência, ou seja, o navio é registrado num determinado país e segue a legislação do mesmo, independente do país do...
8 
embutidos nos critérios gerais da NR-24. O Decreto 87.648, de 24 de setembro de 1982, divide o pessoal da Marinha Merca...
9 
E x 1000 x 365 
Mb por mil = _________________________ 
St x 365 
Onde: 
Mb = morbidade; 
E = número de marítimos doent...
10 
Quadro 1 - Gênese, freqüência de doenças e acidentes de maior prevalência entre marítimos segundo Vuksanovic e Goethe ...
11 
- ruído, vibração e outros fatores de sobrecarga, tais como micro e macro-clima; 
- trabalho sob condições fisiológica...
12 
companhias responsáveis pelo transporte marítimo de petróleo. O objetivo principal destas organizações está voltado pa...
13 
Nos navios mais modernos, o maior grau de automação possibilita a operação por tripulações bastante reduzidas. Da mesm...
14 
atmosféricas, a disposição e forma de operar com a carga a bordo e muitos outros fatores peculiares ao transporte marí...
15 
b. os corrosivos, que apresentam três tipos de risco, caracterizados tanto pela ação corrosiva, que é potencializada e...
16 
3. MONITORIZAÇÃO AMBIENTAL E BIOLÓGICA 
“Ah, quem sabe, quem sabe, 
Se não parti outrora, antes de mim, 
Dum cais, que...
17 
Para haver um risco à saúde do trabalhador é preciso, então, que o agente esteja disponível no ambiente de trabalho em...
18 
trabalhadores ou membros de uma comunidade“ Esta definição persiste desde 1959, quando foi emitida pela ACGIH - Confer...
19 
padrões propostos pela ACGIH, e, considerando que nesta pesquisa os limites considerados são aqueles propostos pela Le...
20 
Trabalho (OSHA) como sendo o nível de ação, que corresponde à metade do limite de exposição (Colacioppo, 1989). 
No “C...
21 
partir do qual a monitorização biológica está indicada. Finalmente enfatiza a participação e informação por parte dos ...
22 
Adota uma nova terminologia e define padrões: 
IBMP - Índice Biológico Máximo Permitido - é o valor máximo do indicado...
23 
durante a jornada de trabalho e às oscilações máximas nas concentrações, assim como estabelece um limite para concentr...
24 
mistura de substâncias. Modelos farmacocinéticos, cujo desenvolvimento limita-se a alguns agentes, são de grande valia...
25 
CONVÉS (foto 3, anexo 2) - Fica na região intermediária em termos de altura do navio; é de fácil acesso, por ser o pri...
26 
As especificações dos navios químicos participantes deste estudo, que são em número de três, encontram-se a seguir (e ...
27 
contínuas, sem repouso suficiente. Estes períodos de maior sobrecarga representam em torno de 30% do tempo total de tr...
28 
incêndio, explosão, vazamento e poluição. É ainda responsável pela transmissão de informações toxicológicas dos produt...
29 
Além disso são responsáveis, juntamente com os moços, sob a orientação do Contramestre, pela execução de todas as oper...
30 
É responsável pela guarda e conservação dos equipamentos de radiocomunicações, assim como das informações sobre aspect...
31 
G3 - comunicação, navegação, ancoragem, fundeio, atracação e desatracação - pessoal de convés; 
G4 - atividades ligada...
32 
carregado e verificam as condições da carga; estas duas últimas tarefas também são realizadas por um inspetor de carga...
33 
localizada na superestrutura do navio. Nem toda a tripulação dos navios estudados considerava o sistema de controle à ...
34 
9. aplicação de vapor d’água com ou sem solvente (foto9, anexo 2). Neste último caso, o tanque deve ser inertizado com...
35 
umidade. Toda atividade de entrada no tanque é realizada em dupla e acompanhada pelo mestre através de uma abertura me...
36 
5. MÉTODO 
“ Não basta abrir a janela Para ver os campos e o rio. 
Não é bastante não ser cego 
Para ver as árvores e ...
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Trabalho em convés de navios químicos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho em convés de navios químicos

582 visualizações

Publicada em

segurança trabalho convés de navios quimicos

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
582
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho em convés de navios químicos

  1. 1. TRABALHO EM CONVÉS DE NAVIOS QUÍMICOS : um estudo sobre os riscos à saúde Instituição : Escola Nacional de Saúde Pública Mestrado em Toxicologia Ambiental Autora : Maria de Nazareth da Fonseca Solino Orientador : Luiz Querino Caldas
  2. 2. I Homenagem e gratidão à PETROBRAS, grande escola e motivo de orgulho para o povo brasileiro. a minha mãe Lola, Fonte de Vida ao meu mestre Dr. Ikeda, Mestre da Vida aos meus amigos e companheiros de militância pela Vida aos companheiros marítimos, pela oportunidade, à Vida, pelas infinitas possibilidades.
  3. 3. II Gratidão A todos aqueles que, por “descuido ou fantasia”, por acreditarem ou por amizade, me ajudaram na realização deste trabalho: Richa, por ter sido o girador da roda; Querino e Camilo, por terem aberto as portas, acreditando e investindo; Fabiana, pela lição de organização, entusiasmo e de comprometimento altruístico; Barbieri, por transmitir com simplicidade e alegria aquilo que aprendeu com esforço próprio; John, por estar sempre provando que, na ciência não existem fronteiras; e pela maravilhosa bibliografia; Rubens e William, exemplos de que, a benevolência de apontar os erros, contribui para um mundo melhor; Reginaldo, Matos, Paulo Sérgio, Rui e Jaques - pelo companheirismo, a solidariedade Arlindo, por aceitar e incentivar; Ivany, José Luiz, Conceição, Luciano, e os colegas do SEINF, pela importante ajuda; Cristina, pela sensação de ser compreendida; Paulo, por acreditar, pela alegria e pela música; Mara, pela torcida e por ajudar a curar as feridas; Miguel, por ser um exemplo e Sig pela coragem de ser pioneiro; Rosa, pela presença e amizade; Bernardo, pelo incentivo constante; Almir, pela grande capacidade de ser amigo; Francis, por ser a irmã; Deny e Hitomi, por incentivar a curiosidade; aos marítimos dos navios químicos, porque tornaram este trabalho e, todos os outros que vierem, possíveis. “Tive o meu convite para o festival do mundo, e por isso foi abençoada a minha vida. Os meus olhos viram e os meus ouvidos ouviram. O meu ofício nesta festa era tocar meu instrumento e fiz tudo o quanto pude. Agora pergunto, terá enfim chegada a hora de poder entrar, contemplar tua face e erguer -te o meu brinde silencioso?” Tagore III Resumo
  4. 4. Pouco estudado na literatura mundial e sem referências brasileiras disponíveis, o trabalho em convés de navios químicos representa um risco de exposição à carga, risco este que varia de acordo com: a) natureza da carga, b) grau de automatização do navios e c) procedimentos utilizados na realização das tarefas. Este estudo descreve as operações de três navios tanques que transportam produtos químicos numa rota que se inicia no Brasil, compreende Argentina, Caribe, Estados Unidos e termina o ciclo no Brasil. São também apresentados dados da caracterização de um grupo amostral de 44 marítimos, quanto à distribuição etária, hábitos de vida, história ocupacional, doenças pregressas e atuais, e queixas no momento do estudo. Em relação à exposição à carga,foram definidos três grupos homogêneos de exposição: a) um grupo regularmente exposto, formado por contramestres, bombeadores, marinheiros e moços de convés; b) um grupo ocasionalmente exposto, formado por oficiais de naútica e imediatos; c) um grupo não exposto, formado pelos oficiais de radiocomunicações e pela tripulação de câmara, composta de taifeiros e cozinheiros. Foram também realizadas, durante o trapeamento de tanques com tolueno, medições das concentrações de tolueno ambiental e de ácido hipúrico urinário, no grupo que entrou no tanque para a atividade, e no restante da tripulação de convés e câmara. Alguns fatores contribuíram para dificultar a definição do risco químico do grupo estudado: a) a grande diversidade de tarefas e de produtos transportados e manuseados; b) os diferentes cenários de exposição; d) a sazonalidade da exposição; e) a variação de comportamento de risco durante os períodos de embarque e em terra, não foi possível quantificar o risco químico do grupo estudado. Ainda do ponto de vista epidemiológico, o tamanho dos grupos é um fator limitante para a correlação entre as queixas e os achados clinicos encontrados, e as atividades profissionais. As observações realizadas possibilitam algumas correlações, e servem como base para a definição de uma estratégia para estudos epidemiológicos mais complexos, e para a determinação do risco toxicológico das funções de convés nos navios químicos . Palavras-chave - convés de navios químicos, riscos à saude em marítimos, limpeza de tanques, exposição à carga IV Abstract The toxicological risk of exposition to cargo vapours, presented by deck personnel from chemical tankers, is present in a small number of references, on the available international scientific literature and has not been approached in Brazilian literature yet. The nature and magnitude of this risk depend on: a) cargo characteristics ; b) automation grade of the tanker ; c) procedures applied during the deck operations.
