Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência

3.829 visualizações

Publicada em

Aproximações do conceito de inteligência e consciência às funções executivas descritas e avaliadas pela moderna neuropsicologia. identificando as principais estruturas anatômico - funcionais relacionadas.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.829
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
297
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência

  1. 1. FAMEC Teorias da Aprendizagem Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência Paulo Pedro P. R. Costa costapppr@gmail.com
  2. 2. Thomas Willis (1621-1675) René Descartes (1596-1650) 1600 - 2000
  3. 3. Segundo Bintet para reconhecer os estados inferiores de inteligência, pode-se utilizar diferentes métodos. Após muitos anos de pesquisa desenvolveu o ponto de vista sintético da utlização combinada de três métodos: 1. O método médico, que permite identificar os sinais anatômicos, fisiológicos e patológicos tipicamente correspondentes à uma inteligência inferior. 2. O método pedagógico, que visa avaliar a inteligência de acordo com a soma dos conhecimentos adquiridos. 3. O método psicológico, que faz observações diretas e medidas do grau de inteligência. Alfred Binet (1905) Alfred Binet (8 de julho de 1857, Nice - 28 de outubro de 1911, Paris) foi um pedagogo e psicólogo francês. Ele ficou conhecido por sua contribuição à psicometria, a saber, foi o inventor do primeiro teste de inteligência, a base dos atuais testes de QI. Acreditava ser possível avaliar a inteligência natural e independente da instrução. Apesar de considerar que quase todos os fenômenos com que se refere a psicologia em si são os fenômenos de inteligência. A sensação, percepção são manifestações intelectuais tanto quanto o raciocínio, contudo julgar bem, compreender bem, raciocinar bem, estas são as atividades essenciais da inteligência. Segundo ele muito se ganha quando pode-se somar a esse exame uma avaliação (em separado) da atenção e memória.
  4. 4. Genios > 130 Eminente 120 -130 Normal 90 - 120 Limitrofe 70 - 90 Educável 55 - 70 Leve / Treinável 40 - 55 Moderado / Educável 25 - 40 Severo / Custodial 25 - 40 Profundo < 25 Vida vegetativa Estupor Coma Distribuição da inteligência na População Francis Galton (1822 —1911) foi um antropólogo, meteorologista, matemático e estatístico inglês.
  5. 5. As tentativas de estudo e avaliação da inteligência evoluiram em duas vertentes: Entendendo esta como resultado, voltando-se para sua aferição ou buscando a natureza do processo intelectual e seu funcionamento. - Psicometria Inteligência como resultado: Alfred Binet (1857 – 1911) Théodore Simon (1872 - 1961) Lewis Madison Terman (1877 -1956) Maud Merrill James (1888-1978) Edward Lee Thorndike (1874-1949). James McKeen Cattell (1860 - 1944) David "Wex" Wechsler (1896 - 1981) - Teoria as Inteligências Múltiplas Inteligência como processo: Charles Edward Spearman (1863 - 1945) Louis Leon Thurstone (1887 –1955) Edward Lee Thorndike (1874-1949). Teoria Fatorial - Cyril Lodowic Burt (1883 –1971) (Teoria Hierarquica 1940) Jean W. F. Piaget (1947) (Epistemologia Genénica) Teoria Genética - Lev Semenovitch Vygotsky (1896 -1934) Alexander Romanovich Luria (1902 - 1977) Neuropsicologia -
  6. 6. Para Piaget a inteligência é um prolongamento da adaptação orgânica, o progresso da razão consiste numa conscientização da atividade organizadora da própria vida. Essa definição, talvez a única que tente definir lógica e conhecimento a partir da atividade reflexa do homem e doa animais. Em seus estudos, revela sua opção de pesquisa a partir de um conceito básico da biologia moderna, a adaptação, sem o qual não poderíamos compreender as relações entre forma e função e/ou a teoria da evolução. Inteligência é adpatação, concebida como assimilação e acomodação de sucessivas estruturas de relação entre o organismo e seu ambiente. O equilíbrio e a organização definem a inteligência. Jean William Fritz Piaget (1896 —1980)
  7. 7. G (RACIOCÍNIO) Verbal - Social Simbólico - Abstrato Espacial - Concreto W N Ss V R Sm M MEMÓRIA P ATENÇÃO W – Capacidade de manejar agilmente significantes (fala) V – Raciocínio verbal. Nível semântico da atividade verbal N – Raciocínio númerico R – Lógica (dedução / indução) Ss – Habilidade espacial Sm – Habilidade mecânica Fator G & Habilidades Multimodais Thurstone, Thorndike, Mira y Lopez Modificado de Seminério, Franco Lo Presti. Infraestrutura e sistêmica da cognição humana: fatores ou liguagens. Arq. Bras. Psic., RJ 32 (1): 536-544 jan/mar. 1980
