Efeitos da exposição ao ruido

744 visualizações

Publicada em

efeitos da exposição ao ruido

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
744
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Efeitos da exposição ao ruido

  1. 1. Efeitos sobre a saúde devido à exposição aos agentes físicos: ruído
  2. 2. RUÍDO
  3. 3. RUÍDO Pelas normas regulamentadoras (NR), ruído faz parte dos riscos físicos e ergonômicos (NR 9 e NR 17) Dependendo do seu valor, pode levar o trabalhador exposto a receber adicional de insalubridade de acordo com a NR 15 anexo 1
  4. 4. RUÍDO NR 15: atividades e operações insalubres, anexos 1 e 2 2 TIPOS: 1- CONTÍNUO OU INTERMITENTE 2- DE IMPACTO = é o que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a um segundo, a intervalos superiores a um segundo. NR 17: ergonomia
  5. 5. RUÍDO NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA(dB) 20 sussurro 40 tic tac do relógio 60 conversação normal a 1 metro distância 80 escritório barulhento / automóvel a 80km/h a 15 metros 100 prensas excêntricas / caminhão diesel 80km/h a 15 metros 120 dinamômetro mottor diesel a 1 metro / serra de fita a 1 metro 140 limiar de dor / sirene de alarme a 2 metros
  6. 6. RUÍDO Orelha normal opera numa faixa de audição que se estende desde um limiar mínimo (de audibilidade) até um limiar máximo (de desconforto) chamado de campo dinâmico campo dinâmico 20 140 dB
  7. 7. RUÍDO NR 15 ANEXO 1 - LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE NPS dB(A) TEMPO (min) 85 480 90 240 95 120 100 60 105 30 110 15 115 7
  8. 8. RUÍDO PROBLEMAS I- AUDITIVOS II- EXTRA AUDITIVOS III- RENDIMENTO NO TRABALHO IV- COMUNICAÇÃO
  9. 9. RUÍDO I- AUDITIVOS: A- PERDA AUDITIVA B- ZUMBIDOS C- RECRUTAMENTO D- PERDA DA DISCRIMINAÇÃO DA FALA E- OTALGIA
  10. 10. RUÍDO A- PERDA AUDITIVA 1- TRAUMA ACÚSTICO 2- PERDA AUDITIVA TEMPORÁRIA 3- PERDA AUDITIVA PERMANENTE
  11. 11. RUÍDO 1- Trauma acústico (síndrome devida ao deslocamento de ar de uma explosão) - instalação súbita - ruído repentino de grande intensidade - causa direta e indireta: lesão parcialmente reversível nas células sensoriais do órgão de Corti - ruptura da membrana timpânica e outras lesões da orelha média - manifesta-se por otalgia persistente e acentuada, ocasionalmente sangramento no ouvido afetado e tinido - as lesões traumáticas do ouvido médio geralmente têm recuperação sem complicações - as lesões do ouvido interno são parcialmente reversíveis
  12. 12. RUÍDO 3- Perda auditiva permanente a- PAINPSE – perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevada b- é um diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da exposição continuada a npse c- tipo: neurossensorial d- irreversível e- quase sempre bilateral f- manifesta-se nas frequências 3, 4 e 6khz com agravamento da lesão estende-se às frequências 8,2,1,0.5 e 0.25khz g- patologia coclear
  13. 13. RUÍDO 3- Perda auditiva permanente (PAINPSE) g- fatores relacionados: características físicas do ruído (tipo, espectro e nps), tempo de exposição e susceptibilidade individual h- primeiros 10 a 15 anos de exposição para as frequências 3, 4 e 6khz FATORES DE RISCO AMBIENTAIS: AGENTES BIOLÓGICOS AGENTES QUÍMICOS - solventes (tolueno, dissulfeto de carbono), fumos metálicos, gases asfixiantes (monóxido de carbono); AGENTES FÍSICOS - vibrações, radiação e calor OUTROS FATORES MEDICAMENTOSOS: uso constante de salicilatos, o uso de aminoglicosídeos, derivados de quinino, diuréticos entre outras. GENÉTICOS: história familiar de surdez em colaterais e ascendentes.
  14. 14. RUÍDO 3- Perda auditiva permanente (PAINPSE) FATORES METABÓLICOS E BIOQUÍMICOS: 1. alterações renais, (síndrome de Alport); 2. diabetes mellitus e outras, como síndrome de Alströmg; 3. insuficiência adrenocortical; 4. dislipidemias, hiperlipoproteinemias; 5. doenças que impliquem distúrbios no metabolismo do cálcio e do fósforo 6. distúrbios no metabolismo das proteínas (os distúrbios de melanina); 7. hipercoagulação; 8. mucopolissacaridose; 9. disfunções tireoideanas (hiper e hipotireoidismo).
  15. 15. RUÍDO 3- Perda auditiva permanente (PAINPSE) DIAGNÓSTICO: ® ANAMNESE CLÍNICA (PATOLOGIAS, DROGAS, AGENTES QUÍMICOS, FÍSICOS, BIOLÓGICOS) ® ANAMNESE OCUPACIONAL ® EXAMES FÍSICO E OTOLÓGICO ® EXAMES AUDIOMÉTRICOS** ® OUTROS EXAMES ** Nível de perda na via aérea - Audição normal: até 25 decibéis; - Redução em grau mínimo: 26 a 40 decibéis; - Redução em grau médio: 41 a 70 decibéis; - Redução em grau máximo: 71 a 90 decibéis; - Perda da audição: mais de 90 decibéis.”
  16. 16. RUÍDO b- Zumbidos 1- também conhecido como acufenos ou tinnitus 2- acomete 1/3 dos trabalhadores 3- pode se acompanhar de perda auditiva c- Recrutamento ou hiperacusia ou hiperestesia auditiva 1- sensação de incômodo para sons de alta intensidade 2- pode ser acompanhado por perda auditiva 3- tem limiar de desconforto menor 4- em patologias cocleares ocorre independente da perda auditiva
  17. 17. RUÍDO II- EXTRA AUDITVOS A- REAÇÕES GENERALIZADAS AO ESTRESSE B- REAÇÕES FÍSICAS C- ALTERAÇÕES MENTAIS E EMOCIONAIS D- PROBLEMAS ESPECÍFICOS
  18. 18. RUÍDO a- labilidade emocional, irritação, insônia, falta de concentração, queda de rendimento b- taquicardia, picos hipertensivos d- Problemas específicos 1- 140dB por ação mecânica pode levar ao afundamento do tórax (trauma torax)
  19. 19. eferências 1. Site Ministério do Trabalho e Emprego: www.mte.gov.br/normas regulamentadoras 2. Doenças Relacionadas ao Trabalho (Ministério da Saúde) capítulo 13, p. 251- 276, 2001

×