  5. 5. This study describes the deck operations of three chemical tankers, which operate in a route Brazil- Argentina-Brazil-Caribic Region-USA-Caribic Region-Brazil. Data concerning a sample composed of 44 seamen is also presented, including age distribution, lifestyle, occupational hystory, diseases and accidents from the past, and actual signs and symptoms. Concerning the exposition to the cargo, three groups have been defined: 1) a regularly exposed group, composed by foremanship, bombers, deck mariners and boys; 2) an occasionally exposed group, formed by officers and first mate; 3) a non-exposed group, formed by radio- operators officers, cookers and steward. Air samples from tank atmosphere and biological samples from all the three groups have been collected, during manual removal of oil residues, for measurement of toluene in air samples and hippuric acid in urine. A number of factors played a role in the difficulty in defining a toxicological risk for the studied, sample such as: a) task :diversity; b) exposition cenario multiplicity; c) variety of cargo and handled products; d) distinct risk behaviour at sea and ashore. The groups size were a limitation factor for epidemiological analysis of causal relationships between professional activities and the presented signs and simptoms. The results make possible to establish some correlations and may be helpful for subsequent studies. Key notes - tankers, tank cleaning, deck crew activities and health, cargo exposition V ÍNDICE Página 1. INTRODUÇÃO 1 2-REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Revisão Histórica 4 2.2. A Saúde do Marítimo 7 2.3. Navios Químicos - Descrição 14 2.4. Carga Perigosa 16
  6. 6. 3. MONITORIZAÇÃO AMBIENTAL E BIOLÓGICA 3.1. Considerações Gerais 20 3.2. Valores de Referência de Exposição 21 3.3. Estudo da Exposição 28 4. CENÁRIOS 4.1. - O Navio Químico 30 4.2 - A Tripulação 32 4.3 - A Faina 37 5. MÉTODO 5.1 Classificação dos Grupos de Exposição 45 5.2. A Rota 49 5.3. A Carga 49 5.4. As Viagens 50 5.5. Planejamento das Etapas do Estudo 51 5.6. O Tolueno 59 6. RESULTADOS 6.1. Avaliação Ambiental e Biológica 63 6.2. Caracterização do Grupo Estudado 65 6.3. Riscos Ocupacionais 68 VI 7. DISCUSSÃO 7.1. Aspectos Gerais 75 7.2 Aspectos Educacionais 80 7.3. Aspectos de Segurança 81 7.4. Aspectos de Saúde 82 8. CONCLUSÕES 87 9. BIBLIOGRAFIA a-g 10. ANEXOS Anexo 1 - Especificações dos Navios Químicos A Anexo 2 - Fotos B Anexo 3 - Figuras C Anexo 4 - Quadros D Anexo 5 - Tabelas E
  7. 7. Anexo 6 - Gráficos F
  8. 8. 1 1. INTRODUÇÃO “ As viagens agora são tão belas como eram dantes E um navio será sempre belo, só porque é um navio. “ Fernando Pessoa Estudar os riscos à saúde dos tripulantes de convés de navios químicos é um desafio, não somente pela complexidade representada pela diversidade de tarefas, alternância de cenários, variedade de agentes envolvidos, como também pela escassez de publicações disponíveis. A proposta inicial era realizar uma pesquisa toxicológica clássica, passando pelas etapas de identificação dos agentes, caracterização da exposição, a quantificação dos agentes no organismo, e a correlação entre a exposição e os sinais e sintomas encontrados. A medida que os cenários foram se apresentando, a proposta inicial foi sendo substituída por um estudo descritivo, ponto de partida para observações posteriores mais profundas e precisas. A Toxicologia, enquanto disciplina estreitamente relacionada à química, tende à redução do organismo vivo a uma série de reações, muitas das quais desconhecidas. Nesse contexto, buscar parâmetros mensuráveis ou passíveis de uma previsão segundo modelos matemáticos é um passo importante para a universalização de reações que são particulares, pois envolvem organismos vivos únicos. Nos seres humanos, a pesquisa sobre a natureza dos processos envolvidos pode lançar mão da análise de efeitos, tais como sintomas, queixas, sinais e doenças. Os dois primeiros podem apresentar um grau altamente variável de subjetividade, pela sua relação com os medos e fantasias, no entanto, são muitas vezes o alerta para um processo em fase pré-patológica. Shafran (1984) se refere a “certos sintomas, síndromes, estados pré-patológicos, redução das reservas adaptativas e mudanças na reatividade”. Comecei o meu estudo de campo com a pré-concepção de um modelo capaz de sintetizar a realidade do marítimo nos seus diferentes aspectos. A observação levou-me a questionar as minhas premissas , mais e mais, à medida que fui percebendo a dimensão das interações e a enorme diversidade de novos elementos a serem considerados. Ao pisar num convés de navio químico pela primeira vez (para o estudo) encontrei um grupo de homens de diferentes regiões do país, com um alto senso de responsabilidade em relação ao papel representado no navio, ao mesmo tempo em que se sentem isolados, ignorados e esquecidos por suas famílias e pela sociedade, a quem atribuem o principal ganho com o seu trabalho. Pude identificar uma grande variedade de agentes aos quais estes homens estavam expostos: agentes físicos, tais como ruído, temperaturas extremas, vibração; várias famílias de agentes químicos, desde as frações leves do petróleo, ácidos, os óleos comestíveis, os aditivos de gasolina, os lubrificantes; agentes ergonômicos, representados tanto pelas posturas de trabalho, como pela própria movimentação no convés e o balanço do mar. 1
  9. 9. 2 Foi assim que a multiplicidade de situações, de agentes, de fatores de interferência determinaram a natureza desta pesquisa - sua abordagem ampla e sem o compromisso de se fixar num determinado aspecto, sob pena de alienar pontos fundamentais para a compreensão dos riscos à saúde dessa população, além de subdimensionar um processo extremamente rico. Houve um enorme esforço de minha parte no sentido de elaborar um estudo que pudesse ser reproduzido e que, transcendesse o particular. Além da dificuldade advinda da inexperiência, encontrei obstáculos que não consegui transpor: a bibliografia que, neste caso, é extremamente pobre, tanto ao nível nacional quanto internacional; a coleta de amostras ambientais e biológicas, prejudicada pela impossibilidade de se seguir um procedimento pré-determinado: na falta de tolueno, utilizou-se metil-terc-butil-éter assim como se utilizaria outro solvente, para os quais não há metodologia de análise de laboratório disponível; a necessidade de um contato mais longo para caracterizar alguns fatores de confundimento, tais como o uso de bebidas alcoólicas. E, acima de tudo, uma pesquisa toxicológica clássica exigiria um número maior de viagens seguindo por inteiro a rota oficial destes navios, uma vez que há variação de procedimentos em diferentes países e que algumas cargas são transportadas apenas em determinados trechos do percurso. Quase que adquirindo vida própria, esta tese foi definindo a si mesma, independente da minha determinação e frustração. Havia ali uma imensa riqueza de dados. Não aqueles que fui buscar - dados matemáticos, reproduzíveis, que refletissem uma indubitável correlação entre si, e uma relação causal entre eventos. Havia, sim, toda uma gama de informações a respeito de uma população pouco estudada, cujos artigos publicados enfocam aspectos específicos isolados. Foi uma premissa na elaboração do projeto a existência de um risco inerente à atividade em convés de navios químicos, isto é, uma probabilidade, a ser estudada, de interação entre a tripulação de convés e a carga transportada. Se confirmada, teria esta probabilidade uma magnitude equivalente ao risco de explosão e incêndio, no qual haveria uma exposição potencial, sendo justificado apenas pela presença do agente à bordo? Ou, (uma das principais questões levantadas) haveria uma exposição real, à carga ou a produtos usados nas atividades de manutenção e limpeza, com risco atual de repercussões na saúde do marítimo? Uma vez respondidas estas perguntas de forma positiva, então qual a magnitude desta exposição? A constatação de que nem toda exposição pode ser mensurável nos remete à possibilidade da aplicação de modelos matemáticos, o que exige, por sua vez, a aplicação da metodologia da higiene industrial na determinação de valores a serem utilizados como variáveis nas operações matemáticas. E se a exposição é real, e sua magnitude suficiente para justificar o aparecimento de efeitos adversos sobre o organismo dos expostos, quais serão estes efeitos? Onde estão localizados, em que órgãos? 2
  10. 10. 3 É possível que as observações feitas suscitem várias indagações cujas respostas dependem de estudos posteriores, mais profundos e completos. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA “E vós, ó coisas navais, meus velhos brinquedos de sonho! Componde fora de mim a minha vida interior! “ Fernando Pessoa 2.1 Revisão Histórica Schadenwalt e Goethe (1984), apresentam uma interessante pesquisa sobre a história do desenvolvimento tecnológico dos navios e dos hábitos e condições de vida dos marítimos. Os autores dividem a história da navegação marítima em três períodos, segundo o tipo de energia utilizada: a força humana (remos); a força do vento (velas), e o uso de máquinas (vapor, óleo e energia nuclear). O primeiro período se estendeu desde a Antigüidade até o século VI - nele as viagens eram curtas e poucos se aventuravam longe da costa. No segundo período, que vai do século VI ao século XVIII, barcos à vela realizaram as grandes viagens de descobrimento, que podiam durar de semanas a meses na busca de novas terras e oportunidades de comércio. O terceiro período, que se iniciou no século XVIII e perdura até o momento atual, caracterizou-se inicialmente pela introdução do barco a vapor e pela espantosa evolução, passando pela construção da estrutura em ferro, a blindagem, em 1859, até a turbina movida à energia nuclear nos dias de hoje. 3
  11. 11. 4 O tamanho da tripulação e as condições de vida e higiene sofreram influência direta das modificações tecnológicas: navios à vela e de madeira eram altamente insalubres pois os excrementos e cadáveres eram jogados no porão onde a areia úmida servia como lastro para dar estabilidade ao navio, favorecendo o desenvolvimento de ratos e vermes, causando epidemias. Assim, a introdução dos navios a vapor diminuiu significativamente a mortalidade a bordo, pois o lastro de areia foi substituído por barras de ferro, que eram regularmente lavadas com água do mar. A alta mortalidade era outro fator que contribuía para o tamanho das tripulações: o navio “Dragão” da Companhia das Índias Ocidentais, de 600 toneladas, citado por Schadenwalt e Goethe (1984), utilizava uma tripulação de 300 pessoas. Tal densidade populacional implicava na disseminação de doenças infecto-contagiosas, inclusive as sexualmente transmissíveis. A alimentação era outro fator importante na gênese das doenças. A dificuldade de acesso a uma dieta variada provocava o aparecimento de hipovitaminoses - o beribéri, o escorbuto e a hemeralopia, entre outras doenças. O tempo de viagem também era um fator limitante na obtenção de alimentos frescos : a carne e o peixe eram salgados para aumentar o tempo de conservação e para disfarçar o gosto de putrefação e os restos de pão e de biscoitos, estes chamados pelos romanos de “panis nauticus”, juntavam vermes, baratas e ratos. A condição era agravada pela pouca estabilidade dos navios, o que determinava grande movimentação durante as turbulências marítimas, nas quais o alimento era ingerido frio e cru. A qualidade da água gerou o ditado marítimo de que “a água deve estragar três vezes antes de ficar boa” - derivando do fato de que, inicialmente, a água guardada nos barris apresentava-se turva e com gosto desagradável; após três semanas no mar, tornava-se clara graças à redução dos sais de ácido sulfúrico a sulfeto de hidrogênio, que era utilizado pelas algas no fundo do barril. A má qualidade da água e as condições de vida no navio eram fatores de incentivo para a ingestão alcoólica em níveis significativos. Há relatos, na armada espanhola, de uma proporção de carregamento de 57 000l de água para 82 000l de álcool. Em 1815, tanques de ferro passaram a ser utilizados para carregar a água; a ração diária variava de 0,25 a 0,5 litros por dia (incluindo a higiene corporal e lavagem das roupas). Vários métodos, foram utilizados para a obtenção de água durante a viagem, entre eles a coleta da água da chuva em velas, o aquecimento do gelo e a destilação da água do mar. A água do mar foi considerada durante longo tempo inadequada para apagar incêndios e, com tão pouca água potável disponível, a urina da tripulação era armazenada para aquele propósito. Entre os agentes físicos encontravam-se, além da vibração e da movimentação do navio, o calor devido à estrutura de ferro (introduzida cerca de 1840), que era tremendo, particularmente na sala de máquinas, havendo referências a temperaturas de até 75 ºC . E como se já não bastassem os fatores citados, a tripulação era recrutada das fontes mais diversas, inclusive entre criminosos. A permissão do uso da bebida alcoólica a bordo era outro fator que contribuía para brigas e 4