  8. 8. Teoria das Inteligências Múltiplas Howard Gardner (Pennsylvania, 11 de julho de 1943) Professor de Cognição e Educação na Universidade de Harvard, professor adjunto de neurologia na Universidade de Boston. Potencial prejuízo com dano cerebral A exemplo das capacidades lingüísticas no AVC Existência de gênios, ou indivíduos eminentes com habilidades especiais Onde se pode observar tal capacidade isolada ou prejudicada Um conjunto de operações identificável A música, por exemplo consiste da sensibilidade de uma pessoa para melodia, harmonia, ritmo, timbre e estrutura musical. Uma história de desenvolvimento distintiva para cada indivíduo, junto com uma natureza definível de desempenho especialista. É possível identificar os passos para atingir tais perícias Uma história evolutiva e plausibilidade evolutiva. A exemplo das formas de inteligência espacial em mamíferos ou inteligência musical em pássaros. Testabilidade A exemplo dos testes psicológicos Distições psicométricas Susceptíveis de confirmação e re-testagem com múltiplos instrumentos Suscetibilidade para ser codificada em um sistema de símbolos. Códigos como idioma, aritmética, mapas e expressão lógica, entre outros.
  9. 9. Inteligência Consciência Funções Executivas Córtex cerebral Córtex cerebral Lobo Frontal 1. Á. Wernicke / Broca Sistema Reticular Ativador 2.C.Frontal esquerdo 1. Ventro-medial 3.Temporo-parietal direito 2. Dorso-lateral 4.Parieto-ocipital direito 3. Córtex – cingulado 5.Homúnculo Cortical 6. C.Frontal – S. Límbico 7. C.Frontal – S. Límbico 8. 9.
  10. 10. Inteligências Múltiplas 1. LINGÜÍSTICO Um domínio e gosto especial ao idioma e palavras um desejo para os explorar. 2. LÓGICO-MATEMÁTICO Capacidade de confrontar e avaliar objetos e abstrações e discernindo as suas relações e princípios subjacentes. Matemáticos, cientistas, os filósofos: 3. MUSICAL Uma competência não só de compor e executar pedaços de ouvido, ritmo e timbre mas também escutando e discernindo. Pode ser relacionada a outras inteligências, como lingüístico, de espaço ou corporal-cinestésico. 4. ESPACIAL Uma habilidade para perceber o mundo visual com precisão, transformar, modificar percepções e recriar experiências visuais até mesmo sem estímulos físicos. Arquitetos, artistas, escultores, mapmakers, navegantes, os jogadores de xadrez 5. CORPORAL-CINESTÉSICO Controlar e orquestrar movimentos de corpo. Dançarinos, atletas, os atores. 6. e 7. INTELIGÊNCIAS PESSOAIS Humores com precisão determinando, sentimentos e outros estados mentais em a si mesmo (inteligência intrapessoal) e em outros (interpessoal) e usando a informação como um guia para comportamento. Psiquiatras, políticos, líderes religiosos, os antropólogos
  11. 11. 1. Hemisfério esquerdo: Interpretação, síntese e expressão da fala e símbolos. Pensamento analítico, prático; Lógica; Matemática; Raciocínio científico 2. Hemisfério direito: Interpretação, síntese e expressão de conceitos espaciais. Pensamento holístico;Criatividade; Intuição; Arte (Design), e Música http://brainmind.com/BrainLecture2.html
  12. 12. 1. Hemisfério esquerdo: Interpretação, síntese e expressão da fala e símbolos. Reduzida capacidade de falar, escrever, ler, compreender materialidade verbal, dificuldade em iniciar a ação. 2. Hemisfério direito: Interpretação, síntese e expressão de conceitos espaciais. Prejudicado o reconhecimento de faces ou familiaridade com os objetos, dificuldades acompanhar ritmos e musica, dificuldade de copiar desenhos, dificuldade com as tarefas de construção e montagem de objetos, desorientação espacial, dificuldade de discriminação de cor, percepção de profundidade prejudicada, falta de persistência e capacidade previsão do resultado de ações (futuro), problemas com exploração visual de varredura (scanning), reduzido a capacidade de percepção de tempo e tempo de reação. 3. Indeterminado: Sintomas mostram nenhuma correlação com o local ou o grau da lesão: Fadiga, espanto (perplexidade, insegurança) distração. Problemas com a memória de longo prazo, (geralmente depois de apenas danos generalizados no cortex). Seqüelas psicológicas - negação, raiva, irritabilidade, ansiedade, depressão, problemas com a auto-estima. Frank McDonald Townsville General Hospital, Queensland, Australia.
