Decisões Estratégicas

663 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
663
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
62
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Decisões Estratégicas

  1. 1. “Nenhum de nós é tão inteligente como to d o s n ó s” . Philip Condit
  2. 2. Decisões Estratégicas JB Vilhena VP do Instituto MVC vilhena@institutomvc.com.br
  3. 3. Decisões são as escolhas que procuram resolver problemas e aproveitar oportunidades Frustração Irritação Percepção de diferença entre situação ideal e real Perspectiva de prejuízo PROBLEMA D E C I S Ã O Interesse Desafio Perspectiva de recompensa OPORTUNIDADE
  4. 4. Decisões Inteligentes Decisões Inteligentes
  5. 5. Hemisférios Cerebrais Afinal, você é da direita ou da esquerda?
  6. 6. Hemisférios Cerebrais: Funções Básicas • Hemisfério Esquerdo: – Linear – Verbal – Lógico • Hemisfério Direito: – Intuição – Conceitos gestálticos – Música/arte • Controla o lado direito do corpo • Controla o lado esquerdo do corpo
  7. 7. Processo Clássico de Decisão • Classicamente se diz que um processo de decisão eficaz deve preencher os seis critérios a seguir:  Concentrar-se no que é importante;  Ser lógico e coerente;  Reconhecer os fatores subjetivos e objetivos, combinando os pensamentos analítico e intuitivo;  Exigir apenas a quantidade de informação e a análise necessárias para resolver determinado dilema;  Estimular e guiar a obtenção de dados relevantes e opiniões bem informadas;  Ser direto, seguro, fácil de usar e flexível.
  8. 8. Processo Clássico de Decisão • Os oito elementos clássicos de uma decisão inteligente:  Problema  Objetivos  Alternativas  Conseqüências  Trocas  Incertezas  Tolerância a riscos  Decisões interligadas
  9. 9. Decisão: Razão ou Intuição? • Intuição é simplesmente cognição rápida com o conhecimento necessário parcialmente varrido para baixo do tapete – uma cortesia da emoção e de muita prática do passado. • De fato, em certas circunstâncias pensar demais pode ser muito menos vantajoso do que não pensar absolutamente nada. Antonio Damásio - O Erro de Descartes
  10. 10. Razão e Intuição • A intuição produz a visão global, a partir da interligação entre fatores, e se desenvolve com a experiência e com o processamento inconsciente das diversas informações que, diariamente, são captadas pela mente do dirigente. Por isso a intuição é capaz de produzir idéias importantes e que sobrevivem à lógica dos fatos Paulo Roberto Motta
  11. 11. E o que é intuição? “ É função do homem criativo perceber as relações entre os pensamentos, ou coisas, ou as formas de expressão que podem parecer diferentes, e ser capaz de combiná-las de novas maneiras  é o poder de conectar o que aparentemente não seria possível” William Plomer
  12. 12. Blink: A Decisão num Piscar de Olhos • Decisões tomadas muito depressa podem ser tão boas quanto decisões tomadas de forma cautelosa e deliberada Malcolm Gladwell ciente ncons I o ptativ ada
  13. 13. Quantos pés tem este elefante?
  14. 14. Dê o pontapé inicial O atraso é a ruína do processo decisório eficaz. Qualquer que seja a razão para adiar uma decisão – o problema parece irremediavelmente complexo, a escolha requer esforço intenso, sentimentos desagradáveis podem aflorar –, a necessidade de decidir não vai desaparecer.
  15. 15. Concentre-se no que é Importante Se o que é mais importante não está óbvio, pergunte-se: “O que está me impedindo de tomar essa decisão? Por que simplesmente não posso decidir agora”?
  16. 16. Crie um Plano de Ataque Uma vez examinada a decisão e orientados os seus sentidos para ela, a próxima atitude é planejar uma abordagem organizada, no intuito de encontrar uma resolução para o problema.
  17. 17. Enfrente a Complexidade Muitos problemas parecem extremamente complexos, não importa como sejam definidos. Parece que você está progredindo pouco e começa a torcer para que, de alguma maneira, o processo evolua: - Tome as decisões por estágios; - Aproxime e afaste o zoom; - Compare grupos de decisões compatíveis; - Avalie o nível adequado de detalhes.
  18. 18. Liberte-se Muitas vezes, em um processo decisório, você se verá imobilizado, incapaz de avançar. Às vezes, por não conseguir dar início ao processo. Outras, por perceber um obstáculo aparentemente intransponível. E, em outras ocasiões, por simplesmente não conseguir chegar a uma decisão.
  19. 19. aiba o momento de parar A análise pode prosseguir indefinidamente, mas você não. Em dado momento, será necessário decidir. Portanto, é preciso equilibrar a deliberação e a rapidez.
  20. 20. Recorra aos especialistas com sabedoria Para tomar uma decisão além da sua esfera de conhecimento, você freqüentemente precisará buscar orientação externa. Esses orientadores, ou peritos, podem ser seu médico, advogado ou contador, para mencionar uns poucos.
  21. 21. Estabeleça Princípios Básicos na Tomada de Decisões Quando você decide rotineiramente – usando o “piloto automático” –, você deve ter incorporado alguns mecanismos que reflitam seus valores a longo prazo.
  22. 22. Aperfeiçoe seu Estilo de Tomar Decisões Ao longo do tempo, você cria um estilo de tomar decisões: um conjunto de hábitos que governa seu processo decisório. Obviamente, você pode continuamente trabalhar no aperfeiçoamento dele.
  23. 23. Assuma o Controle do Processo Decisório Quem deve tomar suas decisões? Você, é claro. Então, quem deveria estar decidindo quais questões devem ser enfrentadas?

×