  12. 12. 5 desordens. A disciplina era garantida por meios violentos, sendo comum a punição corporal. A Revolução Francesa influenciou positivamente na melhoria das condições de higiene dos navios e na proposta da abolição da punição corporal, esta porém continuou a ser aplicada até meados do século XX. O advento da mecanização contribuiu para a redução das tripulações, para o aprimoramento das acomodações e dos sistemas de ventilação, ao mesmo tempo em que permitiu uma certa independência das condições do mar e do vento, reduzindo o tempo de viagem. A demanda de transporte marítimo sempre se caracterizou por uma grande oscilação, na dependência de fatores econômicos, políticos e outros ligados à atividade portuária. Severas restrições comerciais não impediram o desenvolvimento tecnológico significativo - a instrumentação tornou-se mais econômica; hélices e cascos mais eficientes foram desenvolvidos, favorecendo a hidrodinâmica, e a automatização possibilitou a operação com tripulações menores. A substituição das turbinas a vapor, monocilíndricas, por motores a diesel, mais potentes, aumentou o rendimento da máquina, reduziu as perdas de calor, além de proporcionar outras vantagens. Embora não tenha havido mudança significativa no tamanho dos navios, houve redução da tripulação devido a fatores tais como a instalação de sistemas eletrônicos, que exigem menor quantidade de pessoas na vigilância; a simplificação das operações de manutenção das máquinas; a maior resistência do material da chapa e pintura; o desenvolvimento de equipamentos para atracação e desatracação. As novas alternativas de informação como o radar, o satélite e o telex também tiveram um papel facilitador significativo no gerenciamento dos navios. Hoje os motores nucleares, os sistemas de alarme e os dispositivos de controle remoto possibilitam que uma pequena tripulação opere com segurança um navio inteiro. 2.2 A Saúde do Marítimo 5
  13. 13. 6 A atividade marítima na época das longas viagens de descobrimento representou um fator importante na disseminação de doenças transmissíveis, não apenas entre os membros da tripulação, como também entre diferentes países e continentes, devido à migração dos agentes de doenças endêmicas para outras regiões. Embora haja referências (Schadenwaldt e Goethe, 1984) à existência de inspetores de saúde já em 1340, estes apenas visitavam os navios suspeitos da presença de doenças contagiosas, durante a permanência nos portos e recomendavam medidas de desinfecção. Em 1374, pela primeira vez, o porto de Veneza foi fechado aos navios oriundos de locais onde havia epidemias. O período de quarentena evoluiu de forma crescente, sendo inicialmente fixado em 10 dias em Veneza, 30 dias em Ragusa e posteriormente estacionando em 40 dias, prazo considerado suficiente para definir a condição aguda ou crônica de uma doença. Em 1403, a criação de uma enfermaria de isolamento fora de Veneza, refletiu o cuidado com as tripulações. A preocupação com a contaminação dos navios levou à exigência, a partir de 1665, da emissão de “certificados de saúde”. Quanto às estatísticas de morbidade e mortalidade, Schadenwaldt e Goethe (1984) referem que, até o século XIX, o número de mortos era alarmante e citam que, durante a guerra naval nas Índias Ocidentais (período de 1780-1783), a Inglaterra perdeu 1 148 marinheiros por ferimentos durante as batalhas e 3 200 por doenças. A taxa de mortalidade baixou progressivamente de 125 por mil (1760), para 50 por mil (1810) e a 6,7 por mil (1878). No Hospital Britânico Naval Haslar, Dr. Lind (1762) realizou uma estatística abrangendo 5.743 pacientes admitidos num período de 2 anos, na qual são identificadas, em ordem decrescente, as seguintes causas de internação: febre (2.174); escorbuto (1.146); “consumpção” (problemas pulmonares, tuberculose -360); reumatismo (350); disenteria e outros fluxos (245); lesões antigas (80); doenças cutâneas (73) ; “ague” ou febre intermitente (67). O operariado teve sua primeira regulamentação trabalhista abordando idade mínima para o trabalho, redução de jornada e melhoramento ambiental da fábrica em 1802 (Mendes,1995). Mais de um século depois, em 1921, os marítimos foram contemplados com a primeira recomendação da Organização Internacional do Trabalho, a Convenção 16, que regulamentou o exame médico de menores de idade. O exame de todos os marítimos foi recomendado somente em 1946, na Convenção 73, cujo papel se restringiu muito mais à exigência de atestado de aptidão para o embarque do que os aspectos preventivos. Estes documentos, são a base para todos os que se seguiram. Somente 29 países ratificaram, em 1982, a Convenção 73. Dificuldades na padronização são consideradas fatores importantes na divisão responsabilidade pela saúde do marítimo entre o Estado, as organizações marítimas e os proprietários dos navios, causando uma indefinição e falta de controle adequado (Schadenwaldt e Goethe, 1984). Observa-se uma tendência cada vez maior de utilização de navios com bandeira de 6
  14. 14. 7 conveniência, ou seja, o navio é registrado num determinado país e segue a legislação do mesmo, independente do país do serviço que está prestando. Nestes casos são escolhidos para registro, em geral, países cujas exigências em termos de obrigações trabalhistas sejam precárias. Em 1948, foi criado um Comitê de Higiene do Marítimo, formado por representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Em 1949 este comitê reiniciou a discussão sobre o exame de aptidão para o embarque e a obtenção do consenso internacional foi de tal forma difícil que, após várias rodadas de discussão, o critério acabou ficando a cargo de cada país. O Brasil ainda não ratificou as Convenções número 145, de 13 de outubro de 1976, que tentou garantir a continuidade do emprego para o pessoal do mar, e a número 147, que propõe a previsão de capacidade de tripulação, horas de trabalho, vida a bordo e outras normas básicas. Em 1995, foi realizada uma conferência para revisão da Convenção Internacional sobre Normas de Treinamentos para Marítimos, de 1978, cuja Resolução 9, “Desenvolvimento de padrões internacionais de saúde para marítimos” observa, “a falta de padrões internacionais acordados de saúde para marítimos” e, solicita à Organização Marítima Internacional (IMO), “que desenvolva padrões internacionais de condições de saúde para marítimos, em cooperação com a Organização Internacional do Trabalho e a Organização Mundial da Saúde”. Por motivos históricos ligados à formação da mão de obra operária no Brasil, em cuja composição predominavam ex-escravos após a abolição da escravatura em 1888, a preocupação com a saúde do trabalhador passou a se manifestar mais concretamente no início do século XIX, por ocasião da imigração de operários europeus. A primeira Lei sobre Acidentes de Trabalho, Decreto legislativo n º 3 724 , foi aprovada em 15 de janeiro de 1919 (Mendes,1995). O Decreto nº 8.490 de 19/11/1992 distribuiu as responsabilidades pela saúde do trabalhador ao nível de institucional no Brasil entre três Ministérios: os Ministérios da Saúde, do Trabalho e da Previdência Social. Coube ao Ministério da Saúde a responsabilidade pela prevenção e recuperação da saúde individual e coletiva do trabalhador. O Ministério do Trabalho assumiu a normalização e controle da segurança e saúde no trabalho, enquanto o Ministério da Previdência Social ficou responsável pela gestão do seguro de acidentes do trabalho. As normas relativas às atividades produtivas, no que se refere à saúde dos trabalhadores, constam na Legislação de Segurança e Medicina do Trabalho, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), Capítulo V. A Classificação Nacional de Atividades Econômicas constante na Norma Regulamentadora (NR) 4 define grau de risco 4 para o transporte marítimo de cabotagem e de longo curso, no entanto não tece considerações específicas quanto ao funcionamento e dimensionamento dos Servicos de Medicina e Segurança do Trabalho. O Anexo 2 da NR-16 define que as atividades de transporte, carga, descarga, operação e manutenção fazem jus a um adicional de 30%. Os padrões de condições sanitárias e de conforto nos locais do trabalho encontram-se 7
  15. 15. 8 embutidos nos critérios gerais da NR-24. O Decreto 87.648, de 24 de setembro de 1982, divide o pessoal da Marinha Mercante em sete grupos: marítimos, fluviários, pescadores, regionais, armadores, estivadores e mergulhadores. Na CLT a jornada de trabalho do marítimo é definida em 8 horas, sendo que os serviços de plantão em turnos, considerados suscetíveis de prejudicar a saúde do tripulante, devem ser realizados em períodos não maiores do que quatro horas, e com intervalos não inferiores a quatro horas. Não são apresentados, portanto, padrões e mecanismos de controle específicos para a prevenção em saúde ou mesmo para a definição de permissão de embarque: não há critérios referentes a doenças tais como as cardiovasculares, diabetes, epilepsia e outras . Vuksanovic e Goethe (1984) apontam os seguintes fatores como sendo passíveis de afetar a saúde dos marítimos : 1. a exposição às intempéries e às variações climáticas; 2. os agentes físicos e químicos, como o ruído, a vibração, iluminação e ventilação por vezes insuficientes, a exposição aos produtos utilizados no trabalho e à carga; 3 o movimento do navio, que exige trabalho muscular compensatório, provoca alterações de sistema vestibular e na profundidade do sono ; 4. o regime de trabalho de turno : 4h de trabalho/8h descanso quando possível; em outras situações, 12h/24h ; 5. fatores sócio-psicológicos. Maslowski et al. (1985) investigaram 260 oficiais na Linha Oceânica Polonesa e um grupo controle formado por 130 trabalhadores da Refinaria de Gdansk, encontraram 13,07% de registros com padrão de eletroencefalograma (EEG) de baixa voltagem (que, segundo os autores, está associado a labilidade emocional e neuroses) nos oficiais, contra 9,23% no grupo controle ; 6. desequilíbrio nutricional, seja por falta ou excesso; 7. falta de assistência de saúde adequada a bordo. Em estudo feito com 8.000 marinheiros na antiga Iugoslávia tendo trabalhadores portuários como controles, num período de 10 anos, Vuksanovic (1981) registrou os seguintes achados: a) os marítimos apresentam maior número de dias perdidos anualmente por doenças; b) considerando-se o tempo na ocupação, os marítimos adoecem precocemente em relação aos controles; c) seus doentes, apresentam uma idade média menor do que os controles. Para calcular as taxas de adoecimento dos marítimos Vuksanovic e Goethe (1974), propõem uma fórmula de autores soviéticos, Komarov et al.(1976), que permite calcular a morbidade anual de um navio, de vários navios de uma companhia ou de toda uma frota nacional. Ela é válida em casos onde há grandes flutuações de pessoal, uma das características da realidade do marítimo . 8
  16. 16. 9 E x 1000 x 365 Mb por mil = _________________________ St x 365 Onde: Mb = morbidade; E = número de marítimos doentes; St = número de dias dos marítimos a bordo; 365 corresponde ao período de 1 ano; 1000 corresponde a um padrão de população considerado. Os autores citam ainda um outro método simplificado de calcular a morbidade do marítimo, através da fórmula: Mb% = n/N x 100 Onde: n = número de marítimos acometidos por uma determinada doença; N = número total de marítimos doentes; 100 = padrão de população considerado. Vuksanovic e Goethe (1982), compilaram dados relativos a doenças e acidentes de 7 países, referentes ao período de 1954-1979, baseados numa população de aproximadamente 2 milhões de marinheiros doentes e acidentados. Os resultados deste estudo encontram-se na tabela seguinte : 9
  17. 17. 10 Quadro 1 - Gênese, freqüência de doenças e acidentes de maior prevalência entre marítimos segundo Vuksanovic e Goethe (1982) DOENÇAS/LOCAL TAXA OBSERVAÇÕES ACIDENTES 23,51% movimento do navio, estresse e fatores ambientais aumentam o risco; maior número de acidentes devido ao manuseio de produtos (ácidos, solventes e detergentes) do que por exposição à carga. SISTEMA DIGESTIVO 15,7% úlceras e gastrites são as doenças mais comuns nos marinheiros. APARELHO RESPIRATÓRIO 11,2% maior incidência no pessoal de convés, exposto às intempéries. SISTEMA MÚSCULO- ESQUELÉTICO 8,9% nas tripulações de países tropicais e subtropicais, alta incidência de afecções reumáticas quando do deslocamento de zonas mais quentes para as mais frias. SISTEMA NERVOSO E ÓRGÃOS DOS SENTIDOS 5,7% destacam-se as lombo-isquialgias e similares, favorecidas pelo trabalho físico pesado em condições desfavoráveis (movimento do mar, reparo de máquinas em espaço restrito, trabalho no convés exposto ao tempo); tendência de desenvolvimento de pterígio pelo pessoal de convés; queixas auditivas em toda a tripulação. PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO 5,4% dermatoses de contato e reações alérgicas freqüentes na equipe de convés - interação entre a luz solar e os produtos químicos. APARELHO CIRCULATÓRIO 4,8% infarto do miocárdio e outras doenças isquêmicas em idades mais avançadas e em alguns cargos ( mestres, oficiais e pilotos) de atividade mais sedentária e com maior responsabilidade. Varizes de membros inferiores principalmente nos cozinheiros e taifeiros, devido ao grande tempo de permanência em pé. APARELHO GENITURINÁRIO 3,5%, litíase renal atribuída à deficiência de ingestão de água; no pessoal do convés, freqüentemente afetado, devido às variações climáticas. DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS 3,3% são ressaltadas as parasitoses intestinais; doenças bacterianas de origem alimentar ; doenças sexualmente transmissíveis; tuberculose. DOENÇAS MENTAIS 3,0% muitos casos não reconhecidos; maiores taxas no pessoal de convés. NEOPLASMAS 0,3% leve tendência crescente na incidência de neoplasmas, em especial o carcinoma de pele no pessoal de convés. OUTRAS 5,8% inclui sinais, sintomas e condições mal definidas (5,2%) + alterações endócrinas, nutricionais e metabólicas (0,5%) + doenças do sangue e órgãos hematopoiéticos (0,1%). Comentários sobre outros achados relativos à patologia em marítimos : 1. Watt (1972), considera os seguintes fatores etiológicos na gênese do “estômago de marinheiro”: - cinetose e fadiga ; estresse mental; 10