  13. 13. http://www.humanconnectomeproject.org/ Evolução das técnicas de visualização
  14. 14. Desenho Karl Wernicke (1848 -1905) AREA DE WERNICKE Pronunciando uma palavra escrita CORTEX MOTOR Pronunciando uma palavra ouvida Scentific American Geshwind N. 1979
  15. 15. FALA - ESCRITA CORTEX MOTOR SAÍDA MOTORA SAÍDA ÁREA PRÉ – MOTORA F PROGAMAÇÃO MOTORA COD. ARTICULATÓRIA PROCESSAMENTO SAÍDA CORTEX TEMPORO PARIETAL CODIFICAÇÃO FONOLÓGICA ENTRADA AUDITIVA LESIONADA NA AFASIA DE BROCA CORTEX ESTRIADO CODIFICAÇÃO VISUAL ENTRADA VISUAL COTEX FRONTAL ANT – INF E ASSOCIAÇÃO SEMÂNTICA PALAVRA FALADA PALAVRA ESCRITA LESIONADA NA AFASIA DE WERNICKE 5 5a 4 4a 6 7 3 Wernicke – Geshwind Modificado p/ E. Kandel DISARTRIA
  16. 16. Áreas 44 y 45 Área de Broca (relacionadas con el habla) Korbinian Brodmann (1868 –1918)
  17. 17. Coordenação ddaa aattiivviiddaaddee ffííssiiccaa IImmaaggiinnaaççããoo PPllaanneejjaammeennttoo,, EEmmooççããoo,, JJuullggaammeennttoo CCoonnttrroollee vvoolluunnttáárriioo ddee mmoovviimmeennttooss Informação tactil Dor Pressão Posição Movimento Temperatura PPrroocceessssaammeennttoo MMuuttiisseennssoorriiaall ddee iinnffoorrmmaaççããoo Antecipação e Verbos Memória de sons Memória visual VViissããoo Nomeação (substantivos)
  18. 18. http://hiddentalents.org/b rain/113-left.html
  19. 19. 2. Hemisfério direito: Interpretação, síntese e expressão de conceitos espaciais. Prejudicado o reconhecimento de faces ou familiaridade com os objetos, dificuldades acompanhar ritmos e música, dificuldade de copiar desenhos, dificuldade com as tarefas de construção e montagem de objetos, desorientação espacial, dificuldade de discriminação de cor, percepção de profundidade prejudicada, falta de persistência e capacidade previsão do resultado de ações (futuro), problemas com exploração visual de varredura (scanning), reduzido a capacidade de percepção de tempo e tempo de reação.
