SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
A História da Cerveja e
Principais Mercados v2
A história, tipos e principais
mercados cervejeiros
6 de Março, 2014

L.G. Couto
Rodrigo Reis (colaborador e co-autor)
http://besteilog.blogspot.com.br/
Disclaimer
“As opiniões expressadas nesta apresentação, e nas páginas seguintes, são
apenas as opiniões do autor e seus colaboradores. O autor e seus
colaboradores deste documento não garantem a acuracidade e confiabilidade
da informação aqui provida.”

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

2
A história da cerveja
Não existe precisão em dizer quando a cerveja foi descoberta, o homem conheceu o processo de fermentação há mais de
10.000 anos, provavelmente devido ao contato da água com cereal que posteriormente sofreu fermentação, gerando
álcool.
A primeira prova arqueológica referente à produção de cerveja vem da Suméria. Os sumérios teriam percebido que a
massa do pão, quando molhada, fermentava, assim imagina-se o surgimento de uma forma "primitiva" da cerveja, o
famoso "pão líquido". Tudo isto data por volta de 6.000 A.C.
A cerveja foi um item fundamental para alimentação e desenvolvimento da sociedade, na maioria das vezes consumida em
grupo, agrega e socializam as pessoas. Largamente consumida no Egito antigo, alguns especialistas refizeram a receita da
cerveja egípcia e descobriram que a fórmula também produzia antibiótico, um parente da penicilina. Ou seja, além de tudo
era remédio e consumido inclusive por crianças, em média de 3 a 5 L diários por habitante.
Na América do Sul - séculos antes da chegada dos europeus - os incas já apreciavam uma bebida similar à cerveja.
Existem registros históricos de leis sobre a cerveja no mundo. Em 1.770 a.C. o Código de Hamurabi, da Babilônia – o mais
antigo código de leis conhecido - já previa punição com pena de morte àqueles que diluíssem a cerveja que vendiam.
Papiros egípcios, datados de 1.300 a.C., também fazem referência ao regulamento da venda de cerveja.
Foi na Idade Média que a cerveja ganhou o sabor característico da que consumimos hoje. Os gauleses passaram a fabricála com malte, e entre 800 e 900 DC, quando boa parte da produção européia era feita por monges, era comum o uso de
adjuntos cervejeiros, condimentos, flores, mel, canela, etc. Em um desses mosteiros introduziu-se um item de extrema
importância para a história da cerveja, o lúpulo. Uma flor natural do leste europeu que revolucionou o método de
fabricação e o sabor da cerveja. O lúpulo influência no aroma, sabor, conservação, teor alcoólico e espuma.
Na idade Média, a cerveja foi usada como mercadoria de comércio e como moeda para pagamento de impostos.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

3
A evolução do processo de produção
A história da cerveja tomou outro rumo a partir do século XIX. A ciência e a técnica tornaram-se fundamentais para o
produtor de cerveja. Louis Pasteur, cientista francês, descobriu microorganismos responsáveis pela deterioração do
produto e que poderiam estar no ar, na água e nos equipamentos. Graças a esse princípio fundamental, limpeza e higiene
tornaram-se fundamentais dentro de uma cervejaria. O nome de Louis Pasteur é lembrado através do termo
"pasteurização", método pelo qual os microorganismos são inativados através do calor.
Existem mais dois grandes nomes na evolução da cerveja. Emil Christian Hansen conseguiu separar duas espécies de
levedura com metabolismos diferentes, originando as famílias Lager e Ale. Como a levedura influencia diretamente no
sabor, a descoberta permitiu a padronização do sabor e a qualidade da cerveja.
O outro nome é Carl Von Linde que desenvolveu a geração de frio artificialmente com sua máquina frigorífica à base de
amônia. Com isso, a cerveja poderia ser feita em qualquer época do ano, pois os cervejeiros conseguiram controlar a
fermentação.
Pela fidelidade à receita original criou-se n Alemanha, a ‘Lei Alemã de Pureza’ - Reinheitsgebot – que é o mais antigo código
de alimentos do mundo. Foi instituída em 1516 pelo duque Guilherme IV, da Baviera, com o objetivo de regulamentar o
processo de manufatura da cerveja e foi atualizada em meados de 1860, com a introdução da levedura na formula,
descoberto por Louis Pasteur. A Lei Alemã de Pureza estabelece que os únicos elementos aceitos na fabricação de cerveja
são: água, malte, lúpulo e levedura.
Lógico que isso pode variar, mas em geral quanto mais lúpulo, mais amarga. Além de influir na durabilidade. Um exemplo
clássico disso é a cerveja Indian Pale Ale. Na época das grandes navegações, praticamente só se consumia cerveja do tipo
Ale, além de ser usada como alimento durante o trajeto, era transportada nos navios ingleses para venda nas Índias. Só que
durante a viagem a cerveja constantemente estragava, dada a necessidade de aumentar a durabilidade do produto os
ingleses descobriram que acrescentando mais lúpulo, a cerveja durava mais tempo, suportando todo o tempo da viagem,
de forma integra, podendo ser comercializada tranquilamente depois. E assim nascia a cerveja IPA, Indian Pale Ale,
encorpada e com alto teor alcoólico.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

4
A história da cerveja no Brasil
A história das primeiras cervejarias no Brasil começam com a chegada de Maurício de Nassau ao Recife em 1637. Junto com
Nassau veio o cervejeiro Dirck Dicx com uma planta de cervejaria e os componentes para serem montados. A cervejaria foi
montada a partir de outubro de 1640 na residência chamada "La Fontaine" que Nassau deixou de utilizar após a construção
do parque de Vrijburg.
A bebida consumida pelos brasileiros era a gengibirra, produzida com farinha de milho, gengibre, casca de limão e água. Em
outra versão, a caramuru – mistura de milho, gengibre, açúcar mascavo e água, fermentava durante uma semana.
Nas partes sob domínio português, a bebida demorou a chegar à colônia pois os portugueses temiam perder o filão da
venda de seus vinhos. Havia porém contrabando de cerveja nos portos do Rio de Janeiro, de Salvador e de Recife, dando a
oportunidade, por exemplo, em 1800, ao inglês Lindley de consumir cerveja em um mosteiro de Salvador e verificasse no
local a existência de estoques da bebida, de origem inglesa. Também foram encontradas garrafas de cerveja em inventários
de Porto Alegre em 1806.
A ampliação da venda de cerveja ao Brasil ocorreu a partir de 1808, trazida pela família real portuguesa de mudança para o
território. Consta que o rei consumia muito a bebida e logo ao chegar, o rei Dom João, decreta a abertura dos portos às
nações amigas, abolindo o monopólio comercial luso. Até 1814 a abertura dos portos beneficiava exclusivamente a
Inglaterra, que praticamente monopolizava o comércio com o Brasil, fazendo com que a cerveja consumida no Brasil, de
qualquer origem, fosse introduzida com exclusividade pela Inglaterra.
A cerveja normalmente era importada em barricas, sendo depois acondicionada em garrafas, para ser distribuída ao
consumo, podendo ser adulterada por parte dos taberneiros e intermediários. Havia também importação de cerveja
envasada em garrafas lacradas de grés do norte da Europa, para atender as encomendas da elite.
Em 1836 o Jornal do Comércio, do Rio de janeiro, dá a primeira notícia sobre fabricação comercial de cerveja no Brasil. As
primeiras cervejas brasileiras tinham um alto grau de fermentação, e mesmo depois de engarrafadas produziam uma
enorme quantidade de gás carbônico, criando grande pressão. A rolha então era amarrada com barbante para impedir que
se saltasse da garrafa. Refrescante e de baixo teor alcoólico, a cerveja foi aos poucos conquistando popularidade no Brasil e
ganhou o nome genérico de “Cerveja Marca Barbante”. Era também, conhecida como "cerveja de cordão" na região
Nordeste.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