  18. 18. 11 - ruído, vibração e outros fatores de sobrecarga, tais como micro e macro-clima; - trabalho sob condições fisiológicas anormais (turno) e falta de lazer a bordo; - monotonia na nutrição ; abuso de estimulantes como o álcool, café e chá; - cáries dentárias ; ingestão não controlada de medicamentos. 2. Milton-Thompson and Williams (1984), citam o alerta de Zuckerman (1981) para o risco de hepatite, seja pela facilidade de transmissão em comunidades fechadas, seja pelo uso de tatuagens ou pela contaminação sexual. 3. Jamall (1984) se refere a três principais grupos de afecções ligadas a problemas ortopédicos entre os marítimos: - alterações nos joelhos, com múltiplas intervenções cirúrgicas; - lombalgias devido ao deslocamento e levantamento de peso, cujo risco é aumentado pelo movimento do navio; - tendinites, bursites e artrite degenerativa. 4. Dolmierski (1976) refere que as doenças mentais mais comuns são as neuroses, entre as quais predominam as de origem sexual, ansiosa, depressiva e hipocondríaca. Autores (Dolmierski e Walden, 1972 ; Bilikiewicz ,1973; Kepinski, 1972; Galuszko, 1965) citam uma lista de fatores que causam ou contribuem para as neuroses: monotonia, ruído e vibração, tensão nervosa, preocupação, afastamento da família, falta de sono, fadiga, privação sexual e afetiva. Domierski (1973) registrou o uso de álcool como o fator responsável por um grande número de acidentes no mar e propõe a uma classificação da Organização Mundial da Saúde para definir o consumo em termos de freqüência: ingestão excessiva episódica, em surtos irregulares e relativamente curtos; ingestão habitual excessiva, na qual os surtos são mais freqüentes ; dependência definida como alcoolismo crônico. 2.3 Navios Químicos - Descrição Embora o transporte de petróleo remonte à Antiguidade, foi somente após a segunda guerra mundial que o desenvolvimento da indústria petroquímica e o aumento do consumo de combustíveis à base de petróleo exigiram o transporte à granel através de navios especializados. Entre os órgãos internacionais ligados à padronização de práticas operacionais encontram-se: a Organização Intergovernamental de Consulta Marítima (IMCO), órgão das Nações Unidas sediado em Londres; a Câmara Internacional de Navegação (ICS), composta por armadores; o Foro Marítimo Internacional de Empresas Petrolíferas (OCIMF), que congrega a maior parte das 11
  19. 19. 12 companhias responsáveis pelo transporte marítimo de petróleo. O objetivo principal destas organizações está voltado para aspectos relativos à segurança e meio ambiente. Do ponto de vista operacional existem três tipos de navios-tanques: os petroleiros, que transportam petróleo; os propaneiros, que transportam gás; e os químicos. Os químicos se caracterizam por possuírem um número maior de tanques, bombas e linhas, e uma operação mais trabalhosa, devido à variedade e propriedades químicas e físicas da carga. Inicialmente, petroleiros convencionais foram adaptados para realizar o transporte dos produtos químicos. Apesar das adaptações, no entanto, persistia o risco de perda e contaminação da carga, incêndio, explosão e intoxicação da tripulação, dependendo das características físicas e químicas dos produtos transportados. Posteriormente, com o aumento na diversidade dos produtos, o transporte passou a exigir condições especiais, tais como temperaturas elevadas, adição de antipolimerizantes e requisitos especiais para prevenir a contaminação. Os navios químicos, conhecidos internacionalmente pela sigla C.C. (Chemical Carrier) apresentam especificações próprias, dentre as quais encontram-se: 1. revestimento especial no interior dos tanques e das redes para proteger a carga de impurezas provenientes da chapa; 2. tanques de diferentes tamanhos e maior número de bombas e redes, facilitando a drenagem e o transporte de variados produtos, muitas vezes incompatíveis, em diferentes condições de temperatura e pressão (fig.1, anexo 3); 3. duplo fundo e duplo costado, permitindo maior isolamento e segurança. Grupos de tanques separados por cóferdãs (espaços entre as paredes de compartimentos / tanques contíguos, que permitem um melhor isolamento térmico - fig 2, anexo 3) e segurança contra vazamentos e contaminação; 4. capacidade de transportar produtos de elevado peso específico; 5. sistema de aquecimento de carga para temperaturas acima de 80ºC, sistema de agitação de carga, bombas de cargas especiais e serpentinas feitas de material adequado, fazendo face às diferentes características dos produtos; 6. como recurso adicional contra explosão e incêndio encontra-se a produção de gás inerte (N2), necessário para a inertização dos tanques e linhas no carregamento de produtos higroscópicos. 12
  20. 20. 13 Nos navios mais modernos, o maior grau de automação possibilita a operação por tripulações bastante reduzidas. Da mesma forma, estão presentes mecanismos de proteção contra risco de contaminação da tripulação e do meio ambiente, como por exemplo: - carregamento fechado e elevação das válvulas de alívio de pressão do vapor dos tanques (válvulas de suspiro), que ficam no convés (foto 1, anexo 2); - sistemas de medição fechados com leitura da ulagem (nível da carga presente no tanque) próximos ao tanque e na sala de controle de carga (foto 2, anexo2); - máquinas de lavagem e bombas “stripper” instaladas permanentemente; - sistema de desumidificação do ar para acelerar a liberação do gás do tanque a concentrações atmosféricas aceitáveis. Do ponto-de-vista de edificações, pode-se dividir o navio químico em convés, superestrutura e máquinas (fig. 1, anexo 3). Estes compartimentos serão apresentados na seção “Cenários” (item 4.1). 2.4 Carga Perigosa Dentre os riscos ocupacionais ligados à carga, encontram-se: incêndio, explosão, poluição do meio ambiente e intoxicação da tripulação. A literatura internacional é pobre em estudos abordando o risco de exposição crônica à carga; a maioria das referências relaciona-se a eventos agudos envolvendo acidentes e a procedimentos recomendados, visando a redução do risco de explosão, incêndio e poluição. Entre estes, encontra-se o sistema “load on top” recomendado pela Shell Internacional Marítima (SIM) desde a década de 70, que implica na contenção de resíduos a bordo dos navios visando posterior descarte em terminal. O risco de exposição a agentes químicos depende da presença da substância no ambiente, das condições ambientais e de características do agente. Navios químicos transportam uma variada gama de produtos, incluindo óleo comestível; diversas frações de petróleo: as leves, com alta pressão de vapor, as médias e até as mais densas, como óleos lubrificantes e parafina; monômeros e polímeros provenientes da indústria petroquímica. Na rota destes navios estão incluídas regiões de inverno muito rigoroso e intenso calor no verão, fatores que influenciam diretamente o risco, seja de acidentes, seja de contato com os produtos transportados e manuseados. Shafran (1984) estabelece uma diferença entre o risco de transporte e a toxicidade de transporte. O risco de transporte, como todo risco, envolve uma probabilidade que depende : a) do grau e do somatório das propriedades da carga, capazes de afetar seres humanos, navio e ambiente; b) das condições específicas de transporte, tais como as características do navio, as condições 13
  21. 21. 14 atmosféricas, a disposição e forma de operar com a carga a bordo e muitos outros fatores peculiares ao transporte marítimo; c) da quantidade da carga. A toxicidade de transporte está mais relacionada à natureza da carga, à sua capacidade de causar dano aos seres humano, fauna e flora, durante o transporte e manuseio. A importância de trabalhar com estes dois conceitos reside no fato de que o resultado final de um acidente envolvendo produtos químicos depende de ambos. No entanto, é comum entre aqueles que lidam com produtos químicos, supervalorizar um dos aspectos, em detrimento do outro. Há casos em que o risco de transporte pode ser muito mais significativo para uma substância considerada pouco tóxica do que para uma substância letal. Portanto, além do conhecimento sobre as características da carga, é fundamental a rotulagem correta e o estabelecimento de procedimentos para diferentes tipos de tanques e navios. A primeira Convenção Internacional sobre Normas de Treinamento de Marítimos, Expedição de Certificados e Serviço de Quarto, sob a tutela da Organização Marítima Internacional (IMO), foi realizada em 7 de julho de 1978. Somente em 1994 foram feitas emendas sobre as exigências de treinamento especial para pessoal embarcado em navios-tanque, as quais entraram em vigor em 1 de janeiro de 1996. Existem várias classificações das cargas, com o objetivo de definir procedimentos e prevenir acidentes. As que se baseiam no grau de toxicidade, estado físico e via de absorção são mais efetivas na prevenção de acidentes do que aquelas que se baseiam no tipo de ação (explosivos, inflamáveis , etc). As primeiras, fornecem uma noção de como a substância se comporta, enquanto estas últimas informam apenas os efeitos nas pessoas e ambiente. A classificação da Guarda Costeira dos Estados Unidos (USCG, 1991) facilita a identificação de incompatibilidade entre as cargas ao classificar os produtos segundo famílias químicas. Os grupos de reatividade considerados são: 0) carga não-classificada; 1) ácidos minerais não-oxidantes; 2) ácidos sulfúricos; 3) ácido nítrico; 4) ácidos orgânicos; 5) cáusticos; 6) amônia; 7) aminas alifáticas; 8) alcanolaminas; 9) aminas aromáticas; 10) amidas; 11) anidridos orgânicos; 12) isocianatos; 13) acetato de vinila; 14) acrilatos; 15) grupos alil substituídos; 16) óxidos de alquilenos; 17) epicloridrina; 18) cetonas; 19) aldeídos; 20) álcoois e glicóis; 21) fenóis e cresóis; 22) soluções de caprolactam; 23 a 29) não-classificados; 30) oleofinas; 31) parafinas; 32) hidrocarbonetos aromáticos; 33) misturas de hidrocarbonetos diversas; 34) ésteres; 35) halídeos de vinila; 36) hidrocarbonetos halogenados; 37) nitrilas; 38) dissulfeto de carbono; 39) sulfolane; 40) éteres de glicol; 41) éteres; 42) nitrocompostos; 43) soluções aquosas diversas. O Manual de Operações dos Navios Químicos da Coleção de Manuais da Frota Nacional de Petroleiros (FRONAPE), 1973, especifica a operação com seis tipos de produtos: a. os inibidos, que apresentam risco de obstrução das linhas e bombas por resíduos sólidos e riscos à saúde do homem, decorrentes da manipulação do inibidor; 14