  20. 20. http://hiddentalents.org/brain/113-right.html#body
  21. 21. Inteligências Múltiplas 1. LINGÜÍSTICO Um domínio e gosto especial ao idioma e palavras um desejo para os explorar. 2. LÓGICO-MATEMÁTICO Capacidade de confrontar e avaliar objetos e abstrações e discernindo as suas relações e princípios subjacentes. Matemáticos, cientistas, os filósofos: 3. MUSICAL Uma competência não só de compor e executar pedaços de ouvido, ritmo e timbre mas também escutando e discernindo. Pode ser relacionada a outras inteligências, como lingüístico, de espaço ou corporal-cinestésico. 4. ESPACIAL Uma habilidade para perceber o mundo visual com precisão, transformar, modificar percepções e recriar experiências visuais até mesmo sem estímulos físicos. Arquitetos, artistas, escultores, mapmakers, navegantes, os jogadores de xadrez 5. CORPORAL-CINESTÉSICO Controlar e orquestrar movimentos de corpo. Dançarinos, atletas, os atores. 6. e 7. INTELIGÊNCIAS PESSOAIS Humores com precisão determinando, sentimentos e outros estados mentais em a si mesmo (inteligência intrapessoal) e em outros (interpessoal) e usando a informação como um guia para comportamento. Psiquiatras, políticos, líderes religiosos, os antropólogos
  22. 22. Modelo triúnico Paul D. MacLean (1913 –2007)
  23. 23. HOWARD GARDNER 8. NATURALISTA Reconhecendo e categorizando objetos naturais. Biólogos, naturalistas a exemplo de: Rachel Carson, John James Audubon, 9. EXISTENCIAL (possível intelligence):Percebendo e ponderando as perguntas fundamentais de existência. Sua evidência pode ser deduzida da existência de uma inteligência especial em líderes espirituais e pensadores filosóficos, a exemplo de: Jean-Paul Sartre, Søren A., Kierkegaard, Dalai Lama. Memory activations under placebo Memory activations under psilocybin Activations during autobiographical recollection v. rest under placebo and psilocybin
  24. 24. Matthieu Ricard, Antoine Lutz and Richard J. Davidson. Mind of the Meditator. Scientific American (November 2014), 311, 38-45
  25. 25. Inteligência Consciência Funções Executivas Córtex cerebral Córtex cerebral Lobo Frontal 1. Á. Wernicke / Broca Sistema Reticular Ativador 2.C.Frontal esquerdo 1. Ventro-medial 3.Temporo-parietal direito 2. Dorso-lateral 4.Parieto-ocipital direito 3. Córtex – cingulado 5.Homúnculo Cortical 6. C.Frontal – S. Límbico 7. C.Frontal – S. Límbico 8. 9.
  26. 26. Wilhelm Wundt (1902) Principles of Physiological Psychology http://psychclassics.yorku.ca/Wundt/Physio/ ...o ego é aquela parte do id que foi modificada pela influência direta do mundo externo, por intermédio do Pcpt.- Cs.; em certo sentido, é uma extensão da diferenciação de superfície. Além disso, o ego procura aplicar a influência do mundo externo ao id e às tendências deste, e esforça-se por substituir o princípio de prazer, que reina irrestritamente no id, pelo princípio de realidade. Para o ego, a percepção desempenha o papel que no id cabe ao instinto. Sigmund Freud. O Ego e o ID e Outros Trabalhos (1923) - Coleção Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud - Vol. 19. Ed. Imago
  27. 27. Phineas Gage (1823-1860) (a) Crânio de Phineas Gage em exposição no Museu Anatômico Warren na Harvard Medical School. (b) Esta figura mostra o conjunto de possíveis caminhos da haste de metal segundo cada possível limitações anatômicas. (C) Reprodução virtual do crânio Gage com o melhor ajuste de trajetória da haste (d) Uma vista do interior do crânio Gage mostrando a extensão dos percursos atravessado
  28. 28. (Bear, 2002)
  29. 29. Funções Executivas 1 - Pré Frontal Comportameto cognitivo Planejamento motor áreas de associação do córtex ventro-medial 2 - Parieto Temporal Ocipital (área dorso-lateral sensorial, polimodal, linguagem) 3 - Córtex – cingulado (área de associação límbica p/ emoção e memória) Kandel (p.284) Embora seja constituído por uma dezena de áreas citoarquitetônicas até o momento podem-se reconhecer três grandes regiões funcionais (1) a região ventromedial, envolvida com o planejamento de ações e do raciocínio e com o ajuste social do comportamento, entre outras funções; (2) a região dorso lateral, encarregada da memória operacional); e (3) a região cingulada anterior, envolvida com as emoções. O córtex pré-frontal estabelece conexões recíprocas com praticamente todo o encéfalo: todas as áreas corticais, vários núcleos talâmicos e núcleos da base, o cerebelo, a amígdala, o hipocampo e o tronco encefálico. Podemos imaginar que uma região que possui essas conexões tão variadas tem grandes possibilidades de exercer funções de controle e coordenação geraldas funções mentais e do comportamento. Lent. (p.673)