5
A genealogia e tipos de cervejas
Existem 2 tipos de família de cervejas: As ALEs, de alta fermentação, são cervejas com sabor e aroma bem marcante e teor alcoólico de médio a
alto. As Lagers, de baixa fermentação são na grande maioria cervejas claras com sabor simples e suave e teor alcoólico de baixo a médio. As
ALEs foram as mais consumidas no mundo até a descoberta das Lagers, no século XIX. Basicamente as do tipo Lagers são fermentadas em
baixas temperaturas e nos séculos anteriores era difícil o controle de temperatura durante o processo de fabricação.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

6
O crescimento e o mercado cervejeiro no mundo

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

7
Market share de cervejas no brasil (2011)
Dados de 2011

1. InBev/AmBev - Bélgica/Brasil (Skol, Brahma, Antarctica, Bohemia, Antarctica Original, Serramalte, Stella
Artois, Caracu e Polar, entre outras, além de ser proprietária das marcas platinas Norteña, Patrícia, Pilsen e
Quilmes, ou seja, tem o domínio absoluto dos países do Prata);
2. Cervejaria Petrópolis - RJ/Brasil (Itaipava, Crystal, Petra);
3. Kirin/Schincariol - Japão/Brasil (Nova Schin, Devassa, Primus, Glacial, Cintra, Nobel, Baden Baden e
Eisenbahn)
4. Heineken/FEMSA - Holanda/México (Kaiser, Kaiser Summer Draft, Sol, Bavária, Heineken e Xingu);

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

8
Market share de cervejas no brasil (2012)
Dados de 2012

http://afrebras.org.br/setor/cerveja/composicao-de-mercado-cerveja/

No Brasil, impulsionada pelo bom desempenho da economia
brasileira, a indústria cervejeira passou a atrair as atenções de
grandes players globais que, em uma primeira etapa, apenas se
interessavam em entrar no mercado brasileiro por meio de
associação com empresas já instaladas no país, não optando
pela entrada singular. Foram os casos das joint ventures
Brahma/Miller, Antarctica/Anheuser-Busch, Kaiser/Heineken e
Skol/Carlsberg.
Em uma segunda etapa, a indústria cervejeira brasileira passou
a apresentar uma série de fusões e aquisições que consolidou o
elevado nível de concentração registrado nesse mercado. A
polêmica fusão da Antarctica com a Brahma, em 1999, e a
resultante criação da AmBev (subsidiaria da AB InBev no Brasil),
configura-se como o ato de concentração de maior relevância
na história da indústria cervejeira do país.
A estrutura de oferta atual da indústria cervejeira brasileira
configura-se como altamente concentrada, onde a empresa
líder detém cerca de 70% do mercado. O restante do mercado é
dividido por um grupo de três grandes cervejarias – que se
digladiam por cada décimo de ponto percentual de mercado –
e, ainda, por um grupo de pequenas cervejarias regionais e
microcervejarias que completam uma reduzida franja de
mercado.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

9
O surgimento das cervejas premium no Brasil
Em 2013 a importação brasileira de cervejas teve uma queda significativa em comparação com 2012. Segundo dados
divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Até outubro de 2013, o Brasil importou
aproximadamente 28 mil toneladas da bebida (medida utilizada pelo ministério), um total de US$ 33,1 milhões (cerca de
R$ 77 milhões). Já nos 12 meses de 2012, foram trazidas ao país 43,4 mil toneladas, que custaram US$ 45 milhões
(cerca de R$ 104,9 milhões).
Segundo especialistas e representantes do mercado, apesar da queda do total importado, o mercado de cervejas
premium e super premium permanece em alta no país. As cervejas premium são aquelas de 600 ml que custam até R$ 7
em mercados; já o valor das super premium ultrapassa R$ 9 a unidade.
A Holanda, país líder na venda de cervejas para o Brasil desde 2011, permaneceu como maior exportador nos primeiros
dez meses de 2013, mas sofreu uma queda acentuada na comparação com 2012. Foram 17,7 mil toneladas vendidas
para o mercado brasileiro em 2012, contra 8,5 mil toneladas em 2013. Isso representou uma diminuição de US$ 8,5
milhões (R$ 19,8 milhões) no valor pago.
Os Estados Unidos, o México e a Argentina também se destacam na queda. O primeiro país exportou para o Brasil 1,8 mil
toneladas em 2012, contra aproximadamente 1 mil até outubro de 2013. Já o México caiu de 4,9 mil toneladas de cervejas
exportadas para 534,9 toneladas. A Argentina, por sua vez, passou de 5,2 mil para 4 mil toneladas.
A queda da importação de cervejas premium aconteceu, principalmente, pela expansão da produção e surgimento de
micro-cervejarias artesanais para atender ao mercado atacadista e varejista. Novas cervejas despontaram para o mercado
brasileiro com qualidade igual ou superior às cervejas premium importadas.
Segundo reportagem do UOL em outubro de 2012, o aumento da renda e as mudanças nos hábitos de consumo dos
brasileiros devem fazer com que o mercado de cervejas artesanais cresça 13 vezes no país na próxima década. Em 2011,
a produção total de cervejas no Brasil chegou a 13,3 bilhões de litros de acordo com o Sicobe, sistema de medição da
Receita Federal.
Segundo o sommelier de cervejas, Andre Cancegliero “O Brasil possuia em 2012 cerca de 200 microcervejarias, a maioria
nas regiões Sul e Sudeste. Cidades como Ribeirão Preto e Piracicaba, no Estado de São Paulo, e Curitiba, no Paraná,
vêm se tornando polos de produção das cervejas artesanais”. Dados da Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe)
mostram que, deste total, apenas 0,15% são produtos feitos por microcervejarias. A expectativa da associação, porém, é
que em dez anos a participação suba para 2%.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