  22. 22. 15 b. os corrosivos, que apresentam três tipos de risco, caracterizados tanto pela ação corrosiva, que é potencializada em temperaturas mais altas, quanto pela formação de misturas inflamáveis com os metais e o risco de agressão ao homem e meio ambiente; c. os produtos tóxicos sistêmicos, que representam risco de : 1) poluição do meio ambiente, minimizado pela existência de duplo-costado e duplo fundo; 2) contaminação de cargas comestíveis e interação com cargas incompatíveis, reduzido pela presença de cóferdãs; 3) intoxicação nas operações, pela possibilidade transbordamentos e vazamentos através das redes, bombas e do sistema de aquecimento; d. os produtos incompatíveis com o ar, que devem ser transportados inertizados, isto é, separados do ar através de uma camada de gás inerte; e. o ácido fosfórico é especificado devido a sua corrosividade e à necessidade de agitação constante, para evitar a formação de partículas sólidas que podem danificar os sistemas de bombas; f. o melaço, pela necessidade da manutenção de uma temperatura constante em torno dos 40ºC. No Brasil, o artigo 101 do Decreto 59.832, de 21 de dezembro de 1966, classifica as cargas perigosas em nove classes, a saber: classe 1 - explosivos; classe 2 - gases comprimidos, liqüefeitos ou dissolvidos sob pressão; classe 3 - líquidos inflamáveis; classe 4 - sólidos inflamáveis, sólidos inflamáveis ou substâncias sujeitas à combustão espontânea; sólidos inflamáveis ou substâncias que, em contato com a água, emitam gases inflamáveis; classe 5 - substâncias oxidantes, peróxidos orgânicos; classe 6 - substâncias venenosas (tóxicas); classe 7 - substâncias radioativas; classe 8 - corrosivos; classe 9 - outras substâncias perigosas não incluídas nas classes anteriores, mas que a experiência venha a demonstrar serem de caráter geral, tal que requeiram cuidados semelhantes. O artigo 104 do mesmo Decreto determina que, nos documentos relativos ao transporte, deve constar o nome técnico, sendo vedada a utilização do nome comercial. Com o objetivo de documentar as operações potencialmente perigosas, desenvolver e testar modelos analíticos, Astleford et al publicaram em 1985, sob o patrocínio da Guarda Costeira Americana, um programa intitulado “Investigação dos riscos representados pelos vapores liberados nas operações marítimas”, no qual foram desenvolvidos três modelos: a) modelo ONDECK para dispersão atmosférica de vapores mais pesados que o ar, liberados durante o carregamento do tanque; b) modelo TANKP para drenagem do gás do tanque na presença de evaporação do produto puro e, modelo TANKM, para drenagem do gás na presença de evaporação de resíduos de solução com água. Estes programas informam a concentração do vapor ao longo do tempo e sua variação no espaço; desta forma, antes da entrada no tanque, pode-se obter um quadro ambiental e pode-se, também, calcular o risco durante a permanência no convés. 15
  23. 23. 16 3. MONITORIZAÇÃO AMBIENTAL E BIOLÓGICA “Ah, quem sabe, quem sabe, Se não parti outrora, antes de mim, Dum cais, que não deixei, navio ao sol“ Fernando Pessoa 3.1 Considerações gerais A presença de um agente químico no ambiente implica na possibilidade de haver dano à saúde das pessoas, na dependência de fatores ligados: `a pessoa (características e comportamento), ao agente e à exposição. Destes, vamos enfatizar aqueles relacionados à exposição, entre os quais (fig 4, anexo 3): a) contato entre as membranas biológicas da pessoa e o agente; b) quantidade do agente presente no ambiente, que representa a dose potencial; c) quantidade do agente absorvida pela pessoa, que representa a dose interna; d) quantidade do agente nos órgãos-alvos. 16
  24. 24. 17 Para haver um risco à saúde do trabalhador é preciso, então, que o agente esteja disponível no ambiente de trabalho em tal forma e tal concentração, que possa haver contato e absorção, da qual resulte alguma alteração no organismo, identificada como um “efeito adverso”. Buscando fazer esta correlação, calcula-se a dose potencial através da coleta de amostras ambientais (ar, água,) e de material biológico (urina, sangue, ar expirado, etc). A dose interna é calculada a partir de medições do agente ou produtos resultantes da sua biotransformação em material biológico. A dose nos órgãos-alvos é diretamente responsável pelos efeitos observados. Esta, em geral, é calculada através de modelos chamados de farmacocinéticos, que definem matematicamente as concentrações do agente e seus metabólitos em diferentes compartimentos e órgãos e, informações importantes para a determinação da probabilidade de danos à saúde. A monitorização ambiental, avaliação sistemática de concentrações ambientais às quais o trabalhador está exposto (assumindo que haja o contato e absorção) tem o seu correspondente biológico, ou seja, a monitorização biológica é a medição sistemática da concentração do agente ou seus metabolitos em material biológico. O objetivo principal da monitorização ambiental e biológica é a manutenção do ambiente de trabalho seguro e a adoção de práticas de trabalho que garantam a prevenção dos agravos à saúde do trabalhador e propiciem o bem-estar. Enquanto a monitorização ambiental caracteriza a exposição específica no local de trabalho, a monitorização biológica pode fornecer informações sobre a exposição global do trabalhador. Com o objetivo de verificar a possibilidade e validade de realizar monitorização biológica em marítimos, Prevost e colaboradores, 1987, realizaram estudo piloto no qual mediram simultaneamente, em diferentes fases do carregamento, as concentrações de tolueno e metanol no ambiente, a dosimetria individual e a dosagem as substâncias ou seus metabólitos em material biológico (sangue, urina e ar expirado em períodos estipulados). A operação de monitorização durou 24 horas. O sangue foi retirado, 30 a 60 minutos antes da exposição e, posteriormente, na 1a, 2a, 4a, 6a, 12a e 18a horas de exposição. Os autores concluem que é possível realizar monitorização biológica nas operações marítimas e propõem que seja discutida a validade e o interesse de tal procedimento. 3.2 Valores de referência de exposição A investigação da disponibilidade do agente no ambiente, a sua quantificação e o controle dos fatores ambientais que favorecem a geração do “efeito adverso” são as três etapas da Higiene Industrial, definida como “a ciência e arte devotada ao reconhecimento, avaliação e controle dos fatores ambientais e estresse originados do ou no local de trabalho, que podem causar doença, comprometimento da saúde e do bem-estar, ou significante desconforto e ineficiência entre os 17
  25. 25. 18 trabalhadores ou membros de uma comunidade“ Esta definição persiste desde 1959, quando foi emitida pela ACGIH - Conferência Americana de Higienistas Industriais24. Uma vez quantificado o agente, direta ou indiretamente, é necessária a comparação com um padrão para definir se as quantidades encontradas são capazes de provocar dano à saúde. Assim, os valores encontrados na medição do agente no ambiente devem ser comparados a um valor-referência da mesma natureza, que seja o resultado de estudos em laboratório e em populações, nos quais tenha sido caracterizada uma probabilidade aceitável da ocorrência de dano numa população exposta. Da mesma forma, os valores encontrados no material biológico devem ser comparados a uma referência equivalente. Como índices aproximados de concentrações passíveis de não causarem efeitos adversos à maioria da população em exposições ocupacionais, foram estabelecidos valores médios ambientais, considerando-se diferentes tipos de exposições. Estes índices ou limites variam em diferentes países e instituições; para efeito das avaliações realizadas nesta pesquisa, consideraremos os valores e definições presentes na Norma Regulamentadora 9 (NR-9), relativa à Prevenção de Riscos Ambientais, e no anexo 11 da Norma Regulamentadora 15 (NR-15), relativa às Atividades e Operações Insalubres da Portaria 3.214 da Legislação de Segurança e Medicina do Trabalho. São utilizados, pela maior parte dos autores pesquisados, os valores e definições emitidos pela Conferência Americana de Higienistas Industriais (ACGIH). A definição dos valores de referência ou limites envolve vários tipos de considerações e aspectos. Os aspectos técnicos baseiam-se na pesquisa e em estudos epidemiológicos; os econômicos e políticos levam em consideração as repercussões econômicas e a estabilidade do sistema político; os culturais e sociais dependem do grau de conscientização e reivindicação da população, da sua percepção do risco, entre outras características. Assim sendo, valores propostos por diferentes países e mesmo por diferentes instituições de um mesmo país podem diferir significativamente e, os existentes, podem sofrer ajustes, conforme o desenvolvimento das pesquisas ou qualquer um dos aspectos comentados acima. Embora existam diferentes denominações para estas referências é importante destacar que, independentemente da sugestão que o nome possa conter, estes valores não representam uma linha entre níveis seguros e perigosos. Trata-se de um conceito estatístico, uma probabilidade representativa de uma faixa de uma população; portanto, sua aplicação a casos individuais deve ser bastante cuidadosa, uma vez que a variabilidade individual é grande, tanto no que diz respeito à herança genética, quanto aos hábitos de vida e história pregressa. Colacioppo, 198923, discute os diferentes termos utilizados para denominar estes padrões e sugere a adoção de “Limites de exposição”, termo proposto pela Organização Internacional do Trabalho, em 1977. Manteremos aqui a denominação utilizada pela legislação brasileira de “limites de tolerância”. Da mesma forma, uma vez que a grande maioria da bibliografia consultada utiliza 18
  26. 26. 19 padrões propostos pela ACGIH, e, considerando que nesta pesquisa os limites considerados são aqueles propostos pela Legislação de Segurança e Medicina do Trabalho brasileira, faremos alguns comentários sobre estas duas referências. Os padrões relativos ao material biológico têm a peculiaridade de apontar, tanto a magnitude da absorção (indicadores de dose interna), quanto revelar as alterações provocadas no organismo (indicadores de efeito). Os limites de exposição são normalmente estabelecidos por legislação ou são sugeridos por instituições, governamentais ou não. No Brasil, esta definição se encontra no anexo 11 da NR-15 e no anexo I da NR-7 (29/12/95), Portaria 3.214 de 08/06/78 da Lei 6.514 de 22/12/77, que altera o Cap. V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à Segurança e Medicina do Trabalho. 3.2.1 Limites de Tolerância Ambiental Padrões Norte-Americanos A organização não-governamental Conferência Americana de Higienistas Industriais (ACGIH) estuda aspectos técnicos e administrativos ligados à saúde ambiental e ocupacional, entre eles, os Limites de Tolerância (Threshold Limit Values - TLV) definidos como “concentrações de substâncias no ar que representam condições sob as quais se acredita que, quase todos os trabalhadores podem estar expostos repetidamente, dia após dia, sem efeitos adversos à saúde”. Os limites propostos pela ACGIH apresentam as seguintes aplicações: - Valor da Média Ponderada (Time Weighted Average -TLV-TWA) - 8 horas diárias; 40 horas semanais; exposição diária relativamente constante. - Valor para curtas exposições - (Short Term Exposure Limit -TLV-STEL) - exposições por períodos de 15 minutos, que não devem ocorrer mais do que quatro vezes ao dia, a intervalos mínimos de 60 minutos. Referem-se a exposições curtas, sem que haja o aparecimento de irritação, dano tissular crônico ou irreversível, ou narcose em grau suficiente para interferir com a probabilidade de acidente, com o auto-resgate ou com a eficiência no trabalho. É um complemento ao Valor da Média Ponderada (TLV-TWA). Valor-teto - (TLV-Ceiling) - é uma concentração que não deve ser ultrapassada em nenhum momento da jornada de trabalho. O critério internacionalmente utilizado para a definição das concentrações a partir das quais a exposição deve ser estudada foi definido pela Administração de Segurança e Medicina do 19
  27. 27. 20 Trabalho (OSHA) como sendo o nível de ação, que corresponde à metade do limite de exposição (Colacioppo, 1989). No “Crew Exposure Study” Astleford, 1985, considerou que apenas exposições a valores iguais ou superiores à metade do TLV-TWA representam risco potencial que justifique a monitorização biológica. Em caso da não definição do valor deste limite pela ACGIH, utilizou valores definidos pelo Instituto de Pesquisa do Sudeste em San Antonio ou se baseou em informações da literatura. Sendo assim, independentemente do tempo de exposição, a determinação de valores ambientais iguais ou superiores à metade do limite de tolerância é considerada uma indicação para a análise da exposição individual através da monitorização biológica. Existem modelos matemáticos para adaptar os valores do TLV a jornadas de trabalho diferenciadas, alguns dos quais baseados em ações farmacocinéticas, que necessitam de informações nem sempre disponíveis, tais como meia vida e outras. A ACGIH cita o modelo Brief Scala para jornadas com tempo de exposição superior a 8 horas/dia ou 40 horas/semana, sendo ressaltado que o mesmo não deve ser utilizado para justificar altos valores de exposição para curtos períodos de tempo. Este foi o modelo aplicado para o ajuste dos limites no Brasil, para jornadas de 8 horas diárias durante 6 dias na semana, contabilizando o total de até 48 horas semanais. Padrões Brasileiros Os padrões brasileiros são definidos pela Portaria 3.214, de 08/06/1978, que compreende, atualmente, 29 Normas Regulamentadoras (NR), muitas das quais vêm sendo atualizadas ao longo do tempo, como é o caso das que aqui serão comentadas: a NR-9, atualizada em 29/12/94; a NR-7, atualizada em 08/05/96; e a NR-15, atualizada em 20/12/95. Na sua atualização as NR-7 e NR-9 propõem, respectivamente, o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e Programa de Controle dos Riscos Ambientais (PPRA), porém nestes não estão contemplados aspectos específicos ligados à saúde dos marítimos. NR-9 Trata da obrigatoriedade da elaboração e implantação de um programa de riscos ambientais. Determina a implantação de medidas de controle sempre que “os resultados das avaliações quantitativas das exposições dos trabalhadores excederem os valores-limites previstos na NR-15 ou, na ausência destes, os valores-limites de exposição ocupacional adotados pela ACGIH, ou aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais rigorosos do que os critérios técnico-legais estabelecidos”. Considera que o nível de ação para agentes químicos é a metade dos limites de exposição ocupacional, sendo este, portanto, o limite a 20