  30. 30. Esquema explicativo simplificado das funções do córtex pré-frontal. O uso da razão começaria medialmente pela atividade do córtex cingulado anterior (em azul), encarregado de focalizar a atenção perceptual e cognitiva, modulando a atividade das áreas funcionais correspondentes. As áreas dorsolaterais do córtex préfrontal (em amarelo e violeta) se encarregariam de comparar as informações novas com as antigas. Lent (p.677)
  31. 31. Inteligência Consciência Funções Executivas Atenção Vigília Sono REM Sono NREM 1, 2, 3, 4 Percepção (p/ Lent associar funções sensoriais à memória e à cognição Memória Memória Memória visual, facial, auditiva (inclui verbal e musical), corporal ou cinestésica,... declarativa ou consciente, - episódica - semântica não-declarativa ou inconsciente, (implícita) Imediata, operacional ou de curto prazo, memória de longo prazo anterógrada, retrógrada
  32. 32. P Sistema Reticular Ativador ATENÇÃO Neurobiology of Attention Deficit/Hyperactivity Disorder. http://www.nature.com/pr/journal/v69/n5-2/full/pr9201196a.html http://www.sistemanervoso.com/
  33. 33. M MEMÓRIA Hipocampo Allen Rat Brain Atlas Estruturas do lobo temporal medial envolvidas na formação da memória declarativa (a) Vistas lateral e medial mostram a localização do hipocampo no lobo temporal. (b) O encéfalo é seccionado coronalmente para mostrar o hipocampo e o córtex temporal medial (Bear, 2002)
  34. 34. http://www.estimulacaon eurologica.com.br/Noticias.aspx?cod=31
  35. 35. Algumas imagens não referidas no slide http://guerreirodaluzblog.blogspot.com/2009/05/teoria-do-cerebro-triunico.html http://www.vale1clique.com/tag/origem-do-homem/ Primate. (2009). In Encyclopædia Britannica. Retrieved December 02, 2009, from Encyclopædia Britannica Online: http://www.britannica.com/EBchecked/topic/476264/primate A Brief History of Life http://www.pbs.org/wgbh/nova/ http://media.photobucket.com/image/australopithecus+robustus/megalithor/australopithecus1.jpg?o=1 William_Blake-Europe_Supported_By_Africa_and_America_1796 Peter Andrews’ review of Morwood’s book – A New Human http://anthropology.net/2007/06/09/peter-andrews-review-of-morwoods-book-a-new-human/ http://professoraclara.com/prehistoria.htm http://brainmuseum.org/index.html Comparative Mammalian Brain Collections http://www.science-art.com http://www.estimulacaoneurologica.com.br/Noticias.aspx?cod=31 http://piclib.nhm.ac.uk/piclib/www/image.php?img=47017 R. G. Wise and D. J. Nutt R. L. et AL. Implications for psychedelic-assisted psychotherapy: functionalg, magnetic resonance imaging study with psilocybin BJP 2012, 200:238-244. http://bjp.rcpsych.org/content/200/3/238.full.pdf+html Francis Steen, CogWeb http://cogweb.ucla.edu/ep/Paleoanthropology.html Ellie Cristals http://www.crystalinks.com/paleontology.html Human Origins and Intelligent Design (Less Technical) http://www.ideacenter.org/contentmgr/showdetails.php/id/1146 http://www.colorado.edu/intphys/Class/IPHY3730/12aggression.html
  36. 36. Referências Bear, Mark F. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. Portp Alegre, Artemed, 2002 Binet, Alfred (1905) New Methods for the Diangnosis of the Intellectual Level of Subnormals Classics in the History of Psychology. An internet resource developed by Christopher D. Green York University, Toronto, Ontario http://psychclassics.yorku.ca/Binet/binet1.htm Damásio, António R. O mistério da consciência - Do corpo e das emoções ao conhecimento de si. SP Comapnha das Letras Freud. Sigmund. Publicações pré psicanalíticas e esboços inéditos. Edição Standard das Obras completas de Sigmund Freud. V. I / 24 v. (1886-1899). RJ, Imago, 1996 Frank McDonald ~ Consultation-Liaison Psychologist at Townsville General Hospital, Queensland, Australia. Web Page ~ a collection of psychological articles, links and images. -http://www.users.bigpond.com./fmcdonald/index.html Gardner, Howard. Estruturas da mente: A teoria das inteligências múltiplas. SP, ARTEMED, 1994 Lent, Roberto. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo, Atheneu, 2004. Luria, A. R. Fundamentos de neuropsicologia. SP, EDUSP, RJ, Livros Tecn. Cient., 1981 Pliszka, Steven R. Neurociência para o clínico de saúde mental. Porto Alegre. Artemed, 2004 Seminério, Franco Lo Presti. Infraestrutura e sistêmica da cognição humana: fatores ou liguagens. Arq. Bras. Psic., RJ 32 (1): 536-544 jan/mar. 1980

×