10
Mas qual é a melhor cerveja para mim?
A melhor cerveja é aquela que te agrada mais, melhor se
adapta ao seu paladar, mas alguns pontos importantes
precisam ser considerados.
A lei de pureza alemã, mais tradicional das leis de cerveja,
diz que pra ser cerveja precisa ter água, malte, lúpulo,
leveduras e nada mais. E ai fica a pegadinha.
As que tomamos aqui no Brasil são do tipo American Lager,
cerveja clara suave como uma Lager, mas, com menor
custo de produção, pois, levam adjuntos, principalmente
cereais não maltáveis e conservantes. Algumas cervejas
Belgas, que não possuem tantas restrições quanto à lei de
pureza, podem levar cereais não maltáveis, porém, o
conservante não é comum, pois, teoricamente isso deveria
ser feito pelo lúpulo.
As marcas industriais brasileiras, fabricadas em larga
escala, tem quase metade de sua composição formada por
cereais não maltáveis (45%), geralmente arroz e milho,
com custo menor desde o plantio até o processo de
malteação. O Resultado disso é: O malte é um conjunto de
açucares complexos derivado principalmente da cevada e
do trigo, os não maltáveis viram açúcares simples.
Resumindo, pagamos um preço razoavelmente caro por
uma Budweiser, feita com arroz e posicionada como
cerveja Premium, e 45% dela é como se fosse açúcar
refinado, onde deveria ser malte, açúcar complexo, de
mais difícil absorção pelo organismo e menos calorias,
além de ser diferente da receita tradicional.
O gráfico ao lado vai ajudar você a escolher a cerveja que
melhor se adapta ao seu palagar. É isso ... CHEERS !!!

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

11
Se você gosta de cervejas amargas, fique atento ao IBU!
Calma !!! Nós vamos explicar ...
IBU é a escala de amargor de uma bebida e é a sigla em inglês para International Biterness
Unit. Quanto maior a IBU, mais amarga será a cerveja, ou seja, com mais lúpulo, ou mais
lupulada, já que o principal responsável pelo amargor de uma cerveja é o lúpulo.
Beer Style International Bittering Units (IBU)

Color based on
Standard
Reference
Method (SRM)

Lager

Marzen

Pilsener
Ale

Dunkel

Doppelbock

Traditional Bock

Feb, 23rd 2014

Bitter

Weissbier

Red Ale

American Pale Ale
Brown Ale
Baltic Porter

Amber Ale

Witbier

Porter

Saison

Berliner Weisse

Stout

http://besteilog.blogspot.com.br/

Dunkelweizen

Biere de Garde

12
Preço médio de cervejas no Brasil – 253 marcas
* os valores dos produtos foram consultados entre julho de 2012 e março de 2013

http://www.terra.com.br/culinaria/infograficos/cervejas-vendidas-brasil/

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

13
Preço R$/Litro de cervejas no Brasil – 253 marcas
* os valores dos produtos foram consultados entre julho de 2012 e março de 2013

http://www.terra.com.br/culinaria/infograficos/cervejas-vendidas-brasil/
Nota do autor: Com base no preço médio por litro
das cervejas pesquisadas, eu destaco como melhor
custo e benefício pessoal a cerveja Sul Americana,
produzida pela cervejaria St Gallen. É uma cerveja
refrescante, de baixa fermentação, que apresenta
excelente equilíbrio entre o puro malte de cevada e
o aroma dos lúpulos especiais. Seu sabor distinto
combina muito bem com petiscos em geral,
defumados, embutidos e castanhas, além do
tradicional churrasco.

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

14
As dez cervejas mais caras do mundo
1. SAPPORO'S SPACE BARLEY

2. CROWN AMBASSADOR RESERVE

3. TUTANKHAMUN ALE

Price: $110/six-pack
ABV: 5.5%

Price: $90/750ml
ABV: 10.2%

Price: $75/500ml
ABV: 6%

4. BREWDOG'S SINK THE BISMARCK

5. SAMUEL ADAMS' UTOPIAS

6. SCHORSCHBRÄU'S SCHORSCHBOCK 57

Price: $80/375ml
ABV: 41%

Price: $150/700ml
ABV: 27%

Price: $275/330ml
ABV: 57.5%

7. CARLSBERG'S JACOBSEN VINTAGE

8. BREWDOG'S THE END OF HISTORY

9. PABST BLUE RIBBON 1844

Price: $400/375ml
ABV: 10.5%

Price: $765/330ml
ABV: 55%

Price: $44.00/720ml
ABV: 6%

10. NAIL BREWING'S ANTARCTIC NAIL ALE
Price: $800-$1815/500ml
ABV: 10%

http://mentalfloss.com/article/30987/10-worlds-most-expensive-beers

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

15
As cinco cervejas com maior teor alcoólico no mundo
60%
Start the Future
A cerveja mais alcoólica do mundo ainda não chegou ao Brasil. Da cervejaria holandesa da Browerij Het
Koelschip, é uma cerveja de alta fermentação com aromas e sabores complexos.

50%
The End of the History
Ainda indisponível no Brasil, esta é a cerveja mais forte da Brewdog e é servida em animais empalhados.

41%
Sink the Bismarck
Uma das cervejas mais fortes da cervejaria Brewdog, esta é uma India Pale Ale extremamente alcoólica e
amarga, com aroma frutado e herbal marcantes e aftertaste seco e adstringente.

32%
Tactical Nuclear Penguin
Do portifólio da Brewdog, é uma cerveja envelhecida em dois tipos de barris de whisky por 14 meses, fazendo
com que ao final do processo ela ganhe aromas e sabores únicos.