  28. 28. 21 partir do qual a monitorização biológica está indicada. Finalmente enfatiza a participação e informação por parte dos trabalhadores. NR-15, ANEXO 11 Determina limites de tolerância para absorção respiratória e especifica os produtos absorvidos também pela pele. Assinala, também, agentes com “valor-teto”, em número de 11, que correspondem ao TLV-Ceiling da ACGIH. No caso dos gases asfixiantes simples, não há limites de tolerância especificados, sendo definida a obrigatoriedade de concentração mínima de oxigênio de 18% em volume. As situações nas quais a concentração de oxigênio estiver abaixo deste valor são consideradas de risco grave e iminente. Este anexo tem como objetivo principal a caracterização da insalubridade e da necessidade do uso de equipamentos de proteção individual (EPI). Determina, ainda, que seja utilizado o método de amostragem instantânea, de leitura direta ou não, com pelo menos 10 (dez) amostragens, “para cada ponto ao nível respiratório do trabalhador”, devendo haver um intervalo de, no mínimo, 20 (vinte) minutos. O item 7 define uma equação que deve ser aplicada para avaliar se os valores encontrados representam ou não, uma situação de risco grave e iminente. São listadas 186 substâncias, das quais 126 apresentam limite de tolerância, 11 são classificadas como asfixiantes simples, 11 apresentam valor-teto e 38 constam como sendo absorvidas também pela pele. 3.2.2 Limites de Tolerância Biológica A ACGIH define os Índices de Exposição Biológica (IBE) como valores de referência na avaliação dos riscos químicos potenciais, referentes ao agente químico ou seus metabólitos em material biológico. Valores que excedem o IBE não representam obrigatoriamente risco devido à variabilidade biológica, mas a possibilidade de exposição deve ser minuciosamente investigada. Os IBEs são aplicados a exposições de oito horas, cinco dias na semana - em jornadas diferentes e devem ser ajustados com base em extrapolações de aspectos farmacocinéticos e farmacodinâmicos. Trinta e oito substâncias são apresentadas no volume de 1995/1996 do livreto “Threshold Limit Values (TLVs) for Chemical Substances and Physical Agents and Biological exposure Indices (BEIs)”, da ACGIH, 38 substâncias das quais o IBE já foi definido, especificando o material biológico a ser colhido assim como o momento da coleta. PORTARIA 3.214, NR-7 21
  29. 29. 22 Adota uma nova terminologia e define padrões: IBMP - Índice Biológico Máximo Permitido - é o valor máximo do indicador biológico para o qual se supõe que a maioria das pessoas ocupacionalmente expostas não corre risco de dano à saúde. A ultrapassagem deste valor significa exposição excessiva. VR - Valor de Referência da Normalidade: valor possível de ser encontrado em populações não expostas ocupacionalmente. Determina que os trabalhadores, cujas atividades envolvem os riscos citados na norma em questão (dentre eles, 26 substâncias químicas especificadas), devem ser avaliados em períodos, no máximo semestrais e que, para “os agentes químicos não constantes nos quadros I e II, outros indicadores biológicos poderão ser monitorizados, dependendo de estudo prévio de aspectos de validade analítica e de interpretação desses indicadores”. Define valores de referência, índices biológicos máximos, condições de amostragem, e faz observações sobre a interpretação dos resultados, numa tentativa de garantir a representatividade da amostra em relação ao evento mensurado. 3.3 Estudo da Exposição A aplicação dos limites de tolerância no estudo do risco toxicológico, no caso dos marítimos de convés, exige algumas considerações. Primeiramente, os valores são obtidos a partir de estudos que consideram populações específicas, tanto de humanos quanto de animais. Nestes últimos há um controle melhor das variáveis, tais como os aspectos genéticos, alimentares e características da exposição. No caso do ser humano, não há controle das variáveis, que são em maior número e que incluem aspectos culturais, econômicos, comportamentais e outros. Buscando tornar estes limites mais abrangentes e seguros, os valores obtidos por pesquisa e estudos são trabalhados matematicamente e a eles são aplicados fatores de segurança. Mesmo assim, os limites são aplicados a diferentes populações, sem o devido questionamento quanto à sua validade; é o caso, por exemplo, da legislação brasileira que adaptou para 48 horas e para trabalhadores brasileiros limites definidos para trabalhadores americanos e europeus com jornadas de 40 horas semanais. Na prática, os limites são utilizados geralmente, como é o caso deste estudo, em trabalhadores expostos a múltiplos agentes, cuja natureza pode ser semelhante ou diversa. Existe, portanto a possibilidade de interação entre agentes, modificando os efeitos da exposição. Os valores da média ponderada (TWA) se aplicam a jornadas fixas de 8 horas, com 16 horas de intervalo entre duas jornadas e com dois dias de intervalo entre duas semanas de trabalho. A conjugação dos três limites da ACGIH (TWA/Ceiling/STEL) limita a exposição, quanto ao total 22
  30. 30. 23 durante a jornada de trabalho e às oscilações máximas nas concentrações, assim como estabelece um limite para concentrações superiores ao valor médio permitido. A jornada marítima, no entanto, é habitualmente de quatro horas de trabalho por oito horas de descanso, todos os dias na semana. Este período é intercalado com tempo equivalente em terra, quando não há exposição ocupacional. Por outro lado, mesmo a exposição no mar é intermitente e irregular, variando significativamente com a tarefa executada de forma que períodos de exposição máxima são intercalados com outros de exposição mínima. Por exemplo: Astleford,1985, confirmou em seus estudos que, durante a viagem, a exposição habitual é mínima, e máxima durante a entrada no tanque para a limpeza. Buscando adequar o TLV às exposições encontradas nos marítmos, em estudo5 publicado em 1985, Astleford analisa de cinco modelos matemáticos : 1) Hickey-Reist: baseia-se na premissa de uma carga corporal da substância constante; sua operacionalização não se aplica à exposição marítima devido às variações na exposição ; 2) Roach: eqüivale ao modelo Hickey-Reist no que diz respeito à jornada marítima - ambos predizem que o limite de tolerância pode ser aumentado para substâncias com meia-vida curta que não apresentam ação irritante; 3) Manson-Dershin: aplicável a solventes polares e que apresentam uma cinética de acumulação linear. Não se aplica a substâncias irritantes ou sensibilizantes ou àquelas que apresentam uma cinética de acumulação não linear (p.ex., os solventes lipossolúveis apresentam picos de eliminação); 4) Brief -Scala: não se aplica à exposição dos marítimos, pois tende a zero quando o número de horas consecutivas de trabalho se aproxima de 24 horas; 5) OSHA: define seis categorias de jornadas de trabalho - categorias 1A, 1B e 1C, para as quais não há fórmula de ajuste, seja devido às características das substâncias seja devido a limitações tecnológicas; categoria 2, para efeitos agudos e exposições superiores a 8 horas/dia; categoria 3, para efeitos cumulativos e exposição superior a 40 horas/semana; categoria 4, para efeitos agudos e cumulativos para exposições superiores a 8 horas por dia ou exposições superiores a 40 horas por semana. Astleford (1985) conclui que “o ajuste de padrões existentes para as condições de exposição nas operações marítimas parece ser uma abordagem promissora para assegurar um ambiente seguro para o trabalhador marítimo. Contudo, os modelos atuais para ajustes apresentam limitações e necessitam posterior desenvolvimento e validação, antes de serem aplicados a muitos tipos de exposição encontrados nas operações marítimas.” Na verdade a grande limitação dos modelos se encontra : a) nos agentes lipossolúveis, cujos mecanismos de absorção, distribuição e armazenamento são mais complexos; b) nos efeitos crônicos, pois envolvem mecanismos de reparação celular, cuja previsão difícil; c) na exposição a 23
  31. 31. 24 mistura de substâncias. Modelos farmacocinéticos, cujo desenvolvimento limita-se a alguns agentes, são de grande valia na determinação da quantidade de substância presente no órgão-alvo e o tempo de contato. No entanto, não esclarecem a respeito dos mecanismos de reparação celular. No caso dos marítimos, a jornada de trabalho atípica e os intervalos entre os embarques são fatores que dificultam a correlação entre a exposição e os efeitos crônicos. 4. CENÁRIOS “Os navios vistos de perto são outra coisa e a mesma coisa, Dão a mesma saudade e a mesma ânsia doutra maneira.” Fernando Pessoa 4.1 O Navio Químico A seguir, a descrição dos navios estudados : 24
  32. 32. 25 CONVÉS (foto 3, anexo 2) - Fica na região intermediária em termos de altura do navio; é de fácil acesso, por ser o primeiro local a ser pisado durante o embarque . É uma região não coberta, de aparência complexa, totalmente ocupado por linhas, bombas, guindastes e a oficina do bombeador (foto 4, anexo 2). Apresenta corredores por onde se faz a passagem das pessoas que, no entanto, precisam muitas vezes andar sobre as linhas e tanques para ter acesso a determinados pontos. No navio químico, o convés encontra-se freqüentemente ocupado por tambores de produtos químicos a serem utilizados durante a viagem, dificultando o trânsito (foto 3). É no convés que todas as operações aqui descritas e analisadas acontecem, o que implica em inúmeros riscos, tais como queda e perda de equilíbrio, resultando em movimentos bruscos e outros traumatismos. O risco do trabalho fica ainda mais claro quando nos lembramos que tais navios enfrentam chuva, neve e mares em que as ondas atingem altura suficiente para “lamber”toda a região do convés. PRAÇA DE MÁQUINAS (fig. 1, anexo 3) - Situa-se na região inferior do navio; o acesso é através do convés ou da supra estrutura, sendo necessário descer um grande número de escadas. Fica abaixo da linha d’água; é totalmente confinado, quente e ruidoso, pois aí se encontram as caldeiras, motores de propulsão do navio, central de fornecimento de ar condicionado, eletricidade, água. SUPERESTRUTURA (fig. 1, anexo3; foto 1, anexo 2) - Situa-se na região vertical do navio - tanto dá acesso ao convés quanto a máquinas. É um espaço fechado, sendo as únicas aberturas, as portas de entrada e saída. É refrigerada e sente-se alguma trepidação associada ao balanço do navio. É o local onde ficam os camarotes, escritórios, refeitórios, cozinha. Nesta região trabalham os taifeiros, cozinheiros e parte do pessoal de convés e máquinas. São encontrados, nos navios químicos estudados, tanques para diferentes fins, incluindo: tanques de lastro; tanques de carga; tanques de água para limpeza; tanques de produtos químicos; tanques de óleo hidráulico; tanque de óleo combustível; tanques de óleo diesel; tanque de óleo lubrificante; tanque de água potável, tanque para armazenamento da lama química retirada dos tanques de carga. Os tanques de carga encontram-se dispostos em duas filas centrais e duas laterais (fig. 3, anexo 3) e sua denominacão está relacionada à sua posição no convés: nos navios estudados os centrais, completamente separados dos laterais e do fundo por cóferdãs, recebem a letra C, os que se situam na fila da esquerda, BE (sigla correspondente a boreste), e BB (bombordo) para a fila da direita, tendo como referência a pessoa olhando da proa para a popa. Segundo Ferreira (1984) o termo boreste “foi adotado pela Marinha de Guerra do Brasil em 1884, em lugar de estibordo, a fim de evitar que, nas vozes da manobra, houvesse confusão com bombordo”. 25
  33. 33. 26 As especificações dos navios químicos participantes deste estudo, que são em número de três, encontram-se a seguir (e mais detalhadamente nos anexos 1 e 2): N.T.1 N.T.2/N.T.3 LOCAL DE FABRICAÇÃO Bélgica França ANO DE LANÇAMENTO 1975 1983 COMPRIMENTO 170,70 m 170,90 m LARGURA 24,10 m 24,10 m CAPACIDADE DE CARGA 30.421,5m3 30.421,5 m3 POTÊNCIA DO MOTOR 10.080 HP 10.120 HP VELOCIDADE DE SERVIÇO 16 nós 14,5 nós 4.2 A Tripulação A tripulação de convés consta de: comandante, imediato, oficiais de náutica, oficial de telecomunicações, contramestre, bombeadores, marinheiros e moços de convés. Na equipe de máquinas encontram-se o chefe, os oficiais, marinheiros e moços, mecânico e eletricista. Completando 28 tripulantes, temos: auxiliar de saúde, cozinheiros e taifeiros. Parte da tripulação estudada era de contratados por questões de restrição de custo, o que dificultou a realização dos exames complementares. 4.2.1 Regime de Trabalho A Constituição Brasileira limita a jornada de trabalho a 44 horas semanais porém, na jornada marítima o sistema predominante é o de três turnos de quatro horas, que foi introduzido por James Cook em 1772. Em determinadas operações, o trabalho pode ser exaustivo, devido tanto ao ritmo, quanto ao grau de esforço físico. Dependendo da proximidade entre os portos, os tanques são lavados e, quase em seguida, são carregados no porto seguinte. Há relatos de carregamento simultâneo de 17 tanques, o que obriga o bombeador a se movimentar continuamente entre os mesmos, verificando o nível de ulagem. Há, portanto, tarefas que podem exigir 24, 30, 48 horas 26
  34. 34. 27 contínuas, sem repouso suficiente. Estes períodos de maior sobrecarga representam em torno de 30% do tempo total de trabalho; os outros 70% correspondem a tarefas de manutenção e inspeção, distribuídas em turnos de oito, às vezes doze horas, durante os quais existe uma certa flexibilidade na realização das tarefas. No porto, o turno é de seis horas de trabalho por doze de descanso, e, durante a viagem, quatro horas de trabalho por oito horas de descanso ou doze de trabalho por vinte e quatro de descanso. É previsto que, após duas viagens completas, que correspondem a aproximadamente três meses, o tripulante permaneça um mês de repouso. Porém, imprevistos são comuns, seja devido a alguma avaria maior, que necessite correção imediata, à falta de substituto ou a modificações na rota, por conta de encomendas inesperadas. Nestes casos, a permanência no mar pode se prolongar por muitos meses. 4.2.2 Descrição Sumária dos Cargos IMEDIATO (IMT) “O Imediato é o substituto legal do Comandante em todas as suas faltas e impedimentos. É a segunda autoridade de bordo podendo, nesta qualidade, intervir em qualquer parte da embarcação, no sentido de manter a ordem, disciplina, limpeza e conservação, sem que esta intervenção importe na diminuição da autoridade e responsabilidade de quaisquer outros integrantes da tripulação. É figura importante na administração da embarcação, sua presença se faz sentir quer no porto, quer em viagem, com respeito à manutenção da carga (carga e descarga).” O Imediato é, portanto, uma figura de autoridade, tanto administrativa quanto técnica. Tem autoridade para fazer sindicâncias quanto qualquer ocorrência a bordo e recusar o embarque ou promover o desembarque “daquele que tentar introduzir a bordo armas proibidas, bebidas alcoólicas ou qualquer outro material que possa prejudicar a disciplina da embarcação”. É responsável pela limpeza e conservação da embarcação, o que significa uma atividade freqüente de inspeção das diversas partes do navio, inclusive tanques e porões, além de estar presente nas operações do convés. Controla, com a cooperação do Chefe de Máquinas, o serviço de abastecimento e distribuição de combustíveis e água; dirige o serviço geral de distribuição das cargas dos porões, conveses, frigoríficos e tanques; orienta sobre a inertização e desgaseificação dos compartimentos de carga. Suas atividades exigem uma enorme variedade de informações, incluindo estrutura e características de diversas partes do navio, especialmente o convés; tanques; calado do navio e dos portos, características físicas e químicas das cargas; requisitos especiais para o transporte de determinadas substâncias e requerimentos legais relativos à operação e aos riscos de 27
  35. 35. 28 incêndio, explosão, vazamento e poluição. É ainda responsável pela transmissão de informações toxicológicas dos produtos ao pessoal de convés. Ao Imediato se reportam diretamente os oficiais de náutica e o contramestre,, que o estão sempre informando em relação aos aspectos da navegação, operações de convés e gestão do navio. OFICIAIS DE NÁUTICA (ON) Os Oficiais de Náutica estão diretamente envolvidos com a posição e sinalização do navio, instrumentos da Ponte do Convés e outros aspectos ligados à navegação, sempre sob as ordens do Comandante. Auxiliam o Imediato nas operações nos conveses e nos aspectos burocráticos. O primeiro oficial de náutica é o substituto do Imediato, enquanto o segundo acumula as funções de gestor e responsável pela segurança do trabalho e proteção contra incêndios. Enquanto gestor, o segundo oficial de náutica é encarregado por todos os serviços da Seção de Câmara, incluindo o controle da dispensa e frigoríficos, confecção dos cardápios, supervisão direta das tarefas e apresentação dos cozinheiros e taifeiros. CONTRAMESTRE (CM) “O Contramestre é o encarregado da guarnição de convés da embarcação e, como tal, responsável perante o Imediato pela disciplina, limpeza e eficiência no serviço de seus subordinados.” O Contramestre funciona como um gerente de primeira linha; deve apresentar uma forte liderança sobre o grupo que coordena, e que tem formações diferentes, a saber - os marinheiros e moços de convés, e os bombeadores. É responsável pelos aspectos operacionais, de limpeza e conservação do convés, incluindo toaletes, além de alocar membros da equipe nas diferentes tarefas e horários. Dirige também recebimento do rancho, material de custeio e demais peças da embarcação. MARINHEIROS DE CONVÉS (MNC) Auxiliam o Contramestre em todas as fainas do convés, inclusive sondagens; são responsáveis pela movimentação de todos os aparelhos de manobra e peso, nas fainas da embarcação, e pela a execução dos serviços necessários à conservação, tratamento, limpeza e pintura da embarcação e do material volante. Realizam tratamento contra a ferrugem, através da aplicação de produtos químicos com alto grau de corrosividade, e a britagem da ferrugem. São responsáveis também pela a baldeação e adoçamento da embarcação. Participam da navegação fazendo o serviço de leme, procurando manter a embarcação no rumo indicado, em turno de quatro (4) horas, com revezamento de hora em hora no serviço de vigia no passadiço. 28
  36. 36. 29 Além disso são responsáveis, juntamente com os moços, sob a orientação do Contramestre, pela execução de todas as operações do convés: atracação e desatracação, fundeio, ancoragem, limpeza e preparo dos tanques. MOÇOS DE CONVÉS (MOC) São auxiliares e substitutos dos marinheiros de convés, por quem são orientados na parte técnica. Executam todas as tarefas determinadas pelo Contramestre, tais como limpeza, tratamento anti-ferrugem, pinturas, lubrificação e quaisquer outras rotinas de manutenção do material de convés. Participam nas manobras de fundeio, suspensão da âncora, atracação, desatracação, entrada e saída de diques, e quaisquer outras fainas, sempre orientados por um marinheiro de convés. São responsáveis pela limpeza diária dos salões da guarnição, banheiros, copas, corredores, utensílios e materiais de câmara dos subalternos, recebem o rancho no paiol e auxiliam na preparação do local das refeições dos marinheiros de convés. Estão expostos em igual ou maior intensidade e amplitude que os marinheiros; entre os agentes de exposição, encontram-se os biológicos. BOMBEADOR (BBD) É um cargo de grande responsabilidade e importância num navio químico. É responsável pela conservação, manutenção e operação das bombas de carga e suas instalações, assim como ferramentas e utensílios da Casa de Bombas e paióis a seu encargo, e equipamento de gás inerte. Responde pela conservação das redes de carga e descarga e suas válvulas, redes de vapor no convés, serpentinas de aquecimento dos tanques de carga e redes de expansão dos gases. Executa os reparos que se fizerem necessários, dentro de suas atribuições, inclusive torno e solda. É responsável por toda a operação de carga e descarga dos tanques, incluindo conexão e desconexão dos mangotes de carga; a limpeza e manutenção, que assegurem condições de operação das redes e tanques de carga. Durante as operações de carga e descarga, lastro e deslastro, baldeação e preparação de porões e tanques, trabalha diretamente sob as ordens do Imediato. Tem autoridade para interromper, antes de qualquer providência ou ordem, o recebimento ou descarga, quando verificar qualquer defeito ou anormalidade que possa trazer riscos, perigos, avarias, ou poluição do meio ambiente. Deve ter ou buscar informações sobre a natureza da carga, importantes para a operação, por exemplo: ECA se polimeriza ao ter contato com água fria; a soda se precipita em contato com água quente . Deve ter informações, ainda, do ponto de vista toxicológico e de poluição. OFICIAL DE RADIOCOMUNICAÇÕES (ORC) 29
  37. 37. 30 É responsável pela guarda e conservação dos equipamentos de radiocomunicações, assim como das informações sobre aspectos metereológicos. Divide o seu tempo entre a cabine, o refeitório e a sala de radiocomunicações, refrigerada e próxima à sala de navegação. COZINHEIROS (COZ) Além das tarefas ligadas ao preparo e fiscalização da higiene e conservação dos alimentos, são responsáveis pela conservação, limpeza, asseio e ordem de todas as dependências da cozinha bem como dos utensílios. Reportam-se diretamente ao Gestor (função desempenhada por um dos oficiais ou pelo imediato que inclui o gerenciamento da parte de hotelaria). Sua ida ao convés se restringe à passagem por ocasião do embarque e desembarque, não tendo, portanto contato direto algum com a carga. TAIFEIROS (TAI) Fazem a chamada para as refeições e, de acordo com determinação superior, servem às mesas dos oficiais, sendo também responsáveis pela conservação e limpeza dos materiais e dependências habitáveis (camarotes, escadas internas, corredores, aparelhos sanitários, banheiros, salões), inclusive de seu próprio alojamento ou camarote. Têm um papel importante na higienização dos paióis de mantimentos, câmaras frigoríficas e suas dependências e geladeiras. São responsáveis pela de cama e mesa, desde recebimento e transporte para os respectivos paióis até a distribuição, lavagem e recolhimento. Têm uma certa autoridade para evitar reuniões, palestras ou algazarras nas copas. AUXILIAR DE SAÚDE Realiza palestras sobre higiene, atendimento de todos os casos de doença e mal-estar, inspeção sanitária das instalações da cozinha, da dispensa e dos alimentos. Com a redução das equipes, passou a desempenhar algumas atividades junto à equipe de convés. 4.3 A Faina - Descrição Sumária das Atividades As atividades num Navio-Tanque. podem ser grupadas em: G1 - atividades relacionadas à impulsão do navio - realizadas pelo pessoal de máquinas; G2 - atividades relacionadas à infra-estrutura do navio - fornecimento de energia elétrica, controle do ar condicionado, suprimento e tratamento da água - pessoal de máquinas; 30
  38. 38. 31 G3 - comunicação, navegação, ancoragem, fundeio, atracação e desatracação - pessoal de convés; G4 - atividades ligadas à carga - planejamento de carga e controle das atividades de limpeza, preparo, carregamento e descarga dos tanques - pessoal de convés; G5 - limpeza e manutenção do navio, motores, equipamentos e peças - pessoal de máquinas e convés, dependendo do local, equipamentos e peças; G6 - atividades diretamente relacionadas à tripulação - pessoal de cozinha, taifeiros, assistência de saúde, segurança; G7 - compras, suprimento - pessoal de máquinas e convés; G8 - planejamento supervisão e distribuição de tarefas - supervisores e oficiais G9 - programação e administração do navio - comandante, imediato, chefe de máquinas Destes grupos de atividades, vamos nos deter com mais precisão naquelas executadas pelo pessoal de convés, diretamente ligadas ao escopo deste trabalho e que incluem: atracação e desatracação; carregamento, descarga e limpeza do tanque; limpeza e manutenção do convés. NAVEGAÇÃO, ANCORAGEM, ATRACAÇÃO E DESATRACAÇÃO (G3) A navegação é realizada pelos oficiais de náutica sob a supervisão do comandante. No passadiço estão localizados os instrumentos de náutica, responsáveis pelo direcionamento do navio, comunicações e outros procedimentos. Ao chegar próximo a um porto, o comandante, juntamente com um prático (um funcionário do porto com conhecimento de náutica e dos acidentes do mesmo), orienta as manobras de entrada no porto, ancoragem ou atracação. Estas manobras são realizadas através de uma ação conjunta entre as equipes de máquinas e convés. Enquanto o pessoal do passadiço faz o controle da direção do navio, o pessoal de máquinas controla o funcionamento do motor, seguindo as orientações ditadas pelo comandante e o prático. A ancoragem consiste na liberação das âncoras, de forma a fixar o navio no fundo. É realizada geralmente pelos marinheiros e moços de convés, sob a orientação de comandante. A ancoragem é realizada, em geral, quando o navio está fundeado. A atracação consiste na fixação do navio ao porto através de cabos (foto 5) que são manejados pelos marinheiros e moços de convés, e, pessoal de terra. A desatracação é o processo contrário, de “soltar as amarras”. CARREGAMENTO E DESCARGA (G4) O carregamento e descarregamento se fazem segundo o planejamento de carga realizado pelo imediato e discutido com o contramestre, que também fazem a inspeção do tanque a ser 31