18,2%
Tokyo
Do estilo Imperial Stout, esta cerveja escocesa da Brewdog é extremamente alcoólica e amarga, fabricada
com maltes especiais, jasmim e Cranberries e envelhece com lascas de carvalho torrado, ganhando notas
amadeiradas e enriquecidas em seu aroma e sabor.
http://www.terra.com.br/culinaria/infograficos/cerveja-teor-alcoolico/

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

16
As dez cervejas mais vendidas no mundo
1. Snow Beer

6. Corona Extra

2. Tsingtao

7. Skol

3. Budweiser

8. Heineken

4. Yanjing Beer

9. Coors Light

5. Bud Light

10. Brahma

• UK
• 74.8M Barris
• SABMiller

• China
• 57.9M Barris
• Tsingtao Brewery Co

• EUA
• 40.4M Barris
• AB InBev

• China
• 39.6M Barris
• Beijing Yanjing Beer

• EUA
• 36.7M Barris
• AB InBev

• Mexico
• 31.6M Barris
• AB InBev

• Brasil
• 29.9M Barris
• AB InBev

• Holanda
• 29.1M Barris
• Heineken

• EUA
• 25.1M Barris
• Molson Coors

• Brasil
• 18.1M Barris
• AB InBev

http://www.thedrinksbusiness.com/2013/06/the-worlds-top-10-beer-brands/2/

Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

17
Feb, 23rd 2014

http://besteilog.blogspot.com.br/

18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Cognac
CognacCognac
Cognac
 
Beer
BeerBeer
Beer
 
Apostila+ +curso+de+cerveja+caseira
Apostila+ +curso+de+cerveja+caseiraApostila+ +curso+de+cerveja+caseira
Apostila+ +curso+de+cerveja+caseira
 
Report on gin
Report on ginReport on gin
Report on gin
 
Beer
BeerBeer
Beer
 
Cocktail (1)
Cocktail (1)Cocktail (1)
Cocktail (1)
 
Discovering the Flavors of Cognac-Presentation
Discovering the Flavors of Cognac-Presentation Discovering the Flavors of Cognac-Presentation
Discovering the Flavors of Cognac-Presentation
 
Những biến đổi hóa sinh trong quy trình sản xuất bia vàng
Những biến đổi hóa sinh trong quy trình sản xuất bia vàngNhững biến đổi hóa sinh trong quy trình sản xuất bia vàng
Những biến đổi hóa sinh trong quy trình sản xuất bia vàng
 
Cognac
CognacCognac
Cognac
 
Công nghệ lên men bia
Công nghệ lên men biaCông nghệ lên men bia
Công nghệ lên men bia
 
Sparkling wine and champagne
Sparkling wine and champagneSparkling wine and champagne
Sparkling wine and champagne
 
LIQUEUR & APERITIF
LIQUEUR  & APERITIFLIQUEUR  & APERITIF
LIQUEUR & APERITIF
 
Gin
GinGin
Gin
 
El vodka
El vodkaEl vodka
El vodka
 
Rượu vang - powerpoint template
Rượu vang - powerpoint templateRượu vang - powerpoint template
Rượu vang - powerpoint template
 
Vodka
VodkaVodka
Vodka
 
Food and Wine Pairing
Food and Wine PairingFood and Wine Pairing
Food and Wine Pairing
 
Gin
GinGin
Gin
 
Kẹo dừa
Kẹo dừaKẹo dừa
Kẹo dừa
 
VINO QUIZZ
VINO QUIZZVINO QUIZZ
VINO QUIZZ
 

Destaque

Projeto de investimento cerveja artesanal
Projeto de investimento   cerveja artesanalProjeto de investimento   cerveja artesanal
Projeto de investimento cerveja artesanalJoão Pedro Monteiro
 
Lançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídia
Lançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídiaLançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídia
Lançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídialaercio
 
Apresentacao Baden Baden DOM
Apresentacao Baden Baden DOMApresentacao Baden Baden DOM
Apresentacao Baden Baden DOMAdriano Valadão
 

Destaque (8)

Cervejaria Colorado
Cervejaria ColoradoCervejaria Colorado
Cervejaria Colorado
 
Projeto de investimento cerveja artesanal
Projeto de investimento   cerveja artesanalProjeto de investimento   cerveja artesanal
Projeto de investimento cerveja artesanal
 
Preço-baixo
Preço-baixoPreço-baixo
Preço-baixo
 
Lançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídia
Lançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídiaLançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídia
Lançamento Cerveja Mahou no Brasil - Sugestão budget de mídia
 
Ah cerveja
Ah cervejaAh cerveja
Ah cerveja
 
Emporio da Cerveja
Emporio da CervejaEmporio da Cerveja
Emporio da Cerveja
 
Apresentacao Baden Baden DOM
Apresentacao Baden Baden DOMApresentacao Baden Baden DOM
Apresentacao Baden Baden DOM
 
Devassa
DevassaDevassa
Devassa
 

Semelhante a A história e mercados da cerveja

Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaJoão Franco
 
Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!Aristides Monteiro
 
Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaJoão Franco
 
Um passeio pelo mundo da cerveja (1)
Um passeio pelo mundo da cerveja (1)Um passeio pelo mundo da cerveja (1)
Um passeio pelo mundo da cerveja (1)José Sidónio Silva
 
Um passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cervejaUm passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cervejaAmebas
 
Um passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cervejaUm passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cervejaMauricio Marzano
 
Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02
Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02
Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02Dowglas Rodrigues
 
Trabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarTrabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarCynthia Candida
 
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasilantonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no BrasilANTONIO INACIO FERRAZ
 
História da cerveja
História da cervejaHistória da cerveja
História da cervejacarol_ramalho
 
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
 História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiroclaudia #cmdterra
 
Bastidores - Sorveteria
Bastidores - SorveteriaBastidores - Sorveteria
Bastidores - Sorveteriavivianesobral
 
Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2LorenaIsabel77
 

Semelhante a A história e mercados da cerveja (20)

Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
 
Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!
 
Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
 
cerveja aula.pptx
cerveja aula.pptxcerveja aula.pptx
cerveja aula.pptx
 
Um passeio pelo mundo da cerveja (1)
Um passeio pelo mundo da cerveja (1)Um passeio pelo mundo da cerveja (1)
Um passeio pelo mundo da cerveja (1)
 
Um passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cervejaUm passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cerveja
 
Um passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cervejaUm passeio pelo mundo da cerveja
Um passeio pelo mundo da cerveja
 
A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.
 