  39. 39. 32 carregado e verificam as condições da carga; estas duas últimas tarefas também são realizadas por um inspetor de carga a serviço do contratante do transporte. O plano de carga (foto 6, anexo 2) consiste na alocação da carga aos tanques, levando-se em consideração fatores tais como a resistência estrutural e características do navio, tamanho e revestimento dos tanques, o calado do navio e do porto, a natureza da carga, a estabilidade do navio, tanto longitudinal quanto transversal, e, possibilidade de avarias por contaminação. Portanto, o plano de carga deve favorecer a prevenção de avarias e contaminação, além de facilitar a distribuição da carga em função dos portos. Normalmente é afixado na sala do imediato, que o atualiza cada vez que há alguma operação de carga ou descarga. Algumas cargas demandam cuidados especiais, como por exemplo, a parafina, que exige aquecimento das linhas e do tanque; substâncias que se polimerizam, necessitam de temperaturas mais estáveis e de adição de inibidores; produtos corrosivos, que demandam sistemas com revestimento especial, tais como aço; produtos altamente higroscópicos ou incompatíveis com ar, quando o espaço vazio do tanque deve ser preenchido com gás inerte, assim como as linhas e mangotes; o ácido fosfórico, que deve ser transportado com agitação ou circulação permanente do produto para evitar corrosão no sistema hidráulico. O imediato transmite as informações ao Bombeador e o Contramestre: este último distribui as tarefas e supervisiona sua execução. Etapas do carregamento : 1. definição dos tanques a serem carregados, e o bordo pelo qual a operação se realizará; 2. identificação das linhas a serem utilizadas, e realização das conexões, interligando tanques que vão carregar ou descarregar; 3. posicionamento e ajuste dos mangotes (foto 7, anexo 2), teste no selo de bomba (para prevenir contaminação); 4. verificação do funcionamento das bombas e sistema; 5. retirada de amostra e teste da carga antes e logo após o início da operação, quando a carga está a 30 cm de altura (se o resultado da análise não estiver satisfatório, a operação com aquele tanque é suspensa) - pessoal do navio e de terra; 6. continuidade da operação de transporte da carga com controle da vazão horária, através da leitura direta no Centro de Controle de Carga (CCC) e da medida de ulagem; 7. controle do nível do tanque intermitente a cada 10 minutos, no final do carregamento (30 minutos antes do término), pela boca de ulagem; o carregamento cessa quando o tanque tem 98% da sua capacidade ocupados; 8. fechamento das válvulas e retirada de amostra. As tarefas dos itens 2,3,4,6,7 e 8 são realizadas pelos bombeadores, auxiliados pelos marinheiros/moços de convés. O controle do nível do tanque é realizado, modernamente, por sistema de sensores à base de radar, cujas informações são geradas numa sala central de controle, 32
  40. 40. 33 localizada na superestrutura do navio. Nem toda a tripulação dos navios estudados considerava o sistema de controle à distância confiável e, por ocasião do carregamento, era realizada a medição aberta da ulagem. O medidor de nível consiste numa trena ligada a um pêndulo na sua extremidade, que é colocada numa abertura circular, de diâmetro variável, denominada “boca de ulagem”. Ao ser descarregado, o tanque permanece com um resíduo de carga de aproximadamente 150-200 ml, que não é retirado pela bomba da carga e se acumula numa depressão no chão do tanque chamada de “poceto”. LIMPEZA DO TANQUE (G4) A limpeza dos tanques é realizada segundo indicações dadas pelo imediato, com base na experiência e em informações obtidas de manuais especializados, alguns editados por instituições especializadas no assunto, como a Guarda Costeira Americana e a International Chamber of Shipping. A duração, etapas e complexidade dependem das características do tanque, da natureza do produto retirado e do próximo a ser carregado. Pode compreender apenas uma etapa, a ventilação, ou um número significativamente maior. É realizada principalmente com objetivo de assegurar a pureza do produto a ser carregado. Quanto à metodologia da limpeza, as cargas podem ser classificadas em: a) gorduras e óleos animais e vegetais; b) óleos minerais e c) solventes e derivados de petróleo. Etapas comuns na limpeza de tanques: 1. retirada da carga residual (aproximadamente 150-200 ml) do poceto, através de bomba portátil; 2. posicionamento das mangueiras ligadas à máquina de jato rotativo - um marinheiro se posiciona no guindaste e outros permanecem no convés, orientando o deslocamento das mangueiras (foto 8, anexo 2), em cuja pontas localizam-se as máquinas de jato rotativo. Alguns tanques situam-se fora do raio de ação do guindaste; neste caso, o deslocamento das mangueiras é manual. Três mangueiras são colocadas num tridente - uma delas é conectada à rede pressurizada de água, para limpeza, e as outras duas estão acopladas a máquinas de jato rotativo; 3. pré-limpeza com água salgada aquecida ou não, aspergida em diferentes níveis do tanque, pela máquina de jato rotativo, que se move freqüentemente nos sentidos vertical e horizontal; 4. inspeção para verificar a retirada de resíduos e óleo (muitas vezes realizada com máscara de ar mandado); 5. limpeza com água aquecida misturada ou não a detergentes (0,005%) ou solvente (flushing) ; aproximadamente 10 toneladas de mistura para um tanque de 500 m3 ; 6. nova inspeção; 7. enxágüe com água fria, até que não haja resíduo no tanque; 8. novo enxágüe meticuloso com água doce (adoçamento) e posterior retirada das mangueiras; 33
  41. 41. 34 9. aplicação de vapor d’água com ou sem solvente (foto9, anexo 2). Neste último caso, o tanque deve ser inertizado com N2; 10. ventilação para remoção do vapor e do N2; 11. drenagem e secagem do poceto através de uma bomba portátil, e drenagem das linhas; 12. inspeção para checar que toda a lama tenha sido removida; que não haja material aderido às paredes, e que o tanque esteja seco, e para a realização de testes das condições das anteparas ou paredes (testes para verificar a presença de cloreto, hidrocarboneto e permanganato de potássio); 13. traponagem ou trapeamento - consiste na secagem das paredes e chão dos tanques ou na retirada de resíduos aderentes aos mesmos com trapos embebidos em solventes, após descarregamento de carga de alta viscosidade (foto 10, anexo 2). Em alguns casos, resíduos da substância permanecem nos poros da parede. A retirada dos mesmos é complementada por spraying de solvente (tolueno, metanol, metil-etil-cetona, etc.) ou trapeamento manual com tolueno ou outros solventes. O trapeamento manual com solvente é realizado nas seguintes etapas: - descida dos marinheiros designados pelo mestre, após ventilação e resfriamento do tanque (foto 11); - descida do balde, amarrado a uma corda, contendo cerca de 3 a 5 litros de tolueno, através do orifício de entrada do tanque; - o mestre permanece olhando pela abertura do tanque(foto 12, anexo 2), e orientando a execução da tarefa, fornecendo o material solicitado - mais trapos, mais tolueno, etc. - o marinheiro mergulha o trapo no tolueno, torce-o ou não, depois o esfrega nas paredes do tanque e, no chão do tanque sendo que, eventualmente, há uma limpeza manual das prateleiras, que se situam em diferentes alturas, podendo atingir 13 metros (foto 13, anexo 2). A duração do trapeamento é extremamente variável, pois depende da quantidade de resíduo remanescente nas paredes. Normalmente, é realizado por dois marinheiros de cada vez e há revezamento a cada 20 minutos; dependendo da quantidade de resíduo e do tempo necessário, pode ser realizado sem equipamento de proteção, por ser considerado, pelo grupo, uma exposição desprezível. O spraying consiste na realização de aspersão de solvente com uma pistola ligada a uma mangueira, em movimentos de rotação na horizontal, por marinheiro portando um conjunto completo, de ar mandado, do tipo “astronauta” (foto 14, anexo 2). A quantidade de solvente utilizada é significativa e a operação é encarada como uma atividade de grande risco, sendo ocasionalmente realizada pelo Imediato. Mesmo utilizando roupa totalmente isolante, os marinheiros colocam trapos secos nas dobras (região inguinal, axilas) pois referem que vapores provenientes do solvente penetram no macacão e provocam queimaduras nas regiões onde há maior 34
  42. 42. 35 umidade. Toda atividade de entrada no tanque é realizada em dupla e acompanhada pelo mestre através de uma abertura menor, elíptica, por onde grita as ordens durante toda a operação. INSPEÇÃO DOS TANQUES E DAS LINHAS, E CONTROLE DE CARGA (G4) Por ocasião da inspeção realizada para assegurar as condições após a limpeza dos tanques, são também verificadas as condições do revestimento e dos equipamentos, tais como bombas e sensores. Durante a viagem, a condição dos tanques e linhas é continuamente inspecionada à procura de vazamentos, e modificações na pressão e temperatura, tanto por verificação no local quanto consulta aos painéis no centro de controle. Esta atividade implica na divisão em turnos no trabalho e na deambulação quase contínua no convés, independentemente da hora, condições climáticas e outros fatores. Alguns tanques apresentam um acesso mais difícil, sendo necessária a deambulação sobre as tubulações do convés e a permanência em posturas desfavoráveis (agachado, curvado). LIMPEZA E MANUTENÇÃO DO CONVÉS (G5) A manutenção do convés é realizada em geral durante as viagens, quando não há atividades ligadas à carga. Marinheiros e moços de convés realizam pequenos reparos de pintura, retirada de ferrugem, manutenção de peças; e bombeadores fazem inspeção e manutenção das bombas e linhas. As atividades de pintura, limpeza, lubrificação, e outras que envolvem produtos químicos são, em geral, realizadas sem grande preocupação com os aspectos ligados ao risco tóxico. Na foto 15, anexo 2, o marinheiro leva um balde contendo uma mistura de hidrocarbonetos alifáticos, chamada de “mineral oil”, e esfrega o convés - esta prática é relativamente comum por parte de marinheiros, moços e bombeadores. Alguns fatores minimizam o risco desta tarefa: a) sua realização é, em geral, a céu aberto e na presença de brisa marinha; b) a quantidade de produto utilizado é pequena (há exceções, como no caso da lavagem de partes extensas do convés). Embora o risco possa ser pequeno, existe simultaneamente em alguns casos o risco de inalação de vapores da carga, dependendo da presença de vazamentos, ou da proximidade das válvulas de suspiro. Na verdade, a prática em questão se origina mais da experiência em lidar com produtos químicos e da disponibilidade dos mesmos à bordo, do que da prescrição através de procedimentos formais. 35
  43. 43. 36 5. MÉTODO “ Não basta abrir a janela Para ver os campos e o rio. Não é bastante não ser cego Para ver as árvores e as flores.” Fernando Pessoa 5.1 Classificação dos Grupos de Exposição O risco tóxico ocupacional do pessoal de convés compreende, basicamente, dois tipos de exposição com perfis, e mesmo distribuição no tempo, bastante diferenciados: a exposição à carga e a exposição aos produtos de limpeza. Quantificar este risco, significa calcular a probabilidade da ocorrência de efeitos adversos em conseqüência da exposição ocupacional na equipe de convés, quando comparada a um grupo controle. No entanto, vários fatores dificultaram a identificação deste risco, em especial: 1) a falta de acesso aos dados clínicos pregressos e laboratoriais; 2) o tamanho reduzido das tripulações; 3) a multiplicidade da carga e 4) a variação dos produtos transportados, de acordo com a rota e as flutuações de mercado. Em avaliação anterior (Gomes et al., 1992)*, que consistiu de medições instantâneas de metanol durante manobras de carregamento e descarga de tanques em um dos navios estudados, foram encontrados altos valores nas medições pontuais das concentrações ao nível respiratório dos bombeadores. Na ocasião, conforme os autores, alguns tripulantes citaram a operação de limpeza do tanque como sendo de risco. O mesmo fato se repetiu por ocasião do nosso levantamento preliminar, tendo sido então identificada a tarefa de trapeamento, inteiramente de acordo com a percepção de toda a equipe de convés, como sendo a de maior risco. Além desses, outros motivos concorreram para a escolha desta tarefa para a coleta de amostras ambientais e biológicas: 1. disponibilidade de informação toxicológica e de metodologia de avaliação do tolueno ambiental e biológico; *relatório elaborado para a FRONAPE, fruto de avaliações realizadas a bordo de um dos navios estudados. 2. é uma atividade que necessita ser realizada, sempre que um produto viscoso é transportado, e resíduos do mesmo se incrustram nas paredes e permanecem, mesmo após lavagem feita por processo semi-mecanizado, fato de ocorrência comum no eixo Rio-São Paulo- Salvador; 3. durante esta operação é utilizado apenas o tolueno, após limpeza efetiva do tanque, que inclui a retirada dos vapores da carga. Este é um fator de segurança quanto a uma boa probabilidade de ausência de exposição múltipla, além da ausência de contaminantes na amostra; 36

×