Artigo bioterra v19_n2_07
Artigo bioterra v19_n2_07Artigo bioterra v19_n2_07
Artigo bioterra v19_n2_07
 
A história do sorvete
A história do sorveteA história do sorvete
A história do sorvete
 
Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02
Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02
Bebidasalcolicas semedit-130901213502-phpapp02
 
Bebidas alcoólicas
Bebidas alcoólicasBebidas alcoólicas
Bebidas alcoólicas
 
Chocolate
ChocolateChocolate
Chocolate
 
Trabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarTrabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucar
 
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasilantonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
 
História da cerveja
História da cervejaHistória da cerveja
História da cerveja
 
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
 História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
 
Bastidores - Sorveteria
Bastidores - SorveteriaBastidores - Sorveteria
Bastidores - Sorveteria
 
Brasilidades caipirinha
Brasilidades caipirinhaBrasilidades caipirinha
Brasilidades caipirinha
 
Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2
 

Mais de Leonardo Couto

Detecção e Prevenção a Fraude usando Análise de Dados
Detecção e Prevenção a Fraude usando Análise de DadosDetecção e Prevenção a Fraude usando Análise de Dados
Detecção e Prevenção a Fraude usando Análise de DadosLeonardo Couto
 
Wiseminer Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Preparation & AnalyticsWiseminer Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Preparation & AnalyticsLeonardo Couto
 
Destrave o poder do conhecimento através dos dados com Wiseminer
Destrave o poder do conhecimento através dos dados com WiseminerDestrave o poder do conhecimento através dos dados com Wiseminer
Destrave o poder do conhecimento através dos dados com WiseminerLeonardo Couto
 
Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02
Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02
Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02Leonardo Couto
 
Wiseminer: Data Blending & Data Preparation
Wiseminer: Data Blending & Data PreparationWiseminer: Data Blending & Data Preparation
Wiseminer: Data Blending & Data PreparationLeonardo Couto
 
Wiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraude
Wiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraudeWiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraude
Wiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraudeLeonardo Couto
 
Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2
Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2
Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2Leonardo Couto
 
Wiseminer Data Blending, Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Blending, Data Preparation & AnalyticsWiseminer Data Blending, Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Blending, Data Preparation & AnalyticsLeonardo Couto
 
Wiseminer Self-Service Data Analytics
Wiseminer Self-Service Data AnalyticsWiseminer Self-Service Data Analytics
Wiseminer Self-Service Data AnalyticsLeonardo Couto
 
Apresentação Wiseminer Analytics
Apresentação Wiseminer AnalyticsApresentação Wiseminer Analytics
Apresentação Wiseminer AnalyticsLeonardo Couto
 
Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014
Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014
Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014Leonardo Couto
 
Make Smarter Decisions with WISEMINER
Make Smarter Decisions with WISEMINERMake Smarter Decisions with WISEMINER
Make Smarter Decisions with WISEMINERLeonardo Couto
 
Tome Decisões + Inteligentes!
Tome Decisões + Inteligentes!Tome Decisões + Inteligentes!
Tome Decisões + Inteligentes!Leonardo Couto
 
Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...
Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...
Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...Leonardo Couto
 
Wiseminer data intelligence 2015 01
Wiseminer data intelligence 2015 01Wiseminer data intelligence 2015 01
Wiseminer data intelligence 2015 01Leonardo Couto
 
Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...
Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...
Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...Leonardo Couto
 
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrançaTecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrançaLeonardo Couto
 
Transforme Dados em Vantagem Competitiva
Transforme Dados em Vantagem CompetitivaTransforme Dados em Vantagem Competitiva
Transforme Dados em Vantagem CompetitivaLeonardo Couto
 
Wiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em Telefonia
Wiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em TelefoniaWiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em Telefonia
Wiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em TelefoniaLeonardo Couto
 
Wiseminer - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociais
Wiseminer  - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociaisWiseminer  - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociais
Wiseminer - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociaisLeonardo Couto
 

Mais de Leonardo Couto (20)

Detecção e Prevenção a Fraude usando Análise de Dados
Detecção e Prevenção a Fraude usando Análise de DadosDetecção e Prevenção a Fraude usando Análise de Dados
Detecção e Prevenção a Fraude usando Análise de Dados
 
Wiseminer Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Preparation & AnalyticsWiseminer Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Preparation & Analytics
 
Destrave o poder do conhecimento através dos dados com Wiseminer
Destrave o poder do conhecimento através dos dados com WiseminerDestrave o poder do conhecimento através dos dados com Wiseminer
Destrave o poder do conhecimento através dos dados com Wiseminer
 
Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02
Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02
Wiseminer Data Preparation & Smart Analytics - 2016 02
 
Wiseminer: Data Blending & Data Preparation
Wiseminer: Data Blending & Data PreparationWiseminer: Data Blending & Data Preparation
Wiseminer: Data Blending & Data Preparation
 
Wiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraude
Wiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraudeWiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraude
Wiseminer: Caso de sucesso em detecção, investigação e prevenção à fraude
 
Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2
Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2
Wiseminer Workbench Data Sheet, 2016 v2
 
Wiseminer Data Blending, Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Blending, Data Preparation & AnalyticsWiseminer Data Blending, Data Preparation & Analytics
Wiseminer Data Blending, Data Preparation & Analytics
 
Wiseminer Self-Service Data Analytics
Wiseminer Self-Service Data AnalyticsWiseminer Self-Service Data Analytics
Wiseminer Self-Service Data Analytics
 
Apresentação Wiseminer Analytics
Apresentação Wiseminer AnalyticsApresentação Wiseminer Analytics
Apresentação Wiseminer Analytics
 
Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014
Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014
Monitorando Eventos em Redes Sociais na Copa do Mundo FIFA Brasil 2014
 
Make Smarter Decisions with WISEMINER
Make Smarter Decisions with WISEMINERMake Smarter Decisions with WISEMINER
Make Smarter Decisions with WISEMINER
 
Tome Decisões + Inteligentes!
Tome Decisões + Inteligentes!Tome Decisões + Inteligentes!
Tome Decisões + Inteligentes!
 
Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...
Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...
Sistema de inteligência de dados para automação de processos de auditoria e c...
 
Wiseminer data intelligence 2015 01
Wiseminer data intelligence 2015 01Wiseminer data intelligence 2015 01
Wiseminer data intelligence 2015 01
 
Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...
Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...
Alavancando a eficiência operacional na exploração e produção de óleo e gás a...
 
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrançaTecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
 
Transforme Dados em Vantagem Competitiva
Transforme Dados em Vantagem CompetitivaTransforme Dados em Vantagem Competitiva
Transforme Dados em Vantagem Competitiva
 
Wiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em Telefonia
Wiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em TelefoniaWiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em Telefonia
Wiseminer - Caso de Sucesso na Detecção e Prevenção à Fraude em Telefonia
 
Wiseminer - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociais
Wiseminer  - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociaisWiseminer  - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociais
Wiseminer - Tecnologia analítica avançada monitorando eventos em redes sociais
 

A história e mercados da cerveja

  • 1. A História da Cerveja e Principais Mercados v2 A história, tipos e principais mercados cervejeiros 6 de Março, 2014 L.G. Couto Rodrigo Reis (colaborador e co-autor) http://besteilog.blogspot.com.br/
  • 2. Disclaimer “As opiniões expressadas nesta apresentação, e nas páginas seguintes, são apenas as opiniões do autor e seus colaboradores. O autor e seus colaboradores deste documento não garantem a acuracidade e confiabilidade da informação aqui provida.” Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 2
  • 3. A história da cerveja Não existe precisão em dizer quando a cerveja foi descoberta, o homem conheceu o processo de fermentação há mais de 10.000 anos, provavelmente devido ao contato da água com cereal que posteriormente sofreu fermentação, gerando álcool. A primeira prova arqueológica referente à produção de cerveja vem da Suméria. Os sumérios teriam percebido que a massa do pão, quando molhada, fermentava, assim imagina-se o surgimento de uma forma "primitiva" da cerveja, o famoso "pão líquido". Tudo isto data por volta de 6.000 A.C. A cerveja foi um item fundamental para alimentação e desenvolvimento da sociedade, na maioria das vezes consumida em grupo, agrega e socializam as pessoas. Largamente consumida no Egito antigo, alguns especialistas refizeram a receita da cerveja egípcia e descobriram que a fórmula também produzia antibiótico, um parente da penicilina. Ou seja, além de tudo era remédio e consumido inclusive por crianças, em média de 3 a 5 L diários por habitante. Na América do Sul - séculos antes da chegada dos europeus - os incas já apreciavam uma bebida similar à cerveja. Existem registros históricos de leis sobre a cerveja no mundo. Em 1.770 a.C. o Código de Hamurabi, da Babilônia – o mais antigo código de leis conhecido - já previa punição com pena de morte àqueles que diluíssem a cerveja que vendiam. Papiros egípcios, datados de 1.300 a.C., também fazem referência ao regulamento da venda de cerveja. Foi na Idade Média que a cerveja ganhou o sabor característico da que consumimos hoje. Os gauleses passaram a fabricála com malte, e entre 800 e 900 DC, quando boa parte da produção européia era feita por monges, era comum o uso de adjuntos cervejeiros, condimentos, flores, mel, canela, etc. Em um desses mosteiros introduziu-se um item de extrema importância para a história da cerveja, o lúpulo. Uma flor natural do leste europeu que revolucionou o método de fabricação e o sabor da cerveja. O lúpulo influência no aroma, sabor, conservação, teor alcoólico e espuma. Na idade Média, a cerveja foi usada como mercadoria de comércio e como moeda para pagamento de impostos. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 3
  • 4. A evolução do processo de produção A história da cerveja tomou outro rumo a partir do século XIX. A ciência e a técnica tornaram-se fundamentais para o produtor de cerveja. Louis Pasteur, cientista francês, descobriu microorganismos responsáveis pela deterioração do produto e que poderiam estar no ar, na água e nos equipamentos. Graças a esse princípio fundamental, limpeza e higiene tornaram-se fundamentais dentro de uma cervejaria. O nome de Louis Pasteur é lembrado através do termo "pasteurização", método pelo qual os microorganismos são inativados através do calor. Existem mais dois grandes nomes na evolução da cerveja. Emil Christian Hansen conseguiu separar duas espécies de levedura com metabolismos diferentes, originando as famílias Lager e Ale. Como a levedura influencia diretamente no sabor, a descoberta permitiu a padronização do sabor e a qualidade da cerveja. O outro nome é Carl Von Linde que desenvolveu a geração de frio artificialmente com sua máquina frigorífica à base de amônia. Com isso, a cerveja poderia ser feita em qualquer época do ano, pois os cervejeiros conseguiram controlar a fermentação. Pela fidelidade à receita original criou-se n Alemanha, a ‘Lei Alemã de Pureza’ - Reinheitsgebot – que é o mais antigo código de alimentos do mundo. Foi instituída em 1516 pelo duque Guilherme IV, da Baviera, com o objetivo de regulamentar o processo de manufatura da cerveja e foi atualizada em meados de 1860, com a introdução da levedura na formula, descoberto por Louis Pasteur. A Lei Alemã de Pureza estabelece que os únicos elementos aceitos na fabricação de cerveja são: água, malte, lúpulo e levedura. Lógico que isso pode variar, mas em geral quanto mais lúpulo, mais amarga. Além de influir na durabilidade. Um exemplo clássico disso é a cerveja Indian Pale Ale. Na época das grandes navegações, praticamente só se consumia cerveja do tipo Ale, além de ser usada como alimento durante o trajeto, era transportada nos navios ingleses para venda nas Índias. Só que durante a viagem a cerveja constantemente estragava, dada a necessidade de aumentar a durabilidade do produto os ingleses descobriram que acrescentando mais lúpulo, a cerveja durava mais tempo, suportando todo o tempo da viagem, de forma integra, podendo ser comercializada tranquilamente depois. E assim nascia a cerveja IPA, Indian Pale Ale, encorpada e com alto teor alcoólico. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 4
  • 5. A história da cerveja no Brasil A história das primeiras cervejarias no Brasil começam com a chegada de Maurício de Nassau ao Recife em 1637. Junto com Nassau veio o cervejeiro Dirck Dicx com uma planta de cervejaria e os componentes para serem montados. A cervejaria foi montada a partir de outubro de 1640 na residência chamada "La Fontaine" que Nassau deixou de utilizar após a construção do parque de Vrijburg. A bebida consumida pelos brasileiros era a gengibirra, produzida com farinha de milho, gengibre, casca de limão e água. Em outra versão, a caramuru – mistura de milho, gengibre, açúcar mascavo e água, fermentava durante uma semana. Nas partes sob domínio português, a bebida demorou a chegar à colônia pois os portugueses temiam perder o filão da venda de seus vinhos. Havia porém contrabando de cerveja nos portos do Rio de Janeiro, de Salvador e de Recife, dando a oportunidade, por exemplo, em 1800, ao inglês Lindley de consumir cerveja em um mosteiro de Salvador e verificasse no local a existência de estoques da bebida, de origem inglesa. Também foram encontradas garrafas de cerveja em inventários de Porto Alegre em 1806. A ampliação da venda de cerveja ao Brasil ocorreu a partir de 1808, trazida pela família real portuguesa de mudança para o território. Consta que o rei consumia muito a bebida e logo ao chegar, o rei Dom João, decreta a abertura dos portos às nações amigas, abolindo o monopólio comercial luso. Até 1814 a abertura dos portos beneficiava exclusivamente a Inglaterra, que praticamente monopolizava o comércio com o Brasil, fazendo com que a cerveja consumida no Brasil, de qualquer origem, fosse introduzida com exclusividade pela Inglaterra. A cerveja normalmente era importada em barricas, sendo depois acondicionada em garrafas, para ser distribuída ao consumo, podendo ser adulterada por parte dos taberneiros e intermediários. Havia também importação de cerveja envasada em garrafas lacradas de grés do norte da Europa, para atender as encomendas da elite. Em 1836 o Jornal do Comércio, do Rio de janeiro, dá a primeira notícia sobre fabricação comercial de cerveja no Brasil. As primeiras cervejas brasileiras tinham um alto grau de fermentação, e mesmo depois de engarrafadas produziam uma enorme quantidade de gás carbônico, criando grande pressão. A rolha então era amarrada com barbante para impedir que se saltasse da garrafa. Refrescante e de baixo teor alcoólico, a cerveja foi aos poucos conquistando popularidade no Brasil e ganhou o nome genérico de “Cerveja Marca Barbante”. Era também, conhecida como "cerveja de cordão" na região Nordeste. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 5
  • 6. A genealogia e tipos de cervejas Existem 2 tipos de família de cervejas: As ALEs, de alta fermentação, são cervejas com sabor e aroma bem marcante e teor alcoólico de médio a alto. As Lagers, de baixa fermentação são na grande maioria cervejas claras com sabor simples e suave e teor alcoólico de baixo a médio. As ALEs foram as mais consumidas no mundo até a descoberta das Lagers, no século XIX. Basicamente as do tipo Lagers são fermentadas em baixas temperaturas e nos séculos anteriores era difícil o controle de temperatura durante o processo de fabricação. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 6
  • 7. O crescimento e o mercado cervejeiro no mundo Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 7
  • 8. Market share de cervejas no brasil (2011) Dados de 2011 1. InBev/AmBev - Bélgica/Brasil (Skol, Brahma, Antarctica, Bohemia, Antarctica Original, Serramalte, Stella Artois, Caracu e Polar, entre outras, além de ser proprietária das marcas platinas Norteña, Patrícia, Pilsen e Quilmes, ou seja, tem o domínio absoluto dos países do Prata); 2. Cervejaria Petrópolis - RJ/Brasil (Itaipava, Crystal, Petra); 3. Kirin/Schincariol - Japão/Brasil (Nova Schin, Devassa, Primus, Glacial, Cintra, Nobel, Baden Baden e Eisenbahn) 4. Heineken/FEMSA - Holanda/México (Kaiser, Kaiser Summer Draft, Sol, Bavária, Heineken e Xingu); Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 8
  • 9. Market share de cervejas no brasil (2012) Dados de 2012 http://afrebras.org.br/setor/cerveja/composicao-de-mercado-cerveja/ No Brasil, impulsionada pelo bom desempenho da economia brasileira, a indústria cervejeira passou a atrair as atenções de grandes players globais que, em uma primeira etapa, apenas se interessavam em entrar no mercado brasileiro por meio de associação com empresas já instaladas no país, não optando pela entrada singular. Foram os casos das joint ventures Brahma/Miller, Antarctica/Anheuser-Busch, Kaiser/Heineken e Skol/Carlsberg. Em uma segunda etapa, a indústria cervejeira brasileira passou a apresentar uma série de fusões e aquisições que consolidou o elevado nível de concentração registrado nesse mercado. A polêmica fusão da Antarctica com a Brahma, em 1999, e a resultante criação da AmBev (subsidiaria da AB InBev no Brasil), configura-se como o ato de concentração de maior relevância na história da indústria cervejeira do país. A estrutura de oferta atual da indústria cervejeira brasileira configura-se como altamente concentrada, onde a empresa líder detém cerca de 70% do mercado. O restante do mercado é dividido por um grupo de três grandes cervejarias – que se digladiam por cada décimo de ponto percentual de mercado – e, ainda, por um grupo de pequenas cervejarias regionais e microcervejarias que completam uma reduzida franja de mercado. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 9
  • 10. O surgimento das cervejas premium no Brasil Em 2013 a importação brasileira de cervejas teve uma queda significativa em comparação com 2012. Segundo dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Até outubro de 2013, o Brasil importou aproximadamente 28 mil toneladas da bebida (medida utilizada pelo ministério), um total de US$ 33,1 milhões (cerca de R$ 77 milhões). Já nos 12 meses de 2012, foram trazidas ao país 43,4 mil toneladas, que custaram US$ 45 milhões (cerca de R$ 104,9 milhões). Segundo especialistas e representantes do mercado, apesar da queda do total importado, o mercado de cervejas premium e super premium permanece em alta no país. As cervejas premium são aquelas de 600 ml que custam até R$ 7 em mercados; já o valor das super premium ultrapassa R$ 9 a unidade. A Holanda, país líder na venda de cervejas para o Brasil desde 2011, permaneceu como maior exportador nos primeiros dez meses de 2013, mas sofreu uma queda acentuada na comparação com 2012. Foram 17,7 mil toneladas vendidas para o mercado brasileiro em 2012, contra 8,5 mil toneladas em 2013. Isso representou uma diminuição de US$ 8,5 milhões (R$ 19,8 milhões) no valor pago. Os Estados Unidos, o México e a Argentina também se destacam na queda. O primeiro país exportou para o Brasil 1,8 mil toneladas em 2012, contra aproximadamente 1 mil até outubro de 2013. Já o México caiu de 4,9 mil toneladas de cervejas exportadas para 534,9 toneladas. A Argentina, por sua vez, passou de 5,2 mil para 4 mil toneladas. A queda da importação de cervejas premium aconteceu, principalmente, pela expansão da produção e surgimento de micro-cervejarias artesanais para atender ao mercado atacadista e varejista. Novas cervejas despontaram para o mercado brasileiro com qualidade igual ou superior às cervejas premium importadas. Segundo reportagem do UOL em outubro de 2012, o aumento da renda e as mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros devem fazer com que o mercado de cervejas artesanais cresça 13 vezes no país na próxima década. Em 2011, a produção total de cervejas no Brasil chegou a 13,3 bilhões de litros de acordo com o Sicobe, sistema de medição da Receita Federal. Segundo o sommelier de cervejas, Andre Cancegliero “O Brasil possuia em 2012 cerca de 200 microcervejarias, a maioria nas regiões Sul e Sudeste. Cidades como Ribeirão Preto e Piracicaba, no Estado de São Paulo, e Curitiba, no Paraná, vêm se tornando polos de produção das cervejas artesanais”. Dados da Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) mostram que, deste total, apenas 0,15% são produtos feitos por microcervejarias. A expectativa da associação, porém, é que em dez anos a participação suba para 2%. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 10
  • 11. Mas qual é a melhor cerveja para mim? A melhor cerveja é aquela que te agrada mais, melhor se adapta ao seu paladar, mas alguns pontos importantes precisam ser considerados. A lei de pureza alemã, mais tradicional das leis de cerveja, diz que pra ser cerveja precisa ter água, malte, lúpulo, leveduras e nada mais. E ai fica a pegadinha. As que tomamos aqui no Brasil são do tipo American Lager, cerveja clara suave como uma Lager, mas, com menor custo de produção, pois, levam adjuntos, principalmente cereais não maltáveis e conservantes. Algumas cervejas Belgas, que não possuem tantas restrições quanto à lei de pureza, podem levar cereais não maltáveis, porém, o conservante não é comum, pois, teoricamente isso deveria ser feito pelo lúpulo. As marcas industriais brasileiras, fabricadas em larga escala, tem quase metade de sua composição formada por cereais não maltáveis (45%), geralmente arroz e milho, com custo menor desde o plantio até o processo de malteação. O Resultado disso é: O malte é um conjunto de açucares complexos derivado principalmente da cevada e do trigo, os não maltáveis viram açúcares simples. Resumindo, pagamos um preço razoavelmente caro por uma Budweiser, feita com arroz e posicionada como cerveja Premium, e 45% dela é como se fosse açúcar refinado, onde deveria ser malte, açúcar complexo, de mais difícil absorção pelo organismo e menos calorias, além de ser diferente da receita tradicional. O gráfico ao lado vai ajudar você a escolher a cerveja que melhor se adapta ao seu palagar. É isso ... CHEERS !!! Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 11
  • 12. Se você gosta de cervejas amargas, fique atento ao IBU! Calma !!! Nós vamos explicar ... IBU é a escala de amargor de uma bebida e é a sigla em inglês para International Biterness Unit. Quanto maior a IBU, mais amarga será a cerveja, ou seja, com mais lúpulo, ou mais lupulada, já que o principal responsável pelo amargor de uma cerveja é o lúpulo. Beer Style International Bittering Units (IBU) Color based on Standard Reference Method (SRM) Lager Marzen Pilsener Ale Dunkel Doppelbock Traditional Bock Feb, 23rd 2014 Bitter Weissbier Red Ale American Pale Ale Brown Ale Baltic Porter Amber Ale Witbier Porter Saison Berliner Weisse Stout http://besteilog.blogspot.com.br/ Dunkelweizen Biere de Garde 12
  • 13. Preço médio de cervejas no Brasil – 253 marcas * os valores dos produtos foram consultados entre julho de 2012 e março de 2013 http://www.terra.com.br/culinaria/infograficos/cervejas-vendidas-brasil/ Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 13
  • 14. Preço R$/Litro de cervejas no Brasil – 253 marcas * os valores dos produtos foram consultados entre julho de 2012 e março de 2013 http://www.terra.com.br/culinaria/infograficos/cervejas-vendidas-brasil/ Nota do autor: Com base no preço médio por litro das cervejas pesquisadas, eu destaco como melhor custo e benefício pessoal a cerveja Sul Americana, produzida pela cervejaria St Gallen. É uma cerveja refrescante, de baixa fermentação, que apresenta excelente equilíbrio entre o puro malte de cevada e o aroma dos lúpulos especiais. Seu sabor distinto combina muito bem com petiscos em geral, defumados, embutidos e castanhas, além do tradicional churrasco. Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 14
  • 15. As dez cervejas mais caras do mundo 1. SAPPORO'S SPACE BARLEY 2. CROWN AMBASSADOR RESERVE 3. TUTANKHAMUN ALE Price: $110/six-pack ABV: 5.5% Price: $90/750ml ABV: 10.2% Price: $75/500ml ABV: 6% 4. BREWDOG'S SINK THE BISMARCK 5. SAMUEL ADAMS' UTOPIAS 6. SCHORSCHBRÄU'S SCHORSCHBOCK 57 Price: $80/375ml ABV: 41% Price: $150/700ml ABV: 27% Price: $275/330ml ABV: 57.5% 7. CARLSBERG'S JACOBSEN VINTAGE 8. BREWDOG'S THE END OF HISTORY 9. PABST BLUE RIBBON 1844 Price: $400/375ml ABV: 10.5% Price: $765/330ml ABV: 55% Price: $44.00/720ml ABV: 6% 10. NAIL BREWING'S ANTARCTIC NAIL ALE Price: $800-$1815/500ml ABV: 10% http://mentalfloss.com/article/30987/10-worlds-most-expensive-beers Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 15
  • 16. As cinco cervejas com maior teor alcoólico no mundo 60% Start the Future A cerveja mais alcoólica do mundo ainda não chegou ao Brasil. Da cervejaria holandesa da Browerij Het Koelschip, é uma cerveja de alta fermentação com aromas e sabores complexos. 50% The End of the History Ainda indisponível no Brasil, esta é a cerveja mais forte da Brewdog e é servida em animais empalhados. 41% Sink the Bismarck Uma das cervejas mais fortes da cervejaria Brewdog, esta é uma India Pale Ale extremamente alcoólica e amarga, com aroma frutado e herbal marcantes e aftertaste seco e adstringente. 32% Tactical Nuclear Penguin Do portifólio da Brewdog, é uma cerveja envelhecida em dois tipos de barris de whisky por 14 meses, fazendo com que ao final do processo ela ganhe aromas e sabores únicos. 18,2% Tokyo Do estilo Imperial Stout, esta cerveja escocesa da Brewdog é extremamente alcoólica e amarga, fabricada com maltes especiais, jasmim e Cranberries e envelhece com lascas de carvalho torrado, ganhando notas amadeiradas e enriquecidas em seu aroma e sabor. http://www.terra.com.br/culinaria/infograficos/cerveja-teor-alcoolico/ Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 16
  • 17. As dez cervejas mais vendidas no mundo 1. Snow Beer 6. Corona Extra 2. Tsingtao 7. Skol 3. Budweiser 8. Heineken 4. Yanjing Beer 9. Coors Light 5. Bud Light 10. Brahma • UK • 74.8M Barris • SABMiller • China • 57.9M Barris • Tsingtao Brewery Co • EUA • 40.4M Barris • AB InBev • China • 39.6M Barris • Beijing Yanjing Beer • EUA • 36.7M Barris • AB InBev • Mexico • 31.6M Barris • AB InBev • Brasil • 29.9M Barris • AB InBev • Holanda • 29.1M Barris • Heineken • EUA • 25.1M Barris • Molson Coors • Brasil • 18.1M Barris • AB InBev http://www.thedrinksbusiness.com/2013/06/the-worlds-top-10-beer-brands/2/ Feb, 23rd 2014 http://besteilog.blogspot.com.br/ 17